Trab grupo 14 rev02 sem imagens ladrilhos

1,397 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Trab grupo 14 rev02 sem imagens ladrilhos

  1. 1. UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA REGIONAL DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ GRUPO 14: LADRILHO HIDRÁULICO, LAJOTAS DE CONCRETO, PISOSINTERTRAVADOS DE CONCRETO, REVESTIMENTOS TEXTURADOS E ARGAMASSADOS EM GERAL Bruna Mendes Chymene Grando Fernanda dos Santos Lindsey Todeschini Curso de Engenharia Civil Disciplina de Construção Civil II Chapecó – SC, mar. 2012
  2. 2. LISTA DE FIGURASFigura 1: Modelos de Ladrilhos Hidráulicos................................................................. 5Figura 2: Materiais utilizados para assentamento de Ladrilhos Hidráulicos. ............... 6Figura 3: Preparação do contrapiso. ........................................................................... 6Figura 4: Nivelamento das peças. ............................................................................... 6Figura 5: Acabamento. ................................................................................................ 7Figura 6: Aplicação da resina sobre os Ladrilhos Hidráulicos. .................................... 7Figura 7: Cuidados pós-assentamento dos Ladrilhos Hidráulicos. .............................. 7Figura 8: Piso de concreto Sextavado. ........................................................................ 9Figura 9: Piso Intertravado do Tipo Raquete. .............................................................. 9Figura 10: Pisos Intertravados do tipo 16 Faces. ........................................................ 9Figura 11: Piso Intertravado do Tipo Retangular. ........................................................ 9Figura 12: Piso Intertravado do tipo Onda. ................................................................ 10Figura 13: Piso Intertravado do tipo Grama............................................................... 10Figura 14: Execução das camadas necessárias para assentamento de PisosIntertravados. ............................................................................................................ 11Figura 15: Regularização e compactação da base. .................................................. 12Figura 16: Colocação de guias de confinamento. ..................................................... 12Figura 17: Assentamento das peças dos Pisos Intertravados. .................................. 13Figura 18: Espalhamento de areia sobre os blocos assentados. .............................. 13Figura 19: Passeio público e rodovia, pavimentados com pisos intertravados. ........ 13Figura 20: Modelos de placas pré-moldadas de concreto. ........................................ 14Figura 21: Aplicação da argamassa para assentamento. ......................................... 15Figura 22: Saca-placas para manutenção das placas de concreto. .......................... 16Figura 23: Monocamanda, uma alternativa ao reboco tradicional. ............................ 17Figura 24: Equipamentos necessários para execução da monocamada. ................. 19Figura 25: Aplicação mecânica da monocamada. ..................................................... 20Figura 26: Aplicação manual da monocamada. ........................................................ 21Figura 27: Tipos de acabamentos da monocamada. ................................................ 22Figura 30: Textura do tipo Grafito.............................................................................. 24Figura 28: Aplicação do Marmoratto com desempenadeira de aço. ......................... 24Figura 29: Polimento da superfície com ajuda de uma politriz. ................................. 24Figura 31: Aplicação do Grafiato. .............................................................................. 25 2
  3. 3. SUMÁRIO1 LADRILHO HIDRÁULICO............................................................................ 41.1 TIPOS DE LADRILHOS HIDRÁULICOS ...................................................... 41.2 ASSENTAMENTO ........................................................................................ 52 PISOS INTERTRAVADOS ........................................................................... 82.1 TIPOS DE PISOS INTERTRAVADOS.......................................................... 82.2 ASSENTAMENTO ...................................................................................... 103 PLACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO (LAJOTAS) ....................... 143.1 ASSENTAMENTO ...................................................................................... 143.1.1 Assentamento de Placas Fixas ............................................................... 153.1.2 Assentamento de Placas Removíveis .................................................... 