Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Revoltas nativistas no brasil colonial

7,877 views

Published on

  • Be the first to comment

Revoltas nativistas no brasil colonial

  1. 1. CENTRO EDUCACIONAL SESI – 404 Vera Cruz – Valinhos / SP.Expectativas de Ensino e de Aprendizagens – 2º Ano - Ensino Médio.Analisar criticamente as revoltas do período colonial, identificando asdiferentes versões para explicá-las e o uso político feito destas versões.
  2. 2. MOBILIZAÇÔES SOCIAIS NO BRASIL COLONIALOs Movimentos Nativistas: tinham caráter regional e questionavamaspectos específicos, especialmente no que diz respeito ao Pacto Colonial.1.1- Revolta de Beckman – MA /1684.Participantes: Elite local; (Divergências entre Jesuítas x Fazendeiros no quetange a exploração da mão de obra indígena)Líderes: irmãos Beckman (Tomás e Manuel);Motivos: descumprimento dos compromissos da Cia. de Comércio doMaranhão na utilização de mão-de-obra indígena.Descontentamento de elites locais (altos preços e má qualidade deprodutos).A CIA. deveria fornecer 500 escravos por ano.O Conflito: os rebeldes mantiveram por um mês o governo na região. Masa Coroa Portuguesa logo realizou uma violenta repressão e os líderesforam enforcados. No final, foi normalizado o abastecimento de escravospara a região e teve fim o monopólio de comércio de escravos.
  3. 3. 1.2- Guerra dos Emboabas - MG / 1707-1709.Participantes: Bandeirantes (Paulistas) X Forasteiros (Emboabas);Motivo: Disputa pela região aurífera;O CONFLITOA guerra começa com o cerco de Sabará pelos emboabas, incendiandoaldeias e matando pessoas. Os paulistas procuram desforra em um novo conflito, mas novamente sãoderrotados em uma sangrenta matança, no chamado Capão da Traição.
  4. 4. O Final da Guerra dos Emboabas foi desfavorável aos paulistas.Com a derrota dos paulistas, alguns deles fossem para o oeste ondedescobririam novas jazidas de ouro nos atuais estados do MS, MG e GO.Regulamentação da distribuição de lavras entre emboabas e paulistasRegulamentação da cobrança do Quinto;Divisão da Capitania de São Vicente: Capitania de São Paulo e Minas deOuro, e surgimento da Capitania do Rio de Janeiro;São Paulo deixou de ser vila passa a ser cidade;Acabam as guerras na região das minas, com a Metrópole assumindo ocontrole administrativo da região. Rio das Mortes / MG
  5. 5. 1.3- Revolta de Felipe dos Santos - MG / 1720.Participantes: Elite local (mineradores, fazendeiros e comerciantes);Motivos: cobrança excessiva de impostos e instalação das Casas deFundição;O Conflito: Felipe entregou algumas reivindicações ao governador, com apromessa de serem atendidas, mas logo depois ele é capturado eenforcado, e com isso as Casas de Fundição se alastram pela região.
  6. 6. 1.4- Guerra dos Mascates – PE / 1710Participantes: Senhores de Engenho de Olinda X Mascates de Recife.Motivos: Causa básica: Recife obtém autonomia e Olinda não aceita.Olinda: Endividamento e empobrecimento dos Senhores de Engenho deAçúcar. (Latifundiários)Recife: Os comerciantes reivindicavam maior participação política;(Comerciantes Portugueses)Início: elevação de Recife à categoria de Vila.Resultados: com a intervenção da Coroa Portuguesa Recife foi elevadaà capital de PE.
  7. 7. RESUMO BÁSICO
  8. 8. Bibliografia Básica.Resumo Básico das Rebeliões do Brasil Colonial. Disponível in:<http://profedu.blogspot.com.br/2007/05/blog-post_28.html> Acesso em 06/02/2013.Rebeliões e Revoltas no Brasil Colonial. Disponível in:<http://www.colegiomondrone.com.br/images/works/12082010170705.pdf> Acesso em06/02/2013 – Grifo Nosso.
  9. 9. Romanceiros da Inconfidência IIou do Ouro Incansável)Mil bateias vão rodandosobre córregos escuros;a terra vai sendo abertapor intermináveis sulcos;infinitas galeriaspenetram morros profundos.De seu calmo esconderijo,o ouro vem, dócil e ingênuo;torna-se pó, folha, barra,prestígio, poder, engenho . . .É tão claro! — e turva tudo:honra, amor e pensamento.
  10. 10. Borda flores nos vestidos,sobe a opulentos altares,traça palácios e pontes,eleva os homens audazes,e acende paixões que alastramsinistras rivalidades.Pelos córregos, definhamnegros a rodar bateias.Morre-se de febre e fomesobre a riqueza da terra:uns querem metais luzentes,outros, as redradas pedras
  11. 11. Ladrões e contrabandistasestão cercando os caminhos;cada família disputaprivilégios mais antigos;os impostos vão crescendoe as cadeias vão subindo.Por ódio, cobiça, inveja,vai sendo o inferno traçado.Os reis querem seus tributos,— mas não se encontramvassalos.Mil bateias vão rodando,mil bateias sem cansaço.
  12. 12. Mil galerias desabam;mil homens ficam sepultos;mil intrigas, mil enredosprendem culpados e justos;já ninguém dorme tranqüilo,que a noite é um mundo desustos.Descem fantasmas dos morros,vêm almas dos cemitérios:todos pedem ouro e prata,e estendem punhos severos,mas vão sendo fabricadasmuitas algemas de ferro. Cecília Meirelles

×