Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Devoured

927 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Devoured

  1. 1. Remy, a irmã gêmea de Megan, morreu em um acidente há nove anos, e desde então ela vem sendo assombrada. Sabendo que soaria como loucura, Megan guarda este segredo para si, tentando levar uma vida normal. Quando ela aceita um emprego de verão na Terra Encantada para ficar de olho em seu novo namorado e em sua melhor amiga apaixonada, Samantha, ela conhece Luke, um colega de trabalho que também pode ver Remy. As coisas se complicam quando Ari, a nova amiga de Megan, se apaixona por Luke, e ele parece estar apaixonado por Megan... Formando um triângulo amoroso. Megan quer distância de Luke, mas quando Remy começa a ter visões violentas, Megan sabe que precisa da ajuda dele. Porque alguém está definitivamente em perigo... A pergunta é, quem?
  2. 2. — Helena — O grande espelho da parede chamou a leste — venha, eu tenho algo de extrema importância para mostrar a você. Helena ajustou a coroa na cabeça e zombou. — Realmente não acho que preciso ver outro anão maldito morrer de pena no caixão de vidro. — Não é isso... — O espelho brilhou vermelho com impaciência. — Venha e veja — Helena ignorou o pedido do espelho e continuou a olhar para fora nos prados que tinha mudado de marrom seco a verde exuberante, aparentemente da noite ao amanhecer. — Espelho, você sabia que a menina gostava de correr pela grama nova da primavera? — Ela revirou os olhos. — Com os pássaros cantando loucamente atrás dela — Helena pensava que era por essa mesma janela que ela sentiu as dores da primeira inveja... De ódio. Não, não através da janela, ela decidiu, através do Espelho. Puxou a pele de raposa mais apertada sobre o peito para se proteger contra a brisa fresca. — Minha rainha — implorou o espelho, na esperança de que um tom mais formal fosse a apaziguar — Você deve ver por si mesma, por que... — uma pausa. O espelho queria atrair Helena ao vidro e surpreendê-la. Sentiu um grande prazer ao ver a cara de
  3. 3. Helena se contorcer com choque, mas ao longo dos últimos meses, enquanto Branca de Neve tinha mantido a sua beleza no caixão, Helena tinha afundado em uma depressão profunda, o espelho raramente poderia seduzi-la a olhar para ele. Mas o espelho sabia que Branca de Neve fora resgatada por um príncipe, não menos, e surpresa ou não, Helena ficaria devastada com a notícia. — Ela vive — sussurrou o espelho. Helena inspirou e apertou os olhos bem fechados. Ela sabia que esse dia chegaria. A garota simplesmente não iria morrer. — Então, ela vive — disse Helena enquanto uma palpitação aguda começava em seu peito. — Você parece surpreso — levantou do assento da janela e se aproximou do espelho. Ela olhou para seu reflexo e arrancou um fio de cabelo branco entre os negros. O espelho brilhava, moldando a imagem de Helena em uma luz amarela. — Bem, comece com ela — disse — Mostre a menina, a não ser que você não tenha acabado de me atormentar com minha aparência enfraquecida. — Ela vive e ela vai se casar em breve — declarou o espelho sem rodeios. — Os preparativos já estão prontos, e uma carta está a caminho com um convite. Um castelo animado com as atividades do casamento apareceu no vidro. Helena assistiu a pessoas trazendo cargas de hera e flores para ornamentar os arranjos florais. Branca de Neve pulou à vista,
  4. 4. pegou um ramo de urze1 de uma das empregadas, e o levantou enquanto ela dançava por eles em um pátio aberto. Helena balançou a cabeça e se virou do espelho. Ela descansou a mão no parapeito de mármore frio. — Ficarei encantada em participar do casamento da Branca de Neve — disse ela. — E sei qual é o presente perfeito. — Ela caminhou de volta para a parede e passou os dedos ao longo da armação dourada do espelho. — Você pertencerá à Branca de Neve. — Minha Rainha, eu pertenço a ti! — O espelho protestou. Helena teve um vislumbre rápido da criatura que vivia dentro do espelho antes de seu próprio reflexo reaparecer. Ela estremeceu, sabendo que o nariz, ligado a olhos cheios de fumaça, provavelmente a visitaria em um pesadelo esta noite. — Bem — disse Helena ao espelho, — sei o quanto você desfruta do seu poder sobre mim, mas você não precisa se preocupar. Não tenho dúvidas de que Branca de Neve vai sucumbir aos seus encantos tão facilmente como eu fiz — ela sorriu. — Sinceramente neste momento, a perspectiva de corromper a alma dela é muito mais atraente do que vê-la morta. O espelho não disse nada. Já estava imaginando o que traria Branca de Neve para sua influência. Talvez o conhecimento de que o príncipe tenha sido íntimo de muitas empregadas do castelo, algumas das quais neste momento costuravam suas roupas para a noite de núpcias, poderia induzir Branca de Neve a solicitar as habilidades especiais do espelho para segurança ou para espionagem. 1 http://bit.ly/9tCJq5
  5. 5. A superfície do vidro brilhava alegremente. Helena sabia que já estava contando os segundos até que ele pudesse estar a sós com Branca de Neve. Ela suspirou — Se o caçador tivesse feito seu trabalho corretamente e entalhado seu coração quando lhe foi ordenado isso, eu acho que poderia ter tido uma chance de felicidade. O estômago de Helena revirou. O espelho tinha dito que ela teria o que mais cobiçava: a beleza de Branca de Neve, ao comer o coração da menina. Ela passou os dedos sobre os cabelos grossos fora de seu queixo, odiando pensar no que ela tinha ganhado comendo o coração do javali que o caçador tinha apresentado em seu lugar. Ela olhou para a floresta ao redor dos campos. O caçador fugiu quando ela perguntou como era possível Branca de Neve estar se divertindo com anões se ele tinha realmente removido o seu coração. Ela avistou um punhado pequeno de fumaça flutuando por cima de algumas árvores ao longe e perguntou se era ali que ele estava se escondendo. — Eu gostaria de poder lhe dar um presente — disse ela. O espelho brilhou de antecipação. Ao contrário de alguns de seus antigos proprietários, Helena nunca tinha adivinhado a sua verdadeira natureza. Ela nunca tinha adivinhado que ele poderia ter acabado com Branca de Neve muito tempo atrás se ela pedisse isso em voz alta. Helena fechou suas mãos em punhos apertados. — Lamento que ela não possa sentir a inveja que me assombra noite e dia, o modo que sinto falta de tudo o que os outros têm. — Helena riu loucamente. — Eu desejo que Branca de Neve e seus parentes possam sentir isso queimando em suas almas para sempre.
  6. 6. Helena balançou a cabeça e suspirou novamente. — No entanto, acho que terei que pedir a costureira para cortar um vestido novo e uns novos sapatos. — Olhou para o espelho e sorriu amargamente — Eu espero que você leve tanta alegria à vida de Branca de Neve quanto você trouxe a minha. Ela saiu da sala, e o gênio que residia no espelho concedeu o desejo de Helena, inconscientemente expresso. Ele enviou um feitiço que avançou ao redor de afloramentos de rochas e através de silvas, até que encontrou o caçador virando um coelho esfolado no espeto. A magia cercou o homem, e ele fez uma pausa enquanto os pêlos em seus braços se arrepiavam. Ele examinou o mato, pensando que um lobo estava à espreita, talvez atraído pelo cheiro de carne assada. Tendo encontrado seu primeiro alvo, a magia fez seu caminho em torno das árvores para o próximo reino, onde encontrou a menina com a pele branca como a neve cantando alegremente nos jardins do palácio. Se envolvendo ao redor de seu coração, ela suspirou, sem saber por que ela se sentiu tão desconfortável poucos dias antes de se casar com seu amado príncipe. De volta ao castelo, o espelho brilhou com prazer. Em seguida, pensou em Helena e se perguntou se deveria avisá-la sobre o que tinha visto no futuro, sapatos de ferro candentes estendido em uma cama de brasas, colocado em seus pés na recepção do casamento de Branca de Neve. Viu Helena dançando em lugar encantado, até que teve seu último suspiro. O espelho refletiu sua capacidade de mudar seu destino, mas no final decidiu que, se Helena realmente queria ver sua enteada se casar, quem era ele para impedir isso?
  7. 7. Nicki virou na esquina muito rápida, me agarrei com força ao apoio de braços. Respirei fundo e vi que ela estava olhando na minha direção. — Oh Deus, me desculpe — ela diz, enquanto tira o pé do acelerador e pressiona o freio. — Eu me empolguei nesse trecho. Olhei para o rio que margeava a estrada, e me deixei levar pelo magnífico cenário da Montanha Branca, ao invés de imaginar o carro derrapando na água. — Ei, não se preocupe — eu menti. — E obrigado pela carona. Imagino que minha mãe tenha algo com seu cão estúpido, no mesmo dia que eu tenho a entrevista. Ela e Fergus estão ensaiando um novo número, e esta é a primeira vez que estão fazendo isso. Nicki ri. — Como pode aposentar os números "tóxicos"? Foi incrível! — Ha, ha, que engraçado. Claro, minha mãe tinha dançando com o nosso Golden Retriever2, em frente de uma platéia, e depois tinha enviado os vídeos pela internet, o que não é nada engraçado. 2 Golden Retriever: Uma raça de cão http://bit.ly/w48cJO
  8. 8. — De qualquer forma, eu juro que vou fazer todo nosso transporte quando eu tirar minha licença. — Não se preocupe com isso, Megan. — Sério! Vou fazer agora. Eu me inscrevi para as aulas nesta nova escola de condução que acabou de abrir. Nicki empurrou sua longa franja de seus olhos. — Eu acredito em você. Eu sei que ela está realmente pensando que eu vou ser que nem uma galinha como sempre, mas sou grata por ela não dizer isso em voz alta. Ela sabe que, apesar dos anos de terapia, andar em um carro ainda me assusta. Ela virou a Esquina Encantada como uma avó de noventa e dois anos de idade, e eu apontei para um prédio próximo à entrada do parque. — A entrevista é bem ali. Ela dirigiu para o estacionamento quase vazio, que se encheria em uma semana. — Tem certeza que você realmente quer fazer isso? — Pergunta ela. Eu olho para o letreiro da Terra Encantada. Princesas muito bonitas e sorridentes em florestas, com animais que agitavam seus braços como marionetes. Mesmo quando criança eu não era louca para vir aqui como todo mundo: as multidões, os passeios de dois minutos, pareciam nunca valer a pena esperar muito tempo. Mas Remy amava tudo sobre a Terra Encantada, e meu pai costumava dizer que nunca tinha visto outro par de gêmeas olhar o mundo de forma tão diferente uma da outra.
  9. 9. Um pequeno estremecer passa pelo meu corpo. Fazia dez anos desde que Remy morreu e dez longos anos que eu era assombrada por seu fantasma. Vir aqui é pedir para ela aparecer, e eu queria saber se eu conseguiria fazer uma entrevista com o balbuciar do fantasma de Remy no fundo. Eu estou muito tentada a dizer a Nicki para colocar o carro na estrada de volta para casa. Mas eu não posso. — Eu estava ficando doente na livraria — eu minto. — Desde que Diane foi promovida a gerente, ela tem sido uma cadela total. E desta forma eu poderei sair para conseguir um bronzeado em vez de gastar mais um verão mais pálida que os vampiros. Nicki sacode a cabeça. — Isso não tem nada a ver com conseguir um bronzeado, e você sabe disso. Eu mantive minha boca fechada até agora, mas para ser honesta, você quer conseguir um emprego aqui porque você está com medo de perder Ryan, e Samantha o assediar de algum jeito. — Assédio? Desde quando ‚querer passar algum tempo com seu namorado‛ é assediar? Nicki me da um olhar incrédulo. — Ok! O pensamento dele e Samantha trabalhando juntos têm me deixado louca, mas você pode me culpar? Ela tem sido a sua melhor amiga desde a segunda série, e só estamos saindo há três semanas e dois dias. — Essa não é você! Onde está a Megan que nunca perseguiu um cara que ela está só começando a namorar? Que nunca em um milhão de anos, ficaria com um cara se ela não confia nele?
