Livro Ovelha Magra - download gratuito

4,610 views

Published on

Nem sempre dá para saber porque sofremos tanto. Dizer que é para promover o nosso crescimento é reduzir muito a explicação e, existencialmente, resolve quase nada. A grande verdade é que dificilmente entenderemos porque Deus faz algumas coisas que não aceitamos. Mas o único jeito de vencer, superar as crises da vida e da fé, encontrar provisão e abrigo certo, é render-se ao amor que o Pastor das nossas almas já nos ofereceu como alimento na Eternidade, antes da fundação dos mundos.
“Ovelha Magra” é um daqueles livros de leitura agradável, cativante e ao mesmo tempo desafiadora. De uma forma muito simples e equilibrada o pastor Pablo Massolar consegue nos fazer refletir sobre nossa condição de ovelhas, e também, motiva aqueles que tem a responsabilidade de pastorear.
Com prefácio de Márcio Valadão, pastor presidente da Igreja Batista da Lagoinha, este livro é indicado para todos aqueles que estão cansados, sobrecarregados ou também se sentem como a Ovelha Magra, tantas vezes sem abrigo, doente e com fome.
Visite o blog Ovelha Magra (ovelhamagra.com) para ler outros textos do autor. Você também poderá fazer download gratuito de outros títulos e e-books na íntegra. Vale a pena!

Published in: Education
  • Be the first to comment

Livro Ovelha Magra - download gratuito

  1. 1. OvelhaMagraPablo Massolar
  2. 2. Copyright © 2009, Pablo MassolarTodos os direitos reservados ao autorÉ proibida a reprodução total ou parcial do livro,Art. 184 do Código Penal e Lei 9610 de 19 de fevereiro de 1998.1ª Edição digital, 2010.Capa e diagramaçãoMassolar.com - Comunicação e Designwww.massolar.comRevisãoSilvestre Pinheiro ArrudaBlog Ovelha Magrawww.ovelhamagra.comContatos e convitespablo@massolar.com
  3. 3. Versão digital O Senhor Jesus disse: “de graça dai o que de graçarecebeste”, como este é um livro que fala sobre a Graçade Deus, decidimos que ele seria distribuído de graça emsua versão digital, sem cobrar nada por isto, para que omaior número possível de pessoas fosse alcançado atravésda mensagem e também para que ilustrativa, simbólica epedagogicamente a Graça sobre a qual falamos aqui fosse,de alguma forma, experimentada e representada através dadistribuição gratuita deste livro. É por causa desta Graça que nos alcançou que ficamosdesejosos de testemunhá-la a todos, falar da nossa fé em umDeus que é vivo e presente na nossa caminhada, todos os dias,e que independe de religião ou templo para ser adorado. Eu estou convencido que a Palavra revelada aos nossoscorações não é nossa, mas de Deus, ela é muito maior doque as palavras registradas nestas páginas, ela transcende aopapel e à própria internet, e faz morada no coração de quema acolhe para dar bons frutos. Então quero lhe incentivar acompartilhar esta mesma fé com outras pessoas, na medidado possível distribua este livro, envie por e-mail, indique oblog Ovelha Magra (www.ovelhamagra.com) onde este livro ealguns outros estão disponíveis gratuitamente para download,além de reflexões sobre e para a vida. Mesmo assim, se vocêquiser, pode também comprar a versão impressa deste livrono nosso site.Pablo Massolar 5
  4. 4. Agradecimentos Fazer uma lista de nomes talvez resultasse em outro livrocomo este, e mesmo assim correria o risco de cometer algumainjustiça por esquecer muitos nomes de pessoas importantes eque sempre estiveram, de uma forma ou de outra, envolvidascom minha jornada. Entretanto, maior injustiça seria deixar de registrarmeu especial agradecimento à minha mãe, que sempre foiminha intercessora incondicional, ajoelhando-se, chorando eclamando diante do Senhor e apresentando minhas causasdiante dEle madrugadas afora. Eu sei que, inúmeras vezes,ela preferiu deixar de orar por sua própria causa e orarexclusivamente em meu favor até ver Deus responder uma auma as suas orações. Parte deste livro é fruto de suas orações, mãe. Obrigado! Agradeço a outros tantos intercessores, amigos,confidentes, parceiros, companheiros de ministério, genteboa toda vida, que ouviram minhas piadas sem graça, meemprestaram seus ouvidos, carinho e paciência. É gente quesonhou junto comigo e me fez voar, outras vezes me ajudarama trazer meus pés para o chão novamente. São pessoas quechoraram e riram comigo incontáveis vezes. À Sarah, minha filha. Agradeço pela oportunidade queDeus me deu de aprender com você a respeito da paternidadede Deus sobre nossas vidas.Pablo Massolar 7
  5. 5. SumárioPrefácio - Pr. Márcio Valadão .............................................................11Apresentação ....................................................................................17Prólogo .............................................................................................23Capítulo 1 - O emaranhado propósito de Deus.................................33Capítulo 2 - A silenciosa provisão do Senhor ....................................43Capítulo 3 - A infinita sabedoria de Deus ..........................................53Capítulo 4 - Renúncia ........................................................................61Capítulo 5 - Ovelha magra ................................................................69Capítulo 6 - Reeducação alimentar ....................................................81Capítulo 7 - O que o motiva? O amor ou o medo? ...........................91Capítulo 8 - O tempo da oportunidade ...........................................101Conclusão .......................................................................................109
  6. 6. Prefácio
  7. 7. “Ovelha Magra”, título significativo, que nos faz refletirsobre o nosso desafio de pastorear, de cuidar de cada ovelha. Um dos textos mais conhecidos da Bíblia é o Salmo 23: “OSenhor é o meu pastor; nada me faltará. Ele me faz repousar em pastosverdejantes. Leva-me para junto das águas de descanso.” Sabemos queDeus é o Bom Pastor, o Supremo Pastor. Sabemos que Eleé aquele que deu a vida pelas suas ovelhas. Aquele que cuidaamorosamente do rebanho. Logo, não é difícil perceber que seo Senhor permitiu que muitos de nós recebêssemos esse títuloque lhe é próprio, pastor, é para que façamos aquilo que Elefaz, amar e cuidar das nossas ovelhas. Mas será que estamoscumprindo a carreira que nos fora proposta? Dentro da perspectiva divina todas as ovelhas devem serbem cuidadas, alimentadas, sadias. E um dos grandes desafiosda Igreja do Senhor nos dias de hoje é exatamente que asovelhas encontrem um alimento sólido e água para poderemdessedentar-se. Reconheço que para se ter ovelhas sadias, enão magras, esqueléticas, é preciso, mais do que nunca, queDeus continue trazendo paixão ao coração dos pastores, e épreciso que os pastores estejam cada dia mais apaixonados porJesus e pela obra dele. A Bíblia nos dá um exemplo de um bompastor que fala muito ao meu coração, este é Jacó. Pode até serque Jacó, para muitos, não seja lembrado como pastor, masquando lemos Gênesis 31.38-41, vemos que ele fora um pastordigno de ser reconhecido como tal. “Vinte anos eu estive contigo, as tuas ovelhas e as tuas cabrasnunca perderam as crias, e não comi os carneiros de teu rebanho. Nem teapresentei o que era despedaçado pelas feras; sofri o dano; da minha mãoo requerias, assim o furtado de dia, como de noite. De maneira que euandava, de dia consumido pelo calor, de noite, pela geada; e o meu sono mePablo Massolar 13
  8. 8. fugia dos olhos. Vinte anos permaneci em tua casa; catorze anos te servirpor tuas duas filhas e seis anos por teu rebanho; dez vezes me mudaste osalário.” Que exemplo de rebanho e pastoreio. Rebanho saudável,de ovelhas tão cheias de vidas, e não de ovelhas magras,sucumbindo, pois havia a garra de um pastor. Homem de Deusque “andava de dia consumido pelo calor, de noite pela geada e o sonosumia de seus olhos.” Homem ciente da sua responsabilidade. Obviamente há ovelha que se rebela, conforme a parábolaque Jesus contou em Lucas 15, a ovelha que deixou o rebanhoe se perdeu. Ela sofreu, se enfraqueceu. Foi sendo destruída,se tornando uma ovelha magra. Porém o pastor não a deixouperecer. Não desistiu dela. Ao contrário, ele deixou 99 ovelhase foi em busca da que estava afastada, da centésima ovelha. Elefoi e a trouxe no colo, certamente pelo fato de estar magra,facilitou colocá-la sobre os ombros. Que resgate precioso! Epor causa dessa vitória houve júbilo e comemoração, afinal,o pastor se alegra em reencontrar a ovelha perdida. Após oresgate, inicia-se o cuidado. É preciso dar carinho, alimentar,apoiar. É preciso um período de engorda para que aquela queestava magra possa ganhar peso, se tornar saudável. Todos somos rebanho do Senhor, somos ovelhas do seupastoreio, e o sonho de Deus é que cada ovelha seja saudável,que tenha vida para que possa, também, se reproduzir. Existeuma máxima que diz que o pastor cuida das ovelhas e as ovelhascriam novas ovelhas. Em outras palavras, as ovelhas geramoutras ovelhas. E como o pastor também é ovelha, então, queele possa gerar outros pastores, mas para que isso aconteça épreciso ser exemplo, um bom exemplo. Há um caminho a ser percorrido por todos. Há obras que14 Ovelha Magra
  9. 9. devemos realizar. E para que possamos cumprir aquilo queo Pai nos ordenou, Ele, na sua bondade infinita, nos forneceferramentas abençoadas. E uma delas é esse precioso livro. Creioque aqueles que já o leram e os que ainda o lerão, poderão fazeruma avaliação profunda do que têm feito daquilo que o Senhoros tem confiado. As águas tranquilas e os pastos verdejantesEle já os preparou. Então, se alimente e alimente a outros. Sejasadio. Seja cheio de vida e manifeste a glória do Eterno! Pr. Márcio Valadão Igreja Batista da Lagoinha - BHPablo Massolar 15
  10. 10. Apresentação
  11. 11. Quando ainda escrevia este livro, perguntaram-mesobre o que escrevia... Bem, é um livro sobre fé, não háum tema específico nele. Confesso que tenho muito maisperguntas a fazer do que respostas a dar, a única coisa quesei e entendo é que Deus está no controle soberano danossa vida e história. Os acontecimentos relatados aqui sãofatos, realmente aconteceram, sou o testemunho vivo e aprova de sua veracidade. Junto comigo, como testemunhas,estão amigos que se transformaram em irmãos e irmãs decaminhada, minha família e o próprio Deus que resolveuassinar seu amor em nossas vidas. A oração que sempre fiz, ao começar a escrever, é paraque você, através das experiências compartilhadas aqui,compreendesse que Ele nos amou primeiro e, mesmo antesde nos darmos conta, Deus tem preparado coisas grandes,poderosas e ao, mesmo tempo, simples, para que sejamospropositalmente salvos. Sinto-me impelido a dizer que as históriascompartilhadas são experiências e interpretações pessoaisa respeito do que tive e tenho oportunidade de vivenciar,de forma pedagógica, dia após dia esperando e confiandono Senhor. Aqui está apenas um pedaço da minha vida eeu tenho certeza absoluta de que este é um livro que jamaisdeixará de ser escrito, aqui ou na eterna morada. Deus nãoperderá minha história, ela está sendo escrita no coração ena lembrança eterna Dele. Outra certeza que tenho em relação ao que já foi e aindaserá escrito até o final destas páginas é que me consideroalguém em constante formação. Sei que ainda não aprenditudo que preciso aprender. Portanto não considero nenhumPablo Massolar 19
