1
Aula 10
O Poder das suas Palavras
DEUS criou o universo, os céus, a terra e tudo o que há nela; criou também o
mundo esp...
2
Podemos, também, ser influenciados por aulas assistidas na faculdade, em algum
curso, na escola bíblica, pois as palavra...
3
Toda palavra liberada deixa a nossa boca “carregada de determinado poder”:
benção ou maldição. Uma palavra bem colocada ...
4
Todos nós prestaremos contas a DEUS.
Temos uma grande responsabilidade diante de DEUS: prestar contas por toda
palavra q...
5
Controlando a língua.
Em virtude de todos esses fatos citados é que satanás briga para ter o controle de
nossa boca e lí...
6
serve para edificação de ninguém, mas somente para difamação, julgamento e distorção
de fatos. Ao praticarmos isso, esta...
7
considerado fofoca. Podemos, por exemplo, contar os fatos sem citar nomes. Desabafar
com seu líder é buscar edificação, ...
8
“As vossas murmurações não são contra nós, e sim contra o SENHOR.” (Êxodo 16:8)
Na realidade, toda murmuração é feita co...
9
• Boato
O boato é uma notícia anônima que se espalha publicamente, que normalmente
visa sujar a imagem de alguém, porém,...
10
última a reconhecer e admitir o seu erro, demorando a perceber que mentira sobre
mentira cria uma armadilha tão perigos...
11
“Estas seis coisas o SENHOR odeia, e a sétima a sua alma abomina: Olhos altivos,
língua mentirosa, mãos que derramam sa...
12
As palavras têm poder, por isso, use a autoridade que DEUS te deu através das
palavras para transformar todas as maldiç...
13
alguém de desgraçado, dizemos que ele não tem a graça de DEUS e, pior do que isso é
quando dizemos que um menino é endi...
14
Uma vida com fundação sólida inicia-se na própria casa, por meio do exemplo dos
pais, uma vez que todo filho toma-os co...
15
“Bendito o DEUS e Pai de nosso SENHOR JESUS CRISTO, o qual nos abençoou com
todas as bênçãos espirituais nos lugares ce...
16
sempre é tempo de mudar, é possível recomeçar e acertar; não precisamos permanecer
atolados na lama.
Nossa boca deve se...
17
tendões sobre eles, e cresceram as carnes, e se estendeu a pele sobre eles; mas não
havia neles o espírito. Então, ele ...
18
organizada, seremos extremamente influenciados a xingar, amaldiçoar, idolatrar,
contaminar-nos com violência, ódio e mo...
19
Só a raça humana, por ser semelhante a DEUS, detém esse poder no falar.
Nenhuma espécie de animal possui esse dom e, co...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

_o_poder_das_suas_palavras

751 views

Published on

OTIMA APOSTILHA

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
751
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
9
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

_o_poder_das_suas_palavras

  1. 1. 1 Aula 10 O Poder das suas Palavras DEUS criou o universo, os céus, a terra e tudo o que há nela; criou também o mundo espiritual, estabelecendo todas as leis e princípios que o regem. DEUS criou tudo através da palavra liberada e, por meio de um comando verbal, o que estava sem forma e vazio, transformou-se em algo com vida. Foram palavras de vida lançadas por Ele. “No princípio, criou DEUS os céus e a terra. E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o ESPÍRITO de DEUS se movia sobre a face das águas. E disse DEUS: Haja luz. E houve luz.” (Gênesis 1:1-3) “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com DEUS, e o Verbo era DEUS. Ele estava no princípio com DEUS. Todas as coisas foram feitas por Ele, e sem Ele nada do que foi feito se fez.” (João 1:1-3) O verbo dá-nos a idéia de uma palavra de ação, com capacidade de mudar totalmente o sentido de algo. JESUS representa o Verbo de DEUS e, através dEle, tudo se fez. Palavras liberadas têm o poder de influenciar. DEUS deu ao homem autoridade nas suas palavras; autoridade essa que lhe permite abençoar ou amaldiçoar. Ao longo da bíblia, podemos ver quão sério é isso, pois são várias as orientações feitas pelo SENHOR quanto ao falar, visto que as palavras podem causar vida e morte. A palavra que sai da boca é uma forma do homem relacionar- se com o seu próximo, com o mundo espiritual e com DEUS, sendo um meio de ordenar fenômenos e idéias, uma forma de comunicação e um meio de obter domínio ou exercer influência, na forma de benção ou maldição. Não precisamos ir muito longe para notarmos o quanto as palavras exercem influência sobre circunstâncias ou pessoas. Programas de televisão, sejam de auditório, jornalísticos ou novelas, têm força influenciadora sobre o comportamento e opinião dos que os assistem. Por meio de palavras liberadas, podemos ser influenciados a mudar a nossa própria postura e opinião. Selecionar aquilo que se ouve e assiste, determina a sua influência: programas de qualidade beneficiarão seu caráter, programas inúteis e cheios de malignidades, por sua vez, te prejudicarão e contaminarão, influenciando negativamente o seu caráter. Quando escutamos os cultos de nossa igreja, podemos ser influenciados, pois as palavras que fluem do altar têm poder e autoridade de alimentar-nos espiritualmente; a idéia do sermão atinge-nos e leva-nos a mudar o nosso caráter de acordo com a vontade de DEUS. Todo pregador, então, ciente do poder que DEUS deu às suas palavras e tendo responsabilidade ao lidar com isso, deve deixar DEUS conduzir os cultos, afinal, uma palavra infeliz liberada do altar também pode influenciar negativamente o caminhar de alguém com CRISTO.
