Aprendendo a empreender com o Sebrae

9,622 views

Published on

Nas apresentações da série “Apontamentos para a discussão”, viso levantar alguns aspectos relevantes dos cursos que vou fazendo. Não se trata de resumos, mas de questões que convidam ao debate. Neste caso, relativas aos cursos "Aprender a empreender" e "Iniciando um pequeno grande negócio", do Sebrae.

Published in: Business
0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
9,622
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
10
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aprendendo a empreender com o Sebrae

  1. 1. APRENDENDO A EMPREENDER COM O SEBRAE Apontamentos para discussão, vol. II – ABR. 2013 Por Óscar Curros, www.oscarcurros.com
  2. 2. SOBRE A SÉRIEAPONTAMENTOS PARA DISCUSSÃONas apresentações da série “Apontamentos para a discussão”, viso levantar algunsaspectos relevantes dos cursos que vou fazendo. Não se trata de resumos, mas dequestões que convidam ao debate.• A plataforma de educação à distância do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) pode ser acessada por meio do link http://www.ead.sebrae.com.br (consulta em 28/03/2013). 2
  3. 3. APRENDER A EMPREENDER (I) 3
  4. 4. APRENDER A EMPREENDER (II)• Embora o planejamento seja essencial, muitas vezes é negligenciado pelo empreendedor.• Não há um modelo único de plano de negócio. Cada empreendedor tem que criar o seu, mas é possível ter um padrão apenas como referência.• Como passo prévio, é de fundamental importância a pesquisa. O empreendedor deve coletar informações de fontes diversas sobre o setor no qual pretende atuar, tentando obter informações sobre clientes potenciais, concorrentes e mercado, dentre outros fatores. 4
  5. 5. APRENDER A EMPREENDER (III)• Modelo de plano de negócios (PN), que deve ser adaptado a cada empreendimento. • 1. Sumário Executivo: O resumo geral deve ser preenchido no final. 1.1. Resumo dos principais pontos do projeto; 1.2. Dados dos empreendedores, experiência profissional e atribuições; 1.3. Dados do empreendimento, incluindo a missão; 1.4. Setor de atividades: Serviço ou comércio ou indústria; 1.5. Forma jurídica; 1.6. Enquadramento tributário; 5
  6. 6. APRENDER A EMPREENDER (IV) 1. (Continuação) 1.7. Capital social; 1.8. Fonte de recursos; 1.9. Análise de mercado e competitividade. Análise da Matriz FOFA. 2. Plano de marketing, com fundamento em sua pesquisa de mercado 2.1. Descrição dos principais produtos; 2.2. Estratégias promocionais; 2.3. Localização do negócio. 6
  7. 7. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (I) 7
  8. 8. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (II) “Empreendedorismo é o modo de pensar e agir de forma inovadora; identificando e criando oportunidades; inspirando, renovando e liderando processos; tornando possível o impossível; entusiasmando pessoas, combatendo a rotina; assumindo riscos em favor do lucro.” 8
  9. 9. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (III)• As transformações políticas, sociais e econômicas, que ocorrem num ritmo cada vez mais acelerado, mudam o ambiente dos negócios no mundo inteiro e oferecem novas e promissoras oportunidades de empreendimentos. Antes de empregar recursos e energia em um novo negócio, é preciso identificar as oportunidades mais promissoras para seus investimentos. As boas chances estão onde existem necessidades de clientes que precisam ser satisfeitas.• Acompanhar as novas necessidades dos clientes é fundamental para identificar as melhores oportunidades de negócios. O desafio do empreendedor é tornar-se o próprio agente das transformações, adiantando- se às mudanças. 9
  10. 10. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (IV)• A análise dos seus concorrentes deve possibilitar pelo menos a identificação clara de seus principais pontos fortes e fracos. Conhecer essas informações auxiliará você a formular suas vantagens competitivas, ou seja, aqueles pontos do trabalho de sua empresa em que você será imbatível. Vantagens competitivas são aquelas que sua empresa obtém sobre a concorrência quando você oferece produtos e serviços de maior valor, maior qualidade e mais benefícios para os clientes.• Dica: Para determinar sua vantagem competitiva, procure observar o que seus clientes consideram mais importante. Para saber isso, consulte novamente sua pesquisa de mercado consumidor. 10