154 ACABAMENTOS TEXTURADOS DE REVESTIMENTOS ........................ 164.1 REVESTIMENTO MONOCAMADA ............................................................ 174.1.1 Execução da Monocamada ...................................................................... 184.1.1.1 Aplicação mecânica .................................................................................... 194.1.1.2 Aplicação manual ....................................................................................... 204.1.1.3 Acabamentos.............................................................................................. 214.2 EFEITO CRAQUELADO OU CRAQUELÊ.................................................. 224.2.1 Execução do Efeito Craquelado ou Craquelê ........................................ 224.3 EFEITO MARMORATTO ............................................................................ 234.3.1 Execução Marmoratto .............................................................................. 234.4 GRAFIATO ................................................................................................. 244.4.1 Execução do Grafiato ............................................................................... 244.5 DEMAIS TEXTURAS .................................................................................. 255 REFERÊNCIAS BILLIOGRÁFICAS .......................................................... 26 3
  4. 4. 1 LADRILHO HIDRÁULICO Os ladrilhos hidráulicos são peças de pequenas placas de cerâmica, feitoscom cimento branco, quartzo, diabásio e pó-de-pedra. Podem ser coloridos,normalmente com até cinco tons, com base em 30 cores de tinta. Os produtos levamo nome de ladrilho hidráulico porque passam cerca de oito horas debaixo dáguapara a cura. A espessura das peças varia de 2 cm a 3 cm e o tamanho padrão é de 20 cmx 20 cm com resistência à tração na flexão de até 5 MPa. Os ladrilhos possuem alta durabilidade desde que a instalação e manutençãosejam feitas de acordo com a orientação do fabricante. São de alta resistência aodesgaste para acabamento de pisos localizados em zonas de trânsito intenso (T.I.). As normas técnicas dos ladrilhos são: • NBR 9457 - Ladrilho Hidráulico; • NBR 9459 - Ladrilho Hidráulico - Formatos e Dimensões; • NBR 9458/86 - Assentamento de Ladrilho Hidráulico.1.1 TIPOS DE LADRILHOS HIDRÁULICOS Ladrilhos Hidráulicos Liso: são aplicados em ambientes internos eexternos, é muito utilizado também em decoração de fachadas. Pode fazercomposição com ladrilhos decorados para dar o acabamento aos ambientes. Ladrilhos Hidráulicos Decorado: são utilizados para compor tapetes,bordas e rodapés de ambientes internos e externos. Possuem diversos tamanhos eformas de decorações, sendo as mais utilizadas, florais e formas geométricas. Ladrilhos Antiderrapante: é indicado para áreas externas, calçadas erampas, todos com características antiderrapante. O ladrilho antiderrapante é ummaterial de alta resistência à abrasão. Empregado em áreas como: passeio público,garagem, rampa. Ladrilhos em Faixa: são peças fabricadas de forma artesanal e personalizada. OsLadrilhos são feitos de cimento e na prensa hidráulica. Os ladrilhos em faixa são namaioria das vezes utilizados para dar acabamento ao ambiente. 4
  5. 5. Ladrilhos Florais: são produtos de antiguidade, cuja utilização tem sidobuscada por arquitetos e decoradores. São muitas opções de cores que dão a cadaproduto uma originalidade única. A fabricação de ladrilhos florais é feita de umamatriz de metal que separa as cores que formam o desenho criando os bonitosmotivos florais. São utilizados para compor tapetes, bordas e rodapés de ambientesinternos e externos. Ladrilhos Centrais: trazem requinte ao ambiente, pois são aplicados comotapetes, trazendo luxo e sofisticação. A aplicação do ladrilho hidráulico central podeser feita em conjunto com outros materiais, como cimento queimado com pó demármore ou madeira. Ladrilhos Contínuos: são peças criadas de forma artesanal e trazem aoambiente um aspecto moderno sem perder a origem de sua história na arquiteturabrasileira. Os ladrilhos contínuos são fabricados especialmente para harmonizar oambiente. Ladrilhos Rodapé: aplicados em forma de rodapé, o ladrilho de Rodapé temsua característica para proteger, mas também é muito utilizado de forma decorativa.O que traz qualidade e requinte ao ambiente. Ladrilhos Tozeto: vem sendo utilizado em ambientes internos e externos,isto, devido à grande variedade de estilos que trazem vida e elegância ao ambiente.A principal função é para decorar e personalizar. Figura 1: Modelos de Ladrilhos Hidráulicos.1.2 ASSENTAMENTO Por serem produzidos um a um, os ladrilhos são vendidos sob encomenda e épreciso cuidados extras na armazenagem e assentamento: as peças devem ser 5