  2. 2. 2 Podemos, também, ser influenciados por aulas assistidas na faculdade, em algum curso, na escola bíblica, pois as palavras lançadas pelos professores possuem poder de transformação e persuasão. Para todos os casos citados acima, as palavras podem ser boas ou ruins. Toda a palavra pode ser expressa na forma de benção ou de maldição. As palavras acionam o mundo espiritual. O mundo natural ou físico reflete os acontecimentos do mundo espiritual, por isso, as palavras que saem da nossa boca, boas ou más, acionam o mundo espiritual para realização de algo no físico ou natural. Elas têm poder de ligar e desligar fatos no mundo espiritual. “Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu.” (Mateus 18:18) Tendo em vista que nossas palavras têm o poder de ligar e desligar acontecimentos no mundo espiritual, por intermédio delas liberamos e também recolhemos palavras do mundo espiritual. Por exemplo, vamos imaginar que uma pessoa lança a seguinte palavra sobre uma criança: “olha como ela é bonita, desse jeito, terá vários namorados, terá o homem que quiser aos seus pés, será tão desejada, que vai ficar rica com isso!”. Esse tipo de frase pode até parecer inocente e sem problemas, mas, a partir do momento que entendemos o funcionamento do mundo espiritual, essa frase tem o efeito de uma sentença de maldição sobre a criança. Se essas palavras não forem quebradas e recolhidas das regiões espirituais, haverá sobre essa vida uma maldição relacionada, entre outras coisas, à sensualidade, à prostituição, à promiscuidade, à vulgaridade. O nosso inimigo não respeita as boas intenções, não respeita nada, a não ser a autoridade espiritual constituída por DEUS. Quando ele encontra palavras de maldição no mundo espiritual, usa essas mesmas palavras contra quem as falou e contra o alvo de tais palavras, sem jamais verificar a intenção daquele que as pronunciou: se boa, se má, se num momento de explosão, etc. Para uma palavra maldita liberada, faz-se necessário o seu recolhimento e a quebra do poder, para que satanás não tenha legalidade de usá-la. As palavras recolhidas e sem efeito de ação, devem ser entregues nas mãos de DEUS, para que Ele dissipe-as. Quebrar maldições e liberar bênçãos. Para cada maldição quebrada, precisamos, em seguida, liberar uma palavra de benção. No exemplo dado anteriormente, podemos declarar que a menina realmente é bonita e sempre será; terá o melhor marido para ela, ambos serão prósperos e felizes, sempre no centro da vontade de DEUS. Ao ligarmos uma palavra aqui no plano natural, ligamos também no plano espiritual, fazendo com que esse decreto retorne para o natural de forma concreta; ao desligarmos uma palavra aqui no plano físico, desligamos no espiritual, e a sentença não mais recai no mundo natural. Sendo assim, precisamos ligar as palavras de benção aqui na terra para que sejam ligadas no céu.
  3. 3. 3 Toda palavra liberada deixa a nossa boca “carregada de determinado poder”: benção ou maldição. Uma palavra bem colocada ou aplicada pode mudar; transformar e erguer uma vida, mas se esta for mal aplicada ou colocada, poderá mudá-la negativamente. As palavras são matérias-primas. Tudo o que falamos é matéria-prima para o mundo espiritual, concedendo legalidade para que nossas palavras sejam pegas e usadas, uma vez que elas geram fatos, acontecimentos em nossas vidas e na dos outros. Não é por menos que satanás briga tanto para ter o controle do nosso falar. Dessa forma, quando liberamos uma palavra de maldição, ela torna-se matéria- prima no mundo espiritual, leva a maldição para aquele sobre quem a proferimos e, ao mesmo tempo, atrai essa maldição sobre nós. Não é diferente com a benção: ao liberarmos uma palavra de benção, ela torna-se matéria-prima no mundo espiritual, leva a benção para aquele sobre quem a proferimos e, ao mesmo tempo, traz essa benção sobre nós. Atrairemos para nossa vida aquilo que liberarmos no mundo espiritual: benção ou maldição. “Nem no teu leito amaldiçoes o rei, nem tampouco no mais interior do teu quarto, o rico; porque as aves dos céus poderiam levar a tua voz, e o que tem asas daria notícias das tuas palavras.” (Eclesiastes 10:20) “Abençoarei aos que te abençoarem, e amaldiçoarei àquele que te amaldiçoar.” (Gênesis 12:3) As palavras liberadas por nossas bocas trazem à existência no mundo natural aquilo que já existe, ou que acaba de existir, no mundo espiritual. As palavras são sementes. Nossas palavras são como sementes no mundo espiritual; os anjos de DEUS e os demônios são como lavradores, que as pegam, plantam e aguardam a colheita. “A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto.” (Provérbio 18:21) Quando um lavrador efetua o plantio, ele não retorna no mesmo dia com o fruto, e nem nos dias seguintes, pois toda semente tem um tempo para cultivo, podendo esse tempo ser de um, dois, três meses ou até quase um ano inteiro. Da mesma forma ocorre no mundo espiritual quando lançamos nossas palavras nele: se lançarmos sementes de benção, o fruto será de benção e se lançarmos sementes de maldição, os frutos serão de maldição; todos colhidos dentro de um determinado tempo no mundo espiritual. Portanto, se utilizarmos bem nossas palavras, saborearemos o fruto de vida que isso nos trará, por outro lado, se utilizarmos nossas palavras de forma ruim, experimentaremos um fruto amargo e podre.
  4. 4. 4 Todos nós prestaremos contas a DEUS. Temos uma grande responsabilidade diante de DEUS: prestar contas por toda palavra que sair da nossa boca. “Assim, pois, cada um de nós dará contas de si mesmo a DEUS.” (Romanos 14:12) “Digo-vos, pois, que de toda palavra frívola que os homens disserem, hão de dar conta no dia do juízo. Porque pelas tuas palavras serás justificado, e pelas tuas palavras serás condenado.” (Mateus 12:36 e 37) Tudo que falarmos em vida será exposto no dia da nossa prestação de contas diante de DEUS e nossas palavras O ajudarão a julgar-nos de forma justa e imparcial. Temos de considerar também nossos pensamentos, pois o problema não está somente em lançar palavras no mundo espiritual. Embora somente DEUS conheça nossos pensamentos e satanás e seus demônios não possam lê-los, eles podem, porém, tentar adivinhá-los através de nossas reações diante das mais diversas situações. Sendo assim, quando pensamentos de maldição ocupam a nossa mente, não sendo repreendidos ou expulsos, passamos a alimentá-los e, em pouco tempo, o que estava somente na mente passa a ocupar tanto o coração, quanto a boca, sendo geradas palavras ao mundo espiritual. É impossível uma pessoa permanecer somente com o pensamento contaminado sem que estes saiam em forma de palavras. “Nem no teu leito amaldiçoes o rei, nem tampouco no mais interior do teu quarto, o rico; porque as aves dos céus poderiam levar a tua voz, e o que tem asas daria notícias das tuas palavras.” (Eclesiastes 10:20) O rei Salomão, o mais sábio que o mundo já teve, instruiu-nos a não amaldiçoarmos em hipótese alguma, seja em público ou no lugar mais reservado que há, onde homem nenhum tem acesso: no coração. Alertou-nos que as aves do céu e aqueles que têm asas trabalhariam sobre as nossas palavras, isto é, o mundo espiritual e os anjos fariam e fazem com que nossas palavras sejam descobertas e ecoadas. Visto esta ser uma verdade espiritual, devemos zelar para que nossas palavras sejam sempre sementes férteis, para transformar situações, quebrar sentenças de maldições e decretar as bênçãos de DEUS. As palavras revelam a nossa fé. As palavras que saem da boca funcionam como um termômetro da fé. Visto que a fé vem pelo escutar a palavra de DEUS, quanto mais palavras abençoadas saírem da nossa boca, maior será a nossa fé e também a fé de quem está ouvindo. Quando escutamos um testemunho de cura, por exemplo, essas palavras geram em nós um aumento de fé. Imagine alguém que está com uma doença e escuta um testemunho de cura da mesma enfermidade que a dele; isso pode ser o ânimo que faltava para sua fé gerar a cura de DEUS. Se DEUS curou um, ele pode e quer curar tantos quantos estiverem necessitados.
