Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
(38) 3229-4600
gazetanortemineira.com.br
Montes Claros, terça-feira, 5 de Abril de 2016 Ano XVI | Nº 4.919
Assinatura e Re...
Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016
GAZETA NORTE MINEIRA
16 ANOS
gazetanortemineira.com.br2 Opinião
As criações intelectu...
Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016
GAZETA NORTE MINEIRA
16 ANOS
gazetanortemineira.com.br 3Política
Pé de galo dá sorte?...
Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016
GAZETA NORTE MINEIRA
16 ANOS
gazetanortemineira.com.br4 Cidade
CIANO MAGENTA AMARELO ...
Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016
GAZETA NORTE MINEIRA
16 ANOS
gazetanortemineira.com.br 5Cidade
Abertas as inscrições ...
Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016
GAZETA NORTE MINEIRA
16 ANOS
gazetanortemineira.com.br6
CIANO MAGENTA AMARELO PRETO 
...
Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016
GAZETA NORTE MINEIRA
16 ANOS
gazetanortemineira.com.br
CIANO MAGENTA AMARELO PRETO 
C...
Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016
GAZETA NORTE MINEIRA
16 ANOS
gazetanortemineira.com.br8 Segurança Pública
CIANO MAGEN...
Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016
GAZETA NORTE MINEIRA
16 ANOS
gazetanortemineira.com.br 9
CIANO MAGENTA AMARELO PRETO ...
Especialista alerta que estratégias de última hora não devem impactar eleitor nem garantir sucesso nas urnas
Especialista alerta que estratégias de última hora não devem impactar eleitor nem garantir sucesso nas urnas
Especialista alerta que estratégias de última hora não devem impactar eleitor nem garantir sucesso nas urnas
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Especialista alerta que estratégias de última hora não devem impactar eleitor nem garantir sucesso nas urnas

874 views

Published on

Matéria sobre os impactos da crise e da atual situação brasileira nas Eleições de 2016, com entrevista e opiniões do Prof. Nino Carvalho.

Gazeta Norte Mineira - 09 de Abril de 2016 - Seção "Empresarial".

Published in: Marketing
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Especialista alerta que estratégias de última hora não devem impactar eleitor nem garantir sucesso nas urnas

  1. 1. (38) 3229-4600 gazetanortemineira.com.br Montes Claros, terça-feira, 5 de Abril de 2016 Ano XVI | Nº 4.919 Assinatura e Relacionamento com o Assinante: (38) 3229-4626 | comercial@gazetanortemineira.com.br Departamento Comercial: (38) 3229-4613 | comercialgazeta@gazetanortemineira.com.br CIANO MAGENTA AMARELO PRETO  R$1,50 TheodomiroPaulino • SOCIAL12 Prefeito retalia moradores e anuncia casa de velórios O prefeito Ruy Muniz colocou em prática o seu lado revanchis- ta e decidiu retaliar os morado- res do Renascença: anunciou que construirá uma Casa de Velório e Centro Comunitário no local onde existia anteriormente o Posto de Saúde do bairro. Ele concedeu en- trevista ao programa Ronda Gera- es, da TV Geraes, quando explicou que as manifestações realizadas na sexta-feira foram organizadas por cinco adversários polí�ticos, e que o atendimento de saúde con- tinuará no Caic Renascença, que tem atualmente somente 300 alu- nos e com muito espaço para fun- cionar a unidade de saúde. A de- cisão do prefeito surpreendeu até mesmo sua assessoria. CIDADE 6 O prefeito Ruy Muniz decidiu comprar mais uma briga com a Igreja Católica, com o agravan- te de mais uma causa em defesa dos seus interesses: quer tomar grande parte da calçada da Igreja de São Marcelino Champagnat, no bairro Jardim Brasil, no Grande Santos Reis, para, com isso, am- pliar a rua Plí�nio Ribeiro, que dá acesso ao campus Amazonas da Funorte, e ao Hospital das Clí�ni- cas da Soebras. O padre Antônio Avilmar Souza, pároco da Paroquia São Francisco, que tem jurisdição no local, alertou aos moradores durante a missa celebrada na noi- te de domingo, de que uma nuvem negra ameaça a comunidade cató- lica do bairro. CIDADE 6 A frente da Igreja São Marcelino, desejada pelo prefeito GIRLENO ALENCAR Prefeito quer parte de Igreja para ampliar rua MP discute como devolver R$ 8 milhões de corrupção GIRLENO ALENCAR Os promotores Guilherme Roedel e Paulo Márcio O Ministério Público realiza hoje, às 13 horas, uma reunião com os prefeitos e lideranças de Cônego Marinho, Itacarambi, Patis e São João da Ponte, para discutir como aplicar oito dos R$ 10 mi- lhões devolvidos pelo empresário Marcos Vinicius Crispim, o Cor- by, acusado de atos de corrupção em obras nesses municí�pios. O promotor Paulo Márcio Dias, da Curadoria Regional do Patrimônio Público, coordena os trabalhos. Foi criada uma fundação para admi- nistrar os recursos. O municí�pio de São Romão, que fazia parte da lista, não será incluí�do nessa etapa. Des- de maio de 2015 que o Ministério Público articulou essa negociação. CIDADE 6 Servidora cumpre horário na porta de biblioteca A professora Maria Sônia Fa- gundes, de 58 anos, está passando por um constrangimento e assé- dio moral muito grande: cumpre o seu horário de trabalho na área externa da Biblioteca Municipal de Mato Verde, no Norte de Minas, pois, desde sexta-feira passada, quando retornou das férias prê- mios, encontrou o local fechado e ainda foi impedida de trabalhar em outro setor. Ela entrará com ação judicial, hoje, pois alega que está sendo ví�tima de perseguição polí�tica. A assessoria jurí�dica da Prefeitura de Mato Verde nega qualquer perseguição e afirma que ela corre risco de perder o emprego, por abandono de servi- ço. CIDADE 7 Fórum técnico mostra cultura de pires nas mãos O Encontro Regional do Fó- rum Técnico do Plano Estadual de Cultura, realizado em Montes Claros, mostrou a triste realidade do setor: a falta de recursos, o que deixa os agentes culturais sempre de pires nas mãos. O evento, reali- zado na manhã de ontem, para os 120 municí�pios do Norte de Minas e Baixo Jequitinhonha, atraiu ape- nas sete municí�pios no auditório da Associação dos Municí�pios da Á� rea Mineira da Sudene (Amams). E ainda mais grave: apenas o pre- feito Vinicius Versiane, de Patis, compareceu. Nenhum deputado do Norte de Minas compareceu e, com isso, as duas regiões perde- ram a oportunidade de apresentar seus pedidos. CIDADE 7 Diabéticos são orientados sobre corte de unhas Teve inicio ontem, em Mon- tes Claros, a Semana de Saúde organizada pelo Serviço Social do Comércio, que nesse ano, co- locou o diabetes como principal foco. Os portadores dessa doen- ça receberam várias instruções, principalmente de como devem cortar as unhas, por causa da doença e ainda da necessidade de fazer a hidratação. A popu- lação de forma geral recebeu orientações de como prevenir a doença. Porém, outros proble- mas foram abordados no even- to, como o combate ao mosquito Aedes aegypti e ainda a saúde bucal. A Semana da Saude pros- segue até o dia 8, com várias ati- vidades. CIDADE 7 Abertas as inscrições para o 3º Prêmio Sesi de Literatura Criado pelo Serviço Social da Indústria (Sesi) há três anos, o Prêmio SESI de Literatura incen- tiva o empresário e o trabalhador da indústria a soltar o seu talento literário e ainda concorrer a prê- mios. E já estão abertas as inscrições para a terceira edição do Prêmio SESI de Literatura. Podem parti- cipar trabalhadores da indústria e empresários do setor industrial e seus dependentes. A premiação é dividida em duas categorias: Prosa, para textos narrativos li- vres eVerso, para poesias. Além da premiação em dinheiro (1º Lugar: R$ 6.000 / 2º Lugar: R$ 4.000 / 3º Lugar: R$ 3.000 – Menção Honro- sa ENCEL: R$2.500,00) para cada categoria, os vencedores terão a oportunidade de ver seus textos publicados no livro “SESI Literatu- ra em Prosa e Verso”. CIDADE 5 Especialista alerta que estratégias de última hora não devem impactar eleitor nem garantir sucesso nas urnas EMPRESARIAL 9 2016, o ano do marketing eleitoral Acusado de pedofilia, ex- prefeito de Taiobeiras é capturado SEGURANÇA PÚBLICA 8 GIRLENO ALENCAR
  2. 2. Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016 GAZETA NORTE MINEIRA 16 ANOS gazetanortemineira.com.br2 Opinião As criações intelectuais publicadas neste jornal não podem ser utilizadas, reproduzidas, estocadas em banco de dados ou qualquer outro processo, sem autorização escrita dos titulares dos direitos autorais. Os textos assinados não refletem, necessariamente, a opinião do jornal e são de inteira responsabilidade de seus autores. Rua Juventino Gomes, n° 223 - Bairro Cidade Nova - CEP: 39400-483 - Montes Claros/MG (38) 3229-4600 www.gazetanortemineira.com.br DIRETOR Rafael Lopes Pereira EDITORA Vanessa Araújo COLABORADOR Valdemar Soares DIAGRAMADOR Maria Thereza Albuquerque Costa Redação: (38) 3229-4606 redacao@gazetanortemineira.com.br Publicidade: (38) 3229-4613 | Assinatura: (38) 3229-4626 Atendimento às agências: (38) 3229-4613 comercialgazeta@gazetanortemineira.com.br O ex-ministro da Educação Cid Gomes (PDT) protocolou na tarde desta sexta-feira (1°), na Câmara dos Deputados, um pedido de impe- achment do vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB). A denúncia cita seis ocasiões em que, na avaliação de Cid Gomes, Temer teria praticado crimes de responsabilidade, pessoalmente ou como presidentenacionaldoPMDB.Odocumentofundamentaopedidonas delações do ex-lí�der do governo no Senado, Delcí�dio do Amaral (sem partido-MS), e do doleiro Alberto Yousseff. “Há, em depoimentos, em delações premiadas, em testemunhos de diversos personagens da Operação Lava Jato, depoimentos que falam que o PMDB, através de seu presidente Michel Temer, negociou a ida de diretores para a Petro- brasequeessesdiretorestinhamcompromissoderepassarrecursos”, disse Gomes. Segundo ele, Temer também tem responsabilidade pelo envolvimento de membros do PMDB em escândalos de corrupção, já que ele preside o partido desde 2001. ‘Comícios’ no Planalto podem configurar crime Oscomí�ciosdeapoioàDilma,realizadosnoPaláciodoPlanalto,sob o pretexto de lançar programa social ou empossar ministros, podem configurar crime de improbidade administrativa. A Lei veda “vanta- gens indevidas” a agentes públicos, como o presidente da República, utilizando-sedeprópriospúblicos,comooPaláciodoPlanalto,eatédo trabalhodeservidores,comissionadosouatémesmoterceirizados.Os crimes, dos quais Dilma pode ser acusada, estão previstos nos artigos 9°,10e11daLeideImprobidadeAdministrativa,nº8.429/92.Segun- do a lei, o uso indevido da estrutura pública pode gerar a cassação dos direitos polí�ticos e o impeachment da presidente Dilma. Planalto não bota muita fé na lealdade de Renan O Palácio do Planalto não aposta um tostão furado na sinceridade das declarações do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB -AL), insinuando que não apoia o impeachment. Assessores descon- fiados, com acesso aos ouvidos de Dilma Rousseff, acham que Renan combinou o script com o vice Michel Temer, para, na “hora H”, dar as costas à presidente alegando o seu “dever de lealdade” ao partido. “Dependendo do interlocutor”, diz um aspone com sala no 3º andar do Planalto, Renan anima ou desaponta quem é a favor ou contra Dilma. Após receber a oposição, dias atrás, Renan afirmou que o Senado não mudaria eventual decisão dos deputados, aprovando o impeachment. Manifestantes desaprovam visita de Lula à Fortaleza Com bandeiras e roupas nas cores verde e amarela, apitos e bu- zinas, manifestantes ocuparam, no fim da tarde, a Praça Portugal, no bairro Aldeota, em Fortaleza, para protestar contra o PT e em repúdio à visita do ex-presidente Lula à capital cearense, que participou de um ato, pela manhã, na Praça do Ferreira, no centro. Um boneco represen- tandoapresidenteDilmaRousseffeoutrodoex-presidenteLulaforam inflados pelos manifestantes, na parte central da praça. As palavras de ordem e o barulho dos apitos se juntaram com o barulho de buzinas de carros cujos condutores apoiavam a manifestação. “Nós não repu- diamossóavindadele[Lula]aoCeará.Nósrepudiamosogovernoque elefez”,disseadonadecasa,Lí�giaPassos,umadaspessoasquepartici- param da manifestação. No cartaz que ela segurava, havia uma foto de Lula e a frase: “A pior praga do Brasil”. No mesmo tom, outros cartazes e faixas estavam fixados na praça. AGU ameaça revista que trouxe a público