  6. 6. guardadas sobre paletes face a face e ser assentadas no estágio final da obra, paraevitar que sujem ou quebrem devido à porosidade do ladrilho. A aplicação em calçadas e áreas públicas dispensa a resina protetora, mas aárea também deve estar livre de sujeiras. Normalmente o assentamento é feito com junta seca, sendo as peçascolocadas próximas uma das outras. Caso o cliente opte pela colocação rejuntada,deverá utilizar rejunte especial fornecido pelo fabricante. A seguir está apresentadocomo assentar esse tipo de revestimento. Material utilizado e equipamentos desegurança: Luva, óculos de segurança,máscara, desempenadeira de aço,desempenadeira denteada, régua de alumínio de1 m, colher de pedreiro, uma caixa de massa etrincha. Para o acabamento: rolo de pêlo curto,resina especial (fornecida pelo fabricante) e Figura 2: Materiais utilizados para assentamento de Ladrilhos Hidráulicos.pano úmido alvejado limpo. Preparação do contrapiso: Com ocontrapiso nivelado e limpo faz-se uma camadade argamassa de aproximadamente 1 cm deespessura. Utiliza-se a caixa de massa paraevitar sujar o espaço e a desempenadeiradenteada. No caso de peças com tons claroscomo bege, branco e craft-claro, opta-se pelouso de argamassa branca. Figura 3: Preparação do contrapiso. Nivelamento das peças: O ladrilhopossui de 2 cm a 3 cm de espessura e adiferença tolerável entre as peças é de até 2mm. Essa diferença deverá ser tirada durante oassentamento, colocando mais ou menos Figura 4: Nivelamento das peças. 6
  7. 7. argamassa na face interior do ladrilho. É preciso ficar sempre atento para que aspeças estejam com a mesma altura. Importante: certificar-se de que as pontas doladrilho também estão com argamassa, para evitar que as peças trinquem depois deassentadas. Assentamento: Pressiona-se a peça para fixá-la. Nunca se deve utilizarmartelo de borracha, pois o ladrilho pode trincar e marcar, ficando visível quandoestiver molhado ou resinado. Caso haja respingos ou sobras, deve-se limparimediatamente com esponja umedecida em água ou pano limpo para evitar que aargamassa seque e manche a peça. Se isso acontecer, será necessário passarlevemente lixa dágua nº 100. Acabamento: Limpar a peça com um panobem úmido e esperar secar. Passar lixa dágua nº 100bem de leve e depois com a trincha remover a poeira. Figura 5: Acabamento. Aplicação da resina: Utilizar rolo de lã curto ou rolo de espuma para passara resina, sempre no mesmo sentido (vaivém) e nuncaem cruz. Serão necessárias três demãos, com intervalosde oito horas entre cada uma. É aconselhável tambémpassar uma demão de cera industrial. Observação: apósa primeira demão de resina, fazer o reparo de pequenosespaços entre as peças com pó de rejunte. Limpar oexcesso com a lixa. Figura 6: Aplicação da resina sobre os Ladrilhos Hidráulicos. Cuidados pós-assentamento: Certificar-se de queas peças estão niveladas. Liberar a passagem sobre o pisoapós 12 horas. Caso não seja possível, cobrir os ladrilhoscom um plástico e, por cima, utilizar papelão microondulado.Jamais colocar papelão ou jornal diretamente sobre o pisopara não manchar. Figura 7: Cuidados pós- assentamento dos Ladrilhos Hidráulicos. 7
  8. 8. Dicas importantes: • Iniciar a colocação dos ladrilhos puxando a linha para manter o caimento do contrapiso, alinhando e movendo o esquadro normalmente; • Começar o assentamento pelo lado aparente para que, em caso de recortes, estes fiquem menos visíveis; • É ideal realizar o assentamento de até 1 m² por vez; • Em ambientes internos, pode-se aplicar uma camada de resina antes de realizar o assentamento. Para isso, limpar a peça, passar a resina e esperar o tempo indicado de secagem. Com isso, haverá menos risco de manchar a peça; • A manutenção posterior requer apenas água e sabão neutro e, se houver preferência, cera líquida incolor a cada 15 dias, para conservar a resina.2 PISOS INTERTRAVADOS Os pavimentos intertravados são formados por blocos de concreto os quais,em sua fabricação, têm a possibilidade de acrescentar a composição de duas oumais cores na superfície. Possuem várias formas e tamanhos, sendo chamadoscomercialmente de Paver. Podem ser usados em pavimentos de passeio público ouviárias, estacionamentos, condomínios residenciais, jardins, indústrias, praças, etc. Apresentam características como permeabilização, sendo consideradoecologicamente correto, permitindo a drenagem das águas da chuva e evitando aimpermeabilização do solo, podem ser aplicados piso táteis, os quais norteiampessoas com deficiências visuais e físicas, permitindo sua independência nalocomoção, podem ser retirados e recolocados, permitindo manutençõessubterrâneas, apresentam menor temperatura superficial durante o dia e melhorvisibilidade a noite. Além disso, seu assentamento é fácil, possui vida útil longa,baixa manutenção e não requer mão-de-obra especializada para a sua aplicação.2.1 TIPOS DE PISOS INTERTRAVADOS São várias as formas, cores, tamanhos e características mecânicas que estãocitadas a seguir. 8
