Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

A pantera 2011

1,812 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

A pantera 2011

  1. 1.                           A  PANTERA   -­‐  peça  em  1  ato,  80’-­‐   2009     REVISADO  EM  2011                             CAMILA  APPEL       * todos os direitos reservados. texto registrado no Escritório de Direitos Autorais da Fundação Biblioteca Nacional*   1  
  2. 2. POEMA  “A  PANTERA”  –  RAINER  MARIA  RILKE        The  Panther  (In  Jardim  des  Plantes,  Paris)  Tradução  do  original  em  alemão  de  Stephen  Mitchell.      His  vision,  from  the  constantly  passing  bars,  has  grown  so  weary  that  it  cannot  hold  anything  else.        It  seems  to  him  there  are  a  thousand  bars;  and  behind  the  bars,  no  world.    As  he  paces  in  cramped  circles,  over  and  over,  the  movement  of  his  powerful  soft  strides  is  like  a  ritual  dance  around  a  center  in  which  a  mighty  will  stands  paralyzed.    Only  at  times,  the  curtain  of  the  pupils  lifts,  quietly-­‐-­‐.  An  image  enters  in,  rushes  down  through  the  tensed,  arrested  muscles,  plunges  into  the  heart  and  is  gone.      Rainer  Maria  Rilke        A  Pantera  (No  Jardin  des  Plantes,  Paris)  Tradução  de  Tercio  Redondo      Seu  olhar,  de  tanto  contemplar  as  grades,  está  cansado  e  já  nada  vê.  É  como  se  o  cercassem  milhares  de  barras  e  por  trás  delas  nada  mais  houvesse.    O  corpo  forte  se  move  com  suavidade    perfazendo  um  círculo  diminuto;  executa  uma  dança  de  força  em  torno  a  um  ponto  onde  uma  férrea  vontade  jaz  entorpecida.    Por  vezes  as  pupilas  se  abrem  silenciosas.  Atravessa-­‐lhes  então  uma  imagem  que  percorre  a  tensa  serenidade  dos  membros    e  se  exaure  no  coração.     2  
  3. 3.   A  PANTERA    PERSONAGENS:    ELA:  aprox.  30  anos.  ELE:  aprox.  30  anos.  PANTERA:  rugido/jogo  de  luz  e  sombra,  à  critério  da  direção.    TEMPO:  presente.  LOCAL:  supermercado  de  classe  média  alta.    CENA  1  -­‐  COMPRAS  NO  SUPERMERCADO     Há   três   corredores   paralelos.   O   primeiro   (da   direita   para   a   esquerda)   tem  produtos   de   limpeza,   jardinagem   e   higiene.   No   segundo,   há   sucos   e   bebidas  alcoólicas   de   um   lado   e   condimentos   e   molhos   do   outro.   No   terceiro,   há   doces,  bolos,   velas   e   produtos   de   festas   de   aniversário,   como   bexigas,   e   uma   mesa   de  vegetais  no  centro.     Sugere-­‐se   que   o   cenário   não   indique   um   supermercado   de   forma  realística   e   os   produtos   não   sejam   identificáveis   para   o   público.   A   cenografia  pode   abstrair   dessa   ideia   de   três   corredores   paralelos   para   sugerir   um  supermercado,  contanto  que  mantenha  uma  sensação  de  claustrofobia  no  palco.   O   supermercado   está   iluminado   por   uma   luz   branca.   Há   um   sinal  luminoso  vermelho  “SAIDA”  (ou:  Exit)  no  canto  direito  do  palco.  A  luz  dele  está  apagada.   ELE  e  ELA  escolhem  produtos  e  colocam-­‐nos  no  carrinho,  guiado  por  Ele.     Conversam   baixo,   não   é   possível   entender   o   que   falam   da   plateia.  Começam  o  diálogo  logo  após  o  terceiro  sinal.       ELE  Não  tem  como  sobreviver.     ELA  E  o  que  a  gente  deve  fazer,  deixar  ele  trancado  num  quarto?     ELE   (irônico)  Não,  dá  para  colocar  grade  em  tudo.     ELA  Eu  não  vou  morar  numa  prisão.       ELE   (Olha  para  a  prateleira,  se  refere  aos  produtos,  caixas  coloridas)  Qual  é  a  diferença?         3  