  10. 10. Eu olho para o príncipe no letreiro, escalando a longa trança da Rapunzel. — Essa Megan esta cansada de não ter tido um relacionamento desde o primeiro ano. E essa Megan estava confiante que as coisas eram estritamente platônicas entre eles, até que Samantha fez umas muitas viagens para o barril de cerveja e fez a sua confissão de 'alma gêmea'. Sem mencionar o fato de que ela é totalmente linda — e legal. Como posso competir com isso? — Sim, foi realmente legal da parte dela fazer uma brincadeira com Ryan, enquanto você estava no banheiro. Mas, apesar de sua confissão bêbada, ele ainda está com você, então por que você está preocupada? Eu encolho os ombros. — Eu não sei. Eu só queria que ele não tivesse me falado sobre isso. — Ele estava sendo honesto com você, e se você me perguntar, isso é um bom sinal. — Ou talvez ele estivesse preparando o terreno para a nossa separação, para que não seja um choque grande quando ele me disser que finalmente percebeu que a garota dos seus sonhos estava morando na porta ao lado o tempo todo. Nicki sacode a cabeça e tira o seu iPod. — Boa sorte. Espero que eles lhe dêem algo legal, como o carrinho de cachorro quente. Ou se você causar uma boa impressão, talvez eles lhe dêem uma dessas vassouras e pás com os cabos longos, e você pode varrer o lixo das calçadas. — Na verdade, sempre foi meu sonho trabalhar com uma máquina de neve derretida, mas eu estou realmente ansiosa para passar o verão e repetir sem fim: "Bem Vindo ao Pão de Gengibre, por
  11. 11. favor, mantenha as mãos dentro do carro até ele parar completamente‛. Nicki coloca os fones de ouvido. — Vou ouvir algumas músicas. As eliminatórias são amanhã e eu ainda não decidi o que vou cantar — Ela aumenta o volume e ouço "Defying Gravity" de Wicked. — Trabalhar em qualquer restaurante de fast-food, seria melhor que isso — diz ela em voz alta. Pego minha bolsa e digo a mim mesma que eu estou acima de espionar o meu namorado. Mas então eu penso sobre como é estar com Ryan, que me faz sentir mais viva do que eu tenho me sentido há anos, abro a porta e sigo para o conjunto de escritórios. Eu sento em frente do Sr. Roy e coloco o melhor ‚eu seria um trunfo para o seu parque de diversões‛ sorriso que eu posso reunir. Olhando para sua gravata Cinderela, tenho a sensação de que essa vai ser uma tarefa simples. — Então... — Ele olha para baixo em meu currículo. — Megan, porque você quer trabalhar na Terra Encantada? Dizer que eu me transformei em uma perseguidora, porque a boa menina Samantha se transformou em uma cadela ladra de homem não seria provavelmente a melhor abordagem, então eu me endireitei, olhei em seus desbotados olhos cinzentos, e menti. — Eu amo a Terra Encantada desde que eu era uma menina, e nada me faria mais feliz do que a oportunidade de colocar um pouco de magia em um garoto de férias de verão. Eu sorri e esperei não ter que mentir mais.
  12. 12. Sr. Roy concordou com a cabeça e sorriu com alegria. Ele colocou as mãos sob o queixo. — Há alguma recordação especial no parque que você poderia compartilhar comigo? Eu sempre gostei de saber como isso afeta as pessoas e é o que me faz continuar todos os dias. Oh Deus! O que eu faço? Contar que eu me lembro de um menino vomitando depois de uma volta na xícara? Queimaduras de terceiro grau por ficar o dia todo no sol em filas intermináveis? Comer sanduíches quentes de ovos, porque para meus pais era muito mais barato que comprar um lanche no parque? — Humm... Lembro que uma vez, creio que cinco anos atrás, eu estava com medo de entrar na floresta encantada de Hänsel e Gretel3, e alguém tocou meu ombro. Eu me virei e lá estava... uhhh — Minha mente luta para chegar a algo plausível. — Uhh, lá estava Branca de Neve. Ela estendeu as mãos de luvas brancas e disse: "Não se preocupe querida, eu vou com você." Com Branca de Neve ao meu lado, eu sabia que podia fazer, e até hoje, a floresta encantada de Hänsel e Gretel é uma das minhas atrações favoritas. Sr. Roy parecia triste, e era tudo o que poderia fazer para evitar revirar os olhos. Hansel e Gretel tinham que ser a falha aqui — metade dos animatrônicos4 foram quebrados, e a coisa mais assustadora sobre isso foi o fato de que ninguém realmente pagou para ver eles. — Bem, Megan, eu acho que temos um lugar na nossa equipe encantada para uma menina especial como você. Vejo que já marcou 3 4 Hänsel e Gretel: conhecido como João e Maria no Brasil – conto de fadas dos irmãos Grimm. animatrônicos: grandes bonecos-robôs usados para dar maior realismo a filmes de ficção científica, como Jurassic Park 3.
  13. 13. as operações de passeio, loja de presentes e atores que interpretam personagens. Eu aposto que você estava esperando para encher as luvas de Branca de Neve, estou certo? — Ele inclina—se para mim e pisca. Não vire os olhos! — Sim, senhor, Branca de Neve é uma das minhas histórias favoritas, e seria muito divertido interpretá-la. — Que coincidência. Branca de Neve é uma das minhas histórias favoritas, também. E com seu cabelo escuro, você vai ser perfeita! Infelizmente, você não pode ser a Branca de Neve todos os dias, tentamos misturar todos os membros da equipe para que todos tenham experiências novas e melhores no parque. E, por sua vez, nós podemos encontrar essas crianças especiais que transformam suas Terras Encantadas de empregos de verão em uma carreira de vida longa. Afinal, você não sabe se tem os ingredientes para ser da nossa equipe até que você passe algum tempo no Billy Goats Gruff, um espaço que irá destacar e manter limpo. Eu sorrio como se esta fosse uma oportunidade maravilhosa, todo o tempo orando a Deus para eu não estar cavando porcaria todo o verão. — O próximo passo é conhecer a nossa coordenadora de equipe, minha esposa, senhorita Patty. Ele pisca para mim, e eu mantenho a expressão sorridente de olhos arregalados estampada em meu rosto. — Ela vai lhe dar o nosso pacote de orientação e programação de treinamento, e pegar o seu tamanho para o traje.
  14. 14. Ele pega o telefone e aperta um botão. — Ursinha, eu estou mandando uma nova recruta para aí — Ele olha para o meu currículo novamente. — Megan Sones. Você precisa levá-la para o camarim para experimentar o vestido de Branca de Neve — Ele faz uma pausa e sorri para mim. — Ela é perfeita — Ele desliga o telefone e empurra sua cadeira para longe de sua mesa. — O escritório de Patty é virando a esquina. Vou apontar a direção certa. Olhei para Senhorita Patty e seu escritório, e eu comecei a pensar que ela tinha alguns problemas para resolver, que deve ser tratado com alguns anos de terapia. As paredes de seu escritório eram rosa brilhante e decorado com enormes retratos de princesas com lâmpadas fluorescentes. Estava assinado PATTY em letras enormes no canto direito de cada um e eu me perguntei como ela poderia ter assinado voluntariamente seu nome nessas atrocidades. Completamente fora de lugar com o resto da decoração, estava pendurada uma cabeça de javali, acumulando poeira em cima de um espelho atrás de sua mesa. — Megan — diz a Senhorita Patty com uma pitada de sotaque sulista enquanto ela estende uma mão bem cuidada com anéis em cada dedo. — É um prazer conhecê-la! Eu sou a Senhorita Patty, líder de sua equipe encantada, e é o meu trabalho prepará-la para seu verão encantado! — Prazer em conhecê-la — disse, tentando não olhar. No alto, arcos pontiagudos haviam sido desenhados sobre sua testa, onde sobrancelhas deveriam estar, e um dos seus cílios postiço estava torto. Seu rosto parecia de couro marrom, como se tivesse passado muito tempo em sessões de bronzeamento, e extensões de cabelos
  15. 15. cacheados loiros não combinava com o resto de sua transformação, muito pouco cabelo. Senhorita Patty aponta para eu me sentar em uma cadeira de bolinhas—rosa. Eu olho para as presas amarelas do javali e sua pele esfarrapada, e não consigo entender por que essa mulher, que é obviamente muito preocupada com sua aparência e a cor rosa, teria algo assim totalmente bruto em seu escritório. — Aqui está o nosso pacote de introdução. Ele tem formulários de contato para emergências, que você precisa preencher, além de informações gerais do parque, os tempos de mudança, e uma programação de treinamento. Você sabe CPR5? Eu aceno com a cabeça, me imaginando fazendo CPR no figurino de Branca de Neve, e me pergunto se é tarde demais para sair correndo e gritando de seu escritório. — Excelente! — Ela abre uma pasta de alguma coisa e rabisca no papel dentro dele. Ela olha para mim e agita os cílios grossos. — Oh, eu mataria por uma aparência como a sua! Ouço a porta abrir atrás de mim e viro para ver uma menina da minha idade com um rabo de cavalo grosso, branco e loiro, e olhos azul gelo. — Patty, papai disse que tinha algumas coisas para mim para o arquivo — diz ela. Senhorita Patty faz uma carranca. — Ari, você não vê que eu estou com um novo membro da equipe? Ari olha fixamente para ela. — Eu só preciso da papelada e eu vou estar fora do seu caminho. 5 CPR: Reanimação cardiopulmonar: suporte básico de vida
  16. 16. Senhorita Patty sorri novamente, mas seus olhos incham um pouco como se precisasse de uma grande dose de esforço para fazêlo. — Megan, esta é minha filha, Arianna. — Hey — diz Ari, e ela me dá um olhar como se ela soubesse que sua mãe está em sérias necessidades de alguns aconselhamentos ou medicação. — Articulando como sempre — Senhorita Patty resmunga. Ari revira os olhos e eu quase desejo que eu estivesse de volta com o Sr. Roy. — Prazer em conhecê-la — eu digo, tentando agir como se não houvesse uma quantidade incrível de tensão latente no ar entre Ari e Senhorita Patty. — Eu não acabei completamente com a papelada, Ari — Senhorita Patty diz. — Você tem que fazer isso amanhã. — Mas eu tenho teste amanhã. Senhorita Patty solta um longo suspiro. — O teste não é todo o dia. Certamente você encontrará algum tempo livre. O telefone toca, e a Senhorita Patty levanta um dedo para mim. — Só um segundo, Megan, querida — Ela afofa seus cabelos com as mãos, como se quem está do outro lado pudesse vê-la, e depois pega o receptor. — Sim? — Ela toma uma respiração profunda enquanto seu rosto cora. — Eles deveriam estar aqui há uma semana! Como é que devemos servir sem sacos de pipoca? Olha, espere — Ela aperta um botão no telefone. — Ari — disse ela docemente. — Você se
  17. 17. importaria de mostrar a Megan onde é o camarim e pegar o vestido e o sapato da fantasia de Branca de Neve de seu tamanho? — Qualquer coisa para ajudá-la, Patty. — Ari responde no mesmo tom meloso. Senhorita Patty pega o telefone novamente, e Ari inclina a cabeça em direção à porta. Eu pego meu pacote de informações e a sigo para fora. — Ela é minha madrasta — diz Ari, logo que ela fecha a porta. — Ela sempre se esquece de acrescentar essa parte. Ela acha que só porque ela se casou com meu pai quando eu tinha três anos faz dela minha mãe verdadeira — Ari me dá um sorriso malicioso. — Ela ficou louca quando eu comecei a chamá-la de Patty um par de anos atrás. — Eu aposto — eu digo, pensando que se eu tivesse uma madrasta como essa, eu gostaria de espetar ela de vez em quando também. — De qualquer forma, ela é uma completa aberração, seu novo hobby é depilar as sobrancelhas, para desenhar a lápis. Pensa que a faz parecer com a Pâmela Anderson. Sabendo como ela se sente por ter uma mãe que está um pouco por fora, eu decidi sacrificar a minha reputação, na esperança de fazê-la se sentir melhor. — Bem, minha mãe dança em competições com meu golden retriever. Ari arregala os olhos. — Sério? Ela dança com o seu cão?
  18. 18. — Sim! Uma dança totalmente coreografada, fantasiados de hábito. Procure "Fergus e Sally Fantasia Estilo Livre" no Google e você pode vê-los em ação por si mesma. Ela recentemente acrescentou filmagens de seu novo número "Desesperadamente Apaixonada Por Você", na qual ela está vestindo uma minissaia, decorada com um BeDazzler6. Ari balança a cabeça em descrença. — Uau! Eu acho que nossas mães são malucas, então. Eu não disse nada e me pergunto se minha mãe foi sempre 'maluca' ou se isso aconteceu após o acidente. Não. Eu me lembro quando eu e ela estávamos juntas, quando ela me deixava ajudá-la a cozinhar. Eu era o anjinho da mamãe, mas agora, agora não sou nada. Nós andamos pelo corredor, e eu olhei as fotos antigas em preto—e—branco do parque penduradas nas paredes. Estou realmente impressionada que eles foram capazes de transformar o que parece um zoológico glorificado e acariciando com carrossel, no parque de diversões decente que é hoje. Ari se vira para mim. — Então, você se inscreveu para a Branca de Neve, né? O corpete coça. — Você foi a Branca de Neve? Ari zomba. — Patty me faz ajudar, mas eu o faço a pé ao redor do parque, em caráter. Eu ouvi algumas das meninas queixarem—se da fantasia, no entanto. E aqui vai uma dica: Se você está posando para uma foto com uma família, tente manter as crianças entre você e 6 Bedazzler: é uma ferramenta que permite que você adicione strass, tachinhas, lantejoulas, ou o que quiser em roupas, bolsas e etc...
