Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Escatologia estudo das últimas coisas parte 1

29,858 views

Published on

Aula ministrada pelo Ev. Natalino das Neves
Confraternização da EBD da congregação de Costeira - IEADSJP - Igreja Evangélica Assembleia de Deus de São José dos Pinhais
Texto para reflexão: Carta de Judas
Objetivo: apresentar as escolas de interpretação escatológica e identificar a linha de pensamento da IEAD.
Tema: ESCATOLOGIA.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Escatologia estudo das últimas coisas parte 1

  1. 1. ESCATOLOGIA: ESTUDO DAS ÚLTIMAS COISAS PARTE 1 Prof. Ms. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  2. 2. ESCATOLOGIA ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO E ESTADO INTERMEDIÁRIO Prof. Ms. Natalino das Neves www.natalinodasneves.blogspot.com.br
  3. 3. INTRODUÇÃO • Escatologia= Estudo/tratado das últimas coisas. • A humanidade sempre se preocupou com o seu futuro e o futuro das coisas: • O mundo vai acabar? • Existe vida após a morte? • Se existe, onde ficamos? Lugar definitivo? • O inferno existe mesmo? • Deus pode realmente enviar suas criaturas para o inferno?
  4. 4. INTRODUÇÃO • A escatologia fazia parte da cultura judaica (At 1:7), bem como a literatura apocalíptica,. • O quadro futurístico é de justiça divina: assustador para os ímpios e de consolo para os justos (Mt 25:46; Lc 16:19-31). • Principais temas escatológicos: estado intermediário, arrebatamento da igreja, grande tribulação, milênio, juízo final e estado eterno.
  5. 5. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA
  6. 6. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • Principais métodos de interpretação da escatologia: • Alegórico ou figurado; • Literal e textual. • Serão apresentados as várias escolas de interpretação escatológica, na sequência, a forma de interpretação defendida pela IEAD.
  7. 7. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • PRETERISTA – Pós-milenismo • Esta escola afirma que todo o Apocalipse cumpriu-se no passado, ou seja, especificamente nos dias do Império Romano; • O objetivo dos preteristas é compreender e interpretar as difíceis situações pelas quais passou as Igrejas que enfrentaram terríveis problemas no primeiro século;
  8. 8. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • PRETERISTA – Pós-milenismo • Os preteristas advogam que há dois propósitos principais: • Fortalecer a igreja do primeiro século, que estava diante de uma série de terríveis perseguições. • Encorajar a igreja no rumo da história redentora, para além da aliança antiga de Israel, com foco no Cristianismo apostólico (At 1.8; 15.2-4) e o tempo (Mt 24.1-51 e Ap. 11).
  9. 9. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • PRETERISTA – Pós-milenismo • As quedas de Jerusalém em 70 d.C. e a de Roma no século V são vistas como cumprimento de parte dos eventos encontrados no livro; • Jesus Cristo voltará após um duradouro período de expansão e prosperidade espiritual de sua Igreja, por meio da pregação do Evangelho.
  10. 10. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • FUTURISTA – pré-milenismo • Divide-se em duas correntes: • Moderada ou Pré-Milenarismo Histórico; • Extrema ou Pré-Milenarismo Dispensacionalista. • Convergem na definição do propósito do livro de Apocalipse: consumação do propósito redentor de Deus no fim dos tempos.
  11. 11. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • FUTURISTA – pré-milenismo • Moderada ou Pré-Milenarismo Histórico: • Não diferencia entre Israel e a Igreja; • Não reconhece a interpretação das setes cartas do Apocalipse como sete períodos da história da igreja;
  12. 12. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • FUTURISTA – pré-milenismo • Extrema ou Dispensacionalista. • Um dos maiores fatores para o crescimento do dispensacionalismo no meio evangélico foi a Bíblia Anotada de Scofield, publicada em 1909. • Scofiel divide a bíblia em sete dispensações. • Defende que a igreja é o mistério que não tinha sido previsto pelos profetas no Antigo Testamento.
  13. 13. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • FUTURISTA – pré-milenismo • Extrema ou Dispensacionalista. • Distinção entre Igreja e Israel no tempo e na eternidade; • O reino de Deus ocorrerá no milênio terreno (literal); • A crença num arrebatamento secreto, seguido de uma segunda vinda visível; • A igreja não passará pela grande tribulação; • Ocorrerão várias ressurreições; • Haverá chance de salvação depois da segunda vinda de Cristo.