  4. 4. ELA  Tem  que  ter  outra  saída.     ELE  A  gente  morar  num  apartamento,  ué.     ELA  Não,   eu   sempre   morei   em   casa,   eu   gosto   de   casa.   Fiquei   dois   anos   desenhando  uma  para  a  gente,  como  é  que  você  fala  isso?     ELE   (pega  uma  caixa  nas  mãos,  lê  conteúdo,  fala  para  si  mesmo)  Passagem  para  a  copa  do  mundo,  vou  levar  esse.     (Coloca  o  produto  no  carrinho).  Se  deixar  solto  ele  vai  morrer.       ELA  Ele  vai  morrer  de  qualquer  jeito,  um  dia,  e  eu  espero  que  antes  da  gente.    Eu  prefiro  o  que  tem  menos  caloria.     ELE  A   coisa   é   simples:   ou   a   gente   mora   numa   casa   e   compra   um   cachorro,   ou   num  apartamento  com  um  gato.    E  esses  daqui  engordam  igual,  é  a  porcentagem  de  gordura  que  você  precisa  ver.       ELA  Eu  quero  um  gato,  na  casa,  e  livre!     ELE  Sei,  só  que  se  ele  ficar  solto,  ele  não  vai  sobreviver.     ELA  Você  percebe  o  absurdo  do  que  tá  falando?     ELE   (pensa  um  pouco  e  diz...)  Não.       ELA  Como  é  que  um  bicho  tem  que  ficar  preso  para  sobreviver?     ELE  É  assim  que  as  coisas  são.       ELA  Vamos  logo  com  isso.  A  gente  não  tem  muito  tempo.    Me  passa  a  lista?       4  
  5. 5. ELE  Tá  aqui.   Ele  oferece  a  lista  de  compras   para  ela,  ela  não  pega,  se  perde   no  próprio  discurso.           ELA    (rápido)  Ah,   eu   to   ansiosa,   eu   sei   que   é   normal,   todo   mundo   passa   por   isso,   bom,   quase  todo  mundo,  tadinha  da  minha  tia,  tantos  namorados,  tava  sempre  quase  lá.    Tem   um   buraco   no   meu   estômago,   e   não   é   a   dieta   para   ficar   bem   no   vestido,   é  ansiedade.  E  se  não  aparecer  ninguém?  Não,  ninguém  não  é  possível.    (suspira,  tom  poético)  E  hoje  eu  ainda  acordei  estranha...  Parece  um  daqueles  dias  que  ameaça  chover  o  dia  inteiro  mas  não  chove.  A  água  fica  presa  lá  em  cima,  a  umidade  suspensa  no  ar.       Ela  pega  a  lista  de  compras  das   mãos  dele.       ELE  Tem  gente  que  chama  isso  de  nuvem.     ELA  Você   nunca   vai   entender   essa   sensação,   é   muito   sutil.   O   frio   na   barriga   de   que  algo   grande   está   para   acontecer.   Eu   sinto   ele   chegando...   e   eu   sei   que   eu   to  preparada.  Eu  to  preparada  para  o  bum!     ELE  Eu  sinto  isso  desde  criança  e  até  agora  o  grande  bum  ainda  não  veio...       Ela  passa  uma  garrafa     de  suco  de  cramberry     para  ele  colocar  no  carrinho.       ELA  Tó,  vamos  levar  só  dois  desse  daqui.     ELE  Esse  aí  que  é  o  super  suco?       ELA  Dizem  que  cramberry  faz  muito  bem  à  saúde.     5  
  6. 6. ELE  Parece  groselha,  quem  fala  isso?     ELA  A  Doutora  Vania.     ELE   (zombando)  Sua  ginecologista?     ELA  É  ué.  Tem  bichinhos  anti-­‐oxidantes  aí  dentro...       ELE  Ha,   bichinhos   anti-­‐oxidantes.   Mas   deixa   os   sucos   aí   porque   eles   ocupam   muito  espaço   e   deixam   o   carrinho   mais   devagar.   No   final   eu   pego   enquanto   você   vai  para  a  fila  do  caixa.       ELA  Ele  já  tem  tuuuudo  esquematizado.     ELE  Tem  que  ter  um  plano  para  otimizar  o  tempo  e  o  espaço.  Agora  os  vegetais.     ELA  Vamos  pegar  mais  tomate,  não  acho  que  você  comprou  o  suficiente.       ELE  Tomates  a  caminho!     Ele  dá  uma  corrida    com  o  carrinho.       ELA  Espere  por  mim  meu  leopardozinho!     Ela  agarra  o  braço  dele.     ELE  Leopardozinho?  Essa  é  nova,  hein...     ELA  Tá  na  hora  da  gente  ter  um  apelido  mais  nosso.     ELE  Ah,  o  tempo  dos  nomes  normais  expirou?       6  
