Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
18
Público 5 novembro 2005
                          livros
                          infanto-juvenil




| letra pequena ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

MilFolhasOsCorvosAldousHuxley

7,252 views

Published on

Página Letra pequena Mil Folhas Público 6 de Novembro de 2005

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

MilFolhasOsCorvosAldousHuxley

  1. 1. 18 Público 5 novembro 2005 livros infanto-juvenil | letra pequena | R i t a P i m e n t a Pintar um grito Já é tarde e a mãe do Daniel ainda não chegou. Não é a primeira vez que tarda, mas ele está ansioso por lhe contar que a professora de Educação Visual o elogiou. Tinha no entanto de ter cuidado com a forma como começaria a frase. Ao ouvir “sabes o que a professora disse?”, Beatriz pensava logo que era “mais uma desfeita à encarregada de educação” ou algum recado para uma reunião a que nunca iria. O rapaz esperou e foi cuidando do “Rufo”, um cachorro rafeiro. Se desse, à noite iria com o Miguel e o Diamantino pintar o muro ao lado da escola. Precisava de sete cores para desenhar um lince a abocanhar um coelho. Era o seu projecto e o seu grito. Daniel “tem fome e a mãe não veio para casa. Mas ele vai alindar a cidade, está tudo bem” (pág. 21). “Escrito na Parede” passa-se no Porto, mas podia acon- tecer em qualquer outra cidade. Uma mulher, Beatriz, ar- ruma a casa de outras, limpa bares e tem um namorado que é casado, Jaime. Visita-a quando dá jeito, trabalha numa oficina e esconde em sua casa auto-rádios e leitores de CD. Estão dentro de caixotes a ocupar o quarto de Daniel, o rapaz de 14 anos que é filho da Beatriz e protagonista da história. Ela às vezes desaparece, mas no máximo durante dois dias e deixa sempre recado. Desta vez não. Uma família disfuncional, diriam os especialistas de boas famílias. A espera dura quatro dias. Daniel falta às aulas que ainda pode, mas assiste a outras. Na de Português gera-se uma confusão à volta de religiões boas e más, cores de pele me- lhores ou piores. O Diamantino, preto, e a Cátia, branca, exaltam-se. Para Daniel, a “aula está toda errada”. “O que é que interessam estas conversas? Toda a gente sabe que é me- perdida durante muitos anos, a história de Os Corvos foi escrita lhor ser branco do que preto, e que os pretos são melhores no básquete. Toda a gente sabe em 1944 por Aldous Huxley, o autor de Admirável Mundo Novo. O prazer que é melhor ser rico do que pobre, embora haja vários escrito na Parede tipos de ricos. O Nicolau, Autor Ana Saldanha por exemplo, os pais dele Editor Editorial Caminho são podres, podres de ricos 152 págs., €8,40 de enganar as cobras e ele nem tem um telemóvel em condições. É melhor ter pai e mãe” (pág. 77). A autora, Ana Saldanha, faz com extrema sensibili- dade o retrato de uma juven- tude que raramente é alvo | Rita Pimenta pois guardaram durante vários os Dois Corvos et Loiseau”, de Serge Kirbus. de narrativas na literatura anos uma cópia da história “The Autor Aldous Huxley Depois de vencer o prémio de portuguesa para os mais no- O conto é simples e não esconde Crows of Pearblossom”. trAdutor Luísa Costa ilustração do Salão do Livro vos. São jovens que passam a crueldade que a sobrevivência O original estava com o autor Gomes Juvenil de Montreuil em 1996, demasiado tempo sozinhos, exige. No reino animal, bem de “Admirável Mundo Novo” ilustrAdor Beatrice decidiu viver em Paris. que cuidam dos adultos que entendido. (para ser ilustrado), quando a Alemagna Aldous Huxley escreveu 47 deviam cuidar deles, que Uma cobra-cascavel alimen- sua casa se incendiou. Depois EditorA Dom Quixote livros e foi considerado ora habitam lugares desconfor- tava-se diariamente dos ovos da morte de Huxley, em 1963, a 28 págs., €12,50 como um autor de “romances táveis ou perigosos e que que a Senhora Corvo deixava no história ficou esquecida. cerebrais” ora como ensaísta, crescem ao deus-dará. ninho sempre que se ausentava. já que as suas obras eram mais A viver