Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
2
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
3
RICARDO
NASCIMENTO –
PRESIDENTE DO
MUNICÍPIO
Eu não me sinto bem
dentro do gabinete.
...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
4
O EX-PRESIDENTE, ISMAEL FERNANDES, a terceira personalidade na primeira
foto, da esqu...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
5
ENQUANTO CELEBRAMOS O PRESENTE PREPARAMOS O FUTURO
Por: Secretário Regional do Plano ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
6
SUMÁRIO
Caro leitor, aqui estão os destaques da revista deste ano
(6 de maio de 2014 ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
7
1. CONTEXTUALIZAÇÃO GEOGRÁFICA E HISTÓRICA
.
O concelho da Ribeira Brava foi criado p...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
8
2. ALGUMAS
PESSOAS MENOS
JOVENS
Introdução
Rª. Brava, 2013/2014:
Da esquerda, em baix...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
9
2.1. Centro de Convívio de Campanário:
No passado, dia 23 de Janeiro de 2014, os alun...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
10
2.2. Na Furna – Ribeira Brava funciona um Centro de Convívio, inaugurado
em 8 de set...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
11
A estrutura dá corpo à política governamental, que passa por construir um
centro ond...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
12
Bento, porque é o padroeiro da Ribeira Brava. Surgiu para debelar problemas
sociais ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
13
Sim, gosto de estar aqui.
Sente falta da sua antiga casa?
(Senhora): Eu passo sem a ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
14
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
15
Ribeira Brava, junho de 2013: participação dos utentes do Lar de S. Bento nas
festiv...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
16
Por:
Diogo.
Domingas
Nádia,
Lisandra
Tatiana,
2011/12 –
-Ação
Social
2.4 - CENTRO SO...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
17
No Lar da Tabua: Sra. Gilda que é muito animada e criativa. Adora cantar
músicas can...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
18
Aluno Sérgio Tanque, na qualidade
de finalista da EBSPMA, na fase
final do seu proje...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
19
3. SABIA QUE (I) …
 As maiores propriedades que os jesuítas possuíam na Madeira
fic...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
20
4. LITERATURA ORAL E TRADICIONAL (excertos)3
:
Em alguns casos, existem várias versõ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
21
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
22
(Continua na próxima edição)
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
23
4.1. Contextualização dos textos sobre a Literatura Tradicional e Oral
A Gaivota de ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
24
considerado mesmo “Os Lusíadas” da poesia popular. Julgamos ser peça rara
na região ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
25
5. RECORTES DE IMPRENSA SOBRE A Rª.
BRAVA, ANOS 90. FONTE: JORNAL e
DIÁRIO DA MADEIR...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
26
Maio de 2003, no sítio dos Terreiros – Campanário: Agostinha
Fernandes, na altura co...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
27
À esquerda, a artesã Maria Dantas, residente, em maio de 2003, na Rª. Brava,
na altu...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
28
CELINA COELHO, a autora
dos objetos cujas imagens
ilustram a presente página,
que vi...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
29
6. O MUSEU
6.2. MUSEU ETNOGRÁFICO DA MADEIRA – ARTESANATO MODERNO:
EXPOSIÇÃO DE JOAL...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
30
Catarina Olival formou-se em Joalharia Contemporânea na Escola
Engenho e Arte do Por...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
31
6.3. ARTESANATO TRADICIONAL: CONCEIÇÃO, A TECEDEIRA
Em 2013 a turma 12º A, de Ação S...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
32
Enquanto a minha avó urdia, isto é, punha em
ordem os fios da teia, para fazer o tec...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
33
7. CAMPANÁRIO - A SEGUNDA FREGUESIA MAIS POPULOSA DO CONCELHO
Texto: Luís Drumond6
F...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
34
 Novembro, mês das castanhas!
Ribeira Brava (Chão Boieiro, num chão de castanheiros...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
35
abertura em forma de porta, que dava acesso a uma cavidade, que podia
contar algumas...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
36
 Cortejo especial
27 de setembro de 2013: de quinta para
sexta, a anteceder o arrai...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
37
 Construção pombalina8
no Campanário?
É verdade, caro leitor. Estas duas imagens
fo...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
38
que se cruzam formando elementos de Cruz de Santo André cujos espaços
são preenchido...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
39
8. ESPIGÃO, FURNA, TABUA, SERRA DE ÁGUA
O Sítio do Espigão é um local pitoresco, os ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
40
Os jovens deste sítio, na atualidade, a nível do básico, estudam na
Escola Básica da...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
41
Tabua, 2014/2/19:
Tabua tem uma superfície de muitos quilómetros quadrados, com uma
...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
42
Tabua – Ribeira Brava, 2014/3/10:
“Emília Melício partilhou o álbum de
Teresa do Car...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
43
Serra de Água: O sítio foi criado há mais de três séculos.
A Serra de Água já foi te...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
44
Rª. Brava, 2013: a
Banda em diversas
atividades por todo o
concelho: concertos,
fest...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
45
O Concelho da Ribeira Brava
completa mais um aniversário, em 6
de maio de 2013. A Ba...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
46
A presença das bandas na sociedade
madeirense foi muito forte. Foi nas zonas
rurais ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
47
A Banda Municipal da Ribeira Brava nos anos 70, acompanhada pelo mestre
Tito Abílio ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
48
 A primeira notícia,
referente a uma atuação da
banda é datada de abril de
1875 e q...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
49
Da obra de João Adriano Ribeiro em 1997, publicada pela Câmara Municipal
da Ponta do...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
50
No Caminho da Cruz, bem perto da Vila da R. Brava, encontramos
um antigo tocador de ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
51
Em 1996 a Banda Municipal da Rª. Brava era
constituída por 26 elementos, com idades
...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
52
Prof. Faria, em discurso direto: (…) Fiz seis marchas para a Banda Municipal
da Ribe...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
53
(…)
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
54
José António Faria (1954 -2008) – um dos ex-diretores
artísticos da Banda Municipal ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
55
(Continua na próxima edição)
Prof. Faria, em discurso direto: A harmonia
aprendida n...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
56
“Encontros Regionais de Bandas”, um evento anual criado para preservar o
importante ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
57
10. TRINTA E QUATRO ANOS DA CASA DO POVO
Na Ribeira Brava a
necessidade de divulgar ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
58
Direção
Da Casa
Do
Povo
Da
R. Brava
2
0
1
4
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
59
Visita à Casa do Povo, em
março de 2014, na
companhia das alunas Tânia
Pita e Catari...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
60
A dedicatória foi obtida através do Sr. Luciano Canha (na foto à direita, na
pág. an...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
61
Desde o início da fundação do Concelho da Ribeira Brava, em 1914, o
visconde da Ribe...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
62
Primeira equipa oficial do CDRB,
1962-1963. Da esquerda, no
primeiro plano, “Bacalha...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
63
Max esteve na Ribeira Brava a convite do CRB, em junho de 1960.
POMBA BRANCA - MAX
P...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
64
David Simão, João
Martins, Rúben
Viveiros, Filipe Sousa,
Filipe Orlando Gomes,
Djonn...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
65
Clube Desportivo Ribeira Brava (em cima) -
7/1/2014 - FUTSAL SÉNIOR 2013/2014: Délio...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
66
(Continua na próxima edição)
CDRB. 1977/1978– Campeão da 2ª Divisão da Madeira -
Da ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
67
12. ECONOMIA - SUCATA, AGRIÃO, CANA-DE-AÇÚCAR E MERCADO
12.1. A ribeira da Rª. Brava...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
68
O que se ganha com a venda desta sucata ajuda para as despesas da família,
nesta alt...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
69
12.2. "Noite do
Mercado" atraiu na
Madeira centenas de
pessoas à R. Brava.
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
70
Ribeira Brava,
Madeira, 22 dez
(Lusa) - O
concelho da
Ribeira Brava,
na ilha da
Made...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
71
12.3. A recolha de agrião na ribeira na Fajã
Tradição e ciência: Além de saboroso em...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
72
Por volta de 1440, Açores, Madeira e Cabo Verde tinham uma
produção de cana que abas...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
73
13. QUARENTA ANOS DA EBSPMA – (PARTE I)
QUEM É QUEM?
Içando a bandeira página anteri...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
74
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
75
13.1. De 1974, data da
fundação da Escola, a 2014:
Um pouco de retrospetiva
dos 40 a...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
76
Em 1983 foi assim. Em cima, na
cantina, a cozinheira, D. Isabel, mãe das
professoras...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
77
As comemorações do 6 de maio eram
diferentes e eram mais divertidas
comparando com a...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
78
SABIA QUE (III)…
O 1º diretor da escola
chamava-se Francisco
Simões?
- É uma históri...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
79
Na última foto, à esquerda: Professoras Zé Ventura, Isabel Reis, Orlando Drumond,
jo...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
80
EBSPMA, maio de 2004
De cima p/baixo, da
esq. p/a dir.: J. Miguel,
Manuel, Sra. Olga...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
81
«TUDO NO MUNDO É FEITO PARA
ACABAR POR CONVERTER-SE NUM
LIVRO.»
STÉPHANE MALLARMÉ
«G...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
82
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
83
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
84
…Esta escola está parecida com um
campo de concentração. Só com algumas
alterações, ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
85
“Gaivota” – Memórias, 6 de maio de 2004: D. Sílvia, a irreverência é
uma caraterísti...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
86
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
87
Alunos professores e outros profissionais, antigos e atuais, em diferentes
atividade...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
88
EBSPMA, 2013 Comunidade
Educativa na inauguração do
projeto de final de três alunos ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
89
13.2. FINALISTAS, JORNADAS, MODA E ESPETÁCULOS, 2013
A escola é um lugar para
aprend...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
90
E é exatamente isso que a nossa escola tem
sido ao longo destes quarenta anos de
his...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
91
J
o
r
n
a
d
a
s
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
92
A Biblioteca Municipal da Ribeira Brava e a
Escola Básica e Secundária Padre Manuel
...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
93
Rª. Brava, 2013: Mercado – local privilegiado para
venda e compra de artesanato (Sra...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
94
13.3. Rª. Brava, 6/5/1997: Um olhar sobre o passado
Por Francisco Simões21
A propósi...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
95
13.4. Lembro-me…23
 Da alegria que senti ao saber que a Escola da Ribeira Brava abr...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
96
13.5. As conversas de Martinho Macedo…
I
Com Leontina Santos (2014/2/17)
O espírito ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
97
compondo a sua biografia. Pode ser? Há quanto tempo abraçou o espírito de”
Fernão Ca...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
98
Presidente da Escola durante dois anos. Tem sido um leque de experiências
que me dei...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
99
partilhado com Francisco Simões o espírito e a visão de Fernando Capelo
Gaivota. Nes...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
100
mestre e professor sem escolaridade, foi professor dos professores e de
todos os al...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
101
do café ou no adro da igreja, quer pintando as muralhas do mercado que as
pessoas m...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
102
memórias, com a colaboração de vários professores da altura e antigos
alunos. Foi p...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
103
semelhante feito, apagando o seu nome de uma instituição tão importante
numa comuni...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
104
construções escolares, esta será mais um copy e paste (copiar e colar) igual a
tant...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
105
horas, evidentemente que a sua motivação para trabalhar é nula, antes pelo
contrári...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
106
outro projeto social, onde mais direta e facilmente consigo chegar às pessoas,
sem ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
107
uma ferramenta não excessivamente pormenorizada nem burocrática. O
parecer deveria ...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
108
Mas, olhando para o 6 de maio, eu vivo-o muito mais como professora do
que como mun...
Revista Descobrindo, Edição n.º 12
109
alimentada. Quem esteve à frente dos destinos deu mais comida a um filho
do que a o...
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Descobrindo....100 anos de concelho  ribeira brava   madeira- portugal_6_maio_2014
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Descobrindo....100 anos de concelho ribeira brava madeira- portugal_6_maio_2014

3,134 views

Published on

Descobrindo....100 anos de concelho ribeira brava madeira- portugal_6_maio_2014

  1. 1. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 2
  2. 2. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 3 RICARDO NASCIMENTO – PRESIDENTE DO MUNICÍPIO Eu não me sinto bem dentro do gabinete. Serei um autarca que andarei a falar com as pessoas porque ser autarca é estar próximo das pessoas. Ricardo Nascimento1 , em 8/11/2013, no “Tribuna”, pág. 6 À direita, imagem da nova ponte da Tabua, inaugurada, em 22/9/2013, integrando a regularização e canalização da ribeira da Tabua bem como a reconstrução da ER 227 e da estrutura sobrante da ponte existente na ER 222, sobre a ribeira da Tabua. Leia mais em: http://www.cm-ribeirabrava.pt/ 1 Ricardo Nascimento, em cima, acompanhado pela vereadora Natália, num exclusivo para a “Descobrindo”, é o novo presidente de Câmara da Ribeira Brava, desde o último trimestre de 2013.
  3. 3. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 4 O EX-PRESIDENTE, ISMAEL FERNANDES, a terceira personalidade na primeira foto, da esquerda para a direita, dizia em 2000 que a vila da Ribeira Brava, pelas suas características singulares, tinha todas as condições para ser uma pequena grande cidade. Recorde-se que 2013 foi o último ano do mandato de Ismael Fernandes na qualidade de presidente do Município: Este último mandato foi frustrante e angustiante como consequência da aluvião e da crise, que deitaram por terra muitas das promessas feitas em 2009. Numa entrevista concedida em 2013 ao jornalista do Diário de Notícias, Orlando Drumond, Ismael defendeu, ao despedir-se, a necessidade de uma melhor promoção das potencialidades turísticas do concelho, reivindicou uma nova escola ‘secundária’ e sugeriu a criação de um jardim no lugar do campo de futebol. Admitiu, também, nessa entrevista, que há mais pobreza no concelho e critica a inércia do comércio na ‘baixa’.