  12. 12. assunto aqui abordado (excetuando-se o absoluto e imutávelDeus Criador e o seu amor revelado através do Filho) comoponto final teológico ou doutrinário. Longe de Deus, todae qualquer “verdade” é passível de dualidade, relatividade econtradições. Abro meu coração para você, querido leitor, porqueme sinto na condição de conservo teu. Não acredito queas experiências aqui relatadas me façam alguém superiorou inferior a qualquer outra pessoa agora, no passado ouno porvir. Podem ser diferentes a alguma experiência emparticular quanto à forma ou intensidade, mas na essênciarevelam que há nelas apenas a suficiente expressão genuínada soberania de Deus, do permanente amor impetrado sobrenós e que todos nós fazemos parte de uma única históriada qual o Senhor é, ao mesmo tempo, autor e consumadorda fé. Além do mais, minha maior motivação ao escrevereste livro, é o desejo de que você realmente seja abençoadoe edificado pela realidade que chamamos Deus. Vousemeando a Palavra sem saber em que terra cairá. Apenastenho esperança de que ela dê bons frutos quando cair emterra boa, e eu realmente desejo que o teu coração seja estaterra fértil. Quando comecei a escrever o blog que emprestao nome a esta obra, não tinha idéia de que ele seria o iníciodeste livro, mas agora que este projeto começa a tomarforma, começo a vislumbrar o propósito salvador do Senhoratravés das oportunidades que nos vão aparecendo e sendopropostas ao meu coração todos os dias. Uma vez, eu ouvi o famoso pregador e evangelista BillyGraham dizer em uma de suas pregações: “se só existisse20 Ovelha Magra
  13. 13. você no mundo, ainda assim Deus teria enviado o seu únicofilho para morrer por você.” Eu creio neste incompreendidoamor, pois o Senhor ainda confirma esta decisão de nos amarincondicionalmente, declarando “Porque eu sou o SENHORteu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador; dei o Egito por teuresgate, a Etiópia e a Sebá em teu lugar.” (Isaías 43.3) É com estaproporção megalomaníaca e sem qualquer lógica humanaque Ele nos ama. Provavelmente você irá relembrar algumas histórias quecompartilhei no blog ou entenderá a profundidade de outrasmuitas que expus tanto no livro como na Internet. Queroque você saiba apenas que Ele, o Senhor, tem preparadoalimento sólido para as “ovelhas magras” desta geração.Desejo profundamente que a Palavra de Deus revelada emJesus Cristo aos nossos corações seja o teu alimento diárioe que assim como eu, você alcance porções grandes Neleque é o cabeça e a quem atribuo toda honra, glória, louvore ações de graça tanto pelo livro como pelo que está sendotestemunhado fora dele. Se você ainda não conhece, quero também incentivá-lo aacessar o blog Ovelha Magra (http://www.ovelhamagra.com),onde encontrará farto material para a sua edificação e outrastantas mensagens e testemunhos que o Senhor tem me dadoa oportunidade de experimentar e conhecer. O Deus provedor e pastor das nossas almas lhe abençoe rica,poderosa e sobrenaturalmente! Pablo Massolar Nova Friburgo - RJ novembro de 2009Pablo Massolar 21
  14. 14. Prólogo
  15. 15. Junho de 1975. Era uma manhã fria. Aos poucos,aquela mulher ia recobrando a consciência. A boca seca, ospensamentos confusos, na mão esquerda uma agulha presacom esparadrapo, ligada ao soro que pingava lentamente.Não era nada agradável estar ali, as lembranças dos últimosacontecimentos começavam a voltar e forneciam à mulher aexplicação do porquê estar acordando naquele lugar estranho,o cheiro de desinfetante era forte, mas suportável. De repenteum homem moreno, de estatura média, talvez entre os seustrinta e poucos anos, com calça e camisa branca entrouquarto a dentro e enquanto arrumava as bandagens, gazese chumaços de algodão em cima da cama para preparar umnovo curativo, deixou escapulir sua impressão sobre aquelasituação. — Vocês deveriam ter vergonha do que fizeram... Nãose tira a vida de uma criança assim. A mulher olhou lentamente para o lado. Não muitodiferente de sua situação, havia outra mulher deitada nacama que ficava ao lado. Ela poderia ter deixado passardesapercebido o infeliz comentário do enfermeiro, mas oturbilhão de lembranças começou a crescer novamente eagora vinham cada vez com mais clareza e força sobre tudo oque havia acontecido até ali. Com a voz meio embargada elareuniu as poucas forças que lhe restaram e sussurrou. — Não... Eu não queria ter tirado o meu bebê. Foi umacidente. Não era para ser assim. Cuidadosamente o enfermeiro começou a puxar as gazesencharcadas de sangue e pedaços de pele morta de dentrodo útero dela. A mulher teve vontade de chorar, mas aindaestava muito confusa sob o efeito da anestesia que se dissipavaPablo Massolar 25
  16. 16. lentamente. Ela só conseguia se lamentar pelo sonho de sermãe interrompido daquele jeito mais uma vez. Era a terceiravez que ela tentava e agora pesava o medo da curetagem teracabado de vez com as chances de ela segurar o seu própriobebê no colo um dia. O dia anterior havia sido muito intenso. Aos quase trêsmeses de gravidez ela e o marido haviam decidido fazer umaviagem, a cidade era distante e parte da estrada era de chão,não era um passeio que alguém naquelas condições deveriater feito, mas optaram viajar mesmo assim achando que nãoaconteceria nada de mal com o tão esperado neném. A notícia da gravidez havia sido aguardada ansiosamentepor toda a família durante alguns anos. A felicidade, oscuidados com os preparativos para a chegada do primeirofilho deixam qualquer casal num estado de eterna expectativa,ainda mais depois de algumas tentativas frustradas. O destino da viagem era uma cidadezinha do interioronde havia uma antiga igreja ao final de uma pequena ladeira.Ela podia ser avistada de qualquer lugar da cidade e subir assuas escadarias era um pequeno esforço que deveria ser feitopara se visitar aquele templo. No alto daquela escadaria, a mulher começou a sentiros primeiros sintomas e a sensação de que a aventura teriaum alto preço. Logo veio a tontura e uma fisgada na alturada virilha. Um pequeno corrimento de sangue revelou agravidade da situação e o passeio terminou ali mesmo. Longeda cidade grande, os recursos médicos eram poucos e adecisão foi voltar com a máxima urgência para a cidade deonde eles vinham e procurar o ginecologista.26 Ovelha Magra
  17. 17. A viagem de volta foi mais penosa e acabou setransformando numa luta contra o relógio. Cada minutoperdido poderia ser decisivo e fatal. Deitada no banco detrás do carro, a mulher conseguia ouvir o barulho dos pneuscantando nas curvas, o que a deixava mais assustada e nervosa.As horas se prolongavam e o medo de não saber o quepoderia acontecer com seu bebê arrastavam cada segundo eemprestavam àquela experiência uma sensação interminávelde pavor e insegurança. Nada era favorável, por duas vezes aquela mulher haviaperdido as gestações anteriores. Para complicar, havia umproblema em seu sangue, que impediria uma quarta tentativade engravidar sem impor um perigoso risco à sua saúde oudo neném. Seria praticamente impossível tentar engravidarnovamente, o fator RH negativo do seu sangue criariauma espécie de resistência e faria com que seu organismoentendesse que um novo feto seria um corpo estranho ao damãe atacando e expelindo-o ou provocando sérias anomaliasno bebê. Em seu coração havia uma pequena esperança denão perder aquela gestação, a última que ela poderia tentarcom relativa segurança. Sua vida passava como um filme na mente daquelamulher, ela lembrava das pregações que seu pai fazia nasigrejas que pastoreava. Aquele sim era um homem de fé,Deus o ouvira tantas vezes e apesar de ela sentir que nãotinha uma fé e dedicação como a dele, um pensamento lhevinha como martelo. — Desta vez, não! Desta vez, não! Ela repetia consigo mesma, fazendo desta frase quaseque uma oração.Pablo Massolar 27
  18. 18. — Um pacto com Deus..! – Pensou ela. Poderia haver uma chance de seu tão esperado filhoescapar com vida daquela situação de morte. — Se o Senhor preservar meu filho com vida, ele seráteu servo... Meditava ela naquela barganha absurda com Deus.Parecia loucura, mas era a única coisa na qual ela conseguiapensar. O tempo passava cada vez mais devagar ali dentro docarro. No consultório, o laudo do médico caiu como umabomba, deflagrando um tiro certeiro contra a última esperançadaquele casal. A pequena e abalada fé da mulher não poderiasofrer um golpe mais cruel do que este último. Com umsemblante pesado, o médico disse: — Lamento, não podemos fazer mais nada. A placentajá descolou e você perdeu muito sangue. A única opção érealizar a curetagem imediatamente. Na mesa de cirurgia, a mulher estava sendo alertada queo procedimento poderia deixá-la estéril para sempre, pois omédico faria uma raspagem em todo o útero. Era informaçãodemais para aquele dia. O sedativo começava a fazer efeito,ela não resistiu ao pesado sono e acabou dormindo. Depois de receber alta, os dias eram cinzentos, a reclusãona penumbra do quarto era um parco alívio, se é que poderiaser chamado assim, à depressão que se instalou sem pedirlicença. O sentimento de derrota, culpa e fracasso era ocompanheiro de todas as noites daquela mulher. Mas a vidacontinuava, era preciso levantar da cama um dia.28 Ovelha Magra
  19. 19. O desejo de ser mãe persistia e adotar uma criança paratentar satisfazer tal sonho passou a ser uma possibilidade eum pensamento que, aos poucos, foi crescendo no dia-a-diadaquele casal. Mas o inesperado ainda estava por vir. Estranhamente,apesar do procedimento de remoção do feto, a mulhercontinuava enjoando algumas semanas depois. — Algum efeito colateral da medicação ou dacirurgia. – Pensava a mulher. Dos seios sensíveis ainda escorria uma leve secreção eseu peso aumentava. A decisão foi voltar ao médico para umaanálise um pouco mais detalhada. — Você está impressionada. Este tipo de procedimentorealmente deixa as mulheres muito fragilizadas e algumasdesenvolvem processos e sintomas de gravidez psicológicaapós este tipo de trauma. – Disse o ginecologista, ainda cético,em relação à mulher. Mas os sintomas só aumentavam com o passar do tempo,os enjoos vinham com mais frequência, a barriga inchadapodia ser algo mais grave, uma infecção talvez. Poderia sero início de uma complicação da cirurgia e a mulher voltouao médico que acabou pedindo uma bateria de exames paraverificar o caso com mais cautela e tirar todas as dúvidas quesurgiam na cabeça da mulher. Contra todas as expectativas, o exame de sangue reveloualgo no mínimo curioso para todos, ela continuava grávida. — Mas como? – Perguntou a mulher não acreditandono que ouvia.Pablo Massolar 29
  20. 20. A única explicação que o médico pôde dar naquelemomento era que, na realidade, ela havia estado grávida degêmeos bivitelinos e durante a curetagem ele, o médico, sóenxergou um dos fetos. Os recursos de ultrassom ainda eramprecários naquela época e por um “erro médico” o outro fetofoi deixado no útero dela ainda com vida. Felicidade total, mas ninguém sabia ao certo se o bebêresistiria ou se nasceria normal, alguma sequela da curetagempodia deixar danos irreparáveis ao feto ainda em formação.Ainda mais com os fortes medicamentos que a mulher haviatomado para conter alguma infecção ou hemorragia, poderiaser que a criança sofresse as consequências com o passar dotempo, e se não morresse no útero da mãe, teria poucos diasde vida após o nascimento. Mais do que antes, aquela passou a ser uma gravidezmuito especial, não somente pelo risco, mas pela formamilagrosa como foi preservada no início. Os meses se passaram e, aparentemente, a criançacontinuava se desenvolvendo razoavelmente bem e ganhandopeso, até que numa madrugada a bolsa estourou anunciandoque o bebê finalmente estava chegando ao mundo. De volta ao hospital, durante o parto, os pensamentosvoltavam a rondar a cabeça da mulher. Nada havia sido fácil. Alembrança do trauma sofrido meses antes se misturava com aalegria do bebê que estava quase chegando e a dor natural doparto. Mas novamente algo estava começando a dar errado,estava demorando demais, até que o médico disse: — O bebê atravessou! A tensão cresceu na sala de parto e a equipe de médicos30 Ovelha Magra
