Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

PS MAIS FORTE, PORTUGAL COM MAIS COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL. NOVOS CAMINHOS DO VALE DO TEJO

2,568 views

Published on

XV - Congresso da Federação Distrital de Santarém
Moção Setorial

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

PS MAIS FORTE, PORTUGAL COM MAIS COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL. NOVOS CAMINHOS DO VALE DO TEJO

  1. 1. PS MAIS FORTE, PORTUGAL COM MAIS COESÃO ECONÓMICA E SOCIAL. NOVOS CAMINHOS DO VALE DO TEJOA presente Moção de Estratégia Regional é apresentada de forma sintética eassenta no sucesso da implementação de três linhas de ação fundamentais:1. Novas Políticas de desenvolvimento do território e afirmação económica e socialda Região no País;2. A ambição autárquica de conquistar as Câmaras Municipais de Santarém eTomar e de manter as restantes Câmaras Municipais do PS, no Distrito deSantarém;3. Modernização das Estruturas do PS e maior proximidade destas não só aosmilitantes, como também aos simpatizantes e aos cidadãos.Nesta Moção Política vamos concentrar a nossa atenção na 1ª linha de acção,acreditando que as restantes serão objeto de ampla análise e discussão e dasconclusões adequadas neste Congresso do PS.Vale do Tejo, enquanto região, pela sua centralidade no País, e forte eixo deacessibilidades rodoviárias, ferroviárias e fluviais, tem potencialidades dedesenvolvimento notáveis.A sua proximidade da Capital do País é também um ativo excecional, atuando todoo Vale do Tejo como um fator de diferenciação estratégico da nossa Região emrelação à Grande Área Metropolitana de Lisboa.Pela riqueza das suas culturas agrícolas, nos férteis campos da Lezíria e do MédioTejo.Pela diversidade gastronómica e patrimonial existente, valorizadoras do turismonatural e ativo.Pela tipologia da nossa indústria, caracterizada por sectores bastante dinâmicos ecompetitivos dentro do País e além-fronteiras (como sejam a agro-indústria,curtumes e peles, construção civil, madeira e mobiliário, metalomecânica, mineraisnão metálicos, entre outros).Pela diversidade de formação prestada pelas inúmeras Instituições, públicas eprivadas, ligadas à educação e ao Ensino Superior, existentes na nossa Região,geradora de mão-de-obra qualificada e altamente produtiva.Pela garra e determinação dos nossos empresários (aliada a uma AssociaçãoEmpresarial muito dinâmica), geradora de uma competitividade acrescida nosmercados globais, não obstante o predomínio da micro e da pequena empresa notecido empresarial regional, à semelhança do País. 1
  2. 2. O grande mal da nossa Região é o de que nunca se conseguiu conceber eimplementar uma estratégia de desenvolvimento sustentado própria. Porincapacidade política e porque nunca existiu a concertação de ações entre osagentes económicos e sociais, necessária para concretizar essa estratégia e paragarantirmos um bem-estar acrescido dos muitos de habitantes que aqui vivem.Para ganharmos mais peso e influência em Lisboa, a região do Vale do Tejo precisaassim, urgentemente, de um quadro de referência estratégico que potencie o seudesenvolvimento.Baseado no eixo diferenciador da nossa tipicidade de desenvolvimentorelativamente à Grande Área Metropolitana de Lisboa.Os municípios do Médio Tejo e da Lezíria do Tejo devem valorizar as suasespecificidades mas, simultaneamente, de cooperar entre si, aproveitando asvantagens comparativas de um espaço geográfico que goza de uma centralidadeúnica no País e de factores de competitividade, também, excecionais (boasacessibilidades, plano hidrológico e ambiental muito equilibrado e dinâmicaempresarial e social).Estamos convictos que a massa crítica existente na nossa Região vai abraçar estedesafio conjunto.Com a condicionante fundamental de que os habitantes da região só conseguirãovalorizar a sua identidade, no País e na Europa, com dimensão; com pesoqualitativo, que assuma como eixo o aproveitamento dos recursos naturais de quedispomos.Somos defensores de um modelo de desenvolvimento da região que crie duasredes, complementares, de valor acrescentado:  Uma primeira rede de desenvolvimento que agregue, com as especificidades e características distintas da Lezíria e do Médio Tejo, os Municípios do Vale do Tejo;  Uma segunda rede de desenvolvimento que se baseie, de forma mais abrangente, no fortalecimento das relações do Médio Tejo com o Centro Interior do País e da Lezíria do Tejo com o Oeste, Alentejo e a Grande Área de Lisboa.A centralidade da Região permite, através da valorização dos nossos recursos e daafirmação da nossa identidade, a criação destas duas redes complementares deactividades económicas e sociais.Acreditamos que, num futuro a médio prazo, o funcionamento e aproveitamentodestas redes permitirá aumentar a competitividade do Vale do Tejo e dos seusMunicípios, distinguindo-o no seio de uma Grande Região Maior que agrega todo oespaço geográfico acima referido. 2
  3. 3. Existem dois vectores de força deste quadro de referência estratégico:  Uma aposta clara na consolidação de uma economia de serviços, com especial ênfase para a área do turismo, potenciando também o sector primário e terciário (sectores estes onde possuímos vantagens comparativas notáveis e de fácil exploração);  Aproveitando a dinâmica empresarial da região, apostar na consolidação dos parques de negócio e localização empresarial na região, privilegiando, especificamente, três tipos de atividades: a agro-indústria, a indústria de produtos complementares aos sectores de maior valor acrescentado (componente tecnológica elevada) e agarrar o grande desafio das indústrias de ponta, reforçando a inovação e o conhecimento, como questões básicas de produtividade acrescida.Conjuntamente com a conclusão de um conjunto de equipamentos sociaisfundamentais para o bem-estar das populações (da educação e da ação social, dasaúde, segurança e dos transportes e comunicações), é nossa convicção, de queestaríamos no caminho certo para distinguir, na Grande Região de Lisboa, o eixo degrande qualidade de vida que pode representar todo o Vale do Tejo, associado aoOeste, no respeito do ambiente e do desenvolvimento sustentado.Acreditamos que, daqui, resultam também o emprego qualificado e a emancipaçãojovem, o combate à exclusão social, o direito à habitação e a uma vida condigna,princípios fundamentais e tão queridos ao Partido Socialista e a uma EsquerdaModerna e Próxima dos Cidadãos, como referido nos debates do ParlamentoEuropeu em Setembro de 2010.Para concretizar este projeto ambicioso precisamos de ter a consciência de quetodos os agentes políticos, económicos e sociais da região são contribuintes destaacção integradora das nossas complementaridades.Sem protagonismos e sem protagonistas.É este o nosso grande desafio conjunto.Potenciar a força do Vale do Tejo!Para afirmar o PS na Região e para afirmar a Região no País.Para construirmos um Portugal para além da austeridade. Que cresceeconomicamente e de forma competitiva. Um Portugal com coesão económica esocial, portanto mais justo e solidário.Para construirmos uma Europa que se afirma no Mundo, económica e socialmente,pela diversidade dos seus territórios, pela riqueza do seu património e pelaeducação, cultura e bem-estar das suas gentes. 3
  4. 4. Por um PS mais forte, junto das pessoas, na Região e no País.Por um Portugal melhor! Subscritores:Fernando Ramos, militante n.º 100512;José Gameiro, militante n.º 9081;Rita Gameiro, militante n.º 68270;Maria de la Salette, militante n.º131164;Fernando Pereira, militante n.º95512;Élia Figueiredo, militante n.º 121535;Fernando Domingos, militante n.º121605. 4

×