  4. 4. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 5 ENQUANTO CELEBRAMOS O PRESENTE PREPARAMOS O FUTURO Por: Secretário Regional do Plano e Finanças, 06 de maio de 20132 O Concelho da Ribeira Brava completa mais um aniversário, merecedor da nossa memória e comemoração. Hoje, evocamos os saberes e memórias que estão no cerne da nossa identidade coletiva e lembramos a perseverança das gentes, que das dificuldades deslindou soluções. Recordamos a determinação de um Povo, cujo valor colocou a Ribeira Brava à frente do seu tempo. Esclarecido, visionário e empreendedor, soube aproveitar a sua centralidade para assumir uma importância vital na comunicação entre os diferentes locais da ilha e traçar o desenvolvimento das suas terras, ao mesmo tempo que consolidava a influência competitiva do concelho. Nas celebrações do Dia da Ribeira Brava, evocamos os grandes feitos dos que nos antecederam e as tradições de todo um povo. Mas estas são comemorações que, para além de nos permitirem renovar e fortalecer os laços que nos ligam uns aos outros, proporcionam que se cimentem consensos e, sobretudo, que se balizem esforços que nos garantam o futuro. Também na Ribeira Brava tem de existir empenho de todos, por um concelho moderno, competitivo, sustentável e socialmente coeso. Por um concelho onde continuemos a gostar de viver e por um futuro que queremos que seja melhor. Muito obrigado. Parabéns Ribeira Brava! 2 Dr. José Manuel Ventura Garcês. Extratos do seu discurso na Rª. Brava, em 6 de maio de 2013
  5. 5. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 6 SUMÁRIO Caro leitor, aqui estão os destaques da revista deste ano (6 de maio de 2014 – VOL. 1 – N.º 12) Prof. António Pereira nypereira@hotmail.com 1. Contextualização geográfica e histórica 2. Algumas pessoas menos jovens 3. Sabia que… 4. Literatura oral e tradicional (anos 90) 5. Rª. Brava nos jornais regionais (anos 90) 6. Museu Etnográfico 7. A freguesia do Campanário 8. Outras freguesias 9. Banda Municipal 10. Casa do Povo 11. Desporto 12. Economia (I) – Pequenos negócios 13. Escola Básica e Sec. Pe. M. Álvares (EBSPMA) 14. A Fé, a Festa e a Tradição 15. Carnaval 2014 16. Social 17. Economia (II) – Sustentabilidade e reciclagem 18. Obituário – Breve lembrança ao jovem Nelson 19. Centro de Atividades Ocupacionais (CAO) 20. EB1/PE – Rª. Brava – “O Sol dos Bravinhas” 21. Ficha Técnica 7 8 19 20 25 29 33 39 44 57 60 67 73 121 141 144 147 156 157 159 170
  6. 6. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 7 1. CONTEXTUALIZAÇÃO GEOGRÁFICA E HISTÓRICA . O concelho da Ribeira Brava foi criado pelo Decreto de 6 de maio de 1914 e a sua sede elevada à categoria de vila pelo decreto de 26 de maio de 1928. Terra onde nasceu o Visconde Francisco Corrêa de Herédia, ancestral da atual Duquesa de Bragança, a Ribeira Brava era o mais afamado local da ilha no que respeitava a mantimentos. Diziam as crónicas antigas que era dali “donde os moradores da cidade acham e lhes vai o melhor trigo, frutas, caças, carne e em mais abundância que em toda a ilha”.
  7. 7. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 8 2. ALGUMAS PESSOAS MENOS JOVENS Introdução Rª. Brava, 2013/2014: Da esquerda, em baixo, para a direita - Sr. António, também conhecido por “Sacristão”, Sra. Isabelinha Rezende, de 84 anos, caminhando, alegremente para a Igreja, numa manhã de um ida de semana e, finalmente, Sra. Bernardete, de 82 anos de idade, na Rua do Visconde, junto à sua antiga casa, “a casa da minha mãe…”, como ela nos confidenciou em fevereiro de 2014. À direita, no final da página., a Sra. Alice, em 14/3/2014, com 82 anos de idade, atravessando um cruzamento de estradas bem conhecido na Vila. As outras senhoras e seus acompanhantes, durante um evento de carácter religioso em 2013. De seguida vamos destacar algumas instituições ligadas a pessoas menos jovens no concelho:
  8. 8. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 9 2.1. Centro de Convívio de Campanário: No passado, dia 23 de Janeiro de 2014, os alunos do 3º ano do Curso Tecnológico de Acão Social, da Escola Básica e Secundária Padre Manuel Álvares, realizaram uma visita de estudo ao Centro de Convívio. Partiu-se da escola por volta das 15h:00 e chegou-se ao Campanário às 15h:15, com um atraso de cerca de 30 minutos, causado pela avaria de viatura que nos transportou. Por telefone, o professor apresentou um pedido de desculpas e justificou o atraso. À chegada ao Centro de Convívio, o professor apresentou um pedido de desculpas e justificou o atraso. Devido a este atraso já estava à nossa espera a “guia” que iria conduzir a visita, Sra. Carmo, pelo Centro de Convívio, pelo que de imediato os alunos dirigiram-se para a sala principal, onde se encontravam os idosos ansiosos por nos receber.
  9. 9. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 10 2.2. Na Furna – Ribeira Brava funciona um Centro de Convívio, inaugurado em 8 de setembro de 2009 O Centro de Convívio da Furna, visitado em 2012, pelos alunos do 11º. Ano do Curso Tecnológico de Ação Social, da EBSPMA, é uma obra do Governo Regional, na freguesia e concelho da Ribeira Brava, que ascendeu a 530 mil euros.
  10. 10. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 11 A estrutura dá corpo à política governamental, que passa por construir um centro onde as populações se possam reunir, conviver e ocupar os seus tempos livres. Com um serviço vocacionado para o acolhimento de idosos da Ribeira Brava, o centro comunitário tem como finalidade permitir que estes continuem ativos, independentes e capazes de garantir a sua autonomia. Para além de possibilitar o desenvolvimento de atividades lúdico-recreativas, as novas instalações permitirão assegurar refeições (lanches), prestar cuidados de higiene pessoal e serviço de tratamento de roupa. 2.3. Centro Social Paroquial São Bento-lar Terceira Idade No dia 25 de janeiro de 2013, pelas 10:30 horas, o nosso grupo (Domingas, Jaime, João Gomes e Sérgio) visitou o Centro Social Paroquial São Bento – lar Terceira Idade, daqui em diante designado, simplesmente, Lar de São Bento, para a realização de um trabalho de grupo. Este lar tem a capacidade para 24 utentes e neste momento não existem vagas; fizemos várias entrevistas nas quais participaram: um casal, o Sr. Manuel e a Sra. Albertina, a D. Irene e Maria Teresa e outros utentes. Trata-se de uma Instituição Particular de Solidariedade Social, fundada a 11 de Agosto de 1996, pela paróquia da Ribeira Brava. Tem o nome de São
  11. 11. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 12 Bento, porque é o padroeiro da Ribeira Brava. Surgiu para debelar problemas sociais ligados às carências da população mais envelhecida e mais jovem. Este centro procura apoiar as famílias desenvolvendo-se em lar de idosos, Centro de Dia e Atividades para Ocupação de Tempos Livres-ATL. Todas estas valências foram previamente pensadas no sentido de estabelecer um diálogo mais útil entre as gerações. Toda a vida social do Centro está dependente de uma estrutura interna, composta por órgãos e equipas profissionais próprias, e outras que apoiam e colaboram, compostas por vários agentes da comunidade, como: Centro de Saúde, Câmara Municipal, Segurança Social, Junta de Freguesia e Paróquia da Ribeira Brava. Por que razão veio para o Lar? (Senhora) - Vim para o lar porque cheguei a uma altura que vi que não ia poder continuar a fazer a vida de casa. Então, fui à Segurança Social pedir para lá entrar. Mas, a seguir, no outro tempo, eles nunca chamavam para vir para o Lar, e eu fui lá chamar para vir para o Centro de Dia e puseram-me no Centro de Dia há mais de um ano. (…vai fazer 3 anos em 2014, acrescentamos). No primeiro dia do mês de novembro ele foi para o Hospital e esteve lá até dezembro. Depois veio para aqui. (…a nossa entrevista está a falar dela e dele, acrescentamos nós). Então, o primeiro a vir para o Lar foi o senhor Manuel, e só depois é que veio a senhora. E gosta de estar neste Lar? Sim, eu gosto, porque em casa estava sozinha. Sentia-me mesmo só. Ao sábado vinha uma rapariga à minha casa fazer a limpeza mas o resto da semana ficava só. E eu não me sentia bem. E o senhor Manuel, sente-se bem em estar cá no Lar?
  12. 12. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 13 Sim, gosto de estar aqui. Sente falta da sua antiga casa? (Senhora): Eu passo sem a casa. Eu quando morrer não levo a casa. Portanto, eu estou cá e a casa está lá. É bem tratada? Sou mais bem tratada do que se estivesse em casa. O que gostaria de fazer que agora já não consegue? (…o que gostaria de ter feito?) Bordar, limpar a casa, fazer o comer. O que gostava de fazer quando era criança? (Senhor): Brincar com os bonecos, carrinhos de madeira… Mais? E os carrinhos de cana? Também não construía? (Senhor) Sim, eu gostava de fazer. Quer dizer alguma coisa que ainda não tenha sido mencionada? Professor António: Em jeito de lição para estes jovens, o que é que acha que deviam fazer? O que é que falta nos nossos dias? R.: (Senhora) - Eu cá, antes, vinha à missa a São João, mas ao Domingo era a minha mãe, o meu pai, e os meus irmãos a se arranjar para vir cá para baixo, para vir para a missa e depois ir para casa fazer o almoço. Nota da redação: As perguntas (P.) foram feitas pelo aluno João Gomes em 2012. A Sra. Olga, utente do Lar de S. Bento é uma das colecionadoras “Descobrindo” e está sempre disponível para interagir com os jovens, acompanhada por alguns dos finalistas do Curso Tecnológico de Ação Social, 2012/2013, da EBSPMA.
  13. 13. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 14
  14. 14. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 15 Ribeira Brava, junho de 2013: participação dos utentes do Lar de S. Bento nas festividades de S. João. Cantai, Cantai, raparigas Cantai sempre ao S. João Porque ele paga as cantigas Com muito bom coração. A fonte da devoção Lá por trás do convento Fê-la talvez S. João P´rás vésperas de casamento. (…) Não vos canseis raparigas De cantar ao S. João Aquelas doces cantigas Que vos dita o coração. Quando ouve as rendilheiras S. João de lá responde – As raparigas mais lindas São as de Vila do Conde.
  15. 15. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 16 Por: Diogo. Domingas Nádia, Lisandra Tatiana, 2011/12 – -Ação Social 2.4 - CENTRO SOCIAL DA SANTÍSSIMA TRINDADAE DA TABUA, MADEIRA Uma experiência pioneira de intergeracionalidade Situado na encosta íngreme e agreste, tornou-se rapidamente na construção mais imponente daquela localidade. Leia mais em: http://www.solidariedade.pt /sartigo/index.php?x=4501
  16. 16. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 17 No Lar da Tabua: Sra. Gilda que é muito animada e criativa. Adora cantar músicas cantigas, despiques madeirenses; fazer trabalhos manuais. Em termos masculinos, destacamos o Sr. José, mais conhecido por “O Pequenino”. Imagens recolhidas por alunos da EBSPMA – Curso Tecnológico de Ação Social, 2011/12.
  17. 17. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 18 Aluno Sérgio Tanque, na qualidade de finalista da EBSPMA, na fase final do seu projeto desenvolvido no concelho da Ponta do Sol. Dedicatória: Dedico este trabalho aos meus pais, pelo carinho e por tudo o que fazem por mim, dedico também à minha diretora de turma professora Luzia Abreu e ao meu diretor de curso e orientador de estágio professor António Pereira pela amizade que foi construída ao longo de três anos e à minha monitora e amiga Felisbela Abreu. Uma dedicatória em especial a uma pessoa amiga que me orientou e me ajudou em algumas coisas na realização deste trabalho. Assinatura: Sérgio Tanque -2013/5/2, o “teclista”, na primeira foto à direita. Aluno Sérgio Tanque, na qualidade de finalista da EBSPMA, na fase final do seu projeto desenvolvido no concelho da Ponta do Sol.
  18. 18. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 19 3. SABIA QUE (I) …  As maiores propriedades que os jesuítas possuíam na Madeira ficavam na zona do Campanário, principalmente na Quinta Grande?  Em 1825 houve graves tumultos na freguesia do Campanário, por motivos políticos, sendo que a força armada foi chamada a intervir?  Francisco Correia Herédia, o visconde da Ribeira Brava, nascido nesta freguesia em 1852, integrou diversos movimentos políticos que provocaram a queda da monarquia em Portugal, tendo tido um final trágico: foi morto em Lisboa, em 1918, quando era levado para a prisão com outros presos políticos?  Em 1924, na Ribeira Brava, as repartições públicas foram cercadas por populares?  Em 1936 verificaram-se desacatos, por causa da criação da Junta de Laticínios da Madeira e que os produtores de leite e pequenos fabricantes de manteiga revoltaram-se contra o monopólio da produção de leite?  Que além do visconde, houve outra personalidade que se destacou pelos seus feitos: o padre Manuel Álvares? O VISCONDE DA RIBEIRA BRAVA NO PARLAMENTO FOTO: "OS TUMULTOS NA ÚLTIMA SESSÃO PARLAMENTAR, em 9 de setembro de 1905: O Sr. Visconde da Ribeira Brava interpelando o presidente da Câmara dos Deputados - O Sr. Visconde da Ribeira Brava pedindo a palavra - A agitação na Câmara". Fonte: ILUSTRAÇÃO PORTUGUESA, nº 98, de 18 de Setembro de 1905, p. 732 /http://arepublicano.blogspot.pt/2011/12/o-visconde-da-ribeira-brava-no.html
  19. 19. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 20 4. LITERATURA ORAL E TRADICIONAL (excertos)3 : Em alguns casos, existem várias versões do mesmo texto, consoante as recitações dos informantes. Mas, em termos gerais, podemos considerar que as variações são mínimas, como é o caso das da Donzela Guerreira, Bela Infanta e Nau Catrineta4 . Cada registo escrito segue apenas a intuição natural subjacente às dimensões fónicas e rítmicas das composições ora recitadas, ora cantadas pelos informantes, pelo que a tendência normativa é atenuada nalguns casos, principalmente no âmbito da pronominalização. A escrita observância da norma prejudica a riqueza poética das sonoridades. Por outro lado, as questões relacionados com a rima e a métrica não são tomadas em linha de conta, prevalecendo a intuição e o empirismo: 3 Continua na próxima edição. 4 Ler alguns excertos na próxima edição. Nesta edição damos ênfase a “outros textos” por causa do tema de capa da Descobrindo.