problema psi- quiátrico de Dilma O Palácio do Planalto informou que a Advocacia-Geral da União (AGU) acionará o Ministério da Justiça para que deter- mine a abertura de inquérito, a fim de apurar “crime de ofensa contra a honra da presidenta Dilma Rousseff”, supostamente cometido pela revista ‘IstoÉ� ’. Em uma reportagem na edição desta semana, a revista diz que a presidente “está fora de si” e com “problemas emocionais” e tem tomado remédio contra esquizofrenia. O chefe da AGU, José Eduardo Cardozo, é citado como uma das ví�timas das grosserias e destempero de Dilma. A irritação, neste caso, derivou das revelações feitas pelo empre- sário Ricardo Pessoa, da UTC, sobre as doações a sua campanha à reeleição em 2014. Participaram dessa reunião convocada pela presidente, além de Cardozo, os ministros Aloizio Merca- dante, Edinho Silva e o assessor especial Giles Azevedo. Setores do PT avaliam propor novas eleições gerais Segundo fontes do Planalto e do PT, o processo seria lidera- do pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na condição de ministro da Casa Civil, e passaria por um entendimento com setores da oposição. A ideia de Dilma enviar ao Congresso um projeto para abreviar seu mandato e convocar novas eleições para presidente, deputados e senadores voltou a ganhar for- ça entre setores do PT e do governo. Aliados da presidente consideram um novo pleito como uma alternativa viável pela retomada da estabilidade. “Do jeito que está, ninguém ganha”, argumentou um parlamentar. A ferramenta legal para convocar novas eleições seria uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) de iniciativa do Executivo que precisa de aprovação do Congresso. Al- gumas lideranças petistas sugerem que Dilma apresente a PEC em al- gum momento entre a decisão da Comissão Especial do impeachment e a votação do afastamento na Câmara. A proposta não foi bem vista no Planalto por passar a impressão de que Dilma entregou os pontos. Pedido de impeachment de Temer é protocolado na Câmara Temer também teria praticado crimes de responsabilidade DIVULGAÇÃ�O Pô, gente. Um apezinho de estrume no Guarujá mais um sitiozinho idem e um par de pedalinhos de estrume? Que mesquinharia! Quanto vale esse estrumezinho todo? U$ 1 milhão? U$ 2 milhões? U$ 10 milhões? Dividam isso aí� por 200 milhões de brasilei- ros e por 8 anos. Não é nada. Centavos. E vocês ficam se escandalizando com isso? Pa- ram o paí�s por uma merreca dessas? Onde é que vocês es- tão com a cabeça? No fundo é isso aí� o que di- zem/pensam os defensores do regime. Pois bem: ou são idiotas completos ou acham que nós é que somos. Digamos que um sujeito é pago pra administrar uma companhia aérea. Os aviões estão envelhecendo. Preci- sam de mais reparos, manu- tenção, peças novas. Alguns já precisam ser trocados. A companhia é rentável. Tem dinheiro em caixa. E o administrador faz o orça- mento disso tudo. Mas ele também conhece gente que trabalha com aviões. Eles não mexem na mecânica, mas fazem assentos. Os da companhia não precisam ser trocados, mas o conhecido oferece uma porcentagem para trocar todos os de todos os aviões da companhia. Ob- viamente por um preço aci- ma do mercado. O adminis- trador topa e usa a grana que serviria para reparar, diga- mos, os lemes. Ninguém nota nem reclama. E há até quem gosta dos novos assentos. … Tudo isso é destruí�do junto com os indiví�duos. E a companhia aérea poderia ter auxiliado todos eles e po- deria ter sido uma peça im- portante na realização disso tudo… E assim a coisa continua, com toda a grana da manu- tenção, reparo, trocas, novos aviões, sendo usada para obras cosméticas e desne- cessárias. Talvez um piloto ou outro, algum comissário de bordo etc. comece a se preocupar. Isso se resolve com aumen- tos de salário, acordos com o sindicato etc. Aí� os aviões começam a cair um depois do outro. Além disso, num dos voos fatais estava metade das te- las de Caravaggio sendo tra- zidas para uma exposição. Um outro acidente mata todo pessoal do principal con- gresso de oncologia. Famí�- lias, firmas, projetos, obras existentes ou futuras, ideias, investimentos, novos remé- dios e tratamentos etc. Tudo isso é destruí�do junto com os indiví�duos. E a companhia aérea poderia ter auxiliado todos eles e poderia ter sido uma peça importante na rea- lização disso tudo. Há, enfim, um prejuí�zo calculável em bi- lhões ou trilhões e mais ou- tro incalculável. O que pensar do adminis- trador responsável por tudo isso, se ele causou esse preju- í�zo inteiro em troca de um si- tiozinho de estrume com dois pedalinhos e de um apezinho de praia idem? Chamamos isso de corrup- ção por falta de um termo pre- cisoeadequado.Mascabemui- ta coisa nesse trissí�labo. O Que é a Corrupção Vendas em queda e a previsão não é boa! JAQUES GRINBERG Coach Financeiro Vendas em queda, empre- sas fechando, empresários endividados e um paí�s sem expectativas de mudanças no cenário econômico. Estamos vivenciando uma situação que os jovens desconheciam, algo novo para os universitá- rios por exemplo – eles não sabem o que é crise. É� como explicar para uma criança que antigamente existia uma máquina que ao digitar o texto já saia no papel auto- maticamente, sem precisar mandar imprimir (chama-se máquina de escrever). Asvendascaemeodesem- prego aumenta ou as vendas caem por causa do aumento do desemprego? Sim, o de- semprego é um dos princi- pais fatores que fazem as vendas caí�rem, sem empre- go, as pessoas economizam. As restrições aumentam, os créditos ficam mais difí�ceis por causa dos riscos e as em- presas precisam inovar para continuar vendendo. Inovar quer dizer traba- lhar mais? Também! Inovar é fazer diferente para fazer a diferença. Se você continuar fazendo as mesmas coisas com o mesmo foco, em um momento de crise, o resul- tado será menor. É� preciso fazer mais para aumentar ou manter os resultados em vendas. E muitos empresários co- metem um grande erro, na momento de corte de despe- sas, dispensam vendedores por causa dos salários altos que muitas vezes são de co- missões. E as comissões são resultados em vendas, então, imagine ficar sem estes re- sultados? Agora, sete dicas podero- sas para maximizar as ven- das até na crise: 1ª Trabalhe mais, não em horas, mas sim com foco, persistência e dedicação. 2ª Organize-se e faça um planejamento estratégico de vendas. 3ª Mantenha uma equipe preparada e motivada para render mais. Lembre-se, a desmotivação do gestor re- flete nos resultados da equi- pe. 4ª O que você nunca fez e que pode fazer agora para potencializar os resultados? 5ª Guerra de preços ofere- cendo descontos jamais! Ofe- reça soluções para os seus clientes e o preço não será o problema. 6ª Ofereça um atendimen- to gourmet, um atendimento diferenciado para fidelizar clientes e aumentar o ticket médio por venda. 7ª Faça perguntas que vendem, técnica do coaching de vendas, para conhecer o cliente, levantar as suas ne- cessidades e desenvolver ar- gumentações eficazes. E se você acha que a crise realmente é culpada de tudo, eu deixo uma pergunta de coaching para sua reflexão: existe alguma empresa do seu segmento no Brasil ga- nhando dinheiro na crise? Se a resposta for sim, o proble- ma não é só a crise, é falta de inovar. Com certeza essa em- presa que está ganhando di- nheiro e vendendo o mesmo que você vende, faz algo dife- rente para fazer a diferença. Pense nisso! Nelson Archer Jornalista e Crí�tico Literário Carta aos considerados MARLI GONÇALVES Jornalista Escrevo porque considero muito os meus considerados. E vi muitos deles postando ima- gens de dentro da manifestação em que se vestiu vermelho e, portanto, em apoio ao atual go- verno. Se for o seu caso e estiver lendo esta, saiba do meu respei- to – não deve estar nada fácil se manter neste apoio, dia após dia. Mas não me chame nem de longe, nem em pensamento, de golpista. E também não vire sua cara comigo, que daqui a pouco, todos juntos, espero: vamos rir muito de tudo isso Estamos respirando polí�tica. E polí�tica aqui no Brasil não é muito saudável, cheirosa, nem oxigenada, muito menos confiá- vel.Momentotenso,muitotenso, desequilibrado mesmo. Bambo- lê. Até aqui creio que todos con- cordamos. É� o mí�nimo. Isso dito,deixoclaroquetam- bém quero ver o Eduardo Cunha pelas costas, e que é um absurdo ser ele o condutor do processo de impeachment. Mas está lá. A mesma Justiça que bate em Luiz, baterá um dia talvez quem sabe logo logo nele. Mas ainda não bateu. Não consigo digerir o es- gar irônico de Renan Calheiros. E, cá entre nós, o que é o Aécio? Que é aquilo? Onde foi que ele se perdeu dessa forma? Só fala coisas óbvias, repetitivas, como se ensacasse vento, trêmulo, sem convicção. Ficaria páginas listando alguns outros que se revezam diante de nós nos noti- ciários. Pauderney. Pauderney! Sibá.Obisonhoirmãoparabaixo do Genoí�no, da triste lembrança dos dólares na cueca. Caiado. Bolsonaro. Jaquinho, o baiano, o que diz que quer ser até carrega- dor, atarracado no saco do chefe. Tem coisa mais degradante do que a subserviência? O “rapaz”, como chamado nos telefonemas, o Cardozo, que algo me diz estar em intensas manobras. O tenso Mercadante aloprado trapalhão. A lista é gigantesca. Mas, meu considerado, por favor! Não fica aí� batendo pé, fazendo biquinho, mimimi, repe- tindobordõesefalsidadessenão estiver muito ligado, ganhando, ou ainda se for mesmo um apai- xonado ainda não desiludido (ainda, né?). Se está aí� acreditan- do até que deram Metrô grátis para os que protestaram contra o Governo, e você bem sabe que isso não aconteceu, mas conti- nua no transe do social-golpe- direita-esquerda-etc, posso fazer o quê? Adianta mostrar fotos de como teve, sim, trabalhadores de vermelho na manifestação, e também nas faces, rubras, sim, mas por receber dinheiros, caro- na, uma camiseta e bandeirinha? Promessa de shows. Aliás, show- mí�cio. Ó� bvio que achei o horror a tal lista de artistas para serem boicotados, assim como, por outro lado, achei o horror a lista negra que foi feita de jornalistas que batem no Governo. Acho simplesmente ridí�cula essa coi- sa boba contra a TV Globo – até parecequeétudoporcausadela, ou da Veja! – e os argumentos de vir comparar a corrupção quase trilionáriaquenosassolaacami- setas da Seleção, tirar o pirulito da criança, pisar na grama, não dar esmola e ter babá. Ridí�culo, gente, arrumem coisa melhor. O que vocês chamam de coxi- nhas e outras palavras mais pe- sadas que paneladas se trata de todo um mundo com pressa de olharofuturo,virarapágina,vol- tar a falar de outras coisas como esperança, parar de passar dias comnósnoestômago,amargado com as notí�cias que não param de chegar. Com as coisas que não param de subir. Com os sonhos adiados como castelo de cartas. Com as dificuldades e falta de as- sistência. Com a paradeira geral e o soluço dos desempregados, endividados. São os verdadeiros estarrecidos esses que se movi- mentam confusamente em ver- de e amarelo. São seus amigos, poupe-se de destratá-los. Sou eu, seu vizinho, seu cliente, seu aluno, seu professor. Não são fascistas. Fascista é a …! Claro, primeiro, se aprender a escrever certo para xingar, o que é raro, rarí�ssimo. Quem protesta? Quem está sentindo na pele. No geral, gente que quer que essa polí�tica que tanto envolve vocês em brigui- nhasdelécomcrésimplesmente exploda,boom, daí� o rancor. São alguns dos milhões de desem- pregados. Gente que não está podendo suportar mais o desgo- verno, o governo malfeito, trapa- lhão, despreparado. É� de baixo a cima.É� total,estásempénemca- beça, sem projeto, sem ministros (?!?) sérios, tudo negociado, sem açõespositivas,comascasasque dá, caindo, enquanto se constro- em arranjos de sí�tios e triplex. Estradas parecendo campos de guerra. Um mosquito faz zuei- ra e espalha o terror. O conceito cidadão é desvirtuado, trocado por apupos. As obras paradas, as cidades se deteriorando a olhos vistos. Querem o quê? Aparece um candidato a imperador romano tentando atrapalhar as investi- gações – e, portanto, assinando com firma reconhecida a culpa no cartório. Com a mesma cane- ta, assina, promovido a ministro. Uma esculhambação geral, Casa da Mãe Joana – se já era esqui- sito ter um presidente dentro e um fora, dois dentro só pode ter sido ideia de um gênio do Mal, coisa que grassa nesse governo que confunde o tempo inteiro o Estado com as suas gavetas de roupas í�ntimas, quer usar a nos- sa escova de dentes. Vocês não podem não estar vendo isso. Eles, esses que batem no pei- to se agarrando no galho, muda- ram; talvez, se você for jovem, não saiba, mas eles mudaram muito do tempo quando apare- ceram com propostas de mudan- ças,eeutambémosapoiei.Agora estão sambando na corda bamba porque temem apenas deixar o Poder no qual se atarracaram para sugar tal qual carrapatos. Olha bem. Perceba que a situa- ção chegou a um ponto insusten- tável. Deixaram digitais em todos os lugares, que são muitos, e que se encontram numa pororoca que estourou foi o paí�s de nós todos. A proposta é #vamosnosu- niroparanaotergolpenenhum. Bandeira branca, amor. Quer ficar nessa, fica, mas repito, sem me virar a cara nem torcer o nariz que daqui estou só assistindo. Mas uma hora vocês precisarão trocar de lí�deres se quiserem voltar a ser respeita- dos.Essesaí�têmpésdebarro,ea água já passou da canela. Nós, juntos, precisaremos encon- trar novos homens de bem, de bem mesmo, se é que me entendem. Digo o mesmo aos exaltados do lado de cá: pa- rem de ignorâncias, por favor, querer atear fogo na caldeira e se mostrando piores do que o que combatem. Sejam mais razoáveis, que os fatos já são bem claros, não precisam sa- livar. Considerado, usando uma expressão cativada pelo que- rido Moacir Japiassu, que a todos chamava de conside- rado. Considerado é uma da- quelas palavras completas em sentido, gorda de signifi- cados. Considerado, considere con- siderar que todos nós temos al- guma boa dose de razão. Sem mais, cordialmente, eu juro, um forte abraço,