  14. 14. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • FUTURISTA – pré-milenismo • As sete dispensações de Scofield: 1. Inocência - desde Adão até a queda; 2. Consciência - desde a queda até o Dilúvio; 3. Governo - desce o Dilúvio até Abraão; 4. Promessa - desde Abraão até Moisés; 5. Lei - desde Moisés até o Calvário; 6. Graça - desde o Calvário até a Grande Tribulação; 7. Reino - desde a Grande Tribulação até o fim do reinado de Cristo por mil anos na terra.
  15. 15. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • FUTURISTA – pré-milenismo • As profecias, a partir do capítulo 4 tem a ver com os últimos dias e não com a história da igreja da época da escrita do Apocalipse. • Cristo voltará antes do milênio, para arrebatar sua igreja, e depois se manifestará em glória; • A vinda de Cristo em glória será precedida de sinais precursores já preditos, como guerras, fome, terremoto, etc.;
  16. 16. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • FUTURISTA – pré-milenismo • Os eventos escatológicos a partir do arrebatamento da igreja serão sobrenaturais; • O reino de Cristo (o milênio) será instaurado na terra de modo cataclísmico e literal.
  17. 17. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • HISTORICISTA – Pré-milenismo 1 (minoria) • As profecias do Antigo Testamento precisam ser interpretadas à luz do Novo Testamento, aplicáveis à igreja neotestamentária; • Identifica a igreja com o Israel Espiritual (Rm 9:24-26). • O povo de Deus que sofre a perseguição feroz é a igreja (Rm 4:11; Cl 3:24). • Contra a ideia de que que no milênio serão restaurados os sistemas sacrificiais do Antigo Testamento (Hb 8:13).
  18. 18. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • HISTORICISTA – Pós-milenismo 2 • Apocalipse: • Profecia simbólica de toda a história da Igreja (do início até a volta de Cristo e o fim dos tempos). • Livro rico em símbolos, imagens e números, dividido em sete seções paralelas progressivas (sete candeeiros, sete selos, sete trombetas e sete tacas). • Agostinho, os Reformadores, as Confissões Reformadas entre outros grandes teólogos seguiram essa linha.
  19. 19. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • HISTORICISTA – pós-milenismo • Assim como a Escola Preterista, que também é pós-milenista, defende que o milênio (longo período de retidão e paz) é espiritual; • No milênio, Cristo reina invisivelmente nos corações, mediante a pregação do Evangelho e do seu ensino.
  20. 20. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • HISTORICISTA – pós-milenismo • Cristo virá após o Milênio, quando então os mortos ressuscitarão e haverá juízo final. • De acordo com o pós-milenismo o mundo vai ser cristianizado e haverá um espantoso reavivamento e, consequentemente, um crescimento admirável da igreja.
  21. 21. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • IDEALISTA – amilenismo • O termo Milênio em Ap 20:6 não quer dizer mil anos, Ele apenas comunica a ideia de plenitude, totalidade – Milenismo realizado (jay Adams) • Milênio: um período indeterminado que via da primeira à segunda vinda de Cristo. • O Amilenismo tornou-se a interpretação dominante no Concílio de Éfeso em 431 d.C (milênio literal = superstição). Agostinho e confissões reformadas.
  22. 22. I – ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO ESCATOLÓGICA • IDEALISTA – amilenismo • O reino de Deus está agora mesmo presente no mundo, através das Igrejas, pela Palavra de Deus e pelo Espírito Santo. • O bem e o mal crescem juntos até a vinda de Jesus, quando então os mortos ressuscitarão e haverá o juízo final. • O reino de Deus será no céu. • “Já” x “ainda não” = presente - salvos com Cristo no céu. Prisão de Satanás = entre a 1ª e 2ª vinda de Cristo.
  23. 23. II – A MORTE E O ESTADO INTERMEDIÁRIO
  24. 24. V – A MORTE E O ESTADO INTERMEDIÁRIO • Introdução: • Gostaria de ter alguém que provasse a morte por você e contasse como é? Ver 2 Co 5:1. • Chamadas “experiências quase-morte” (túneis, luzes, vozes mansas, músicas, flutuar sobre si mesmo, entre outras). • Ressurreições terrenas: meninos ressuscitados por Elias e Eliseu (1 Rs 17:17-24; 2 Rs 4:18-37); Filha de Jairo (Mc 5:22-43); Lázaro (Jo 11); Muitos após a ressurreição de Jesus (Mt 27:50-53) = SILÊNCIO. • Somente um ressuscitou e não morreu de novo! JESUS CRISTO -