  20. 20. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 21
  21. 21. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 22 (Continua na próxima edição)
  22. 22. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 23 4.1. Contextualização dos textos sobre a Literatura Tradicional e Oral A Gaivota de 6 de maio de 2000/Edição Especial Apresentação: (…) O signatário, orientador de estágio pedagógico, acompanhou os trabalhos de campo que tiveram lugar principalmente aos domingos, dia da semana mais conveniente para os informantes, a partir de janeiro de 1999/2000. Os emissores destes textos, reelaborados pela tradição oral, são residentes no concelho da Rª. Brava, composto pelas freguesias da Tabua, Serra de Água, Campanário e Rª. Brava. (…) Os sítios dos Zimbreiros e Praia (Tabua), da Adega e de S. João (Campanário), o sítio da Laje (Serra de Água), as Furnas, São Paulo e Espigão (Rª. Brava) foram os forneceram os textos atuais, mas outros poderão ser recolhidos, pois o filão é grande neste concelho. (…) Curioso é o facto de termos encontrado alguns informantes que, para recitarem ou cantarem as suas versões, preferem fazê-lo enquanto bordavam, como foi o caso do emissor de uma das versões da “Nau Catrineta” e de outras peças fixadas. Segundo Jacinto Prado Coelho, é a “Nau Catrineta” um dos Romances mais antigos da tradição portuguesa e galega, O exemplar desta Gaivota pertenceu ao falecido José António Faria, ao qual dedicamos as páginas 48 a 55, da presente edição da Descobrindo, conforme manuscrito à direita.
  23. 23. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 24 considerado mesmo “Os Lusíadas” da poesia popular. Julgamos ser peça rara na região e também já moldada pela “censura” do tempo. O corpus que agora é divulgado não é exaustivo. É o início de um trabalho que está quase todo por fazer no concelho. As zonas periféricas da Rª. Brava são ainda fecundas. Aconselha-se aos recolectores atuais a que persistam e deem continuidade, com outros, à recolha de novas versões e variantes que hão de enriquecer o Romantismo Regional, incluso no “pan-hispânico”, contribuirão, certamente, para a divulgação da nossa terra. (Rafael Vieira) Literatura Oral e Tradicional - manifestação do imaginário de uma cultura: A Literatura Oral e Tradicional está viva. Prova disso é o interesse que, também aqui, desta forma, se manifesta. Se tivermos o cudado de a estudarmos e preservamos de uma forma englobante, numa perspetiva histórico-cultural, etno-antropológica, linguística, literária e até musicológica, estaremos a enriquecer o nosso património regional e nacional, quer ao nível das tradições, que urge preservar, quer no campo da ciência, essencial à evolução do conhecimento humano e a uma mais completa compreensão da nossa existência. (Fernando Figueiredo) Iniciativa: Clube de Rádio e Jornalismo da EBSPMA (João Carlos Gouveia, coadjuvado por Ana Bela, José Domingos e José Manuel). Título: Literatura Oral e Tradicional do Concelho da Rª. Brava Editorial: (…) O Órgão de Gestão agradece, em particular, o apoio incondicional da CMRB e, em geral, a todos os que se empenharam para dar asas à gaivota, para que, em bando, levantasse voo. Nota de Abertura: (…) O Vereador do Pelouro da Cultura da CMRB (António Neto): Um bom presente de aniversário para o Município da Rª. Brava e para a EBSPMA. E mais uma manifestação de que esta não está desligada do seu meio envolvente. Estão todos de parabéns.
  24. 24. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 25 5. RECORTES DE IMPRENSA SOBRE A Rª. BRAVA, ANOS 90. FONTE: JORNAL e DIÁRIO DA MADEIRA.
  25. 25. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 26 Maio de 2003, no sítio dos Terreiros – Campanário: Agostinha Fernandes, na altura com 65 anos de idade, quando questionada sobre como era viver naquele sítio, respondeu: - Não havia luz mas agora já há. O caminho existe desde 1998. Agora o que falta? Falta a continuação da ligação viária até à freguesia do Jardim da Serra, no Estreito de Câmara de Lobos. Se a ligação até ao Estreito fosse construída o caminho até ao Funchal era mais curto e pagávamos menos dinheiro. Naquela altura não foi fácil criar os meus onze filhos. As compras eram feitas de oito em oito dias, aproveitando a ida à missa. A mercearia mais próxima ficava a duas horas de distância a pé. Não se comia pão. Agora, em 2003, existe o carro que nos traz o pão, mas antes não era assim. Quando alguém adoecia, era transportado na rede e levado pelos homens mais fortes ao longo da vereda até chegar ao Campanário, quando não havia carro. O primeiro carro deste lugar foi adquirido por um emigrante que teve de ir com a mulher a Jersey ganhar dinheiro…
  26. 26. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 27 À esquerda, a artesã Maria Dantas, residente, em maio de 2003, na Rª. Brava, na altura já tinha realizado restauros, arte sacra, trabalhos com prata, estanho, cobre, latão e alumínio e fazia bijutaria repleta de movimentos. Fui descobrindo por mim mesma, disse-nos Celina Coelho, em dezembro de 2012 (à direita e na página seguinte).
  27. 27. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 28 CELINA COELHO, a autora dos objetos cujas imagens ilustram a presente página, que vive no sítio da Boa Morte. Em 2003 Já tinha feito flores em pano, cerâmica imperial, costura, a pinhata (em espanhol: piñata)5 , arranjos florais secos e, já nessa altura, recebia muitas encomendas. Quase tudo serve de inspiração a Celina Coelho, a artesã madeirense capaz de transformar o que é considerado lixo pelo comum dos mortais em arte. Para Celina, artista da Ribeira Brava, tudo serve, desde as escamas e espinhas de peixe, às sementes de abóbora, cascas de nozes, castanhas, milho em grão, sementes da anona. 5 ¿Cuál es el significado de la piñata? Las piñatas tienen su origen en China: al inicio del año chino cada primavera, se llevaba a cabo una ceremonia en la cual los chinos elaboraban con papel la figura de un animal, la cubrían con papeles de colores y le colgaban herramientas agrícolas. (…).http://www.arquideleon.org/formacion-cristiana/formacion-en-general/411-icual-es-el-significado-de-la-pinata-.html [Consultado a 2014/1/19]
  28. 28. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 29 6. O MUSEU 6.2. MUSEU ETNOGRÁFICO DA MADEIRA – ARTESANATO MODERNO: EXPOSIÇÃO DE JOALHARIA, DE CATARINA OLIVAL Texto: Lídia G. Ferreira (adaptado). Imagens: Museu Etnográfico da Madeira 6.1. Museu Etnográfico da Madeira? O acervo do museu integra uma coleção de objetos que abrangem varia- dos aspetos sociais, econó- micos e culturais do arquipélago da Madeira, sendo a etnografia a área temática da sua vocação. Tutela: DRAC/Secretaria Regional de Cultura, Turismo e Transportes. Leia mais em: http://www.imc- ip.pt/pt- PT/rpm/museus_rp m/direc_regional_ madeira/ContentD etail.aspx?id=1280 www.facebook.co m/museuetnografi co.damadeira [2014/1/21].
  29. 29. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 30 Catarina Olival formou-se em Joalharia Contemporânea na Escola Engenho e Arte do Porto e desenvolve atualmente trabalhos nessa área. Em 2013 expôs no Museu Etnográfico da Madeira (Ribeira Brava). Foi a sua primeira exposição individual mas a artista tem participado em vários eventos culturais. A sua coleção – “Olival Joias” – conjuga duas paixões: a ilha da Madeira, representada nas flores e nos motivos tradicionais, e a joalharia, arte utilizada para representar esses motivos simbólicos que identificam o nosso arquipélago. No Catálogo, gentilmente cedido pelo “Museu”, encontramos, entre outros objetos, brincos (doiradinha, corriola), alfinete (doiradinha), pulseira, anel, marcador de livros, pendente, colar (bordado Madeira). As flores, os desenhos e pontos do Bordado Madeira, o barrete de vilão ou o barrete de orelhas, a carapuça ou a bota chã são alguns motivos de inspiração de Catarina Olival. R. Brava, 2013: Exposição de Catarina Olival (à esq., no início desta página)
  30. 30. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 31 6.3. ARTESANATO TRADICIONAL: CONCEIÇÃO, A TECEDEIRA Em 2013 a turma 12º A, de Ação Social, da Escola Básica e Secundária Padre Manuel Álvares, teve autorização para entrevistar a tecedeira do Museu, Sra. Conceição. Conceição Gonçalves Pereira é solteira e vive nos Canhas. Tecedeira, trabalha no Museu Etnográfico da Madeira, com a categoria de assistente operacional, há 17 anos: Quando os turistas vêm cá ao museu fazem perguntas sobre as linhas, como funciona o tear, onde vou buscar os retalhos e perguntam o porquê do branco e do preto. E esclareço tudo. Por exemplo, o branco e o preto servem pra dar vida. Muitos turistas ficam admirados com esta esta arte e costumam tirar fotografias do meu trabalho. Comecei aos 3 anos com a ajuda da avó que já estava nesta área. A ajuda da minha mãe foi importante no gosto que tenho por esta arte.
  31. 31. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 32 Enquanto a minha avó urdia, isto é, punha em ordem os fios da teia, para fazer o tecido, eu fazia as bonecas de pano (trapos) e, por vezes, fugia de outras tarefas só para fazer bonecas. Já fiz tapeçaria e o que dava mais trabalho era passar uma linha de cada vez. Devido ao facto de trabalhar há muitos anos nesta arte, vou ouvindo cada vez menos. É por causa do barulho destas peças todas quando estou a trabalhar. Vou passando testemunho às gerações mais novas, desde que mostrem interesse. A minha irmã tem interesse em prosseguir no ofício de tecedeira. Curiosidades? As pessoas antigamente só tomavam banho quando chovia, colocavam baldes para aproveitar as gotas de água, diziam que vinha mais limpa que a da fonte. Tipo de materiais no passado e agora? São os mesmos, agora com mais tecidos; se houver ausência de tecidos vou às lojas comprar. As pessoas eram muito poupadas antigamente.
  32. 32. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 33 7. CAMPANÁRIO - A SEGUNDA FREGUESIA MAIS POPULOSA DO CONCELHO Texto: Luís Drumond6 Fotografias: Diário de Notícias da Madeira/Redação/ Luís M. Fernandez7 ,  O Campanário é a segunda freguesia mais populosa do Concelho de Ribeira Brava com 4131 habitantes (censos de 2001), tendo uma área de cerca de 12km2. A freguesia de Campanário foi criada a 15 de Maio de 1515, derivando a sua denominação de dois ilhéus com forma de torres de igreja (campanários) então existentes no mar em frente ao território desta freguesia, dos quais resta apenas um ilhéu, tendo sido o outro derrubado por uma tempestade em 1798. O Campanário pertence desde 1914 ao concelho de Ribeira Brava, com a criação do mesmo, no entanto antes pertencera a Câmara de Lobos (1835- 1914) e ao Funchal (até 1835), tendo abarcado até a data de 1848 o território da freguesia de Quinta Grande. O Campanário tem como padroeiro São Brás, tendo ganho notoriedade na história pela produção de cereais, especialmente trigo, granjeando o nome de “Celeiro das conquistas” pela importância que representava no abastecimento alimentar às tropas em conquista no norte de África. 6 Com pequenas adaptações feitas por nós. 7 Veja-se mais suas pesquisas na página…
  33. 33. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 34  Novembro, mês das castanhas! Ribeira Brava (Chão Boieiro, num chão de castanheiros na subida para a Trompica, junto aos reservatórios de água), organizado pela Associação Desportiva do Campanário. Novembro é popularmente, conhecido pelo “mês das castanhas”, referência em tempos muito usual nas zonas altas de Campanário, nomeadamente nos sítios do Lugar da Serra e Terreiros. É também nestas serras, onde existe um dos maiores soutos (plantação de castanheiros) da Madeira, composto por muitas árvores centenárias, tendo sido determinantes no passado, no modo de vida, alimentação e economia doméstica das populações do Lugar da Serra e Terreiros. Se o tempo alterou a importância económica dos castanheiros e das castanhas na zona alta do Campanário, felizmente a paisagem desta grande extensão de castanheiros permanece única, bela e diferente ao longo de todo o ano. Nas serras do Campanário também ganhou notoriedade um castanheiro pelas dimensões que atingiu. No Elucidário Madeirense faz-se a seguinte referência: “Em outras épocas houve muitos soutos nesta freguesia, tornando-se muito conhecido de nacionais e estrangeiros um castanheiro de agigantadas proporções, cuja gravura se acha reproduzida em muitas obras que se ocupam da Madeira. Ficava no sítio da Achada e media 10 metros de circunferência. Carcomido em parte por ação do tempo, tinha na base uma
  34. 34. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 35 abertura em forma de porta, que dava acesso a uma cavidade, que podia contar algumas pessoas.” Sendo o castanheiro uma árvore de folha caduca (que cai e se renova ciclicamente), ao longo do ano, este vasto manto de castanheiros que cobre as serras de Campanário de lés-a-lés, transforma-se nas suas cores, como se tratasse de um camaleão. Os castanheiros despidos no inverno ganham vida com o rebentar das tenras folhas verde-claras, adquirindo progressivamente um tom cada vez mais escuro, salpicado na primavera pelo amarelo claro da flor do castanheiro. À medida que o outono avança, as cores das folhas transitam para os tons castanhos, avermelhados e amarelo velho, regressando novamente ao ponto inicial do ciclo com a imagem destas majestosas árvores despidas e expostas ao frio do Inverno. Este é seguramente um lindo quadro para visitar, não num, mas em vários passeios a pé, no mesmo local, mas sempre diferentes ao longo do ano. Aventurem-se, valerá a pena! Associação Desportiva do Campanário – Rª. Brava, 2014/3/7: Cerca de duas dezenas de utentes do sexo feminino preparando-se para mais uma atividade regular desenvolvida pela Associação.
