Experiência educacional sob a perspectiva da biologia do conhecer

1,259 views

Published on

Trabalho publicado nos Anais do II Encontro Universitário do campus da UFC no Cariri

Published in: Education, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,259
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Experiência educacional sob a perspectiva da biologia do conhecer

  1. 1. EXPERIÊNCIA EDUCACIONAL SOB A PERSPECTIVA DA BIOLOGIA DO CONHECER: O CASO DO LABORATÓRIO TROCA DE AFETOS (LATA) Naira Michelle Alves Pereira¹ Francisca Pereira dos Santos² Maria Vanderleia de Sousa3 Tatiane Pereira Jorge4 ¹ Universidade Federal do Ceará - Campus Cariri; E-mail: nairamichelle_ufc@yhaoo.com.br. 2 Doutora em Literatura e Cultura pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). E-mail: teiadoato@gamil.com. 3 Universidade Federal do Ceará - Campus Cariri; E-mail: vanderleiamary@yahoo.com.br. 4 Universidade Federal do Ceará - Campus Cariri; E-mail: tattyufc2008@yahoo.com.br. Resumo Ensinar teorias, fórmulas e fatos faz parte do cotidiano das escolas. O diferencial, entretanto, encontra-se em não somente apreende-las como também aplicá-las em algo que repercuta em benefícios e melhorias para o ensino aprendizagem, desenvolvendo espaços mais interativos e cooperativos no desenvolvimento das atividades educacionais. Esse é o principal desafio do modelo de educação proposto pelo biólogo Humberto Maturana, a qual se caracteriza por uma maior criticidade por parte dos estudantes, que devem no contexto da sociedade, onde estão inseridos assumirem o papel de sujeitos no ato de serem capacitados para o uso dos conhecimentos adquiridos em prol da igualdade social. Diante dessa perspectiva esse artigo relata a experiência do LATA – Laboratório de Troca de Afetos que utiliza a abordagem ancorada nas idéias de Maturana onde toda a prática e reflexão se impõe a pergunta: para que educar?. A metodologia do presente trabalho se constitui em uma pesquisa exploratória sobre aspectos das idéias da biologia do amor no campus da ufc cariri a partir da intervenção desse Laboratório, no curso de biblioteconomia. Percebe-se, portanto que o Laboratório Troca de Afetos (LATA) utiliza-se dos conceitos de educação baseados na Biologia do Conhecer, caracterizando-se como um espaço adaptado para desenvolver ações que emerge transformar aulas em debates, diálogos, intercâmbios e produção de conhecimentos a partir da sala de aula como estúdio de conexão com a sociedade, através de convidados/atores sociais para interagir com as turmas. Conclui-se que, o processo pedagógico do Laboratório Troca de Afetos – LATA constitui-se em uma relação mais espontânea, deixando de ser apenas atividades depositadoras de informações passando a constituir-se em exercícios integrados a realidade cotidiana, através de um processo de interatividade, coletividade e cooperatividade. Palavras-chave: Ensino-aprendizagem. LATA. Metodologia pedagógica. Introdução Ensinar teorias, fórmulas e fatos é uma prática bem comum por parte de um grande percentual de escolas. Ou seja, “a escola continua oferecendo espaços quadriculados e testes de múltiplas escolhas em vez de processos interativos e cooperativos de construção do conhecimento”. (MORAES, 2003, p. 169). Diante desse cenário no qual a educação ainda é pensada, de uma maneira geral, como um processo de “memorização, repetição e cópia” (MORAES, 2003, p.169,) este artigo propõe analisar atividades extensivas da Universidade Federal do Ceará, Campus Cariri, que
  2. 2. se utilizam de outros meios e mecanismos pedagógicos para desenvolverem estudos, experimentações, pesquisa e sobretudo levar o conhecimento tendo em vista o respeito com o outro e a diversidade cultural. De uma forma mais direta este trabalho pretende focar O Laboratório Troca de Afetos (LATA) caracterizado como um Grupo aberto, multidisciplinar de estudos, experimentações e pesquisa em cultura, memória, tecnologias da informação e comunicação, oralidade e gênero. Sendo um acontecimento político, didático e pedagógico que se desenvolve na disciplina cultura e mídia do curso de Biblioteconomia, da Universidade Federal do Ceará, Campus Cariri, idealizado pela professora do curso de biblioteconomia Francisca Pereira dos Santos. Observa-se a partir da interação dos alunos, dos comentários da experiência que a metodologia pedagógica gerada no Laboratório Troca de Afetos (LATA) cria um espaço não somente de interação mais de afeto, respeito – aluno, professor e comunidade, como promove o intercambio da universidade com a cidade. Possibilitando gerar e produzir conhecimentos, transformando aulas em debates, diálogos, intercâmbios e produção de conhecimentos a partir da sala de aula como estúdio de conexão com a sociedade, através de convidados/atores sociais para interagir com as turmas. Materiais e Métodos O presente trabalho é fruto de nossa participação do Laboratório Troca de Afetos (LATA), quando cursávamos a disciplina cultura e mídia e fruto também das nossas conversar sobre essa experiência e principalmente do nosso interesse em estudar e conhecer a perspectiva da abordagem desenvolvida por Maturana no que diz respeito a biologia do conhecimento. Sendo assim, o estudo do LATA vem sendo observado a partir de investigação tanto empírica como baseada em referências bibliográficas a partir dos livros: Emoções e Linguagens na Educação e na Política de Humberto Maturana (1999) e Educar na Biologia do Amor e da Solidariedade de Maria Cândida Moraes (2003). Resultados e discussões Segundo Maturana (1999) hoje, os estudantes se encontram no dilema de escolher entre o que deles se pede, que é preparar-se para competir no mercado profissional, e o ímpeto de realizar uma tarefa de responsabilidade social, imprescindível