  3. 3. Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016 GAZETA NORTE MINEIRA 16 ANOS gazetanortemineira.com.br 3Política Pé de galo dá sorte? Agora mesmo é que vi a coisa feder, de uma vez por todas... Es- pia só: um grande polí�tico está circulando pelas ruas da cidade e, pela câmara, com um chaveiro no mí�nimo feio e inusitado... É� um pé de galinha, e ele jura que um dia aquele pé sustentou um galo... As unhas estão ainda com esmalte rosa, o que leva a crer que o galo erameiogalinhaoumetrossexual, e que tem um nominho engraça- do que eu esqueci agora... Mas ele disse que é para dar sorte, mas todos estão apostando que é um galinho excessivamente alegre e quenãoofendeninguémmesmo... Acrendicepopular,acadadia,fica mais doidona... Se desse sorte, o galo ainda estava pé, né? Falta merenda na escola do Estado por cá Espia só, seu menino... Na pressa de tentar ajudar as crian- ças,euouvionobrepresidentedi- zer que as crianças estavam com um bilhetinho para que todos le- vassem merenda, pois não tinha nadica de nada para comer, a não ser um tiquinho de bolacha e ksu- quinho... Até aí� está tudo certinho, o nome da escola é Augusta Vale e também está correto... O que está equivocado é que a escola não é Municipal, nesse caso, não tem culpa de nadica de nada e mere- ce que Cotoquinho e eu peçamos desculpas pela falha, que não po- dia ter acontecido. No municí�pio tem tido muita comida para as crianças... Tenho que observar melhor da próxima vez, viu? O que é loteamento político? Eu não estou falando, seu me- nino... Eu já falei e vou repetir: eu vou ter que proibir o meu ami- guinho malinha, que atende pelo nominho de Cotoquinho, de ficar assistindo a TV Câmara, pois tem alguns edis que não falam uma linguagem simplesinha, a qual ele pode entender... Por exemplo: alguém sabe me dizer o que é realmente ‘loteamento polí�tico’? Quanto custa um lote desses? Ou isso é apenas uma forma de falar? Ai... Ai... Ai... Eu não consigo mais aguentar os pití�s desse menino, que está ficando chato... Eu quero pedir aos nobres vereadores que não façam mais isso, quando fa- larem de alguma coisa, que falem no sentido literal, aquele que Co- toco possa entender, viu? Testinho ou historinha cretininha xonadinha Pois muito que bem, minha gente mais doce do que doce de abóbora doce... Uai, a abóbora é minha e pronto... Eu, nesse mo- mento, estou deixando de lado todas as notí�cias meio que tristes eestoupartindoparaonossobes- teirol,queémaischiquedoquefi- carouvindolamuriasdaoposição, que vive chorando as pitangas que nunca plantaram. Entra um casal no elevador e o ascensorista, sem querer, solta um tremendo peido fedorento... O cara olha com raiva, para o me- nino e sapeca: “como você pode fazer uma coisa dessas, seu ma- landro,enafrentedaminhaespo- sa... Tu não tens vergonha não?” O menino responde ligeirinho: “desculpesenhor...Seeusoubesse que era a vez dela peidar, eu bem que podia esperar...” Cruz credo... Que doido, sô... Asfalto farinha continua por cá? Eita, que cada discurso muda de acordo com o amor que sente pelo homem forte do Paço... Eu vou explicar, para que tu possas entender direitinho, caso não entendas, eu vou pedir ao mago das artes plásticas, o internacio- nal Márcio Leite, para desenhar, e assim, tu entenderas... Na ad- ministração passada, tinha um edil que vivia miudando o pau do homem forte do Paço da época, e o acusava de fazer asfalto farinha, que desmanchava com a chuva. Aí� o tempo passou e mudou o comando da cidade, e o asfalto farinha continua em larga escala, mas, agora, ele não fala nada. E tem outro denunciando? Ué, só muda nome! Os discursos são os mesmos? Ué, querem agora passagem de graça para desempregado? Espia só, minha gente mais que biita: todos vocês sabem que estou igual cadeado, fechadinho com todos vocês, e estou ao lado dos nossos irmãozinhos brazu- quinhas... Mas também, sou a fa- vor de quem produz e de quem luta para sobreviver... Espia só: dar passagem de lotação para os idosos, meia passagem para es- tudantes e deficientes está certo, está certí�ssimo, e é mais do que justo...Mas,agora,quererdarpas- sagem de graça para quem per- deu o emprego é um tiquinho de- mais...Euseiqueodesempregado tem que sair para caçar emprego, mas e o seguro desemprego serve exatamenteparaisso...Semabuso né, gente?! Xô! Médicos terão que fazer provas igual a OAB Há! Há! Há! Agora que eu que- ro ver o que as faculdades estão ensinando de verdade... E estou dizendo isso com referência às faculdades de medicina, que es- tão formando médicos a rodo, aos quilos, iguais às de jornalis- mo, sem nenhum critério, e os formandos saem de lá sem saber exatamentecomoéqueconsegui- ram o diploma... Agora foi criada uma norma federal, que a partir do ano que vem, todos os forman- dosdemedicinaterãoqueobriga- toriamente fazer uma prova igual adaOAB,parapoderexercer,caso contrário, terão que voltar para cursinho e estudar... Está certo... E já deveriam ter essa exigência há muitos anos... Teria salvado vidas! Ué, cadê a exigência do desfibrilador? Há muitos anos atrás a House do Povo, que é conhecida mun- dialmente como Câmara Munici- pal, tinha uma guerreira edil, que erapauparatodaobraenãotinha medo de nada, e tinha uma visão polí�tica muito acima da média. Estou falando de Fátima Pereira, que sempre tinha um discurso forte e apresentava projetos le- gais e aplicáveis para melhorar as condições de vida de todos nós, brazuquinhas... Ela conseguiu que fosse aprovado um proje- to que obriga ter um desfibri- lador, e uma pessoa que saiba manejá-lo, em locais onde ti- ver mais de mil pessoas... Eu não estou vendo essa lei ser aplicada e, um dia desses, uma estudante passou mal, não ti- nha um, e ela se foi. Montei no Porco Pois muito que bem, minha gente adocicada feito doce de jiló... Nesse momento, eu es- tou picando a mula, capando o gato, caindo no capinado e deitando o cabelo, enfim, tudo isso para te dizer que estou indo embora mesmo, e só vol- to amanhã, se Deus quiser... E não adianta fazer pirraça ou macaquice, que não estarei por perto para te acudir de jeito maneira nenhuma. E, por favor, lembre-se: “Em Cristo, somos mais do que vence- dores”. Bí�blia Sagrada... Para pensar mesmo... O Fuso do dia é – Os res- ponsáveis pela polí�tica de in- centivo do homem do campo... Mas não estou falando dos ile- gais e famigerados MST não... Esses são terroristas urbanos de menor potencial... Os tra- balhadores de verdade e que produzem... Estão completa- mente abandonados... Oh dó, tadinhos... Xô, coisa ruim... Fora! O Xonado do dia é – A equipe de assessores do mais combativo edil da House do Povo, conhecida mundialmen- te como Câmara Municipal, Gera do Chica... São meninas joiadas, inteligentes, educa- das e, sem contar, que nos recebem magistralmente bem e com um chazinho da hora... Sucesso, nobres e biitas guer- reiras... Fui! Última A presidente Dilma Rousse- ff enfrenta graves problemas emocionais, com explosões de destempero e irritação e, inclusi- ve, é medicada com Olanzapina, remédiotarjapretacontraesqui- zofrenia. A revelação é da revista semanal ‘Isto É�’, em reportagem de Sérgio Pardellas e Débora Bergamasco. Leia a í�ntegra da reportagem: Os últimos dias no Planalto têm sido marcados por momentos de extrema tensão e absoluta desordem, com uma presidente da República domi- nada por sucessivas explosões nervosas, quando, além de des- tempero, exibe total desconexão com a realidade do Paí�s. Não bastassem as crises moral, polí�- tica e econômica, Dilma Rousseff perdeu também as condições emocionais para conduzir o go- verno. Assessores palacianos, mesmo os já acostumados com a descompostura presidencial, andam aturdidos com o seu comportamento, às vésperas da votação do impeachment, pelo Congresso. Segundo relatos, a mandatária está irascí�vel, fora de si e mais agressiva do que nun- ca. Lembra o Lula dos grampos em seus impropérios. Na última semana, a presidente mandou eliminar jornais e revistas do seu gabinete. Agora, contenta- se com o clipping resumido por um de seus subordinados. Mes- mo assim, dispara palavrões aos borbotões, a cada nova e frequente má notí�cia recebida. Por isso, os mais próximos da presidente têm evitado tecer co- mentários sobre a evolução do processo de impeachment. Nem com Lula as conversas têm sido amenas. Num de seus acessos recentes, Dilma reclamou dos que classificou de “traido- res” e prometeu “vingança”. Numa conversa com um as- sessor, na semana passada, a presidente investiu pesado contra o juiz Sérgio Moro, da Lava Jato. “Quem esse meni- no pensa que é? Um dia ele ainda vai pagar pelo quem vem fazendo”, disse. Há duas semanas, ao receber a infor- mação da chamada “delação definitiva” em negociação por executivos da Odebrecht, Dilma teria, segundo o teste- munho de um integrante do primeiro escalão do governo, avariado um móvel de seu ga- binete, depois de emitir uma série de xingamentos. Para tentar aplacar as crises, cada vez mais recorrentes, a presi- dente tem sido medicada com dois remédios ministrados a ela desde a eclosão do seu pro- cesso de afastamento: rivotril e olanzapina, este último, usado para esquizofrenia, mas com efeito calmante. A medicação nem sempre apresenta eficácia, como é possí�vel notar. ‘Isto É’ revela que Dilma toma remédio contra esquizofrenia Parlamentar denuncia: moradores da Vila Atlântida II sofrem com abandono do poder público “Como boa parte dos PSF da cidade, este funciona em uma casa alugada, de forma improvisada, longe do ideal, e sequer atende às normas básicas para uma estrutura com esses fins” Valdemar Soares Em seu papel de fiscalizador dos serviços públicos e investi- mentos do Poder Executivo, o vereador, professor André Ri- cardo (PPS), deu seguimento a uma demanda que recebeu, em seu gabinete, sobre os serviços da saúde no bairro Vila Atlânti- da II. Pessoalmente, na unidade do Jatobá, os rostos cansados e oprimidos do povo, que aguar- dava um atendimento médico no local, já diziam muito ao par- lamentar. Bem recebido pelos funcionários da unidade, André externou as reclamações que chegaram ao seu gabinete, jun- to à coordenadora da unidade, e confirmou as demandas: os moradores ficaram cerca de 10 diassemmédico.Adoutora,que atendia na unidade, teria sido aprovada em um concurso e se afastou. Um médico, então, foi contratado para trabalhar em seu lugar, mas só atenderá duas vezes por semana no PSF, o que nãoseráosuficienteparacobrir a demanda da sua antecesso- ra, que atendia todos os dias. O Lixo