COMO UMA COMUNIDADE DE MARCA PODE ENGAJAR CLIENTES E CONSUMIDORES

1,799 views

Published on

Essa apresentação tem como objetivo apresentar de maneira breve, o conceito de Comunidade de Marca (Brand Community) e o de Cultuadores de Marca.
Algumas sugestões são feitas para incentivar o desenvolvimento de defensores de Marca, objetivando futuros cultuadores.

Published in: Marketing
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,799
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
21
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

COMO UMA COMUNIDADE DE MARCA PODE ENGAJAR CLIENTES E CONSUMIDORES

  1. 1. COMUNIDADES DE MARCA E CULTUADORES DE MARCAS
  2. 2. "Comunidade de Marca” / “Brand Community” É o termo que os cientistas sociais usam para descrever os consumidores que se identificam com uma determinada Marca e compartilham seus traços significativos. O que seria descrito como: Consciência compartilhada, rituais e tradições.
  3. 3. Os pesquisadores dizem que os consumidores podem organizar-se nessas comunidades para compartilhar as experiências relacionadas a uma Marca. Por outro lado, os consumidores em uma determinada Comunidade de Marca representam um grupo coeso que reflete os valores da Marca.
  4. 4. Comunidades de Marca dominam a arte de construir relacionamentos significativos e de longo prazo com seus participantes.
  5. 5. Comunidades de Marca são desenvolvidas pelos clientes de uma Marca, elas nunca são desenvolvidas pela Marca, que fica em volta das comunidades, apoiando-as, e não no centro delas.
  6. 6. Comunidades de Marca existem em todos os setores. A lista inclui empresas que não têm absolutamente nada a ver com tecnologia, computadores ou smartphones: Harley-Davidson tem Comunidade de Marca. Eles fazem motocicletas. IKEA tem Comunidade de Marca. Eles fazem mobiliário.
  7. 7. Comunidades de Marca não nascem: Elas são feitas pelos clientes que cultuam uma determinada Marca! Afinal, todas as Marcas começaram a vida em relativa obscuridade.
  8. 8. Steve Jobs plantou a semente que se tornou a Apple na venda de computadores, que ele ainda não tinha construído, a fim de levantar o dinheiro para pagar as peças que precisava para construir os computadores. O primeiro ano em que a Harley-Davidson estava no negócio, vendeu três motocicletas. Muitas empresas têm origem humilde, mas poucas vão rumo a grandeza.
  9. 9. As Marcas que possuem uma Comunidade de Marca são percebidas como sendo uma opção de alto valor dentro de sua indústria. Em geral, elas são o padrão no qual seus concorrentes serão avaliados.
  10. 10. As Marcas que possuem uma Comunidade de Marca tendem a ter preços mais altos, o que tem um impacto positivo e óbvio sobre a rentabilidade.
  11. 11. As Marcas que possuem uma Comunidade de Marca conseguem atrair novos clientes com um valor maior do que os de seus concorrentes, e manter esses clientes por um longo período de tempo.
  12. 12. Clientes tendem a fazer mais negócios, mais freqüentemente, com Marcas que possuem uma Comunidade de Marca , e eles entusiasticamente recomendam sua Marca cultuada para seus familiares e amigos.
  13. 13. Marcas cultuadas são as Marcas que possuem uma característica em comum, seus clientes repetem compras automaticamente. Em muitos casos, elas não são apenas a opção padrão, elas são a única opção na mente de seus clientes.
  14. 14. Marcas com comunidades possuem uma lealdade que chega a ser quase fanática por parte de seus participantes, e por qualquer razão, seus produtos ou serviços não estão disponíveis, o cliente irá esperar, em vez de mudar para outra Marca.
  15. 15. Marcas cultuadas desfrutam de um extremo entusiasmo por parte de seus clientes. Esse entusiasmo não está vinculado a um determinado produto ou linha de produtos, mas em vez disso tende a estender-se a toda a organização, incluindo sua iconografia e suas mensagens.
  16. 16. Os participantes de uma Comunidade de Marca podem ser de qualquer idade. O apelo das Marcas cultuadas perdura, muitas já existem há mais de 40 anos.
