Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
QUEDAS EM IDOSOS :
Suas causas e tratamento
fisioterapêutico
Definição
 Quedas é o deslocamento não intencional
do corpo para um nível inferior á posição
inicial com incapacidade de ...
Fatores de risco :
- Fatores intrínsicos : Os que dizem respeito
as alterações fisiológicas do
envelhecimento. Como:
Alter...
 Diminuição da flexibilidade;
 Diminuição da velocidade espontânea da
marcha;
 Acuidade visual e função vestibular;
 P...
 - Fatores extrínsicos: Os que dizem
respeito ao ambiente.
 Tipos de calçado e chão;
 Iluminação inadequada;
 Superfíc...
 Preteleiras excessivamente baixas ou
elevadas;
 Roupas ou calçados inadequados e a via
pública mal conservada.
Consequências :
 Lesões teciduais;
 Fraturas;
 Hospitalizações;
 Imobilização e problemas respiratórios;
 Perda de co...
Incidência :
 No Brasil cerca de 30% dos idosos caem
pelo menos uma vez no ano. A frequência
de quedas é maior em mulhere...
Como pode ser avaliado o equilíbrio :
 As formas mais utilizada para avaliação do
equilíbrio são através da observação da...
A escala de Berg :
 A escala de Berg utiliza testes de
realizações simples. È uma escala facíl de
administrar, e segura p...
Abaixo estão as 14 tarefas propostas no teste :
1- Sentado para de pé
2- Em pé sem apoio
3- Sentado sem apoio
4- Em pé par...
8- Reclinar à frente com os braços estendidos
9- Apanhar objeto no chão
10- Virando-se para olhar para trás
11- Girando 36...
 O equilíbrio estático pode ser avaliado com o
paciente em apoio unipodal, bipodal, com olhos
abertos e fechados, com pé ...
Objetivos do tratamento
fisioterapêutico
1. Reestabelecer a força e Mobilidade
articular dos membros inferiores.
2. Melhor...
TRATAMENTO :
 1 – Força MMII : Para melhora da força pode ser
realizados exercícios ativo- resistido utilizando
pesos no ...
Mobilidade de MMII: Realiza-se exercícios ativos
livres, técnica de facilitação neuromuscular
proprioceptiva (FNP), que al...
 2 - 3 : Para melhora do equilíbrio, o paciente
começa a ser treinado com exercícios bipodais,
Começando com o equilíbrio...
 4- Marcha : No treino de marcha deve
procurar-se melhorar a postura e treinar
as etapas da marcha; Marcha laterais ;
Mar...
5- MMSS : Exercícios ativos para todos os
movimentos do ombro. Exerícios ativo-resistido
para biceps e triceps com haltere...
 6- Orientações :
 Uso de calçado adequado, uso de corrimão
em escadas, tapetes antiderrapante, uma
cadeira no banheiro,...
 Prevenção :
 Não ir ao banheiro a noite,
 Não subir em bancos, cadeiras
 Não andar de forma desatenta
 Não andar por...
Alunas:
Leticia P. Gomes
Lívia A. Brazarolla
Natasha F. Borges
Quedas em idosos -  Tratamento Fisioterapêutico
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Quedas em idosos - Tratamento Fisioterapêutico

4,903 views

Published on

Trabalho de revisão de literatura.