  21. 21. e enfermeiros começou a se entreolhar. — Rápido! O fórceps! – Gritou o médico para aenfermeira. Minutos depois, o choro rouco da criança era ouvidona sala de cirurgia. Alívio de todos, apesar dos hematomasna cabeça do neném e o olho direito todo inchado devido àsmanobras do médico com o fórceps durante o parto. O pequeno bebê era o menor do berçário, sua situaçãoinspirava muitos cuidados e seria preciso que ele ficasse algumtempo na incubadora por causa do baixo peso. Ninguémacreditava que ele sobreviveria ou que, se sobrevivesse,conseguisse ser uma criança normal.Pablo Massolar 31
  22. 22. Capítulo 1 O emaranhadopropósito de Deus
  23. 23. Eu tive o privilégio de nascer em um lar cristão, emboraminha mãe fosse filha de pastor metodista, reconhecido porsua atuação como homem de Deus, de caráter e amor genuínopelas ovelhas e pelo Reino. Nesta época, ela não se relacionavamuito bem com Deus. Algumas pessoas dizem que filhos depastores costumam passar por crises de identidade às vezes.Não sei bem se é o confronto com a necessidade de ter a suaprópria experiência com Deus em vez de viver na sombra daidentificação ministerial dos pais ou se é somente o ciúme dever o amor deles dividido com outras pessoas, mas o fato é quechega um ponto em suas vidas em que é preciso tomar umadecisão pessoal. Alguns escolhem a boa parte, experimentamuma fé própria e verdadeira, cheia de bons frutos; outros sefrustram e deixam as raízes da insegurança e amargura seaprofundarem em seus corações devido à incapacidade deser, com suas próprias forças, o que todos esperam deles.Mas ainda assim há um tempo e tratamento de Deus paracada um de nós em algum ponto de nossas vidas. Por outro lado, meu pai era de uma família com fortetradição católica e não somente isto, o pai dele era ummaçom, poderoso e influente. Eles foram homens íntegros,respeitados por todos em sua cidade. O testemunho dobom caráter e generosidade deles ganhou grande fama eme serve de incentivo e exemplo até hoje, mas infelizmentepenso que não conseguiram alcançar o principal desta vida,a compreensão de que a graça e a salvação em Jesus Cristotambém era para eles. Quando meu pai decidiu se casar emeu avô, o pai dele, soube que seria com a filha do pastor dacidade, ele quis deserdá-lo imediatamente e disse que meu painão teria seu apoio. Mas meus pais resolveram se casar assim mesmo e, comPablo Massolar 35
  24. 24. todas as dificuldades, iniciaram uma nova família. Minhamãe, professora, muito mal remunerada na época e meupai aposentado por invalidez, após sofrer um acidente najuventude que paralisou definitivamente seu braço direito,tentava reforçar o orçamento de casa representando umapequena empresa de manutenção de extintores de incêndio.Mas mesmo assim, o que eles ganhavam juntos era muitopouco. Nossa casa era humilde, não havia muito luxo, mastínhamos o suficiente. Nós jamais entenderemos o complexo propósito deDeus em sua total amplitude, mas podemos perceber suascentelhas na história pessoal de cada homem e mulher etambém na história coletiva da humanidade. O profeta Jeremias expressa esta realidade através dasseguintes palavras no capítulo 29, versículo 11 ao 14: “Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o SENHOR;pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais. Então, me invocareis, passareis a orar a mim, e eu vos ouvirei. Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vossocoração. Serei achado de vós, diz o SENHOR, e farei mudar a vossa sorte;congregar-vos-ei de todas as nações e de todos os lugares para onde vos lancei,diz o SENHOR, e tornarei a trazer-vos ao lugar donde vos mandei parao exílio.” Dificilmente, nesta vida, entenderemos por que Deus36 Ovelha Magra
  25. 25. trabalha tanto em silêncio, algumas vezes achamos que Elenão está presente ou que não tem tempo a perder com nossapequena causa, mas aquele que sustenta os pardais e veste oslírios do campo é o mesmo que nos prepara, todos os dias,uma nova oportunidade de conhecê-Lo e experimentar Suavontade para nossas vidas. No total silêncio de Deus ou mesmo sem entender aamplitude dos seus projetos eternos, podemos ter certezaabsoluta de que Ele está no controle. Mas nem sempre nossa vontade está alinhada coma vontade de Deus. Esse é o problema e a maior causadas grandes frustrações que vivenciamos durante a vida.Queremos algo e Deus não. Não porque Ele não se importacom o que sentimos ou porque quer medir forças com Suacriação, mas porque, dentro de uma perspectiva e de umpropósito infinitamente maior do que supomos enxergar,está a realidade extremamente complexa e permeada deinfinitos propósitos de Deus, realidade esta que nossominúsculo entendimento não consegue alcançar. Algumasvezes, Ele permite que façamos algo que vá contra o Seupróprio propósito, primeiro porque Deus respeita nosso livre-arbítrio, isto é, uma lei universal; segundo porque Ele podetransformar nossa atitude de confronto com Sua vontade emensinamento e experiência para nós mesmos. Algumas vezesestes caminhos são caminhos de morte e as consequênciassão terríveis não somente para aqueles que decidiram trilhartal horizonte como para muitos outros que serão envolvidossem se dar conta, então Deus precisa intervir de uma formadiferente. Muitas vezes, somos forçados a imaginar Deus comoPablo Massolar 37
  26. 26. um velho ranzinza que quer impor sua vontade a qualquerpreço. Esta é uma percepção equivocada que algumas pessoasinfelizmente têm de Deus. Na verdade, os mimados somosnós, quando queremos algo de qualquer jeito. É doloroso, masnecessário reconhecer esta verdade. Alguns não a admitempor causa do orgulho que carregam, mas por melhor queseja nossa intenção, por mais nobre que seja o sentimentoenvolvido, muitas vezes nos equivocamos quanto à vontadede Deus e tentamos impor nossa própria dimensão a ela. Lá estava eu, uma criança crescendo entre essas duasrealidades de fé. Mas sei que Deus estava zelando por minhavida. Sei que um dia, quem sabe aqui mesmo ou na eternidade,poderei entender coisas que eu não entendia no momento,mas na hora da dor dificilmente temos maturidade suficienteou queremos refletir sobre o que Deus tem como propósitono que Ele propõe à nossa história. Meu pai morreu quando eu tinha apenas sete anos deidade. Foi um choque muito grande, para mim, perder meupai e amigo tão cedo. Tenho algumas lembranças de nossasbrincadeiras, de algumas broncas que eu levava e outraslembranças em que eu apanhava quando fazia bagunça, masainda me lembro dele com muito carinho e gratidão a Deusapesar dos poucos momentos de que desfrutamos juntos. Lembro das noites, quando eu tinha pesadelo e ficavacom medo de dormir sozinho, então ele se deitava no chãodo meu quarto, ao lado da minha cama e segurava minha mãoaté eu dormir novamente. Se ele foi salvo ou não, eu realmente não sei, apenaslembro dele frequentando nossa igreja, curvando sua cabeçanos momentos de oração. Isto demonstrava o temor e38 Ovelha Magra
  27. 27. compreensão da seriedade do momento que ele possuía,sei que ele ouvia atentamente as pregações, e que, apesarde não ser ligado oficialmente à igreja, a semente estava lá,mas também sei que Deus espera que sejamos muito maisdo que simples ouvintes, Ele espera que sejamos praticantesda palavra. Então, deixo para Deus esta resposta sobresalvação. Minha mãe precisou assumir a casa, as contas e minhacriação sozinha. O pouco que meus pais ganhavam juntosquase não dava para todas as responsabilidades que havia eagora, não somente pela perda do companheiro, mas pelasituação de precisar bancar tudo sozinha, minha mãe passavatambém por um grande aperto financeiro. A pressão dasolidão e das responsabilidades assustava muito a minha mãe,ela tentava não demonstrar e ser forte. Mas nós somos provados e aperfeiçoados na dor. Nestesmomentos de angústia, Deus sempre tem algo a tratar em nóse aquele era o momento de começar a tratar minha mãe e, decerta forma, a mim também. O Senhor tinha um propósitonaquela situação, nossa fé seria conduzida de forma diferente apartir daquele momento. Era tempo de fazer as pazes com o Senhor e começar aexperimentar um novo nível de intimidade. Deus não tem netos,somente filhos. Por mais que esta seja uma expressão repetidaàs vezes inconscientemente, precisamos entender a realidadee profundidade do que ela diz realmente. Deus deseja salvar acada um individualmente, não é a experiência dos meus paiscom Deus que me salva, mas sim a minha experiência e vivênciaparticular, pessoal e intransferível com Deus. O Senhor estavadando à minha mãe e a mim a oportunidade de conhecermos aPablo Massolar 39
  28. 28. Ele pessoalmente e provar da Sua companhia. “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e aprova das coisas que se não veem.” (Hebreus 11.1) Éramos somente ela e eu a partir daquela hora. Meusavós maternos moravam perto, mas no dia-a-dia tínhamosque contar mesmo era um com o outro para apoiar, buscarcarinho e companhia. Hoje eu sei que meu avô materno era umhomem de oração, creio que de alguma forma ele apresentavanossas vidas ao Senhor em suas orações e, olhando para nossopassado, vejo realmente Deus conduzindo nossas histórias etrajetórias. Não tínhamos muita coisa, mas ali, desde muitopequeno, comecei a aprender sobre a fé e sobre comoDeus ouve nossas orações e as responde. Muitas vezes viclaramente Deus suprindo nossas necessidades e uma dasexperiências que marcaram muito meu entendimento sobre adependência do Senhor, e aqui eu posso dizer que comecei aser treinado e ensinado pelo Senhor nesta área, foi uma vez,no meu primeiro aniversário depois da morte do meu pai.Nossa situação financeira não estava muito boa realmente,minha mãe não tinha dinheiro para fazer sequer um bolo deaniversário, então ela veio conversar comigo dizendo: — Filho, este ano não poderei fazer sua festa deaniversário, mas eu quero fazer um almoço especial para nósdois. O que você gostaria de comer no seu aniversário? Ela não podia entrar muito em detalhes comigo sobre40 Ovelha Magra
  29. 29. nossa real situação financeira. O que tínhamos era o suficientepara comprar somente o básico de nossa alimentação e tambémnão dava para fazer qualquer coisa muito diferente com o quehavia em casa. Eu era apenas uma criança de sete anos, nãoestava entendendo muito bem o que estava acontecendo, masconcordei e disse, meio sem saber o tamanho do que estavapedindo: — Mãe, então faz estrogonofe. Era o prato de que eu mais gostava e um dos que maisgosto até hoje. No íntimo, minha mãe não esperava aquelaresposta e sabia que, com o que tinha tanto na dispensa comona carteira, não daria para fazer o que pedi, mas ela buscoufé, respirou fundo e disse: — Está bem, filho, farei a comida que você estápedindo. Eu só vim saber anos mais tarde o que havia acontecidonaquele dia. Isto era de manhã quando ela me perguntou oque eu queria de aniversário e depois eu desci para brincar nopátio do prédio onde morávamos. Por falta de dinheiro, nãoteria como fazer o prato que pedi, mas ela entrou no quartosozinha e, chorando na presença de Deus, disse: — Meu Deus, tu sabes que não tenho o suficiente parafazer um simples prato diferente para meu filho no dia doseu aniversário. Por favor, me ajuda a realizar esta vontadedele, pois nem uma festa posso oferecer para comemorar oaniversário do meu filho. Minha mãe ainda orava ao Senhor quando, de repente, ointerfone tocou. Naquela época não tínhamos telefone porquenão podíamos pagar. Era uma vizinha nossa muito idosa quePablo Massolar 41