  7. 7. ELA  Ah...  Eu  quero  mais  intimidade.     ELE  Tá  à  venda  ali  no  corredor  8...  minha  linda.     ELA  Linda  não,  é  muito  genérico.     ELE  Posso  dar  uma  olhada  na  lista,  minha  borboleta?     Ela  passa  a  lista  para  ele.     ELA  Borboletas  são  muito  frágeis,  elas  vivem  só  um  dia.  Nosso  amor  é  forte  e  eterno!     ELE   (olhando  a  lista)  Seis   pacotes   de   papel   higiênico?   Por   que   a   gente   não   compra   só   o   que   tá   faltando  para  a  festa?  Não  tem  muito  tempo  e  você  colocou  aqui  até  a  comida  do  gato  que  a  gente  ainda  nem  tem.     ELA  Isso!  Posso  te  chamar  de  gato,  meu  gato...       ELE  Aí  eu  nunca  vou  saber  se  você  tá  chamando  ele  ou  eu.     ELA  Ele  eu  vou  chamar  pelo  nome,  Ígor.       ELE  O  bicho  tem  nome  de  gente  e  eu  tenho  nome  de  bicho.     Ela  pega  uma  barra  de   chocolate  grossa,  dessas  para   cozinhar.         ELA  Tem  sobremesa  suficiente  para  todo  mundo?     ELE  Tem.             7  
  8. 8. ELA  Ah,  vou  levar  de  qualquer  jeito.  Quero  fazer  um  bolo  para  você.     (conotação  de  quem  sabe  que  é  o  bolo  predileto  dele)  Nega  maluca,  hum?       ELE  Tem  estudos  seríssimos  sobre  isso.     ELA  Sobre  o  quê?     ELE  O  casal  engorda  depois  do  casamento,  porque  um  fica  querendo  agradar  o  outro  com  comidas  prediletas.  A  mulher  normalmente  engorda  mais  do  que  o  homem.     ELA  Estraga-­‐prazeres,  eu  aqui  querendo  agradar...     ELE   (sobre  o  estudo)  É  verdade...     ELA   (colocando  a  barra  no  carrinho)  Vem.         Chegam  à  mesa  de  vegetais.     Ela  pega  uma  cenoura  nas   mãos.     ELE  Já  sei  do  que  eu  vou  te  chamar:  coelhinha.     ELA  Eu  não  gosto  de  cenouras  tanto  assim.     ELE  Coelhos  têm  um  monte  de  filhos...     ELA  E  daí?     ELE   (pega  na  barriga  dela)  Um  monte  de  filhotinhos  nessa  barriguinha  linda.         8  
  9. 9. Ela  tira  a  mão  dele  da  barriga   dela  e  vai  colocando  tomates     num  saquinho  plástico   transparente.     ELA  Então  porque  você  não  me  chama  de  galinha  logo  de  uma  vez,  se  é  isso  que  eu  vou  ficar  fazendo,  botando  ovo.     ELE  Mas  não  é  qualquer  galinha....  A  minha  gostosa,  bronzeada,  suculenta  galinha.     ELA  Eu  não  gosto  de  galinha,  muito  menos  de  galinha  assada.     Ela  coloca  os  tomates  no   carrinho,     não  fecha  o  saco.  Ela  pega  a   lista  da  mão  dele,  uma  caneta   na  bolsa  e  risca.     ELA  Adoro  riscar  as  coisas  na  lista  de  compras.  Sensação  de  missão  comprida.  Mais  molho  para  a  carne.     ELE  Mais  ainda?     ELA  Nada  pode  faltar  para  a  sua  família.       ELE  É,  não  pode.  Vamos  por...       ELA   (interrompendo)  Ah,  eu  preciso  de  desodorante,  vem  cá.     ELE  A   mostarda   para   o   molho   tá   aqui   do   lado.   Não   vai   querer   comprar   todas   suas  necessidades  básicas  agora,  vai?       Chegam  à  prateleira  da   mostarda.     ELA  Não  tem  nada  de  básico  nas  minhas  necessidades.    É  essa  a  mostarda  que  você  tá  usando?     9  
  10. 10.   ELE  É.     Ele  põe  2  potes  de  mostarda   no  carrinho  e  pega  uma  lata  de   molho  nas  mãos.     ELA  Olha  esse  molho  pronto,  tá  em  promoção.  Pode  ser  bom  para  uma  emergência.     ELE  Ah  não,  esse  aí  é  o  que  me  faz  ir  para  uma  emergência.  Foi  por  isso  que  você  tirou  do  menu.     ELA  Menu  de  hoje?     ELE  Não...  do  casamento.     ELA  Menu  do  nosso  casamento  meu  pão  de  mel?     ELE  Do  nosso  casamento  meu  algodão  doce.    Ah,  para  com  isso  que  eu  já  tô  me  sentindo  ridículo.     Ela  coloca  o  molho  dentro  do   carrinho  de  compras.  Ele  não   percebe.     ELA  O  amor  é  ridículo,  vem  cá  meu  noivo.     Ela  beija  a  bochecha  dele.     ELE  Detesto   esse   título,   noivo.   Um   negócio   intermediário   que   não   quer   dizer   nem  solteiro,  nem  casado.  Você  não  tá  nem  feliz,  nem  fudido.  Eu  tô  no  estado  do  nada.  Noivo   no   dicionário   deveria   tá   assim:   o   que   se   encontra   em   constante   espera,   no  limbo.       ELA  Eu  não  mudei  o  menu.  Foi  a  mãe.  A  mãe  estava  responsável  por  isso.     ELE  A  minha  mãe?       10  