para eliminar as excessivas desigualdades sociais através da transformação de uma ordem político-cultural. Sob o nosso ponto de vista, isto pressupõe conceber o aprendiz como um sujeito ativo no processo de observação de sua realidade e construtor, desconstrutor e reconstrutor do conhecimento, ao mesmo tempo, um aprendiz autônomo em relação ao meio, o que significa um aprendiz/aprendente que é auto-organizador, autoprodutor e autodeterminado em relação ao seu entorno. (MORAES, 2003, p. 157). Nessa perspectiva, o educar se constitui em uma relação de afeto, deixando de ser atividades distantes, constituindo.se em exercícios integrados a realidade cotidiana, implicando em uma “[...] valorização dos processos de aprendizagem cooperativa, da interatividade e da dialogicidade entre sujeito e objeto [...]” (MORAES, 2003, p. 162). Nessa ótica, identificamos o projeto de extenção Laboratório Troca de Afetos (LATA) do Curso de Biblioteconomia da Universidade Federal do Ceará, Campus Cariri, como um processo de mediação pedagógica que reconhece [...] a complexidade dos fenômenos educacionais que colocam como sendo inseparáveis indivíduo/contexto, sujeito/objeto, educador/educando e todos os tecidos que regem os acontecimentos, as ações, as interações e retroações que tecem a realidade de nossa existência. (MORAES, 2003, p. 160).
  3. 3. O LATA se constitui em um projeto de ensino, pesquisa e extensão sobre cultura que visa proporcionar ao aluno (a) uma relação de afeto entre: A sala de aula e o mundo externo; O conhecimento trazido pelas escolhas do professor; A opinião, participação e integração dos alunos na dinamização da ementa; Uma outra pessoa que vem de fora, a testemunha da vida, da cultura do seu lugar e do mundo que vem nos trazer uma “verdade”. A TESTEMUNHA vem de fora para narrar através da sua voz o ritmo de uma trajetória de vida a ser dita. É aquele (a) que vem para nos afetar com sua teia de temas e tramas. Tal processo se transforma em conhecimento e pesquisa cujo objetivo geral é construir novas práticas pedagógicas para o ensino na Universidade Federal do Ceará, Campus Cariri, a partir de intervenções coletivas entre alunos, professores, e comunidade. A metodologia integrada para apreensão de saberes acontece através de dois procedimentos: um das comunidades orais e outros das comunidades virtuais.Alguém vem de fora para narrar através da sua voz o ritmo da sua experiência de vida a ser dita objetivando gerar uma experiência. Um contato. Nesse sentido, toda pessoa é potencialmente apta para o intercâmbio. Fazendo assim com que o educar deixe de ser entendido como um ato da fala enquanto apresentação de quem domina certas informações pronunciadas como verdades e passa a construir-se em comunicação de sistemas viventes nas ações comuns. (MATURANA, 1999). O processo se da também através de um procedimento de simulação. Usa-se a foto como recurso informacional para registro, memorização e disseminação dos processos, estudos e pesquisa do laboratório, onde posteriormente são incluídos no Blog do projeto- acontecimento. O blog é gerenciado pelos alunos (as) do Curso de Biblioteconomia da UFC Campus Cariri objetivando divulgar as imagens, a entrevista o documentário, a conversação desses debates gestados informalmente, construindo um acervo de documentários poéticos digitais como fonte de informação, fazendo com que estes passem a compreender as tecnologias como ativadoras dos processos de mediação pedagógica, como enriquecedoras de ambientes de aprendizagem onde alunos e professores interagem com diferentes fontes de informações a partir de desafios, interesses individuais e coletivos. São Instrumentos que permitem romper barreiras do espaço e do tempo escolar, que transcendem os limites da sala de aula e das grades curriculares, abrindo novas janelas do conhecimento que se constroem além das disciplinas, do horário rígido e dos professores especialistas. (MORAES, 2003, p.163). Contudo, a intenção é criar nas pessoas envolvidas no processo (Educativo e afetivo), uma reflexão dos seus atos, desenvolvendo o senso crítico nos alunos, que devem no contexto da sociedade perceberem o seu papel de sujeitos no ato de estudar e serem capacitados para o uso dos conhecimentos adquiridos a fim de retribuir a sua comunidade os benefício que lhes foram proporcionados gerando uma relação de cooperação, interação e coletivismo entre sujeito e sociedade. Conclusão O educador (a) deve ser envolvido por outros processos de mediação educativa e avaliativa. Instiga processos que alia aluno, cultura e comunidade, a fim de integrar o processo educativo a realidade cotidiana. O processo pedagógico do Laboratório Troca de Afetos – LATA constitui-se em uma relação mais espontânea, deixando de ser apenas atividades depositadoras de informações passando a constituir-se em exercícios integrados a realidade cotidiana, através de um
  4. 4. processo de interatividade, coletividade e cooperatividade. Nessa perspectiva, o ensino/aprendizagem deixa de ser entendido como processo da pronuncia de certas informações, como ato da fala de quem domina e passa a ser um processo de mediação coletiva e interativa entre aluno, professor e comunidade. Assim sendo, a educação deve formar cidadãos para desenvolver e devolver ao país o que recebeu dele, a fim de realizar uma tarefa de responsabilidade social, imprescindível para eliminar as excessivas desigualdades sociais, segundo a concepção da biologia do conhecimento. Referências MATURANA, Humberto. Emoções e Linguagem na Educação e na Política. Tradução: José Fernando Campos Forte. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999. MORAES, Maria Cândida. Educar na Biologia do amor e da solidariedade. Petrópolis: editora vozes, 2003.

×