Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Senhora Cepra 3 V1

20,486 views

Published on

Published in: Travel, Business

Senhora Cepra 3 V1

  1. 1. SENHORA (José de Alencar)
  2. 2. ANÁLISE DA OBRA • Senhora divide-se em quatro partes: “O Preço”, “Quitação”, “Posse” e “Resgate”. Estes títulos contrariam ostensivamente o espírito de uma história de amor, como efetivamente é o romance Senhora. Mas, como se trata da história de um amor contrariado pelos hábitos sociais, fica clara a idéia de que os títulos foram assim escolhidos para hipertrofiar a metáfora contida no livro.
  3. 3. (1ª Parte) O PREÇO • Na primeira parte Aurélia aparece nos salões fluminenses, acompanhada de D.Firmina, parente que era dama de companhia. A jovem milionária zomba de todos os pretendentes, procurando humilhá-los o que podia. Por ser rica e gostar de zombar dos homens, pede ao Sr.Lemos, seu tio e tutor, que procure o Sr. Fernando Seixas, recém chegado de uma viagem a Pernambuco, e faça-lhe a proposta para ele se casar com uma jovem desconhecida, pela quantia de cem contos de réis. Se ele não aceitasse, a oferta poderia chegar a até duzentos contos. O Sr. Fernando Seixas era um jovem pobre, porém,extravagante e galã. Freqüentava os melhores salões, às custas da mãe viúva e de duas irmãs que se sacrificavam para ver o irmão gozando as mordomias da sociedade burguesa. Ele chegou a estudar Direito, mas não terminou o curso. Para sobreviver, foi ser funcionário público. Como o salário era baixo, usava a poupança que o pai tinha deixado para a família, e com isso, podia se apresentar nos melhores salões, com as roupas mais luxuosas.
  4. 4. • Um dia, inclusive, levou a mãe e as irmãs ao teatro, ficando depois extremamente envergonhado quando um colega lhe perguntou quem era as três matutas que estavam com ele. Vê-se portanto, que Fernando Seixas era um pequeno burguês ambicioso e frustrado. • Ao receber a proposta do Sr. Lemos, ele recusou inicialmente, aceitando, porém, depois. Para isto exigiu o adiantamento de vinte contos de réis. Aceita a proposta, marcou-se o dia da apresentação. Fernando ficou surpreso ao ver que a moça era Aurélia Camargo, jovem que ele namorara, quando ela era pobre e que tinha abandonado para noivar-se com Adelaide, por causa de um dote de trinta contos de réis. Aurélia,fazendo-se alheia à proposta que Fernando recebera, aceita o namoro casando-se com ele alguns dias depois, numa cerimônia simples e de poucos convidados. Na noite do casamento, ao ficarem sós, Aurélia diz ao noivo que ela sabia de tudo e, por isso, não passava de uma mulher traída e ele, um homem vendido.
  5. 5. (2ª Parte – Quitação) • Cronologicamente, a segunda parte acontece antes da primeira. É o momento em que o escritor fala de Aurélia quando pobre. Ela era filha de Emília e Pedro, sendo este filho natural de Lourenço Camargo, homem extremamente rico. O casamento não foi aceito nem reconhecido pelas duas famílias. Pedro morre e Emília fica com dois filhos para enfrentar a pobreza. Mais tarde morre o filho, ficando apenas Aurélia, que se tornara uma jovem muito bela. A mãe exigiu que ela ficasse à janela, no bairro de Santa Teresa, a fim de conseguir pretendente. A jovem, a contragosto, fez a vontade da mãe. Nenhum pretendente, entretanto, chamou-lhe a atenção.
  6. 6. • Um dia, porém, veio vê-la o Sr.Fernando Seixas por quem ela se apaixonou à primeira vista. Tornaram-se namorados, mas ele depois a abandona por Adelaide. A sorte, mais tarde, foi favorável a Aurélia, pois o avô achou os documentos de Pedro e, neles, a certidão de casamento. Diante disso, reconhece Aurélia sua herdeira universal, morrendo ele algum tempo depois, e deixando- a milionária, num momento difícil para ela, uma vez que a morte já havia levado, também, a viúva Emília Camargo. Assim, com beleza e dinheiro, Aurélia resolve enfrentar a sociedade de forma altiva e corajosa, inclusive frustrando os vários pretendentes e se casando com o Sr.Fernando Seixas, para surpresa de todos, já que ninguém conhecia a verdadeira razão do casamento.