biológico é outra cobrança. A unidade precisa de uma cole- ta desse material. Atualmente os materiais contaminados têm sido estocados, e só depois, são encaminhados à outra unidade, para serem coletados. O parlamentar disse ainda que: “a falta de estrutura está entre as principais carências do lugar. Como boa parte dos PSF dacidade,estefuncionaemuma casa alugada, de forma improvi- sada, longe do ideal, e sequer atende as normas básicas para uma estrutura com esses fins”. Ao concluir, disse ainda que: “ao chegar naquela unidade, logo se percebe o tanque em são feitos os procedimentos de higiene e esterilização. Segundo infor- mações, o municí�pio vive um problema com número de cotas de exames matematicamen- te difí�cil, pois são 100 cotas de exames para 140 unidades de saúde desse tipo”. O parlamen- tar colheu todas as demandas e já encaminhou ofí�cios para le- vantar todas as demais realida- des e solicitar providências da secretaria de saúde. “Indepen- dentedequalsejaoargumento, ofatoéqueasaúdeéumdireito do povo e o Executivo tem que garanti-la a todos. Não pode fal- tar o médico e nem os exames”, finalizou André Ricardo. ASCOM/ CÂ� MARA Vereador defende programa estruturador com ações de combate às drogas O presidente da Comissão de Segurança Pública, da As- sembleia Legislativa de Minas Gerais, Sargento Rodrigues (PDT), reforçou a gravidade do problemadasdrogasnoEstado, constatada nas 20 audiências públicasrealizadasnasdiversas regiões do Estado, no ano pas- sado. O parlamentar defendeu que a Assembleia apresentasse um programa estruturador na revisão do Plano Plurianual de Ação Governamental (PPAG), voltado para essa situação com foco, sobretudo, no atendimen- to ao usuário de drogas. “A me- dida teria um caráter curativo, uma vez que a prevenção viria por meio de outras ações, como o incentivo ao esporte, por exemplo”, argumentou. Para o vereador Idelfonso Araújo (PMDB), que milita na área da saúde, o fortalecimen- to da ação preventiva é mesmo necessário. Além dos investi- mentos na área de esporte, ele acrescentou a escola em tempo integral, que funcione de verda- deenãocomosproblemasveri- ficados em Montes Claros, além do acompanhamento das famí�- lias vulnerabilizadas. O verea- dor peemedebista manifestou a esperança de que o diagnóstico colhidonapreparaçãodofórum contribua para a superação da violência. O parlamentar muni- cipal disse ainda que, é necessá- rio maior apoio aos municí�pios, para que se concretize o suces- so das polí�ticas de segurança pública já que, segundo ele, o problema das drogas hoje, no Brasil,édecompetênciadetoda sociedade, além de ser um pro- blema grave de saúde pública; “se não houver uma união e um enfrentamento direto de todos os setores, o problema não será jamais resolvido, já que muitas famí�lias estão sendo destruí�- das. No momento em que um adolescente entra para o mun- do das drogas, ele não acaba somente com sua vida, mas sim de toda famí�lia que passa por um processo desagregador cruel. Por isso é preciso a união de todos, pois droga, hoje, na vida dos jovens em geral, não é um problema unicamente po- licial, mas social”. Ao finalizar, Idelfonso elogiou a postura da Assembleia Legislativa, princi- palmente da Comissão de se- gurança pública, que resolveu atacar o problema de frente, não momentaneamente e, que o mesmo deve ser feito pelas Câmaras Municipais de todo Estado já que o problema das drogas não são privilégios das grandes cidades, mas problema generalizado, concluiu. Gestor do SUS apresentará dados e gastos do sistema em MG A Comissão de Saúde da As- sembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) recebeu, em reunião extraordinária, o secre- tário de Estado de Saúde de Mi- nas Gerais, Fausto Pereira dos Santos. O objetivo do encontro foi ouvir do gestor informações sobre o desempenho financei- ro e orçamentário da Secreta- ria de Estado de Saúde (SES), no terceiro quadrimestre de 2015 e, também, colher dados sobre o desenvolvimento e a execução dos programas e ini- ciativas coordenados pela SES. O presidente da Comissão de Saúde e autor do requerimento da audiência pública, deputado estadualArlenSantiago,cobrou do Secretário o pagamento e a continuidade de convênios fir- mados com entidades e hospi- tais que estariam com parcelas pendentes de pagamento, bem como, o cronograma dos paga- mentos e a data de finalização dos mesmos. Entre os problemas que o Deputado apontou, está o en- dividamento dos hospitais em razão do não pagamento pe- los governos dos custos que os mesmos têm pelos proce- dimentos realizados. Outro ponto questionado foi a baixa execução de alguns programas e projetos da SES. Segundo o Deputado, “além de ouvir e entender os dados, cobramos a aplicação de recursos para a área e também reivindicamos do governo mais investimentos e melhorias para a saúde públi- ca dos mineiros. Não podemos mais permitir que hospitais se- jam fechados da maneira como vem acontecendo, que os aten- dimentos sejam restritos por falta de médicos, que as condi- ções de trabalho e de atendi- mento se tornem cada vez mais precárias, entre tantas outras questões que estamos vendo ocorrer e que estão levando a saúde pública ao caos”, desta- cou Arlen Santiago. A Lei Complementar nº 141, de 2012, traz, em seu artigo 36, que o gestor do SUS no Estado tem que apresentar, na Casa Le- gislativa, relatório detalhado de “Cobramos a aplicação de recursos para a área e também reivindicamos do governo mais investimentos e melhorias para a saúde pública dos mineiros” DIVULGAÇÃ�O informações sobre o Sistema. Os dados deverão abordar os montantes e as fontes de recur- sos aplicados no perí�odo, o de- senvolvimento de programas, oferta e produção de serviços públicos na rede assistencial própria, contratada e convenia- da,entreoutrospontos.Essafoi a quarta vez que o Secretário participou de uma reunião da Comissão de Saúde na ALMG. Em março do ano passado, o Secretário apresentou informa- ções sobre o último quadrimes- tre de 2014, em agosto, falou sobre os números do primeiro quadrimestre de 2015 e, em outubro,referenteaosdadosdo segundo quadrimestre.
  4. 4. Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016 GAZETA NORTE MINEIRA 16 ANOS gazetanortemineira.com.br4 Cidade CIANO MAGENTA AMARELO PRETO  CIANO MAGENTA AMARELO PRETO  Instituto Conexão conta com você para construção de sede própria O desafio foi lançado: após doação de terreno pela prefeitura de Montes Claros, o Instituto Conexão, organi- zação sem fins lucrativos que atua executando proje- tos sociais há cerca de três anos, agora inicia a constru- ção da sede própria. O pré- dio ficará no bairro Canelas, região Sul da cidade, e signi- ficará a ampliação dos ser- viços oferecidos pela ONG. A obra está orçada em R$600 mil e não conta com recursos públicos. Por isso, o instituto conta com a aju- da da sociedade montes- clarense nessa importante etapa para a história da en- tidade e da cidade. Para al- cançar essa meta, serão dis- ponibilizadas duas formas de doação: pessoas fí�sicas poderão comprar cotas no valor de R$30. Já para pes- soas jurí�dicas, o valor será de R$3.000. Para as empresas, espe- cificamente, há uma con- trapartida de veiculação de marca no material de divulgação da campanha da nova sede. A logomarca da empresa parceira será aplicada nos tapumes em torno da construção, no site e nas mí�dias sociais oficiais do instituto, além de todo o material gráfico produzi- do. Isso ocorrerá durante o perí�odo de construção: 18 meses. A construção da sede própria do Instituto Cone- xão começa na próxima se- mana. No local haverá, por exemplo, cozinha indus- trial, salão multiuso com capacidade para 200 pesso- as e quatro salas para rea- lização de cursos. “Esse es- paço será uma plataforma para conectar ideias, deman- das, pessoas e recursos, trazen- do soluções práticaspara pro- blemas e conflitos encontrados em nossa cidade”, explica Paulo César Landim, presidente do instituto. Como doar Os interessados em contri- buir com a campanha podem fazer depósito ou transferência bancária na conta do institu- to: Caixa Econômica Federal, Agência 0132, Conta 4006-4. Para mais informações, aces- se o site institutoconexao.org. br ou fale conosco pelo (38) 3083-1570. “Vamos supor que nós sonhamos ou in- ventamos aquilo tudo - árvores, relva, sol, lua, estrelas e até Aslam. Ora, nesse caso, as coisasinventadasparecemumbocadomais importantes do que as coisas reais. Vamos suporentãoqueestafossa,essemundo,seja oúnicoexistente.Pois,paramim,essemun- do não basta. E vale muito pouco. Estou do lado de Aslam, mesmo que não haja Aslam. Querovivercomoumnarniano,mesmoque Nárnia não exista.” (As Crônicas de Nárnia- C.S. Lewis) Por Alice Nogueira Constantemente pesso- as tentam lhe mostrar que é uma utopia acreditar que existe um Deus que te criou e que ainda tem um Reino esperando por você? Como temos lidado com os questio- namentos quanto a nossa fé? Você tem sido influenciado ou, assim como o menino do livro ‘As Crônicas de Nárnia’, tem plena convicção de que esse mundo aqui não basta? Vivemos em um paí�s lai- co, convivemos com pessoas de diferentes crenças, com os ateus e também com os questionadores de plantão. A crise de transição da nossa era nos atinge diretamente, podendo nos tornar pessoas individualistas, hedonistas e céticas. Como permane- cer firmes e sem nos abalar? Lembre-se: A FÉ� É� O NOSSO ESCUDO! “Porque vivemos por fé e não pelo que vemos. ” II Corí�ntios 5:7 A Nova Era nos diz que todos os caminhos levam a Deus. A Bí�blia, em João 14:6, diz que Jesus é o Ú� NICO ca- minho. A Nova Era também diz que devemos descobrir a nossa divindade, mas em I Timóteo 2:5 diz: “Porque há um só Deus, e um só Media- dor entre Deus e os homens.” Desde a antiguidade, o ser humano sente a necessidade de descobrir de onde veio e para onde vai; muitas teo- rias foram criadas, mas lhe digo com toda convicção: só há uma verdade! DEUS NOS CRIOU (Gênesis 1:26-27). E ele promete a vida eterna para todos que nele creem (João 11:25-26). Ele preparou um Reino para aqueles que o amam e andam conforme o Teu que- rer. “Se a nossa casa terrestre se desfizer, temos de Deus um edifí�cio, uma casa não feita por mãos, mas eterna, nos céus.” (II Corí�ntios 5:1). As coisas deste mundo são muito pequenas se compara- das ao que Deus nos reser- vou. Ele nos escolheu! “A pa- lavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós é o poder de Deus.” (I Corí�ntios 1:18) Te convido a estar ao lado de Jesus, a viver como um cidadão do Reino e a andar na contramão do mun- do, independentemente se isso pareça um sonho ou não. A fé é o nosso escudo Voluntária do Instituto Conexão parti- cipa da ‘Brazil Conference’, nos EUA Maria Clara Borém ainda fará um roteiro de visitas a ONGs americanas e terá aulas sobre empreendedorismo social. ‘Brazil Conference’ é um evento internacional, realiza- do na Universidade de Har- vard, cuja ideia é discutir o futuro do Brasil e o seu papel no mundo. Entre os pales- trantes estarão autoridades comoRodrigoJanot,procura- dor-geral da República, Car- men Lucia, vice-presidente do Supremo Tribunal Federal e Otaviano Canuto, diretor executivo pelo Brasil no Fun- do Monetário Internacional (FMI). Para aprender sobre as plataformas que podem ser usadas para materializar esse fu- turo, Maria Clara Borém parte de Montes Claros rumo aos Es- tados Unidos no dia 15 deste mês e retorna somente no dia 24 com muitas anotações e conhecimento. A voluntária do Insti- tuto Conexão, que também é estudante de Administração na Universidade Estadual de Montes Claros, acredita que o evento vai ajudar a potencializar aquilo que já desenvolve. “Souinquietaeinconformadacomarealidadesocialemque vivo e vejo isso como uma oportunidade de encontrar novas ideiaspararealizaraçõeseprojetosmaishumanos,inovadores e que sejam de fato aplicáveis aqui no Norte de Minas”, explica Maria Clara Borém. A voluntária, que coordena o setor financeiro do instituto, ainda fará um roteiro de visitas a ONGs americanas que traba- lhamcomcriançasemsituaçãodevulnerabilidadesocialecom Meio Ambiente. Ela também terá aulas sobre empreendedoris- mo social e captação de recursos em organizações não gover- namentais, em Nova Iorque e Boston.