  9. 9. Sextavado: Figura 8: Piso de concreto Sextavado.Raquete: Figura 9: Piso Intertravado do Tipo Raquete.16 Faces: Figura 10: Pisos Intertravados do tipo 16 Faces.Retangular: Figura 11: Piso Intertravado do Tipo Retangular. 9
  10. 10. Onda: Figura 12: Piso Intertravado do tipo Onda. Grama: Figura 13: Piso Intertravado do tipo Grama.2.2 ASSENTAMENTO O assentamento deve ser projetado conforme a finalidade dos pisosintertravados. De forma geral, é necessário preparar a base, acrescentar camadasde pedrisco e areia para posterior assentamento dos blocos, conforme descrito aseguir. Para o tráfego leve, como em pavimentos para passeio, é necessário terblocos com resistência a 35 MPa e espessura de 6 cm. É preciso uma camada de 3a 5 cm de areia acima da camada de solo, denominada base. Já para tráfego médio, os blocos devem resistir de 35 a 50 MPa comespessura de 8 cm. Acima da base deve ser acrescentada uma camada de 10 cmde pedrisco e outra camada de areia com 3 a 5 cm de espessura. Para tráfego pesado, como em vias mais movimentadas e com fluxo deautomóveis pesados, é necessário obter camadas de 30 cm de brita, 15 cm depedrisco, 3 a 5 cm de areia. Os blocos devem resistir de 35 a 50 MPa comespessura de 10 cm. 10
  11. 11. Em Pisos Grama, acima do solo deve-se adicionar apenas areia com seespessura de 2 a 3 cm. Em meio aos vazados dos blocos adiciona adiciona-se a terra e agrama. A Figura a seguir ilustra estas camadas. Figura 14: Execução das camadas necessárias para assentamento de Pisos Intertravados. : assentamento Como citado anteriormente, a forma de execução das camadas necessáriasao assentamento dos pisos intertravados são iguais, variando apenas a espessura.Portanto a execução deve segui os seguintes passos: seguir • Equipamentos necessários: Placa vibratória, Linha de náilon, Colher de necessários: pedreiro, Enxada, Trena, Martelo de borracha, Blocos de Paver, Pedrisco e Areia fina. • Fazer reforços (se necessário) na base para obter um melhor travamento; Fazer a regularização e a compactação da base com placa vibratória ou rolocompactador, conforme cada caso O caimento mínimo é de 1%, + 5mm/metro na caso. %, +-planicidade do piso. 11
  12. 12. Figura 15: Regularização e compactação da base.• Colocar brita no caso de tráfego pesado ou pedrisco para tráfego médio, que pode ser espalhada com carrinho manual ou pá carregadeira em grandes áreas, uniformizando com réguas metálicas, e em seguida compactar.• Colocação de areia ou pó de pedra, no caso de tráfegos médio ou pesados. Para o caso de tráfego leve, a camada de areia é colocada logo após a compactação do solo (base).• Instalação de guias de concreto para confinamento do piso intertravado. Estas contenções laterais evitam que os blocos deslizem. Figura 16: Colocação de guias de confinamento.• Logo após começa o assentamento das peças, em áreas maiores usa usa-se uma linha a cada 2 metros, tanto no sentido transversal quanto no longitudinal do paver para que não se perca o alinhamento das peças; 12
  13. 13. Figura 17: Assentamento das peças dos Pisos Intertravados. 17:• A fuga deixada entre as peças não pode ultrapassar 5 mm;• Depois de terminado o assentamento das peças, é passado a placa vibratória ou rolo compactador para fazer o assentamento definitivo dos blocos;• Em seguida é feit o selamento das juntas com areia fina, que é espalhada feito eia sobre o piso com auxilio de uma vassoura e passado o rolo compactador novamente; Figura 18: Espalhamento de areia sobre os blocos assentados. :• Para finalizar, varrer todo o piso para a retirada da areia que ficou em cima O cima. pavimento já pode ser liberado para o tráfego. Figura 19: Passeio público e rodovia, pavimentados com pisos intertravados. : 13
  14. 14. • Deve-se tomar cuidado para o piso não ser lavado nos primeiros sete dias para um melhor selamento das juntas.3 PLACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO (LAJOTAS) As placas pré-moldadas de concreto, mais conhecidas como lajotas, podemser fabricadas com as mais variadas cores, texturas e tamanhos, porém devempossuir resistência a compressão do concreto de 35 MPa e espessura mínima de 30mm. As características das lajotas resumem-se em elevada durabilidade, confortode rolamento, sendo adequado ao tráfego de cadeirantes e deficientes visuais poraceitarem pisos táteis, são antiderrapantes e dependendo do projeto, podem serdrenantes, quando as placas são removíveis. Podem ser usados em pavimentos de passeio público ou onde há tráfegopesado, estacionamentos, condomínios residenciais, jardins, praças, etc. A figura a seguir ilustra as variadas texturas, cores e tamanhos. Figura 20: Modelos de placas pré-moldadas de concreto.3.1 ASSENTAMENTO Há duas formas de assentar as lajotas. Pode ser fixa, assentada comargamassa sobre base de concreto, ou removível, a qual é assentada diretamente 14
