Successfully reported this slideshow.

Roberto Marques

2,661 views

Published on

Published in: Entertainment & Humor
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Roberto Marques

  1. 1. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS A DERIVA DO PARENTESCO: GÊNERO, JUVENTUDE E MIGRAÇÃO NO NORDESTE CONTEMPORÂNEO Roberto Marques ∗ Em várias oportunidades em que tenho falado e ouvido falar sobre Narrativas, Memórias, Identidades e temas afins, assusta-me o formato que temos assumido em nossa escrita independente do local ou sujeitos sobre os quais falamos. Sobretudo no que diz respeito a dois aspectos: 1) as fronteiras entre “nossos” sujeitos e aqueles em oposição ao qual eles se identificam parecem espessas demais, evidentes demais, tornando o conceito de sociabilidade dado não questionado, em torno do qual se constroem identidades em bloco. 2) Não menos evidente é a idéia de indivíduo como modelo organizador da noção de pessoa, independente da comunidade que se esteja pensando. A noção de indivíduo ocidental se mundializa em nossas falas, torna-se uma entidade a-temporal. Parece que assumimos sem restrições a idéia de Thompson (1992) de dar voz aos sujeitos através de suas narrativas que recolhemos e interpretamos. Essa voz vem inelutavelmente de um sujeito com direitos e deveres, de uma sociedade que, se não o é, deveria ser igualitária. Por vezes é simplesmente essa ausência de eqüidade que estamos denunciando. Em uma palavra: prenunciamos um lugar para o sujeito e a sociedade, ocidentalizando seus lugares a partir de nosso modelo de sociedade e de pessoa. E se assumíssemos que tais lugares não são dados pré-existentes, mas constructos alinhavados em nossas pesquisas na relação com os sujeitos? E se estivéssemos dispostos a perceber não o que a fala denuncia, mas como a narrativa constrói sujeitos e noções de pessoas distintos daqueles sujeitos ideais cuja fala seria a marca racional que reclama uma identidade e um lugar social? E se esse lugar social fosse híbrido e posicional? Tentaremos tomar tais questões como desafios para esse texto, utilizando a noção de gênero, as contribuições da antropologia na construção da noção de pessoa e uma situação de campo que tem se demonstrado rica nas possibilidades não de um sujeito, mas de múltiplos sujeitos, todos igualmente verdadeiros, como também absolutamente contextuais. Para falarmos do Nordeste, trataremos aqui de uma região chamada Cariri, região ao sul do Ceará composta por 28 municípios, que faz fronteira com Piauí, Pernambuco e
  2. 2. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS Paraíba. Há diversas maneiras de delimitar a região, seja por sua formação histórica, por suposta unidade natural, ou de forma político-administrativa, como fizemos acima. Em geral, os trabalhos desenvolvidos na região consideram o Triângulo formado pelos municípios de Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha o centro administrativo, político, econômico e cultural da Região. Em trabalhos anteriores, questões aparentemente opostas se colocavam como pistas para uma investigação acerca do feminino na região: a supostamente recém adquirida diversidade do feminino, em um espaço marcado pela idéia de tradição como signo identitário e, mais recentemente, nesse mesmo espaço, o assassinato violento de mulheres e suas formas de apreensão pelos jornais locais. Ambos corpus refletiam relativa independência, quem sabe, uma transformação nas relações de parentesco do mundo rural contemporâneo. Ainda que analisada de forma tateante, tanto temporal como metodologicamente, a questão da marcação da diferença masculino-feminino já se adivinhava como aspecto central para a reflexão sobre a região. De acordo com Albuquerque Jr. (2003:20): Na historiografia e sociologia regionais, na literatura popular e erudita, na música, no teatro, nas declarações públicas de suas autoridades, o nordestino é produzido com uma figura de atributos masculinos. Mesmo em seus defeitos, é com o universo masculino de imagens, símbolos e códigos que definem a masculinidade, em nossa sociedade, que ele se relaciona. O