  5. 5. Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016 GAZETA NORTE MINEIRA 16 ANOS gazetanortemineira.com.br 5Cidade Abertas as inscrições para o 3º Prêmio Sesi de Literatura Evento é destinado aos empresários, industriários e seus dependentes Criado pelo Serviço Social da Indústria (SESI) há três anos, o Prêmio SESI de Li- teratura incentiva o empre- sário e o trabalhador da in- dústria a soltar o seu talento literário e ainda concorrer a prêmios. E já estão abertas as ins- crições para a terceira edição do Prêmio SESI de Literatu- ra. Podem participar traba- lhadores da indústria e em- presários do setor industrial e seus dependentes. A pre- miação é dividida em duas categorias: Prosa, para tex- tos narrativos livres eVerso, para poesias. Além da pre- miação em dinheiro (1º Lu- gar: R$ 6.000 / 2º Lugar: R$ 4.000 / 3º Lugar: R$ 3.000 – Menção Honrosa ENCEL: R$2.500,00) para cada cate- goria, os vencedores terão a oportunidade de ver seus textos publicados no livro “SESI Literatura em Prosa e Verso”. Em 2015, Montes Claros foi destaque em número de inscritos para o 2º Prêmio Sesi de Literatura.Foram53 inscritos, o maior número de inscrições no Estado, à frente, inclusive, de Belo Ho- rizonte. Dois funcionários da Coteminas estiveram entre os três primeiros premiados. Para o Gerente de Cultura do SESI-MG, Thiago Maia, o acesso à cultura é fundamen- talaodesenvolvimentodaso- ciedade, tornando-se agente transformador. Segundo ele, no caso das indústrias, ela é responsável pelo aumento da qualidade de vida dos em- pregados, do crescimento da produção industrial com res- ponsabilidade e competitivida- de e é uma forma de ir além do incentivo à leitura: “O SESI-MG tem dezenas de ações que in- centivam a leitura em todo o estado, sejam por meio de suas bibliotecas, de seus programas itinerantes, oficinas, encontros de profissionais, palestras e cursos, a literatura deve sem- pre estar próxima de todos. Com o Prêmio SESI de Litera- tura vamos além. Queremos também fomentar a produção literária, que faz a diferença no própriodesempenhodoindus- triário, que se torna mais mo- tivado, produtivo e com maior qualidade de vida”, destaca. O mediador cultural Maurí�- cio Trindade é quem vai anun- ciar o prêmio nas indústrias de Montes Claros, de maneira divertida, nestas terça e quar- ta-feiras (05 e 06 /04). Mauricio Trindade é conta- dor de histórias, músico e ani- mador cultural. Com 30 anos de carreira seu trabalho pro- cura uma ponte entre a arte e a educação.Em seu portfólio destacam-se projetos como O Brasil, Villa Lobos e o Violão, as rodas Da História para as His- tórias em museus e ruas das cidadeshistóricasmineiras,Sa- rau da Indústria e Itatiaia con- tada e cantada ( prêmio Inte- rações Estéticas Funarte). Com formaçãotécnicanaáreadere- cursos humanos, desenvolve dinâmicas de grupos apli- cada ao desenvolvimento de equipes de trabalho, com foco na Cultura organizacio- nal. Atualmente é consultor da Gerência de Cultura do SESI Minas Gerais atuando em programas de incentivo à leitura e à escrita. DIVULGAÇÃ�O Associações recebem recursos de emendas parlamentares No último sábado (02), um carro no valor de R$ 30 mil para contribuir com as ações sociais desenvolvidas pela Associação dos Pequenos Produtores e Trabalhadores Rurais Vicente Ferreira Lima, da comunidade rural de Jato- bá, em São João do Pacuí�. Os recursos são do Governo do Estado, indicados por meio de emenda parlamentar do deputado Tadeu Martins Lei- te. O veí�culo foi uma solici- tação dos moradores por in- termédio do vereador Caio Cunha para uso das famí�lias atendidas pela associação. “Para nós, é motivo de ale- gria, pois agora temos um transporte digno e de grande valia para a comunidade, e vai nos ajudar nas demandas de saúde, agricultura familiar e para quem não tem condi- ções de se deslocar até mes- mo para outros municí�pios quando necessário”, come- mora o presidente da asso- ciação, Joaquim da Conceição de Jesus. “O apoio do deputa- do foi essencial e todas estas ações tem o objetivo de aten- der principalmente a popula- ção carente, como é a de São João do Pacuí�”, complementa o vereador Caio Cunha. Presente à entrega do veí�- culo, o deputado Tadeu Mar- tins Leite fez o compromisso de continuar intermediando junto ao Governo de Minas Gerais outros recursos para o municí�pio. “Quero ajudar ainda mais São João do Pacuí�, assim como já destinamos outros recursos, como para a compra de equipamentos de uma academia ao ar livre, que agora só depende da ins- talação pela Prefeitura”, lem- brou. Urucuia Outra emenda parlamen- tar do deputado Tadeuzinho beneficiou a Associação dos Carreiros e Moedores nos Carros de Bois e Engenhos de Bonito, em Urucuia. A soli- citação foi intermediada pela liderança polí�tica Ailsão e pelo vereador Edvaldo. A en- trega do carro também ocor- reu no último sábado. Tadeu Martins Leite ainda indicou, junto ao Governo do Estado, a destinação de outro veí�culo para atendimento do Conse- lho Comunitário de Poções, no mesmo municí�pio. Plano de revitalização do di será apresentado hoje O Programa de Revitalização e Modernização de Distritos Industriais atenderá a cidade de Montes Claros e outras 11 GIRLENO ALENCAR DA REDAÇÃO A Companhia de De- senvolvimento Econômi- co de Minas Gerais (Co- demig) e a Fiemg-Norte apresenta hoje, às 15 horas, o projeto de revi- talização do Distrito In- dustrial de Montes Cla- ros, que está inserido no plano de revitalização de 13 Distritos Industriais. Flávio Gomes, gerente da Codemig, e Carlos Mag- no, Analista de Informa- ção Tecnológica do IEL/ Fiemg, discutirão com os empresários o projeto. O Programa de Revita- lização e Modernização de Distritos Industriais atenderá as cidades de Montes Claros, Belo Ho- rizonte (Distrito do Jato- bá), Betim, Divinópolis, Governador Valadares, Ipatinga, Ituiutaba, Juiz de Fora, Pouso Alegre, Sete Lagoas, Uberaba e Uberlândia, além de Contagem, que já ha- via sido escolhido como projeto piloto mediante sua complexidade e por ter sido o primeiro DI do paí�s, implantado em 1941. O Programa de Revita- lização e Modernização de Distritos Industriais é considerado inédito e estratégico e foi lan- çado em maio de 2015, em parceria com a Fede- ração das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) e o Serviço Bra- sileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-MG), com o ob- jetivo de fomentar o de- senvolvimento industrial em Minas Gerais, tornan- do o Estado cada vez mais atrativo e dotado de melhores condições de competitividade para a indústria. Os principais objetivos estratégicos do Programa de Revitaliza- ção e Modernização de Distritos Industriais são organizar a infraestrutu- ra de ponta, aumentar a atratividade do distrito em relação ao mercado e promover a visão sistê- mica do desenvolvimen- to e da competitividade industrial, bem como es- truturar um ambiente de cooperação. Para isso, o trabalho irá avaliar as princi- pais potencialidades e os setores produtivos, além da adequação da infraestrutura do DI às necessidades das em- presas. O programa pre- vê ainda a realização de diagnóstico em 22 em- presas instaladas no DI local, visando avaliar sua competitividade. A Lei Estadual nº 20.020, de 05/01/2012, estabele- ce que a Codemig deve prestar assistência e cooperação técnica aos Municí�pios do Estado de Minas Gerais para o planejamento, a cons- trução e a administração de Distritos Industriais e de áreas destinadas à implantação de empre- sas que contribuam para a geração de emprego e renda no âmbito local ou regional. Essa Lei também autorizou a transferência da administração de Distri- tos Industriais, pela Code- mig, aos Municí�pios em que estão localizados, mediante celebração de Convênio. Consagrando o compro- misso entre a Codemig e os Municí�pios, em prol do desenvolvimentodoEstado e do fomento da economia mineira, alguns convênios de cooperação técnica já foram celebrados, trans- ferindo à esfera municipal a administração das áreas industriais. Montes Claros está entre os municí�pios que celebraram esse convê- nio com a Codemig.
  6. 6. Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016 GAZETA NORTE MINEIRA 16 ANOS gazetanortemineira.com.br6 CIANO MAGENTA AMARELO PRETO  Cidade Prefeito retalia moradores e anuncia casa de velórios GIRLENO ALENCAR O prefeito Ruy Muniz co- locou em prática o seu lado revanchista e decidiu retaliar os moradores do Renascen- ça: anunciou que construirá uma Casa de Velório e Centro Comunitário no local onde existia anteriormente o Pos- to de Saúde do bairro. Ele concedeu entrevista ao pro- grama Ronda Geraes, da TV Geraes, quando explicou que as manifestações realizadas na sexta-feira foramorgani- zadas por cinco adversários polí�ticos, e que o atendimen- to de saúde continuará no Caic Renascença, que tem atualmente somente 300 alunos e com muito espaço para funcionar a unidade de saúde. A decisão do prefeito surpreendeu até mesmo sua assessoria. O anúncio do prefeito não preocupa as lideranças, pois a obra de reconstrução está sendo feita com recursos do Ministério da Saúde, que em maio de 2013 liberou R$ 214.892,32 para serem aplicados nesse empreendi- mento. Se ocorrer mudança de foco, o municí�pio terá que devolver o dinheiro recebi- do, que corrigido, está em aproximadamente R$ 500 mil. Além disso, o posto de saúde que foi construí�do na década de 80 foi com verba federal. O telhado foi retira- do e as dependências fí�sicas parcialmente demolidas. A conclusão estava programa- da para maio de 2014, o que ainda não ocorreu. A reação foi imediata: na manhã de ontem os morado- res informaram que não ad- mitirão a construção da casa de velório no local. A lí�der comunitária Maria Edna dos Santos, que ajudou na cons- trução do Posto de Saúde, afirma que já existe uma casa velório a poucos metros do local e não há necessidade de outra. Ela provocou o pre- feito Ruy Muniz a construir a casa velório ao lado da casa dele. “Queremos a reativação do posto de saúde, pois ele foi criado com esse objetivo” – afirma a lí�der, que no mo- mento foi apoiada por vários moradores. Hoje às 20 horas será realizada nova manifes- tação. A decisão de não recons- truir o Posto de Saúde acaba constrangendo os secretá- rios municipais Farley So- ares Menezes e Ana Paula Nascimento, de Governo e Saúde, que no dia 4 de no- vembro se reuniram com os moradores e anunciaram a retomada das obras. O agravante é que vários ve- readores participaram da reunião. O presidente da Comissão de Saúde da Câ- mara Municipal, o vereador Fernando Andrade, tam- bém está silencioso. GIRLENO ALENCAR Antigo Posto de Saúde do bairro. Prefeito quer parte de Igreja para ampliar rua O prefeito Ruy Muniz deci- diu comprar mais uma briga com a Igreja Católica, com o agravante de mais uma cau- sa em defesa dos seus inte- resses: quer tomar grande parte da calçada da Igreja de São Marcelino Champag- nat, no bairro Jardim Brasil, no Grande Santos Reis, para, com isso, ampliar a rua Plí�- nio Ribeiro, que dá acesso ao campus Amazonas da Funor- te, e ao Hospital das Clí�nicas da Soebras. O padre Antônio Avilmar Souza, pároco da Paroquia São Francisco, que tem jurisdição no local, aler- tou aos moradores durante a missa celebrada na noite de domingo, de que uma nuvem negra ameaça a comunidade católica do bairro. A GAZETA esteve no local na manhã de ontem, quando a dona de casa Maria de Lour- des Martins lamentou que o prefeito estivesse usando o cargo polí�tico para se be- neficiar, e mostra que várias ruas do Jardim Brasil estão há vários anos aguardando o asfaltamento. Porém, desde junho do ano passado que o prefeito mandou asfaltar todas as ruas que ficam nas imediações da sua faculda- de e hospital. “Agora ele vem perseguir a igreja católica, pensando apenas em ampliar o acesso à suas empresas. Está usando a Prefeitura em beneficio próprio” – salienta a dona de casa. Porém, o prefeito tem