Apturismo no espaço rural

295 views

Published on

Published in: Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
295
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apturismo no espaço rural

  1. 1. MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias“Tem montes que não deixam de crescer, videiras que ninguém pode contar, oliveiras que vivem a rezar, e um rio que não pára de correr”
  2. 2.  Introdução………………………………………………………………….….…3  Enquadramento geográfico………………………………………………………4  Caracterização da população duriense…………………………………….……15 Alojamento no espaço rural………………………………………………….…18  Factos relevantes da actividade turística no Vale do Douro……………………21 Conclusão………………………………………………………………………24MTPD Geografia doDesenvolvimento e Turismo Sara Dias 2
  3. 3.  A  14  de  Dezembro  de  2001,  a  UNESCO  considerou,  por  unanimidade,  o Alto Douro Vinhateiro  como  uma  “paisagem cultural, evolutiva e viva”, pois  é  um raro exemplo em que a intervenção humana na paisagem não a desvaloriza, antes a enobrece e em que uma tradição cultural antiga, baseada na vitivinicultura, se mantém e continua dinamicamente activa, sempre capaz de se adaptar ao evoluir dos tempos. Esta  região,  particularmente,  reúne  características  únicas,  pois  possui  um  solo xistoso,  uma  exposição  solar  privilegiada  e  um  microclima  que  propiciam, juntamente com o trabalho árduo do homem, uma paisagem inigualável. O Douro é o primeiro destino a nível mundial a receber a avaliação do Centro de Excelência dos Destinos da Organização Mundial do Turismo. Foi também eleito pela "National Geographic " como o sétimo melhor destino de turismo sustentável do mundo destacando-se com três produtos prioritários: o enoturismo, o turismo histórico-cultural e o turismo natureza.MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias3
  4. 4.  O pólo de desenvolvimento turístico do Douro foi criado com o Decreto -Lei n.º 67/2008,  de  10  de  Abril  e  está  integrado  na  área  regional  de  turismo correspondente à NUT II Norte. O Douro representa um dos maiores pólos de desenvolvimento turístico do país, justificando a elaboração, em 2004, do Plano de Desenvolvimento  Turístico do Vale do Douro.MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias4
  5. 5.  A região do Douro tem uma área geográfica de 250 000 hectares, da qual fazem parte 22 municípios. Todavia, só um décimo dessa área, 25 mil hectares, ou seja, treze  concelhos,  foi  classificado  pela  UNESCO  como  Património  Mundial. Contudo, a zona classificada é representativa da diversidade do Douro, uma vez que inclui espaço do Baixo Corgo, do Cima Corgo e do Douro Superior. MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias5
  6. 6. o Os treze concelhos que fazem parte da zona distinguida pela UNESCO são: Alijó,Armamar, Carrazeda de Ansiães, Lamego, Mesão Frio, Peso da Régua,Sabrosa, Santa Marta de Penaguião, São João da Pesqueira, Tabuaço, Torrede Moncorvo, Vila Nova de Foz Côa e Vila Real, estendendo-se ao longo das encostas do rio Douro e dos seus afluentes, Varosa, Corgo, Távora, Torto e Pinhão.MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias6
  7. 7. MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias7
  8. 8. O VINHO - região do Vinho do Porto, dos vinhosdo Douro e das suas tradições; MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias8
  9. 9. O RIO - um rio navegável e com águas abundantes;MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias9
  10. 10. A PAISAGEM - a paisagem natural e aconstruída pela mão do Homem;MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias10
  11. 11. A SEGURANÇA, TRANQUILIDADE eBEM ESTAR - o silêncio, o ambientedespoluído, o clima ameno, a gastronomiarica;MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias11
  12. 12. A NATUREZA - região preservada pelavocação rural, dispondo, ainda, de locais emestado selvagem desconhecidos da mãohumana;MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias12
  13. 13. A HISTÓRIA E O PATRIMÓNIOARQUITECTÓNICO - a pré-história, a história donascimento de dois países ibéricos, as tradições e opatrimónio arquitectónico;MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias13
  14. 14. MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias14PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE - o AltoDouro Vinhateiro, o Centro Histórico do Porto, aArte Rupestre do Vale do Côa;
  15. 15.  O espaço rural duriense, propriamente dito, inclui áreas de povoamento muitoescasso, como acontece nos concelhos do trecho superior do Tâmega e em todosos outros para além do eixo Vila Real/Lamego. Segundo o Censos 2001, verifica-se um forte decréscimo da população em todosos concelhos no Interior, respectivamente de 7,1%.Migração para o litoralMTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias15 À medida que nos vamos aproximando do interior do território, verifica-se quenos concelhos do Douro, a proporção de idosos ultrapassa a média daRegião Norte, situando-se, respectivamente, nos 20%. A quebra da natalidade, asmigrações e a dispersão do povoamento têm levado a uma contínua e acentuadadiminuição do número de crianças, o que gera problemas graves ao nível daeficiência e da qualidade do serviço educativo prestado.
  16. 16.  Em 2001, no grupo etário dos 25-29 anos, a percentagem da população residentecom, pelo menos, o ensino secundário completo, é de 33% no Douro (as médiasregional e nacional são, respectivamente de 34% e 43%). Por outro lado, existe uma dificuldade de fixação da população jovem que detémformação mais elevada.MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias16As taxas de desemprego têm vindo a assumir valores elevados, em especial noDouro, sendo o concelho de Mesão Frio o que possui a taxa mais elevada a nívelnacional. Particularmente o sistema de emprego e de formação na área do turismotem revelado algumas fragilidades, apesar de algumas melhorias nos últimos anos,devido ao baixo nível de qualificação da mão-de-obra regional. Apesar de tudo, regista-se como factor positivo a consolidação de uma rede deinstituições de formação superior, como por exemplo, a Escola de Hotelaria eTurismo de Douro-Lamego; de investigação científica e tecnológica e de interfacecom as actividades económicas e sociais com realce para o desenvolvimento dealgumas dinâmicas de excelência.