  5. 5. 5 Controlando a língua. Em virtude de todos esses fatos citados é que satanás briga para ter o controle de nossa boca e língua, sendo a língua um pequeno órgão com capacidade de gerar grande impacto em nossa vida, exercendo controle sobre todo o nosso corpo. Quando conseguimos dominá-la, podemos perfeitamente dominar nosso corpo. “Meus irmãos, muitos de vós não sejam mestres, sabendo que receberemos mais duro juízo. Porque todos tropeçamos em muitas coisas. Se alguém não tropeça em palavra, o tal varão é perfeito e poderoso para também refrear todo o corpo. Ora, nós pomos freio nas bocas dos cavalos, para que nos obedeçam; e conseguimos dirigir todo o seu corpo. Vede também as naus que, sendo tão grandes e levadas de impetuosos ventos, se viram com um bem pequeno leme para onde quer a vontade daquele que as governa. Assim também a língua é um pequeno membro e gloria-se de grandes coisas. Vede quão grande bosque um pequeno fogo incendeia. A língua também é um fogo; como mundo de iniqüidade, a língua está posta entre os nossos membros, e contamina todo o corpo, e inflama o curso da natureza, e é inflamada pelo inferno. Porque toda a natureza, tanto de bestas-feras como de aves, tanto de répteis como de animais do mar, se amansa e foi domada pela natureza humana; mas nenhum homem pode domar a língua. É um mal que não se pode refrear; está cheia de peçonha mortal. Com ela bendizemos a DEUS e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de DEUS: de uma mesma boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não convém que isto se faça assim. Porventura, deita alguma fonte de um mesmo manancial água doce e água amargosa? Meus irmãos, pode também a figueira produzir azeitonas ou a videira, figos? Assim, tampouco pode uma fonte dar água salgada e doce.” (Tiago 3:1-12) A língua foi criada para ser uma fonte de grandes bênçãos, mas influenciada pelo pecado, ela pode disseminar uma série de males. E para que o cristão domine verdadeiramente este órgão tão pequeno, é necessária uma vida de santidade diante de DEUS. Aquilo que nos influencia vai determinar como utilizaremos a nossa língua, visto sua utilização dar-se em função das influências que recebemos: o maligno pode influenciar-nos no mau uso da língua, gerando em nós o pecado. O ESPÍRITO SANTO, por outro lado, pode influenciar-nos no bom uso dela, gerando vida. Por exemplo: fofocar ou pregar do evangelho de JESUS? Morte ou vida? “Há tagarela cujas palavras ferem como espada; porém a língua dos sábios traz saúde.” (Provérbio 12:18) Da boca podem sair palavras que servem de remédio ou outras que são como uma arma: ferem e matam o próximo. O que deve sair de nossa boca? Remédio ou ferida? Vida ou morte? Edificação ou destruição? Benção ou maldição? Quem deve usar a nossa boca? DEUS ou satanás? Ao bendizermos, estamos permitindo que DEUS fale através de nós, mas, ao maldizermos, permitimos que satanás o faça. • Fofocas Fofoca é uma contaminação da mente, do coração e da boca, através da qual usamos nossas palavras para falar mal de uma pessoa que não está presente para defender-se. A fofoca tem um poder de destruição incrível, pois aquilo que é falado não
  6. 6. 6 serve para edificação de ninguém, mas somente para difamação, julgamento e distorção de fatos. Ao praticarmos isso, estamos desonrando e julgando a pessoa sobre quem falamos, disseminando uma espécie de veneno. Esse veneno, chamado fofoca, é amplamente divulgado nos programas vespertinos da televisão, por exemplo. “Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Aquele que fala mal do irmão, ou julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; ora, se julgas a lei, não és observador da lei, mas juiz.” (Tiago 4:11) As conseqüências podem ser grandes e de difícil controle. Quem faz a fofoca pode ser perdoado, mas na maioria das vezes não consegue conter os danos que causou. A fofoca mata, pois tem poder de destruir a vida da pessoa e a sua reputação. Tudo o que levou anos para ser conquistado, pode ser destruído através de uma fofoca. Uma pessoa pode até ter errado, mas não existem justificativas para espalhar a notícia desse erro de forma a expô-la. O fofoqueiro possui um coração tendencioso ao mal e a ver a queda do seu próximo. DEUS sabe que somos pecadores, Ele perdoa-nos, ajuda-nos a não errarmos mais e não espalha nossos erros para todos. É dessa mesma maneira que devemos ser com nossos irmãos: olhar os outros através da misericórdia e do amor de DEUS. Já pensou se DEUS fizesse fofoca dos nossos erros? “O que encobre a transgressão adquire amor, mas o que traz o assunto à baila separa os maiores amigos.” (Provérbio 17:9) DEUS faz de tudo para que o erro cometido, isto é, o pecado, seja resolvido, mas quando não queremos mudar as nossas atitudes, aí sim as outras pessoas vão percebendo, toda a falha de caráter vem à tona e as conseqüências virão, mais cedo ou mais tarde. DEUS dá-nos inúmeras chances para nos arrependermos de nossos erros, mas quando desprezamos essas chances, os pecados que até então eram segredos tornam-se conhecidos e descobertos. DEUS usa essa situação para correção, disciplina e futura honra, mas satanás usa essa mesma situação para acusação, opressão e vergonha. Uma maneira interessante de sabermos se o que iremos falar é fofoca ou não, é passar por três peneiras: 1a peneira: o que iremos falar é bom e verdadeiro? 2a peneira: o que iremos falar vai edificar a vida do nosso irmão? 3a peneira: o que iremos falar vai melhorar a situação dos envolvidos? Caso não passe nesse teste, o melhor a fazer é controlar a nossa boca e a nossa língua. Mas como agir caso um irmão venha até nós para fazer uma fofoca? Devemos pedir ao irmão que coloque-se no lugar daquele que é alvo da fofoca, compreendendo-o com olhos de misericórdia; Caso o irmão não aceite, devemos pedir a ele para irmos até o outro e juntos orarmos buscando o perdão; Caso, ainda assim, ele não aceite, devemos mostrar a nossa posição contrária à situação e alertá-lo desse mal. Se tivermos um problema entre irmãos em nossas mãos, para o qual não encontramos a solução, podemos levá-lo aos nossos líderes, sem que isso seja