apoio de alguns segmentos: duas moradoras que residem nas proximidades da Igreja São Marcelino Champgnat entendem que o problema é de ordem polí�tica, e que a ampliação da rua Plinio Ribeiro atenderá todos mo- radores, mesmo que direta- mente beneficie as empre- sas de Ruy Muniz. As duas explicam que a rixa entre a Igreja Católica e Ruy Muniz é antiga: o terreno para a Igreja foi doado pela empre- sa Vilma Alimentos, apenas verbalmente. Muniz com- prou o imóvel, sem saber da doação. O assunto gerou muita polêmica, até que ele oficializou a doaçãodoterre- no. Agora, quer recuar a frente e já recuou a cerca em torno da sua faculdade. (GA) MP discute como devolver R$ 8 milhões de corrupção O Ministério Público re- aliza hoje, às 13 horas, uma reunião com os prefeitos e lideranças de Cônego Mari- nho, Itacarambi, Patis e São João da Ponte, para discu- tir como aplicar oito dos R$ 10 milhões devolvidos pelo empresário Marcos Vinicius Crispim, o Corby, acusado de atos de corrupção em obras nesses municí�pios. O pro- motor Paulo Márcio Dias, da Curadoria Regional do Pa- trimônio Público, coordena os trabalhos. Foi criada uma fundação para administrar os recursos. O municí�pio de São Romão, que fazia par- te da lista, não será incluí�do nessa etapa. Desde maio de 2015 que o Ministério Públi- co articulou essa negociação. Entre os bens devolvidos pelo empresário e que foram entregues, consta o estádio Monte Castelo, o Castelão, de Januária, várias casas e apartamentos e ainda 18 veí�culos. Corby ficou de 2013 a 2014, acusado de corrupção e aceitou fazer a delação premiada, relatan- do os casos de corrupção, além de compensar pelos danos causados. Ele foi co- locado em liberdade e se beneficiando com a redução da pena. A Fundação de Re- cuperação de Ativos é geri- da por um gerente nomea- do pelo Ministério Público. O ressarcimento a cada mu- nicí�pio será proporcional ao rombo com o desvio em corrupção. Patis receberá a menor parcela, que é de R$ 1,2 milhão e São João da Ponte e Itacarambi, com a maior parcela, de R$ 2,5 mi- lhões cada. O Ministério Público es- tabeleceu a regra de não repassar os valores em es- pécie e, por isso, cada mu- nicí�pio define como pre- tende aplicar os recursos, desde que seja nas áreas de educação, saúde, infância e juventude e segurança pú- blica. Depois disso, a obra será iniciada e o pagamento de acordo com o cronogra- ma de atividades. O gestor da fundação é quem fará o pagamento. O Departa- mento de Engenharia da Universidade Estadual de Montes Claros fará o acompa- nhamento técnico dos proje- tos e fiscalizará a execução das obras. Seis carros apreendidos foram doados a Policia Militar, para serem usado somente no policiamento desses cinco mu- nicí�pios. (GA)
  7. 7. Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016 GAZETA NORTE MINEIRA 16 ANOS gazetanortemineira.com.br CIANO MAGENTA AMARELO PRETO  Cidade 7 Fórum técnico mostra cultura de pires nas mãos “Nenhum deputado do Norte de Minas compareceu e, com isso, as duas regiões perderam a oportunidade de apresentar seus pedidos” GIRLENO ALENCAR O ‘Encontro Regional do Fórum Técnico do Plano Es- tadual de Cultura’, realizado em Montes Claros, mostrou a triste realidade do setor: a falta de recursos, o que deixa os agentes culturais sempre de pires nas mãos. O even- to, realizado na manhã de ontem, para os 120 muni- cí�pios do Norte de Minas e Baixo Jequitinhonha, atraiu apenas sete municí�pios no auditório da Associação dos Municí�pios da Á� rea Mineira da Sudene (Amams). E ainda mais grave: apenas o prefeito Vinicius Versiane, de Patis, compareceu. Nenhum depu- tado do Norte de Minas com- pareceu e, com isso, as duas regiões perderam a oportu- nidade de apresentar seus pedidos. O secretário municipal de Cultura, Carlos Muniz, na sua exposição, fez questão de fri- sar que Montes Claros criou a Lei de Incentivo a Cultura, e que teve projetos patroci- nados com R$ 15 mil cada no primeiro ano. Entretanto, os de 2016 receberão R$ 5 mil. Deixou de apresentar as de- mandas da cidade. O poeta Aroldo Pereira pediu apoio para comemorar os 30 anos do Psiu Poético, que, nesse ano, pretende trazer um ar- tista de cada Estado. Recebeu a promessa do Ministério da Cultura e da Secretaria Es- tadual de Cultura para esse projeto. A diretora do Centro Cultural, Berta Ribeiro, indu- zida pela GAZETA, pediu ao secretário estadual Â� ngelo Osvaldo o apoio para refor- mar o auditório do Centro Cultural. O vice-presidente do Con- selho Estadual de Cultura, Rubens Reis, foi mais incisivo em sua exposição, destacan- do que os artistas são pidões, e sempre a fundo perdido, por isso, sempre andam com pires nas mãos. Lamentou que alguns procurem deto- nar os projetos dos outros, quando, na verdade, toda classe deveria se unir para obter mais espaço e recur- sos. Denunciou que 80% dos recursos do Fundo Estadual de Cultura ficam na Região Metropolitana de Belo Hori- zonte e os 20% restantes são distribuí�dos para o interior mineiro. Sua proposta é pro- mover a descentralização e aumentar o bolo para obter melhores resultados. O secretário estadual de Cultura, Â� ngelo Osvaldo, ex-prefeito de Ouro Preto, ficou surpreso com a infor- mação passada pela GAZETA de que Montes Claros está de fora do ICMS do Patrimônio Cultural, pois deixou de se inscrever nos últimos anos. Ele afirma que participou da restauração do Casarão da Fafil, depois da campanha aberta pelo jornalista Theo- domiro Paulino, com apoio do empresário Walduck Wa- nderley, e acompanhou a li- beração dos recursos para a aquisição e restauração do Casarão dos Maurí�cios. Os- valdo prometeu visitar o Mu- seu da Fafil. Na sua mensagem, salien- tou a força cultural de Mon- tes Claros, seja por causa de Darcy Ribeiro e Ciro dos An- jos e mesmo pelos traços de Konstantin Christoff, e mais ainda pelas telas de Raimun- do Colares, que alcançaram projeção internacional. Por sinal, pediu à curadoria do artista que faça uma expo- sição no Palácio das Artes. Citou a força do Conserva- tório Lorenzo Fernandez e de Zezé Colares, a frente do Banzé. O secretário esta- dual criticou a atitude dos prefeitos em contratarem shows sertanejos, que des- qualificam e atrofia a cultu- ra das cidades, quando po- deriam apostar no acervo cultural de cada municí�pio. O Projeto de Lei (PL) 2.805/15, do governador, foi recebido em Plenário em agosto de 2015. As pro- postas do Plano Estadual de Cultura poderão ser aper- feiçoadas durante a trami- tação do projeto, que será analisado pelas Comissões de Constituição e Justiça (CCJ), de Cultura e de Fis- calização Financeira e Or- çamentária (FFO), antes de ser votado em dois turnos no Plenário. O plano traz um conjunto de metas e es- tratégias para a cultura no Estado, e tem por objetivo o planejamento e a imple- mentação de polí�ticas cultu- rais pelo prazo de dez anos, visando ao desenvolvimen- to de ações na área para o perí�odo de 2015 a 2025. Diabéticos orientados sobre corte de unhas A estudante Caroline Soares, de São João da Vereda, recebeu instruções de Givanildo Passos sobre os peixes que comem o aedesaegypti Muitas pessoas foram medir a pressão arterial O fisioterapeuta Wagner Luiz Coutinho orientou sobre o corte de unhas Teve iní�cio ontem, em Montes Claros, a Semana de Saúde organizada pelo Ser- viço Social do Comércio, que nesse ano, colocou o diabe- tes como principal foco. Os portadores dessa doença re- ceberam várias instruções, principalmente de como devem cortar as unhas, por causa da doença, e ainda, da necessidade de fazer a hidra- tação. A população de forma geral recebeu orientações de como prevenir a doença. Po- rém, outros problemas foram abordados no evento, como o combate ao mosquito Aedes aegypti e, ainda, a saúde bu- cal. A Semana da Saúde pros- segue até o dia 8, com várias atividades. A abertura ocorreu na praça Doutor Carlos. O fi- sioterapeuta Wagner Luiz Coutinho chamou a atenção, quando junto com os seus alunos, orientou aos diabé- ticos sobre algumas medi- das que precisavam adotar, como lavar os pés sem per- mitir frieiras ou coceiras; fazer a hidratação correta para permitir que o sangue circule. Uma das novidades é sobre o corte das unhas das mãos e dos pés, que inicial- mente devem ser realizados em forma reta, para não cau- sar nenhum ferimento. De- pois, com uso de lixa, é que arredonda as unhas. Ele cha- mou a atenção que nesse cli- ma seco do Norte de Minas, a saúde do diabético sempre agrava. Na banca do Aedes aegyp- ti, a estudante Carolina So- ares, de São João da Vereda, ficou interessada em saber como ocorre o processo de criação de peixes para comer o mosquito, pois coloca isso em prática em sua residência. Porém, foi informada pelo técnico sanitário Givanildo Passos, do Centro de Contro- le de Zoonose, que essa água onde existem os alevinos, nunca pode ser usada para beber ou tomar banho, pois como os peixes defecam nela, pode comprometer a saúde dos moradores. Caroline des- conhecia essa situação, mas afirma que na sua residência, a água dos tanques, na qual cria os alevinos, é usada ape- nas para molhar as plantas. O coordenador de Servi- ço Social do Sesc, Adão Soa- res dos Santos, explica que essa Semana de Saúde está sendo realizada simultane- amente em todas unidades do Sesc, em Minas Gerais, e que, desde 2013, tem ocor- rido em Montes Claros. O foco é a prevenção à diabe- tes, pois há 12 milhões de pessoas com essa doença no Brasil. Os dados em Montes Claros são desconhecidos. Estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS) sugerem que aproximada- mente 180 milhões de pes- soas no mundo apresentam diabetes e, provavelmente, esse número será mais que o dobro em 2030. A pro- posta é a adoção de um es- tilo de vida saudável e isso é possí�vel com hábitos de praticar exercí�cios fí�sicos, investir em uma viagem, ter um tempo de qualidade com amigos e famí�lia. O diabetes é uma sí�ndro- me metabólica de origem múltipla decorrente da falta de insulina e/ou da inca- pacidade deste hormônio exercer adequadamente seus efeitos, causando um aumento da glicose, açúcar, no sangue. A doença aconte- ce porque o pâncreas não é capaz de produzir a insulina em quantidade suficiente para suprir as necessidades do organismo, ou porque este hormônio não é capaz de agir de maneira adequa- da. O portador do diabetes tipo 1 é dependente de do- ses de insulina ao longo da vida. O tipo 2 normalmente se manifesta depois dos 40 anos em decorrência, na maioria dos casos, por con- ta da obesidade, sedenta- rismo e histórico familiar. O paciente precisa submeter- se a dietas restritivas e/ou medicação. GIRLENO ALENCARGIRLENO ALENCARGIRLENO ALENCAR Servidora cumpre horário na porta de biblioteca A professora Maria Sô- nia Fagundes, de 58 anos, está passando por um constrangimento e assé- dio moral muito grande: cumpre o seu horário de trabalho na área externa da Biblioteca Municipal de Mato Verde, no Norte de Minas, pois, desde sexta- feira passada, quando re- tornou das férias prêmios, encontrou o local fechado e ainda foi impedida de trabalhar em outro se- tor. Ela entrará com ação judicial, hoje, pois alega que está sendo ví�tima de perseguição polí�tica. A as- sessoria jurí�dica da Prefei- tura de Mato Verde nega qualquer perseguição e afirma que ela corre risco de perder o emprego, por abandono de serviço. A denúncia do caso é formulada por Leonardo Fagundes, filho de Ma- ria Sônia, que lembra ser sua mãe, uma professora efetivada, com 19 anos de profissão e salário de R$ 1,3 mil. Explica que a mãe estava sempre trabalhan- do na Biblioteca Municipal, mas decidiu gozar de férias prêmios. Quando retornou, na sexta-feira, encontrou o local fechado. Foi até o Ser- viço Municipal de Ensino e foi informada que deveria trabalhar na comunidade rural de Brejão, a 22 qui- lômetros da cidade, sem qualquer tipo de acesso de transporte. A sua mãe decidiu cumprir o horário na Biblioteca Municipal e, por