  11. 11. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (V)• Seguem três dicas para melhorar a qualidade dos fornecedores, um aspecto essencial para a gestão da empresa que depende desses insumos: • Incluir fornecedores-chave nos processos de revisão de projetos da empresa; • Exigir dos fornecedores a adoção da filosofia da melhoria contínua, fundada na gestão da qualidade total; • Convidar fornecedores-chave que têm adotado a abordagem da qualidade total a se tornarem parceiros que compartilhem riscos no desenvolvimento de novos projetos significativos para os clientes. 11
  12. 12. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (VI)• A adequada definição da linha de produtos e serviços que um empreendimento oferece aos seus clientes, é de fundamental importância para o seu sucesso .• E depende da estratégia de negócios a ser adotada: Se voltada à inovação, à excelência operacional ou à intimidade com os clientes.• Fazer um benchmarking no mercado, para coletar sugestões de melhoria que sejam de valor para os clientes, pode ajudar a queimar etapas no processo de criação. Lembre-se de que não é necessário reinventar a roda. 12
  13. 13. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (VII)• Toda empresa pode ser entendida como um processo de satisfação das necessidades e expectativas dos clientes. Esse processo se divide em vários subprocessos.• Os processos-chave podem ser divididos em dois tipos: os que pertencem à cadeia básica de valor do cliente e os processos de apoio, que sustentam o funcionamento da estrutura que irá desenvolver os primeiros.• Importante! >> Deve-se iniciar o planejamento dos processos por aqueles que compõem a cadeia de valores dos clientes, em consonância com a definição da missão do negócio. 13
  14. 14. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (VIII)• O montante de investimento físico e financeiro - será o valor necessário para adquirir ativos suficientes para atingir o volume de produção indicado.• Investimentos Físicos: são aqueles destinados à compra de máquinas e equipamentos, instalações e veículos, móveis e utensílios, equipamentos de informática e obras civis, ou seja, aquisição de ativos para o negócio. Os investimentos físicos não são consumidos no processo operacional normal da empresa, ao contrário dos estoques de matéria-prima, por exemplo. Constituem o patrimônio do negócio (seu "ativo imobilizado", para utilizar terminologia contábil).• Investimentos Financeiros: são aqueles destinados à formação de capital de giro para o negócio. O capital de giro é o montante de recursos em dinheiro necessários ao funcionamento normal da empresa: compra de matéria-prima, financiamento de vendas, operações a descoberto etc. Apesar de estar listado nos investimentos, o capital de giro só é calculado após a projeção dos resultados da empresa. 14
  15. 15. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (IX)• Lucro Real: ao final do período fiscal (ano), apuram-se todas as receitas e despesas da empresa e, então, calcula-se o lucro final do ano. Sobre esse lucro, aplica-se a alíquota de impostos pertinente (variável em função do faturamento) e recolhem-se os tributos devidos – operação que é efetuada mensalmente. Esse sistema é vantajoso para as empresas que possuem gastos muito elevados, com baixas margens de lucro.• Lucro Presumido: presume-se uma lucratividade média da empresa nas suas operações e atribui-se o percentual tributável sobre essa lucratividade. O resultado é uma alíquota que é aplicada sobre a receita bruta da empresa mensalmente, sem a necessidade de cálculos mais aprofundados. Esse sistema é vantajoso para as empresas que possuem elevadas margens de lucro, em montante superior à projeção de lucratividade do governo, que normalmente situa-se na casa dos 15% sobre a receita total. 15