  19. 19. o pai. Alguns deles são cães com chifres que vai tentar fazer com que você se abaixe quando bater o flash. — Obrigado pelo aviso — eu disse, pensando que eu deveria pedir para Diane me dar o meu trabalho na livraria de volta. Nós viramos a esquina e me engasgo. Remy esta de pé no final do corredor, girando uma de suas tranças em sua mão esquerda. Ela acena. — Meggy — ela grita e começa a caminhar em nossa direção. Viro—me para Ari, mas ela está dizendo algo sobre sua madrasta e Botox, alheia ao fato de que minha irmã gêmea morta está vindo em nossa direção. Eu sabia que ela ia aparecer aqui! Vá embora, Remy! — E eu disse que era tudo. Ari está apontando para uma porta com a etiqueta CAMARIM. — Ah. Desculpe, eu, uh, estava pensando sobre o que você disse sobre os pais. — Não se preocupe muito com isso. Os realmente ruins tendem a gravitar sobre as meninas Bo Peep7. Algo sobre a anágua, ou talvez seja a maneira que oferecem aos funcionários uma boa visão dos seus shorts ao vento. Eu sorrio, mas estou realmente pensando que eu preciso sair daqui. Olho para trás de Ari, e vejo o corredor vazio, e expiro. Espero que Remy só tenha aparecido porque ela gosta de estar no parque, e não porque ela tem algo que quer me mostrar. 7 http://bit.ly/9LAAdy
  20. 20. Ari abre a porta e acende a luz. Há centenas de trajes coloridos pendurados em carrinhos com rodas. — Então — diz Ari, olhando— me de cima a baixo. — Tamanho seis8? — Oito9 — digo, me perguntando se ela estava apenas sendo simpática. — E eu uso tamanho oito nos sapatos também. Ari vai para a prateleira da Branca de Neve e tira um traje. — Aqui está o seu bilhete dourado para brincar de amiga com criaturas da floresta e pequenos homenzinhos! Eu solto um gemido — É tarde demais para mudar o ‘personagem’ da minha oferta de serviço? Ari ri. — Apesar do grande potencial para ser apalpada, vestir um traje é realmente um inferno muito melhor do que estar preso a um passeio por horas a fio. Com exceção de algumas paradas programadas no parque, você pode muito bem fazer o que quiser. E você tem sorte que o seu cabelo é preto. Você não terá que usar a peruca, que eu aposto que é uma porcaria quando faz noventa graus lá fora — Ari pendura a roupa de volta. — Você pode cantar? — Deus, não! Tenho que fazer isso? — Não, mas Patty tem falado sobre ter um personagem cantor. — Sim, eu acho que minha voz iria limpar o parque, mas minha melhor amiga canta. Ela está no "Coro Montanha Branca". Na verdade, ela está esperando por mim, então eu devo... 8 9 Tamanho seis: é o tamanho 40 Tamanho oito é o tamanho 42 e em sapato é o tamanho 37
  21. 21. A boca de Ari cai aberta. — Eu estou no coro também! Bem, eu estava no ano passado, e eu estou tentando de novo amanhã. Quem é sua amiga? — Nicki Summers, e como eu disse, ela está esperando... Ari bate palmas. — Oh meu Deus, eu conheço a Nicki! Ela tem uma voz incrível, ela que me impulsionou para os solos. Eu não posso mesmo acreditar que eles estão a fazendo fazer testes. Quer dizer, todo mundo sabe que ela vai passar. Ela está aqui? — Sim, ela está no estacionamento, mas Nicki me disse que o velho diretor foi demitido, por isso todo mundo está começando do zero este ano. — Huh, eu não sabia que o Sr. Sherman foi demitido. É claro que ele teria dito a Nicki que foi por poucos recursos — Ari começou a caminhar para a prateleira de roupas. — Eu adoraria saber o que ela está cantando. Deixe—me colocar as suas informações na área de transferência, e então eu vou sair com você — Ela balança a cabeça. — Porra, não está aqui. Patty provavelmente deixou na lavanderia. Deixa—me correr e ver se posso encontrá-lo. Espere um pouco. Assim que Ari saiu, a temperatura do ambiente caiu. — Remy — eu disse, meu hálito saindo frio. — Eu não quero brincar com você — As luzes começaram a piscar e um suor frio correu pelo meu rosto. — Meeeeggy — Sua voz ecoa na minha cabeça. — Eu tenho algo para te mostrar. Encostei—me na porta, minhas pernas tremiam, olhei para o quarto à procura de Remy. — Eu não gosto das coisas que você me mostra, Remy.
  22. 22. A porta se fecha atrás de mim e eu pulo. — Ótimo! O que é isso? — Eu grito, soando mais corajosa do que eu me sinto. Eu aprendi há muito tempo que tentar ignorar Remy apenas a irrita, e eu deveria acabar com isso antes que ela comece a jogar coisas. Remy apareceu nas prateleiras da Branca de Neve. A água escorre para o chão da bainha de seu vestido e as pontas das tranças. Ela franze a testa e acena para mim com a mão pequena de sete anos de idade. — Meggy venha ver. — O quê? As fantasias? — Eu imaginei as roupas para o Grammy, que eles nos deram quando tínhamos cinco anos, e uma lágrima rola dos meus olhos. — Eu vou trabalhar fantasiada neste verão Remy, como Branca de Neve — Eu apontei para o figurino e esperei desviar sua atenção do que quer que ela queira me mostrar. — Quer me ver colocar uma? Remy acena e coloca o final de uma das tranças em sua boca, e me lembro quando mamãe as mergulhou em molho de Tabasco10, tentando quebrar o hábito. Ando devagar na direção dela, e ela aponta para uma fantasia no meio do rack. Quando cheguei ao lado da manga de cetim, Remy tocou meu braço. Um frio gélido percorre-me, e ela desaparece da sala. Eu vejo uma garota vestida com a roupa da Branca de Neve, deitada no chão em uma área arborizada. Era noite, e eu dou uma olhada na mancha escura de seu corpete. Abaixei-me e seu sutiã desatou, enquanto a camisa esta ensopada com o que eu achei que era sangue, percebi que 10 O molho tabasco é um molho utilizado como condimento, de sabor picante
  23. 23. a mancha escura era na verdade um buraco, um buraco em sua cavidade torácica onde seu coração deveria estar. — Tenha cuidado, Meggy — Remy sussurrou quando tudo fica escuro.
  24. 24. — Ei, você está bem? Você pode me ouvir? Sinto mãos agitando suavemente os meus ombros. Abro meus olhos e vejo que estou deitada no chão do quarto de roupas. Um cara da minha idade, com olhos escuros e preocupados, está ajoelhado ao meu lado. Eu levanto meus dedos e eles automaticamente apalpam meu peito como se estivessem esperando encontrar um buraco. — Sim, eu acho. — Eu me esforço para levantar e estremeço quando uma dor aguda esfaqueia a parte de trás da minha cabeça. — Ow — eu solto um gemido, tocando o caroço do tamanho de um ovo. — Talvez seja melhor ficar deitada. Vou chamar Patty. — Não, está tudo bem. Eu desmaiei. Eu faço isso às vezes. Ele estende a mão e eu deixei que ele me ajudasse a levantar. Sua mão está quente, e eu estou tão fria, eu quase não quero deixá-lo ir. Ele passa os dedos pelo seu cabelo preto encaracolado e me olha como se estivesse com medo de eu desmaiar outra vez. — Eu estava indo para a carpintaria, quando ouvi você gritar. Minhas bochechas ruborizam. — Eu não sabia que tinha gritado, mas não era nada. Eu pensei que eu vi um rato.
  25. 25. — Oh — diz ele, suas sobrancelhas levantadas. — Eu achei que tinha algo a ver com a sua irmã. Meu coração dispara, enquanto meus olhos voltam para o ponto onde Remy tinha estado, mas só tinha uma pequena poça de água no chão. Engoli em seco e me virei para ele. — Você... Você a viu? Ele levanta a mão, logo abaixo do peito. — É desta altura, tranças escuras, sardas? — Uh-huh — eu digo tanto surpresa quanto aliviada de que alguém a viu. — Ela disse que seu nome é Remy e ela me pediu para lhe dizer que está arrependida. — Ela falou com você? Ele assentiu. — Não é grande coisa realmente. Eu sou uma espécie de ímã para fantasmas na família. Remy é o quadragésimo sétimo que eu conheci. Bem, o quadragésimo sétimo desde que comecei a contar na segunda série. Mas, além da introdução de si mesma, disse-me que o seu nome é Megan, detesta ervilhas, é bastante preguiçosa e que seu gato foi atropelado por um carro. — Uau — eu sussurro. — Eu não consigo muito dela. Quero dizer, ela fala, mas na maioria das vezes é incoerente... — Faço uma pausa, tentando tirar a imagem da menina na fantasia de Branca de Neve da minha cabeça. — Quando ela quer me mostrar alguma coisa, normalmente é uma coisa ruim.
  26. 26. — Ela te mostrou alguma coisa aqui? — Pergunta ele, a preocupação franzindo sua testa. — É por isso que ela estava se desculpando? O que você viu? Ele olha para mim com expectativa. Eu me aproximo dele, não tenho certeza que eu posso realmente dizer isso em voz alta. — Uh, sim. Ela, uh... — Estava na lavanderia, mas eu coloquei o seu nome e... — Ari estava dizendo enquanto ela entrava na sala. Ela faz uma pausa quando vê que não estou sozinha. — Luke, o que está fazendo aqui? — Ela olha para trás e para frente entre nós e franze a testa. Luke dá um passo para longe de mim e passa a mão pelo cabelo escuro novamente. — Ari, hey. Eu estava apenas passando pelo meu caminho para a loja quando ouvi alguém aqui. Pensei que era você e eu vim aqui para dizer ‚Ol{‛. — Oh — Ari disse alegremente. Ela coloca a papelada de transferência na prateleira da Branca de Neve e sorri. — Então você conheceu Megan, um dos nossos escravos, quer dizer, membro da equipe encantada. Luke me da uma saudação militar. — De um escravo para outro, bem-vinda a bordo. Ari caminha até ele e entrelaça seu braço com o dele. No começo eu achei que eles poderiam estar saindo, mas depois ele se afasta um pouco dela, por isso talvez eu esteja errada. — Você não vai ver Luke no parque muitas vezes — diz ela. — Ele passa a maior parte do seu tempo na loja no final do corredor desperdiçando seu talento.
  27. 27. — Eu quero que você saiba Ari... — Luke começa enquanto ele gentilmente desvincula-se dela e cruzava os braços sobre o peito — que seu pai ficou com os olhos lacrimejantes, quando viu o meu mural da Bela Adormecida na parede que leva ao banheiro das mulheres no Bosque de Contos de Fadas. E sua mãe enlouqueceu com o trabalho de tijolos e vinha11 que eu adicionei a torre de Rapunzel, ela tirou cerca de cinqüenta fotos e comparou—me a Leonardo da Vinci. Ari zomba. — Sem contar o fato de que Patty é uma louca, reservo—me a comparação de Leonardo da Vinci para as coisas que você fez antes de começar a pintar murais em madeira que as pessoas enfiam a goma de mascar usada. Luke mordeu os lábios e abraçou os braços mais apertados. Obviamente, Ari bateu em um ponto dolorido. — Ei, pelo menos, seus pais apreciam o que eu estou fazendo. Ari olha para ele desafiadoramente. — Eu também aprecio o que você está fazendo, mas eu não vou deixar você esquecer que você é bom demais para decorar os banheiros! — Princesas cobertas de goma são tudo o que posso lidar agora — diz ele. — Eu pensei que você, de todas as pessoas, entenderia. Ari coloca as mãos nos quadris. — Luke! Eu... Luke se vira para mim, ignorando-a. — Prazer em conhecê-la, Megan. Devemos definitivamente terminar a nossa conversa em breve. 11 Vinha: Terreno plantado de videiras.