Nordestino é uma figura “em que se cruza uma identidade regional e uma identidade de gênero”. Mas se para o historiador importa saber que relações de força constituíram essa confluência de identidade espacial e gênero presentificadas pelos atributos ocidentais masculinos de rudeza, prontidão e atividade na figura do Nordestino, não nos parece menos importante perceber que essa personagem se constitui a partir de relações que reiteram e presentificam tais signos, ainda que, ocasionalmente, estas relações se organizem a partir desses atributos. Corrêa (1982), por exemplo, chama a atenção que a organização de tal identidade não se daria se não fossem expedientes constantes de suspensão da diferença. Para a autora, é exemplar desses jogos de esquecimento a confluência da reflexão sobre família no Brasil a partir do modelo e relações presentes na família patriarcal. Tal modelo se modernizaria natural e inexoravelmente dando espaço ao modelo de família nuclear. Para Corrêa, essa narrativa linear escamotearia a existência de diversas formas de organização e conseqüentemente a existência de outras relações sociais, que ora teórica, ora empiricamente são pensadas como “outro” da família patriarcal, ocupando, portanto, um lugar marginal em relação a esta. 2
  3. 3. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS Mas seria uma estratégia útil questionar a existência da família patriarcal como conceito? Para Albuquerque Jr. (2003: 135- 148) tal crítica supõe que um conceito possa dar conta de todas as práticas concretas do sublunar. Para o autor, não se trataria de “desmistificar o conceito”, já que esse é também engenho humano; potencializador de relações, mas de historicizá-lo, percebendo “que relações históricas possibilitaram a emergência dele, que funcionamento ele teve, e a que relações de poder esteve ligado, num dado momento histórico”. Nesse debate interessa-nos a perspectiva empregada por Albuquerque Jr. de apontar a instituição do Patriarcalismo como conceito possível para a reflexão sobre a família brasileira, como viés instituinte de uma confluência entre identidade espacial e de gênero na figura do Nordestino. As relações descritas por Gilberto Freyre; José Lins do Rego; Raquel de Queiroz e outros impõem-se como conceito, organizam a percepção , produzindo falas, gestos e corpos masculinos e as relações por eles engendradas. Embora reconheça a existência de “uma brecha entre o dizer e o fazer, que inventa um cotidiano diferente daqueles que os discursos enunciavam”, tal abordagem prioriza a formatação do sensível pela linguagem aproximando percepção, classificação e institucionalização. Como poderia a Antropologia contribuir com tal discussão? Para essa “ciência social do observado” importa a tentativa de apreensão do sensível a partir de suas bordas, a produção de um discurso sobre o outro no momento do embate com a alteridade, produzindo e multiplicando o fulgor e fugacidade dos sujeitos, onde antes havia a opacidade dos conceitos. Possivelmente nenhum outro conceito em antropologia atrele e defina tanto os sujeitos a partir de suas posições em dada relação social como o de Parentesco. Como tal confluência interessa a alguns dos pontos levantados nesse estudo, pensemos, ainda que de forma esboçada e breve, os caminhos e limites desse conceito. Limitarei, no entanto, minhas observações àquilo que parece ser instrumental para a pesquisa. Como ressaltamos, ao tempo que o conceito institui-se como dispositivo de construção de sensibilidade e institucionalização de sujeitos, a antropologia pode constituir- se no entre conceitos e práticas; na ambigüidade possível daquele que se entrega à 3
