Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Modelo Classificatório  Nosográfico de Pinel e Esquirol Modelos Diagnósticos 1  [email_address]
Nosotaxonomia, Nosografia e Nosologia <ul><li>NOSOTAXONOMIA (noso + táxon) – classificação de enfermidades, doenças ou con...
<ul><li>Pinel e seu discípulo Esquirol foram psiquiatras que refletiram as tendências característica do Iluminismo e o esp...
<ul><li>Ordem 2 – Nevroses das funções cerebrais </li></ul><ul><li>Subordem 1. Comas </li></ul><ul><li>Gêneros: apoplexia,...
<ul><li>Ordem 4 – Nevroses das funções nutritivas </li></ul><ul><li>Subordem 1. Nevroses da digestão </li></ul><ul><li>Gên...
<ul><li>Esquirol criou o conceito de monomanias (delírios localizados, exclusivos a um só tema, respeitando os atributos i...
<ul><li>Este conceito, combatido desde sua origem, desapareceu, deixando apenas o sufixo mania nas designações de patologi...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Modelo Nosográfico de Pinel e Esquirol

535 views

Published on

Published in: Business, Technology
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Modelo Nosográfico de Pinel e Esquirol

  1. 1. Modelo Classificatório Nosográfico de Pinel e Esquirol Modelos Diagnósticos 1 [email_address]
  2. 2. Nosotaxonomia, Nosografia e Nosologia <ul><li>NOSOTAXONOMIA (noso + táxon) – classificação de enfermidades, doenças ou condições patológicas, quaisquer que sejam os critérios empregados. </li></ul><ul><li>NOSOGRAFIA nosos + graphos) – Classificação de enfermidades usando como téxon (critério classificatório) dados descritivos de sua forma, de sua aparência. </li></ul><ul><li>NOSOLOGIA (nosos + logos) – classificação de enfermidades empregando como táxon dados sobre sua explicação (etiopatogenia). </li></ul><ul><li>Esta nota é importante porque muitos dicionários, inclusive médicos, ignoram estes dados lingüísticos essenciais . </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Pinel e seu discípulo Esquirol foram psiquiatras que refletiram as tendências característica do Iluminismo e o espírito libertário gerado e avivado pela Revolução Francesa. </li></ul><ul><li>A nosografia de PINEL merece destaque especial porque foi um importantíssimo marco deste momento descritivo e clínico da psicopatologia. Inaugurou um tipo de procedimento diagnóstico que imperaria até o final do século dezenove e voltaria à tona no século XX com a CID-10 e as classificações americanas (DSM) que, equivocadamente, se pretendem kraepelinianas. </li></ul><ul><li>No ordenação de Pinel as classes I, II, III e V representam as febres, as flegmasias, as hemorragias e as lesões orgânicas. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Ordem 2 – Nevroses das funções cerebrais </li></ul><ul><li>Subordem 1. Comas </li></ul><ul><li>Gêneros: apoplexia, catalepsia, epilepsia. </li></ul><ul><li>Subordem 2. Vesânias </li></ul><ul><li>Gêneros: hipocondria, melancolia, mania, demência, idiotidmo, sonambulismo, hidrofobia. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Ordem 3 – Nevroses da locomoção e da voz </li></ul><ul><li>Subordem 1. Nevroses da locomoção </li></ul><ul><li>Gêneros: nevralgia, tétano, convulsões, dança de S. Vito, paralisia. </li></ul><ul><li>Subordem 2. Nevroses da voz </li></ul><ul><li>Gêneros: voz convulsiva, afonia. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Ordem 4 – Nevroses das funções nutritivas </li></ul><ul><li>Subordem 1. Nevroses da digestão </li></ul><ul><li>Gêneros: espasmos do esôfago, cardialgia, pirose, vômitos, dispepsia, bulimia, pica, cólica, cólica saturnina, íleo. </li></ul><ul><li>Subordem 2. Nevroses da respiração </li></ul><ul><li>Gêneros: asma, coqueluche, asfixia. </li></ul><ul><li>Subordem 3. Nevroses da circulação </li></ul><ul><li>Gêneros: palpitações, síncope. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Ordem 5 – Nevroses da geração </li></ul><ul><li>Subordem 1. Nevroses genitais do homem </li></ul><ul><li>Gêneros: anafrodisia, satiríase, priapismo. </li></ul><ul><li>Subordem 2. Nevroses genitais da mulher </li></ul><ul><li>Gêneros: ninfomania, histeria. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Esquirol criou o conceito de monomanias (delírios localizados, exclusivos a um só tema, respeitando os atributos intelectuais), que antes eram chamadas de melancolia. As monomanias seriam alterações focais do psiquismo. ESQUIROL distingue as monomanias intelectuais (os delírios sistematizados, alucinações e ilusões); as monomanias afetivas (com perversão do afeto e do caráter, englobando a maioria dos casos que PINEL descrevia como mania sem delírio, inclusive a hipocondria e a loucura moral de PRITCHARD); as monomanias instintivas (com irresistível tendência para ações patológicas, como piromania, cleptomania, monomania homicida, dipsomania). Define as monomanias instintivas ou sem delírio como situações clínicas nas quais “o doente é arrastado para atos que a razão e o sentimento não determinam, que a consciência reprova e que a vontade já não tem força para reprimir”. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Este conceito, combatido desde sua origem, desapareceu, deixando apenas o sufixo mania nas designações de patologia da origem, modulação ou controle dos impulsos. </li></ul><ul><li>ESQUIROL distinguia a loucura moral, que inclui as perversões sexuais, dos estados passionais. </li></ul><ul><li>Esta época ainda não se conhecia a anatomia patológica nem fisiologia neurológica. Conhecimento que só viriam a aparecer já avançado o século dezenove. Daí o caráter meramente descritivo do conhecimento psiquiátrico. </li></ul>

×