  30. 30. havia acabado de ganhar uma peça de carne, e a carne era deprimeira, filé mignon, mas ela não comia carne e, para nãojogar fora, perguntou se minha mãe não se importaria ou seficaria constrangida de ficar com aquela peça que pesava 2Kgou mais. Não preciso nem dizer como foi difícil para minhamãe conter as lágrimas pela resposta tão rápida do Senhornaquela manhã. A carne era o mais caro do prato que eu havia pedido e,imediatamente, minha mãe correu para buscá-la e compartilharcom aquela senhora o que havia acontecido e como Deus ausara para providenciar o que precisávamos. Nossa vizinhanão era cristã na época, nem sabia que estávamos passando poraquela necessidade, mas ao ver como Deus agiu positivamenteao nosso favor, ela entregou sua vida ao Senhor Jesus. O que minha mãe tinha na carteira dava para comprar orestante do que era necessário para fazer o estrogonofe, queera o creme de leite, milho e ervilha. Deus nos honrou maisuma vez naquele dia e, aos poucos, fui aprendendo sobre afidelidade de Deus para com aqueles que O amam. Não foia primeira nem a última vez que vi Deus tão presente emnossas vidas. Foi experimentando este tipo de situação que fuicrescendo, me acostumando a perceber a ação do Senhorem nossas vidas e descobrindo-O como um Pai presente ebondoso. Desde pequeno também aprendi muito sobre oministério pastoral com meu avô, a forma como ele atuavana igreja e cuidava dela, sua fé, o grande amor de Deusque se revelava em suas pregações e na simplicidade da suavida. Mesmo na adversidade, vi minha vida e família sendomoldadas por Deus.42 Ovelha Magra
  31. 31. Capítulo 2 A silenciosaprovisão do Senhor
  32. 32. Deus é misterioso... Algumas vezes a falta de provisãoé a resposta e a própria provisão Dele para nossas vidas.Complicado entender isso? Eu explico. Tudo o que Deusfaz tem o propósito de testemunhar sobre Sua fidelidade emrelação a nós e trazer entendimento do “para que” e “paraonde” Ele pretende nos fazer chegar. Não porque Deustenha qualquer complexo de inferioridade e fique querendodemonstrar Suas obras o tempo todo para ser elogiado, nãose trata disto. É apenas para que nós tenhamos consciênciado que somos e do que temos Nele. É por nossa causa e nãopor causa Dele. Quando o Apóstolo Paulo diz à igreja deFilipos: “Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo eem todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura comode fome; assim de abundância como de escassez.” (Filipenses 4.12) Ele está falando exatamente sobre experimentar avontade de Deus em todas as circunstâncias e seus níveisde atuação. Isto é ensinamento para nossas vidas. A faltade suprimento pode ser a maneira como Deus deseja nosincentivar a buscar Sua vontade e, neste processo, receberum novo nível de revelação. Na dor ou na alegria, na provisãoou na escassez Deus sempre interfere na nossa formaçãoespiritual e também no nosso caráter. Lembro-me de já terrecebido orientação e revelação do Senhor enquanto buscavarespostas para outras áreas da minha vida ou orava por outrascausas e pessoas. O importante é que tanto na resposta comono silêncio de Deus devemos estar cientes de que algo Elequer nos ensinar.Pablo Massolar 45
  33. 33. Por outro lado não pense que Deus nos olha comoos deuses da mitologia grega olhavam de cima do panteãopara o mundo, insensíveis, como se tudo não passassede um grande tabuleiro e a vida dos homens e mulheresfossem simplesmente mais uma peça daquele grande jogo.Não, definitivamente Deus deseja fazer parte da história doHomem e não simplesmente jogar com essa história. Cadaato de Deus tem um propósito definido sim para o presente epara o futuro, a isso chamamos de soberania, mas ao Homemfoi dada a livre escolha, Deus respeita nossas escolhas,nossos pensamentos. Caso contrário, Ele teria criado seressem poder de decisão ou “robotizados”. Deus nos deu umavida e o poder para fazer o bem ou o mau a ela, é desejo Deleque façamos o melhor, mas se fizermos o mau, apesar deSua soberania, Ele provará uma hora ou outra que somos osresponsáveis pelas consequências. Inevitavelmente me surpreendo com a teimosa insistênciade Deus em acreditar no potencial do incompetente homem.Enquanto a criatura desiste de si mesma por perceber suaincapacidade de lidar com os próprios erros e limitações, oCriador continua investindo seu amor, zelo e cuidado parapropor um caminho de reconciliação a cada um de nós. A fidelidade de Deus nos incomoda. Apesar de nãoser o melhor filho que o Pai poderia escolher, de algumasvezes permitir o pecado atuar na minha mente e corpo,por desrespeitar as alianças e provar minha infidelidadeao Senhor constantemente, Ele é eternamente fiel. Isso éassustadoramente grande e incompreensível para qualquerum de nós. Talvez seja culpa da nossa própria limitação humana46 Ovelha Magra
  34. 34. de enxergar além, mas Deus sabe que dependemos de suafidelidade, sem ela jamais poderíamos chegar ao plenoconhecimento de Deus e da salvação que há em JesusCristo. Fidelidade em manter nosso ministério, chamado esalvação, mesmo distantes do propósito Dele. Graças aDeus que não nos salva por merecimento, mas por graça,misericórdia e fidelidade à sua Palavra. Este poderoso amor,que não compreendemos, é o que nos chama a respondê-lo com um “sim!”. É a consciência de que Ele nos amouprimeiro e nos chama à salvação que nos constrange a nosentregarmos sem reservas. Desta forma nossas vidas são conduzidas desdepequenos, ainda no ventre de nossas mães, ao conhecimentode Deus. Se os meus amigos antropólogos me permitem, nãoé por acaso que não existe uma comunidade sequer, apenasuma, por mais primitiva ou evoluída que seja que não tenhaum mínimo conhecimento de Deus, do sobrenatural ou doque chamamos de “mundo espiritual”. Cada tribo, povo,língua e nação recebeu um “olá!” de Deus. Jamais se ouviu falar de uma comunidade constituídaintegralmente de ateus. Não há! De alguma forma, dentrodo emaranhado e complexo propósito divino, o próprioDeus deixou uma pista no coração de cada homem e mulher,uma espécie de bilhete escrito: “Eu existo! Ass. O seuCriador” Alguns irão achar que foi uma brincadeira de maugosto e vão jogar o bilhete fora ignorando-o por completo,outros vão achar que qualquer um pode ser seu criador, eequivocadamente vão celebrar e adorar quem usurpou afama de criador de fato não o sendo, atribuindo àqueles quePablo Massolar 47
  35. 35. se autointitulam deuses uma personificação falsa de Deus. Outros, porém, não poucos, vão ter um profundo re-encontro com o verdadeiro Deus Criador e desfrutar daalegre revelação contida no bilhete. Esta revelação do Deus vivo é para você que lê este livro,sabe que o bilhete está aí guardado no seu coração, e até aqui,(quem sabe?) estivesse em dúvida sobre como o Senhor eCriador o enxerga. Aqui está a manifestação do EternoPropósito Dele em relação a você e eu: “Mas Deus prova oseu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós aindapecadores.” (Romanos 5.8) Não há maior propósito do queeste. Deus, o Criador, deseja que todos os Homens sejamsalvos e alcancem o pleno conhecimento Dele. Se você entendeu que, apesar das suas limitações, mesmoassim, faz parte do complexo e ilimitado propósito de Deus eé alvo do seu amor, precisará entender-se agora como agenteDele para edificação e aperfeiçoamento da Igreja, testemunhoe anúncio da salvação em Cristo para outros que estão alémdas “quatro paredes”. Eu me lembro, com muito carinho, do meu tempo defaculdade, quando um professor de História da Igreja dizia:“Apesar de mim e através de mim, Deus age no mundo”. Elefalava a respeito de homens e mulheres na história de Israele na história do cristianismo, ao longo do tempo, que forampoderosamente usados por Deus apesar de suas limitações,tanto na questão do pecado, como da coragem e da condiçãosocial. Reis, mendigos, prostitutas, escravos, livres, comerciantes,escribas, gagos, eloquentes, poetas, doutores da lei, iletrados,48 Ovelha Magra
  36. 36. pescadores, administradores, agricultores, filósofos, médicos,cobradores de impostos, ___________________ (acrescenteaqui sua atividade ou profissão), etc. Deus usa todo tipo degente. Incondicionalmente! Mais do que esperar receber a provisão de Deus, devemosentender que Ele espera que cada um de nós tome consciênciade que nós mesmos somos quem será usado como provisãoDele para o mundo, como testemunho da Graça e Salvaçãoalcançados em seu Filho Jesus Cristo. Não fique sentadoesperando receber algo de Deus para você desfrutar sozinho,a caminhada da Igreja não se faz solitariamente. QuandoJesus instruiu seus discípulos sobre como cultuar a Deus, eledisse: “onde estiverem dois ou três reunidos no meu nome, ali eu estareino meio deles” (Mateus 18.20), logo, essa não é uma jornada deum só, mas é um caminhar comunitário, é no coletivo que oSenhor nos abençoa individualmente. O problema é que teimamos em achar que a provisão doSenhor é somente para nós mesmos. Isto é um erro. Todasas vezes em que Deus concede algo a uma pessoa na Bíblia,é sempre com o propósito de abençoar não somente ela, mastambém aqueles que estão à sua volta. Preste atenção e veja sevocê encontra uma única pessoa, em toda a Bíblia, que tenharecebido qualquer tipo de provisão ou palavra revelada doSenhor somente para ela. Mesmo quando o profeta Elias foialimentado por corvos, sozinho no deserto, apesar de aquelaprovisão ser somente para ele naquele momento, Deus oestava guardando para fazer prevalecer a sua Palavra e paraque esta chegasse ao seu povo em tempo oportuno. Todos nós passamos por momentos de “cavernas” epor “desertos”, caminhamos a sós muitas vezes, é verdade,Pablo Massolar 49
  37. 37. mas estes são momentos de treinamento, quando o Senhornos trata para que alcancemos maturidade para compartilhara provisão e revelação recebida durante estes tempos. Nãoficaremos nesta condição eternamente. Sempre chega o dia quando Deus sussurra como umabrisa suave e nos manda sair para fora da caverna. Igualmente,todo deserto tem um limite. Sempre! Eu gosto do exemplo da águia. Quando ela chega a certaidade, e suas penas começam a pesar, suas garras e bicos jánão estão tão afiados, a águia projeta um voo solitário parao lugar mais alto que conseguir alcançar no monte. Quandoela não consegue subir mais alto, ela pára e faz um ninhonaquele lugar. Então, com o próprio bico, começa a arrancartodas as penas que puder e depois disto inicia um processode auto-mutilação batendo contra as rochas com as unhas eo bico até quebrá-los. É um processo doloroso, mas necessário. A águia passaalgum tempo ali naquele lugar sentindo fome, frio e dor, masenquanto isso, novas penas começam a crescer, um novo bicoe garras mais afiados também lhe são dados. Então, depoisdesta jornada, a águia está pronta para alcançar lugares maisaltos nos próximos voos, suas garras e presas estão maisfirmes e seguras para caçar e buscar alimento. Deus tem mais para cada um de nós, esteja prontopara receber muito mais do Senhor para sua vida! Mas nãopara você desfrutar disso de forma egoísta ou solitária, pelocontrário, tudo o que o Senhor ministra sobre nós comobênçãos, ensino ou graça é com um fim proveitoso. É paraque seu Corpo, a Igreja, seja alimentada, edificada e tratadatambém.50 Ovelha Magra