  4. 4. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS construção do outro em si. Esse entre-lugares distancia-se bastante daquilo que o campo erigiu como noção privilegiada de Parentesco. Para Heritier, o estudo das relações de parentesco contrasta a diferença e o equilíbrio de “conjuntos diferentes do nosso” que “encontram intelectualmente justificação (...) através da própria harmonia da sua adequação a todos os domínios da atividade social, econômica, política, natural e simbólica (1997: 29)”.O termo se aproximaria daquilo que Mauss classificou como fato social total. A partir do instante que se expressa pelos sistemas de designação, regras de filiação, aliança e residência, bem como evidencia os interditos que obrigam a formação dessas alianças, o parentesco seria a formulação sintética de tudo aquilo que é durável em cada agrupamento humano, princípio onipresente da sociabilidade e definição, no grupo, daquilo que é humano/semelhante e o que não é. Como dissemos, em que pese a importância do instrumental acima referido na construção do campo da antropologia, a definição de um objeto com fronteiras tão rígidas possivelmente atenue a importância da produção de novas formas de legitimação entre grupos, a possibilidade da produção da diferença pelo sujeito amparado por essas redes simbólicas, ou mesmo, a importância do discurso antropológico na construção NOS sujeitos desse conceito. A este respeito, alguns teóricos parecem potencializar as brechas do conceito, tencionando seu destino e multiplicando usos. Strathern (1995:306) define Parentesco como a maneira como “os euro-americanos pensam sobre a formação de relacionamentos íntimos baseados na procriação”. Em alguns artigos, utiliza a tensão nos papéis de pai e mãe característicos das novas tecnologias reprodutivas para pensar o trânsito nas formas de parentalidade, possivelmente distintos das figuras atuais do feminino e masculino, ao tempo que reflete sobre como somos acessados, como antropólogos e como euro-americanos a partir dessas figuras de gênero. Assim, ao invés do dado onipresente, o Parentesco aparece aqui como produção de relações que desencadeiam deslocamentos de significação, trânsitos e produção do humano. O “culturalmente pensável” é, portanto, fruto de uma triangulação entre práticas, discurso nativo e sua descrição pela comunidade de antropólogos que o produz. Ainda assim, no que diz respeito a formas de parentesco descrito e reescrito pela atividade intelectual, tudo aquilo que está à sua margem é tomado como anti-norma, fímbria, inominável. Faz-se necessário uma pergunta: Estamos incluídos nessa forma de 4
  5. 5. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS parentesco descrita por Schneider ou Strathern? Se não estamos incluídos, não estamos propriamente excluídos. Não somos o outro do parentesco. Aliemos, portanto à pergunta anterior uma outra: O que se faz no Cariri quando não se está fazendo comunidade ou parentesco? O que nos leva mais uma vez a buscar os fenômenos invisíveis, o resto, mas nem por isso, como veremos, fenômenos menos ruidosos. Luciana não é do Cariri. Como tantas outras jovens chegou ao Crato a fim de assumir um cargo de funcionária pública. Tinha, então, cerca de 30 anos. Ao caracterizar o momento de sua chegada ali, Luciana dizia que “era um momento muito rico para o Cariri, quando representantes comerciais dos estados da Paraíba, Pernambuco e Piauí cruzavam constantemente a região”. Ela, então, divertia-se em bares de forma pouco convencional: ensaiava performances em casa, cantava e dançava como se estivesse em um show particular, sendo ela mesma a performer e o Cariri, seu público. Entre as performances relatadas gostaria de citar um momento em que Luciana contratara um dançarino com quem ensaiara por algumas semanas, ao final das quais apresentou-se em um Bar, em Frente à Praça da Igreja Matriz. Em outra oportunidade, enviara, para ela mesma, um ramalhete de flores, entregue ao final de uma de suas apresentações. No dia seguinte, não tendo bebido durante a noite um gole de álcool, Luciana retornava à instituição em que trabalhava, onde lhe eram confiados cerca de 300 adolescentes por semestre. Darão essas noites algum sentido ao Cariri? Ajudará tal descrição uma compreensão da Região? Talvez se colarmos à descrição desse evento uma outra observação, realizada durante a exposição agropecuária. Às noites, durante a exposição[agropecuária], os jovens vestem-se e vão à “Festa”. No ano de 2007, a “Festa” compunha-se majoritariamente de bandas de forró. No