  17. 17. Se você não é um motociclista, você pode pensar que a Harley-Davidson sempre foi um grande competidor na indústria de motocicletas grandes. Essa é uma reputação de que gozam hoje, mas nada poderia estar mais longe da verdade.
  18. 18. Os anos sessenta foram uma época tumultuada para os Estados Unidos, e eles foram um período terrível para a Harley-Davidson. Houve uma verdadeira enxurrada de motos japonesas que entraram no mercado, com preços baixos e qualidade superior.
  19. 19. Exatamente ao mesmo tempo, os motores Harley, como resultado de uma decisão de terceirização para corte de custos, foram tornando-se famosos por seu mau desempenho. Esta não era uma situação sustentável.
  20. 20. A Harley-Davidson foi afundando, mas felizmente para motociclistas em toda parte, houve uma forte união de cultuadores da Marca, que estavam dispostos a intensificar e tentar salvar a empresa que amavam.
  21. 21. Hoje, a Harley-Davidson é uma empresa dominante na indústria de motocicletas grandes e recuperou o entusiasmo de seus clientes. Eles controlam mais de metade do mercado nos Estados Unidos, e um terço do mercado global. Avaliação atual da empresa é de 12 bilhões de dólares.
  22. 22. Sete regras para construir uma Comunidade de Marca.
  23. 23. Primeira regra: Determine onde você está Onde está seu negócio hoje? Onde você quer estar amanhã? O que orienta o crescimento de seu negócio?
  24. 24. Segunda regra: Descubra os cultuadores de sua Marca As empresas inteligentes desenvolvem suas Marcas pelas necessidades de seus melhores clientes, os seus cultuadores, em mente.
  25. 25. IMPORTANTE! Qual o benefício emocional que os cultuadores de sua Marca conseguem ao fazer negócios com sua empresa? Afinal, quem são os cultuadores de sua Marca?
  26. 26. Terceira regra: Entenda as necessidades humanas dos cultuadores de sua Marca Essas necessidades NÃO são apenas produtos ou serviços! Sua empresa deve se conectar emocionalmente e atender as necessidades humanas dos cultuadores de sua Marca!
  27. 27. Quarta regra: Abordar os pontos chave de contato Uma Marca é mais que apenas um Logo ou um nome! Envolva-se com as emoções e idéias associadas ao seu produto ou serviço.
  28. 28. Como você pode fazer com que cada ponto de contato com o cliente, reforce o benefício emocional de fazer negócios com sua empresa?
  29. 29. Quinta regra: Defina-se com uma comunicação eficaz! Comece com o básico: Como sua Marca é vista pelo seu cliente? O que sua Marca diz ao seu cliente? Como sua Marca faz seu cliente se sentir?
  30. 30. O que na imagem da sua Marca, que fala e faz sentir, reflete no que os cultuadores da sua Marca adoram em sua empresa?
  31. 31. Sexta regra: Venda sua Marca dentro de sua empresa Vender sua Marca internamente, envolve alinhar o seu negócio em uma visão singular e capacitar toda sua empresa para abraçar os seus melhores clientes.
  32. 32. TRÊS DICAS PARA VENDER SUA MARCA INTERNAMENTE!
  33. 33. 1º Crie uma definição do cultuador da Marca: Defina o cliente que o seu negócio melhor serve.
  34. 34. 2º Eduque seus colaboradores: Transforme seus colaboradores em defensores que irão “respirar” e ensinar a filosofia da sua Marca.
  35. 35. 3º Dê uma voz ao sucesso de sua Marca: Divulgue fotos de seus melhores clientes por sua empresa, crie vídeos de clientes, e informe a todos colaboradores os elogios feitos por todos os clientes.
  36. 36. Sétima regra: Ponha seu conhecimento para trabalhar Pegue o conhecimento sobre seus melhores clientes e pense sobre como você pode usá-lo para trazer vida à sua Marca. Use os conhecimentos sobre sua Marca para se destacar da concorrência e ... ... tornar-se insubstituível nos corações e mentes dos cultuadores de sua Marca.
  37. 37. Invista em seus clientes internos e externos, principalmente conecte-se emocionalmente com todos eles, você irá desenvolver cultuadores e eles não irão fazer negócios com nenhuma outra empresa. Qualquer Marca pode criar este alto nível de fidelidade.
  38. 38. CONTATO Email: p2paulopupo@gmail.com Fone: 11 99338-8980 Skype: p2paulopupo

×