  25. 25. V – A MORTE E O ESTADO INTERMEDIÁRIO “Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não tem esperança. 1 Ts 4:13
  26. 26. V – A MORTE E O ESTADO INTERMEDIÁRIO • A morte: • Morte física – separação entre parte material e espiritual (Gn 3:19; Lc 16:19-31; Jo 11-14); • Morte espiritual – separação de Deus (Gn 2:17; 3:6,7; Ef 2:1); • Morte eterna/segunda morte – parte material e espiritual reunida e separada eternamente de Deus (Ap 20:11-15; 21:8).
  27. 27. V – A MORTE E O ESTADO INTERMEDIÁRIO • Estado intermediário: • Primeiro cristãos – justos mortos diretamente para o paraíso (Ef 4:8-10) e os ímpios para o hades. • Purgatório (doutrina católica): • Concebido por Agostinho, reforçado pelo Papa Gregório, o Grande, redefinido e dogmatizado pelo Concílio de Trento em 1563. • Acreditava que ficava na fronteira entre o Hades e o inferno.
  28. 28. V – A MORTE E O ESTADO INTERMEDIÁRIO • Sheol: • AT – lugar dos mortos (Nm 16:30; Sl 9:17). • Equivalente ao vocábulo grego Hades – mundo invisível. • Mundo subterrâneo, onde ficavam tanto almas dos justos como dos injustos, separadas por um abismo (Rico e Lázaro - Lc 16:20-25). • Cristo, após sua morte, desceu ao Hades e levou cativo o cativeiro – transferiu as almas dos justos para o céu (Ef 4:8-10).
  29. 29. V – A MORTE E O ESTADO INTERMEDIÁRIO • Hades: • Na septuaginta, tal palavra é usada como sinônimo do vocábulo hebraico sheol. • Na mitologia grega era o deus do submundo. Filho de Cronos, dominava a região para onde iam os mortos. • Com o passar dos tempos, passou a ser sinônimo de inferno (Mt 11:22-24; Lc 10:15) – Jo 5:25-29.
  30. 30. V – A MORTE E O ESTADO INTERMEDIÁRIO • Geena (Mt 10:28): • Vale que ficava no sudoeste de Jerusalém, onde os judeus idólatras sacrificavam suas crianças a Moloque (2 Cr 28:3; 33:6). • Era mantido, constantemente, um fogo ardente para consumir o lixo de Jerusalém e das cidades vizinhas. • Devido estas características passou a ser a imagem do inferno (Mt 18:8-9; Ap 20:10). • Lugar de tormento eterno e de fogo inextinguível (Mc 9:43,48).
  31. 31. V – A MORTE E O ESTADO INTERMEDIÁRIO • Tártaro: • Significa encarcerar no suplício eterno, o mais profundo abismo do Hades (2Pe 2:4 – forma verbal). • Refere-se à prisão dos anjos caídos (Jd 6). • Mitologia grega – ficava sob o Hades, onde Zeus havia encerrado os titãs.
  32. 32. V – A MORTE E O ESTADO INTERMEDIÁRIO • Estado dos mortos: • Justos • Conscientes (Mt 22:32). • Em descanso (Ap 14:13). • Entre a morte e ressurreição de Jesus mudança do Hades (paraíso) para o céu (Lc 23:43; Ef 4:8-9). • Ímpios • Não houve alteração de seu estado (Hades). • Conscientes e separados de Deus (Lc 16:23). • Punidos e aprisionados (1 Pe 3:19; 2 Pe 2:4,9).
  33. 33. CONSIDERAÇÕES FINAIS
  34. 34. CONSIDERAÇÕES FINAIS – Parte 1 Neste estudo aprendemos que: 1. Na escatologia aprendemos sobre estado intermediário, arrebatamento da igreja, grande tribulação, milênio, juízo final e estado eterno. 2. Existem vários tipos de interpretação escatológica. 3. Visão IEAD: Futurista; pré-tribulacionista; pré- mileniarista e dispensacionalista. 4. A vida não termina com a morte; 5. Na eternidade você poderá estar na presença de Deus ou no lugar de tormento, depende unicamente de você!
  35. 35. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BROWN, Daniel A. Destino Final: o que a Bíblia revela sobre o céu. São Paulo: Mundo Cristão, 2002. ERICKSON, Millard J. Um estudo do Milênio. São Paulo: Vida Nova, 1991. HALE, B. D. Introdução ao Novo Testamento. São Paulo: Hagnos, 2001. HENDRIKSEN, William. Mais que vencedores. São Paulo: Cultura Cristã, 2001. HORTON, Stanley. As Últimas Coisas. Teologia Sistemática. 4.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1997. IBADEP. Apocalipse/Escatologia. 4ª Edição. Guaíra: IBADEP, 2005.
  36. 36. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS KISTEMAKER, S. Apocalipse. São Paulo: Cultura Cristã, 2004. LADD, G. E. Apocalipse: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova, 1982. MESTER, Carlos; OROFINO, Francisco. Apocalipse de São João: a teimosia da fé dos pequenos. Rio de Janeiro: Vozes, 2008. NEVES, Natalino das. Apocalipse. Curitiba: Unidade, 2011. OLIVEIRA, João Joaquim de. O Milênio. 14.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1998. SILVA, Severino Pedro da. Escatologia: doutrina das últimas coisas. Rio de Janeiro: CPAD, 1988. SILVA, Severino Pedro da. Apocalipse Versículo por Versículo. Rio de Janeiro: CPAD, 1988

×