entanto, opondo-se a interpretações recentes do forró no Nordeste como algo imutável em oposição ao forró universitário das metrópoles do país, onde este teria se transformado, as bandas não correspondem ao estereótipo de imutabilidade. Vejamos as notas de campo de minha primeira noite na exposição: Aproximando-me do show, poucas pessoas dançam. Um rapaz moreno, pequeno, com roupas bastante simples é o cantor. Ele canta “Adultério”. A letra é uma paródia sobre a música Tédio, sucesso dos anos 80, na voz do grupo Biquíni Cavadão. Uma amiga comentou que Mr. Katra, cantor de funk tipo “proibidão” cantava essa música no show. Ao final da seqüência: Sua mina só reclama/ e tira a sua paz/ (ela é chata demais!)/ procura a profissional que ela sabe o que faz/ é uma coisa louca: quica/ quica em cima de mim/ assim!, assim!/ Antes, durante e depois/ Até o fim! Sentada no meu colo, agente zoa, gata que delícia! Boa!/ O Negócio ta sério/ vai rolar um adultério/ 5
  6. 6. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS - o cantor repete diversas vezes: “E eu acho é bom! E eu acho é bom....Enquanto ele canta, 4 dançarinas fazem coreografias no palco. (...) [embora a platéia esteja cheia], poucas pessoas dançam. Ficam olhando o palco (...) Saio dali e vou para a tenda eletrônica. Lá está tocando funk e a freqüência me parece ser de um público bem jovem. A tenda seria uma programação paralela à exposição.A contrário das bandas de forró, a música na tenda seria moderna, dançantes, urbanas (...). Será possível perceber um sentido nisso? Estarão esses jovens fazendo comunidade nesse momento? Poderá esse momento existir OU ele deve ser decantado para que se possa perceber um verdadeiro “sentido da vida tribal?”. Compreendi melhor essa noite quando viajei, alguns dias depois, para o município de Campos Sales, a 03 horas da cidade do Crato, para uma festa de município. Ali, o investimento realizado na festa não permitia eventos paralelos, então cada fase da programação era anunciada, ás vezes em diferentes palcos a algumas dezenas de metros de distância um do outro, permitindo que tudo fosse visto por todos os moradores, visitantes e antropólogos presentes. Farei aqui apenas um relato da programação da festa no Município: A programação iniciou em torno das 19 h. com apresentação do artista paraense Vivinho dos Teclados. Na apresentação, o cantor interpretou os últimos sucessos das rádios: Um duo de Eros Ramazoti e Tina Turner, em que interpretava alternadamente ambos os cantores, em seguida, um sucesso de Alessandro Sanz, um pagode e um sucesso da dupla Bruno e Marrone. Terminada a apresentação, o mestre de cerimônias chamou a atenção para a tenda eletrônica. Aproximando-me, vi jovens musculosos dançando como se estivessem em um show de streap-tease, uma senhora de cerca de 60 anos balançava os braços, que mantinha à altura da cintura a 90 º , e punhos cerrados. Seu corpo balançava inteiro para cima e para baixo, em um movimento infantil, como se estivesse quicando no mesmo ritmo da música. Ao microfone da tenda eletrônica, um D.J. dizia que logo mais se apresentaria um D.J. de Fortaleza. O centro da atenção da festa volta-se, então, ao palco onde a orquestra municipal de Campos Sales toca música dos Beatles, Luiz Gonzaga e repertório variado acompanhada de guitarras. Um novo momento na tenda eletrônica, agora bem mais cheia de gente, é seguida então por três bandas de forró. A partir das 22 horas, não seria exagero dizer que toda a cidade estava na praça, presente, é verdade, em diferentes locais, a diferentes distâncias e vínculos em cada momento da programação. Mas não seria menos verdadeiro dizer que aquele convívio possibilitava a circulação em ambientes diferentes e a produção de um público diverso a informações diversas. O rapaz bombado, uma outra senhora de 70 anos dançando ritmadamente ao lado do D.J. de 6