  28. 28. Ele sai, e Ari olha para trás dele, o rosto de um vermelho ardente. — Deus, ele pode ser tão impossível! — Um arrepio a percorre como se ela estivesse tentando se livrar dele. — De qualquer forma, temos sapatos pretos que vamos reservar para você, mas eles são meio nojentos, então se você tiver um par, eu os traria. Seu traje terá o seu nome preso a ele, e haverá uma fita para o cabelo também. Venha, eu vou levá-la lá fora. Eu sigo Ari para o corredor, pensando que este dia foi um pouco surreal e que eu deveria ir e dizer para Senhorita Patty rasgar minha candidatura. Mas Luke viu Remy. Ele falou com ela! Apesar da estranheza, talvez haja uma razão para eu ter vindo aqui, talvez ele possa me ajudar. Claro, há a pequena questão da menina morta que vi. Eu tento conjurar seu rosto, mas eu estava tão focada no buraco em seu peito, que eu não olhei cuidadosamente. Mas a pergunta de um milhão de dólares é: Foi algo que já aconteceu, ou algo que vai acontecer? Você nunca sabe quando se trata de Remy. Ela me mostrou uma visão do colapso da vovó Miller em seu quarto de hospital horas antes do coágulo alojado em seu cérebro matá-la. Mas o nosso gato Pumpkin estava desaparecido havia dois dias antes de Remy jogar seu rato de brinquedo no meu travesseiro no meio da noite e me mostrar o seu corpo esmagado na estrada a poucos quarteirões de distância. Ari para na frente de uma pintura e agita a mão com desdém a princesa com grandes olhos esmeralda cercada por borboletas. — Esta é uma das novas pinturas de Luke — Ela balança a cabeça. — Eu tenho um monte de suas obras antigas no meu quarto. Eu vou te
  29. 29. mostrar, e depois me diga se você acha que ele deve estar escondido aqui trabalhando em banheiros de mulheres de conto de fadas! — Uh, tudo bem — eu digo pensando que a pintura de Luke é um milhão de vezes melhor do que o material pendurado no escritório de sua madrasta e me pergunto se ela está dando a entender que vai me convidar para ir à sua casa. Caminhamos em direção à porta da frente e eu me perguntei se Ari vive na mansão Tudor em cima da montanha acima do parque. — Ele vive com sua avó — ela continua, — mas ela está tão ocupada roubando turistas com cartas de tarô e uma porcaria de cristal, que não se importa se ele está totalmente desperdiçando seu talento. — Ela balança a cabeça de novo e faz uma careta. — Você viu essa casa roxa no fim da faixa? — Pergunta ela. — Sim, é meio difícil de perder — eu digo. — Você não pode ir para a cidade sem passar pelo cartaz vitoriano lil{s: ‚LEITURA PSÍQUICA AMADOR‛, apoiado em um jardim cheio de ervas daninhas com centenas de enfeites no gramado. Estive tentada a ir lá em mais de uma ocasião, na esperança de que poderia me ajudar com Remy, ajudá-la a seguir em frente aonde quer que ela deveria ter ido. Mas quando eu perguntei para Nicki alguns anos atrás se pensava que eles eram de verdade, ela riu tanto que vomitou a água de limão, que ela estava bebendo em sua mesa da cozinha. Quando ela finalmente conseguiu se recompor, ela disse que qualquer pessoa com mais de vinte gnomos no gramado de seu quintal era definitivamente mais uma psicopata, que uma psíquica.
  30. 30. — Bem, essa é a casa de Luke, se você pode acreditar — diz Ari, franzindo o nariz. — E a sua avó está muito envolvida lendo folhas de chá para perceber que ele desistiu de pintar! — Bem, tecnicamente ele ainda pinta — eu digo, não sei por que estou me sentindo com um impulso incontrolável de defender ele. — Talvez isto seja apenas o que ele precisa estar fazendo agora, você sabe como Picasso teve seu período azul, talvez este seja o período de Luke de madeira compensada. Ari joga suas mãos para cima, minha tentativa de aliviar o humor foi, obviamente, um fracasso. — Oh, por favor! Você realmente considera a Bela Adormecida roncando uma merda de arte? — Acho que não, mas eu vi a torre da Rapunzel no meu caminho, era muito boa — acrescentei, fazendo essa ênfase sobre o tema do Luke Amador, como ela tinha feito, sabendo que era um assunto sobre o qual se sentia muito apaixonada. Ela se vira para mim com os olhos apertados. Lá vem ela. — Luke não é apenas ‚muito bom‛. Luke é ‚um—dia—as— pessoas—vão—pagar—muito—dinheiro—por—seu—trabalho— surpreendente‛. Se eu puder tirá-lo deste parque de idiotas! Eu disse ao meu pai para não contratá-lo, mas todos se sentiram tão mal por ele, depois que sua irmã desapareceu no último... — Ari parou como se ela de repente percebesse que tinha falado demais. — Era a irmã do Luke, nos cartazes que estavam no verão passado? — Eu pergunto. — A menina de cabelos loiros como o seu?
  31. 31. — Ela não ia à minha escola e na hora eu não dei muita importância. Eu certamente não pensava que ela ainda estaria perdida um ano depois, no entanto. Ari assentiu. — Eles nunca a encontraram, foi difícil para ele. — Sim, eu aposto que foi — Eu sei em primeira mão o quão difícil é perder uma irmã. — Eles têm indícios ou pistas? — Nada. Ela desapareceu sem deixar vestígios. Mas talvez você tenha razão, talvez seja isso o que ele precisa estar fazendo, por agora. Ari começa a andar rapidamente pelo corredor, e eu corro para acompanhá-la. Ela me dá um olhar rápido. — Então o que você e Luke estavam falando antes? Pareceu que eu interrompi um momento... Ah, agora eu entendi. Ari esta apaixonada por Luke, o sentimento não é recíproco, e ela esta preocupada que eu esteja indo na dele. Dadas as minhas dificuldades com meu próprio namorado, eu iria rir em voz alta se não fosse pelo fato de que o ‘momento’ que ela interrompeu foi precedido por uma visão de uma garota esparramada no chão com o coração inexplicavelmente desaparecido. Mas eu já tinha anos de prática em manter minhas emoções sobre controle e fingir que está tudo bem, então eu simplesmente tirei a imagem da minha cabeça e segui em frente. — Oh, ele estava apenas me perguntando o que me trouxe para a Terra Encantada. Eu estava tentando decidir se eu devia
  32. 32. admitir que estou aqui para que eu possa manter um olho no meu namorado e na sua melhor amiga, Samantha. Depois de todas as mentiras que eu disse hoje, é bom que isso seja verdade, pelo menos, meia verdade. Ari relaxa os ombros, eu acho que ela está aliviada em saber que não só eu tenho um namorado, mas também posso me relacionar com a forma com a qual ela está se sentindo. — Samantha? — Sim, Samantha, uma muito alegre, líder de torcida amorosa, que recentemente disse ao meu namorado que acha que ele é sua alma gêmea. Junte a confissão com o fato de que eles gastam todo o seu tempo livre juntos, e estou me sentindo um pouco paranóica. — Oh meu Deus! Que tipo de pessoa faz isso? — Ari pergunta com um olhar de indignação em seu rosto. — Samantha Lee Darling faz. Bem, depois de algumas cervejas a mais, faz. — Eca, até mesmo o nome dela é alegre! Você só precisar dizer a palavra e eu vou ter certeza que eles estarão trabalhando em extremidades opostas do parque durante todo o verão. Ou... — Ela me dá um sorriso maroto. — Eu posso fazer melhor e lhe atribuir os passeios com maior probabilidade de provocar vômito. Limpar vômito todos os dias irá assumir definitivamente a tarefa de levá-la abaixo. Tanto quanto eu queria aceitar sua oferta, eu decido, pelo menos, fingir que eu ainda tenho alguma dignidade. — Obrigado,
  33. 33. mas sabe o quê? Se a minha presença aqui não os impedir de manter contato, nada irá, não é mesmo? — Eu acho, mas aposto que você pode manter seu namorado por si mesma, contra a Senhorita Alegre. Um trovão sacode as janelas e eu pulo. Estamos perto das portas do estacionamento assim a chuva bate com força total. Nicki nunca me fez andar em um carro durante uma tempestade como essa, as vias aéreas em meus pulmões começaram a apertar só por ver a água se agrupando em torno de seu carro. As nuvens estavam chicoteando em alta velocidade. Estas tempestades não duram muito tempo, mas eu sei como elas podem ser perigosas. — Merda — diz Ari. — Vamos esperar alguns minutos até que passe. Eu aceno e procuro em minha bolsa por meu inalador. O celular de Ari começa a tocar "When You Wish Upon a Star". Ela o tira do coldre preso ao seu cinto e faz uma carranca. — Maldição, é Patty — Ela aperta um botão e o coloca em sua orelha. — Sim? — Ela sacode a cabeça e exala alto. — Eu pensei que você disse que não teria terminado até amanhã. Bem, eu estou fazendo alguma coisa agora — Ari revira os olhos. — Não, você não tem que chamar o papai. Vou fazer isso! Ela desliga e geme. — "Acho que vou ter que chamar seu pai e dizer a ele para cancelar a folha de pagamento desta semana, já que você está muito ocupada fazendo nada para merecê-la" — diz ela, fazendo um som morto na imitação da sua madrasta. — Eu queria matar meu pai por se casar com aquela bruxa e fazer minha vida um inferno! No verão que eu tinha dez anos eu estava esfregando
  34. 34. sanitários no parque para que eu pudesse aprender a ‚apreciar‛ o trabalho duro dos outros funcionários. Você sabe quantos banheiros temos? — Uh, muitos? — Sessenta e cinco. Eu limpei cada um deles — Ela me dá seu celular. — Ponha seu número. Eu vou te ligar esta noite e você pode me dizer o que Nicki vai cantar ok? — Ok — eu digo, marcando—o, — mas às vezes ela não escolhe uma música até o último minuto. — Talvez vocês possam vir algum dia. Vou a Academia Penhasco Branco e a maioria dos meus amigos, além de Luke, passam o verão em outro lugar, então eu estou presa aqui em La-la land sem nada pra fazer, senão obedecer às ordens de Patty. — Claro, seria ótimo — eu digo, pensando que a família de Luke deve estar arrecadando dinheiro com a leitura de cartas de tarô, se podem se dar ao luxo de mandá-lo para Penhasco Branco. O celular de Ari começa a tocar "When You Wish Upon a Star" novamente. — Oh minha aberração de Deus — ela murmura enquanto o pega de mim. Ela aperta um botão e grita: — Eu já estou indo! — Ela revira os olhos enquanto o desliga e o enfia de volta no coldre de seu cinto. — Eu ligo para você. — Ótimo. Ela vira a esquina e eu tomo uma baforada do meu inalador. Eu conto até dez e expiro enquanto eu abro a porta do estacionamento. Correndo até o carro de Nicki eu me pergunto
  35. 35. quanto tempo vai levar ir de bicicleta da minha casa a casa de Luke, para que possamos terminar nossa conversa.
  36. 36. Fechando a porta do carro, fico aliviada ao ver Nicki removendo as chaves da ignição e deixando-a no painel — é sua forma de dizer que ela vai esperar para eu dizer quando é hora de sair. — Bem? — Diz Nicki enquanto ela desliga seu iPod. — Tem um emprego remunerado? Sustento no alto o meu pacote de informações. — Sim, e eu conheci uma amiga sua. Nicki levanta uma sobrancelha. — Ah? — Arianna Roy. — Ari Roy trabalha aqui? — Ela balança a cabeça. — Nunca em um milhão de anos teria imaginado que ela estaria na favela da Terra da Misoginia12. — Oh, por favor! — Desculpe — ela continua. — A Terra Encantada não é apenas o estereótipo das mulheres indefesas com necessidade de resgate. Há a floresta assombrada Hansel e Gretel, que é mais uma celebração de abuso de crianças e canibalismo, e o zoológico da Mãe 12 Misoginia: Aversão às mulheres
  37. 37. Ganso de Diversão em Família, que é todo de Escherichia Coli13, o tempo todo! Eu tenho que rir. Nicki nunca superou cair em um enorme monte de porcaria na Fazenda Divertida durante a sua primeira e última visita ao parque, quando ela tinha quatro anos. — Na verdade, segundo o pai de Ari, o proprietário do parque, eles têm um grande orgulho das condições sanitárias da fazenda, que espero sinceramente nunca ser designada para esse trabalho. Eu não me importo o quão rápido o coco é coletado. Quando fizer noventa e cinco graus lá fora, a cabra e a merda de porco não vão cheirar pior do que a apodrecida pilha de roupas de ginástica e petiscos meio-comidos que estão no fundo do armário do Cooper Summerfield! Nicki agita sua mão na frente do seu nariz. — Oh Deus, estou tendo um flashback olfativo da sexta-feira passada. Imagino que nossos armários pegam o sol da tarde, todo o suor e o cheiro é marinado14 no calor. Quem sabe que cheiro excitante será apresentado du jour15 por Cooper até o último ano? — Ela sacode o punho no ar. — Maldita ordem alfabética. O céu azul se mostra através de algumas nuvens rasgadas pelo vento, e coloco na mão de Nicki suas chaves. — Talvez pudéssemos borrifar um daqueles desinfetantes de ar em seu armário — eu digo enquanto puxo o cinto de segurança em meu peito. 13 Escherichia coli: é uma bactéria bacilar negativa, é a mais comum e uma das mais antigas bactérias simbiontes do homem. 14 Marinada: é uma técnica culinária que consiste em colocar os alimentos numa mistura de temperos, muitas vezes na forma líquida, antes de cozinhar 15 du jour: significa „estes dias‟
  38. 38. Nicki liga a ignição e dá uma volta. — Eu ainda não consigo acreditar que Ari manteve silêncio sobre o fato de que ela é a herdeira da Terra Encantada durante os dois anos em que estivemos no coral. Não é que nos falamos muitas vezes, Ari é um pouco quente e fria para mim, então eu tento evitá-la. Assenti. — Sim, eu experimentei alguns dos muitos humores de Ari hoje, mas você sabe, ela tem uma vida difícil. — Vida difícil? Seu pai é dono de uma aberração de parque de diversões, o que explica ela ir para Penhasco Branco e dirigir uma Mercedes! — Uh, se dinheiro fosse igual felicidade, as clínicas de reabilitação em Hollywood estariam fora do negócio. E de qualquer forma, você estaria se gabando de ser herdeira da Terra Encantada? — Não! — Vê? E ela tem um pai, que em minha opinião, tem uma extrema obsessão doentia com contos de fadas. Coloque uma madrasta louca à mistura e acho que uma vida dura se aplica. Nicki inclina a cabeça de um lado a outro considerando se acha que Ari já acumulou pontos suficientes de angústia adolescente para concordar comigo. — Eu acho. E não pode ter sido fácil depois que Kayla desapareceu. — Hein? — Kayla estava no coral, muito boa, ela era a BFF16 de Ari até que ela desapareceu no ano passado. 16 BFF: Best Friend Forever: melhores amigas para sempre
  39. 39. — Oh meu Deus — eu digo lentamente. — Eu acho que conheci o irmão de Kayla no parque hoje. — Cara quente, de cabelo preto encaracolado, bíceps fabulosos? Assenti. — Esse é Luke. — Ele costumava pegá-las após o ensaio algumas vezes — diz ela enquanto um sorriso irrompe em seu rosto. — Ele tem algo escuro e taciturno em si mesmo, isso é questão para ter certeza. — Sim, ele tem! — eu digo, com um pouco de entusiasmo demais. Nicki me dá um olhar rápido, e minhas bochechas se ruborizam. Eu me afasto dela para ver a paisagem pela janela. — Alguém esqueceu que tem um namorado? — Desde quando ‚ter um namorado‛ significa que você não pode apreciar um cara bonito? — Não significa, mas da forma como Ari estava sempre pendurada sobre ele, eu não ficaria surpresa se ela tatuasse seu nome à força na bunda dele. Se você quiser manter seu emprego novo e fabuloso, eu teria cuidado com admirá-lo tão abertamente. Um arrepio me percorre enquanto a voz de Remy — Tenha cuidado, Meggy — ecoa em minha cabeça. — Hum — me engasguei. — Não se preocupe com isso. Ari esta bastante segura que Ryan e eu estaremos trabalhando lado a lado sem Luke a vista.