  15. 15. sobre a base ou como piso elevado. Porém, há ainda a finalidade do pavimento fixo,que pode ser para pedestres, veículos leves ou para veículos pesados. As placas removíveis são destinadas somente para veículos leves. A seguir é descrito os processos para a execução do assentamento,separados por método.3.1.1 Assentamento de Placas Fixas • Compactação do solo • Preparação da base. Para pedestres: a base deve ser em concreto magro com espessura de 3 a 5 cm aplicada sobre o solo compactado. Para veículos leves (entrada de carros): concreto traço 1:2:4 com 5 cm de espessura, armado com tela de aço CA 60 de 4,2 mm e malha de 10 x 10 cm. A cura deve ser de 3 dias. Para veículos pesados (Caminhões, carro-forte): deve-se consultar o fabricante. • Aplicação de uma camada de argamassa tipo “farofa”, ou seja, com consistência seca, levemente úmida, traço 1:6 (cimento:areia). • Antes de assentar as placas, verificar o nivelamento do contrapiso e corrijir eventuais diferenças de nível. A argamassa deve ser adensada e nivelada. • Umedecer a superfície do contrapiso e as Figura 21: Aplicação da argamassa placas a seres assentadas. para assentamento. • Assentamento das placas. Pode ser utilizado um martelo de borracha. O tempo mínimo de cura da argamassa é de 2 dias. • Aplicação do rejunte. • Limpeza final. Deverá ser efetuada duas semanas após rejuntamento.3.1.2 Assentamento de Placas Removíveis • Compactação do solo, que servirá como base. • Lançamento de 3 a 4 cm de brita graduada ou bica corrida compactadas e uma armação com tela de aço CA 60 de 4,2 mm e malha de 10 x 10 cm. • Assentamento das placas sobre o pó-de-brita. • Para manutenção, as placas devem ser retiradas e recolocadas com a ajuda de um saca-placas. 15
  16. 16. Figura 22: Saca-placas para manutenção das placas de concreto.4 ACABAMENTOS TEXTURADOS DE REVESTIMENTOS O revestimento é a camada externa que cobre a alvenaria, metais oumadeira, dando-lhes um aspecto visual mais agradável. Sua principal finalidade éregularizar as superfícies de paredes, tetos, muros e fachadas, resguardando-as dasintempéries do desgaste de maneira geral. Como qualidades essenciais de um revestimento podem ser citadas aresistência ao choque, a esforços de abrasão, a durabilidade, impermeabilidade e aestética. É importante ressaltar que não é função do revestimento dissimularimperfeições grosseiras da base. Os revestimentos das paredes consistem em camadas de chapisco, emboço,reboco e um acabamento, podendo este ser papel de parede, tinta ou efeitostexturizados. Massa raspada, travertino, nomocamada e granito lavado são exemplos deargamassas decorativas que criam efeitos e texturas variadas, atuando como rebocoe pintura. A seguir é especificado o método de aplicação destes efeitos. Efeito Composição Aplicação e cuidados A aplicação da massa é manual, sempre de cima para Cimento (branco ou baixo. A lavagem da nata com água é seguida pela cinza) e pedras lavagem com ácido muriático, feita depois da cura. PorGranito lavado naturais moídas último, retira-se o excesso de ácido com água. Na britadas lavagem da nata, utilizar nebulizadores para não arrancar a granilha Cimento (branco ou Aplicação mecânica (projetada) ou manual, feita com cinza), minerais, cal desempenadeira e colher de pedreiro. Assim queMassa raspada hidratada, pigmentos e adquire mais resistência, a massa é raspada com as aditivos costas de um serrote Aplicação mecânica (projetada) ou manual, feita em duas fases. A primeira cobre o substrato (camada plana) Travertino Cimento, cal, calcário, e a segunda é chapiscada e depois parcialmente alisada(imita mármore pigmentos e aditivos com desempenadeira de aço dando o efeito travertino. travertino) Em dias quentes, hidratar a base para que o substrato não absorva água da argamassa 16
  17. 17. Em casos de reformas, para realizar os acabamentos de revestimento comqualidade, é necessário que as superfícies estejam preparadas. A superfície deveestar firme, limpa, seca, sem poeira ou mofo. As partes soltas ou mal aderidasdevem ser eliminadas, raspando, lixando ou escovando a superfície. As partesmofadas podem ser lavadas com água sanitária. Com relação a imperfeiçõesprofundas, as mesmas devem ser corrigidas com reboco, porém deve-se ter cuidadocom o tempo de secagem, no mínimo 28 dias de cura. A maioria dos produtos já vem prontos de fábrica para o uso, noentanto para todos os produtos deve-se fazer a homogeneização e diluição paramelhor aproveitamento dos mesmos. Na maioria das vezes, existem tintasespecíficas que garantem as texturas. São várias as formas de acabamento do revestimento. A seguir serãoapresentados os revestimentos texturizados, ou texturados mais utilizados nomercado.4.1 REVESTIMENTO MONOCAMADA O revestimento monocamada é utilizado como revestimento externo deparedes, em alternativa ao reboco tradicional. Consiste em uma argamassa aplicadaem uma só camada que cumpre todas as funções de proteção e decoração comoum reboco tradicional, conforme ilustra a figura a seguir. Figura 23: Monocamanda, uma alternativa ao reboco tradicional. A ARDM (Argamassa para Revestimento Decorativo Monocamada) éconstituída pela mistura homogênea de materiais básicos, os quais podem variarconforme o fabricante: cimento branco estrutural, agregado leve de diâmetro máximo 17