  7. 7. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS Fortaleza, os adolescentes negros e mestiços se espremendo na pista da tenda eletrônica às moças que acabaram de sair do salão de beleza atestam que aquele evento é produzido na comunidade e a partir de informações migrantes. Que guarda vínculos com as noites na exposição e que esse circuito cria uma territorialidade, se não uma territorialidade perene, ao menos algo que produz , e estanca, gestos, possibilidades e significados. Se o território é definido por critérios de parentesco e descendência (Woortmann, 1995), as situações de campo até agora descritas parecem valorizar TAMBÉM o trânsito, a possibilidade de deslocamento, o entre-lugares como característica desse espaço.Tal análise faz-me retomar uma frase de um entrevistado sobre os encontros entre conhecidos durante as noites da exposição agropecuária: Se um conhecido seu lhe encontra em frente ao palco [lugar mais exposto a um público geral], ele fala com você de uma determinada maneira; se encontra com você na tenda [eletrônica], fala de outra maneira, se encontra você em um outro lugar, durante a mesma festa, já falará de outra. Provavelmente, ao comunicar-se de maneiras distintas, os conhecidos estão agenciando socialidades, manifestadas pelos gestos possíveis em lugares distintos; sinalizações percebidas entre eles e diluídas alguns passos além. Essa fala também lança luzes sobre uma comunidade em que as relações face-a –face não se opõem a relações de anonimato. Ao contrário, elas complexificam formas de socialidade, criando zonas de sombra e densidades distintas ao tempo em que, como veremos adiante, é dependente também de eventos unificadores. Eventos como este são chamados simplesmente “Festa”. Para meus sujeitos, “Festas” eram os shows realizados em casas de eventos ou em praças públicas onde invariavelmente se ouvia forró eletrônico, com bandas, torres de som, dançarinos dançando coreografias em roupas de malha esvoaçantes. Em uma noite de Festa, encontrei uma ex-aluna com o namorado. Provavelmente suspeitando da minha falta de afinidade com a música que se tocava ali, Antonia, minha aluna, começou a ironizar as canções, o apelo sexual das letras através de repetição de palavras e gestos. Perguntei então: Qual o motivo de vocês saírem de casa para esse show?- Ouvi em resposta: - “É tão chato ficar em casa!” -. Em outras noites de trabalho de campo, percebi que a dança a dois não era a única forma de encontro durante as “festas”. O caráter de espetáculo, os dançarinos no palco, os efeitos de luzes e os watts de potência presentes em todas as apresentações possibilita que 7
  8. 8. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS as pessoas estejam ali apenas para ver o forró. Por outro lado, em uma domingueira, vi uma jovem dançando absolutamente sozinha. Em sua dança, levantava a perna esquerda à altura da cintura, dava três passos para um lado e alternava para o outro. Quando parava, jogava os ombros alternadamente. Enfim, a moça repetia os gestos das dançarinas. Acompanhava a dança como se ela mesma fizesse parte do espetáculo. Uma outra possibilidade foi revelada por um casal de adolescentes durante a exposição. Transcrevo aqui, então, minhas anotações de campo: Observo dois casais de adolescentes. O rapaz chega com um amigo e o apresenta a duas moças. Em segundos, o rapaz com maior intimidade com as moças, aproxima-se de uma delas e faz menção de dançar. Eles não dançam. Ela está com um copo na mão, ele também. Não se esforçam por seguir o ritmo da música. Ficam estancados, próximos. Peito com peito. Não é uma dança, mas uma forma de aproximação. Vale salientar também que em conversas entre casais ou mesmo deambulando, as pessoas dublavam as músicas. Hábito facilitado pelo fato de várias bandas tocarem as mesmas músicas durante a festa. Por vezes, uma só música é tocada várias vezes pela mesma banda e inúmeras vezes durante a noite. Provavelmente, a forma mais impactante de estar na “Festa” foi performada por Márcio. Na parte interna do salão, Márcio alternava alvos de aproximação: ora passava a mão na parte inferior das nádegas de qualquer moça que estivesse passando, ora esbarrava com força nos corpos dos homens. Quando o homem se voltava para ele, tomando satisfação, Márcio oferecia o seu copo para que o outro bebesse, bebia do copo do iminente