  40. 40. Eu decido não contar a Nicki que estou planejando visitar Luke na primeira chance que tiver. Ela é 100% baseada em uma realidade que não é assombrada por fantasmas. Não há nenhuma maneira dela acreditar que eu só quero ver o Luke para falar sobre a minha irmã morta e a visão de Stephen King que ela me mostrou. Eu olho para fora da janela e reviro os olhos. Não só Nicki não acredita em fantasmas, mas na segunda série depois que contei a ela sobre Remy estar de volta, ela foi para casa e contou para a sua mãe, que disse à minha mãe. Isso me rendeu quatro meses fazendo desenhos da minha família com meu terapeuta estúpido, até que ela se convenceu de que eu tinha enfrentado a verdade sobre o que aconteceu com Remy e papai. Como se seus lugares vazios na mesa da cozinha não gritassem a verdade a cada dia. Nicki, pelo menos, se desculpou. Minha mãe só aumentou minhas visitas ao Dr. Macardo e levou um pouco mais da minha vida, discutindo a necessidade de terapia. — Então, como era a Kayla? — Eu pergunto, na esperança de mudar de assunto. — Ela era agradável, do tipo tranqüila — Nicki encolhe os ombros. — Ela deixava Ari fazer a maior parte das conversações. Elas tiveram algumas brigas, o que atribuí a Ari ser predisposta geneticamente a ser puta. O estranho foi que, pouco depois que Kayla desapareceu, Ari apareceu no ensaio com cabelos descoloridos como o de Kayla. — Sério? — Sim, até então o cabelo de Ari era mais perto da sua cor. Pelo menos ela tem dinheiro para mantê-lo. Você sabe o quanto me
  41. 41. deixa louca quando as pessoas deixam suas raízes ficar fora de controle. Eu ouvi alguns dos membros mais velhos do coral dizer que era provavelmente a maneira da Ari de manter a memória de Kayla viva, mas eu nunca acreditei. Eu só acho que alguma coisa sobre ela está errada. — Bem, provavelmente você não ficará muito empolgada de ouvir que ela quer passar o tempo com a gente este verão. Ela também está pensando em me ligar hoje à noite para descobrir o que você vai cantar na audição. — Oh, Deus. Não se envolva com ela Meg, nossa vida já tem bastante drama. — Pode ser divertido ver como é a vida das pessoas de Mercedes, e não é como se eu fosse ser capaz de evitá-la no parque. — Seja o que for, apenas me deixe fora da equação, ok? Nós viramos a esquina para minha rua e eu vejo o carro da minha mãe na garagem. — Você quer entrar e ver como a nova rotina foi? Nicki sacode a cabeça enquanto estaciona na frente da minha casa. — Eu deveria praticar a minha música. Informe a sua nova BFF que eu vou cantar ‘Moments in the Woods’. — Ari ficou surpresa ao ouvir que você estava praticando. Ela disse que você é impressionante. — Bem, é surpreendentemente legal da parte dela dizer isso, mas com o novo diretor, você nunca sabe como vai ser, eu não quero ser arrogante.
  42. 42. — Ei, eu estou trazendo Ryan para visitar meu pai esta tarde. Ela levanta as sobrancelhas. — Sério? — Eu sei que não estamos namorando há muito tempo, mas Ryan perguntou por ele, algo que Jason nunca fez todos os seis meses que estivemos juntos. Enfim, é a visita da terapia de cachorros de Fergus na casa de repouso, então eu perguntei a Ryan se ele queria ir. Eu fiz parecer que era mais como entreter os residentes, algo que ele pode fazer nas horas de serviço, e então eu casualmente mencionei que ele poderia encontrar o meu pai também — Eu sorri. — Ele disse que adoraria conhecê-lo. — Isso é genial — diz Nicki, — e Deus sabe que as velhinhas vão adorar ter Ryan lá. — Isso me lembra que o Sr. Archulata fica perguntando quando você vai voltar. Nicki bufa. — O cara que me tocou? Ele é a razão de eu ficar longe! Eu ri. — Bem, talvez ele estivesse procurando algo um pouco mais emocionante do que arrastar seu tanque de oxigênio ao redor. Ela sacode a cabeça. — Eu vou com você no próximo mês, mas desta vez você pode se sentar com ele e ouvir suas intermináveis histórias de guerra. Eu abro a porta do carro. — É um acordo! Boa sorte amanhã, e obrigado pela carona. Nicki acena enquanto se afasta. Vou até a varanda da frente e ouço ‚Hopelessly Devoted to You‛ de Olivia Newton-John vindo da
  43. 43. janela aberta do porão. Pobre Fergus. Se minha mãe está ensaiando seus passos logo após a competição, significa que o novo hábito não estava tão pronto, como ela esperava. Pego um biscoito de cachorro da taça no balcão da cozinha e desço as escadas do porão. Minha mãe ainda está no traje, e ela está cantando junto com o CD. Fergus tem seus olhos colados a ela, olhando para os comandos de sua mão. Ela se vira com o ritmo lento da canção e gira o dedo no ar. — Não, volta! — Mamãe grita quando Fergus rola sobre suas costas. — Fergie — eu chamo. Fergus congela por um segundo, e então pula para cima e corre para mim. Faço um punho e ele se senta. — Diga Olá — Fergus espirra e depois me da um profundo e grave ‚Ol{‛ do Scooby-Doo. Eu jogo o biscoito e volto para ver minha mãe olhando pra mim, as mãos nos quadris, obviamente chateada porque eu interrompi. — Não foi bem? — Eu pergunto. Minha mãe sacode a cabeça e desliga o CD. — O segundo lugar! Eu não deveria ter tentado algo novo para a competição. — O segundo lugar ainda é muito bom. Ela olha para mim como se eu tivesse acabado de dizer algo completamente escandaloso. — Bom? Não tem um segundo lugar na exposição em mais de um ano! E o vencedor do primeiro lugar veio
  44. 44. do nada, um homem com pouco cabelo e com um horrível Brussels griffon17 dançando ‚Love Shack‛, ainda por cima. Se ele quer ser habitual no circuito da competição, eu tenho que intensificar o meu jogo — Mamãe enruga o nariz. — Você deveria ter visto Kathy Gates atuando toda presunçosa porque finalmente alguém nos derrotou. — Ela é a senhora com o permanente muito ruim e o Labradoodle18? — Sim, ela raramente está entre o top dos cinco primeiros com a rotina chata que tem sido de sonambulismo durante os últimos três anos! Eu devia pelo menos ter conseguido alguns pontos por tentar algo novo. Sento-me no chão. Fergus me abraçou e colocou a sua cabeça em meu colo. — Talvez você precise de algo mais agitado — eu digo, esperando que ela escolha uma nova música. Ela ajusta sua saia e eu tento não estremecer. É demasiada curta para alguém com quarenta e sete anos de idade, que precisa perder sete quilos. — Nós só precisamos trabalhar um pouco mais duro, isso é tudo. Mas nós vamos ter isso perfeito para próxima competição! Eu conto até cinco esperando que me pergunte sobre a entrevista de emprego. — Bem, porque você não sobe para que possamos continuar a praticar? Você sabe que Fergus não consegue se concentrar, se ele pensa que você vai jogar biscoitos pra ele o tempo todo. 17 18 Brussels griffon: http://bit.ly/cZ6VG1 Labradoodle: http://bit.ly/dgjfHO
  45. 45. — Eu consegui o trabalho, no caso de estiver perguntando. Ela me dá um olhar em branco. — Você já tem um emprego. — Deixei a livraria, lembra? Então Nicki me levou para a Terra Encantada para uma entrevista. — Eu esfrego as orelhas aveludadas de Fergus, sabendo que ela nunca vai admitir que ela apenas meio que me ouviu ontem de manhã quando lhe pedi uma carona. Ela desamarra o lenço que envolvia seu rabo de cavalo e balança os cabelos grisalhos em torno de seus ombros. — Ah, certo. Eu acho que eu esqueci que era hoje. Isso porque tudo o que te importa é o cachorro, eu estou tentada a dizer. — Você se lembra que eu vou levar Fergus para ver papai esta tarde. Certo? — Claro que me lembro. — diz ela, mas eu não estou convencida. — Eu vou levar Ryan também. — Diga ao seu pai que eu irei amanhã, ok? — Claro. — Eu espero, esperando ela notar que eu devo estar realmente séria com Ryan, porque eu nunca tinha levado qualquer pessoa, exceto Nicki, para ver o papai. Ou talvez ela vá falar que eu deveria convidá-lo para jantar, para que ela possa conhecê-lo melhor. Alguma coisa. Qualquer coisa. — Fergus, vem! — Ela comanda.
  46. 46. Ele levanta e fica ao seu lado. — Você pode apertar o botão ‚play‛ antes de ir? — Claro — eu digo novamente. — Não o canse demais, ele não é tão jovem como costumava ser, e o companheiro de quarto do papai gosta de vê-lo fazer truques. — Ligo o CD e subo as escadas. Essa é a mais longa conversa que tivemos nas últimas semanas. *** — Obrigado por me deixar vir, — Samantha canta enquanto ela salta à minha frente e de Ryan no caminho para a casa de repouso. Suas longas tranças loiras se balançando para frente e para trás, reviro meus olhos, somente ela poderia sair por ai usando rabo de porco19, depois dos dez anos de idade. — Eu realmente preciso cobrir algum tempo livre das minhas horas de participação comunitária. Ainda tenho vinte e uma horas para ir. Dou de ombros. — Não tem problema. — Considerando o fato que você já estava no carro quando chamei o Ryan, que escolha eu tinha? Com grande esforço mantenho o meu sorriso para mascarar a amargura comendo as minhas entranhas. Eu sei que parte disso é culpa minha. Eu deveria ter dito a Ryan que eu não trago ninguém para ver papai, mas ainda assim. Pelo menos Ryan parecia genuinamente emocionado da minha nova atuação na Terra Encantada. E chegar a ver como a mandíbula 19 http://bit.ly/a9IJxj
  47. 47. da Samantha caiu quando compartilhei a notícia, quase fez valer a pena tê-la aqui. Quase. Ryan aperta minha mão e olho para ele. Ele me dá o mesmo olhar "sinto muito" que ele tinha no rosto quando vi a Samantha fazendo sinais no assento dianteiro de seu carro. — Ela realmente quis vir quando lhe contei sobre isso — disse ele em voz baixa nos degraus da frente da minha casa. — Me senti mal em dizer "não" porque ela tem estado louca para conseguir fazer todas as horas requeridas para sua graduação. — Ela ainda tem todo o fim do ano — eu disse. Ryan deixou o ombro cair e apertou seus olhos verdes por um segundo. — Eu sei. E eu sei que preciso falar com ela sobre nos dar um pouco mais de espaço, e eu vou. Ela só não tem muitos amigos, e ela está acostumada a fazer tudo comigo. Mas eu vou falar com ela. Eu prometo. — Tanto faz. Ele envolveu seus braços ao redor de mim e me puxou para perto. — Você é a melhor — ele sussurrou. — E te compensarei, que tal um jantar e um filme esta noite, só nós, e podemos fazer planos para o nosso próximo passeio. Um verdadeiro sorriso veio aos meus lábios com o pensamento. E pelo menos ele a fez ficar no banco de trás com Fergus, que nunca deixa de babar copiosamente durante as viagens de carro.