  7. 7. 7 considerado fofoca. Podemos, por exemplo, contar os fatos sem citar nomes. Desabafar com seu líder é buscar edificação, procurar em mãos seguras a solução para um problema. Bem-aventurado é aquele que pacifica a situação. Sejamos agentes de paz e não de guerra! • Murmuração A murmuração acompanha a fofoca e é algo bem sutil aos próprios olhos, a pessoa não percebe que está murmurando. Murmurar é desanimar o próximo, ficar reclamando da vida para os outros, falar mal de DEUS, falar mal dos outros, é reclamar de tudo e de todos: nada está bom, tudo é complicado demais, nada vai dar certo. Murmurar também é falar baixinho, falar para si mesmo e, às vezes, a pessoa chega a ponto de falar sozinha, sem perceber que está murmurando; acaba acostumando-se a fazer isso, tornando-se um vício e, como ocorre em todo vício, ela será a última a notar, criando um grande problema para si mesma. O murmurador contamina a si mesmo e àquele que permanece escutando, por isso, se você estiver na companhia de uma pessoa murmuradora, não permita que ela tome o controle da palavra e, antes que ela fale, fale você! Convença-a que ela pode mudar; seja você aquele que influencia e não o contrário. Toda murmuração é condenada pelo SENHOR, pois é uma atitude de contestação e incredulidade diante de DEUS. “E os homens que Moisés mandara a espiar a terra, e que, voltando, fizeram murmurar toda a congregação contra ele, infamando a terra, Aqueles mesmos homens que infamaram a terra, morreram de praga perante o SENHOR. Mas Josué, filho de Num, e Calebe, filho de Jefoné, que eram dos homens que foram espiar a terra, ficaram com vida.” (Números 14:36-38) Esse texto nos diz que enquanto todo o povo de Israel murmurava, duas pessoas, Josué e Calebe, não caíram nesse erro e essa atitude, permitiu que eles continuassem vivos até a conquista da terra prometida. Ninguém da primeira geração do povo que estava no deserto, com exceção deles, chegou a terra, porque as suas murmurações não permitiram. Josué e Calebe, porém, enxergavam com os olhos da fé, não paravam diante do problema ou reclamavam, mas, antes, fixavam seus olhos na grandeza de DEUS. Por esse motivo, DEUS honrou a postura deles, bem como sempre honrará aquele que o permanece firme nas dificuldades. Palavras de murmuração atrasam as bênçãos e impedem a ação de DEUS em nossas vidas: o que poderia ser feito em um curto espaço de tempo pode prorrogar-se por longos anos, não sendo por culpa de DEUS, mas por nossa; por culpa da nossa murmuração, incredulidade e impaciência. A murmuração sempre nos leva a tomar decisões próprias, sem consultar a DEUS; ela leva-nos a um caminho enganoso. “Então, partiram do monte Hor, pelo caminho do mar Vermelho, a rodear a terra de Edom, porém o povo se tornou impaciente no caminho. E o povo falou contra Deus e contra Moisés: Por que nos fizestes subir do Egito, para que morramos neste deserto, onde não há pão nem água? E a nossa alma tem fastio deste pão vil.” (Números 21:4 e 5)
  8. 8. 8 “As vossas murmurações não são contra nós, e sim contra o SENHOR.” (Êxodo 16:8) Na realidade, toda murmuração é feita contra o próprio DEUS, pois toda vez que murmuramos a respeito de alguém, de uma situação ou de nós mesmos, estamos murmurando contra DEUS e contra os seus planos. A cada murmuração, afastamo-nos de DEUS e cedemos espaço para que o inimigo consiga, de alguma forma, influenciar-nos e prejudicar-nos. “Não murmureis como alguns murmuraram, e foram destruídos pelo exterminador.” (1Coríntios 10:10) O apóstolo Paulo exortou a igreja de coríntios lembrando do que havia acontecido com a nação de Israel após a rebelião liderada por Coré contra os líderes levantados por DEUS - Moisés e Arão. Toda rebeldia contra autoridades levantadas por DEUS significa rebeldia contra o próprio DEUS, e isso resulta em juízo sobre a vida do rebelde. E qualquer ação do inimigo é amparada pela brecha espiritual e pela justiça de DEUS. Quando a pessoa murmura, ela automaticamente cede espaço ao inimigo e se distancia de DEUS. Quando a pessoa não murmura, mas glorifica a DEUS em qualquer situação, ela automaticamente paralisa a ação do inimigo e se aproxima de DEUS. Quer saber o quanto a murmuração esgota a paciência de qualquer um? Experimente permanecer ao lado de alguém que só sabe reclamar da vida, e que em tudo exalta os problemas e as dificuldades. É duro de suportar por muito tempo. Agora, pense na hipótese desse murmurador ser nós, qual seria a opinião de DEUS sobre nossa vida? • Calúnia A Calúnia é uma notícia mentirosa, falsa e inventada a respeito de alguém, ferindo a honra de uma pessoa. “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.” (Êxodo 20:16) Ninguém deve fazer declarações falsas a respeito do caráter ou dos atos de outra pessoa, devemos, porém, falar de modo justo, honesto e sempre verdadeiro a respeito de quem quer que seja, pois DEUS deu-nos a direção de não testemunhar falsamente contra o próximo. Essa direção serve para proteger o nome e a reputação de cada um. “Não espalharás notícias falsas (...) Da falsa acusação te afastarás...” (Êxodo 23:1 e 7) DEUS é o único apto a julgar de forma totalmente imparcial e infalível qualquer pessoa ou situação, por isso, não podemos nos colocar no lugar dEle, querendo exercer o papel de juiz sobre alguém. Aquele, porém, que calunia está automaticamente julgando as pessoas, contudo, DEUS não nos chamou para isso. O caluniador denigre a imagem de alguém, podendo até ser responsabilizado por crime. Atualmente, são inúmeros os processos em andamento na justiça por calúnia. Isso é resultado do hábito ruim que as pessoas desenvolveram de falar inverdades a respeito dos outros, movidas por desejos de competição, ganância, cobiça ou pela maldade, por si só.