  38. 38. Ninguém gosta de passar por “desertos”, “cavernas” esituações em que nossas “garras” e “bicos” sejam quebrados.Não é bom sentir dor, fome, medo e frio, mas não ficaremosassim para sempre. O deserto é lugar de passagem e emborapareça que nestes momentos não temos a provisão de Deus,creia que Ele está silenciosamente nos dando do melhordesta terra. Não o melhor que esperamos receber de formanatural, mas o melhor da provisão Dele para todos nós. Nãodiscuta! Ele sabe o que faz. Quanto mais rápido cedemosao tratamento de Deus, mais rápido virão novas provisões.A lógica de Deus nem sempre está em acordo com a nossalógica, mas certamente ainda ouviremos: “Quero! Fique limpo!”(Mateus 8.3)Pablo Massolar 51
  39. 39. Capítulo 3 A infinitasabedoria de Deus
  40. 40. Até onde sabemos, o átomo é o menor componente queDeus criou na natureza. Se você se lembra das aulas de física,saberá que o átomo, da mesma forma como a lua gira emtorno da terra, é composto por um núcleo central e em voltadeste núcleo estão os elétrons girando a uma velocidade igualou superior à velocidade da luz, o que dá aproximadamente299.792 km por segundo. É como se você fosse do Rio deJaneiro a Paris mais de 37 vezes por segundo. Saberá tambémque os elétrons chegam a dar mais de 20 bilhões de voltaspor segundo em torno do núcleo e que a ciência consideraa seguinte hipótese: os elétrons giram a uma velocidade tãogrande em um espaço físico tão pequeno que é como se elesestivessem em todos os pontos do caminho que percorremao mesmo tempo. Por isso as coisas que tocamos são sólidas,porque o elétron está em todos os lugares, em torno doátomo, ao mesmo tempo. Agora vamos fazer uma analogia entre você, Deus eo átomo: Imagine que cada volta completa que o elétrondê em torno do núcleo seja uma pessoa, estamos falandoentão de mais de 20 bilhões de pessoas. Atualmente existemaproximadamente 6 bilhões, caminhando para 7 bilhões deseres humanos habitando na terra. Logo, arredondandoos cálculos, caberiam três vezes toda a humanidade dentrodessas 20 bilhões de voltas, correto? Considere agora que oelétron seja Deus, então Ele teria a incrível capacidade depercorrer, pelo menos, cada ser humano da face da terra trêsvezes por segundo. O Deus que criou o átomo tão engenhosamente e oespalhou por todo o universo, como matéria-prima de todasas coisas, pode pensar em você, sondar e percorrer a suavida, pelo menos três vezes por segundo ininterruptamente.Pablo Massolar 55
  41. 41. Isto é fato! Este é o princípio da onisciência e onipresençade Deus. Deus não pode deixar de sondá-lo ou de ouvi-lo,simplesmente porque Ele está em todos os lugares ao mesmotempo. Ele “sonda e conhece nossos pensamentos... antes mesmo quea palavra venha à nossa boca o Senhor já a conhece” (Salmo 139.4),um Deus tão grande assim, tão maravilhoso, ainda consegueencontrar em cada um de nós a condição de filhos amados,desejados e preciosos. É impossível para Deus deixar de amá-lo. Não há nadaque façamos que o faça nos amar menos. Por outro lado,também não há esforço, culto ou empenho humano que ofaça nos amar mais. A essência de Deus é o amor e este amorfoi revelado integralmente em Jesus quando ele se entregoupor mim e por você na cruz. Todo amor que poderíamosreceber Dele já está ao nosso alcance, a única coisa quepodemos fazer, se é que temos quaisquer condições emnossas próprias forças, é deixar esse amor penetrar e fluir emnossas vidas. A fé é o meio pelo qual esse amor é encontrado econsolidado. Se não cremos, não temos acesso a esse amor,não por limitação de Deus, mas por nossa mente racionale legalista não entender tão generosa e genuína oferta deamor. “Ora, sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessárioque aquele que se aproxima de Deus creia que Ele existe, e que égalardoador dos que o buscam. (...) Os quais pela fé venceram reinos, praticaram a justiça, alcançarampromessas, fecharam as bocas dos leões,56 Ovelha Magra
  42. 42. Apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraquezatiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fuga os exércitosdos estranhos. As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos; uns foramtorturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhorressurreição;” (Hebreus 11.6, 33, 34 e 35) Permita-me agora dizer-lhe algo sobre esse “agradara Deus”. O texto escrito aos hebreus não se refere a umasimples troca, um presente, uma tentativa fútil de darum agrado a Deus por um momento e, com isso, se fazermerecedor de alguma retribuição do Senhor ao nosso favor.O sentido original da palavra “agradar”, no grego, utilizadaaqui neste contexto, é “ser agradável continuamente”, “darprazer a Deus de uma forma especial e santificada”, é umapostura e uma conduta adotada durante a totalidade da nossaexistência e não em momentos isolados. Portanto, o galardão ou a bênção alcançados de Deussobre nós não são uma simples troca, mas é o resultado desserelacionamento diário. Quem vive de forma santificada,separada e consagrada para Deus, não ama o pecado, masama a Deus, ama servi-lo e ser fiel porque recebe o amorde Deus como alimento constante para sua vida. Ainda quevenhamos a cair ou errar em nossa caminhada, o amor deDeus nos convida sempre a nos reerguermos. Mesmo quandotropeçamos e nos sujamos, Ele ainda nos toma pela mão, noslevanta e nos ajuda a limpar a poeira. Então, recebemos umforte abraço incentivando a continuar caminhando. Uma das coisas que mais admiro no Senhor é a poderosaPablo Massolar 57
  43. 43. capacidade que Ele tem de falar e se fazer compreendidointegralmente tanto com o mais intelectual e estudiosocientista, PHD ou algo que o valha, como com o mais humildedos seres humanos. Sim, Deus consegue romper os ruídos dacomunicação e se mover de forma inteligível tanto no coraçãoe na mente do doutor como no entendimento do mendigo.Com linguagens diferentes, simbologias particulares, o Deusque chama cada estrela do universo pelo nome também nosreconhece profunda e individualmente e se relaciona conoscoda forma como O compreendemos. Alguém poderá tentar dar uma forma a Deus, atribuir-lheconceitos pré-definidos, segundo o seu próprio entendimentoou percepção de mundo, mas nada disso consegue conter amultiforme graça de Deus. A própria Teologia, que é a ciênciadedicada ao estudo sobre Deus, se rende à infinita e inefávelglória do Senhor, reconhecendo que todo o saber humanoa respeito Dele é limitado por si só e qualquer tentativa dequalificá-Lo ou descrevê-Lo não passará de uma mera sombrado que Ele realmente o é. Para Deus não há limites de comunicação! Ele nãoprecisa de sistemas humanos de comunicação, não precisade televisão, rádio, internet, livros ou qualquer outra mídiapara se comunicar com o homem. Ele pode plantar asemente de sua Palavra e falar poderosamente a cada coraçãoindividualmente, seja no meio da multidão ou na intimidadede um quarto solitariamente. “Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim: é sobremodoelevado, não o posso atingir. Para onde me ausentarei do teu Espírito?Para onde fugirei da tua face?58 Ovelha Magra
  44. 44. Se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundoabismo, lá estás também; se tomo as asas da alvorada e me detenho nosconfins dos mares, ainda lá me haverá de guiar a tua mão, e a tua destrame susterá. Se eu digo: as trevas, com efeito, me encobrirão, e a luz ao redor demim se fará noite, até as próprias trevas não te serão escuras: as trevase a luz são a mesma coisa. Pois tu formaste o meu interior, tu me tecesteno seio de minha mãe. Graças te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhosome formaste; as tuas obras são admiráveis, e a minha alma o sabemuito bem; os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fuiformado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livroforam escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado,quando nem um deles havia ainda. Que preciosos para mim, ó Deus,são os teus pensamentos! E como é grande a soma deles!” (Salmo139.6-17) Sim, Ele está aí... Sondando cada pensamento teu ao leressas linhas. Enquanto eu escrevo este livro ou mais algumartigo para o blog, enquanto alguém dirige um carro numaautoestrada, faz compras, passeia com a namorada ou omarido. Dentro de uma prisão ou correndo pela praia. Ele estásondando os pensamentos de quem se prepara para dar umaaula ou simplesmente assiste a um filme, ouve uma música oubrinca com seus filhos rolando na grama. Cada homem, mulher,jovem, velho e criança, cada ser humano, grande ou pequeno, éalvo do constante e intencional pensamento zeloso de Deus. Jamais conseguiremos nos livrar desta maravilhosaPablo Massolar 59
  45. 45. condição! Nunca seremos esquecidos por Deus, mesmo quetentemos com todas as nossas forças. Eu estou me lembrando agora das vezes que brinco deesconde-esconde com minha filha Sarah que tem apenas doisanos de idade. Quando brincamos assim, por mais que elatente se esconder de mim, eu sempre sei onde ela está. Suapequena e limitada mente de criança não consegue percebera realidade que um adulto alcança. Da mesma forma nossainfantil intenção de se esconder de Deus ou fugir da suapresença é ineficaz. Seja por causa do pecado, o medo doconfronto ou simplesmente a equivocada compreensão de umDeus mau e ameaçador, nada poderá nos separar ou esconderdo grande amor do Senhor. Algumas vezes, o pecado nosdeixa constrangidos em relação a Deus e instintivamente nosleva a tentar nos esconder Dele, mas como um pai bondoso,Ele espera a chance de dizer: “achei você!”, nos pegar nocolo e dar boas risadas.60 Ovelha Magra
  46. 46. Capítulo 4 Renúncia
  47. 47. O grande problema que enfrentamos, quando precisamosdecidir entre nossa vontade e a de Deus, é que nem sempreconfiamos o suficiente que Deus deseja nos entregar, defato, o melhor. É fácil dizer que Deus tem o melhor para nós, queEle sabe o que faz, que a vontade do Senhor é prefeita,etc. Acreditar que isso é real não é tão doloroso assim, masaplicá-la em nossa vida, realmente, é a grande questão sobretudo isso, e entender essa vontade de Deus requer muitotratamento e quebrantamento. Nem sempre nossos planosestão orientados pelos planos de Deus, e eu não creio queEle faça por maldade, pelo contrário, eu sei que, muitasvezes, quando estamos no auge da nossa própria vontade, oscaminhos que pensamos ser caminhos de vida, na verdade,poderão frutificar em morte se Deus não intervier e mudarnossa rota. É difícil deixar Deus arrancar algumas vontadesque ficam enraizadas no nosso coração, projetos que nos dãoa sensação de realização, poder e liberdade. Mas eu tenhoaprendido que a perfeita vontade de Deus jamais deixaráalguém frustrado. Os planos dos homens podem fracassar,os projetos podem falhar, mas os caminhos do Senhor sãoeternos. Quando submetemos nossos passos a Ele, em amor, nadapode dar errado. Essa entrega é conquistada através de umaprendizado constante, diário. Algo que tenho ministrado amim mesmo é que “o obedecer é melhor que o sacrificar” (I Samuel15.22). Eu sei que os frutos dessa entrega virão. Posso sentirno meu espírito que o coração quebrantado e submisso éo que agrada a Deus, sei que a resposta está não no que euplanejo, mas no que Deus sonha para mim e por mim.Pablo Massolar 63