oponente e assim se irmanavam. Em um quarto de hora, Márcio passou a mão em pelo menos 07 moças e esbarrou em no mínimo 05 homens. Ao final, desolado, comentava: - “Aqui não se arranja mulher não!” As citações permitem-nos algumas direções: Em princípio por se opor a uma certa imobilidade de um dançar nordestino em oposição ao jeito de dançar em transformação do forró universitário. Uma imagem provisória, porém bastante forte dessa mobilidade são as centenas de motocicletas estacionadas ao redor dos locais de “festas”. Os estacionamentos lotados de motos ou as dezenas de moto-taxistas parados em frente às portas dos clubes ou do Parque de Exposição, parecem confirmar que tudo que ali acontece é provisório; que cada veículo desenhará um destino. Um corpo sobre um veículo em mil trajetórias, pelos seus mil veículos com um ou dois ocupantes sobre duas rodas. 8
  9. 9. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS A este respeito, aproximamo-nos das intenções de Jean Rouch ao voltar sua câmera não para as estruturas ou repetições de um África ancestral, mas buscando rituais que atualizem esses lugares, as materialidades e gestos produzidos nesses encontros. Como nos diz Predal (1996: 14) : “Ele é o cineasta dos contatos, das mutações que se agenciam hoje”.Tais contatos não conferem estatuto de verdade a nada que não seja visível, o etnografável, que guarda ali, no momento de sua expressão, a potência de produzir efeitos. Dessa forma, as mediações necessárias para se produzir os gestos, os sons, os vestuários ali presentes são suspensos em nome de sua potência produtiva. Nada é explicado, tudo se explica pela sua capacidade de agenciamento e produção. Para Gonçalves (2008): A contemporaneidade operada a partir do registro da globalização institui uma conceituação de localidade ao atribuir uma nova semântica que desterritorializa e deslocaliza o local (...) Agora, a localidade se conecta diretamente ao global sem as antigas e necessárias intermediações e as imagens (...) são emblemáticas destas conexões cada vez mais rápidas e diretas, acenando uma transição de comunidades transnacionais não imaginadas pelas imagens digitais. Tal reflexão impõe algumas palavras sobre os marcadores espaciais embalados por esse ritmo. Se aceitarmos no jogo de oposições estabelecidos entre um Nordeste da Tradição e um ritmo que ultrapassa os limites daquela região (Vieira, 2000) e se faz ritmo nacional a partir de redes diferenciadas e múltiplas apropriações, como localizar tais festas? Como refletir sobre tais apropriações neste recanto sertanejo? Como se pode perceber a partir do público particularmente indistinto que freqüenta tais festas, o tecno-forró é um evento de massa particularmente desterritorializado. A temática do “Nordeste”, pretensamente uma aglutinadora do ritmo forró está quase ou totalmente ausente da fórmula. Um efeito particularmente visível disto é que tais eventos não contam com o valor agregado da idéia de tradição.É antes uma fórmula que agencia e reterritorializa relações, particularmente as de gênero, sem arranhar a idéia de Nordeste como tema privilegiado. A ausência de uma matriz cultural homogênea, visível e onipresente há muito deixou de ser novidade para a antropologia. Como nos diz Gonçalvez (2007: 35) A antropologia contemporânea tem se ocupado sobremaneira com a denúncia do inautêntico, produzindo assim um estranho paradoxo: somente a partir de sua denúncia enquanto um objeto inautêntico é que se pode elege-lo enquanto um objeto possível e justificado de investigação, empregando-o, assim, de ‘ autenticidade’ não mais nativa senão antropológica. No entanto, se tudo é híbrido e indistinto qual o alcance prático dessa indistinção para o refinamento dos problemas, objetos e práticas desse campo? Em confluência a essa duvidosa potencialidade do fluido para descrever um possível objeto para a antropologia, nosso campo, o Cariri pode ser caracterizado por uma produtiva relação com as noções de 9