  35. 35. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 36  Cortejo especial 27 de setembro de 2013: de quinta para sexta, a anteceder o arraial, realiza-se pela manhã um cortejo singular com dezenas de populares devotos transportando cestos às costas cobertos de açucenas, com saída da Quinta Grande até a capela do Bom Despacho no Campanário......Intensa vivência tradicional.  Campanário, olhar o futuro com os olhos no passado O Campanário é uma freguesia pertencente ao concelho de Ribeira Brava, na Região Autónoma da Madeira. Tem uma área aproximada de 12 KM2 . Esta freguesia até 1835 estava integrada no concelho do Funchal. Em 1835 foi criado o Município de Câmara de Lobos que englobou o Campanário até 6 de maio de 1914, data em que foi criado o concelho da Ribeira Brava. É composta por 33 sítios: Achada, Adêga, Calçada, Carmo, Chamorra, Chapim, Corujeira, Cova da Velha, Fajã dos Padres, Fajã Velha, Furnas e Amoreira, Igreja, Jardim, Lapa e Massapez, Lombo do Romão, Longueira, Lugar da Ribeira, Lugar da Serra, Palmeira, Pedra Nossa Senhora, Pedregal, Pinheiro, Porta Nova, Porto da Ribeira, Quebrada, Roda e Massapez, Rodes, São João, Serrado, Terreiros, Tranqual, Vigia e Voltas. Leia e veja mais em: http://juntadefreguesiadecampanario.blogspot.pt/ [Acedido a 2014/2/22]
  36. 36. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 37  Construção pombalina8 no Campanário? É verdade, caro leitor. Estas duas imagens foram captadas por nós em janeiro de 2014 no interior do Campanário Centrum Clube. Não há outro registo da existência desta construção na Região Autónoma da Madeira. Como se explica a existência de tal tipo de construção pombalina, mais concretamente a gaiola pombalina sabendo que: É conhecida pelo seu engenho e pela sua adaptabilidade a movimentos devido à sua elasticidade, conferindo resistência ao conjunto [FRANÇA, 1987]. A descrição técnica da gaiola é muito simples: a sua estrutura é formada por uma malha ortogonal de frontais, por vigamentos de piso, por frechais e contrafrechais, juntamente com uma estrutura colocada do lado exterior que liga as paredes exteriores de alvenaria por peças de madeira (mãos). A complexidade desta estrutura é responsável pelo travejamento que é a chave do bom funcionamento sísmico destes edifícios [APPLETON 9, 2008]. Os frontais pombalinos, mais concretamente, são constituídos por elementos de madeira verticais (prumos), horizontais (travessas) e diagonais (escoras) 8 1750 - 1777, período em que Sebastião José de Carvalho e Melo, o Marquês de Pombal, exerceu o cargo de primeiro-ministro português, sob nomeação de Dom José I.
  37. 37. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 38 que se cruzam formando elementos de Cruz de Santo André cujos espaços são preenchidos por alvenaria9 . (Continua na próxima edição)  Festa da Flor 9 TEIXEIRA, Maria João da Fonseca (2010), Reabilitação de edifícios pombalinos Análise experimental de paredes de frontal; Instituto Superior Técnico; pág.21. Participação da Freguesia de Campanário em 2013, na cidade de Funchal. Festa da Flor, que ocorre na primavera quando as flores estão no seu melhor, é um dos maiores atrativos tanto para os turistas como para os próprios madeirenses. A confeção de tapetes de rua é uma magnífica manifestação de arte popular. Fotografias: de Rufino (na segunda imagem, de cima para baixo e para a direita, em interação com as floristas), num exclusivo para a Descobrindo.
  38. 38. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 39 8. ESPIGÃO, FURNA, TABUA, SERRA DE ÁGUA O Sítio do Espigão é um local pitoresco, os habitantes gostam de lá viver apesar das precárias condições de vida. Alguns emigraram e voltaram, conscientes que aquele é o local que querem viver o resto de suas vidas. “Homens, mulheres e crianças todos trabalhavam na agricultura, todos gostavam de viver no Espigão”. A agricultura era o meio de rendimento mais utilizado para garantir a subsistência. São pessoas simples, simpáticas! As casas eram de pedra e teto de colmo que persistem ao lado de outras com caraterísticas mais modernas. No Espigão tudo segue a mesma rotina desde trabalhar na fazenda ao cuidar do gado. O Natal para as crianças que lá habitavam significa férias e mais tempo para trabalharem nos campos para ajudarem os pais no rendimento da família. “M A S C A R A D O S” Sítio da Furna – Rª Brava: Natal de 2012 e o reviver da antiga tradição dos “Mascarados”.
  39. 39. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 40 Os jovens deste sítio, na atualidade, a nível do básico, estudam na Escola Básica da Bica do Pau. Tem uma estrada que liga a Furna de cima à Furna de baixo. Tem boas estradas, rede de abastecimento de água e eletricidade. Os turistas têm, agora, oportunidade de descobrir a Furna porque como diziam as autoridades em 2004 “A Furna está mais urbana”. Em 2012 um grupo de alunos, do 11º. Ano, da EBSPMA – Curso Tecnológico de Ação Social visitou a Furna a fim de conhecer a realidade social do sítio. Interagiu com as pessoas na rua e fez uma breve visita ao Centro de Dia local. Nas páginas anteriores desenvolvemos essa particularidade. Os “Mascarados “da Furna, 2013.
  40. 40. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 41 Tabua, 2014/2/19: Tabua tem uma superfície de muitos quilómetros quadrados, com uma população muito dispersa pelos vários sítios. A agricultura representa a sua principal fonte de riqueza e as suas serras são muito procuradas na época da caça. Em época mais afastada a grafia desta palavra era atabua, como se vê em muitos documentos antigos e no respetivo artigo paroquial. Foi a partir de 1938 que o padre António Francisco Drummond e Vasconcelos alterou a forma primitiva do vocábulo, começando a escrever Tabua e lendo aos seus sucessores até ao presente, adotando a nova ortografia. Antigamente havia muita gente a fazer castanholas, até porque também existiam diversos grupos de cantares, que predominavam na freguesia, não sendo raras as vezes que vinham até ao Funchal.
  41. 41. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 42 Tabua – Ribeira Brava, 2014/3/10: “Emília Melício partilhou o álbum de Teresa do Carmo”. Em 1914 criou-se o concelho da Ribeira Brava, ficou a freguesia da Tabua fazendo parte dele tendo então sido desmembrada do concelho da Ponta do Sol. Parece que a origem do nome desta paróquia se deve à existência de um vegetal que se chama tabua.
  42. 42. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 43 Serra de Água: O sítio foi criado há mais de três séculos. A Serra de Água já foi terra de grandes arvoredos. A madeireira era rainha e por ali haviam bastantes serras de água, que acabariam por dar o nome à freguesia. Hoje os arvoredos são poucos. Os incêndios na época destruíram a maior parte da floresta e muitas delas foram ocupadas por culturas hortícolas. Árvores de frutas existem algumas, nomeadamente a nogueira e a ameixeira. O envelhecimento da população na Serra de Água é o maior problema, sendo uma das freguesias que tem maior índice de envelhecimento, não só fruto da emigração mas especialmente uma consequência do êxodo para outras localidades como Ribeira Brava e Funchal.
  43. 43. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 44 Rª. Brava, 2013: a Banda em diversas atividades por todo o concelho: concertos, festas religiosas e outras.
  44. 44. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 45 O Concelho da Ribeira Brava completa mais um aniversário, em 6 de maio de 2013. A Banda Municipal, uma vez mais, esteve nas cerimónias.
  45. 45. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 46 A presença das bandas na sociedade madeirense foi muito forte. Foi nas zonas rurais que as bandas mais se evidenciaram no desenvolvimento cultural das populações. Eram, na grande maioria dos casos, a única porta para o mundo da Arte e da Cultura e a fonte sonora que reunia as pessoas da vila ou da freguesia nas festas tradicionais que ao longo do ano se realizavam. Nestes espaços, onde a terra era dona dos homens e os absorvia no trabalho e na vida do dia-a-dia a banda era uma evasão para todos aqueles que ao fim da tarde procuravam na sala de ensaio um refúgio e um sopro de liberdade para os desígnios e vínculos da colonia.10 A sua principal atração é o cortejo de bandas pelas ruas da cidade, cada grupo representando o seu estilo de música. No final todas as bandas reúnem-se frente à igreja e tocam juntas um hino numa grande festa para animar os convidados e o público interessado em geral. 10 Fonte: SARDINHA, Vítor e CAMACHO, Rui (2001, Rostos e Traços das Bandas Filarmónicas Madeirenses; Associação Musical e Cultural Xarabanda/Direção Regional dos Assuntos Culturais; pág. 9 (adaptado). Continua na próxima edição. O contrato de colonia era um contrato tendencialmente de longo prazo que tinha a particularidade de o senhorio o poder fazer cessar em qualquer momento com a condição de mandar avaliar as benfeitorias e proceder ao seu pagamento. (Para saber mais sobre colonia, visite: http://www4.fe.uc.pt/aphes31/papers/sessao_3d/benedita_camara_paper.pdf).
  46. 46. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 47 A Banda Municipal da Ribeira Brava nos anos 70, acompanhada pelo mestre Tito Abílio da Silva, em primeiro plano, o sexto da esquerda para a direita. Antigos presidentes da banda: José Manuel dos Santos Gonçalves (anos 70 até 1987); José Manuel Jesus Andrade (1987….), também músico executante na banda. A lista dos mestres é mais extensa, sendo o mestre Cruz, natural da R. Brava, o mais antigo, possivelmente desde 189511 . 9. 1. SABIA QUE (II) … 11 SARDINHA, Vítor e CAMACHO, Rui (2001), obra citada; pág. 47
  47. 47. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 48  A primeira notícia, referente a uma atuação da banda é datada de abril de 1875 e que a sua escritura de sociedade só foi lavrada em 1877 e distratada12 em 6 de julho de 1888?13  Uma notícia de 1895 referia-se a uma brilhante novena de S. Bento mandada celebrar pela Filarmónica da Ribeira Brava, a qual tocaria no arraial e que em 1907 esta banda era regida por Francisco Faria?  As atuações desta banda eram constantes nos arraiais da Ribeira Brava e que em 1909 o Santíssimo Sacramento, festejado a 17 de julho, contou com a presença da filarmónica da localidade?  No dia 10 de julho de 1909 a celebração da festa do Espírito Santo contou com a presença da filarmónica e que no mesmo ano a mesma filarmónica atuou na festa de Nossa Senhora da Ajuda na Serra de Água? 12 Tornar nulo (pacto ou tratado). = DESFAZER., in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, http://www.priberam.pt/dlpo/distratar [consultado em 24-02-2014]. 13 O ano de 1889 foi o ano oficial da fundação. Rª. Brava, 6 de maio de 1991: A Banda Municipal celebrou 102 anos. Fonte: DNM, 6/5/91, p. VII (especial)
  48. 48. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 49 Da obra de João Adriano Ribeiro em 1997, publicada pela Câmara Municipal da Ponta do Sol – As Bandas da Ponta Do Sol, retiramos, da página 7, as seguintes citações que nos ajudam a entender a importância deste tema:  Em 1850, surgiu a primeira banda civil na Madeira e entre 1870 e 1875, as bandas multiplicaram-se pelo meio rural, e foram modificando certos costumes considerados rudes.  Nos arraiais, salvo raras exceções, apenas o pífano e o tambor alegravam os camponeses. Desde então, as festas passaram a ser mais atrativas e participadas, graças às bandas regulares e organizadas… (Continua na próxima edição) Mas voltemos à Banda da Ribeira Brava: Fonte: Páginas 288 a 289 da obra Ribeira Brava, de Ribeiro (1998) (adaptado)
  49. 49. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 50 No Caminho da Cruz, bem perto da Vila da R. Brava, encontramos um antigo tocador de pratos14 . Numa banda ou orquestra, os tocadores de pratos são o centro, segundo nos disse o Sr. Leonardo, um dos vários tocadores de pratos que passou pela Banda. Para chegarmos à sua casa, à pé, passamos por outros caminhos (ver imagens) e vizinhas simpáticas, entre as quais as senhoras Maria e Arminda, na foto em em cima. Foi o Leonardo que nos mostrou algumas casas já sem condições de habitabilidade mas que “escondem” autênticos tesouros arquitétónicos. Na parte final desta Secção dedicada à Banda Municipal, homenageamos o falecido professor José António Faria (1954 – 2008), com o apoio da sua viúva, a senhora Clara Fernandes Faria, moradora na Ribeira Brava. 14 Prato ou címbalo é o nome genérico atribuído a vários instrumentos musicais de percussão, construídos a partir de uma liga de metal, geralmente, à base de bronze, cobre e/ou prata. Podem ser percutidos com um par de bastões chamados de baquetas, ou golpeando-se cada um dos pratos contra o outro, deixando- os depois vibrar livremente, ou ainda abafando a vibração imediatamente após o impacto, de acordo com o efeito desejado: faz parte dos conjuntos instrumentais populares, as bandas e fanfarras. Originário, provavelmente, da Mesopotâmia, in http://www.bibliotecavirtual.sp.gov.br/especial/docs/200712- dicionariomusica.pdf .