  18. 18. 1,2 mm, cal hidratada, pigmentos minerais inorgânicos, retentor de água,incorporador de ar, fungicidas e plastificantes. O produto consiste de um material em pó, industrializado, fornecido em sacosde 30 kg para ser misturado com água e resultar em uma argamassa pronta para seraplicada, o produto já vem preparado sendo apenas necessário adicionar água emobra, desta forma, não há risco do reboco ser mal dosado. Esta facilidade proporciona um maior rendimento de mão-de-obra uma vezque sua aplicação é direta e dispensa acabamento. Suas principais vantagens são:uma vasta gama de cores, impermeabilidade, elasticidade, resistência mecânica,elevada aderência e fácil manutenção, porém não é recomendado em superfíciesinclinadas ou que vão ser enterradas ou submersas em água. A monocamada é ideal para edifícios em alvenaria estrutural, sistema em queo prumo e a planicidade são os mais precisos possíveis. Ela torna-se antieconômicaem basses muito irregulares. Um dos principais problemas da monocamada é a fendilhação. Busca-se queo RDM não apresente manifestações patológicas com o passar do tempo, uma vezque no Brasil as obras mais antigas que empregaram esse tipo de revestimento têmem torno de quatro anos e não há, ainda, um longo histórico de utilização.4.1.1 Execução da Monocamada A maioria das monocamadas pode ser aplicada manualmente, em algunscasos usam-se máquinas para se fazer a aplicação. Para uma maior durabilidade eestética é necessário que a execução seja de qualidade para evitar patologias. Para execução da monocamada são necessários os seguintes materiais eferramentas: Argamassa para RDM, Água, Tela de Fibra de vidro, tratada compoliéster, com malha 9 x 9 mm, Perfis metálicos tipo “U”, Régua lisa usualmentedenominada “penteadeira”, Desempenadeira metálica com cantos virados,Equipamento de projeção (mistura, transporte e aplicação do material), Misturadorde eixo horizontal (se for aplicação manual), Régua de perfil I e desempenadeira“gang nail”. A figura a seguir ilustra os equipamentos necessários. 18
  19. 19. Figura 24: Equipamentos necessários para execução da monocamada.4.1.1.1 Aplicação mecânica A aplicação do revestimento com projeção exige equipamento provido demangote e bico projetor. Além disso, são empregadas as ferramentas anteriormenteapresentadas. A projeção de argamassa da primeira demão é feita de forma circular, naespessura de 5 a 7 mm, ilustrado na foto 10, da Figura 25 . Em seguida, executa-seo estriamento com a desempenadeira denteada. Essa primeira demão pode serchamada de demão de sacrifício ou regularização, cuja função é uniformizar asuperfície do substrato, de bases com características diferentes (alvenaria, concretoe, eventualmente, algum chapisco). Com essa primeira demão obtém-se um único substrato, o qual receberá acamada final do revestimento. Isso é importante porque uniformiza a base,considerando a capacidade de absorção, temperatura e planicidade. Após essa demão, aplica-se a tela de reforço de fibra de vidro, recomendadapelos fabricantes para ser utilizada na interface estrutura-vedação e nos cantos dosvãos de janelas e portas (foto 11 da Figura 25). A segunda demão é feita de cima para baixo na forma de filetes contínuoshorizontais, formando faixas menores de 2,0 m de largura, conforme ilustra a foto 12na Figura 25. 19
  20. 20. Após a projeção dessa demão, a argamassa é imediatamente estriada comuma régua penteadeira a fim de tornar a superfície mais plana possível. Isso eliminapossíveis bolhas de ar no interior do revestimento e facilita posterior sarrafeamento,executado com o lado liso da mesma régua. Para o acabamento raspado deixa-se a argamassa endurecer até atingir oponto de raspagem que varia, dependendo da temperatura ambiente, de 3 a 5 h. Figura 25: Aplicação mecânica da monocamada.4.1.1.2 Aplicação manual Na aplicação manual apenas o equipamento de mistura e projeção não éexigido. Pode-se misturar a argamassa em uma argamassadeira de eixo horizontal.As demais ferramentas são as mesmas empregadas na execução com projeçãomecânica. A aplicação da primeira demão é feita com a régua lisa ou desempenadeirametálica na espessura de 5 a 7 mm sobre o substrato conforme ilustra a foto 13 daFigura 26. Em seguida, é executado o estriamento com a régua penteadeira,aguardando-se aproximadamente 10 min para a aplicação da segunda demão. Apósa primeira demão, caso seja necessário, aplica-se a tela de reforço de fibra de vidro(foto 11 da Figura 25). A segunda demão é aplicada da mesma forma que a primeira, em faixasmenores de 2,0 m, conforme ilustra a foto 14 da Figura 26. Após a aplicação dessademão, a argamassa é imediatamente estriada com uma régua penteadeira a fim detornar a superfície mais plana possível. Assim, eliminará prováveis bolhas de ar norevestimento, facilitando posterior sarrafeamento, executado com o lado liso damesma régua. 20
