Tese

1,990 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,990
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
30
Actions
Shares
0
Downloads
34
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tese

  1. 1. A Didática da História e o slogan da formação de cidadãos
  2. 2. <ul><li>1. Didática da História </li></ul><ul><li>= </li></ul><ul><li>Como </li></ul><ul><li>(teoria) </li></ul><ul><li>2. Slogan da formação de cidadãos </li></ul><ul><li>= </li></ul><ul><li>O quê </li></ul><ul><li>(objeto = “representações” de professores de História sobre esse slogan) </li></ul><ul><li>LEFEBVRE, 1983 </li></ul>1
  3. 3. <ul><li>1. Didática da História </li></ul><ul><li>( Geschichtsdidaktik ) </li></ul>2 Estudo dos “processamentos da História sem forma científica”. PANDEL, 2006
  4. 4. <ul><li>“ A escola deve formar cidadãos críticos e participativos” ... </li></ul><ul><li>“ enquanto símbolo de um movimento social prático”. </li></ul><ul><li>SCHEFFLER, 1974 </li></ul>2. Slogan da formação de cidadãos 3
  5. 5. <ul><li>2005: São Paulo </li></ul><ul><li>Uma professora de escola estatal e de privada </li></ul><ul><li>Uma professora de escola estatal </li></ul><ul><li>Um professor de escola privada </li></ul><ul><li>2006-2007: França </li></ul><ul><li>Um professor e uma professora de collège de centre-ville </li></ul><ul><li>Uma professora e dois professores de collège de village </li></ul>Pesquisa de campo didático-histórica ( geschichtsdidaktische Feldforschung ) 4
  6. 6. <ul><li>interpretive participational observation research methodology </li></ul><ul><li>ERICKSON, 1985 </li></ul><ul><li>autoconfrontation simple </li></ul><ul><li>CLOT, 2000; FAÏTA, 2003 </li></ul>Observação intensiva 5
  7. 7. <ul><li>(1) lembranças, apontamentos e notas de campo; </li></ul><ul><li>(2) registros de campo; </li></ul><ul><li>(3) gravações das aulas durante a observação; </li></ul><ul><li>(4) gravações das aulas em vídeo efetuadas pelos próprios professores; </li></ul><ul><li>(5) vídeos das entrevistas concedidas pelos professores; </li></ul><ul><li>SANJEK, 1990 </li></ul>Tipos de fontes de dados 6
  8. 8. 7
  9. 9. 8
  10. 10. 9
  11. 11. 10
  12. 12. <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>1. Definição de “pesquisa de campo didático-histórica” </li></ul><ul><li>2. Cidadania é preciso, cidadania é impreciso </li></ul><ul><li>3. Formar cidadãos... </li></ul><ul><li>4. Formar cidadãos críticos... </li></ul><ul><li>5. Formar cidadãos (...) participativos </li></ul><ul><li>6. Metodologias de pesquisa de campo didático-históricas </li></ul>Sumário 11
  13. 13. <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>Objetivo da pesquisa; </li></ul><ul><li>Definição de slogan educacional (SCHEFFLER, 1974); </li></ul><ul><li>Objeto da pesquisa/Teoria das representações (LEFEBVRE, 1983); </li></ul><ul><li>Enfoque da pesquisa nas aulas de História; </li></ul><ul><li>Descrição dos professores observados e de suas escolas, em São Paulo e na França. </li></ul>12
  14. 14. <ul><li>1. Definição de “pesquisa de campo didático-histórica” </li></ul><ul><li>Definição de cultura escolar (CHERVEL, 1990; 1998); </li></ul><ul><li>Definição de Didática da História, cultura histórica e consciência histórica na bibliografia germânica; </li></ul><ul><li>Definição de “pesquisa de campo didático-histórica”, diferenciada das Ciências da Educação, da etnografia da escolarização, da antropologia, da psicologia e da ergonomia. </li></ul>13
  15. 15. <ul><li>2. Cidadania é preciso, cidadania é impreciso </li></ul><ul><li>Definição polissêmica de cidadania, dependente dos conceitos de “espaço público” e de “coletividade política” (AUDIGIER, 1999); </li></ul><ul><li>“ Espaço público”: definição de “vida privada” e de “vida pública” (ARENDT, 2005); </li></ul><ul><li>“ Coletividade política”: universalismo francês e comunitarismo anglo-saxão (DUMONT, 1983; 1994); </li></ul><ul><li>“ Formação” de cidadãos X Educação cívica: Democracia antiga como mito de origem da democracia moderna (FINLEY, 1988). </li></ul>14
  16. 16. <ul><li>3. Formar cidadãos... </li></ul><ul><li>Definição de “educação” e de “formação” (PETERS, 1965; DUBET, 2002; ARENDT, 1972); </li></ul><ul><li>Definição de empatia histórica (BARING, 2006); </li></ul><ul><li>Análise dos episódios “Diários de Personagens do Egito Antigo” (Professora 1), “Ficha de estado civil” (Professor 6) e “‘Painéis’ sobre a obra de Antonil” (Professor 3). </li></ul>15
  17. 17. <ul><li>4. Formar cidadãos críticos... </li></ul><ul><li>Uso “abusivo” de um conceito (TRAVERSO, 2002; ŽIŽEK, 2002; GARROS, 2005); </li></ul><ul><li>Análise de episódios do Professor 8 relacionados aos conceitos de comunismo e fascismo; </li></ul><ul><li>Análise de episódio da Professora 2 relacionado ao “mensalão”; </li></ul><ul><li>Questionamento do conceito de pós-convencionalidade (LELEUX, 2002). </li></ul>16
  18. 18. <ul><li>5. Formar cidadãos (...) participativos </li></ul><ul><li>Análise dos seminários organizados pela Professora 1, pela Professora 2 e pelo Professor 3; </li></ul><ul><li>Descrição do ritual escolar francês relacionado à participação dos alunos; </li></ul><ul><li>Análise de representações da Professora 1 e da Professora 2 sobre participação dos alunos. </li></ul>17
  19. 19. <ul><li>Observação participante interpretativa; </li></ul><ul><li>Descrição dos tipos de fontes da dados; </li></ul><ul><li>Formas de análise das fontes de dados. </li></ul>6. Metodologias de pesquisa de campo didático-históricas 18
  20. 21. <ul><li>Empatia histórica e educação para a cidadania </li></ul><ul><li>Nas representações de professores de História, há uma maior dificuldade para desenvolver a empatia diante de pensamentos e sujeitos contemporâneos que divergem da concepção liberal de cidadania, do que diante de pensamentos e sujeitos típicos de outras épocas que também divergem da mesma concepção liberal de cidadania. Essa dificuldade estaria relacionada a concepções de “cidadão crítico” presentes nas representações de professores de História. </li></ul>19
  21. 22. <ul><li>“ Cidadão participativo” </li></ul><ul><li>X “aluno participativo” </li></ul><ul><li>Apesar de os conceitos de “cidadão participativo” e de “aluno participativo” serem rigorosamente diferentes – na medida em que a escola é uma instituição pré-política e os alunos ainda não são cidadãos –, existe com freqüência uma confusão entre “cidadão participativo” e “aluno participativo” nas representações de professores de História. </li></ul>20

×