  16. 16. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (X)• Vale consultar a Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas. O Sebrae tem um portal específico sobre a mesma >> http://leigeral.sp.sebrae.com.br• De acordo com o Sebrae, “Trata-se de um importante instrumento para o país na estratégia de geração de emprego, distribuição de renda, inclusão social, redução da informalidade, incentivo à inovação tecnológica e fortalecimento da economia, com benefícios diretos para toda a sociedade.” 16
  17. 17. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (XI)• Demonstrativo de resultados do exercício - DRE: • O DRE é um resumo ordenado das receitas e dos custos totais de uma empresa dentro de um determinado período e que serve para apurar o lucro ou prejuízo de um negócio . • É apresentado de forma dedutiva (vertical). Das receitas subtraem-se todos os custos restando o resultado (lucro ou prejuízo).• Nem sempre os empreendedores lidam de forma hábil com os números, mas jamais tomam decisões sem calculá-los. Mas não existe outra maneira de calcular a viabilidade de empresas sem cálculos. 17
  18. 18. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (XII)• O Capital de giro O capital de giro, como o próprio nome diz, são os recursos financeiros necessários para sustentar a operação do negócio durante um curto intervalo de tempo (normalmente entre 30 e 90 dias), independentemente do faturamento (volume de receitas). Portanto, é o capital de giro que faz o negócio ter fôlego para os compromissos do dia a dia "girarem". 18
  19. 19. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (XIII)• Os indicadores de desempenho são calculados a partir de combinações entre os dados que, nesse momento, nós conhecemos sobre o negócio.• Eles têm a finalidade de indicar a saúde financeira do negócio em questão e, a partir de sua análise, oferecer uma resposta clara sobre as possibilidades de sucesso do novo empreendimento.• É recomendado que, após ter apurado os indicadores financeiros e de risco do negócio, compartilhe estes resultados com pessoas da sua rede de relacionamento para poder analisá-los juntos.• 19
  20. 20. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (XIV)• Em se tratando de planejamento de negócios, só podem ocorrer duas coisas: flexibilidade ou improviso. A Flexibilidade ocorre quando um plano é elaborado, porém questões circunstanciais fazem com que ele não possa ser executado em sua plenitude. Nesse caso, ajustes são feitos, mas a essência permanece a mesma. O produto final, portanto, é o mesmo só que com pequenas alterações. O Improviso acontece quando não há um plano, um norte e as coisas são feitas de qualquer maneira, como que de surpresa, no susto. Sem um plano para ser seguido ou mesmo para ser ajustado, qualquer coisa pode ser feita e o resultado final sempre será uma surpresa. 20
  21. 21. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (XV)• O Plano de Negócios (PN) é um documento que reúne informações sobre as características, condições e necessidades do seu atual ou futuro empreendimento. Ele é um instrumento muito útil porque ajuda a gerenciar e monitorar o dia a dia da sua empresa. No Plano de Negócios o empreendedor faz uma descrição completa de como o seu empreendimento é, quais são suas formas de gestão e seus antecedentes (sua história). O PN serve para o empreendedor entender melhor seu negócio, identificar oportunidades e os próximos passos que deve dar para fazê-lo crescer. O Plano de Negócios também pode ser elaborado para servir de fonte de consulta para funcionários e parceiros, ou para que outros interessados conheçam melhor o seu empreendimento. O Plano de Negócios deve funcionar como um guia para sua empresa. Sabendo exatamente como é o seu negócio e como ele está situado no mercado, fica muito mais fácil traçar metas de desenvolvimento e crescimento. 21
  22. 22. INICIANDO UMPEQUENO GRANDE NEGÓCIO (XVI)• PRA QUE SERVE O PLANO DE NEGÓCIO? • Permite maior conhecimento sobre o negócio; • Reúne e ordena ideias e providência sobre o negócio; • Permite simulações sem prejuízos financeiros ou materiais; • Antecipa dificuldades que só seriam vistas na prática; • Diminui riscos e aumenta as chances de sucesso; • Demonstra organização, perseverança e seriedade; • Atrai prováveis sócios, fornecedores, parcerias e recursos financeiros. 22

×