  11. 11. ELA  É   que   eu   gosto   de   chamar   ela   de   mãe,     ela   é   nossa   mãe.   Minha   mãe   estaria  responsável.  Se  ela  tivesse  viva,  claro.  Vamos  pegar  o  desodorante  agora?       Ele  pega  uma  vela.     ELE  Dá  um  minuto?  Eu  queria  pegar  um  negócio  aqui.       ELA  Pega  o  negócio  aí.     ELE  É  uma  surpresa  para  você...  Será  que...     ELA  Tá  bom,  tá  bom,  eu  te  dou  espaço.  Ele  quer  privacidade  até  no  supermercado.     Ela  sai,  vai  para  o  corredor  1.   Ele  pega  um  bolo  pronto,     esconde  embaixo  dos  outros   produtos.  Ela  volta  segurando   um  monte  de  pacotes  de  papel   higiênico.     ELA  Aqui  está.  Esse  não  dava  para  faltar.     ELE  Tanto  assim?  A  gente  já  vai  viajar.     ELA  Aqui  quem  não  otimiza  tempo  e  espaço  é  você.  Eu,  sento  lá,  faço  o  que  tenho  para  fazer  e  vou  embora.  Você  não,  fica  hoooras...  pensando  na  vida...  É  que  os  homens  tem  zonas  erógenas  lá  trás...     ELE  Os  homens  é?       ELA  Cadê  seu  senso  de  humor?  Você  fica  entediado  no  supermercado,  vem  cá  que  eu  vou  fazer  seus  olhos  brilharem.             11  
  12. 12. Ela  fecha  os  olhos  dele  com   dois  tomates,  daqueles  que   tem  o  cabo  em  estrela.   Cantarola  a  marcha  nupcial,     andam  como  se  entrando  na   igreja,  ele  sem  enxergar,   gesticulando  cego.  Ela  está   atrás  dele  segurando  os   tomates.  Ela  tira  os  tomates.       Podem  simular  essa  entrada   nupcial  com  outros  elementos   do  supermercado  ao  invés  do   tomate.  Como  um  vegetal  no   lugar  do  buque.     Param  de  braços  dados,  de   frente  para  a  plateia,  como  se   no  altar  da  igreja.     ELE  Com  quem  que  a  Liza  vai  no  casamento?     ELA  Hã?     ELE  A  Liza.  Com  quem  ela  vai  ao  casamento?       ELA  Por  que?     ELE  Eu  tava  pensando  em  apresentar  ela  pro  Sérgio.     ELA  Ah.  Você  acha  que  ele  gostaria  dela?     ELE  Claro.     ELA  Por  que  claro?  Porque  ela  é  gostosa?     ELE  Claro  que...  sim.     ELA     12  
  13. 13. Bom,  ela  com  certeza  vai  tá  linda.  Mandou  fazer  o  vestido  especialmente  para  a  ocasião.  O  modelo  chama  tatuagem.         ELE  Porque,  é  impossível  de  tirar?     ELA  Não  bobo,  porque  fica  colado  no  corpo.       ELE   (para  si)  Hummm...       Ela  passa  as  mãos  pelos  potes   de  especiarias,  procurando   alguma  coisa.  Se  agacha,  olha   para  os  da  última  prateleira.     ELA  Olha  quem  tá  aqui!  A  pimenta  mais  nobre  do  reino.     Ela  se  levanta  segurando  o   produto.     ELE   (pensativo)  Ela  mesma,  a  mais  nobre  do  reino.     ELA  Um   puta   produto   legal,   diferenciado...   quem   mais   faz   pimenta   orgânica?   Quero  ver   um   que   tenha   coragem   de   inventar   condimentos   orgânicos   com   todas   as...  todas  as  vantagens  auto-­‐sustentáveis  como  você  faz.     ELE  É  isso  aí,  quero  ver  um!     ELA  Tá  um  pouco  caro,  não?       ELE  As  vendas  tão  caindo,  não  posso  diminuir  a  margem.    Só  que  aí  tá  foda,  o  consumidor  tem  que  abaixar  para  pegar  o  produto!     ELA  E  qual  é  o  problema  disso?       13  
  14. 14. ELE  A  maior  parte  das  compras  é  feita  por  impulso,  decididas  na  hora,  e  as  pessoas  são   preguiçosas,   só   vai   abaixar   quem   estiver   procurando   por   essa   marca  especificamente.     ELA  Eu  estava  procurando  por  essa  marca  especificamente.     ELE  Porque  foi  você  quem  fez  o  design  dela.       ELA  Para  você  vender.     ELE  Obrigado  minha  luz.     ELA  Luz  é  brega,  hein  meu  anjo?       ELE  Meu   anjo   e   minha   luz   não   dá.   Meu   leopardozinho   tá   fora   de   cogitação.   Minha  linda  é  ordinário,  minha  borboleta  é  muito  frágil.  Tá  vendo?       ELA  Vamos  ficar  com  o  meu  e  minha  então.     ELE  Hã?  Meu  e  minha?     ELA  Eu  te  chamo  de  meu  e  você  me  chama  de  minha.     ELE  Essa   é   boa!   Seu   pai   vai   adorar   me   escutar   te   chamando   de   minha.   Mas   é   isso  mesmo,  toda  minha.  Vem  cá.       Ele  a  abraça,  possessivamente.         ELA  Não  me  aperta  assim  que  eu  tô  com  vontade  de  fazer  xixi.     Ele  solta.     ELE  Vai  ao  banheiro  ué.     ELA     14  
