Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino

18,103 views

Published on

Slide do Cap.3 Teoria e prática científica de Antonio Severino. Elaborado por: Nayara Gaban.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Cap.3 Teoria e prática científica - Antonio Severino

  1. 1. TEORIA E PRÁTICACIENTÍFICA<br />Nayara de Cassia Gaban – RA: 404977<br />
  2. 2. Objetivo do capítulo:<br />Aproximar o significado de ciência como construção do conhecimento;<br />Mostrar sua formação história e sua constituição teórica.<br />
  3. 3. Ciência<br />Enlace de uma malha teórica com dados empíricos; articulação do lógico com o real; do teórico com o empírico; do ideal com o real;<br />A ciência é simultaneamente um saber teórico (explica o real) e um poder prático (maneja o real pela técnica).<br />
  4. 4. Quando e como surgiu a ciência:<br />A Ciência surge na modernidade se caracterizando como uma leitura da fenomenalidade do mundo natural, se apoiando em alguns pressupostos filosóficos;<br />Começou á cumprir um roteiro preciso, em função de um método e aplicações técnicas, referindo-se á um fundamento epistemológico que sustente e justifique a própria metodologia aplicada;<br />
  5. 5. O método como caminho do conhecimento científico<br />“A percepção de uma situação problemática que envolve um objeto é o fator que desencadeia a indagação científica”. (SEVERINO, p. 102).<br />
  6. 6. Método científico<br />Elemento fundamental do processo do conhecimento realizado pela ciência para diferenciá-la não só do senso comum, mas também das demais modalidades de expressão da subjetividade humana, como a filosofia, a arte, a religião, etc.;<br />É aonde se procura saber exatamente porque tais fatos ocorrem de tais maneiras, para isso, não basta observá-los, é necessário olhar para eles e problematizá-los em uma ordem racional e lógica.<br />
  7. 7. Passos do método científico<br />Hipótese: proposição explicativa provisória de relações entre fenômenos;<br />Verificação experimental: teste da hipótese;<br />Lei: princípio geral que unifica uma série ilimitada de fatos;<br />Teoria: síntese geral que se propõe a explicar um conjunto de fatos cujos subconjuntos foram explicados pelas leis;<br />
  8. 8. Passos do método científico<br />O método científico é um método experimental/matemático:<br /><ul><li>Momento experimental: está em curso a fase indutiva(princípio geral, universal, generalização dos fatos);
  9. 9. Momento matemático, está em curso a fase dedutiva(procedimento lógico, raciocínio);</li></li></ul><li>
  10. 10. Os fundamentos teórico-metodológicos da ciência<br />“Depois de conhecer o mundo físico mediante a aplicação da metodologia experimental/metamática, a ciência se propôs a conhecer também o mundo humano, seguindo o mesmo caminho”... (SEVERINO, p. 106).<br />
  11. 11. Os fundamentos teórico-metodológicos da ciência<br />A ciência tornou-se instância hegemônica de conhecimento na modernidade;<br />Única modalidade de conhecimento válido, universal e verdadeira, existência de um único método;<br />Através dessa perspectiva de unicidade metodológica se desenvolveram os sistemas das Ciências Naturais e das Ciências Humanas;<br />
  12. 12. Ciências humanas<br />Homem e suas manifestações tratados idênticos aos fenômenos naturais;<br />Ser natural, como todos os demais ( Naturalismo);<br />Submisso as leis de regularidade (Determinismo);<br />Acessível aos procedimentos de observação e experimentação (Experimentalismo e Racionalismo);<br />
  13. 13. Os fundamentos teórico-metodológicos da ciência<br />Ao fazer ciência, parte-se de uma determinada concepção acerca da natureza do real e acerca do seu modo de conhecer > pressupostos > paradigmas > paradigmas epistemológicos;<br />
  14. 14. Paradigmas epistemológicos<br />Paradigmas epistemológicos alternativos > PLURALISMO PARADIGMÁTICO; pois ao tentar compreender/explicar cientificamente o que é homem em sua especificidade constatou-se que há várias possibilidades de como se conceber a relaçãosujeito/objeto, podendo-se ter também várias formas de compreensão/explicação do modo de ser do homem.<br />