  48. 48. Por outro lado, não há melhor lugar para se estar do queno centro da vontade de Deus. Experimentar essa realidadeé a melhor escolha que alguém pode fazer. O Espírito Santotem convidado, você e a mim, a vivenciarmos ainda hoje umaprofunda intimidade com o Pai, e intimidade, neste caso, setraduz em amor. É dessa forma que aprendemos a ouvir Suadoce voz, amar a Deus, e desejar Sua vontade é o primeiropasso para alcançarmos uma vida de sucesso sem errar nasescolhas. Lembre-se de que Deus nos deseja por inteiro, semreservas. Se for preciso tratar, Ele vai tratar, se for precisoquebrar e refazer Ele o fará. Quanto mais liberdade você e eudermos a Deus para trabalhar em nossas vidas, mais rápidoalcançaremos o melhor. “Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia,procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti,mas a ti cumpre dominá-lo.” (Gênesis 4.7) “Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-sedas nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossasemelhança, mas sem pecado.” (Hebreus 4.15) O pecado também é tema controverso desde que omundo é mundo. Lembro das histórias que meu avô contava.No tempo dele adolescente no interior, recém-chegado àigreja, era ensinado que jogar futebol era pecado. Assistir umjogo de futebol no domingo então era motivo para mandarajoelhar no milho se preciso. Hoje temos os Atletas de Cristoaté na Seleção Brasileira de Futebol. Quem não se lembra do64 Ovelha Magra
  49. 49. Tafarel ajoelhado, não no milho, mas no gramado em frenteao gol, no domingo de decisão da Copa do Mundo com ospunhos fechados e os dois indicadores apontando para océu? O pecado mudou ou foi a igreja que relaxou demais? Euarrisco dizer que nem um nem outro, e também, infelizmente,ao mesmo tempo um pouco de cada. A Bíblia dá uma listapequena demais sobre as atitudes que são consideradaspecado. O problema do pecado não é fazer ou não fazer istoou aquilo, o problema central do pecado é achar que tudo énormal e viver uma vida descomprometida com o projetoinicial de Deus para o homem. Seria fácil demais listar uma série de coisas que não sedeve fazer e viver como se não estivesse pecando, fazendoas outras coisas igualmente pecaminosas mas que não estãodescritas ali detalhadamente. A Lei se propôs a fazer issoe não deu certo como tentativa de justificação do homem.O apóstolo Paulo chega a citar essa tentativa frustradadizendo: “Porquanto o que fora impossível à Lei, no que estava enfermapela carne, isso fez Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança decarne pecaminosa e no tocante ao pecado; e, com efeito, condenou Deus,na carne, o pecado” (Romanos 8.3). O que é pecado então? É possível evitá-lo? A melhordefinição que já ouvi sobre o pecado foi “errar o alvo”. Pecaré mirar num ponto, distrair-se e atirar em outro lugar. Mas épossível acertar o alvo sim. Aliás esta é a vontade de Deus,Pablo Massolar 65
  50. 50. que não pequemos. Se Deus deseja isso é porque é possívele a Bíblia está repleta de conselhos sobre como manter umpadrão de santidade sem pecar. Quem diz que não devemosnos preocupar com o pecado ou que queremos ser radicaisdemais evitando-o é porque não consegue se libertar daprática do pecado e tenta de qualquer jeito se justificar nasacrobacias teológicas para amenizar sua culpa. Brincar com o pecado é como acariciar uma cobra,quando menos se espera ela dá o bote. A santidade se manifestaquando, mesmo doendo na carne, resistimos ao pecado.Quando o nosso desejo se levanta contra, compete a nósdominá-lo. Isso é um exercício diário, não pela nossa própriaforça, mas na motivação do Espírito Santo soprando emnossos corações a vontade do Pai. Às vezes é preciso “cortara carne” e mortificá-la ou literalmente fugir de situações quepodem nos deixar frágeis e acabar nos seduzindo ao erro aolongo do tempo. O pecado é perigoso e malicioso, ele podeir se instalando aos poucos sem fazer muito alarde e quandomenos se espera ele dá seus frutos. Quando o sinal de alerta do Espírito Santo acenderno seu coração, é melhor dar crédito, por mais inocenteque seja uma situação. Quando sua mente tentar negociarpropondo “O que é que tem? Só um pouco não faz mal...”,pare imediatamente e retorne ao lugar de Deus para sua vida.Garanto que você não se arrependerá! A questão de não pecar não está relacionada somente àsua salvação pessoal, mas a todo um projeto de Deus para asua vida inserida em um contexto muito mais amplo como aIgreja e as pessoas que convivem com você no dia-a-dia. Enquanto o propósito do pecado é contaminar e destruir,66 Ovelha Magra
  51. 51. a santidade contagia e cura. Viver uma vida de santificaçãodiária facilita a ação de Deus na sociedade através da sua vida.Sim, há muito mais benefícios contidos na proposta bíblicade santidade, você se torna um canal poderoso do agir e dofluir de Deus à medida que vai sendo limpo e polido pelaPalavra. Sua percepção sobre as coisas do Reino fica maisaguçada e com o tempo você vai aprendendo a discernir oque é e o que não é de Deus. A santificação limpa nossosouvidos para ouvir a voz mansa do Senhor. Mas e quando não consigo resistir ao pecado? É precisohaver uma cura. O tratamento de Deus é real e possível.Eu mesmo já experimentei situações em que pensava quejamais me livraria do vício do pecado, mas através de muitoquebrantamento e tratamento do Senhor, me sinto totalmenteliberto hoje. O segredo? Submissão. A tentação pode ser grande, mas a escolha é sempre nossa,pecar ou não pecar. Geralmente estamos tão condicionadosa não resistir ao pecado que nossa mente às vezes pode estarcauterizada, mas é preciso mudar esse quadro com oraçãoe esforço. Peça e permita que o Senhor lhe revele áreas dasua vida e brechas que precisam ser reparadas hoje. Esse éum tempo de cura para você como Igreja e parte do Corpodo Senhor. Vamos sair do nível da legalidade para o nívelda santidade e experimentar o melhor de Deus para nossasvidas.Pablo Massolar 67
  52. 52. Capítulo 5 Ovelha magra
  53. 53. “Veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo: Filho do homem, profetiza contra os pastores de Israel; profetiza edize-lhes: Assim diz o SENHOR Deus: Ai dos pastores de Israel quese apascentam a si mesmos! Não apascentarão os pastores as ovelhas? Comeis a gordura, vestis-vos da lã e degolais o cevado; mas nãoapascentais as ovelhas. A fraca não fortalecestes, a doente não curastes, a quebrada nãoligastes, a desgarrada não tornastes a trazer e a perdida não buscastes;mas dominais sobre elas com rigor e dureza.(...) Por isso, assim lhes diz o SENHOR Deus: Eis que eu mesmojulgarei entre ovelhas gordas e ovelhas magras. Visto que, com o lado e com o ombro, dais empurrões e, com oschifres, impelis as fracas até as espalhardes fora, eu livrarei as minhasovelhas, para que já não sirvam de rapina, e julgarei entre ovelhas eovelhas. Suscitarei para elas um só pastor, e ele as apascentará; o meu servoDavi é que as apascentará; ele lhes servirá de pastor. Eu, o SENHOR, lhes serei por Deus, e o meu servo Davi serápríncipe no meio delas; eu, o SENHOR, o disse. Farei com elas aliança de paz e acabarei com as bestas-feras daterra; seguras habitarão no deserto e dormirão nos bosques.” (Ezequiel34.1-4; 20-25) Deus ama incondicionalmente ao mais cruel dos sereshumanos, mas também é justo juiz. Eu separei esse texto doprofeta Ezequiel na íntegra e fiz um quadro que está penduradoem meu escritório para me lembrar constantemente quePablo Massolar 71
  54. 54. tipo de pastor e ovelha o verdadeiro e Bom Pastor esperaque eu seja. Ele me serve de alerta e bússola para minhacaminhada ministerial. O que me atrai e impressiona nele é orecado contundente que o Senhor dá não somente aos mauspastores, mercenários, mas também aqueles que, apesar deserem igualmente ovelha, impedem as mais fracas de receberalimento de Deus e muitas vezes as expulsam do aprisco comsua arrogância e desprezo. Parece-me que o Senhor tem um cuidado especial com osmais fracos e desamparados. No Novo Testamento o SenhorJesus ainda alerta novamente: “Qualquer, porém, que fizer tropeçara um destes pequeninos que creem em mim, melhor lhe fora que se lhependurasse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e fosse afogadona profundeza do mar.” (Mateus 18.6) É com temor e tremorque sempre leio esses dois trechos da Palavra de Deus, meesforçando para não me enquadrar no grupo daqueles queextorquem as ovelhas, maltratam seus conservos ou se tornam“pedra de tropeço”. Na verdade, minha consciência ministerialse desenvolveu a partir do texto de Ezequiel. Como eu crescinuma família de pastores, hoje eu sou a terceira geração depastores, desde pequeno sempre ouvia as pessoas brincandocomigo nos corredores da igreja: “este aí, quando crescer,vai ser pastor! Igual ao avô...” Eu não simpatizava nem umpouco com esses comentários. Apesar de ser atuante na vidade minha igreja, a ideia de pastoreá-la um dia não me enchia ocoração, pelo contrário, eu até repudiava a simples hipótese defazê-lo. Não sei bem porque, talvez fosse o receio da granderesponsabilidade. Eu tive experiências fortes com Deus desde muitojovem, fui batizado com o Espírito Santo aos 13 anos e aos14 já cantava e pregava na igreja. Enquanto meus amigos de72 Ovelha Magra
  55. 55. escola iam para os bailes, fumavam, bebiam e gozavam comoqueriam de sua juventude, lá estava eu, separado daqueleuniverso, sendo moldado pelo Senhor para algo que eu nemsabia aonde chegaria. Às vezes levava meu violãozinho paraa escola e dirigia um pequeno grupo de louvor e estudo daPalavra durante os intervalos das aulas, as pessoas achavamaquilo meio estranho, mas hoje eu sei que o Senhor já estavame preservando e treinando para algo muito maior que Eleviria a me entregar no futuro. Naquela época, eu pensava que estava bom do jeito que ascoisas caminhavam... Músico, ministro de louvor, para mim jáestava “de bom tamanho”. Eu sempre tive a percepção de quemeu ministério não seria algo comum, mas ministério pastoraldefinitivamente não estava nos meus planos. Eu fico fascinado com a pedagogia de Deus em nosensinar o melhor caminho ao longo do tempo. Aos poucos oSenhor começou a falar no meu coração sobre a necessidadede entender mais profundamente o chamado Dele para minhavida. O Senhor queria algo a mais e eu não queria entregar. Lembro-me bem da primeira vez que Deus usou alguémpara me falar a respeito do meu ministério pastoral de formaespecífica. Eu não sou muito fã de ficar buscando revelaçãoatravés de profetas, mas eu creio que Deus levanta homens emulheres, sim, capacitados e ungidos com dons sobrenaturaisde revelação e conhecimento vindos da parte de Deus. Sei queDeus fala com estes homens e mulheres, mas antes de falar aeles sobre nossas vidas, eu creio que o Espírito Santo semprefala particularmente com cada um de nós. O profeta é usado porDeus somente como confirmação e nunca como prognósticoantecipado de um propósito do Senhor em relação a nós.Pablo Massolar 73