  9. 9. 9 • Boato O boato é uma notícia anônima que se espalha publicamente, que normalmente visa sujar a imagem de alguém, porém, é uma informação sem que haja uma confirmação real dos fatos que foram levantados. Boato é o tão conhecido diz-que-me-diz. “Pois não têm eles sinceridade nos seus lábios; o seu íntimo é todo crimes; a sua garganta é sepulcro aberto, e com a língua lisonjeiam.” (Salmo 5:9) Ainda que um fato seja verdadeiro, não devemos espalhá-lo por aí, pois seria uma fofoca; se não temos certeza, então, menos ainda teremos o direito de falar a respeito. Essa atitude, com certeza, procede de um coração impuro. “Não espalharás notícias falsas.” (Êxodo 23:1) Aquele que espalha boatos perde a credibilidade, a confiança, a fidelidade e, também, a amizade. Você não contaria sua vida para alguém que tem por costume espalhar boatos, pois, caso isso acontecesse, faltamente, a amizade terminaria. Isso não ocorre somente diante das outras pessoas, mas também diante de DEUS, pois Ele não se agrada de boatos. Sendo assim, tudo o que sair da nossa boca deve ser verdade, servir para edificação, testemunho e transformação. • Mentira Quando falamos em mentira, logo pensamos no próprio diabo; uma vez que ele é mentiroso e pai da mentira. “Quando ele profere a mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira.” (João 8:44) Ele mente desde o princípio, foi assim que ele apresentou-se a Adão e Eva e é assim que continua apresentando-se para todas as pessoas existentes, sejam seguidoras de CRISTO ou incrédulas. Toda mentira está diretamente associada com as intenções malignas de satanás, portanto, todo aquele que diz uma mentira, acaba sendo instrumento nas mãos dele. Os discípulos de JESUS não podem aceitar qualquer tipo de mentira, todos os desejos mentirosos que passam pela mente devem obrigatoriamente ser repreendidos, pois eles entendem a gravidade de uma mentira e esforçam-se, lutando contra essa prática, para que de forma alguma caiam nesse erro. Há pessoas que, apesar de mentir, sempre procuram uma justificativa para tal prática. Ocorre, porém, que toda a justificativa impede o reconhecimento genuíno do erro e o conseqüente arrependimento, levando à continuidade dessa atitude. Nesse caso, não há mudança e, sem mudança, não há novidade de vida da parte de DEUS. Não existem mentiras pequenas ou grandes; inofensivas ou nocivas: mentira é mentira em qualquer lugar do planeta e é algo totalmente contrário aos princípios ordenados por DEUS, até mesmo porque, ela pode tornar-se um vício. Isso ocorre quando a pessoa não consegue mais deixar de mentir, chegando ao ponto de usar uma nova mentira para tentar concertar a anterior, ou talvez, considerando a mentira uma atitude normal e inofensiva no seu dia-a-dia. Como acontece com todo viciado, tal pessoa é a
  10. 10. 10 última a reconhecer e admitir o seu erro, demorando a perceber que mentira sobre mentira cria uma armadilha tão perigosa, que pode lançar uma pessoa do alto para o chão, de uma hora para outra, sofrendo grande queda, ocasionando imensas dores. “Disse o SENHOR a Moisés: Fala a toda a congregação dos filhos de Israel e dize- lhes: Santos sereis, porque Eu, o SENHOR, vosso DEUS, sou Santo.....Não furtareis, nem mentireis, nem usareis de falsidade cada um com o seu próximo.” (Levítico 19:1, 2 e 11) Infelizmente estamos num mundo que incentiva o uso da mentira como argumento para obter sucesso, à custa do fracasso do outro. Pessoas mentem para conseguir promoções profissionais, por exemplo, e fazem isso porque não confiam e não descansam em DEUS. Elas mentem para ganhar dinheiro, para serem valorizadas e reconhecidas por homens. Precisamos ser francos e assumir que a mentira também pode estar dentro da igreja: cristãos mentem para serem alvos de elogios e atenções, para se promoverem, para serem considerados pessoas super espirituais; mentem em seus próprios testemunhos e experiências pessoais com JESUS, com o intuito de ver quem é o mais abençoado. Tudo isso é o mesmo que roubar a glória de DEUS; distorcer a maneira como Ele age dentro de uma congregação. DEUS não precisa das nossas fantasias e invenções para ser glorificado. A mentira trás conseqüências desastrosas na vida de quem quer que a pratique. A palavra de DEUS afirma que os mentirosos não viverão a eternidade ao lado dEle. “Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte.” (Apocalipse 21:8) Portanto, ao nos apresentarmos diante de DEUS, sejamos um testemunho de verdade, e não de uma vida frágil, falsa e cheia de aparências enganosas. • Palavrão Palavrão é toda palavra torpe que sai da boca de uma pessoa: palavras repugnantes, obscenas, pesadas e grosseiras que costumam rechear a boca e também o coração daqueles que ainda vivem nas práticas mundanas. “Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, e sim unicamente a que for boa para edificação, conforme a necessidade, e, assim, transmita graça aos que ouvem.” (Efésios 4:29) O palavrão é aquela palavra que dói aos ouvidos de quem escuta e que contamina a alma, sendo totalmente oposta àquela palavra que trás refrigério e graça. Todo palavrão vem acompanhado de violência, raiva, ódio, ciúmes, vingança, malícia, prostituição, vícios, promiscuidade e morte. • Contenda entre irmãos A contenda entre irmãos é algo abominável aos olhos de DEUS.
  11. 11. 11 “Estas seis coisas o SENHOR odeia, e a sétima a sua alma abomina: Olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, o coração que maquina pensamentos perversos, pés que se apressam a correr para o mal, a testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos.” (Provérbio 6:12- 19) Quando DEUS abomina algo é porque sente uma aversão a isso. É triste ser observado por DEUS e tido como alguém que pratica o que é abominável a Ele. Nós podemos ser um agente da água ou do fogo: a palha que alastra o fogo ou o balde que o apaga. “Sem lenha, o fogo se apaga; e não havendo maldizente, cessa a contenda.” (Provérbio 26:20) Satanás precisa de pessoas aqui na terra para levar os planos de destruição e morte adiante; sem os homens, ele não conseguiria alimentar-se do fruto do pecado. Isso vale para as igrejas também, pois para satanás agir dentro de uma congregação ele, necessariamente, precisa encontrar a porta do coração dos membros, no mínimo, destrancada. Às vezes, ele acha essa porta semi-aberta ou escancarada. Satanás não tem a autoridade por si só e não consegue destruir uma congregação pela sua própria força, na verdade, ele arranca essa autoridade da mão do cristão por meio do pecado. Quando contendemos entre nós, perdemos a autoridade delegada por DEUS e a entregamos na mão do inimigo. Dessa forma, se uma congregação vier a ser destruída, certamente isso acontecerá pelas contendas e competições entre irmãos, situação essa preparada pelo inimigo. • Palavras de maldição Palavras de maldição são sentenças lançadas sobre uma pessoa ou sobre algo, que de forma intencional ou não, podem causar prejuízos em vários aspectos: sentimentais, financeiros, profissionais, entre tantos outros. Mesmo quando lançamos palavras ou sentenças de maldição sem a intenção de que realmente se cumpram, visto termos falado na ignorância ou inocência, essas palavras ou sentenças ficam registradas no mundo espiritual, à disposição dos demônios, para utilização. Sendo assim, palavras como sentenças de morte, fracasso, falência, incompetência e tantas outras, devem ser canceladas no mundo espiritual. É possível quebrar uma sentença contrária às nossas vidas, por intermédio de orações que possam ser ouvidas pelo mundo espiritual, cura interior e libertação. Dessa forma, cancelamos e anulamos todas as maldições, vínculos com as trevas, legalidade dada ao diabo de agir contra nossas vidas ou contra a dos outros. Será que você consegue lembrar-se de alguma dessas frases durante a sua vida? - Palavra de desânimo: “não consigo”; “não tem jeito”; “é melhor eu me conformar com isso”. - Palavra de derrota: “não vai dar certo”; “ele nunca será alguém na vida”. - Palavra de condenação: “ele é assim mesmo”; “sou isso e aquilo”; “nasci para perder”.
