Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Um retrato atual dos direitos da criança e do adolescente 20 anosecaritaippolito10anosic 101019121844-phpapp01

659 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Um retrato atual dos direitos da criança e do adolescente 20 anosecaritaippolito10anosic 101019121844-phpapp01

  1. 1. “Para fazermos amanhã o impossível de hoje,é preciso fazer hoje o possível de hoje.” Paulo Freire Um retrato atual da condição dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes
  2. 2. O fim do pesadelo? Do Código de Menores (Doutrina da Situação Irregular) ao ECA que defende novos e amplos direitos às crianças e aos adolescentes, que passariam a ser sujeito de direitos e a contar com uma Política de Proteção Integral.
  3. 3. Após 20 anos da implementação do ECA, é possível falar em mudanças e conquistas para o cenário da infância no Brasil.
  4. 4. 13 de Julho de 1990 Promulgação do ECA (Lei 8.069/90) Documento de Direitos Humanos que contempla o que há de mais avançado na normativa internacional em respeito aos direitos da população infanto-juvenil.direitos da população infanto-juvenil.
  5. 5. Detalha os direitos da criança e do adolescentes que constitui cerca de um terço da população brasileira.
  6. 6. Desde 1990, um grande movimento de mobilização paraDesde 1990, um grande movimento de mobilização para a implementação do ECA vem acontecendo nos âmbitos governamental e não–governamental; A crescente participação do terceiro setor nas políticas sociais, fato que ocorre com evidência a partir de 1990, é particularmente forte na área da infância e da juventude.
  7. 7. O processo da implementação do ECA • Antonio Carlos Gomes da Costa, em um texto intitulado “O Desafio da Implementação do Estatuto da Criança e doAdolescente”, denomina de salto triplo os três pulos necessários à efetiva implementação da lei.
  8. 8. Mudanças no panorama legal: os municípios e estados precisam se adaptar, pois muitos ainda não contam com os conselhos e fundos para a infância; Ordenamento e reordenamento institucional: colocar em prática as novas institucionalidades dos conselhos dos direitos, conselhos tutelares, fundos e a articulação das redes locais de proteção integral; Mudar a maneira de “ ver, entender e agir” dos profissionais que trabalham diretamente com as crianças e adolescentes - historicamente marcados pelas práticas assistencialistas, corretivas e muitas vezes repressoras.
  9. 9. • A visão das crianças e adolescentes como sujeitos de direitos e seres em processo de desenvolvimento tem contribuído para o aprimoramento da atuação de inúmeras instituições e programas de atendimento. Os avanços na promoção dos direitos
  10. 10. • Ao longo da última década houve avanços no grau de informação e compreensão da sociedade sobre as violações dos direitos das crianças e adolescentes - trabalho ilegal, violência doméstica, evasão escolar, violência sexual, entre outros - e sobre as causas desses problemas.
  11. 11. • O aprimoramento das políticas públicas voltadas ao fortalecimento, inclusão produtiva e autossustentação das famílias mais vulneráveis; •A paulatina compreensão da sociedade sobre a atenção à saúde materno-infantil, educação infantil de qualidade e do valor e impacto positivo de ações como essas para construção de uma sociedade mais equilibrada.
  12. 12. • O envolvimento de adolescentes em atos inflacionais vêm sendo discutidos com maior profundidade, e se discute melhor programas baseados na plena observância dos direitos humanos e para a sua reintegração saudável na comunidade.
  13. 13. • Em 2008, o Congresso Nacional ratifica a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência; • Em 2009 a nova lei de adoção trouxe aprimoramentos para a garantia do direito à convivência familiar previsto no ECA, ao determinar que crianças e adolescentes não podem permanecer mais de dois anos nas instituições de acolhimento.
  14. 14. • Os Conselhos de Direitos, ConselhosTutelares e Fundos da Criança e doAdolescente vêm se tornando progressivamente mais conhecidos pelo público em geral; • Mais cidadãos e empresas têm procurado apoiar projetos de defesa e promoção dos direitos das crianças e jovens, por meio da participação direita em organizações ou programas de atendimento ou da destinação de recursos financeiros aos Fundos da Criança e do Adolescente.Adolescente.
  15. 15. • Um melhor entendimento do Poder Executivo para fortalecer o Sistema de Garantia de Direitos e as redes de atendimento; Os desafios • Dotar os Conselhos de Direitos e ConselhosTutelares com condições adequadas ao seu pleno funcionamento.
  16. 16. Os Conselhos dos Direitos da Criança e doAdolescente são instâncias de gestão compartilhada de políticas públicas e podem contribuir para melhorar a qualidade da aplicação dos recursos e a eficácia dos programas de atendimento. No plano do desenvolvimento político da sociedade, esses conselhos podem contribuir para o aprimoramento da democracia porque propiciam a ampliação da participação da sociedade na vida pública.
  17. 17. • Os governos devem alocar recursos suficientes nos orçamentos públicos destinados às crianças e adolescentes; •A ampliação da divulgação da existência dos Fundos e a mobilização da sociedade para doações e destinações é parte importante desse esforço. •A maioria dos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente ainda conta com poucos recursos para implantar programas de atendimento; importante desse esforço.
  18. 18. • Qualificação do processo de diagnóstico; • Planejamento técnico e orçamentário e monitoramento das políticas de garantia de direitos em cada município; • Práticas de gestão pública, ação e participação social que garantam a efetivação desses direitos na vida cotidiana de cada Prioridades garantam a efetivação desses direitos na vida cotidiana de cada cidade.
  19. 19. FONTES E LINKS COSTA,Antonio Carlos Gomes. É possível mudar: a criança, o adolescente e a família na política social do município. Editora Malheiros, 1993. COSTA,Antonio Carlos Gomes. De menor a cidadão: Notas para uma história do novo direito da infância e juventude no Brasil. Editora do Senado, 1993. DEL PRIORE, Mary. História das Crianças no Brasil. Editora Contexto, 1999. www.promenino.org.brwww.promenino.org.br www.observatoriodacriancaedoadolescente.org.br www.childhood.org.br/programa-na-mao-certa-conquistas-e-desafios-no- combate-a-exploracao-sexual-infantojuvenil-nas-estradas www.portaldatransparencia.gov.br rita.ippolito@gmail.com

×