  21. 21. Figura 26: Aplicação manual da monocamada.4.1.1.3 Acabamentos A próxima etapa de aplicação do produto depende do tipo de acabamento quese deseja obter podendo-se ter quatro tipos distintos: raspado, alisado, chapiscado etravertino. O acabamento raspado é o mais utilizado e está ilustrado na foto 15 da Figura27. Para que se obtenha o acabamento raspado, quando o revestimento atingir oponto de raspagem (que varia, dependendo da temperatura ambiente, de 3 a 5 h),deve-se utilizar a régua metálica perfil "I" ou a desempenadeira do tipo gang nailpara raspar a argamassa. O acabamento alisado, apresentado na foto 16 da Figura 27, é executadocom desempenadeira lisa logo após a aplicação da última camada. No acabamentochapiscado (foto 17 da Figura 27), o chapisco é aplicado com equipamento deprojeção ou chapiscadeira manual logo após a segunda demão, em uma camada de2 a 3 mm de espessura. Para o acabamento travertino, ilustrado na foto 18 da Figura 27, realiza-setodos os passos do acabamento chapiscado e em seguida amassa-se ligeiramente ochapisco com desempenadeira metálica ou colher de pedreiro. 21
  22. 22. Figura 27: Tipos de acabamentos da monocamada.Durante a execução devem ser tomados os seguintes cuidados: • Misturar a argamassa sempre mecanicamente, respeitando-se, a cada nova mistura, o mesmo tempo de mistura e a mesma quantidade de água adicionada ao pó, em função da orientação de cada fabricante específico; • A argamassa não pode ser aplicada sob tempo úmido ou chuvoso, já que a água pode infiltrar pelo revestimento ainda fresco alterando a relação água/materiais secos e, por conseqüência, a coloração; • A aplicação e a raspagem do RDM em uma determinada fachada devem ser feitas sempre de maneira uniforme, ou seja, não se deve, na mesma fachada, raspar um mesmo pano em períodos diferentes. Caso esse procedimento não seja seguido, poderá acarretar diferenças de tonalidade em um mesmo pano.4.2 EFEITO CRAQUELADO OU CRAQUELÊ Trata-se de um efeito especial que deixam as paredes com uma aparência detinta "quebrada".4.2.1 Execução do Efeito Craquelado ou Craquelê Os materiais utilizados para este efeito são: rolo de aplicação de textura,texturatto liso, brocha, lixa fina, tinta acrílica com efeito metalizado, rolo de lã decarneiro de pelos baixos e bandeja para tinta. 22
  23. 23. Primeiro isola-se as paredes laterais com fita crepe, então se aplica nasuperfície já preparada, sem partículas soltas, uma demão de texturatto liso sobre asuperfície com o rolo de aplicação de textura, tomando o cuidado em se deixar acamada fina e homogênea. Com a textura ainda úmida, usa-se a brocha para darbatidas leves sobre a superfície, criando-se uma textura baixa e pontilhada. Depois de 24 horas de secagem deve-se lixar a superfície suavemente eremover o pó. Em seguida, aplicam-se duas ou três demãos com tinta de efeitometalizado com um rolo de lã de carneiro de pelos baixos, respeitando sempre ointervalo de secagem entre as demãos. Criam-se cada vez mais materiais específicos, para facilitar a vida dosdecoradores. Pensando nisso, a Plaid criou o Craquelê de Tintas para paredes, queé capaz de transformar facilmente qualquer ambiente. O craquelador pode ser utilizado com tintas Glaze, Latex ou Acrílicas. O efeitoé duradouro, podendo ser utilizado tanto em paredes internas quanto externas.O produto é vendido em embalagem de 1,42L. Para aplicá-lo, é necessário preparara parede com tinta acrílica fosca ou latex acetinado, aplicar uma demão decraquelador, esperar secar de três a seis horas e, por fim, aplicar uma nova demãode tinta glaze, acrílica fosca ou latex acetinado. A aplicação deve ser feita sempre em uma única direção, sem voltar o pincel,pois a tinta vai craquelando quase que instantâneamente.4.3 EFEITO MARMORATTO O marmoratto cria um impressionante efeito de uma pedra de mármore. Omármore faz parte da antiga história greco-romana, onde já era utilizado naarquitetura, seu brilho espelhado produz um toque de sofisticação e requinte aosambientes.4.3.1 Execução Marmoratto Os materiais utilizados para a execução do marmoratto são: desempenadeirade aço com cantos arredondados, espátula de aço, texturatto, cera incolor pastosa,politriz. 23