  50. 50. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 51 Em 1996 a Banda Municipal da Rª. Brava era constituída por 26 elementos, com idades compreendidas entre os 11 e os 81 anos. O Diretor Artístico - Mestre da Banda, era, em 1996, José António Faria. Clara Faria, viúva do Maestro Faria, em 18/3/ 2014.
  51. 51. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 52 Prof. Faria, em discurso direto: (…) Fiz seis marchas para a Banda Municipal da Ribeira Brava. (…) Houve uma evolução na minha escrita musical. No princípio era por intuição. Letra: Anónima ribeirabravense. Arranjo musical: José Faria
  52. 52. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 53 (…)
  53. 53. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 54 José António Faria (1954 -2008) – um dos ex-diretores artísticos da Banda Municipal da R. Brava. As primeiras fotografias referem-se à sua qualidade de professor da EBSPMA em diversas atuações e ensaios com alunos integrados no projeto “Bandinha”. Prof. Faria, em discurso direto: O Sr. Raúl Serrão foi o meu primeiro professor. É uma pessoa à qual devo muito. Procurei sempre seguir a sua imagem até ganhar a minha própria personalidade. A pessoa ganha o seu estilo próprio sem desrespeitar aquilo que aprendeu. Texto extraído da obra citada, p. 145. Fotografias de Clara Faria.
  54. 54. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 55 (Continua na próxima edição) Prof. Faria, em discurso direto: A harmonia aprendida no Conservatório, a matemática musical, tem os seus limites. Só se consegue entrar no mundo da composição quando, para além dessa matemática, começamos também a desbobinar a nossa criatividade… (Ver dedicatória ao Mestre Faria, na Gaivota de 2000 na página 23)
  55. 55. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 56 “Encontros Regionais de Bandas”, um evento anual criado para preservar o importante património musical da Região Autónoma da Madeira (RAM) Destaque já institucionalizado: Os Encontros Regionais de Bandas Filarmónicas da Madeira, numa parceria entre a Direção Regional dos Assuntos Culturais, Câmara Municipal da Ribeira Brava e Associação de Bandas Filarmónicas da RAM. Rª. Brava, 6 de maio de 2003: A Banda completou 114 anos. Fonte: Jornal da Madeira, de 11/5/2003, pág. 25.
  56. 56. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 57 10. TRINTA E QUATRO ANOS DA CASA DO POVO Na Ribeira Brava a necessidade de divulgar as múltiplas tradições de um povo e de preservar a cultura viva das gentes da terra, bem assim como proporcionar a locais e visitantes uma verdadeira amostra representativa dos seus bailados, cantigas e tradições, levaram à formação do Grupo Folclórico e Juvenil da R. Brava a 26 de julho de 1980 que, desde 1989, passou a denominar-se Grupo de Folclore da Casa do Povo da R. Brava15 . Em março de 2014 visitamos parte das instalações. As taças, diplomas, certificados e outros tipos de troféus são muitos: Casa do Povo da Ribeira Brava situada na Rua Juvenal José Ferreira. 9350-203 Ribeira Brava. 15 Adaptado de uma investigação de Eleutério Corte, gentilmente cedida à Descobrindo. Casa do Povo da Rª. Brava, 6 de março de 2014: O Presidente da mesma, acompanhado pelas alunas Tânia Pita e Catarina Garcês, do Curso Tecnológico de Ação Social da EBSPMA, 2013/14 Rª Brava, 28/6/1993- Grupo das marchas da Casa do Povo da Rª. Brava. Original de Clara Faria (a quinta marchante, da esq. p/a direita, de pé)
  57. 57. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 58 Direção Da Casa Do Povo Da R. Brava 2 0 1 4
  58. 58. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 59 Visita à Casa do Povo, em março de 2014, na companhia das alunas Tânia Pita e Catarina, do Curso Tec. Ação Social. Os Srs. Pereira e Renato fazem uma demonstração dos seus talentos na área de acordeão/Concertina, de modo a motivar os jovens para a importância das marchas populares.
  59. 59. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 60 A dedicatória foi obtida através do Sr. Luciano Canha (na foto à direita, na pág. anterior), presidente das «Velhas Glórias» (de que Eusébio fazia parte), que chegaram a pensar vir jogar à Ribeira Brava na inauguração do novo campo e complexo desportivo. Esta vinda não foi concretizada (devido a problemas de saúde do Sr. Canha). No entanto, o Sr. Luciano Canha enviou a dedicatória ao CDRB através do Dr. João Gonçalves (que tinha conhecido em Timor-Leste). Filipe Corujeira, 2014/1/7 A data oficial da fundação do Clube Desportivo da Ribeira Brava é 18 de outubro de 1961, dia da publicação da aprovação dos primeiros estatutos, embora o clube já existisse muito antes. À direita: Eusébio e Luciano Cunha, autor da obra “Clube Desportivo da Ribeira Brava – o clube e a sua terra”, 2008. Em cima: Eusébio e Pelé em 1963. Eusébio foi um futebolista português, nascido em Moçambique. Falecimento: 2014, Lisboa. Início de carreira: 1957. Fim de carreira: 1979. Prêmio: Bola de ouro. Em baixo: Como eram as notas (dinheiro) em 1942, data de nascimento de Eusébio. 11. DESPORTO
  60. 60. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 61 Desde o início da fundação do Concelho da Ribeira Brava, em 1914, o visconde da Ribeira Brava, Francisco Correia Herédia, o principal impulsionador da fundação do Concelho em 1914, promoveu diversas atividades desportivas: torneios de espada, tiro ao alvo, jogos de futebol… Bibliografia: Ribeiro, João (1998), Clube Desportivo da Ribeira Brava – O clube e a sua terra (adaptado), Ribeira Brava: pág. 17, 37, 40, 42, 66, 68, 71, 78, 111 e 112. “Pouco a pouco começamos a perceber que 1,50 euro, que parece pouco dinheiro, são 300 escudos…", desabafaram-nos alguns dos jogadores mais antigos do “Clube”.
  61. 61. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 62 Primeira equipa oficial do CDRB, 1962-1963. Da esquerda, no primeiro plano, “Bacalhau”, “Catrina”, “Bola de Meia”, Barros e Ferreira; no segundo plano: Irineu, Câncio, Freitas, Cândido, Carlos e Martins. Conjunto Académico João Paulo, na década de 70: Este conjunto musical, apesar de muito famoso na época, chegou a atuar nas antigas instalações do Clube Desportivo da Ribeira Brava, conforme o testemunho de alguns dos nossos leitores mais velhos. CDRB (Da esquerda): Nelson Martins, Arlindo Faria, Luís Mendes e Sidónio Nabo; equipa de atletismo da década de setenta; equipa de automobilismo da década de oitenta, cuja comissão organizadora era presidida por José Luís Andrade (médico).
  62. 62. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 63 Max esteve na Ribeira Brava a convite do CRB, em junho de 1960. POMBA BRANCA - MAX Pomba branca pomba branca Já perdi o teu voar Naquela terra distante Toda coberta pelo mar Pomba branca pomba branca Já perdi o teu voar Naquela terra distante Toda coberta pelo mar Fui criança e andei descalço Porque a terra me aquecia… Por Max e Vasco de Lima Couto. Maximiano de Sousa ou Max (1918 - 1980) foi um cantor e fadista português, natural da Madeira. A ele se devem êxitos como Noites da Madeira, Bailinho da Madeira, A Mula da Cooperativa… No início da página seguinte, imagens captadas na rede social de Michel Vicente: Pedro Abreu, Abrindo um parêntesis humorístico (EBSPMA- Dez. 2013: Fotografia de uma pomba que, voluntariamente, permaneceu durante alguns minutos na reprografia da EBSPMA, fazendo “companhia” às funcionárias daquele espaço: Manuela, Olga e Clarisse.)
  63. 63. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 64 David Simão, João Martins, Rúben Viveiros, Filipe Sousa, Filipe Orlando Gomes, Djonny Silva, Bruno Nunes, Fábio Faria, Pedro Nascimento, Ronaldo Teixeira, Félix Pereira e Ricardo Marques. 20 de abril de 2012 (De Mário Pereira): Basquetebol, nos juvenis femininos, masculinos e no futsal nos Juniores femininos e masculinos…nos cinco primeiros lugares...é muito! Assina Prof. Sónia Nóbrega. Ainda nesta página, fotografia de alunos da EBSPMA na qualidade de Campeões Desporto Escolar 2012/13 - Basquetebol - Victor Ferreira, Bernardo Pestana, João Gomes, Jimmy Fernandes, Sónia Nóbrega, Maurício Barros e Camilo Fernandes. Prof. Mário Pereira em 14 de abril de 2013…e parabéns, também, às equipas de futsal da Ribeira Brava! No canto inferior direito: EBSPMA, dezembro de 2013: Clube de Xadrez.
  64. 64. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 65 Clube Desportivo Ribeira Brava (em cima) - 7/1/2014 - FUTSAL SÉNIOR 2013/2014: Délio Martins, Marco Martinho, Erick Santos, William David, Saúl Pestana, Ricardo Pestana, João Pedro Correia, Samuel Pita, Manuel Abreu, Luís Pestana e Diogo Pinto. Dirigente responsável pela Secção: Marco Martinho; Treinador: Vicente Câmara; Delegado: João; Massagista: Norberto; Periodicidade dos treinos: duas vezes por semana; Local: Campo Desportivo da Vila. Integram a equipa: Ribeirabravenses, pessoas que residem em São Vicente e outros naturais do continente mas residem na Ribeira Brava, profissionalmente ligados ao ensino e a outras áreas, cujos filhos jogam também no “Ribeira Brava”. LILIANA FERREIRA (CLUBE JUDO BRAVA) - Campeã Nacional, modalidade de judo, sub-23, categoria +70kg. Considerando o excelente resultado desportivo alcançado pela atleta do Clube Judo Brava, ao sagrar-se Campeã Nacional, na modalidade de judo, sub-23, categoria +70kg, ao dignificar a Região Autónoma da Madeira e o desporto regional, a Direção Regional de Juventude e Desporto endereça à atleta, ao Clube, aos seus dirigentes e a todos os responsáveis por este êxito, as melhores congratulações e uma palavra de apreço e regozijo, desejando que continuem o bom trabalho e o trilho de sucesso, em prol do desporto da RAM. 17-06-2013 - SRE / Direção Regional Juventude e Desporto
  65. 65. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 66 (Continua na próxima edição) CDRB. 1977/1978– Campeão da 2ª Divisão da Madeira - Da esquerda, de pé: Sidónio, Vítor, Fernando, Manuel, Luís, João, Fernando (o mesmo da foto à esquerda, com as faixas de campeão bem nítidas), Câmara, Pedro, Vieira, “Branco”. No primeiro plano, da esquerda: Santos, Zeca, Venâncio, Armindo, Basílio, Galileu, Lino e Leonel. Festejos por o “Ribeira Brava” ter sido, com muito mérito, o novo campeão da segunda divisão regional, nos finais da década de setenta.
  66. 66. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 67 12. ECONOMIA - SUCATA, AGRIÃO, CANA-DE-AÇÚCAR E MERCADO 12.1. A ribeira da Rª. Brava ajuda a minimizar a crise? A recolha de ferro-velho é altamente rentável e há quem esteja a faturar acima de meio milhão de euros por ano, lemos na comunicação social madeirense. Desconhecíamos, contudo, que a ribeira da Ribeira Brava, bem perto de nós, trazia no seu leito sucata suficiente para encher uma carrinha. Pois, em maio de 2013, testemunhamos esta recolha familiar de sucata junto do leito da ribeira quase sem água por ser verão. Confirmamos a existência desta atividade económica aqui na parte final da nossa ribeira.
  67. 67. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 68 O que se ganha com a venda desta sucata ajuda para as despesas da família, nesta altura da crise, disse-nos simpaticamente o pai aqui retratado. Os restos de ferro na ribeira esgotam rapidamente e é preciso muita imaginação e ferramentas adequadas - cordas, arame, ganchos e…muita força nos braços e de vontade – para os localizar, juntar e meter dentro da viatura, tendo, apenas, como “ajudante”, a filha menor, estudante. As imagens são elucidativas pelo que dispensam mais palavras da nossa parte. Economicamente falando, o negócio é rentável para alguns porque o mesmo gera lucros (resultados positivos). O que testemunhamos não era furto e, pelo contrário, era um pequeno contributo para a limpeza da ribeira, numa luta inconsolável para a sobrevivência de uma família provavelmente vítima do desemprego.
  68. 68. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 69 12.2. "Noite do Mercado" atraiu na Madeira centenas de pessoas à R. Brava.