  48. 48. Chegamos à entrada e Fergus sentou-se na porta automática aberta. — Ele está esperando o ok para ir para dentro — explico enquanto o ar fedido e muito quente do lar de idosos, uma mistura de desinfetante e urina, passa e me bate na cara. Samantha acotovela Ryan. — Ah, não é lindo? Eu deveria ter trazido o Muffin. — Oh, por favor. Não há absolutamente nada terapêutico sobre Muffin — falo bruscamente. — E você não pode trazer qualquer cão a uma casa de repouso. Você teria que ter o certificado como um cão de terapia, que consiste em um teste de boas maneiras e comandos, o que, devo acrescentar, Muffin carece profundamente! Eu balancei minha cabeça. A idéia de que o pesadelo de quinze quilos seja cotado como cão de terapia é ridícula. Claro, o meu plano de conseguir o certificado de Fergus e assim tentar me reconectar com minha mãe é ridículo também. Eu esperava que se estivesse envolvida com a única coisa que ela demonstrou um real interesse, Fergus, ela poderia se lembrar que tinha alguém que sobreviveu ao acidente intacta. Em vez de sugerir que trabalhássemos nisso juntas, ela se preocupou por que a nova rotina poderia afetar as suas rotinas de estilo livre. Deus me livre! Eu percebo que ninguém está falando e me viro para ver Ryan e uma Samantha com olhar ferido olhando para mim. — Porém, eu li que Russell Terrier é uma das raças mais difíceis de treinar — eu disse, tentando controlar os danos. — Sim, — ela diz baixinho — eu li isso também.
  49. 49. Ryan coloca um braço em volta dos meus ombros e eu relaxo. — E Sammy — ele diz, — Muffin late para qualquer coisa que se mova. Ele lideraria uma série de paradas cardiorrespiratórias se o trouxéssemos aqui. Ela faz bico para Ryan. — Muffin não é tão ruim. Fico tentada a dizer, segura como o inferno de que é muito ruim, mas penso que tenho jogado a carta de harpia bastante por um dia. — Ok, Fergus — eu digo e passamos sobre o tapete de bem— vindos. A recepcionista, Mary, olha para cima de seu laptop e nos cumprimenta. — Aqui esta os meus dois visitantes favoritos — diz ela. — Com os reforços! — Oi, Mary — eu digo enquanto eu entro, — Este é o meu namorado, Ryan, e sua vizinha Samantha. Eles vão trabalhar algumas das suas horas de serviço. — Prazer em conhecê-los — diz Mary. — Nós sempre amamos os visitantes. Ryan a cumprimenta e logo alcança a minha mão e da um aperto. — E finalmente vou conhecer o Sr. Sones! — Oh sim, Ryan me disse que seu pai trabalha aqui. — diz Samantha, olhando em volta como se o meu pai pudesse estar perambulando ao redor com um casaco branco, acenando para nós. Mary rapidamente vira para nos dar a nossa etiqueta de visitante, e eu balanço a cabeça. — Meu pai é residente aqui. Ele está
  50. 50. aqui durante os últimos dez anos. Nunca mais acordou depois de um acidente de carro. A mandíbula de Samantha cai pela segunda vez hoje, enquanto ela encara Ryan. — Por que você não me contou? Ryan olha para mim com pânico em seus olhos. — Eu não disse que ele trabalha aqui, eu disse que ele estava aqui. — Ele se vira para Samantha. — Eu pensei que você soubesse sobre o pai de Megan. — Como eu poderia saber sobre seu pai? — Ryan — eu falo, — Samantha não se mudou para cá até depois do acidente. — Oh, merda — diz ele, e logo seus olhos se focam em Mary. — Desculpe senhorita... uh, Mary! — Ele esfrega a mão nervosamente em sua mandíbula. — Eu sou um idiota. Samantha começa a recuar. — Eu sinto muito, Megan, eu pensei que isto era apenas para conseguir horas! Eu nunca teria que ter vindo se soubesse que você estava trazendo ele para conhecer o seu pai. Por que eu não vou e espero no carro? Estendo minha mão e toco a sua. — Não vá. Muitas pessoas aqui nunca recebem visitas, realmente se decepcionariam se você fosse. E o Sr. Archulata no segundo andar, fica me perguntando quando eu vou deixar o Fergus em casa e trazer algumas garotas gostosas. Ela me dá um meio sorriso. — Ok, mas eu queria que Ryan tivesse me dito. — Diz ela enquanto esmaga o braço.
  51. 51. Eu sorrio de volta, pensando que inclusive ainda é difícil odiála às vezes, mas eu não vou avisá-la sobre o Sr. Archulata e suas mãos errantes. — Megan — diz Mary enquanto ela nos dá as nossas etiquetas. — Sr. Peck faleceu na terça—feira. Eu suspiro. Perdi a conta de quantos colegas de quarto papai já teve. Eles seguem morrendo enquanto ele persiste, e graças a um tubo de alimentação. Eu afasto o pensamento de que eles são os sortudos. — Ele era o companheiro de quarto mais recente do meu pai. — digo finalmente. Sr. Peck amava ter o Fergus pulando na cama com ele. Ele acariciava sua pele e me contava dos cães que tinha tido. Eu ouvi as mesmas histórias tantas vezes, que eu tenho certeza que eu poderia repeti-las textualmente. — Obrigada por cuidá-lo, Mary. Eu endireito a bandana de cachorro de terapia de Fergus e inclino minha cabeça em direção à sala de reuniões. — Começaremos por aqui, tem varias pessoas que sempre gostam de sair de seus quartos para ver o Fergus fazer seus truques, e logo podemos nos separar ou vocês podem vir comigo enquanto visito algumas das pessoas que não podem se mover. Ryan e Samantha assentiram, mas pelas suas faces pálidas eu suponho que nenhum deles está pronto para começar o caminho por conta própria. Eu não os culpo, estar cercado por pessoas à beira da morte é uma coisa assustadora.
  52. 52. Ryan e eu deixamos Samantha no corredor com o Sr. Archulata e fomos para o quarto de papai. Abro a porta e noto que removeram a cama do Sr. Peck. Fergus cheira o caminho até papai e senta—se enquanto eu puxo uma cadeira ao lado de sua cama. Fergus pula, e coloca suas patas no trilho lateral. Ele deixa cair suavemente à cabeça no peito de papai, que está se movendo para cima e para baixo lentamente, sua respiração soando ofegante e trabalhosa. Tomo nota para dizer a enfermeira para manter um olho nele, caso ele possa estar desenvolvendo pneumonia. Levanto o braço esquerdo do papai e delicadamente o deposito sobre Fergus. De repente, aparece Remy, tênue e desfocada no outro lado da cama. Ela oscila dentro e fora de vista, torcendo e retorcendo suas tranças. O que está acontecendo? Além do fato de que ela nunca apareceu na casa de repouso antes, eu não consigo lembrar nenhuma vez em que ela apareceu duas vezes em um dia. Sempre contava em conseguir, pelo menos, um mês mais ou menos entre as visitas, o que me impedia de enlouquecer. Remy caminha em direção à janela e desaparece. — Estrela brilhante, estrela brilhante, primeira estrela que vejo esta noite. — Sua voz ecoa ao redor do quarto. Franzi meus lábios. Remy e eu costumávamos sentar no convés traseiro e explorar o céu ao entardecer em busca da primeira estrela da noite. Logo que uma de nós descobria, nós competíamos pelo poema, cada uma de nós esperando terminar primeiro e reclamar o desejo.
  53. 53. Ryan arrasta seus pés junto a mim e eu sei que eu deveria dizer algo, mas eu estou congelada no lugar enquanto escuto as palavras que Remy canta. — Eu desejo que possa, desejo que pudesse, ter o desejo que eu desejo esta noite. Ela aparece novamente ao meu lado e eu prendo o fôlego enquanto a sua mão gelada de fantasma se estende sobre a minha. Eu preciso bloqueá-la. Não posso deixar que algo de errado aconteça. Ela começa a rima de novo e eu estudo o rosto afundado de papai e a barba escura e rala nas bochechas e queixo. As enfermeiras costumam fazer a barba quando sabem que estou vindo, mas talvez houvesse coisas mais urgentes para cuidar hoje. Lágrimas brotam nos meus olhos enquanto olho o comprimento de seu braço, atrofiado por falta de uso, pendurado em Fergus. Estado vegetativo persistente. — Eu desejo que possa, desejo que pudesse, ter o desejo que eu desejo esta noite. Meu coração afunda quando as palavras de Remy me levam a pensar no que tenho evitado todos estes anos... Que no fundo eu sempre soube que o que os médicos têm nos dito era verdade, e a recuperação milagrosa que estamos desejando nunca vai acontecer. Esta concha de uma pessoa deitada na cama não é meu pai, e não importa quantas vezes a gente venha aqui com o nosso toque, nossas vozes, ou mesmo Fergus, não importa quantas vezes temos desejado isso, ele nunca mais vai acordar.
  54. 54. — Meg? — Ryan sussurra. Ele passa um braço em volta de minha cintura, e Remy desaparece novamente. Tento lembrar como me sentia nos braços de papai. Não posso. — Meg? Vai me apresentar? — Não — as lagrimas finalmente se transbordam e caem pelas minhas bochechas. — Não, não tem sentido. Remy se solidifica na minha frente, seus olhos em pânico fixos nos meus. Ela está tão clara que eu posso ver todas e cada sarda do seu nariz. — Meggy, onde está o papai? — Diz ela, sua voz trêmula. Tremo enquanto meu corpo vai ficando mais frio. — Ele está bem aqui — eu sussurro. — O quê? — Ryan pergunta. Remy aperta as mãos em punhos, e borrifos de água saem enquanto ela a sacode a seu lado. — Onde ele está Meggy? Estou com tanto medo e eu não sei como te ajudar. As lâmpadas sobre a mesinha de cabeceira explodem, mandando uma chuva de vidro e faíscas que descem em cascata. O monitor de papai começa a chiar e a sair fumaça, e um alarme soa. — Onde está o papai? — Ela grita. — Oh, meu Deus. Temos que sair daqui. Fergus! Vem! — Eu puxo o braço de Ryan e o arrasto para fora do quarto. — Onde conseguimos ajuda? — Pergunta ele, buscando freneticamente pelo corredor.
  55. 55. — Eles vão ouvir o alarme. — Eu disse ofegante. Os gritos de Remy ecoam pelo corredor. — Papai! Ajudem-me! Papai! As enfermeiras correm para nós enquanto remexo em minha bolsa por meu inalador. — Meg, vai ficar tudo bem — diz ele, alcançando a minha mão. — Não, não vai... Remy está pior.
  56. 56. Encosto no sofá com uma manta até meu queixo para afastar o frio que Remy trouxe com ela, Fergus está enroscado aos meus pés, seus olhos seguindo Remy, enquanto ela caminha para frente e para trás na frente da TV. Pelo menos ela é transparente agora, então ela não está bloqueando a minha visão. Como se realmente pudesse prestar atenção quando ela está murmurando para si mesma. Fergus emite uma série de lamúrias, salta para o chão, e sai correndo até a cozinha. — Esta contente? Assustou o cachorro! — Eu grito para ela. Lanço uma almofada, mas ela não perde o passo e continua olhando sem rumo ao redor do quarto. — Ruim. Ruim. Tenho que encontrar o papai. Papai sabe o que fazer. Eu não sei. Não sei. — Papai está na casa de repouso. Não se lembra que hoje você destruiu alguns monitores muito caros no seu quarto? Remy se mantém andando e sacudo a minha cabeça, me perguntando quando mamãe voltará da casa de repouso. Sem dúvida, ela foi confrontar o diretor, um novo, por não ser capaz de explicar o show pirotécnico de Remy esta tarde. Me sinto mal pelo homem, não é sua culpa se Remy ficou louca. E pela experiência
  57. 57. passada, sei que nenhum eletricista no mundo será capaz de explicar a explosão espontânea. Claro, também com base na experiência passada, mamãe deve somar dois mais dois e lembrar que as explosões de lâmpadas e eletrodomésticos defeituosos têm sido uma ocorrência bastante normal em nossa casa desde o acidente. Talvez ela inclusive se lembre, que eu disse a ela anos atrás que era Remy quem estava causando todos os problemas, antes de eu adotar explicações ‚sãs‛ sobre a indústria de iluminação desapontando os consumidores através de produtos de má qualidade. Claro, tinha concordado só para evitar as sessões extras com o Dr. Macardo. Sacudo a cabeça. Foi extremamente brilhante da minha parte mencionar o nome de Remy na casa de repouso. Ryan agora provavelmente pensa que eu sou algum tipo de aberração. — Se ele romper comigo, é tudo culpa sua! Ruim. Ruim. Eu não sei. Estrela brilhante... — Cale a boca! — Eu grito. Remy para de repente e gira a cabeça em minha direção. Ela se solidifica e a temperatura na sala desce ainda mais. — Meggy! Reviro os olhos. Bom trabalho. Eu tinha que chamar sua atenção. Remy caminha para mim e me dá um sorriso torto. Vejo uma gota escorrer de sua testa e se pendurar por um segundo no final de seu nariz. Eu escuto o som do rio golpeando contra o carro tantos anos atrás. — Aquele menino pode ajudar.