  15. 15. É...       Ela  sente  alguma  coisa   estranha  no  ar.         ELA  Será  que  tem  banheiro  aqui?     ELE  *  Não.  Funcionário  não  mija,  não  caga,  não  faz  nada.     ELA  Tá.  Não  vai  deixar  o  carrinho  desgovernado  por  aí,  hein  meu?     ELE  Ninguém  vai  roubar  nosso  carrinho,  minha.     ELA   (olhando  em  volta)  É...  o  lugar  não  está  exatamente  cheio.  Não  tô  vendo  uma  só  pessoa.     Ela  sai  do  palco.  Ele  vê  se  não   tem  ninguém  olhando  e  troca   os  produtos  da  marca   concorrente  pelos  seus,   colocando-­‐os  na  prateleira   que  está  à  altura  dos  olhos.     Ela  volta,  observa  ele   trocando  os  últimos  itens.       Ele  se  vira.     ELE   (constrangido  por  ser  pego  no  flagra)  Já?     Ela  está  imobilizada,  assustada.       ELA  E-­‐eu  não  achei  ninguém.     ELE  Hum?     ELA   (cochichando)  Não  tem  ninguém  nesse  lugar  além  de  nós  dois.     15  
  16. 16.     ELE  Até  parece.     ELA  Vamos  embora?     ELE  Eu  vou  lá  ver  o  outro  lado.     ELA  Não...     ELE  Um  minuto.     ELA  Deve  ter  acontecido  alguma  coisa  muito  grave.  Vou  ligar  para  sua  mãe.     Ele  sai.  Ela  tira  o  celular  da   bolsa.  Disca.  A  ligação  não  se   completa.  Anda  pelo   supermercado,  tentando  ver   onde  há  sinal.  Tira  os   produtos  do  carrinho,   coloca-­‐os  no  chão.  Repara  no   bolo.  Sobe  dentro  do   carrinho  para  tentar  sinal  no   alto.  Tenta  se  equilibrar.  Ele   volta.     ELE  O  que  você  tá  fazendo?     ELA  O  celular  não  pega!     ELE  Desce  daí  macaca,  vai  acabar  caindo...     ELA  Achou  alguém?     ELE  Não,  não  achei  ninguém.       ELA     16  
  17. 17. (descendo  do  carrinho)  Vamos  embora.     ELE  É  sábado  à  noite,  o  supermercado  deve  fechar  no  mínimo  umas  onze.       ELA  Alguém  muito  famoso  deve  ter  morrido,  vem.     ELE  Deixa  as  coisas  aqui?  Ah,  e  eu  ia  fazer  uma  surpresa  para  você...     Ele  joga  a  vela  dentro  do   carrinho  e    sai  do  palco.   Música.  As  luzes  diminuem,  só   é  possível  ver  a  silhueta  do   interior  do  supermercado.        CENA  2  -­‐  PRESOS  NO  SUPERMERCADO     Eles   começam   a   falar   da   coxia.   As   luzes   vão   voltando   ao   normal   conforme   entram   no   palco.       ELA  Essa  é  boa!  Como  é  que  trancaram  a  gente  aqui  dentro?!       ELE  Não  faço  idéia.       Entram  no  palco.  Luzes  acesas.     ELA  Não  faz  sentido,  você  já  viu  isso  acontecer?     ELE   (pode  só  balançar  a  cabeça  negativamente)  Não.     ELA  Peloamordedeus,  faz  alguma  coisa!     ELE  Putz,  eu  tô...     17  
  18. 18.       ELA  Completamente  paralisado,  eu  tô  vendo.     (gritando,  para  o  teto)  Alô!  Oie!  Alôoo!     ELE  Calma  meu  amor,  não  é  tão  grave  assim.     ELA  Como  não?       ELE  Eu  vou  ver  se  as  portas  do  fundo  estão  abertas.     Ele  vai  sair,  escuta  ela  berrando,  volta.     ELA   (para  algum  lugar  não  específico  do  supermercado)  Alô,  alô,  tem  gente  aqui  dentro!  Alô!     ELE  É  mais  fácil  usar  o  celular.     ELA   (respira  fundo)  O  meu  não  tá  pegando,  me  empresta  o  seu?     Ele  tira  o  celular  do  bolso,   passa  para  ela  e  sai  do  palco.   Ela  sobe  no  carrinho,  tenta   achar  sinal  de  novo.  Disca   alguma  coisa,  a  ligação  não  se   completa.     ELA  Sem  noção.    Não  vai  essa  merda!     Ela  se  empurra,  apoiando  no   corredor,    até  a  frente  do  palco.     Aponta  o  celular  para  a  platéia,   olha  o  visor.       ELA  Não  tem  nada  aqui.  Que  saco.   (bufa)     18  