  69. 69. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 70 Ribeira Brava, Madeira, 22 dez (Lusa) - O concelho da Ribeira Brava, na ilha da Madeira, organizou no sábado, pela primeira vez, a "Noite do Mercado", uma iniciativa de promoção dos produtos regionais que teve uma adesão maior do que a prevista. O evento, organizado pela Câmara Municipal do concelho, foi uma aposta nos produtos regionais madeirenses (veja-se a página anterior). O vereador da Cultura da Câmara Municipal do concelho, Rui Gouveia, afirmou à agência Lusa: "Esta é a primeira experiência que temos na 'Noite do Mercado´ na Ribeira Brava. E é um sucesso, não só pelo número de feirantes que foi ao evento, mas também pela adesão do público, veio muita gente"16 . 16 Texto (adaptado) de http://expresso.sapo.pt/noite-do-mercado-atraiu-na-madeira-centenas-de-pessoas-a- ribeira-brava=f847532#ixzz2tU9kZUXrnph [Acedido a 2014/2/16]. Imagem desta página: Luís Fernadez, antigo aluno da EBSPMA e do Curso Tecnológico de Ação Social.
  70. 70. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 71 12.3. A recolha de agrião na ribeira na Fajã Tradição e ciência: Além de saboroso em saladas e sopas, o agrião tem benefícios nutricionais. Contém fósforo, iodo, ácido fólico, betacaroteno e vitaminas A, C, B2 e PP. Tradicionalmente era usado como planta medicinal pelas propriedades estimulantes, depurativas e diuréticas, e também como complemento no tratamento da diabetes e da anemia. Em sumo com mel fazia uma mezinha contra a bronquite e a tosse.17 Será por isso que a senhora aqui retratada, na Fajã da Ribeira Brava, em 3 de novembro de 2013, se encontra concentrada a recolher agrião do rio ou agrião de água? 12.4. Exemplo do trabalho do corte da cana na Rª. Brava 17 http://activa.sapo.pt/belezaesaude/saudenutricao/2013-07-12-os-beneficios-do-agriao. [Acedido a 2014/3/23]. Vale de Baixo (Rª. Brava), 2014/3/25: “Sim, bebe-se água quando se precisa”, disseram-nos o Trindade (à esquerda) e o Agostinho.
  71. 71. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 72 Por volta de 1440, Açores, Madeira e Cabo Verde tinham uma produção de cana que abastecia não só a o Continente mas ainda a Inglaterra, portos de Flandres e algumas cidades da Itália. No passado dia 25 de março fomos “descobrir”, no Vale-de- baixo, na Ribeira Brava, uma atividade económica de corte de cana, numa propriedade do Sr. Armindo Pestana. Os nossos agradecimentos aos Srs. que estavam a trabalhar, nomeadamente os senhores Armindo Agostinho, Trindade…Aqui ficam as os nossos agradecimentos por nos terem facilitado a recolha de imagens. Para onde vai esta cana toda? A resposta dada pelos senhores foi a seguinte: Ainda vai ser, depois de cortada e agrupada em molhos, com base num cavalete, colocada num camião, com destino à Fábrica de Mel de Cana do Ribeiro Seco. Este ano está a ser muito bom. Não faltaram água e sol para dar boa cana. Desta e de outra cana da Região, vai sair aguardente, mel para fabricar bolos e broas. Vale de Baixo (Rª. Brava), 2014/3/25: Um “bailado”? Cada qual sabe o que deve fazer, sem atropelos e as caninhas para a próxima colheita já começaram a crescer, num constante processo de renovação.
  72. 72. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 73 13. QUARENTA ANOS DA EBSPMA – (PARTE I) QUEM É QUEM? Içando a bandeira página anterior, a atual jornalista da SIC, Paula Castanho. Como começou a sua carreira de jornalismo? Costumo dizer que começou na escola. Quando estava no 12.º ano, no Funchal, Madeira, estive uma temporada no "Diário de Notícias". Mas desde miúda que me interessava por este mundo e que queria muito fazer televisão. Acabei por entrar na Universidade Nova de Lisboa e seguir esta área. Seguiu-se um estágio na RTP, mas acabei por não ficar. Fui ainda colaboradora da Máxima e trabalhei em duas agências de publicidade, o que foi muito positivo, uma vez que comecei a perceber melhor o mundo empresarial. Antes do dia 6 de outubro de 1992, dia da primeira transmissão da SIC, já estava em formação nesta estação de televisão. Já lá vão 1918 anos ao serviço da SIC. Mantém ligações ao Alentejo, nomeadamente a Aljustrel? Sim, mantenho o contato. Saí do Alentejo com 12 anos e fui viver para o Funchal. Regresso ao Alentejo sempre que posso. Tenho aí família e é a minha terra. Sempre que me solicitam tenho gosto em colaborar e participar. Ajudo sempre que me pedem e tenho muito gosto nisso. Como vivi muitos anos no Funchal, quando me perguntam costumo dizer que sou alentejana e madeirense. 18 Entrevista feita em 2011.
  73. 73. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 74
  74. 74. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 75 13.1. De 1974, data da fundação da Escola, a 2014: Um pouco de retrospetiva dos 40 anos de existência, num exclusivo para a Descobrindo… De 1983 em diante. Imagens: Arquivos da EBSPMA
  75. 75. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 76 Em 1983 foi assim. Em cima, na cantina, a cozinheira, D. Isabel, mãe das professoras Carmo, que leciona, agora, na mesma escola e a professora Cristina (Ponta do Sol), acompanhada pela então professora de Matemática, Celeste. Como era o 6 de maio na década de 80? Aquele dia era especial, a data mais esperada pelos alunos, porque podiam expor os seus talentos e os melhores trabalhos desenvolvidos ao longo do ano letivo. Conviviam, brincavam. A “missa campal” celebrava-se na escola…e os alunos não podiam faltar à missa. Vestiam as melhores roupas que possuíam.”. Betty (funcionária dos livros de ponto).
  76. 76. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 77 As comemorações do 6 de maio eram diferentes e eram mais divertidas comparando com a atualidade. Por exemplo, havia partilha de comidas feitas pela comunidade escolar (alunos e professores). Além das visitas de estudo havia o hábito de se realizarem excursões. Zélia (funcionária administrativa)
  77. 77. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 78 SABIA QUE (III)… O 1º diretor da escola chamava-se Francisco Simões? - É uma história muito complicada, o ministério da educação teve dificuldade em arranjar um diretor para a escola da Ribeira Brava,” Francisco Simões: deu o seu tempo e energia à nossa vila, pois muitos de seus colegas tinham habilitações para o cargo, mas não queriam abandonar a sua vida no Funchal. - Outra curiosidade: Em 1973 haveria que começar uma escola sem que o edifício onde ela deveria funcionar estivesse sido construído.
  78. 78. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 79 Na última foto, à esquerda: Professoras Zé Ventura, Isabel Reis, Orlando Drumond, jornalista do Diário de Notícias, a fazer a sua reportagem; professora Marília Andrade. “Não me canso de repetir, porque passei por essa experiência: A comemoração do Dia da Escola, o 6 de maio, era mais dinâmica, divertida; nesse dia era como se estivéssemos todos em família”. Betty (funcionária dos livros de ponto).
  79. 79. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 80 EBSPMA, maio de 2004 De cima p/baixo, da esq. p/a dir.: J. Miguel, Manuel, Sra. Olga, Celso, Maria Aurora*, Liliana, prof. Olga rodeada de alunos no pátio da escola: “Clube Cultivar Saúde”. *Ver página seguinte EBSPMA, maio de 2004: Nesta imagem, alunos na fila por uma sopa gostosa acabada de fazer…
  80. 80. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 81 «TUDO NO MUNDO É FEITO PARA ACABAR POR CONVERTER-SE NUM LIVRO.» STÉPHANE MALLARMÉ «Guardas tudo de mim / – não sei se entendes /a ternura da dádiva – /também não te pergunto…/ para quê? /O meu amor é isto: /desejar- te em segredo /pouco esperar do que vier de ti /e nada te pedir.». MARIA AURORA? Foi professora do Ensino Secundário, fez rádio e televisão (apresentadora de Atlântida na RTP Madeira). Foi, também, jornalista (A Capital e Diário de Lisboa), animadora cultural e coordenadora da revista Margem, editada pela Câmara Municipal do Funchal a cujo departamento cultural pertenceu e através do qual dinamizou a Feira do Livro. Faleceu aos 72 anos, vítima de doença prolongada… É tarde, meu amor (poema de Maria Aurora Carvalho Homem) É muito tarde. O tempo implacável me consome E destrói o vigor do corpo moço: Apagou o fulgor do meu olhar Roubou a altivez do seio cheio Secou o rio manso do meu ventre Cobriu de pergaminho a minha mão É tarde, muito tarde Mas… por dentro Ainda bate, por ti, o coração. No belíssimo poema que a seguir transcrevo, o coração é, ainda, apanhado na armadilha do tempo indomável e destruidor. Confira-se: É tarde, meu amor É muito tarde. O tempo implacável me consome E destrói o vigor do corpo moço: Apagou o fulgor do meu olhar Roubou a altivez do seio cheio Secou o rio manso do meu ventre Cobriu de pergaminho a minha mão É tarde, muito tarde Mas… por dentro Ainda bate, por ti, o coração. Discurso Amoroso, Maria Aurora Carvalho Homem, Editorial Campo das Letras, Porto 2006.© Teresa Sá Couto (to Artur). Adaptado de http://comlivros-teresa.blogspot.pt/2009/01/poesia-de-solido-e- erotismo.html [Acedido a 2013/11/13]
  81. 81. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 82
  82. 82. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 83
  83. 83. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 84 …Esta escola está parecida com um campo de concentração. Só com algumas alterações, pois num campo de concentração podemos fumar e aqui não. Os professores podem chegar atrasados, os alunos não, pois espetam-nos logo uma falta. Nós não temos direito a falar, somos cães dominados pelos donos. Se fazemos o que gostamos somos punidos pelos superiores. Temos um campo de voleibol e não nos dão bolas para jogarmos este desporto. Somos manipulados. Afinal, em que raio de democracia estamos? Queremos ser ouvidos; queremos estar num lugar onde possamos levar cultura do meio. Não queremos aprender a ser dominados para depois dominarmos os outros. Queremos falar, queremos mostrar o que aprendemos mas…aqui é impossível. Espero que isto mude. Tony Pereira, 9º. E
  84. 84. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 85 “Gaivota” – Memórias, 6 de maio de 2004: D. Sílvia, a irreverência é uma caraterística inerente aos jovens de todos os tempos. Na sua altura, também fizeram atos reprováveis? “Sílvia”19 ”: Nessa altura, os alunos faziam as suas asneiras gostavam de meter fósforos nas fechaduras, esconder as pastas dos colegas, deixar os rolos de papel higiénico nas sanitas…Lembro-me, também, que um aluno na fila do lanche atirou uma maçã a outro colega atingindo-o no olho, ficando este bastante magoado. Ainda estavam os alunos à frente da cantina, quando lá chegou a presidente do Conselho Diretivo, deu-lhe um estalo e não houve mais conversa. Não houve necessidade de participações, reuniões ou deliberações. O assunto resolveu-se ali! 19 Sílvia Doroteia foi responsável pelos Serviços Administrativos da escola até 2013. Está reformada há menos de um ano.
  85. 85. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 86
  86. 86. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 87 Alunos professores e outros profissionais, antigos e atuais, em diferentes atividades, cada qual com a sua especificidade: Bênção das capas, concurso de beleza, aulas, participação em peças de teatro, noite/dia de mercado, “madrinha”…Todos são importantes! Ano letivo 2004/05 Inauguração dos trabalhos elaborados pelos alunos do 5º e 6º ano da nossa escola, em exposição até ao dia 05 de março de 2014, nas chegadas do aeroporto do Funchal. Assina: Prof. Feliz Pereira
  87. 87. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 88 EBSPMA, 2013 Comunidade Educativa na inauguração do projeto de final de três alunos do Curso Tecnológico de Ação Social 2012/2013, turma 12º. B - Carla, Fátima e Gomes - Um “produto” que foi aplaudido pela maioria dos utentes.
  88. 88. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 89 13.2. FINALISTAS, JORNADAS, MODA E ESPETÁCULOS, 2013 A escola é um lugar para aprender, crescer e amadurecer Texto de Alda Almeida20 Nas escolas fazem-se amizades, descobrem-se os primeiros amores e amigos. A escola é, muitas vezes, lugar de tristezas e sorrisos, onde se desenha a vida e se projetam os sonhos, se vivem certezas e temem- se realidades. 20 Presidente do Conselho Executivo da EBSPMA. Rª. Brava- Escola Básica e Secundária Padre Manuel Álvares (EBSPMA), novembro de 2013 – Festa dos alunos finalistas.
  89. 89. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 90 E é exatamente isso que a nossa escola tem sido ao longo destes quarenta anos de história. Para muitos, uma segunda casa, um lugar de alegrias e aprendizagens, onde muitos jovens passaram e passam a maior parte dos seus dias. Um mundo de culturas e de experiências que se confundem e interlaçam com as letras, os números, a arte ou até mesmo a música… A escola é um pequeno mundo em transformação…e, hoje, porque é uma data muito especial para todos nós, uma vez que se assinala mais um aniversário para a história desta instituição, quero deixar uma pequena mensagem: Os próximos tempos trazem alguns receios não só para nós enquanto escola mas, principalmente, para muitos dos pais dos nossos alunos aqui presentes. Todos juntos seremos capazes de superar angústias e desmotivações, com esperança e coragem seremos capazes de ultrapassar os momentos menos confortáveis que a maior parte está a viver, mas é importante que todos continuem a acreditar na formação e educação dos vossos filhos, porque a escola é a chave que abre a porta do sucesso. A vida é feita de ciclos e chegará o momento em que a maior parte de vocês serão recompensados pelos esforços que têm vindo a fazer para manterem os v/filhos a estudar. Por tudo isto, é preciso acreditar… é preciso vencer os obstáculos…é preciso continuarem a lutar….Um bem-haja a todos vós!