  7. 7. (3ª Parte – Posse) • A terceira parte é, psicologicamente, o momento mais importante do romance. O Sr.Fernando Seixas, reconhece seu lugar de homem vendido e se submete a todos os caprichos de Aurélia, fazendo-se inclusive, passar por um marido de fato, quando o era apenas no papel. Aurélia faz com ele todos os jogos que lhe vêm à cabeça. Não lhe poupa um instante sequer e, muitas vezes, humilha-o diante dos outros. Em alguns momentos se faz de amorosa, despertando nos amigos até um sentimento de inveja. Neste jogo de amor e ódio,ele vai sobrevivendo.
  8. 8. (4º Parte – Resgate) • Finalmente, no mesmo lugar em que fora humilhado há onze meses, Fernando chama Aurélia e lhe devolve o dinheiro. Ela recebe o pagamento de maneira fria, até conferindo os juros para ver se tudo estava certo. Ao encontrar-se livre, Fernando pede para retirar-se e, nesta hora, Aurélia ajoelhando-se a seus pés, confessa-lhe todo o seu amor dizendo em que nenhum instante, a despeito de toda a vingança, ela deixou de amá-lo. Ele resiste alegando que, apesar de também sempre tê-la amado, há entre eles um abismo: a riqueza de Aurélia. Ela, porém, mostra-lhe o testamento feito na noite do casamento. Nele, Aurélia passara todos os seus bens em nome de Fernando Seixas. Assim, o escritor que havia mostrado, em todo o romance, uma mulher forte e altiva, fá-la agora apenas numa mulher romântica e submissa que, em nome do amor, perdoa tudo ao homem amado e se entrega a ele sem reservas.
  9. 9. ELEMENTOS DA NARRATIVA 1.1-PERSONAGENS: • Aurélia de Sousa Camargo: Moça bela de dezoito anos, originalmente pobre, filha de um casamento rejeitado. • Fernando Rodrigues de Seixas: Jovem de classe média,estudante de Direito que aspira ao sucesso. • D.Firmina Mascarenhas: Mãe postiça de Aurélia. • Lemos:Tio de Aurélia. • Adelaide Amaral: Noiva de Torquato e mais tarde de Fernando Seixas. • Pedro de Sousa Camargo: Filho de Lourenço Camargo e Pai de Aurélia e Emílio. • Emília Camargo: Mãe de Aurélia. • Lourenço Camargo: Avô de Aurélia, Pai de Pedro.
  10. 10. 1.2-TEMPO:O tempo é cronológico, sendo, porém,a narrativa organizada de maneira não-linear. O segundo capítulo relata a infância de Aurélia, o que constitui uma quebra da seqüência narrativa. Evidencia-se um contraponto entre o passado,as origens modestas de heroína,a vida dura da infância,o amor puro,e o presente:a herança geradora dos episódios pretendidos por Aurélia,que culminam com o casamento com Fernando Seixas. 1.3-ESPAÇO:O espaço central da narrativa é o Rio de Janeiro (Bairro das Laranjeiras). 1.4-LINGUAGEM:Utilização do recurso da metalinguagem(forma teatral): “Tornemos à câmara nupcial onde se representa a primeira cena do drama original de que apenas conhecemos o prólogo.Os dos atores ainda conservam a mesma posição em que deixamos”. Linguagem simbólica,conotativa(metáfora aliterações( !beliscou o braço”; “bloco de borracha”;eufemismo) “contrabando do amor” em vez de casamento por interesse).
  11. 11. 1.5-FOCO NARRATIVO: O narrador de Senhora,como quase todo narrador romântico,procura criar a impressão de que o seu relato é verídico:teve existência real antes de assumir fora literária.
  12. 12. CLASSIFICAÇÃO LITERÁRIA: ROMANTISMO X REALISMO ROMANTISMO REALISMO 1. A personagem Aurélia 1. A personagem Seixas 2. A valorização do sentimento 2. A ascensão social 3. O arquétipo (ídolo, musa, rainha, 3. As regras da verossimilhança deusa, Sol) 4. A experiência decepcionante 4. O amor idealizado (como Aurélia (Seixas aceitara o dote de imaginava Seixas), a inocência Adelaide) 5. Personagens extraordinárias 5. Personagens vulgares 6. A vida burguesa (as festa) 6. A aparência fiel, seca, 7. A aparência graciosa (o sonho) desagradável mascarando o real
  13. 13. INVESTIGAÇÃO PSICOLÍGICA • Com seus “perfis femininos”, José de Alencar é o primeiro escritor brasileiro a criar personagens traumatizados em nossa literatura.
  14. 14. ANÁLISE CRÍTICA • Em Senhora, temos uma situação invertida. No romance, um homem vende- se a uma mulher, com todas as formalidades comerciais: dinheiro, documentação, assinatura e posse da mercadoria.
  15. 15. Essas Mulheres Baseada no livro Senhora .
  16. 16. COMPONENTES: • Déborah Muniz • Gernanda Batista • Juliana Andrade • Mirla Cerqueira • Tatiane • Thaís Araújo

×