  12. 12. 12 As palavras têm poder, por isso, use a autoridade que DEUS te deu através das palavras para transformar todas as maldições em bênçãos. Se as sentenças malditas ainda não foram quebradas na sua vida, faça isso imediatamente por intermédio da oração, pedindo perdão a DEUS e a seu próximo, recolhendo todas as palavras lançadas nas regiões celestiais e entregando-as ao SENHOR: substitua essas sentenças malditas por declarações benditas sobre a sua vida e sobre a vida do seu irmão. “Mas o nosso DEUS converteu a maldição em benção.” (Neemias 13:2) O poder de DEUS é indiscutível e infinitamente maior que a força de satanás, por isso, no momento em que Ele quiser, uma maldição pode ser revertida em benção. Contudo, precisamos entender que temos um chamado para guerrear ao lado do SENHOR e Ele conta com uma postura ativa de nossa parte e não omissa ou passiva, cientes de que nossas palavras movem o mundo espiritual a nosso favor, de forma a atrairmos as bênçãos de DEUS. A seguir veremos de que forma a maldição pode atingir as pessoas: Amaldiçoar a si próprio “Amou a maldição: ela o apanhou; não quis a bênção: aparte-se dele.” (Salmo 109:17) É comum ter-se a idéia de que a maldição somente vem por meio de alguém que nos amaldiçoa, mas a verdade é que, na maioria das vezes, nós mesmos o fazemos, de forma involuntária e inconsciente. Ao agirmos dessa forma, recebemos as conseqüências da liberação deste tipo de palavra: “sou idiota, não presto para nada, meu destino é sofrer mesmo, sou azarado, etc”. Tais expressões dão legalidade aos espíritos malignos para agirem conforme o declarado, afetando, inclusive a auto-estima quando, por exemplo, fala-se do corpo: “não gosto do meu cabelo, sou gordo, não tenho nenhuma beleza, etc”. Essas queixas abrem as portas para o maligno agir através da depressão e da tristeza. Lembrem-se, DEUS deu ao homem a autoridade nas suas palavras. Portanto, precisamos prestar muita atenção com as palavras que saem da nossa boca. Amaldiçoar o próximo Cada cristão deve vigiar sua fala, cuidando para não lançar palavras de maldição contra alguém. “Pois tu sabes que muitas vezes tu mesmo tens amaldiçoado a outros.” (Eclesiastes 7:22) A maldição pode ocorrer através de poucas palavras, porém, suficientes para trazer desgraça a uma pessoa, considerando que uma palavra errada já pode travar a vida de alguém. É comum usarmos palavras ou expressões cujo significado verdadeiro desconhecemos. No Brasil, por exemplo, comumente usamos a expressão “danado”, que quer dizer “condenado ao inferno”, assim, ao chamarmos um menino de danadinho, mesmo sem ter a intenção, estamos dizendo ”condenadinho” ao inferno. Ao chamarmos
  13. 13. 13 alguém de desgraçado, dizemos que ele não tem a graça de DEUS e, pior do que isso é quando dizemos que um menino é endiabrado. Amaldiçoar as autoridades Vivemos num país que enfrenta sérias dificuldades financeiras, onde a maior parte da população vive em condições econômicas de pobreza ou miséria. Em função dessa dificuldade financeira, o homem está muito propenso a descarregar suas indignações nas autoridades civis, como o presidente, governador, prefeito, vereador, deputado, entre outras e, geralmente, o faz com palavras pesadas e de maldição. O cristão precisa ter cuidado para não agir de maneira pecaminosa, pois quando os governantes são amaldiçoados, as conseqüências recaem sobre a população em geral. “Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; e, se tu julgas a lei, já não és observador da lei, mas juiz. Há só um legislador que pode salvar e destruir. Tu, porém, quem és, que julgas a outrem?” (Tiago 4:11-12) Toda autoridade é constituída sob a vontade permissiva de DEUS, por isso, ao julgá-las ou condená-las, estamos fazendo isso contra o próprio DEUS. A vontade de DEUS é que os governantes sejam abençoados por intermédio de nossas orações, por isso, se virmos algo errado na conduta de um líder civil, devemos orar pedindo que DEUS mude a sua vida e derrame sabedoria sobre ele. A nossa oração faz com que máscaras caiam, a corrupção seja descoberta, a lei penal seja manifesta, entre outras formas de mudanças. Esse mesmo princípio é aplicado à autoridade espiritual: toda autoridade espiritual foi levantada por DEUS, desde um líder de célula, até o apóstolo de uma igreja, por isso, nosso dever é orar e abençoar. Amaldiçoar os filhos Todos os pais têm como obrigação educar seus filhos a fim de que cresçam em graça e sabedoria diante do SENHOR; utilizando-se, para tanto, palavras edificantes, construtivas e estimulantes, além de ensinarem os valores e princípios instituídos por DEUS. “Ensina a criança no caminho em que se deve andar, e ainda quando for velho não se desviará dele.” (Provérbio 22:6) As crianças, geralmente, são cheias de disposição e energia, o que, em determinados momentos, pode levá-las à desobediência, conduzindo os pais ao lançamento de palavras pesadas sobre elas. DEUS ensina, contudo, os pais a exortarem seus filhos, não descarregando sobre eles seus problemas ou preocupações, em forma de sentenças de maldição ou agressões. “E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do SENHOR.” (Efésios 6:4)
  14. 14. 14 Uma vida com fundação sólida inicia-se na própria casa, por meio do exemplo dos pais, uma vez que todo filho toma-os como referencial de indivíduos e casal: aquele que cresce sendo xingado, fará o mesmo com seus filhos e esposa; se viveu num lar cheio de brigas e agressões, levará essas experiências negativas para o futuro lar. Aquele, porém, que cresce observando a paz, o companheirismo, a educação e os valores cristãos em seu lar, tende a reproduzir isso no futuro, fazendo disso seu referencial de vida. Todas as atitudes, palavreados e reações dos pais são observados pelos filhos. Amaldiçoar os pais Pai e mãe são autoridades espirituais sobre os filhos e sobre a casa. Dessa forma, os filhos devem prestar muita atenção ao que DEUS fala sobre isso: “Filhos, obedecei a vossos pais no SENHOR, pois isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa) para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra.” (Efésios 6:1-3) Honrar pai e mãe significa cuidar deles quando for necessário ou a idade exigir, respeitá-los e ser grato por cada esforço e preocupação demonstrados, obedecê-los, de forma a escutar sabedoria e experiência de vida que tenham, é fazer tudo de acordo com as instruções deles, desde que essas mesmas instruções não contrariem a palavra de DEUS. Todas essas atitudes chamam a benção de DEUS sobre a vida dos filhos. DEUS falou que todos nós daremos conta de tudo aquilo que sair da nossa boca, pois tudo trará consigo uma conseqüência positiva ou negativa, por isso, além da preocupação com o que sai da nossa boca, devemos tomar cuidado para não cairmos numa religiosidade sobre tudo isso, entrando numa paranóia de que as maldições sejam tantas e impeçam-nos de sermos abençoados. Devemos crer que o ESPÍRITO SANTO nos alertará e mostrará toda maldição que deve ser quebrada ou, ainda, DEUS usará profetas, pregações, revelações específicas durante nosso devocional, a fim de alertar-nos. Por isso, é importante mantermos uma vida de intimidade com DEUS, afinal, é Ele quem nos alertará sobre uma eventual maldição, seja uma palavra do passado que ficou registrada nas regiões espirituais ou, ainda, um trabalho de feitiçaria que esteja sendo feito contra a igreja. Existem maldições que DEUS já quebrou e nem ficamos sabendo, bem como há outras que Ele quer revelar-nos, para que as quebremos e, dessa forma, dar-nos experiência, crescimento e discernimento espirituais. • Palavras de bênção O que DEUS espera de cada um de nós é que façamos um bom uso da boca e da língua. DEUS deu-nos autoridade nas palavras; uma boca para abençoar ao próximo, a si mesmo e bendizer a DEUS. “E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.” (Gênesis 12:3) O processo é o mesmo tanto para a benção, quanto para a maldição: ao amaldiçoarmos alguém, prejudicamos a vida da pessoa e atraímos a mesma maldição sobre nós, ao abençoarmos, porém, ajudamos a pessoa e a nós mesmos, uma vez que a benção também recai sobre nós.