  90. 90. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 91 J o r n a d a s
  91. 91. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 92 A Biblioteca Municipal da Ribeira Brava e a Escola Básica e Secundária Padre Manuel Álvares promoveram, pela primeira vez, uma Jornada Cultural. O evento decorreu entre os dias 27 e 29 de novembro de 2013, na Biblioteca Municipal. A organização definiu os seguintes objetivos: A participação em atividades pedagógicas e culturais; a sensibilização dos alunos para a importância da leitura e da escrita na formação integral do individuo; promover uma maior interligação e convívio na Comunidade Educativa… A terminar … 12º- A, Ação Social, em “TEC”
  92. 92. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 93 Rª. Brava, 2013: Mercado – local privilegiado para venda e compra de artesanato (Sra. Bete e o Prof Élvio, por exemplo). Bênção das capas: Algumas fotos para mais tarde recordar, com a participação do Museu. Muitas gaivotas já passaram por esta avenida, as melhores ficaram para receber e aquecer o coração daquelas que as visitam. Prof. Cristina Silva, em 21/12/2013. QUARENTA ANOS DA EBSPMA – (PARTE II)
  93. 93. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 94 13.3. Rª. Brava, 6/5/1997: Um olhar sobre o passado Por Francisco Simões21 A propósito da horta recordo um episódio difícil de que, provavelmente, poucos se lembrarão. Quando começamos a produzir os primeiros morangos, tomates, cenouras, etc, começamos a fazer sumos que depois eram distribuídos pelos miúdos nos diversos pontos em que estavam a ter aulas. Acontece que 40 dos 380 meninos que tínhamos na altura manifestaram uma espécie de alergia (furúnculos?). Lembro, com agrado, o velho Dr. Pais que, vendo-me entrar no seu consultório com um desses meninos, me disse com o seu ar de respeito. O senhor arranjou um sarilho. O senhor não sabe o que está a fazer. De facto eu não sabia. O Dr. Pais explicou-me então: Estes meninos depois de deixarem de mamar, comeram milho e batatas e você, de repente, quando eles têm 11, 12 anos, dá-lhes “bombas” de vitaminas… e, agora, é que são elas. A solução é limpar-lhes os intestinos e depois é preciso uma coisa que não tenho: as vitaminas necessárias para estabelecer uma plataforma de equilíbrio (…) E, por isso, começamos a criar os nossos próprios animais para termos ovos, carne, etc., de tal modo que passamos a ser quase auto-suficientes em termos alimentares. Chegámos mesmo a produzir mais do que necessitávamos. Começamos, por isso, o intercâmbio com a Escola Industrial22 . Trocávamos produtos daqui por açucar, pão, manteiga e outras coisas até que alguém se assustou e disse não querer nada com esta Escola que deixava os miúdos andarem pela Vila e não tinha campainha (…). (Continua na próxima edição) 21 Primeiro Diretor da EBSPMA. Fonte: Suplemento da Gaivota de 1997. 22 Atual Escola Secundária Francisco Franco (Funchal).
  94. 94. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 95 13.4. Lembro-me…23  Da alegria que senti ao saber que a Escola da Ribeira Brava abriria nesse ano (73/74), pois disso dependia eu continuar ou não os meus estudos. Eram finais de outubro. Tinha feito o 1º. ano no extinto Externato S. Bento e ir estudar para o Funchal, na minha condição familiar e económica, era impossível .  Das primeiras aulas. A turma subiu até ao Miradouro, acompanhada do professor Simões, professor de desenho e diretor da escola, para, aí, podermos observar e construir a planta da nossa escola – a planta da vila da Ribeira Brava.  Das disputas entre as turmas para se conseguir a posse da sala. Estavam a construir a escola, havendo apenas quatro salas prontas. A sala pertencia à turma que primeiro chegasse à sala ou por decisão dos professores em consonância com a atividade a desenvolver.  Das primeiras semanas de aulas. Não havia mesas nem cadeiras nas poucas salas que já estavam prontas. Dentro ou fora da sala de aula sentávamo-nos no chão, nas bermas dos caminhos ou levadas que existiam na horta, ou num monte de madeiras usadas na construção, cujos pregos aguardavam os alunos menos cautelosos. Cadernos sobre os joelhos e lá íamos escrevendo os nossos apontamentos. 23 Professora Leontina Santos (Presidente do Conselho Executivo em 1998/1999), adaptado da Gaivota nº- 19, de 6 de maio de 1999; pág. 9.
  95. 95. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 96 13.5. As conversas de Martinho Macedo… I Com Leontina Santos (2014/2/17) O espírito de Fernão Capelo Gaivota A Escola Básica Secundária Padre Manuel Álvares celebra 40 anos de existência. Foi fundada, formalmente, no ano letivo de 1973/1974, tendo como primeiro diretor o professor e escultor Francisco Simões. A propósito do quadragésimo aniversário da Escola vou entrevistar a professora Leontina Santos, discípula ativa do espírito precursor da instituição, inspirado na obra de Richard Bach - Fernão Capelo Gaivota. Entrevistador: Muito boa tarde, senhora professora. Vamos iniciar esta entrevista recordando algumas experiências significativas que foram Rª. Brava, 2013 – Jantar das “Gaivotas”, (da esquerda para a direita): Leontina, a primeira no último plano e Camarata, a quinta, no segundo plano, num exclusivo para a revista Descobrindo, dão o seu testemunho no ano em que se celebram os cem anos do concelho e quarenta anos da EBSPMA.
  96. 96. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 97 compondo a sua biografia. Pode ser? Há quanto tempo abraçou o espírito de” Fernão Capelo Gaivota”? Como foi a descoberta pela vocação do ensino? Prof.ª Leontina: Boa tarde. O meu nome é Leontina Silva Santos e tenho cinquenta e quatro anos. As qualificações académicas foram conquistadas de forma gradual e com muita dedicação. Alcancei o grau de mestre na área da Filosofia pela Universidade de Braga, extensão do Funchal. Em 1981, nesta escola, iniciei a atividade docente, antes de possuir a formação universitária. O percurso académico foi realizado a trabalhar e a estudar simultaneamente. Quanto às experiências, elas são muitas e diversificadas. Umas são de ordem privada e familiar, outras de ordem profissional. Inicialmente, no Ensino Diurno, comecei pelo Segundo Ciclo, seguido do Terceiro Ciclo onde estive menos tempo e, claro, a maior parte do tempo foi partilhado com os alunos do nível Secundário. Também passei pela experiência dos vários programas do Ensino Noturno nos diferentes níveis, desde o Ensino Recorrente até aos atuais Cursos de Educação e Formação (CEF) e Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA). Ao longo destes anos desenvolvi várias atividades e desempenhei múltiplas funções dentro da escola. Entre aquelas que mais interessam para este momento, as de ordem profissional, são de realçar: o papel de animadora de diferentes clubes, abrangendo o teatro, a natureza, aos projetos com as crianças, por exemplo, A Filosofia para Crianças; o acompanhamento nas saídas de Visitas de Estudo, dentro e fora da Região Autónoma da Madeira (RAM); a lecionação enriquecedora nos diferentes níveis escolares; o facto de ter sido Orientadora de Estágios; o desempenho da função de Coordenadora dos Diretores de Turma e, em última instância, o momento em que fui
  97. 97. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 98 Presidente da Escola durante dois anos. Tem sido um leque de experiências que me deixa confortável em relação ao ensino porque muita coisa não é nova e, ao mesmo tempo, uma atitude crítica em relação a muitas outras. Entrevistador: Foi uma descoberta exigente mas recompensadora, assente na dedicação e no espírito de missão. Em 1973/1974 emergiu a Escola Básica e Secundária Padre Manuel Álvares e o professor escultor Francisco Simões como primeiro Diretor. A professora Leontina conheceu esta personalidade? Prof.ª Leontina: Evidentemente. Francisco Simões foi uma figura ímpar que marcou todos os alunos, especialmente, os primeiros alunos que frequentaram esta escola, por ter sido o impulsionador e o motivador para que a escola funcionasse nesse ano, em 1973/1974. Apesar da instituição não apresentar as melhores condições materiais, ele achou oportuno começar desde logo as atividades letivas para evitar que a escola perdesse muitos alunos. Eu seria uma daquelas que teria ficado sem a escolaridade, na medida em que não tinha as condições para dar continuidade aos estudos noutro local mais longínquo. Tendo consciência da realidade precária das famílias e do fato de muitas crianças já terem iniciado o primeiro ano ou terem feito a Telescola, logo sem condições para continuarem, Francisco Simões decidiu abraçar este projeto e lançou-o de uma forma inédita. Em 1973/1974, antes de ocorrer a Revolução do 25 de Abril, podemos dizer que o concelho de Ribeira Brava foi pioneiro, por desenvolver uma atitude de liberdade, respeito, tolerância e diversidade que, olhando hoje, parece inconcebível que se pudesse ter feito isso antes do 25 de abril, mas aconteceu. Eu tive a felicidade de ter sido uma dessas alunas e de ter
  98. 98. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 99 partilhado com Francisco Simões o espírito e a visão de Fernando Capelo Gaivota. Nessa época era chamada de Leontina Gaivota, tal como todas as outras colegas e, desse modo, foi injetado no espírito dos jovens o gosto, a missão, o esforço e o trabalho, dentro e fora da escola, por um futuro melhor. Acho fundamental que se voltasse a renovar e incentivar todos esses valores nos nossos jovens. Entrevistador: Deduzo das suas palavras a necessidade de reorientar os jovens no caminho de uma liberdade mais dinâmica e responsável. Como aluna desta escola, que olhar traz na memória dessa passagem? Como era o clima escolar, as aulas, enfim, quais foram os traços mais salientes dessa época? Prof.ª Leontina: Isso mesmo. Ora, o que eu gostaria de referir, essencialmente, era o gosto por aprender que animava todos os alunos que frequentavam a escola. A escolaridade não era obrigatória, por isso os que cá estavam eram aqueles que queriam, aqueles que insistiram com os familiares, tal como eu que chorei e bradei para voltar para a escola e que, assim, aproveitavam ao máximo tudo aquilo que a escola tinha para oferecer. Também não havia a concorrência de outros meios para chegar determinado tipo de informação. Efetivamente, a escola tinha um papel privilegiado nessa época que presentemente não tem. Hoje ela tem fortes concorrentes, sobretudo do mundo audiovisual. Nesse tempo vivia-se verdadeiramente um espírito de gosto, de interesse e de motivação por aprender. Tudo e todos tinham a aprender e a ensinar e este foi o grande lema de Francisco Simões. Todos os colaboradores de cá de dentro, desde o senhor João, o antigo agricultor que cuidava da horta, grande
  99. 99. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 100 mestre e professor sem escolaridade, foi professor dos professores e de todos os alunos. Essa motivação fez com que todos os alunos se empenhassem em manter, em construir e criar a própria escola. Começamos por ter quatro salas e cinco turmas. Uma turma ficava sempre ao relento. Havia uma disputava entre as turmas para ver quem conquistava primeiramente o espaço de cada sala. Nas primeiras semanas nem cadeiras havia, apenas o teto e o abrigar do vento porque não havia imobiliário. Foi uma alegria enorme os carros chegarem com cadeiras e mesas. Nós ajudamos a descarregar o material e de seguida a montarmos as salas. São dias e memórias inesquecíveis. Depois, todo o percurso, dentro e fora da escola, motivado e muito trabalhado pelo professor Francisco Simões, professor da disciplina de desenho (hoje com a designação de EVT) que sempre nos ensinou e incentivou a enquadrar o contexto social em que estávamos inseridos. Lembro-me que uma das primeiras aulas foi subir até a zona do pico e, a partir do miradouro, tivemos de desenhar a planta da vila da Ribeira Brava porque ele defendia que a escola não podia estar desenraizada do seu meio. Esta iniciativa invulgar foi uma experiência nova para essa época. E neste espírito nasce o dia da Escola, o dia seis de maio, porque é o aniversário da fundação do Concelho da Ribeira Brava. Depois destas práticas surgiram tantos teóricos, pedagogos, livros e ensinamentos que nos vêm dizer que a escola deve estar em sintonia com o contexto social onde está inserida. Mas ele não dizia, fazia. E por essa razão saímos vila abaixo: decoramos paredes e aconteceram aulas em qualquer espaço, onde fossem possíveis as aprendizagens, quer sentados na esplanada
  100. 100. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 101 do café ou no adro da igreja, quer pintando as muralhas do mercado que as pessoas mais conhecedoras bem se recordam. Apesar de já ter sido demolido e restaurado, agora, o mercado já não apresenta qualquer vestígio dessas pinturas. Foi assim que também se fez da vila a Escola, pois qualquer meio é condição de possibilidade de aprendizagem. Quando Francisco Simões regressou à Ribeira Brava, passados muitos anos, o professor ficou muito chocado ao encontrar a escola rodeada por uma vedação enorme, o que contraria, naturalmente, o espírito de escola como continuidade com o meio social. Claro que as realidades são diferentes, a realidade social atual oferece outros perigos aos adolescentes e outras motivações que levou à colocação da cerca, mas, realmente, o espírito que se viveu na altura é qualquer coisa que deixa uma saudade enorme. Entrevistador: Pois, os agentes educativos é que fazem o espírito da escola apesar das adversidades. Neste contexto, a Escola Básica e Secundária Padre Manuel Álvares celebra, no dia 6 de maio de 2014, o seu quadragésimo aniversário, como professora, qual é para si o significado desta data? Pode referir algumas dificuldades e desafios da sua carreira profissional? Prof.ª Leontina: Sou realmente uma pessoa apaixonada pela história desta Escola e já o demonstrei em várias circunstâncias, nomeadamente quando exerci a função de presidente. Nessa altura tentei agregar os antigos alunos e, a partir de então, passámos a fazer do seis de maio a data do jantar das antigas “Gaivotas”. Nesse primeiro encontro marcou presença o Francisco Simões que se dignou vir à Madeira. No ano seguinte fazíamos vinte e cinco anos da existência da Escola e foi decidido assinalar essa data com um pequeno compêndio de algumas
  101. 101. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 102 memórias, com a colaboração de vários professores da altura e antigos alunos. Foi possível, grande parte com a participação do professor escultor Francisco Simões, compor um pequeno compêndio que realmente perdura até aos nossos dias e, algumas vezes, utilizado como objeto para agraciar quem nos visita. Fico um pouco desapontada por não ter havido mais iniciativas para perpetuar a memória dos melhores ambientes escolares, os verdadeiros ambientes escolares. Nos anos posteriores seguiu-se a destruição de muitos vestígios que marcavam e assinalavam os documentos vivos da história desta Escola. Hoje, entra-se na nossa Escola e ela parece uma escola igual a todas as outras porque se apagaram as pegadas, os elos e o espírito reinante nas primeiras “Gaivotas”. Ainda resistem duas frases nas fachadas da entrada devido ao esforço que fiz, há uns anos atrás, para que se mantivessem essas frases de Fernão Capelo Gaivota24 . Sobrevive alguns pequenos vestígios como o nome da Rua das Sombras e a Avenida das Gaivotas, mas a grande maioria das pinturas desapareceram e, infelizmente, o novo protótipo da Escola até quer apagar o nome Padre Manuel Álvares que, mais uma vez, visa suprimir os vestígios da cultura de uma determinada realidade. O Padre Manuel Álvares, filho ilustre desta terra, é uma grande figura da Língua Portuguesa, comparável aos grandes escritores como Luís de Camões, cuja obra se divulgou mundo além. E agora até se pretende ignorar 24 “Estão cegos? Não conseguirão ver? Não se aperceberão da glória que será quando aprendermos realmente a voar? Não me interessa o que eles pensam. Mostrar-lhes-ei o que é voar.” “Tu tens a liberdade de ser tu próprio, o teu verdadeiro eu, aqui e agora; nada se pode interpor no teu caminho. Essa é a lei da Grande Gaivota, a lei que é. - Queres dizer que posso voar? - Quero dizer que és livre?” (Richard Bach, Fernão Capelo Gaivota).