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

Quedas em idosos - Tratamento Fisioterapêutico

  1. 1. QUEDAS EM IDOSOS : Suas causas e tratamento fisioterapêutico
  2. 2. Definição  Quedas é o deslocamento não intencional do corpo para um nível inferior á posição inicial com incapacidade de correção em tempo hábil, determinado por circunstâncias multifatoriais comprometendo a estabilidade corporal.
  3. 3. Fatores de risco : - Fatores intrínsicos : Os que dizem respeito as alterações fisiológicas do envelhecimento. Como: Alteração do controle postural, Alterações no equilíbrio; Perda de massa óssea cortical; Diminuição da força muscular; Diminuição dos reflexos;
  4. 4.  Diminuição da flexibilidade;  Diminuição da velocidade espontânea da marcha;  Acuidade visual e função vestibular;  Perda total do equilíbrio postural .
  5. 5.  - Fatores extrínsicos: Os que dizem respeito ao ambiente.  Tipos de calçado e chão;  Iluminação inadequada;  Superfície escorregadia;  Tapetes soltos ou com dobras;  Degraus altos ou estreitos  Objetos no caminho, ausência de corrimãos em corredores e banheiro;
  6. 6.  Preteleiras excessivamente baixas ou elevadas;  Roupas ou calçados inadequados e a via pública mal conservada.
  7. 7. Consequências :  Lesões teciduais;  Fraturas;  Hospitalizações;  Imobilização e problemas respiratórios;  Perda de confiança pra caminhar;  Restrição de atividades;
  8. 8. Incidência :  No Brasil cerca de 30% dos idosos caem pelo menos uma vez no ano. A frequência de quedas é maior em mulheres, e o risco de fraturas decorrentes de quedas aumenta com a idade.  40% das quedas são em mulheres acima de 75 anos. E 28% das quedas em homens da mesma idade.
  9. 9. Como pode ser avaliado o equilíbrio :  As formas mais utilizada para avaliação do equilíbrio são através da observação da realização de tarefas, e através de escalas como a de Berg e Tinetti que avalia tanto o equilíbrio estático como o dinâmico.
  10. 10. A escala de Berg :  A escala de Berg utiliza testes de realizações simples. È uma escala facíl de administrar, e segura para avaliação dos pacientes idosos.  As pontuações dada para realização de cada tarefa varia de 0 a 4, sendo 4 o valor maxímo para a realização da tarefa e 0 o minimo.
  11. 11. Abaixo estão as 14 tarefas propostas no teste : 1- Sentado para de pé 2- Em pé sem apoio 3- Sentado sem apoio 4- Em pé para sentado 5- transferências 6- Em pé com os olhos fechados 7- Em pé com os pés juntos
  12. 12. 8- Reclinar à frente com os braços estendidos 9- Apanhar objeto no chão 10- Virando-se para olhar para trás 11- Girando 360 graus 12- Colocar os pés alternadamente sobre um banco 13- Em pé com um pé em frente o outro 14- Em pé apoiando-se em um dos pés  Escore final : de 56 a 54 pontos 3% a 4% risco de quedas, 44 a 46 6% a 8% risco de quedas, abaixo de 36 pontos o risco de quedas é quase 100% .
  13. 13.  O equilíbrio estático pode ser avaliado com o paciente em apoio unipodal, bipodal, com olhos abertos e fechados, com pé em frente ao outro, pés juntos, etc.  O equilíbrio dinâmico também pode ser avaliado ao se arremessar uma bola, agachar-se para pegar um objeto, pegar objetos utilizando inclinação e rotações do tronco, etc.
  14. 14. Objetivos do tratamento fisioterapêutico 1. Reestabelecer a força e Mobilidade articular dos membros inferiores. 2. Melhorar equilíbrio e coordenação 3. Melhorar a capacidade do indivíduo a resistir as ameaças ao seu equilíbrio 4. Restabelecer padrões normal da marcha 5. Preservação da função, adiamento da instalação de incapacidades 6. Educar o paciente em como previnir quedas.
  15. 15. TRATAMENTO :  1 – Força MMII : Para melhora da força pode ser realizados exercícios ativo- resistido utilizando pesos no tornozelo e Theraband. Deve-se realizar fortalecimento de iliopsoas, gluteos, isquiotibiais e quadriceps.Com séries e repetições conforme o quadro do paciente.
  16. 16. Mobilidade de MMII: Realiza-se exercícios ativos livres, técnica de facilitação neuromuscular proprioceptiva (FNP), que além de permitir o fortalecimento muscular aumenta coordenação e propriocepção. E também pode ser feita a mobilização passiva da cintura pélvica,
  17. 17.  2 - 3 : Para melhora do equilíbrio, o paciente começa a ser treinado com exercícios bipodais, Começando com o equilíbrio estático. E em seguida treina-se o equilíbrio dinâmico.  Pode ser realizadas atividades simples como lançar uma bola, agachar-se para pegar uma bola, e progredir para atividades mais complexas, tais como o equilíbrio unipodal, e equilíbrio em superficies irregulares, treino em prancha e disco de equilibrio. Tendo sempre em conta as condições e as possibilidades físicas dos idosos.
  18. 18.  4- Marcha : No treino de marcha deve procurar-se melhorar a postura e treinar as etapas da marcha; Marcha laterais ; Marcha evitando obstáculos; Andar em superfícies irregulares e subir escadas.
  19. 19. 5- MMSS : Exercícios ativos para todos os movimentos do ombro. Exerícios ativo-resistido para biceps e triceps com halteres.  Treinos de mudança de decubito : Rolar, sentado para de pé, supino para sentado.  Exercícios funcionais de MMSS e MMII.
  20. 20.  6- Orientações :  Uso de calçado adequado, uso de corrimão em escadas, tapetes antiderrapante, uma cadeira no banheiro, deixar corredores livres de móveis e com boa iluminação etc.
  21. 21.  Prevenção :  Não ir ao banheiro a noite,  Não subir em bancos, cadeiras  Não andar de forma desatenta  Não andar por calçadas esburacadas  Não andar em locais com piso molhado  Não andar de meias  Não abusar de medicações  Se alimentar de forma adequada.
  22. 22. Alunas: Leticia P. Gomes Lívia A. Brazarolla Natasha F. Borges

×