  15. 15. 15 “Bendito o DEUS e Pai de nosso SENHOR JESUS CRISTO, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em CRISTO.” (Efésios 3:1) Pensar antes de falar. O SENHOR ensina-nos a sermos tardios no falar, isto é, devemos pensar antes de falar qualquer coisa, para não sermos precipitados nas nossas declarações, expondo conclusões equivocadas. Essa é uma maneira de usarmos nossa boca, de tal maneira a agradarmos a DEUS. “Todo homem seja tardio para falar.” (Tiago 1:19) Por muitas vezes, uma primeira impressão a respeito de um fato, leva-nos a uma conclusão falsa que não corresponde à realidade. “Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra alguma... Sejam poucas as tuas palavras.” (Eclesiastes 5:2 e 3) Na condição de cristãos, precisamos deixar que a nossa língua seja totalmente controlada pelo ESPÍRITO SANTO, sabendo falar ou calar no momento certo. As palavras têm poder e autoridade, elas não podem ser jogadas ao vento, é necessário que sejam sérias, com objetivos bem definidos, cheias de autoridade e unção. Existirão momentos de falar e momentos de se calar; haverá horas que DEUS dirá: “fique quieto e escute”; bem como, existirão horas que Ele dirá: “abra a tua boca, pois quero falar através da tua vida”. O curioso é que haverá mais momentos de escutar do que de falar. Talvez por isso mesmo DEUS tenha nos dado uma boca e dois ouvidos, ao invés de duas bocas e um ouvido. Assim como num jogo de xadrez, em que o jogador pensa muito antes de mover uma peça, analisando não só o momento, mas o futuro e as conseqüências que sua jogada trará, evitando o erro para obtenção da vitória, uma palavra bem lançada pode levar-nos à vitória, mas se for mal lançada, à derrota. Muitas confusões, brigas, desunião na família ou no casamento, poderiam ser evitadas se pensássemos antes de falar: quem sabe a família estivesse unida? O filho não tivesse entrado para o mundo do crime? Quem sabe estivesse ainda nos caminhos do SENHOR? São várias as hipóteses, mas, pelo menos, uma certeza nós temos: as palavras que saem de uma boca bem controlada por DEUS evitam uma série de problemas. Seria ótimo se pudéssemos voltar ao passado e mudar muitas frases que dissemos, mas infelizmente não existem máquinas do tempo para ajudar-nos e nunca existirão, pois Ele não permite esse poder aos homens e, isso, para que todos saibam que só o SENHOR é DEUS. As decisões a respeito do tipo de palavras a serem usadas, são tomadas no dia-a- dia e são essas decisões que sinalizarão o nosso futuro. Um futuro de benção e de paz faz-se com o plantio de palavras de benção e de paz. Um futuro de maldição e de guerra faz-se com o plantio de palavras de maldição e de guerra. Há uma boa notícia, contudo:
  16. 16. 16 sempre é tempo de mudar, é possível recomeçar e acertar; não precisamos permanecer atolados na lama. Nossa boca deve ser uma arma sempre engatilhada e pronta a todo instante para atirar e lançar palavras de benção sobre o próximo, sobre nós e sobre o nosso DEUS. Palavras de incentivo: “Irmão, você vai conseguir, você é uma benção!”. Palavras de vitória: “Eu sou mais que vencedor em Cristo JESUS, eu vou conseguir!”. Palavras de conforto: “Persevere, pois DEUS é fiel e te honrará!”. Palavras de gratidão: “Bendito é o meu DEUS a quem eu sirvo por amor!”. Apropriar-se das palavras. Visto a Bíblia ter sido escrita para nós, podemos lê-la em primeira pessoa e viver o que nela está escrito. “O que habita no esconderijo do Altíssimo, e descansa à sombra do Onipotente, diz ao SENHOR: meu refúgio e meu baluarte, DEUS meu, em quem confio. Pois Ele te livrará do laço do passarinheiro, e da peste perniciosa.” (Salmo 91:1-3) Agora vamos ler esse texto em primeira pessoa e viver essa palavra na nossa vida, tomar posse, declarar para todo o mundo espiritual ouvir: “Eu que habito no esconderijo do Altíssimo, e descanso à sombra do Onipotente, digo ao SENHOR: meu refúgio e meu baluarte, DEUS meu, em quem confio. Pois Ele me livrará do laço do passarinheiro, e da peste perniciosa.” Da mesma forma, podemos fazer isso com grande parte dos textos bíblicos. A autoridade que DEUS deu-nos por meio de Sua Palavra, leva-nos a recebermos tudo aquilo que Ele tem para nós. • Profetizar DEUS incentiva-nos a profetizar, isto é, declarar o cumprimento de Suas promessas, Sua Palavra, nas situações, em nossa vida ou na do nosso próximo. Profetizar é diferente de ter o dom de profecia; assim como todos foram chamados para orar, mas nem todos têm o dom da intercessão. O SENHOR quer que profetizemos sobre as situações complicadas aos olhos humanos, fazendo-nos enxergar com os olhos dEle: enxergar vida no lugar de morte, restauração no lugar de destruição; lembrando que tudo o que ligarmos na terra, será ligado no céu. “Então, me perguntou: Filho do homem, acaso, poderão reviver estes ossos? Respondi: SENHOR DEUS, tu o sabes. Disse-me ele: Profetiza a estes ossos e dize- lhes: Ossos secos, ouvi a palavra do SENHOR. Assim diz o SENHOR DEUS a estes ossos: Eis que farei entrar o espírito em vós, e vivereis. Porei tendões sobre vós, farei crescer carne sobre vós, sobre vós estenderei pele e porei em vós o espírito, e vivereis. E sabereis que eu sou o SENHOR. Então, profetizei segundo me fora ordenado; enquanto eu profetizava, houve um ruído, um barulho de ossos que batiam contra ossos e se ajuntavam, cada osso ao seu osso. Olhei, e eis que havia