  17. 17. MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias17
  18. 18.  Até 2008 existiam 22 tipologias diferentes de empreendimentos turísticos, asquais, segundo o Decreto –Lei nº 228/2009, de 14 de Setembro, têm de serreconvertidas nas 8 novas tipologias e categorias até 31 de Dezembro de 2010. O objectivo é a promoção da qualificação da oferta, pois a classificação deixa deatender sobretudo aos requisitos físicos das instalações, como acontecia até agora,para passar a reflectir igualmente a qualidade dos serviços prestados. O artigo 4º, ponto 1, enumera os tipos de empreendimentos turísticos legalmentepossíveis:MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias18
  19. 19. MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias19
  20. 20. MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias20Tipologia dos EmpreendimentosTurísticos:Nº de EmpreendimentosEstabelecimentos Hoteleiros 12 : 2 de 2*; 4 de 3*; 4 de 4* e 2 de 5*Aldeamentos Turísticos ----------Apartamentos Turísticos 1Conjuntos turísticos(Resorts) ----------Empreendimentos de Turismo de Habitação 16Empreendimentos de Turismo no Espaço Rural (TER)44, dos quais:Casas de Campo – 1 (turismo de aldeia)Agro-turismo - ?Hoteis rurais - 6Parques de Campismo e de Caravanismo 1 de 4*(data prevista de abertura: Junho 2011)Empreendimentos de Turismo de Natureza -----------
  21. 21. MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias21No que respeita ao Vale do Douro, os principais mercados turísticos externos são aEspanha, com 9%, o Reino Unido com 6% e a Alemanha com 5%.A Região Norte, em 2001, contribuiu com 11% do volume total de receitas dosestabelecimentos hoteleiros em Portugal, sendo o Vale do Douro responsável por 57 %dessas receitas regionais.O Vale do Douro concentra, “apenas” 6% do total da capacidade de alojamento (n.º decamas) nacional. Este valor indicia um número médio de camas por estabelecimentorelativamente baixo; a taxa de ocupação nos estabelecimentos hoteleiros no Vale doDouro (26,3%) é inferior à média nacional e à média da Região Norte; A estada médiados turistas no Vale do Douro (1,5 dia) é, também, inferior à média nacional e à médiada Região Norte;A taxa de ocupação nos estabelecimentos hoteleiros no Vale do Douro (26,3%) éinferior à média nacional e à média da Região Norte;
  22. 22. MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias22
  23. 23.  Dos clientes que visitam o Douro, 50% possuem diploma universitário e 42%exercem profissão intelectual ou científica. Relativamente às zonas de origem,44% é oriunda da Grande Lisboa e 20% do Grande Porto. De um modo geral, os clientes são jovens, salientando-se que os espanhóis sãomais jovens do que os portugueses. No Douro, o escalão etário dominante situa-seentre os 35 e os 44 anos (44%) e apenas 21% tem menos de 35 anos. Os clientes viajam em grupos de 3 a 5 pessoas e ficam 2 noites. 38% dosportugueses já estiveram alojados em estabelecimentos do género e 36% sãoestreantes. O perfil etário e socioprofissional do cliente-tipo do turismo rural corresponde aoperfil dos maiores utilizadores da Internet como fonte de informação sobredestinos e viagens, bem como de comércio electrónico. Quanto à escolha do destino, tudo aponta para a prevalência de motivações paraconhecer ou ver melhor um território e uma paisagem que começam a ter elevadonível de notoriedade nos meios de comunicação social.MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias23
  24. 24.  O Vale do Douro evidencia uma atractividade geral baixa, determinada pelo médiovolume de turistas que o visita, acompanhado por uma elevada sazonalidade.Detectam-se baixos níveis de sensibilização das populações para as oportunidadesdo Turismo e um nível de envelhecimento da população em conjunto com umdeclínio demográfico, sobretudo nos agrupamentos de concelhos transfronteiriços. A dimensão da oferta turística terá que crescer, qualificando-se, designadamenteno domínio do alojamento diversificado, tendo sempre em consideração aqualificação da oferta. Torna-se necessário reforçar a organização e articulação daoferta turística do Douro para que se criem novos produtos e serviços turísticos,designadamente, circuitos turísticos organizados, quintas visitáveis, provas,concursos e leilões de vinhos, turismo activo, visitas a parques, percursos einterpretação da natureza. É de vital importância oferecer um bom serviço em termos de alojamento e deanimação nas vertentes do turismo de natureza e cultural, do turismogastronómico e enoturismo, mas também de turismo activo e de aventura e, naperiferia do Vale do Douro, do turismo de saúde e bem-estar e do turismo de golfe.MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias24
  25. 25.  O nível de qualificação e profissionalismo dos recursos humanos deve reforçar onível profissional dos trabalhadores das unidades de restauração e alojamento,assim como, a preparação dos empresários e dos agentes de animação. Esta dinamização terá impacto na melhoria das condições de vida na região, bemcomo do crescimento da economia nacional, compensando, assim, o esforçopúblico que lhe será atribuído nos próximos anos. As expectativas da região são aumentar até às 600 mil dormidas até 2015, quatrovezes mais do que acontece actualmente. Para este território estão ainda previstosonze novos empreendimentos turísticos, o que corresponde a 39 milhões de eurosde investimento privado.MTPD Geografia do Desenvolvimento e Turismo Sara Dias25A abordagem líder na região norte

×