na Irlanda, a escritora, natural do Porto, é forma- Depois de ter perdido 297 ovos Uma ilustradora centradas em ideologias do da em Línguas e Literaturas Modernas e fez doutoramento — “e nem um corvinho saiu de “mil almas” que propriamente em histórias sobre a obra infantil de Rudyard Kipling, na Universidade da casca” —, a ave apanhou a Esta não é a primeira edição de personagens. O livro mais de Glasgow. Para esta colecção Livros do Dia e da Noite, cobra em flagrante. Chamou- em português, já em 1982 a Li- conhecido, “Admirável Mundo já escreveu 12 obras, a primeira, em 1999, tinha por título lhe “monstro” e pediu ajuda vros Horizonte publicou a obra Novo”, escreveu-o em 1931 “Cinco Tempos, Quatro Intervalos”. Todas com uma escri- ao Senhor Corvo, que pediu com o título “Os Corvos de em apenas quatro meses. Aí o ta muito clara e em que recorre ao vocabulário usado pelos ajuda ao Velho Mocho. Juntos Pereira Florida”. Nesta recente tema principal era a limitação jovens na dose certa e com verdadeiro conhecimento. planearam enganar a cobra — e divulgação da Dom Quixote, das liberdades individuais face “O Pai Natal Preguiçoso e a Rena Rodolfa”, um livro conseguiram. O que é sempre as ilustrações são assinadas ao autoritarismo do Estado. O que escreveu para crianças no ano passado, valeu a Alain um prazer. No reino animal, pela italiana Beatrice Alemag- autor, que viveu grande parte Corbel o prémio de Melhor Ilustração para Literatura In- bem entendido. na, que a cada novo trabalho dos anos 20 na Itália de Mus- fantil, atribuído esta semana pelo Festival Internacional Aldous Huxley escreveu esta escolhe uma técnica diferente, quando já não posso controlar solini, viria a reproduzir esse de BD da Amadora. história em 1944, para a sua mas sempre eficaz na relação nem dirigir tudo: o efeito sur- ambiente repressor em várias Daniel acaba por pedir ajuda ao seu companheiro de “gra- sobrinha Olivia de Haulleville, que mantém com os textos que presa das imagens fascina-me”, das suas obras. ffiti”, o Miguel, para o levar até à Rua da Vitória, “onde ela numas férias de Natal, diz-se ilustra. disse à revista “Lire” em No- Em 1950, a Academia Ameri- fica perdida, mas nunca mais de dois dias”. Não confia no no final do livro. Também aí Aqui recorre a colagens e vembro de 2004. cana de Artes e Letras premiou Jaime, encontrou perto dele a estrela de prata da Beatriz. se explica que o conto mencio- recortes, criando um ambiente “Portraits”, “Gisèle de verre” o trabalho de Huxley, tendo an- O livro acaba com o rapaz e o “Rufo” dentro do ele- na os vizinhos da menina em outonal, mas não triste. Os tons e “Mon Amour” são três álbuns teriormente distinguido Ernest vador. Vão para o 13.º andar. Daniel tem o braço à volta Pearblossom, os Yost, apelido escolhidos e o próprio papel em editados pela Seuil em que Hemingway e Thomas Mann. dos ombros da mãe, encontrou-a. Só não se fica a saber escolhido pelo autor para o que o livro está impresso dão a Beatrice Alemagna é também “Os Dois Corvos”, embora se chegou a dizer-lhe a frase escolhida: “A profe de EVT sábio mocho. O interesse de dar sensação de se estar perante uma autora dos textos. Como ilus- destinado a crianças, mostra disse que, basta eu querer, ainda posso vir a ser um pintor a conhecer estes pormenores da obra de outros tempos. E apetece tradora, assina títulos como mais uma vez como lhe agrada- famoso!” Queremos acreditar que sim. • concepção da narrativa está no folheá-la. “La Promenade d’un distrait”, va “incomodar” os poderosos. E facto de terem sido justamente “Eu sou mil pessoas diferen- de Gianni Rodari; “L’enfant foi assim que transformou uma Letra Pequena sai no primeiro sábado de cada mês. Comentários sobre livros para o público infanto-juvenil estes vizinhos (os Yost) que tes, tenho mil almas. Adoro pôr- qu’on envoie se coucher”, de cascavel num longo estendal de podem ser enviados para letra.pequena@publico.pt possibilitaram a sua edição, me em situações complicadas, Claude Roy, e “Marion, Pierre roupa.•

×