isso, fica na área exter- na, sentada, mesmo com o forte sol. Leonardo acusa o Prefeito de perseguição a sua mãe, apesar dela ter votado nele. Na tarde de ontem, o advogado Elson Xavier, as- sessor jurí�dico da Prefei- tura, explicou que Sônia é servidora pública lotada na secretaria Municipal de Educação, no cargo de Professora e, nessa con- dição, submeteu-se, como todos os demais servi- dores, à designação anu- al, como determina a Lei Complementar Municipal nº 0214 e, Resolução nº 0116. “Assim, por ter sido avaliada aquém dos demais, restou a ela uma Escola na Zona Rural. O ato de designação obser- vou fielmente o principio da impessoalidade, legali- dade e, publicidade tendo a servidora aquiescido ao mesmo”. Informa ainda que “de- pois de passados meses e, dos pais, alunos e profes- sores já terem se adaptado uns aos outros, vem a ser- vidora buscar a anulação do ato de designação e, ainda pretende sua desig- nação para uma escola da Zona Urbana. O sistema de ensino não pode sub- sumir-se à vontade singu- lar de um servidor, pois o interesse privado há sem- pre que ceder lugar ao interesse público. Razão pela qual, não pode um professor cuja avaliação é pí�fia pretender a melhor colocação, em detrimen- to doutros tantos que se esforçam pelo sistema de educação”. Ele informa ainda que acaso a servidora se sinta limitada ou impossibili- tada de exercer as atri- buições do seu cargo em virtude de moléstia, que se socorra, na forma legal e, busque benefí�cio previ- denciário, eis que mês a mês são recolhidas contri- buições ao INSS. O advoga- do salienta que “não existe qualquer ato administra- tivo que impôs à servidora cumprir horário, eis que à ela compete,sobpenadeterseus dias "cortados", cumprir com seus deveres funcionais de assiduidade e zelo”. Maria Sônia Fagundes cumprindo o horário. Leonardo Fagundes
  8. 8. Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016 GAZETA NORTE MINEIRA 16 ANOS gazetanortemineira.com.br8 Segurança Pública CIANO MAGENTA AMARELO PRETO  “EDITAL DE CONVOCAÇÃO: Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas do Norte de Minas – SINDI- NOR -. Edital de Convocação. Antônio Henrique Sapori, Presidente do Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas do Norte de Minas – SINDINOR, em pleno exer- cí�cio do cargo e no uso da atribuição que lhe confere o Artigo 24, “b”, do Estatuto da Entidade, resolve convocar as empresas associadas e toda a categoria econômica do transporte rodoviário de cargas dos municí�pios de Á� guas Vermelhas, Berizal, Bocai- úva, Bonito de Minas, Botumirim, Brasí�lia de Minas, Buritizeiro, Campo Azul, Capitão Enéas, Catuti, Chapada Gaúcha, Claro dos Poções, Cônego Marinho, Coração de Jesus, Cristália, Curral de Dentro, Divisa Alegre, Engenheiro Navarro, Espinosa, Francisco Dumont, Francisco Sá, Fruta de Leite, Gameleiras, Glaucilândia, Grão Mogol, Gua- raciama, Ibiaí�, Ibiracatu, Icaraí� de Minas, Indaiabira, Itacambira, Itacarambi, Jaí�ba, Janaúba, Januária, Japonvar, Jequitaí�, Josenópolis, Juramento, Juvení�lia, Lagoa dos Patos, Lassance, Lontra, Luislândia, Mamonas, Manga, Matias Cardoso, Mato Verde, Mirabela, Miravânia, Montalvânia, Monte Azul, Montes Claros, Montezuma, Ninheira, Nova Porteirinha, Novorizonte, Olhos-d'Á� gua, Padre Carvalho, Pai Pedro, Patis, Pe- dras de Maria da Cruz, Pintópolis, Pirapora, Ponto Chique, Porteirinha, Riachinho, Riacho dos Machados, Rio Pardo de Minas, Rubelita, Salinas, Santa Cruz de Salinas, Santa Fé de Minas, Santo Antônio do Retiro, São Francisco, São João da Lagoa, São João da Ponte, São João das Missões, São João do Pacuí�, São João do Paraí�so, São Ro- mão, Serranópolis de Minas, Taiobeiras, Ubaí�, Urucuia, Vargem Grande do Rio Pardo, Várzea da Palma, Varzelândia e Verdelândia para Assembleia Geral Extraordinária, que será realizada em primeira convocação, às 10:00 horas, do dia 08 de abril de 2016, sexta-feira, na sede social do Sindicato, na Av. Cula Mangabeira, 320 sala 103, no bairro Cândida Cãmara, na cidade de Montes Claros/MG, para deliberarem so- bre a seguinte ordem do dia: a) Prorrogação do mandato da atual Diretoria para o dia 11/07/2016; b) Alterações no Estatuto Social; c) Deliberações sobre o processo eleitoral para escolha dos membros da Diretoria e do Conselho Fiscal para o perio- do de 11/07/2016 até 19/10/2018. Não havendo quórum legal, a Assembléia será realizada 30 minutos após, ou seja, às 10:30 horas, no mesmo local e com qualquer número de participantes. Montes Claros, 05 de abril de 2016. (a) Antônio Henrique Sapori – Presidente”. Acusado de pedofilia, ex-prefeito de Taiobeiras é capturado no Pará Após a coletiva, Joel da Cruz, à direita, foi levado para a cadeia em Montes Claros, onde permanecerá à disposição da Justiça JÚ� NIOR MENDONÇA JÚ� NIOR MENDONÇA JÚNIOR MENDONÇA A Polí�cia Civil (PC) apre- sentou, na manhã de ontem (4), durante uma coletiva de imprensa na sede da 11ª Re- gião Integrada de Segurança Pública (RISP), o ex-prefeito de Taiobeiras, Joel da Cruz, que é acusado de abusar se- xualmente de crianças e ado- lescentes. Foragido da Justi- ça desde outubro de 2015, quando um mandado de pri- são preventiva havia sido ex- pedido contra ele, o suspeito foi capturado no último dia 31, em uma fazenda usada como esconderijo no Estado do Pará. A propriedade rural, situada em Parauapebas, se- ria um dos bens do acusado, onde estariam sendo manti- das mais de 2 mil cabeças de gado. De acordo com Alessan- dro Lopes, delegado respon- sável pelas investigações, o ex-prefeito teria feito pelo menos seis ví�timas, sendo que parte delas era obriga- da, pelas próprias mães, a ter relações com o suspeito em troca de dinheiro e presen- tes. É� a segunda que vez Joel é preso por estupro e abuso sexual. Na primeira vez, ele chegou a ser absolvido das acusações, porém, teria vol- tado a praticar os mesmos atos ilí�citos. Duas mulheres também foram presas no Norte de Minas por envolvi- mento com os casos. Segundo a PC, as suspei- tas seriam as responsáveis por aliciar as ví�timas, que eram levadas até uma resi- dência usada pelo suspeito. Uma das presas, inclusive, segundo as investigações, é envolvida com o tráfico de drogas em Taiobeiras e força- va a filha, de apenas 13 anos, a usar crack e cocaí�na antes dos encontros com o ex-pre- feito. Para supostamente atrair suas ví�timas, Joel da Cruz as presenteava até com alimentos, refrigerantes e do- ces variados. Na dinâmica das ações, ainda segundo a polí�cia, o suspeito repassava dinheiro para as duas cúmplices, que usavam os baixos valores para ‘agenciar’ novas ví�timas. As ví�timas descobertas até a agora pela polí�cia passaram por exames que comprova- ram os abusos. Além disso, as autoridades contam com testemunhos que confirmam as suspeitas. Agora a Polí�cia Civil vai investigar se entre outubro do ano passado e o dia de sua prisão Joel não fez novas ví�timas. Para o delega- do, o fato de Joel ter sido ab- solvido há alguns anos pode tê-lo encorajado a seguir abusando de menores. ONG Nesse caso, a PC recebeu uma ajuda diferente. Uma ONG, denominada Meni- na Dança, encabeçou uma campanha para que cartas fossem escritas à polí�cia pe- dindo providências quanto à captura do suspeito. Os re- presentantes da organização, que atua no Norte de Minas com ví�timas de abusos se- xuais através de projetos so- ciais, também participaram da coletiva de imprensa. Se- gundo eles, foram escritas aproximadamente 800 car- tas de pessoas e personali- dades da Inglaterra, Suí�ça, Austrália, Canadá e Estados Unidos. O presidente da ONG, um jornalista britânico, já ha- via escrito matérias sobre casos de abuso sexual no Norte de MG. Em nota ofi- cial, a organização afirmou que há indí�cios de que o acusado pratica abusos ao longo das últimas décadas. “Sonhamos com a atuação reta e justa das instituições do Estado, que tem como objetivo a manutenção da ordem social. Caso se con- firme os crimes que o ex -prefeito está sendo acusa- do, mesmo sabendo que os danos causados às suas ví�- timas sejam irreparáveis, a sua condenação é uma for- ma de dizer a sociedade e principalmente as crianças e adolescentes, muitas hoje, mulheres adultas e mães de famí�lia – que ainda há Justi- ça”, disse a nota. DEFESA O advogado de defesa de Joel da Cruz, Herbert Alcân- tara Ferreira, acredita na inocência do cliente. “Todos os fatos imputados ao Joel tem vinculação polí�tica, por ele ter sido gestor mu- nicipal por muitos anos na cidade de Taiobeiras. Todos os fatos serão provados con- trariamente e buscaremos a absolvição dele”, afirmou. Atiradores, que balearam dois homens em bar, são procurados pela PM A Polí�cia Militar busca in- formações que levem à loca- lização e prisão de suspeitos de uma tentativa de assassi- nato registrada em Janaúba, na manhã do domingo (3). Segundo a PM, militares fo- ram chamados para averi- guar um tiroteio na rua 5, bairro Conjunto Residencial Dona Lindu. Segundo teste- munhas, uma das ví�timas, de 20 anos, jogava baralho em frente a um estabelecimento comercial, quando dois ho- mens armados chegaram ao local e atiraram seis vezes. Um adolescente, de apenas 15 anos, estava nas proxi- midades da mesa de jogo e acabou atingido por um tiro na mão. O alvo dos tiros acabou baleado no braço direito e na região do tórax. Mesmo baleada, a ví�tima ainda cor- reu e conseguiu se esconder na casa de uma testemunha vizinha ao estabelecimento. Uma equipe do Samu socor- reu a ví�tima de 20 anos e a levou ao Hospital Regional. Já o adolescente baleado foi socorrido por testemu- nhas até a mesma unidade de saúde. Para os militares que atenderam a ocorrên- cia as ví�timas revelaram desconhecer a motivação do crime. Nenhum dos dois suspeitos foi preso. MONTES CLAROS Também no último do- mingo (3), porém em Mon- tes Claros, a Polí�cia Militar registrou uma lesão corpo- ral com caracterí�sticas de tentava de assassinato na praça São Vicente de Paula, bairro Santos Reis. Segundo a PM, dois adolescentes, de 15 e 17 anos, estavam sen- tados num banco, quando foram surpreendidas por quatro suspeitos, que usa- vam duas motocicletas. Os suspeitos teriam passado pelo local atirando várias vezes. O adolescente de 15 anos acabou atingido uma vez na coxa direita e o outro menor, de 17, uma vez na mão direita. A Polí�cia Mili- tar chegou a receber infor- mações sobre a localização de suspeitos durante os tra- balhos de rastreamento, po- rém ninguém foi preso. Os motivos para o crime ainda são desconhecidos. (JM) Vítima de acidente fica desorientada e se perde em matagal da LMG-603 Foi encontrado no final da ma- drugada de ontem (4) um homem, de 35 anos, que se perdeu num matagal às margens da LMG-603, no Norte de Minas, depois de so- frer um acidente de trânsito entre Cônego Marinho e Januária, na altura do quilômetro 61. De acor- do com informações do Corpo de Bombeiros, a ví�tima estava num carro de passeio que capotou de- pois de o condutor, de 43 anos, perdeu o controle da direção, na noite do domingo (3). O motorista, identificado como Sidnei Mendes Rodrigues, morreu ainda no local do acidente. Depois do capotamento, o ho- mem saiu do veí�culo perambulan- do desorientado e tentava buscar ajuda. Testemunhas que passavam pela rodovia no momento do aci- dente chegaram a relatar para as equipes de socorro que o homem havia sido visto caminhando perto do carro com a mão no peito. As buscas foram iniciadas ainda na noite do acidente e envolveram bombeiros, homens do 30º Ba- talhão da Polí�cia Militar (BPM) e familiares do homem, que foram divididos em diversas pequenas equipes para realizar a varredura na mata. Segundo o Corpo de Bombei- ros, foram realizadas seis horas ininterruptas de buscas pelo ho- mem. Os trabalhos foram finaliza- dos por volta das 2h00, já que não havia condições seguras para con- tinuar. As buscas recomeçariam por volta das 5h00, porém não houve necessidade. Conforme os bombeiros, depois de pas- sar a