  24. 24. Para a execução do marmoratto aplica-se a texturacom a desempenadeira de aço com bordas arredondadas,espalhando a textura e deixando a superfície irregular . Após a secagem da primeira demão, em umintervalo de tempo de 06 a 08 horas, aplica-se a segundademão. Aguarda-se a secagem e em seguida aplica-se aterceira demão, criando as manchas, nivelando e Figura 28: Aplicação do Marmoratto comcompactando a superfície, obtendo-se um acabamento desempenadeira de aço.manchado. Depois de seca a terceira demão aplica-se acera em toda superfície com a ajuda dadesempenadeira e espera-se 15 minutosaproximadamente para a secagem. Com a ajuda deuma politriz deixa-se a superfície polida e brilhante. Figura 29: Polimento da superfície com ajuda de uma politriz.4.4 GRAFIATO Este estilo de pintura texturizada consagrou-se na área de desing deinteriores e aos poucos, novas técnicas são criadas para modernizar o grafiato. A imagem a seguir ilustra a textura deste estilo, que pode ser em qualquercor. Figura 30: Textura do tipo Grafito.4.4.1 Execução do Grafiato Os materiais utilizados na execução do grafiato são: lona de plástico,seladora acrílica, textura em lata, desempenadeira de aço, espátula de aço, rolo deespuma, desempenadeira de plástico, fita crepe, pano de algodão, bandeja grande,rolo de espuma grande ou pequeno, lixa e escova. 24
  25. 25. Para sua execução, é necessário preparar corretamente a superfície,removendo partículas soltas com lixa e escova. Se no caso a alvenaria não tiveremboço é necessário que se faça um acabamento com argamassa nas juntas, paradar um melhor aspecto. Em seguida, aplica-se na parede um fundo preparador ou seladora, queregula a absorção da base e garante maior aderência do produto à superfície.Depois que o fundo estiver seco pode-se aplicar a massa que já vem pronta para seraplicada, com uma desempenadeira de aço é aplicada à massa na parede, para seproduzir o efeito é utilizada uma desempenadeira de plástico. Os efeitos podem ser variados, vertical, horizontal e inclinado. É importantesalientar que o serviço deve ser executado de forma contínua para evitar emendas. O grafiato tem opções de algumas cores, porém se utilizado na cor brancapode ser pintado da cor desejada. Figura 31: Aplicação do Grafiato.4.5 DEMAIS TEXTURAS Com o avanço da tecnologia, empresas voltadas a estética das edificaçõesvem apostando em novas texturas que garantam conforto e elegância aosambientes. Desta forma, existem muitas outras texturas já lançadas no mercado, sendo amaioria adquirida com uma massa ou simplesmente tintas específicas, cujasexecuções aproximam-se ou igualam-se às citadas anteriormente. Podem ser citados ainda efeitos como Travertino, Trapeado, Chapiscado,Chapiscado ondulado ou com bandeirola, Repuxado, Casca de Árvore, madeira,efeito aço escovado, metalizado, jeans, esponjado, camurça ou outros tecidos. Pode-se ainda soltar a imaginação e inventar no momento da aplicação dasmassas. 25
  26. 26. 5 REFERÊNCIAS BILLIOGRÁFICASNAKAMURA, Juliana. Assentamento de piso cimentício. Disponível em:<http://www.equipedeobra.com.br/construcao-reforma/23/artigo139195-1.asp>.Acesso em: 15/03/2012.Prefeitura da Cidade de São Paulo. Conheça as regras para arrumar a suacalçada. 1º Seminário Paulistano de Calçadas - São Paulo 2004 e Fórum Paulistanode Passeio Público - São Paulo 2005.Prefeitura da Cidade de São Paulo. Sistemas Integrados de Calçadas.Calçadas com placas de concreto. Disponível em:<http://www.euseiquemtem.com.br/home/index.php?option=com_content&view=article&id=68&Itemid=84>. Acesso em: 15/03/2012.Calçadas com placas de concreto. Disponível em:<http://www.paranaobras.com.br/index.php/revestimentos/pisos/calcadas/calcadas-de-placas-concreto>. Acesso em: 15/03/2012.TATEOKA, Thays. Ladrilhos hidráulicos. Disponível em:<http://www.equipedeobra.com.br/construcao-reforma/19/artigo103311-1.asp>.Acesso em: 03/03/2012.Colocação. Disponível em: <http://www.dallepiagge.com.br/colocacao.php>. Acessoem: 03/03/2012.Ladrilhos Hidráulicos. Disponível em:<http://www.rochbeton.com.br/ladrilhos/hidraulicos.php>. Acesso em: 18/02/2012.Efeitos Especiais. Disponível em:<http://www.piniweb.com.br/construcao/noticias/efeitos-especiais-85197-1.asp>.Acesso em: 18/02/2012.Argamassas decorativas. Disponível em:<http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/115/artigo33039-1.asp>. Acessoem: 14/03/2012.NBR 13756- Revestimento de piso interno ou externo- Procedimento.Como fazer o assentamento de piso de concreto intertravado. Disponível em:<http://www.fkct.com.br/pisos_de_concreto_intertravados.html>. Acesso em:15/03/2012. 26
  27. 27. Panaobras. Disponível em:<http://www.fkct.com.br/pisos_de_concreto_intertravados.html>. Acesso em:15/03/2012.Calçadas. Disponível em:<http://www.euseiquemtem.com.br/home/index.php?option=com_content&view=article&id=68&Itemid=84>. Acesso em: 15/03/2012. 27

×