  56. 56. Eu tenho percebido também que o profeta é um últimorecurso utilizado pelo Senhor para nos falar algo. Existempessoas que invertem esse princípio e buscam ao profetaem vez de buscar ao Senhor primeiro. Isso é errado, pois avontade de Deus é falar-lhe pessoalmente e individualmentesobre seus propósitos em relação à tua vida. O problema éque, para ouvir ao Senhor, dá trabalho, precisamos manteruma vida de oração, santificação, renúncia, leitura da Palavra,etc. e poucas são as pessoas que estão disposta a pagar essepreço. Algumas pessoas estão acostumadas com soluções erespostas prontas e não se sentem motivadas a manter essavida devocional. De qualquer forma, não é errado ouvir orecado do Senhor através dos seus profetas, mas saiba queo Deus que fala com eles também pode falar com vocêdiretamente. Pois bem, o Senhor já havia me sussurrado algumasvezes a respeito de aceitar a tarefa de servi-Lo de uma formamais especial, mas meu coração não estava sensível paratomar aquele tipo de decisão. Eu me sentia muito jovem enão queria aquele tipo de responsabilidade. Eu me colocava àdisposição, mas não integralmente. Até que um dia o Senhorusou uma pessoa que eu não conhecia para me dizer queEle tinha um ministério para me entregar por herança. Erao ministério pastoral. Aquela pessoa nunca havia me vistoantes, não sabia quem eu era, mas o recado de Deus nãopoderia ter sido mais claro, preciso e objetivo. O Senhor aindadisse, naquele dia, que Ele me daria ovelhas magras e feridaspara cuidar e pastorear. Era o que eu precisava ouvir comoconfirmação do que o Espírito Santo já tinha começado aministrar em minha mente há algum tempo. Aquela foi a primeira vez que eu ouviria tão claramente,74 Ovelha Magra
  57. 57. através de terceiros, sobre o projeto que Deus tinha paraminha vida. Eu deveria ter aproximadamente entre 16 ou 17anos naquela época, mas dali em diante o Senhor passou ausar muitas pessoas, em diferentes situações para me entregarsempre o mesmo recado. Quando algo vem genuinamente deDeus, Ele confirma de muitas formas. Se Deus lhe falou algoespecífico hoje, amanhã Ele não falará algo diferente. Alémdo mais, Ele sempre usará muitas situações como sinal de suavontade e não lhe deixará confuso ou em dúvida. Apesar de o Senhor ter sido tão objetivo comigo, meujovem e imaturo coração ainda precisava de muito tratamento.Orei durante alguns anos ainda achando que o ministériopastoral deveria acontecer no tempo e do jeito que eu queria,mas o que eu aprendi e aprendo até hoje é que não tem queser como nós achamos que deve ser, tem que acontecer comoDeus deseja que aconteça, no tempo e na forma Dele. Uma das pessoas que também tenho como referênciaministerial é o pastor Ermil Correa, que hoje já está sendo“pastoreado” pelo Senhor pessoalmente. Ele foi meu pastordurante um tempo. Minha igreja foi a última que ele pastoreouantes de se aposentar. A mocidade da igreja fez uma festapara ele no dia da sua despedida e eu me lembro com carinho,como se fosse hoje, no final da festa, ao se despedir, de queele me chamou num canto, perto da porta, e disse: — Pablo, eu sinto que Deus está lhe chamando para oministério pastoral. Pense nisso e ore a respeito! Ele não sabia das vezes que eu já tinha ouvido esse mesmorecado de Deus, mas naquela noite eu tomei uma decisão quefez toda a diferença para minha vida. Quando cheguei a casa,eu me ajoelhei sozinho no meu quarto, respirei fundo e dissePablo Massolar 75
  58. 58. ao Senhor em oração: — Pai, esta é a primeira vez que direi o que vou dizer aoSenhor porque eu sempre soube que, no momento em queeu dissesse isto, o Senhor o cobraria de mim. Eu tomei coragem e disse: — Eis-me aqui! Eu aceito o ministério pastoral! Podefazer Tua vontade em minha vida e me enviar para onde oSenhor deseja! Só pedirei que o Senhor fale comigo claramentemais uma vez e confirme com um sinal dizendo que esse érealmente o tempo para eu tomar essa decisão. Naquele exato momento eu creio que algo no mundoespiritual foi liberado. Eu sempre tinha ouvido a respeitoda vontade de Deus para minha vida, mas nunca havia defato tomado a decisão de cumpri-la. Eu possuía absolutaconsciência do chamado do Senhor para mim, mas jamaishavia dito “Eis-me aqui! Envia-me a mim!” (Isaías 6.8). Isso aconteceu em 1998, eu já tinha 22 anos, trabalhavaem uma agência de publicidade e fazia Faculdade de Análisede Sistemas em Nova Friburgo, minha cidade natal. Deusouviu aquela oração que fiz e mais uma vez deu o sinal queeu pedira. Havia uma amiga minha, Maureli, que na épocaera líder e professora dos jovens em nossa igreja. Ela tinhao hábito de colar com ímãs as fotos dos jovens da igrejana sua geladeira, como uma forma de lembrar sempre deorar e interceder por cada um de nós. Na mesma semanaque eu havia feito aquela oração, uma amiga dela foi orarcom ela em sua casa e quando essa amiga, que não meconhecia, viu a minha foto na geladeira, o Senhor lhe deuuma palavra de conhecimento e a mandou entregar um76 Ovelha Magra
  59. 59. “recado” para mim. — Diga que o Senhor dá a ele um coração de pastor eque ele será enviado ao ministério pastoral em breve. Então, Deus começou a mover minha vida de lugar.Depois de receber mais aquela confirmação, na semanaseguinte eu fui inexplicavelmente demitido da agência ondetrabalhava. Era nítido demais que o Senhor estava fazendoalgo. Tranquei minha Faculdade de Análise de Sistemas eprestei o vestibular para Teologia no Rio de Janeiro. Passei. Eu estava vendo o Senhor me conduzir de forma muitorápida, mas havia um problema: eu não tinha lugar para morarno Rio de Janeiro que ficava longe da minha cidade de origem.Tentei conseguir um apartamento com alguns amigos que jámoravam lá e também faziam faculdade, mas o valor cobradopor eles era muito caro e seria muito difícil conseguir pagar afaculdade e ainda assumir aquelas despesas. Pois Deus assumiu novamente o controle da situaçãoe abriu uma porta sobrenatural, um verdadeiro presente doSenhor para minha vida. Recebemos a notícia de que umaconhecida da amiga de minha mãe tinha um apartamento,exatamente na rua da minha faculdade, e que o filho delaestava procurando alguém para dividir o apartamento commais alguém. O apartamento era próprio e eu só precisariaajudar com as despesas internas de luz, gás, condomínio etelefone. Era mais uma confirmação de que, quando o Senhorestá no controle, todas as portas se abrem no tempo certo.Eu não precisaria pegar nem ônibus para ir à faculdade, poisDeus me plantou ao lado dela. Mas, ainda faltava um pequeno detalhe que pesava no meuPablo Massolar 77
  60. 60. coração, e eu, mais uma vez, apresentei aquela necessidadeao Senhor... Deus é extremamente meticuloso e detalhistae quando aprendemos a confiar Nele, descobrimos essascaracterísticas particulares do Senhor. Quando eu saísse eme mudasse de Nova Friburgo, minha mãe iria ficar sozinha,nunca mais ela havia se casado depois que meu pai morreu, ecomo filho único eu me sentia responsável por ela. Eu não estava confortável em deixá-la sozinha, entãopedi que o Senhor cuidasse daquela situação. Até nisso Deushonrou meu chamado! Ele preparou um companheiro paraminha mãe. Ela conheceu o Edson, homem de Deus, quepassou a amá-la e cuidar pacientemente dela e eu fiquei maistranquilo. Deus deu à minha mãe um marido e, para mim,um novo pai. Eu me mudei para o Rio de Janeiro em meados de1998, consegui um emprego temporário, iniciei o cursode Teologia e no ano seguinte Deus abriu uma porta paraque eu trabalhasse dentro da própria faculdade, recebendobolsa integral do curso e um salário razoável para um jovemuniversitário e solteiro. Deus é fiel! Quando Ele chama, as portas são abertas notempo certo. Nós só precisamos estar atentos à Sua voz. SeDeus lhe falou algo específico a respeito do seu ministério,chamado ou propósito, saiba que Ele há de fazer e cumprirtodas as coisas que falou. A única coisa que Deus precisade nós para cumprir suas promessas em nossos ministériosé liberdade para trabalhar. Quando tentamos dar umaajudazinha ou facilitar as coisas com nossa própria forçaou intelecto, Deus se retira. Nesse ponto aprendi que Eleé muito exigente. Ou deixamos Deus atuar livremente, da78 Ovelha Magra
  61. 61. forma como Ele quer fazer, ou não teremos sua provisãocompleta e permanente. Algumas vezes, começamos muito bem, temos a direçãoe a confirmação sobre algo que o Senhor nos deu, mas àsvezes o nosso tempo começa a passar e deixamos a ansiedadetomar um lugar que não deveria. Então somos tentados a atuarcom nossa própria força ou a querermos conduzir através danossa percepção particular sobre determinado assunto quenão nos cabe. Esse é o erro de muitos ministérios que sãoiniciados de maneira correta, mas no meio da caminhadase perdem e se desvirtuam. Somente o Senhor tem poderde decisão sobre a vida da igreja, a nós compete somenteobedecê-lo. É um engano achar que podemos conduzir tantonossa vida como o ministério sem a orientação específica deDeus. Aprendi isso com um custo muito alto. Depois queo Senhor me falou especificamente sobre meu chamadopastoral, jamais duvidei de que aquele negócio fosse realmentede Deus, mas houve um tempo em minha vida, mesmodepois de ter concluído o curso de Teologia, já pastoreando,que eu achava que o ministério era negociável, que eu poderiaescolher a forma como eu serviria ao Senhor. Trata-se de umengano onde todos nós corremos o risco de cair. Por contade decisões equivocadas, sem a orientação do Senhor, quaseperdi meu ministério definitivamente. Lutei durante algunsanos até entender que servir ao Senhor é uma decisão queenvolve integralmente nossas vidas em todos os sentidos,espiritual, profissional e familiar. Até hoje eu pago o preçopor ter deixado de ouvir ao Senhor durante alguns passos edecisões que tomei, mas graças a Deus, que é misericordiosoe fonte inesgotável de ricas e poderosas bênçãos, Ele nãoPablo Massolar 79
  62. 62. permitiu que Seu projeto para minha vida fosse frustrado. Em todas as coisas Deus foi e tem sido fiel comigoao ponto de me livrar até mesmo da morte, sem eu saber,inúmeras vezes. Corri risco até de vida, por conta das brechas que abrie dos ataques que foram liberados contra minha vida, masde todas o Senhor me livrou e, para a glória de Deus, estouretomando hoje posições que haviam sido adormecidas háalgum tempo. Tenho aprendido constantemente sobre pagar o preçode oração diante do Senhor para ver as circunstâncias semoverem no mundo espiritual. Somente através da intercessão,jejum, quebrantamento, renúncia da nossa própria vontadeé que poderemos ter um ministério sadio e que frutifiqueem bênçãos de vidas sendo alcançadas, curadas e edificadaspelo Senhor. Até mesmo esse livro é fruto de muitas lágrimase orações diante do Senhor, pois ele faz parte de um novotempo em minha vida e é também um marco, um memorialde tudo o que eu sei que Deus está disposto a fazer nessageração através da minha e da sua vida.80 Ovelha Magra
  63. 63. Capítulo 6 Reeducação alimentar