noite na mata fechada, o homem conseguiu encontrar uma saí�da e pedir ajuda já pela manhã, quando pegou uma carona até o municí�pio de Cô- nego Marinho. Após a localiza- ção da ví�tima, uma equipe dos bombeiros realizou acompa- nhamento dela até um hospital daquela região para realização atendimento médico, já que o homem teria reclamado de do- res no peito. (JM) Casos de homicídio tem alta de 1,49% em MG, diz secretaria OEstadoteve749ví�timasdeho- micí�dioconsumadonasomadopri- meirobimestre,11amaisdoqueas 738domesmoperí�odode2015,re- sultando numa variação positiva de 1,49%. Comparando iguais meses de 2016 e de 2015, a alta ocorreu tanto em janeiro, com 410 a 401 ví�timas, quanto em fevereiro, com 339 a 337, com um dia a mais (29) do que em fevereiro de 2015 (28). Minas Gerais fechou o ano de 2015 com queda de 2,59% no número de ví�timas de homicí�dios em relação a 2014. Entre os municí�pios do Estado com resultados expressivos de re- dução dos homicí�dios no primeiro bimestre de 2016, destacam-se Betim, com 37 ví�timas, 18 a menos doqueas55dejaneiro-fevereirode 2015; Santa Luzia, com 8 ví�timas contra 16 (-50%); e Nova Serrana, com 3 contra 8 (-62,5%). Também houve queda em Varginha, 1 a 3; e em Juiz de Fora, 22 a 23. Entre os municí�pios mineiros, as principais contribuições para o aumento de ví�timas de homicí�dios no Es- tado, na comparação entre os primeiros bimestres de 2016 e de 2015, vieram de Sete La- goas, com 21 mortes contra 10 (+110%); Ribeirão das Neves, 33 contra 22 (+50%); Conta- gem, 49 a 44 (+11,36%); Ubera- ba, 15 a 12 (+25%); e Governador Valadares,19a17(+11,76%).Tam- bém tiveram elevação no perí�odo MontesClaros,8a5;ePoçosdeCal- das, com duas ví�timas no primeiro bimestre de 2016, contra uma em igual intervalo de 2015. Apresentaram estabilidade no número de ví�timas de homicí�dios consumados os municí�pios de Uberlândia, com 13 pessoas mor- tas em cada bimestre; Ipatinga, com cinco ví�timas, e Divinópolis, com 3. Esta estatí�stica de homicí�- dios de Minas Gerais é produ- zida pelo Centro Integrado de Informações de Defesa Social (Cinds) da Secretaria de Esta- do de Defesa Social (Seds). A base de dados são os Registros de Eventos de Defesa Social (Reds), como são chamados no Estado os antigos boletins de ocorrência. (Seds)
  9. 9. Montes Claros, sexta-feira, 5.4.2016 GAZETA NORTE MINEIRA 16 ANOS gazetanortemineira.com.br 9 CIANO MAGENTA AMARELO PRETO  Empresarial PICKLES SOBRE A CRISE João Baptista Vilhena, coordenador do MBA em Gestão Comercial da FGV/Faculdade IBS FGV/FACULDADE IBS A crise atual me faz recordar ponderações que já tenho feito ao longo dos mais de 20 anos de experi- ência em consultoria e treinamento. Dizer que vive- mos um mundo em que a única coisa previsí�vel são as mudanças já virou lugar comum há muito tempo. Até hoje "gurus" ganham dinheiro repetindo obviedades do tipo: "Temos de estar alertas às mudanças, pois os sinais de mudança são de baixa frequência e alta in- tensidade; só os paranoicos sobreviverão". Também não aguento mais ouvir o batido “tire o ‘S’ da crise”. Na verdade, o que pouca gente explica é como sobre- viver às mudanças provocadas pelas crises. Como ti- rar proveito delas ao invés de se deixar contagiar ou eliminar por elas? Talvez fosse importante refletir que, além das ób- vias questões polí�ticas e seus reflexos econômicos, muito da crise brasileira tem a ver com o fato de não termos absorvido cinco imensas transformações muito recentes, que são as transformações tecnológi- cas, a ruptura do paradigma da mobilidade, o telescó- pio Hubble, a espacial estacionária e o mapeamento do genoma humano. Se tivéssemos nos preparado adequadamente para receber a tecnologia e dela desfrutar, hoje estarí�amos em melhores condições para enfrentar qualquer cri- se. Mas, como de hábito, perdemos o trem da história e nos embolamos em uma série de discussões esté- reis e sem sentido sobre o bem e o mal da tecnologia. Paí�ses que foram mais pragmáticos surfaram na onda e estão tirando proveito disso. Em relação à mobilidade, acontece a mesma coi- sa. Se ao invés de eleger empresas campeãs, alimen- tadas com farto dinheiro público, tivéssemos posto as agências reguladoras para regular, não para criar dificuldades para depois vender, literalmente, facili- dades, hoje terí�amos o paí�s inteiramente integrado com uma rede de transmissão de dados, e não esse monstrengo vergonhoso que temos que aturar dia- riamente. Caso tivéssemos entendido que o espaço é a pró- xima fronteira a ser conquistada, terí�amos aceitado parceiros para nos ajudar a explorar as atuais ri- quezas naturais. Terí�amos atraí�do capital de investi- mento, ao invés do meramente especulativo e talvez estivéssemos de ombros cerrados com paí�ses como a China, que estão se preparando para conquistar o universo. Tivéssemos compreendido a importância do de- senvolvimento da medicina e não serí�amos reféns da Zika, da Dengue e de outras febres africanas que hoje tanto nos aterrorizam. Mas nada disso aconteceu, então vamos refletir sobre o mundo que temos. O que fazer para vencer a crise que bate às nossas portas? Uma primeira res- posta - óbvia - está no planejamento. Quanto melhor pudermos antecipar potenciais situações de crise, melhor nos sairemos quando elas acontecerem. Mas nem todas as situações de crise são previsí�veis. O que puderam fazer as empresas que operavam no World Trade Center no dia 12 de setembro (um dia após o atentado às torres gêmeas)? Chorar os mortos? Con- tinuar operando? Pedir ajuda às empresas parceiras? Mesmo nas situações previsí�veis, nem sempre se tem a resposta sobre como atuar. Alguém poderia imaginar que quase todas as empresas do Grupo Eike Batista iriam para o buraco? Os investidores pode- riam adivinhar a profundidade do Petrolão? Como? O Lehman Brothers deveria ter denunciado que seus diretores estavam gerenciando recursos de forma pouco ortodoxa? Será que alguém vaticinou que Sér- gio Moro, um Juiz Federal, se tornaria um dos bra- sileiros mais admirados neste iní�cio de século? Essa breve reflexão serve para nos alertar que, mesmo planejando muito, crises nos pegam de surpresa. 2016, o ano do marketing eleitoral Especialista alerta que estratégias de última hora não devem impactar eleitor nem garantir sucesso nas urnas Poucas vezes, anterior- mente, o cenário foi tão ad- verso para os profissionais que trabalham cotidiana- mente o marketing polí�- tico. Apesar da revolução que ocorre nas redes so- ciais e na mí�dia tradicional sobre o processo de impe- achment da presidente da república, estamos em ano de eleições e os profissio- nais das campanhas preci- sam trabalhar a “fórmula” O professor da FGV/Faculdade IBS, Nino carvalho, acredita que esse sentimento em relação ao eleitor é bastante proliferado FGV/FACULDADE IBS do sucesso que determi- nará o caminho eleições neste cenário de descon- fiança do eleitor. Afinal, o paí�s tem hoje quase dez milhões de desemprega- dos, a economia sofre vi- sivelmente os reflexos da crise polí�tica e a corrupção está desmascarada. Aliada a esses fatores, há ainda a constatação de que o elei- tor não tem a percepção de que a polí�tica, mesmo pre- cisando de mudanças, é um bem necessário no proces- so democrático. O professor da FGV/Fa- culdade IBS, Nino carvalho, acredita que esse senti- mento em relação ao elei- tor é bastante proliferado. E mais: “neste momento de crise polí�tica, econômica, financeira e social, eu não acredito em nenhuma fór- mula de sucesso baseada em atalhos”, avisa o espe- cialista. Nino carvalho explica que bem sucedidos serão os profissionais que fazem bem o seu trabalho de co- municação e marketing há mais tempo. Ou seja, não dá para imaginar que numa situação de crise, sensí�vel, haja uma receita mágica para as coisas funciona- rem. Pelo contrário. “O su- cesso será de quem pratica o relacionamento com o seu eleitor, faz as entregas para o seu público, man- tém um canal de comunica- ção aberto, de mão dupla, com esse eleitor – ou seja, os que praticam os funda- mentos de marketing, de comunicação, de relacio- namento de gestão de mar- ca e de análise de cenário para colecionar mais inte- ligência e saber como agir em algumas situações mais especí�ficas, mas justamen- te por causa desse cenário instável não vai adiantar fórmula.” Não há dúvidas, segundo o especialista, de que haverá um movimento até padronizado dos po- lí�ticos, em relação ao dis- curso: cada um terá a sua própria fórmula para sair da crise, gerar empregos para a cidade, para melhor o setor tal, para ajudar a associação tal. Mas o pro- fessor da FGV reconhe- ce que “as pessoas estão muito propensas a acredi- tar em milagres e aceitar soluções miraculosas. No entanto, adverte que isso não vai funcionar ou vai ter um preço muito caro lá na frente. “Eu acho que o público brasileiro estará mais atento”, insiste. Por conta disso, não adianta candidatos que não te- nham um histórico de re- alizações cair de paraque- das em uma campanha que prometa ações mirabolan- tes, mesmo porque a in- ternet está expondo muito as mentiras e mais do que nunca, “o segredo é traba- lhar o marketing como ele sempre deveria ter sido trabalhado”, finaliza Nino Carvalho. Inflação cai, mas economia continua tímida Fatores políticos e econômicos refletem na geração de emprego e renda, o que contribui para a queda de preços, mas não ajuda a aquecer o consumo O professor observa que, para a economia voltar afinal a crescer e para que esse controle da inflação seja regular, será necessária uma definição do quadro político Os economistas já aler- tavam, desde o ano passa- do, e os números recentes só confirmaram: a inflação iniciou sua curva descen- dente. Foi o que sinalizou, na quarta-feira da semana passada, o Í�ndice Nacio- nal de Preços ao Consu- midor Amplo – IPCA-15, que apontou forte desa- celeração na passagem de fevereiro para março. A taxa foi de 0,43%, contra 1,42% registrada em feve- reiro. Seria ingenuidade, no entanto, acreditar que essa curva será regular co- nhecendo os desafios eco- nômicos e polí�ticos que o paí�s tem pela frente. E não se pode ignorar, também, que essa queda deve ser atribuí�da, em parte, pela crise que reflete direta- mente no consumo. Afi- nal, com a alta dos juros, o emprego em queda e as corda bamba da economia, há quase consenso entre os setores de que praticar preços menores e buscar alternativas para fisgar o consumidor viraram ques- tão de sobrevivência dos negócios. O professor da FGV/Fa- culdade IBS, Claudio Nas- cimento Alfradique, alerta que “a queda da inflação em março é uma boa notí�- cia para a economia brasi- leira, tendo em vista que o aumento dos produtos que compõem a cesta de bens utilizada para medir o í�n- dice está menor. Mas ele alerta também que “essa diminuição pode estar ocorrendo por conta de uma demanda menor por estes produtos, agravada pela queda no consumo das famí�lias, que é desin- centivado pela ameaça do desemprego”. O especialista reflete que todos (famí�lias e em- presas) estão segurando os gastos nesse momento de incerteza na economia. “Acredito que alguns fato- res possam manter essa tendência de queda da in- flação nos próximos me- ses, dentre eles a expecta- tiva de reajustes menores dos preços administrados (energia elétrica e tarifas públicas), além dos efei- tos da diminuição no ní�vel de atividade da economia brasileira, o que pode anu- lar a pressão inflacionária causada pelo aumento do dólar e o posterior repasse para os produtos importa- dos. O professor observa que, para a economia vol- tar afinal a crescer e para que esse controle da in- flação seja regular, será necessária uma definição do quadro polí�tico, já que os grandes investidores realmente ficam temero- sos de aplicar recursos em um paí�s onde não se tem certeza de várias coisas, onde há grave quadro de instabilidade polí�tica e o panorama geral é uma in- cógnita. FGV/FACULDADE IBS

×