  19. 19. Alô!  Tem  alguém  aí?     Ela  senta  dentro  do  carrinho,   abraça  as  pernas,  segurando  o   celular  dele.  Começa  a  fuçar   lendo  as  mensagens  de  texto.   Reage  negativamente  ao  que   lê.  Ele  entra.  Ela  disfarça,   coloca  o  celular  na  bolsa.       ELA  E  aí?     ELE  Nada.     ELA   (irônica)  Nada...     ELE  Não  consegui  abrir  uma  porta,  é  muito  estranho,  a  gente  tá  tranc...     ELA  Que  incompetência,  hein?     ELE  Que  é  isso,  a  culpa  não  é  minha.  Não  tem  saída.     ELA  É   impossível   não   ter   saída.   Você   é   que   não   achou   uma.   Se   não   consegue   tirar   a  gente  de  uma  situação  que  nem  é  tão  grave  assim...     ELE  Simples  também  não  é...     ELA  ...  só  quero  ver  como  vai  ser  com  filhos.       ELE  Associação  livre  essa  hein?  De  presos  num  supermercado  para  filhos.       ELA  Não  quero  discutir  isso  agora.     ELE  Só  faltava...       19  
  20. 20.     ELA   (suando  frio)  Amor,  eu  tenho  fobia  dessas  coisas.  Tá  tudo  girando,  eu  vou  desmaiar.       Ele   faz   massagem   nos   ombros   dela   (ela   ainda   está   sentada   dentro   do   carrinho).   Ela   respira  fundo,  vai  relaxando.     ELE  Calma...  Nunca  vi  você  desse  jeito.  Não  me  deixa  aqui  sozinho  não.     Ela  tira  um  remédio  da  bolsa.     ELE  Para  que  que  é  esse  aí?     ELA  Para  qualquer  coisa.     Ela  toma  o  remédio.       ELA  Como  é  que  a  gente  sai  daqui?     ELE  Você  conseguiu  falar  com  alguém?     ELA   (ainda  suando  frio)  Não  tem  sinal.     (Olha  em  volta,  sente  claustrofobia)  Ai,  ai...     ELE  Isso  é  psicológico.  A  gente  tá  aqui  há  um  tempão  e  você  não  tava  passando  mal.  Para  quem  que  você  tentou  ligar?     ELA  190.     ELE  Vou  fazer  papel  de  palhaço  na  frente  da  polícia?  Deixa  de  ser  neurótica!     ELA  Estúpido.       20  
  21. 21.     ELE  Desculpa.       ELA  Por  que  você  não  vai  até  o  caixa  e  procura  algum  botão  de  emergência?     ELE  Tá.     ELA   (tira  o  celular  da  bolsa)  Vou  ver  se  o  sinal  volta.     ELE  Que  saco,  não  tô  vendo  botão  nenhum.     ELA   (para  si  mesma)  Ai,  eu  tô  muito  tonta...   (para  ele,  lá  trás)  Com   certeza   tem   um   botão   de   emergência   aí,   algum   vermelho,   anti-­‐ladrão,  emergência  pôxa.     ELE  Putz,  vou  tentar  esse  aqui.  Acendeu  aqui  no  caixa,  deve  ser  de  chamar  o  gerente.     ELA  Anda  logo.  Lerdo.  Eu  to  passando  mal!!!     ELE  Então  por  que  você  não  liga  para  a  Doutora  Vânia,  hein?     ELA  O  que  que  minha  gineologista  tem  a  ver  com  isso?     ELE  Ela  deve  ser  sua  clínica  geral  também,  você  não  sai  de  lá.     ELA  Ela  é  muito  mais  do  que  isso.  Você  achou  o  botão?     ELE  Vários,  mas  nenhum  que  sirva.         21  
  22. 22. Ele  volta  segurando  um  rádio.     ELE  Vocês  duas  tem  segredos,  é?       ELA  Olha  quem  fala!  Não  sou  eu  que  faço  planos  secretos  sem  te  avisar.       ELE  Pirou?     ELA   (saindo  de  dentro  do  carrinho)  Vi   uma   mensagem   do   Sérgio   no   seu   celular.   Todo   feliz   porque   você   quer  apresentar  a  Liza  para  ele.  Você  falou  com  ele  sem  me  consultar.  O  que  você  vai  fazer  com  esse  rádio?     ELE  Qual  é  o  problema  de  eu  querer  apresentar  os  dois?       Ele   coloca   o   rádio   no   chão   e   fica   tentando   sintonizar   uma   estação.     ELA  “Ela  é  seu  tipo,  não  tem  erro”,  você  escreveu.     ELE  Desde  quando  você  fuça  no  meu  celular?     ELA  “Não  tem  erro”  por  quê?       ELE  Desde  quando  você  fuça  no  meu  celular?     ELA  Você  acha  impossível  um  homem  não  gostar  da  Liza?     ELE   (fala  ou  gesticula)  Dá  para  parar?!     ELA  Não,  tudo  bem...  ela  é  linda  mesmo.  Qualquer  um  baba  nela,  homens  e  mulheres.    Lá  no  altar,  ela  de  vermelho  e  eu  ao  lado  toda  de  branco  parecendo  uma  mãe  de  santo*.  O  que  que  seus  amigos  vão  pensar?    Esse  aí  se  deu  bem,  com  uma  melhor  amiga  dessas  até  eu  casava.       22  