  58. 58. — Luke? A campainha toca e Remy ri. — Desejo que possa, desejo que pudesse... — Ela diz enquanto se vira e pula para longe, desaparecendo à medida que vai. Tremo incontrolavelmente enquanto afasto a manta. — Uh... já vou. Olho pela janela e vejo o carro de Ryan estacionado na calçada. Remy sabia que Ryan estava aqui? Era ele a quem ela se referia? Abro a porta e ele está segurando uma bolsa grande e marrom com um cardápio chinês no topo e vários DVD’s. — Já que disse que não ia sair esta noite, eu pensei em trazer comida e entretenimento para você. Ele olha com os olhos muito abertos, esperançosos, e só ver os seus olhos verdes, o frio se vai de mim. Eu me inclino e o beijo. — Você é o melhor. Ele sorri. — Eu estou tentando, e espero que isso ajude a compensar pela gafe que fiz anteriormente com a Sammy. Eu assinto enquanto o guio. — Isso definitivamente ajuda. Eu pego a comida e a coloco na mesa de café. — Oh, está frio aqui. — diz ele enquanto se senta no sofá. — Uh... Minha mãe tinha posto o ar condicionado bem forte. Embora, eu tenha arrumado agora. — Faço uma análise rápida da sala e vejo Remy parada na janela, de costas para nós. Eu me pergunto se Ryan irá mencionar quão frio estava no quarto de meu
  59. 59. pai, antes dos fogos de artifício começaram, mas se ele é como minha mãe, não vai. Ninguém parece ser capaz de ligar os pontos. Eu sento ao lado de Ryan e ele envolve um braço em volta de mim. — Te manterei aquecida. Inclino para ele e respiro o cheiro fresco de recém lavado e sabão. Ele beija minha bochecha, depois seus lábios traçam o caminho da minha mandíbula até o meu pescoço. Meu estômago sacode e aperto mais seu braço. — Você está bem? — Pergunta ele. Eu suspiro enquanto a realidade me bate de novo. Falo que estou absolutamente exausta de fingir que tudo está OK, apesar do fato que as coisas de fantasma de Remy têm piorado em mil graus? Que ela estava assustada por mim, pela merda da Terra Encantada, antes que destruísse o quarto de papai, e que ainda sou obrigada a sorrir como se nada estivesse errado? Eu me aconchego mais perto. — Sim, eu estou bem. Odeio poder mentir com tanta facilidade a todos, mas suponho que tive muita prática ao longo dos anos. Quero perguntar a Ryan se ele acha que é fácil manter uma conversa, enquanto Remy balbucia como uma pessoa louca no fundo, ou como se supõe que devo me manter vivendo com este segredo dia após dia. Inclino meu queixo para cima e ele me beija forte. Eu quero me perder nesse momento, mas não posso. Eu me afasto e tomo uma respiração profunda. — Você acredita em fantasmas? Meu coração palpita enquanto seu sorriso vacila.
  60. 60. — Hum, eu não sei. — Ele dá de ombros. — Eu acho que não, não acredito neles. Por quê? Dirijo meu olhar para a janela e vejo Remy se balançando para frente e para trás sobre seus calcanhares. — Às vezes... às vezes sinto como se Remy estivesse aqui. — Eu prendo a respiração, esperando a sua resposta. Ele estende a sua mão e pega a minha. — Isso é natural. Quero dizer, ela era sua gêmea, é claro que desejaria que ela estivesse aqui, especialmente com o que aconteceu hoje. — Sim, mas... — Faça Megan. Faça. — Às vezes eu a vejo. Como hoje no quarto de meu pai, ela estava lá. Ryan beija a minha mão, mas não diz nada. Puxo minha mão e examino seus olhos. — Você acha que eu sou louca, né? Ryan sacode a cabeça e pega a minha mão de novo. — Não, claro que não. Quer dizer, não posso imaginar como foi para você, eu nunca perdi alguém realmente próximo. Mas enquanto você não estiver ouvindo vozes, eu acho que você está bem. Forço um sorriso em meu rosto e me sento para abrir a bolsa de comida chinesa. — Você não está ouvindo vozes, está? Reviro os olhos enquanto lhe entrego um rolo de ovo. — Ha! Não! Isso seria loucura!
  61. 61. Ele ri e leva o rolo de ovo a boca, mordendo pela metade. — Tudo bem — diz ele com a boca cheia. — De filmes trouxe um pouco de tudo. Você escolhe — Ele espalha as caixas de DVDs sobre a mesa. — Nós temos anos oitenta: Pretty in Pink20, comédia romântica: Made of Honor21... Dou um olhar incrédulo. — Você pediu a Samantha para te ajudar a escolher os filmes, não é? Ele engole seco. — Uh... Algo assim. — Ele olha para os DVDs, evitando meus olhos. — Eu pensei que ela poderia conhecer alguns filmes bons para garotas. — Você sabe que o tema desse filme é amor não correspondido, não é? — Oh, Deus. — Ele pega ‚Pretty in Pink‛ e olha para tr{s. — Oh, Deus. — Ele me dá esse olhar de envergonhado, sinto muito, que eu vejo com tanta freqüência. — Nós conversamos depois que te deixei. Sério, ela disse que estava tudo bem. Que ia nos dar algum espaço. Afundo meu rosto em minhas mãos. Poderia este dia ficar ainda pior? — Ryan, você sabe que a garota está perdidamente apaixonada por você, e inclusive ela te disse que tudo está legal, mas não está! E que tipo de pessoa tem um bate—papo de ‚lembre que somos apenas amigos‛ e imediatamente depois pede ajuda para escolher filmes para a sua namorada? 20 21 Pretty in Pink: A Garota de Rosa Shocking, filme de 1986 Made of Honor: O Melhor Amigo da Noiva, filme de 2008
  62. 62. Suas bochechas coram e ele começa a gaguejar. — Eu ah... não sei... — Acho que a palavra que você está procurando é ‚insensível‛. — Uh... — Olha Ryan, você tem que ser honesto, porque eu tenho bastante porcaria acontecendo na minha vida, sem me preocupar com Samantha 24/722. Sente algo por ela? A boca de Ryan cai aberta como se essa fosse à coisa mais ridícula que ele já ouviu. — Não! Ela nunca foi nada mais que uma amiga para mim. Sério! — Bem. Próxima pergunta, e precisa ser totalmente honesto. Ele franze a testa. — Ok. — Uma parte de você sabe que Samantha sempre estará esperando atrás dos bastidores? Ele junta os dedos, abaixa a cabeça e olha de soslaio para mim. — Não! — Não é como se te fizesse uma má pessoa, se sentir lisonjeado faz parte da natureza humana. Como é ser ciumento. — Dou de ombros. — Acho que só me incomoda que continue mantendo essas conversas sobre a necessidade de espaço, e que inclusive esta noite romântica que planejou tenha as impressões digitais dela por cima. 22 24/7: 24 horas e 7 dias por semana, uma gíria que significa todos os dias e todas as horas
  63. 63. — É difícil porque ela está na porta do lado, não é como se eu pudesse evitá-la, e ela tem sido minha amiga por muito tempo. — Eu sei. — Pego ‚Pretty in Pink‛. — E talvez eu esteja exagerando. Molly Ringwald termina com o gatinho no final do filme e não com a melhor amiga. Ryan me dá um olhar ardente. — Assim como eu! — Ganhasse pontos de exploradora por isso. — eu digo. Jogo o DVD sobre a mesa e lhe dou um beijo rápido. — O que mais você trouxe? E se você disser a primeira temporada de ‚Dawson's Creek23‛, eu vou te bater. — Dawson’s Creek? — É uma velha série de TV que Nicki me fez ver um milhão de vezes no primeiro ano. Seis temporadas de amor não correspondido girando em torno de um garoto com uma necessidade desesperada de uma intervenção capilar. Ryan balança a cabeça. — Não h{ ‚Dawson's Creek‛, mas eu escolhi esses: Shaun of the Dead24 e Stardust25. Lembro que disse que gostava de ler coisas de Neil Gaiman, mas dado o meu talento para incomodar... — Ele estende ‚Shaun of the Dead‛. — Talvez assistir alguns caras comendo cérebros fosse mais terapêutico agora mesmo. Olho em volta e vejo que Remy não esta em nenhum lugar a vista. — Apesar de parecer atraente, eu tenho uma idéia melhor. — Beijo-o ligeiramente nos lábios. — Não sei por quanto tempo minha 23 24 25 Dawson's Creek: seriado americano Shaun of the Dead: Todo Mundo Quase Morto, de 2004 Stardust: Stardust - O Mistério da Estrela, de 2007
  64. 64. mãe estará fora, mas ela sempre estaciona o carro na garagem à noite, assim poderemos ouvi—-la quando chegar em casa. Começo pelas minhas sandálias, deixo-as atrás do sofá e puxo Ryan para cima de mim. — Sim, isso é melhor do que zumbis. — ele sussurra em meu pescoço. Ele me beija e desliza as minhas mãos embaixo de sua camiseta. Passo meus dedos pelas suas costas, e sei que vou ser capaz de isolar a loucura por um momento, pelo menos até que mamãe venha para casa. A porta da garagem soa, e Ryan pula fora do sofá. Eu puxo minha camisa de volta sobre a minha cabeça e estico as almofadas do sofá. — Ponha um filme. Vou pegar o resto da comida chinesa. Ryan se atrapalha com uma caixa de DVD, e eu rio enquanto pego os recipientes fora da bolsa e abro. — Depressa! — Falo enquanto desembrulho os pauzinhos. Eu corro para a cozinha e pego um par de pratos e depois corro de volta para a sala. Ryan senta de volta no sofá e lhe entrego o arroz frito. Ele se vira para mim enquanto despeja arroz em nossos pratos, e seus olhos saltam. — Seu cabelo! Levanto—me e olho no espelho. Cabeça de cama, ou de sofá, enfim, meu cabelo pede a gritos por uma sessão de transformação. — Já volto. — Entro no banheiro e passo uma escova pelo meu cabelo. Minhas bochechas estão vermelhas, mas afortunadamente
  65. 65. mamãe pensará que é a pimenta na carne de frango General Tso26 e não de flertar com Ryan. Volto para a sala de estar e me envergonho. Mamãe está parada ao lado do sofá com os braços cruzados sobre o peito, olhando fixamente para o Ryan. — Meu advogado quer falar com você, tudo bem? — Mãe! Mamãe se vira para mim, o rosto comprimido com raiva. — Bem, ninguém na casa podia me dar uma resposta satisfatória sobre o que aconteceu e como eles podem impedir que aconteça de novo, então eu acho que é perfeitamente justificado que o nosso advogado entre para garantir que seu pai consiga uma atenção adequada. Reviro os olhos. — Eu acho que entrar em contato com um vidente seria mais adequado. — E o que é que isso quer dizer? — Diz ela, dando—me um olhar que me diz que um bom exame de cabeça com meu terapeuta esta apenas a distância de um telefonema. Antes que eu possa responder, Ryan se levanta. — Eu realmente não vi nada, Sra. Sones. Pareceu acontecer tudo de uma vez. — Ele olha para mim. — E na verdade, eu provavelmente deveria ir para casa. Estamos indo para um batizado em Portland amanhã, então teremos que chegar cedo. Vou te mandar uma mensagem do carro e podemos planejar a excursão. — Ótimo. Eu o acompanho até lá fora — eu digo. 26 General Tso: É um doce e picante frango frito
  66. 66. Minha mãe me olha como cravando facas, e Ryan se move desconfortável. — Tudo bem, Meg. Eu uh... Te ligo amanhã. — Ele estende a mão e aperta a minha. — Tchau, Sra. Sones. Ele fecha a porta e me preparo antes de girar para enfrentar a mamãe. — Você quer se explicar, senhorita? Quer? Infernos, sim! Acho que vai acreditar em mim? Merda, não! Mas não quero que a casa de repouso pague a conta por Remy tampouco. Essas pessoas trabalham muitas horas por pouco dinheiro ou gratidão, e eu não vou deixar seu advogado jogar sangue sobre eles. — Era a Remy. Ela estava louca, e depois tudo explodiu. Mamãe inala profundamente enquanto seu rosto empalidece. — Não de novo, Megan. Não vou deixar você me fazer isso de novo. — Eu não estou fazendo isso, Remy está. Você já viu as conseqüências dos seus ataques de mau humor aqui. Coisas voando para fora da parede, lâmpadas estourando, você não pode fingir que é normal. Pelo amor de Deus, some dois e dois! Mamãe começou a se afastar, eu corri atrás dela agarrando seu braço. — Quantos microondas já trocamos? Quantas molduras quebradas tem havido, ou cadeiras caindo? É tudo Remy. Mamãe tenta sacudir seu braço mais eu mantenho o aperto firme. — Tente vê-la. Chamar seu nome! — Me solte. — diz ela com os dentes cerrados.