  102. 102. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 103 semelhante feito, apagando o seu nome de uma instituição tão importante numa comunidade como é a Escola. Para mim, o quadragésimo aniversário deve ser assinalado com toda a pompa e circunstância, não só por respeito à memória do passado mas, sobretudo, para reavivar determinados valores que possam tocar, sensibilizar e voltar a despertar o gosto pela Escola. Entrevistador: A Escola vive das suas referências, da sua história e identidade próprias. No ano passado foi apresentado o projeto de uma nova escola secundária. Parece que apenas os concelhos de Ribeira Brava e Porto Santo foram os únicos que não renovaram as escolas secundárias. Qual é a sua opinião sobre esta promessa? Prof.ª Leontina: Ora, uma escola nova! Não sei se será uma escola nova ou serão apenas paredes novas. Muitas vezes uma escola nova reporta-se apenas a salas, mesas e cadeiras novas. Eu sonhava, sempre sonhei que a Ribeira Brava voltaria a ser pioneira em termos escolares como já foi há quarenta anos atrás, com uma “Escola Nova”. Fomos exemplo para os pedagogos, fomos exemplo para os professores do ensino básico do continente, mais do que para os da Madeira, infelizmente. Fiquei um pouco dececionada por saber que a mudança passará pela renovação das paredes. Vamos continuar com a mesma circunstância de que existem disciplinas que vão ter de ser administradas, repetidamente, fora daqui, caso da Educação Física, colocando os alunos em situações desagradáveis como as situações de chuva e mau tempo, os perigos rodoviários, entre outros. Além disso, ainda não conheço o interior deste projeto, mas se se repetir o que tem vindo a acontecer com as últimas
  103. 103. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 104 construções escolares, esta será mais um copy e paste (copiar e colar) igual a tantos outros, sem qualquer caraterística que a diferencie. Gostaria que a minha escola tivesse capacidade para agregar os alunos num só turno, que não houvesse dois turnos a funcionar porque isso nunca produz bons efeitos. Não há medida nenhuma que o Ministério venha a implementar, que vá dar o fruto pretendido nas condições em que nós trabalhamos, numa escola a três turnos, onde a funcionária tem de controlar os espaços e esgueirar-se, durante cinco minutos, para poder fazer a limpeza ou poder arejar uma sala. Este é um dos vários problemas. A questão essencial é que a escola deveria disponibilizar uma oferta diversificada aos alunos e isso só é possível quando trabalhamos apenas num turno. Num segundo turno, os alunos escolheriam entre as diversas atividades extracurriculares aquelas que pretendiam frequentar sem qualquer tipo de constrangimento. O ideal seria conceber atividades para aqueles que têm mais limitações no processo de aprendizagem e outras iniciativas mais exigentes para aqueles que têm um ritmo de aprendizagem mais avançado. A Escola pode ser uma fonte de enriquecimento dentro dessa natureza, permitindo, essencialmente, que a equipa docente tivesse a possibilidade de ter momentos de trabalho interdisciplinar, pois, só assim se obtém os verdadeiros frutos no ensino. Este ensino compartimentado, esta dificuldade dos professores se reunirem e, sempre que o fazem, tem de ser em horários pós-laborais, traduz, de facto, a desmotivação e o prejuízo para a vida profissional de qualquer docente. Um professor que entre na escola às oito, com aulas na parte da manhã e na parte da tarde, e depois ainda tem uma reunião às dezanove ou às vinte
  104. 104. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 105 horas, evidentemente que a sua motivação para trabalhar é nula, antes pelo contrário, sente-se cansado e revoltado, como é óbvio. Assim, não vamos a lugar nenhum. Entrevistador: Muito interessante a sua visão da nova escola. Antes do imóvel urge promover um diálogo alargado sobre as ideias quem devem orientar a construção, a organização e a vida da Escola Secundária do concelho. Agora, no papel de presidente da escola, tendo presente a sua experiência, quais foram os aspetos mais relevantes? Prof.ª Leontina: Muito bem, a minha passagem pela direção desta Escola não foi uma experiência inédita, pois já tinha assumido funções no Conselho Diretivo da Escola Básica da Ponta do Sol. Mas, no caso concreto destes dois anos à frente desta Escola, o que mais me desagradou foi realmente o excesso de burocracia. Em muitos casos, o cargo de direção da escola cinge-se muito mais ao papel de um funcionário a executar tarefas burocráticas do que propriamente a assumir a função de direção, sobretudo nas circunstâncias em que a escola se encontrava: superlotada, na altura com quase dois mil alunos, com problemas disciplinares que se avizinhavam, desde então vividos com uma certa gravidade. Uma das coisas em que me empenhei, com o apoio do Conselho Pedagógico e outros meios, foi a implementação de um Regulamento Interno onde pudesse travar essa escalada de indisciplina, entretanto, barrado com a questão da legislação em termos gerais e com o Estatuto do Estudante. Certas coisas não foram possíveis de desenvolver e isso contrariou-me um pouco e desmotivou para continuar à frente da escola. Contribuiu também uma grande razão que foi o meu envolvimento num
  105. 105. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 106 outro projeto social, onde mais direta e facilmente consigo chegar às pessoas, sem tanta interposição burocrática, como é o caso do ensino em Portugal. Entrevistador: Portanto, a burocracia suga a energia vital das pessoas e das instituições. Uma escola viva e social exige disciplina e desburocratização por parte das direções. Rodando um pouco o ponteiro indagador, tem alguma ideia sobre o novo modelo de avaliação da classe docente? Prof.ª Leontina: Relativamente ao novo modelo, creio que é mais um modelo. Modelos perfeitos de avaliação julgo que não existem, mas este é mais um para preencher papel e mostrar à opinião pública que existe um modelo de avaliação. Não me sinto confortável a tecer algumas críticas porque também não tenho o modelo alternativo que me diga: deve ser desta ou daquela maneira com clareza, com exatidão, objetivamente. No entanto, penso que ele deveria ser sentido mais por dentro, que perpassasse o tecido escolar, e não devesse ficar à mercê, exclusivamente, de um professor para tecer a avaliação. Nesse processo deveriam constar, antes de mais, os dados recolhidos em Conselho de Turma, onde mais claramente se manifesta a dinâmica pedagógica que um professor implementa dentro de uma sala com os seus alunos, do que simplesmente uma avaliação assente num documento escrito, em linguagem pedagógica e didática muito correta, mas que no fundo pouco ou nada avalia. E assistir a uma ou duas aulas também poderá ser igual a quase nada, comparativamente à avaliação consciente do trabalho complexo do professor. Talvez fosse mais exequível e rigorosa uma grelha onde o professor fosse registando o seu processo de trabalho ao longo do ano com algumas metas,
  106. 106. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 107 uma ferramenta não excessivamente pormenorizada nem burocrática. O parecer deveria contemplar as informações dos outros colegas de grupo e dos Conselhos de Turma, que resultaria numa avaliação feita por uma equipa e não apenas a visão de uma pessoa. Acho que o modelo vigente, centrado num só avaliador e apoiado num documento descritivo ou em duas aulas assistidas deixa muito a desejar. Entrevistador: Na realidade parece um modelo de avaliação demasiado redutor, tanto na forma como no conteúdo. Avançando agora para o mundo da política, segundo julgo saber, também teve uma breve passagem por esta área da ação humana. Como agente política o que lhe apraz recordar sobre o centenário do concelho de Ribeira Brava25 ? Quais foram as transformações mais marcantes e o que nos deve fazer correr? Prof.ª Leontina: Como não consigo ficar parada, também fiz a experiência de participar de outra forma na sociedade, embora a docência também seja uma forma de contributo social. A política permite uma interferência mais direta na realidade social. Ao longo de quatro anos, um mandato, participei como vereadora, não a tempo inteiro, apenas com assento nas reuniões, mas que me deu realmente uma noção de como é que funciona a máquina por detrás daquilo que nós, munícipes, nos apercebemos da realidade. Não gostaria de detalhar pormenores dessa fase para não ferir suscetibilidades. E não dei continuidade por falta de perfil da minha pessoa para encaixar no sistema como estava montado. 25 O Concelho de Ribeira Brava foi criado a 6 de maio de 1914, graças às iniciativas do visconde Francisco Correia de Herédia (1852-1918).
  107. 107. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 108 Mas, olhando para o 6 de maio, eu vivo-o muito mais como professora do que como munícipe. O seis de maio é, efetivamente, o dia do concelho de Ribeira Brava mas, o dia mais celebrado pela população, é o dia de São Pedro, 29 de junho, e podíamos dizer que mais de sessenta por cento dos ribeirabravenses desconhece o que é que se celebra no dia de 6 de maio. Para quem foi aluna e professora desta Escola, o seis de maio ganhou uma força muito grande. Este entusiasmo vem provar, novamente, a atitude e a perspetiva do professor Francisco Simões de que a Escola não vive de costas viradas para a comunidade. Pelo contrário, transformou a vila da Ribeira Brava, a dinâmica do município na dinâmica própria da Escola, convergindo os dois polos na celebração da Nossa Festa. E aqui, mais uma vez, a Escola da Ribeira Brava, foi precursora em instituir o 6 de maio como seu dia, enquadrando-se nas raízes da comunidade onde está inserida. Foi assim que o seis de maio entrou na minha vida de uma forma indelével. Quanto ao centenário do concelho e às transformações ocorridas durante este século, é claro que muita coisa aconteceu e não apenas nesta parte da Ilha. Todas as transformações e melhorias de qualidade de vida que a Madeira assistiu, essencialmente, após o 25 de Abril de 1974, e neste caso, de forma particular no Concelho da Ribeira Brava, também se assiste a um desenvolvimento pouco harmonioso. Desenvolveu-se ou centralizou-se a atenção em determinados aspetos e negligenciou-se outros. Mas a sociedade é um todo. Eu concebo a sociedade como um ser vivo em que o desenvolvimento dos membros faz-se em simultâneo e, a Ribeira Brava, poderíamos dizer, que em termos culturais, ficou muito negligenciada, isto é, ficou muito pouco
  108. 108. Revista Descobrindo, Edição n.º 12 109 alimentada. Quem esteve à frente dos destinos deu mais comida a um filho do que a outro e, assim, um desenvolveu-se mais do que outro. Agora, temos uma realidade um pouco andrógena, com pernas e braços disformes, logo a necessidade do reajustamento. A atualidade impõe limar algumas assimetrias e valorizar todas as dimensões de uma sociedade. Essa valorização das dimensões de uma sociedade, às vezes, não envolve grande investimento financeiro. E em muitas situações, basta ter espírito aberto, recetividade, e desenvolver a cooperação entre os munícipes. Existem muitas pequenas coisas que fazem a diferença no desenvolvimento harmonioso de uma comunidade. Entrevistador: De facto, as decisões quando são demasiado estreitas depauperam e atrofiam a realidade social. Penso que ainda tem algum tempo para uma última pergunta. Outrora os jovens seguiam os exemplos dos mais adultos, hoje a grande inspiração parece emanar de inúmeras fontes, sobretudo as mais mediáticas. Ora, neste contexto, consegue indicar alguma obra (livro, personalidade, filme) que possa servir de referência para a malta mais jovem? Prof.ª Leontina: Eu costumo mostrar aos meus alunos três grandes livros que marcaram a minha formação. São livros pequenos, de fácil leitura e acessíveis a qualquer pessoa. Um deles inevitavelmente é o Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach. Foi o primeiro grande livro que me marcou e que contribuiu imenso para a minha personalidade: o não ficar quieta à espera que as coisas aconteçam é o espírito do Fernão Capelo Gaivota. Acho que ele deveria ser fortemente incentivado, divulgado e trabalhado nas escolas por que vem muito de

×