  23. 23.   ELE  Quanta  merda...         ELA   (sensação  de  claustrofobia.  Para  si  mesma)  Ai,  ai...  tô  suando  frio.  Será  que  eu  já  tomo  outro?     ELE  Acho  que  eu  consegui  sintonizar  alguma  coisa.     ELA  Notícias?     ELE  Notícias   de   Deus.   É   uma   rádio   evangélica.   Vou   bem   devagar   para   ver   se   pega  outra.     ELA  Sua  mãe  escuta  o  religioso.     ELE  Ela  gosta  da  música,  diz  que  anima.     ELA  Foi  para  ela  que  eu  tentei  ligar,  de  novo,  não  para  a  polícia.  Ela  virou  número  1  na  minha  discagem  rápida  do  meu  celular.     ELE   (compreensivo,  lembrando  que  a  mãe  dela  já  morreu)  É,  eu  sei  meu  amor.     Ele  a  abraça.     ELE  Você  tá  melhor?  Daqui  a  pouco  vai  aparecer  alguém  para  tirar  a  gent...     ELA  Ela  até  me  disse  que  eu  deveria  ser  uma  mulher  muito  compreensiva,  por  não  me  importar  com  suas  tantas  super  amigas.     ELE  Ah,  não  começa  com  ciúmes.  Você  precisa  aprender  a  controlar  isso.     Ele  pega  o  rádio  nas  mãos.     ELA     23  
  24. 24. É  sim,  controlar  muito  bem.  Com  quem  você  sai,  aonde  você  vai,  que  horas  vai,  que  horas  chega.     ELE  Peloamordedeus,  essa  bosta  não  funciona!     Ele   joga   o   rádio   no   chão.   Escuta   um   barulho   maior   do   que   o   que   seria  a  queda  do  rádio.     ELE  Você  escutou  isso?     ELA  Você  detonando  sua  grande  ferramenta  para  tirar  a  gente  daqui?  A-­‐hã.     ELE  Tem  mais  alguém  aqui  dentro.    Já  volto.     Ele  vai  para  o  corredor  3  e  fica   escutando   barulhos,   indeciso   sobre   o   que   fazer,   mas   acaba   não   saindo   do   lugar.   Só   escuta   sons   (audíveis   só   para   ele   e   não  para  ela  ou  para  a  platéia)   e  reage  com  estranhamento.       ELA  Não  me  deixa  aqui  sozinha...  Eu  tô  passando  mal...     Ela   olha   em   volta,   se   dá   conta   de  que  está  sozinha.  Se  abraça,   como  se  sentindo  frio.         ELA  Eu  não  acordei  legal.  Eu  sei  que  te  afasto  de  mim  quando  te  trato  assim.  Por  que  que  eu  faço  isso?     Ela  abaixa  a  cabeça  angustiada.   Ele  volta.     ELE   (bufando)  Você  não  vai  acreditar.     ELA       24  
  25. 25. Me  abraça?             ELE   (impaciente)  Não  tem  tempo  para  isso  agora,  isso  é  aqui  é  uma  emergência!  Eu  acho  que  tem  mais   alguém   aqui   dentro.   E   tava   fazendo   um   barulho   muito   estranho.   Você  acredita   que   não   consegui   abrir   uma   porta   sequer?   A   gente   tá   trancado   e   tem  mais  alguém  aqui.  Você  tá  me  escutando?     ELA   (cabisbaixa,  nem  ouvindo)  Estou.     ELE  Faz  alguma  coisa,  não  fica  aí  parada  com  essa  cara  de  coitada.     ELA  Não  joga  a  tua  incompetência  para  cima  de  mim.     ELE  Ué,   você   não   tá   sempre   dizendo   que   é   mulher-­‐maravilha?   Agora   é   hora   de  mostrar  seus  poderes.   ELA   (grita)  Ah!  Mulher-­‐maravilha  era  o  apelido  da  Liza!  Eu  era  a  mulher-­‐gato!    Mulher-­‐gato!  Você  tem  fantasias  sexuais  com  a  mulher  maravilha,  é?  Me  diz  que  você  prefere  ela.  Admite!     ELE   (calmo)  É.  É  sim.  Eu  tenho  fantasias  sexuais  com  a  mulher  maravilha  sim.   (grita)  E  ela  é  a  Liza!     Escutam  o  RUGIDO  da  Pantera.     Se   aterrorizam,   se   escondem   debaixo   do   corredor,   ou   em   algum   lugar   no   palco,   visível   para   a   platéia.   As   luzes   diminuem.   Vê-­‐se   a   silhueta   dos   objetos   de   cena   e   dos   dois   escondidos.   Ele   mexe   a   cabeça   procurando   alguma   coisa.   Ela   está  paralisada.     25  