  67. 67. — Chame ela, maldição! Tente vê-la e descobrir por que ela está me perseguindo. — Solto seu braço e olho para seu rosto. — Por favor, mamãe — digo, as lágrimas escorrendo pela minha bochecha. — Ela ainda está aqui, e talvez se você acreditar, você vai ver. Eu preciso que você a veja. Preciso da sua ajuda. Mamãe endurece seu rosto em uma máscara inexpressiva, e eu olho descontroladamente ao redor da sala. — Remy! Mamãe está procurando por você! Onde você está? — Pare Megan! — Remy! Onde você está? Eu uh, eu pedirei um desejo! Você me ouviu, Remy? — Eu respiro fundo enquanto começo a andar ao redor da sala. — Estrela brilhante, estrela brilhante, primeira estrela que vejo esta noite. Remy aparece nebulosa e cintilante, na minha frente. — Pede um desejo, Meggy. — Aqui! — Eu grito, apontando para Remy. — Ela está ali! Mãe recua, mas seus olhos passeiam pela sala. Por favor, Deus, deixe que mamãe a veja. Fergus entra correndo e fica ao seu lado, olhando fixamente na direção de Remy. Ele geme, e mamãe agita uma mão para ele com desdém. Eu olho para Remy e gesticulo em direção a mamãe. — Remy, vá para a mamãe. Mostre—lhe que você está aqui! Mamãe sacode a cabeça, mas seus olhos continuam a procurar pela sala. — Mãe, ela é está bem aqui, Remy precisa de você.
  68. 68. — Não — mamãe sussurra. Seu lábio inferior treme. — Pare Megan. Eu olho para trás e para frente entre Remy e mamãe, nenhuma vê a outra, e caio de joelhos. — Está aqui mãe, porque você não pode vê-la? — Aponto para Remy novamente. — Ela está ali! Lágrimas caem dos olhos de mamãe, e seu rosto se enruga. — Por que você esta fazendo isso comigo? — Eu preciso que você a veja, — eu digo, soluçando. — Eu não posso fazer isso por minha conta mais. — O que você precisa é de ajuda. — Ela sacode a cabeça e se afasta de mim indo para a cozinha. — Não se incomode ligando para o Dr. Macardo! Eu não sou louca e você não pode me obrigar a ir. — Eu me enrolo no chão e Fergus se deita ao meu lado. Eu envolvo meus braços em torno dele e choro enquanto Remy pula em círculos em torno de nós.
  69. 69. Um carro passa voando por mim e eu cambaleio em minha bicicleta. Agarro forte o guidão e mantenho minhas pernas pedalando de forma constante. Espero que Luke esteja em casa. São só sete e meia, assim imagino que seja muito cedo para que ele vá a Terra Encantada. Claro, provavelmente ele está dormindo e não estará muito animado que eu o acorde, mas estou desesperada. Vejo a placa de bem—vindo aos turistas na faixa de saída da North Conway, e logo à frente está a casa roxa de Luke. Pedalo mais forte e em seguida freio na passarela da frente. Ornamentos de gramado estão alinhados nele e posso imaginar o que Nicki diria se estivesse aqui. — Essa coleção de gnomos, patos de plástico, e filhotes manchados é claramente um sinal de doença mental, e você seria louca de entrar nessa casa. Assenti. Como ‚louca‛ é o meu novo segundo nome, o que tenho a perder? Enquanto ando até a casa, tento tirar a sensação de que estou fazendo isso às escondidas de Ryan. Sei que não estou fazendo nada de errado, só estou aqui por Remy, e a vibração no estômago é devido aos nervos e não por esconder coisas do meu namorado. E eu tentei dizer a Ryan sobre ela, precisava que soubesse, mas era
  70. 70. bastante óbvio que empurrar a coisa fantasma para ele só o faria se afastar — como mamãe. Inclino minha bicicleta contra o alpendre da frente. O som do vento tilintava enquanto a brisa fresca da manhã passava soprando, levando o perfume de violetas. Subo devagar as escadas rangentes e meu estômago revira nervosamente. E se Luke não puder me ajudar? E se estiver presa a Remy pelo resto da minha vida? Toco a campainha e escuto pés se arrastando lá dentro. A porta se abre e uma mulher pequena e redonda em um roupão floral olha para mim. Ela toca uma longa e grossa trança coberta de cabelo grisalho sobre seu ombro e estala sua língua. — Oh — ela diz enquanto a sua mão alcança o meu braço. — Você coitada, venha para dentro e deixe Nona ajudá-la. No momento em que seus dedos tocam a minha pele, a sensação nervosa desaparece. Ela me leva para uma sala justamente ao lado da porta da entrada e aponta uma cadeira sobrecarregada. — Sente-se — diz ela gentilmente. Deixo—me cair na cadeira e ela me olha de cima a baixo. — Você é muito jovem para ter uma nuvem tão escura te rodeando. — Eu estou... Estou aqui para ver o Luke. — Eu digo incapaz de afastar o olhar de seus penetrantes olhos azuis. — Shh — Nona estende suas mãos sobre as minhas têmporas. — Tanta dor — sussurra.
  71. 71. Uma sensação de calma parece irradiar de seus dedos e enche o meu corpo. Eu afundo na cadeira e respiro profundamente. — Aqui está — diz ela. — Nona! Salto da cadeira. Luke está parado na entrada com as mãos nos quadris. Nona zomba. — Não comece comigo, Luke. Aos setenta e nove anos eu te digo o que fazer e não vice-versa! Luke se apressa para o seu lado apenas a tempo de pegar Nona enquanto ela cambaleia sobre seus pés. — Aos setenta e nove anos pensei que saberia melhor — ele disse enquanto a conduzia a outra cadeira. Nona abana seu rosto durante alguns segundos e depois aponta para mim. — Se você tivesse visto o que eu vi, saberia que isso não podia esperar! Luke olha para mim, o cenho franzido. — Megan, que está fazendo aqui? — Pensei que talvez, poderia me ajudar com... Luke sacode a sua cabeça e articula a palavra "Não". — A ele não importa, eu posso te ajudar e a menina. — diz Nona. Ela olha para a janela, eu viro e vejo Remy de pé tranquilamente, as cortinas flutuando suavemente através dela.
  72. 72. — Você também a vê? — pergunto. — Há algo aqui, Nona? — Luke pergunta. Olha detalhadamente ao redor da sala, mas seus olhos não se detêm em Remy. Dou-lhe um olhar interrogativo. Ele coloca um dedo nos lábios e balança a cabeça. É óbvio que ele não quer que eu fale sobre o que aconteceu na Terra Encantada, mas eu não sei por quê. — Sim, há uma menina que precisa da minha ajuda. — Nona, já é bastante. Você quase desmaiou. Nona sacode a sua cabeça e se levanta da cadeira. — Posso lidar com isso Luke. Faça algo útil e traga uma cadeira. Sento-me se você continuar atrás de uma mulher idosa. Luke arrasta a cadeira em frente a minha. Nona senta e me estende a sua mão. — É um trabalho duro curar com essas minhas mãos velhas, mas Deus me deu este presente — disse ela, fulminando o Luke com um olhar, — e não rejeitarei ninguém... Não quando posso fazê-los se sentir melhor. Olho para o Luke mordendo seus lábios, enquanto está parado atrás da cadeira da Nona. — Diga-me o que aconteceu com a sua irmã — Nona diz calmamente. — Devo saber de tudo, assim posso ajudá-la a seguir em frente. Tomo uma respiração profunda. Como ela sabia que Remy era minha irmã? Meu seguinte pensamento é que não quero nem se quer
  73. 73. pensar sobre o acidente, sem falar de contar detalhe por detalhe. Eu balanço a minha cabeça, tentando segurar as lágrimas. — Está tudo bem — Nona sussurra. — Deixe sair. — Ela gentilmente me pega as mãos, e sinto aquela sensação de calma correndo através de mim novamente. — Diga a Nona. Fecho meus olhos e vejo Remy e eu sentadas no banco de trás do nosso antigo Volvo laranja. — Nós... Nós estávamos indo para um restaurante pelo aniversário do meu pai. Mamãe ia nos encontrar lá. Papai estava indo rápido demais ao longo do rio. Estávamos atrasados porque Remy teve que encontrar a sua soleira favorita roxa. Era muito curta, e mamãe estava sempre colocando no saco de roupa para levar a ‚Boa Vontade‛, e Remy sempre o tirava. Remy revirou vários sacos empilhados na varanda ensolarada de fora sobre o chão, fazendo uma bagunça completa, até que o encontrou. Papai nem sequer a fez pegar todas as roupas, e eu sabia que mamãe teria um ataque quando voltássemos para casa. Meu lábio treme ao lembrar que tinha pensado com muita ilusão em ver Remy se metendo em confusão quando mamãe visse que ela estava usando aquele vestido. — Continue — Nona sussurrou. Assinto e continuo. — O céu estava muito, muito escuro. Relampejando, e Remy, minha irmã, contou os segundos até que trovejou. ‚Est{ perto, papai.‛ disse ela, e então veio a chuva. Eu mal podia ver através do pára—brisa, e depois houve outro flash de luz à nossa frente. Justamente enquanto o trovão retumbou, pedras choveram sobre o carro enquanto o penhasco ao lado da estrada cedeu — eu engulo em seco. — O deslizamento de terra nos
  74. 74. empurrou da estrada e o carro capotou duas vezes antes de chegarmos ao rio. O carro aterrissou sobre esse lado e foi arrastado pela correnteza até que bateu contra uma pedra. A janela de Remy se rompeu, e depois a água entrou. Fecho os meus olhos e ouço o som do rio na minha cabeça, os nossos gritos. — Remy tentou soltar o cinto de segurança, enquanto a água enchia o carro. Eu estava pendurada no meu assento de segurança para crianças, e tentei alcançá-la, mas não consegui. Gritei por meu pai para ajudar, mas ele estava inconsciente no banco da frente e mais ou menos abaixo também. Mas quando a corrente empurrou o carro novamente na posição vertical, Remy não estava respirando e meu pai nunca mais acordou. Nona aperta a minha mão, enquanto se balança para trás e para frente. Sinto-me surpreendentemente leve e calma, apesar do fato que eu acabo de reviver o acidente. Ela abaixa as mãos e se inclina para trás em sua cadeira. — Sua irmã está procurando por algo — diz Nona. — Ela não irá embora até que ela encontre. Estou pegando a impotência dela, e o medo. Um grande temor. Nona pega vários lenços de papel sob o seu manto e limpa seu rosto. — Luke, preciso me deitar e descansar antes dos meus compromissos da tarde. Você pode me ajudar? Luke balança a cabeça e ajuda Nona a ficar de pé. — Eu não posso levar a sua irmã para a luz, não deixará de vê-la até que descubra o que está procurando. Volte, e verei se consigo falar com ela quando estiver me sentindo mais forte.
  75. 75. — Não vá — Luke diz suavemente para mim, e logo leva Nona para fora da sala. — O que você está procurando Remy? — Eu sussurro, olhando seu balanço para frente e para trás sobre os seus calcanhares. — Eh, vamos lá fora, onde nós podemos conversar — diz Luke quando retorna. Eu o sigo para fora através da parte posterior da casa e há um mirante cercado por grama alta e flores silvestres. — Como você está se sentindo? — pergunta enquanto sentamos no banco almofadado. — Eu não sei por que, mas na realidade me sinto melhor do que eu tenho me sentido há muito tempo. Pensei que falar sobre o acidente me faria sentir pior, mas... Luke assente. — Entre outras coisas, Nona é uma empática, ela tira a dor das pessoas. Não é permanente ou algo assim, e realmente a deixa desorientada, mas deverá se sentir muito bem por um tempo. — Oh, ótimo, então eu praticamente espanquei a sua avó? Um meio sorriso se arrasta pelo seu rosto e ele passa os dedos pelo cabelo. — Bastante, mas ela pediu por isso. Meus ombros caem. — Eu sinto muito. Eu nunca a teria deixado fazer isso se eu soubesse. Eu só vim aqui para te ver. Estava esperando que pudesse me ajudar com a Remy. Ele olha para cima em direção a casa, e depois de volta para mim. — Sobre isso. Eu quero te ajudar, mas tenho que ter cuidado porque Nona realmente não sabe que herdei o gene assustador. No

×