  64. 64. “Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda apalavra que sai da boca de Deus.” (Mateus 4.4) Uma pergunta que sempre me faço é sobre: que tipo dealimento temos recebido e compartilhado com a Igreja e comaqueles que estão fora dela? Existe uma frase popular quediz assim: “nós somos o que comemos”. O mau colesterol éaquele que acumula placas de gordura em nossas artérias e aospoucos pode até entupir algum importante vaso sanguíneo,provocando um enfarto ou algum outro dano grave ao nossocorpo. Geralmente as comidas de que mais gostamos são asmais saturadas de gordura e colesterol. Essa realidade e esse princípio também se aplicam aosnossos corpos espirituais. Existem alimentos que nos dãomuito prazer, mas são ricos em gordura espiritual saturada.Aos poucos eles vão se instalando em nossas artérias deoração e algum dia poderão, até mesmo, interromper o fluxodo Sangue do Cordeiro em nossos novos corações ou impedirque os nutrientes corretos cheguem às células. Esses alimentosnão chegam a ser pecado, mas tomam o lugar das fibras daPalavra de Deus, das proteínas de oração e das vitaminas C(de comunhão), além de prejudicar e desequilibrar a saudáveldieta baseada em quebrantamento e jejum. Quero falar sobre algumas características muito peculiaresdas ovelhas, e aqui eu falo do animalzinho mesmo, qualquersemelhança não será mera coincidência. Algumas ovelhaspreferem escolher pastagens de qualidade inferior. Trata-sede uma das coisas que mais apavoram o pastor. As ovelhas,por dificuldade de faro, são susceptíveis a ingerir tudo o queencontram pela frente, não distinguindo as ervas daninhas,Pablo Massolar 83
  65. 65. que podem lhes fazer mal ou mesmo levá-las à morte. Se nopasto existirem flores ou sementes coloridas, mas venenosas,que atraiam sua atenção, as ovelhas comerão sem saber queestão se envenenando. Elas têm hábitos repetitivos, pastamnos mesmos lugares até que destruam todo o pasto. Defecamno próprio campo onde comem, liberando vermes e parasitas.Se o pastor não dirigi-las a novos pastos, vão repetindoos velhos hábitos. A ovelha teimosa pastará sempre nosmesmos trilhos. O seu fim será o emagrecimento, doenças esofrimento. Algumas, em geral as mais velhas, entram em disputaspela liderança do próprio rebanho, empurrando as mais novaspara longe das melhores partes do pasto. Na época do outonoas fêmeas passam a ser disputadas pelos machos. É o tempodo cio. Eles batem as suas cabeças umas nas outras tentandodisputar a fêmea. O pastor sabe que isso pode feri-los muito,por isso passa uma espécie de óleo em suas cabeças, paraprotegê-los. O pior de tudo é que as ovelhas são muito medrosas,assustam-se facilmente e ao mínimo sinal de perigo ouproblema elas acabam pulando nos precipícios. Quando há uma ovelha muito rebelde e fujona norebanho, o pastor costuma quebrar as pernas dela com o seucajado. Durante o processo de cura, o pastor carrega a ovelhaem seu colo o tempo todo e lhe dedica uma atenção especial,trazendo alimento, água e remédios. Enquanto a ovelha vaise recuperando, aprende a confiar em seu pastor e, depois decurada, dificilmente voltará a fugir novamente. Mas cuidado! Os lobos estão rondando o aprisco! Muitossão os lobos pregadores que vão às televisões, rádios e até84 Ovelha Magra
  66. 66. mesmo à internet vender a imagem de um Deus negociadore ameaçador, somente para fazer valer em seus templos asleis de mercado, oferta e procura. Não estou generalizando,sei que também existem pastores sérios que frequentam asmesmas mídias com uma palavra revelada e genuinamentecentrada em Deus. É preciso fazer uma separação aquie não julgar os bons pastores pela conduta dos lobos emercenários, mas o problema é que os lobos estão à soltamesmo, tentando enganar os mais desavisados. Passam porcima de qualquer coisa, até mesmo da verdade bíblica paraconstruírem suas “teo-ideologias de mercado” centradas emseus próprios interesses. Classificam as ovelhas por númerose poder aquisitivo em vez de conhecê-las pelo nome. Oslobos são mestres das meias verdades, dizem facilitar oalcance das bênçãos através do dinheiro depositado em seuscofres. Os lobos não pedem oferta por amor ao Reino e parainvestir nele, fazem isso pelo seu próprio ventre. Ameaçamas ovelhas, não para curá-las, mas para mantê-las presas aomedo e ao seu domínio. Por outro lado, algumas ovelhas não se podem fazerdesculpáveis, porque elas mesmas são quem se deixam levarpelo cenário colorido, pintado pelo lobo, sem se darem contade suas armadilhas e acabam sofrendo com as decisõestomadas. Ali são espoliadas de sua lã, carne e gordura. Oslobos, enganadores de ovelhas, conseguem se articular e,mentindo, transferem a culpa de seus atos para o aprisco,como se a condição de ser ovelha fosse a causadora daexistência sádica do predador e mercenário. O resultado é aenorme quantidade de gente ferida, dentro e fora das igrejas,mutiladas, traumatizadas. É gente que desistiu de ser ovelhaporque lembra e tem medo da dolorosa mordida do lobo.Pablo Massolar 85
  67. 67. Mas, graças a Deus! Que nós não estamos sozinhosnesse imenso aprisco chamado Igreja. Jesus, o bom pastor,nos chama pelo nome, está disposto a tirar os carrapichos denossa lã, derramar bálsamo em nossas feridas e nos defenderdos lobos com a própria vida. Somos ovelhas do seu rebanhoe Nele temos provisão de bom alimento, aconchego e asegurança dos seus braços. A chave para discernir entre o lobo e o pastor é a voz.As ovelhas reconhecem a voz de seu Senhor Pastor e sentemsegurança ao ouvi-la. Precisamos nos familiarizar cada vezmais com essa voz a fim de que não sejamos levados porqualquer ameaça. Logo, estar junto ao som de Suas palavrasé o lugar mais seguro do aprisco. Nele temos segurança e paz, carinho e refúgio, alimentoe cura. Ainda há tempo de ser levado aos pastos verdejantese às águas tranquilas. Podemos confiar no consolo da vara edo cajado do Senhor. Sabemos que Nele somos defendidosde nossos inimigos e recebemos porções transbordantes dealegria. Nossa confiança é que com Ele habitaremos entre abondade e a misericórdia para todo o sempre. Talvez você esteja visualizando agora várias situaçõesda sua vida ou de conhecidos, dentro da igreja e fora dela,que poderiam se comparar aos exemplos dos alimentos, daovelha rebelde ou mesmo da inocente ovelha maltratada edilacerada pelos lobos. Não é por acaso que muitos estãomagoados, sentindo-se como que ovelhas sem pastor. Emseus corações figuram raízes profundas de amargura, feridasque as paralisam de dor e amargura da vida. Não é tempo debuscar culpados ou vingança, há somente um convite especialdo verdadeiro Pastor para esse grande rebanho, um convite86 Ovelha Magra
  68. 68. de cura, de soltar amarras, de retomar o Caminho, de voltarao colo do Pai bondoso e Pastor das nossas almas. Não importa nosso tempo perto ou longe, o gigantescoamor, universal e infinito amor de Deus, nos atrai a Elenovamente. Nele fomos gerados, Dele somos, para Eleexistimos e nos movemos. A grande fome que sentimosdesse amor provém do fato de que cada um de nós somosdescendentes desse mesmo amor. O amor de Deus é a essência de todo o universo. Quando,no início da criação, o Senhor disse “haja luz!”, a cada atocriativo de Deus, Ele impregnava sua criação com amor. Sabequando dizem que uma comida fica mais saborosa quando éfeita com amor? Pois enquanto Deus criava e dizia: “isto ébom!”, na verdade Ele estava vendo o reflexo do seu próprioamor na criação. Quando Deus criou o homem, Ele viu queera “muito bom” e eu creio que nesta hora o Senhor derramouuma quantidade maior de amor enquanto nos criava. O salmista diz: “Graças te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhosome formaste; as tuas obras são admiráveis, e a minha alma o sabe muitobem;” (Salmo 139.14) Eu tive a oportunidade de acompanhar cadaultrassonografia da minha filha Sarah até seu nascimento. Eulembro de uma lágrima de alegria ter escorrido dos meus olhosna primeira vez que vi aquele pequeno “feijãozinho branco”no monitor do consultório médico. Eu me emociono até hojePablo Massolar 87
  69. 69. e meus olhos se enchem de água ao lembrar do som do coraçãodaquele embrião batendo aceleradamente. Aquela sementede ser humano era um pequeno pedaço meu, pulsando, cheiade vida. Eu sei que só pude sentir aquele profundo amor poraquela figura, ainda informe, porque Deus, o nosso Pai, nosviu assim também e nos amou profundamente. Todo amorque conseguimos sentir é apenas um reflexo, uma sombra doamor com que Ele nos amou e continuará nos amando deeternidade a eternidade. A vida é um dom de Deus e somente Ele é capaz de dá-la. A vida é a única coisa que, apesar de todas as tentativas eavançadas pesquisas, os cientistas não conseguem reproduzirem laboratório. Eles podem tomar o núcleo de uma célula eimplantar em um óvulo ou em uma outra célula para que elase multiplique e se transforme em algum ser, mas eles nãocriam vida, apenas se utilizam de elementos que já possuemcerta energia vital. Obviamente, seu coração está batendo enquanto vocêlê estas páginas. Aproveite porque isso é um presente doSenhor para você. Independentemente de nossa condição,da quantidade de pecados que carregamos, se somos bons oumaus, o Senhor ainda permite que estejamos vivos hoje paraque possamos encontrar seus braços de amor. Embora sejamos forçados a pensar diferente, quandovemos as imagens das crianças desnutridas da África, quandorecebemos a notícia de crianças sendo arrastadas de carro portraficantes, jogadas pela janela de um prédio ou abandonadasem uma lixeira, eu ainda creio que a essência do ser humano,semelhantemente a Deus, também é o amor. Você poderáperguntar: como? Se Deus, sendo justo juiz, é capaz de amá-88 Ovelha Magra
  70. 70. los e perdoá-los, nós também seremos porque somos filhosgerados no seu amor. O problema encontrado na Graça eno Amor de Deus é que eles fogem dos padrões de justiçaque aprendemos baseados na vingança. Para Deus, a justiça ébaseada no perdão e não na retribuição do mal. Isso nos fere profundamente, porque nossa mentedesorientada e longe dos padrões do Senhor deseja fazerjustiça impetrando o mesmo dano sofrido, mas o amor deDeus é o Dom supremo. Alimentar-se no Reino não é alimentar-se solitariamente,mas alimentar-se para multiplicar o pão de quem tem fomee sede da Palavra de Deus. Essa é a hora de buscar alimentosólido no conhecimento da vontade soberana do Senhorrevelados em Jesus Cristo.Pablo Massolar 89
  71. 71. Capítulo 7 O que o motiva?O amor ou o medo?
  72. 72. “Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiveramor, serei como o bronze que soa ou como o címbalo que retine. Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistériose toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportarmontes, se não tiver amor, nada serei. E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres eainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiveramor, nada disso me aproveitará. O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, nãose ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, nãoprocura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; nãose alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudocrê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba; mas, havendo profecias, desaparecerão;havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará;” (I Coríntios13.1-8) Eu lembro do testemunho de um irmão em minha igreja.Ele era muito ativo na obra de evangelização, andava sempreacompanhado de outro irmão, os dois tinham recebido deDeus um grande ministério de cura e libertação, pareciam atéPaulo e Silas pregando o Evangelho do Reino por todos oslugares onde iam. Ele contou que uma vez, a filha dele, erauma criança ainda, talvez lá pelos seus cinco ou seis anos,perguntou se ele servia a Deus porque o amava ou se o queele tinha era só medo mesmo de ir para o inferno. Ele disse que foi a pergunta mais difícil de toda a vidadele. Era Deus perguntando através daquela pequena criança:Pablo Massolar 93

×