  17. 17. 17 tendões sobre eles, e cresceram as carnes, e se estendeu a pele sobre eles; mas não havia neles o espírito. Então, ele me disse: Profetiza ao espírito, profetiza, ó filho do homem, e dize-lhe: Assim diz o SENHOR DEUS: Vem dos quatro ventos, ó espírito, e assopra sobre estes mortos, para que vivam. Profetizei como ele me ordenara, e o espírito entrou neles, e viveram e se puseram em pé, um exército sobremodo numeroso.” (Ezequiel 37:3-10) Ezequiel estava diante de uma situação catastrófica, mas foi instruído por DEUS para liberar palavras que revertessem aquela situação desfavorável. Sob tal instrução, de fato, todo o quadro reverteu-se, passando de morte para vida. Se teu irmão só dá mau testemunho, declare que isso já é passado, profetizando que ele nunca mais servirá de pedra de tropeço, liberando palavras de vitória no nome de JESUS. Além disso, aconselhe-o, a fim de evitar novos erros. Caso o problema seja pessoal, aja da mesma forma, mude isso no mundo espiritual e a conseqüência virá no mundo físico. Persevere, lute até o fim e jamais pare na adversidade. Declare sobre a sua própria vida as palavras necessárias para sua mudança. Uma palavra bem lançada ao alvo muda a história de uma vida, por exemplo: cinco minutos gastos na companhia de um morador de rua, escutando sua história e falando a ele palavras proféticas, pode tirá-lo dessa condição, pode ser aquele impulso que faltava para restauração dele. Sua palavra de conforto ao irmão angustiado tem o poder de mudar o rumo da vida dele. A sua palavra profética lançada sobre você mesmo tem o poder de te erguer e de te dar a vitória. A sua palavra bendita ao SENHOR tem o poder de te aproximar de DEUS. Existem várias formas de profetizar, entre elas podemos citar a leitura da palavra, a oração ou, então, a adoração. Cada um de nós deve fazer uma profunda reflexão sobre como temos usado a nossa língua: para o bem ou para o mal. Se o uso não for abençoado é necessário revê-lo e empenhar-se numa mudança, a fim de assumir o caráter de JESUS. A santidade deve envolver a nossa vida por completo, inclusive o falar. A intimidade com DEUS gera em nós um coração limpo, tornando nossas palavras agradáveis às pessoas. Não podemos ter duas fontes de água em uma mesma boca, uma para lançar palavras doces e outra para lançar palavras amargas. Assim como de uma cachoeira é impossível brotar água salgada, da nossa boca também precisa ser impossível sair palavras de maldição. “O homem bom, do bom tesouro do coração tira o bem, e o mau do mau tesouro tira o mal; porque a boca fala do que está cheio o coração.” (Lucas 6:45) Saberemos qual é o nível da nossa intimidade com DEUS pelas palavras que saem de nossa boca, pois a boca fala do que está cheio o coração. De um coração limpo saem palavras limpas e de um coração sujo, palavras sujas. O nosso redor nos influencia. Aquilo que está no nosso redor pode influenciar nossas atitudes, de modo semelhante a uma ida ao estádio de futebol, em que podemos escolher entre ficar na arquibancada ou no meio da torcida organizada. Se escolhermos ficar na torcida
  18. 18. 18 organizada, seremos extremamente influenciados a xingar, amaldiçoar, idolatrar, contaminar-nos com violência, ódio e morte, por outro lado, se ficarmos na arquibancada, em meio às famílias, nosso foco estará apenas na diversão e no entretenimento. Não devemos nos assentar na roda dos escarnecedores, para que não sejamos influenciados por idéias contrárias às de DEUS. Todas as vezes que ouvimos aquilo que não edifica e aceitamos, estamos sujando-nos e gerando pensamentos contrários à palavra de DEUS; o que devemos fazer, porém, é preservar nosso coração de toda espécie de contaminação. “Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.” (Salmo 1:1) É impossível ser um verdadeiro servo de DEUS e, ao mesmo tempo, compartilhar conversas mundanas com teores de erotismo, piadas de mau gosto, palavrões, dentre outros. Toda palavra liberada fica registrada. Na bíblia, estão escritas palavras ditas por JESUS e, embora, tenham se passado mais de dois mil anos, elas continuam sendo pregadas para salvação e cura, exatamente como antes. As palavras propagam-se à uma velocidade assustadora e ficam registradas na história: tudo o que falamos aqui está sendo registrado no plano espiritual. “A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um.” (Colossenses 4:6) O apóstolo Paulo, inspirado por DEUS, aconselhou-nos a proferirmos palavras exclusivamente agradáveis, temperadas, equilibradas, amáveis, graciosas e, acima de tudo, verdadeiras, assim como eram as de JESUS. Este é o motivo pelo qual Ele atraía multidões: as palavras que saíam de Sua boca e coração eram acompanhadas de atitude. Quando as palavras se revertem em atitudes, faz toda uma diferença na vida. “De boas palavras transborda o meu coração (...) Nos teus lábios se extravasou a graça; por isso DEUS te abençoou para sempre.” (Salmo 45: 1 e 2) Essa maneira de viver só pode ser inspirada por DEUS e só é possível se desenvolvermos um caminhar com JESUS, pois assim, estaremos cheios e transbordantes do ESPÍRITO SANTO. Há um princípio espiritual atrás do poder das palavras: “se toda a palavra falada por DEUS não volta vazia, a nossa condição de representantes dEle aqui na terra faz com que toda a palavra por nós falada também não volte vazia”. Por isso, é importante vigiarmos nossa boca, aproveitando o poder conferido por DEUS a nós. “Porque assim como descem a chuva e a neve dos céus, e para lá não tornam, sem que primeiro reguem a terra e a fecundem e a façam brotar, para dar semente ao semeador e pão ao que come, assim será a palavra que sair da minha boca: não voltará para mim vazia, mas fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a designei.” (Isaías 55: 10 e 11)
  19. 19. 19 Só a raça humana, por ser semelhante a DEUS, detém esse poder no falar. Nenhuma espécie de animal possui esse dom e, como nós não somos animais, mas sim imagem e semelhança de DEUS, nossa palavra inspirada pelo ESPÍRITO de DEUS é um comando de ordem ao mundo espiritual. Resta-nos conhecer e dominar esse dom: consolar ou afligir? Construir ou destruir? Ensinar ou enganar? Alegrar ou entristecer? Devemos tomar posse das palavras de benção e rejeitar as palavras de maldição. Questões relacionadas ao estudo. 1) Para onde vão e o que acontece com as palavras que saem de nossa boca? 2) Em poucas palavras, o que você entende por fofoca, murmuração e mentira? 3) Quais os tipos de palavras de maldição? Comente pelo menos dois deles. 4) Como DEUS espera que usemos nossa língua e boca? 5) Qual o sentido de profetizar na vida de outra pessoa? Aula prática. Durante a semana, procure ver somente as qualidades das pessoas. Caso veja algum defeito, procure mudar isso com palavras de benção. Distribua palavras que abençoem e transformem vidas. Exercite sua língua de forma a agradar a DEUS.

×