  26. 26.  CENA  3  -­‐  A  PANTERA     Respiram   alto   e   ofegante.   As   luzes  ainda  estão  baixas.       ELA  O  que  foi  isso?     ELE  Não  faço  idéia.     ELA  O  que  foi  isso!     ELE  Shiiiii,  fica  quieta.     A  pantera  ronrrona.     ELA  Putaquepariu,  tem  um  bicho  aqui  dentro?     ELE  Tem.     ELA  Tem  um  bicho  aqui  dentro!     ELE  Shiii!  Fica  quieta.     A  pantera  para  de  fazer   barulho.   As  luzes  voltam  ao  normal.     ELE   (se  levantando)  Vem.     ELA  Tá  louco?     ELE  Ele  tá  no  fundo  do  supermercado.  Escuta.     Pequena  pausa,  escutam  o  som   de  “cachorro  revirando  lixo”.     26  
  27. 27.   ELE  É  onde  ficam  as  carnes.     ELA   (se  levantando)  É  um  animal  selvagem,  eu  tenho  certeza  que  é  um  animal  selvagem,   (tom  de:  aonde  já  se  viu?)  Quem  é  que  faz  um  barulho  desses?     ELE  A  gente  precisa  se  proteger  para  quando  ele  voltar.     ELA  Voltar?  Por  que  voltar?     ELE  Os  animais  atacam  por  fome  ou  auto-­‐defesa.     ELA  Tem  carne  para  meses  lá  trás.     ELE  Mas  tem  uns  que  atacam  só  por  diversão.     ELA  Socorro!  Socorro!     Ele  tapa  a  boca  dela  com  as   mãos.     ELE  Shii,  pára  de  chamar  atenção.  Os  animais  também  atacam  quando  sentem  o  medo  na  presa.  Eles  cheiram  o  medo.  Vão  primeiro  no  mais  frágil.  Você  precisa  tomar  cuidado.     ELA   (tirando  a  mão  dele  da  boca)  E  a  mais  frágil  aqui  sou  eu?     ELE  Me  ajuda  a  pegar  umas  caixas.  A  gente  precisa  fazer  uma  base  nossa,  separar  o  território.     Eles  começam  a  empilhar   caixas,  formando  um  círculo   pequeno  (mal  cabem  duas   pessoas).       27  
  28. 28. ELA  Eles  têm  visão  raio  X  das  emoções.  O  bicho  vê  você  tentando  disfarçar  o  medo.  Ele   vê   que   meu   barulho   é   superficial   e   que   o   seu   é   muito   mais   perigoso.   É  barulho  de  homem  reprimido  *.       ELE  Obrigado  meu  amor.  Olha,  vamos  fazer  uma  arma.  Os  animais  têm  medo  do  fogo.       Escutam   mais   barulho   vindo   do   fundo  do  supermercado.     ELA  Tem  álcool  no  corredor  ao  lado.  É  a  área  da  limpeza.  Lá  na  área  de  limpeza  tem  um  pano,  um  rodo  e  um  isqueiro.  Você  pode  ir  lá...     ELE  Não,   eu   tenho   uma   idéia   melhor.   E   se   eu   for   lá   na   área   de   limpeza   e   pegar   um  álcool,   um   rodo,   um   pano   e   um   isqueiro?   Aí,   eu   trago   para   cá,   você   enrola   o   pano  no  rodo,  joga  álcool  e  se  prepara  para  acender,  entendeu?     ELA  Entendi.   Ele  entra  pela  passagem,  ela   segura  o  braço  dele.     ELA  É  bom  te  ver  liderando  situações.  Você  é  meu  homem.       ELE  Toma  cuidado,  sem  movimentos  bruscos  e  nem  pense  em  sair  dai.     Ele   entra   na   passagem   no   meio   de   prateleiras   e   chega   no   corredor   1.   Passa   um   rodo   para   ela.   Passa   o   pano.   Ela   enrola   o   pano   no   rodo.   Ele   passa   o   álcool.   Ela   coloca   álcool   no   pano.   Ele   volta,   pela   passagem,   para   corredor   2,   onde  ela  está.         ELE   (tentando  animar  a  si  mesmo)  Ótimo.   (com  praticidade)  Agora  a  gente  entra  na  base  e  fecha  a  entrada.         28  
  29. 29. Eles   entram.   Estão   muito   apertados.  Mal  conseguem  se   mexer.       ELA  Ok,  eu  tô  pronta,  eu  posso  fazer  isso.  Passa  o  isqueiro?       ELA  O  isqueiro!     Ele  olha  para  baixo.     ELA  Puta  que  pariu!  Vou  fazer  o  que  com  isso?  Dar  uma  rodada  na  cabeça  do  bicho?       ELE   (“fudeu”)  Eu  não  vi  nenhum  isqueiro.     ELA  Sou  eu  que  preciso  fazer  tudo.  O  que  mais  assusta  esses  bichos?       ELE  É...     ELA   (zombando  dele)  É...     Se   levanta   para   pegar   o   isqueiro  na  sua  bolsa.       ELE  Fogo...     ELA  Ah-­‐tá.     ELE  Calma!  Fogo,  água!  Cadê  o  tal  suco?     ELA   (pega  o  suco)  Tá  aqui.     Ela  abre  a  garrafa.       29  

×