  10. 10. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS deslocamento, mudança ou migração. Ao invés de tais noções porem em dúvida uma suposta identidade regional, constituem-se como pilares de construção da região. Aproximamo-nos, portanto, na nossa percepção da relação do Cariri como híbrido, da proposta de Canclini(1993)de etnografar ao invés de museus, vagas de garagem e aeroportos, lugares onde um objeto é aproveitado de uma nova maneira, a partir de um contexto em que se faz útil e produtivo. A “Festa” aparece, portanto, como espaço de deriva, salvo dos clichês narrativos que compõem o Cariri: ambientes em que sujeitos dublam letras de música, ensaiam formas diversas de aproximação e, rapidamente, se dispersam. Ao mesmo tempo a variedade de sujeitos põe em xeque uma suposta unidade de vivências para os sujeitos FORA daquele espaço. Aos poucos, percebi que a suposta unidade é composta por uma variedade de público que precisa ser mapeado.A diversidade de público, a quase virtualidade do ambiente de festa desafiam a narrativa do forró como um ritmo que viria “debaixo do barro do chão” podendo instaurar-se agora a partir de redes de impulsos elétricos e sonoros, com guitarras e lantejoulas, acontecendo aqui e ali, de acordo com a programação das bandas divulgadas em sites da internet, por carros de som pela cidade e boca-a-boca pelas redes de socialidade. A “Festa”, portanto, parece um ambiente pródigo na produção de gestos, ações e representações que, embora não se possa dizer que sejam característicos do Cariri são fruto de um jogo de forças presente nesse espaço de mutações. Um jogo de forças que se modifica a partir das posições dos sujeitos, e ao tempo que depende de eventos unificadores, de mapas identitários, tais eventos possibilitam também um transe dos sujeitos, por eles envolvidos e acessados, mas nem sempre com eles comprometidos. Como esperamos ter deixado claro acima, todos os espaços são complexos, não apenas as metrópoles, sobretudo se não nos deixamos levar pelos mapas pré-existentes que o formataram e observamos as ações presentes e produzidas nesse espaço.Os sujeitos aqui descritos são jovens produtores dessa complexidade. Possivelmente as linhas tecidas por suas vivências possam estancar, sem jamais darem relevo a este ou aquele signo de identificação para o homem, a mulher ou a região que habitam. Ainda assim, em sua deriva há uma potência produtiva que instiga a construção do presente artigo. ALBUQUERQUE JR. Durval Muniz de. Nordestino. Uma Invenção do Falo. Maceió: Edições Catavento, 2003. 10
  11. 11. Anais do IX Encontro Nacional de História Oral - 22 a 25/04/2008 - UNISINOS FOUCAULT, Michel. A Vida dos Homens Infames.In: MOTTA, Manoel Barros (2004) _____. Ditos e Escritos IV. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004. GONÇALVES, Marco Antônio e HEAD, Scott. Confabulações da alteridade: Imagens do outro (e) de si mesmos. Em:_____(Orgs.) Devires Imagéticos. Rio de Janeiro: Sette Letras/ FAPERJ, 2008. (No prelo) GONÇALVES, Marco Antônio. O Mundo Poético do Cordel. Rio de Janeiro, 2007. HERITIER, Françoise. Parentesco. Enciclopédia Einauldi. Lisboa, Imprensa Nacional- Casa da Moeda, 1997. MAGNANI, José Guilherme Cantor. Quando o Campo é a Cidade: Fazendo Antropologia na Metrópole. Em: MAGNANI, José Guilherme Cantor & TORRES, Lílian de Lucca. Na Metrópole. São Paulo: EDUSP, 1996. MARQUES, Roberto. Contracultura, Tradição e Oralidade. São Paulo: Annablumme, 2004. PREDAL, René. Rouch d´hier à demain. In: Jean Rouch ou le ciné-plaisir. CinémAction.No. 81. 1996. SCHNEIDER, David M. “The family”. In American Kinship. New Jersey: Prentice-Hall, 1968. pp 31-54 STRATHERN, Marilyn. “Necessidade de pais, necessidade de mães”. Revista Estudos Feministas, vol. 3, n.2, 1995. pp 303-330. _____. No Limite de uma Certa Linguagem. Em: MANA. 5 (2): 157-175, 1999. _____. O Gênero da Dádiva. Campinas: Ed. Unicamp, 2006. THOMPSON, Paul . A Voz do Passado. Rio de Janeiro, Ed. Paz e Terra, 1992. VIEIRA, Sulamita.O Sertão em Movimento. São Paulo: Annablume, 2000. WOORTMAN, E. O Sítio, Descendência e Lugar. In: _____Herdeiros, Parentes e Compadres. São Paulo: Hucitec,1995. 1∗ Professor da URCA, Doutorando pelo IFCS/UFRJ, Bolsista da FUNCAP. 11

×