  15. 15. Positivismo <br />Paradigmas epistemológicos com os pressupostos das ciências naturais = Positivismo;<br />“Põe” o conhecimento a respeito do mundo, mas o faz a partir da experiência que tem da manifestação dos fenômenos;<br />Entende que o mundo é aquilo que ele se mostra fenomenalmente, a apreensão de seus fenômenos sendo feita através de uma experiência controlada, qual são eliminadas das interferências qualitativas.<br />
  16. 16. Método experimental-matemático<br />Novo método próprio, adequado para apreender as relações fenomenais e mensurá-las quantativamente, cuja aplicação possibilitará ao homem ampliar a aprofundar seu conhecimento da natureza, a tal ponto que passará a ter o poder de interferir nos objetos, transformando-o pela técnica.<br />
  17. 17. A formação das ciências humanas e os novos paradigmas epistemológicos<br />
  18. 18. A formação das ciências humanas e os novos paradigmas epistemológicos<br />Á partir do séc. XIX foram se constituindo as Ciências Humanas;<br />Homem como objeto de conhecimento;<br />Não se prevalece mais o paradigma epistemológico único representado pelo positivismo;<br />Outros paradigmas e pressupostos ontológicos podem ser utilizados;<br />Outros pressupostos epistemológicos são assumidos para fundamentar o conhecimento do homem (pluralismo epistemológico).<br />
  19. 19. Novas referências teórico-metodológicas<br />FUNCIONALISMO: A sociedade humana e a cultura são como um organismo, cujas partes funcionam para atender ás necessidades do conjunto. Identifica relações funcionais, descreve seus processos e explicita suas articulações no interior da sociedade;<br />ESTRUTURALISMO: Interdependência entre as partes, de tal forma que as alterações que ocorrerem num elemento acarretam alteração em cada um dos outros elementos do sistema, atingindo todo o conjunto.<br />
  20. 20. Outros modos de conceber a relação de reciprocidade entre sujeito e objeto<br />FENOMENOLOGIA: Todo conhecimento fatual (aquele das ciências fáticas ou positivas) funda-se num conhecimento originário (o das ciências eidéticas).<br />HERMENÊUTICA: Todo conhecimento é necessariamente uma interpretação que o sujeito faz a partir das expressões simbólicas das produções humanas, dos signos culturais; investigação antropológica.<br />ARQUEOGENEALOGIA: Prioriza inclusive na ordem do conhecimento, outras dimensões que não aquela da lógica racional.<br />DIALÉTICA: Reciprocidade entre sujeito/objeto eminentemente como uma interação social que vai se formando ao longo do tempo histórico.<br />
  21. 21. Condição e condutas humanas – paradigma dialético<br />Totalidade;<br />Historicidade;<br />Complexidade;<br />Dialeticidade;<br />Praxidade;<br />Cientificidade;<br />Concreticidade.<br />
  22. 22. Modalidades e metodologias de pesquisa científica<br />A ciência se constitui aplicando técnicas, seguindo um método e apoiando-se em fundamentos epistemológicos;<br />Pesquisa quantitativa e pesquisa qualitativa: referem-se á conjuntos de metodologias, envolvendo, eventualmente, diversas referências epistemológicas;<br />Pesquisa etnográfica: visa compreender, na sua cotidianidade, os processos do dia-a-dia em suas diversas modalidades.<br />
  23. 23. Referências<br /> Ciências humanas. Disponível em:<http://www.guiadacarreira.com.br/wp-content/uploads/2009/06/humanas.jpg> Acesso em: 17 de set. de 2011.<br /> <br />Método científico. Disponível em: <http://astropt.org/blog/wp-content/uploads/2011/08/Image1.gif> Acesso em: 16 de set. de 2011.<br /> <br />Metodologia da pesquisa científica. Disponível em: <http://2.bp.blogspot.com/_sL1ozLKUMqA/SjWUK8PfYRI/AAAAAAAAAw4/brS3EmM1OYs/s400/metodologia_da_pesquisa_cientifica.png> Acesso em: 16 de set. de 2011.<br /> <br />Pesquisa. Disponível em: <http://ppgci.eci.ufmg.br/bimgs/pesquisa.jpg> Acesso em: 16 de set. de 2011.<br />SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 2007. Capítulo III: Teoria e prática científica, p. 99-119.<br />

×