Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império

2,229 views

Published on

Estudos para o CACD - Missão Diplomática
missaodiplomatica.blogspot.com.br

História do Brasil - Período Imperial
primeiro reinado
regência
segundo reinado

Published in: Education
  • Be the first to comment

Estudos CACD Missão Diplomática - História do Brasil Aula Resumo 03 - Império

  1. 1. História do Brasil Aula 03: Período Imperial Primeiro Reinado Regência Segundo Reinado 19.12.2013
  2. 2. Aula 03 – Império
  3. 3. Aula 03 – Império 1 Primeiro Reinado 1.1 Primeiro Reinado: situação interna 1.2 Primeiro Reinado: política externa 2 Regência 3 Segundo Reinado 3.1 Economia: A importância do Café 3.2 Sociedade e Cultura – Romantismo e Racismo 3.3 Relações com a Inglaterra 3.4 Abolicionismo e Imigração européia 3.5 Conflitos na Região do Prata 3.6 Guerra do Paraguai 4 Crise do regime Monárquico
  4. 4. Aula 03 – Império
  5. 5. 1.1 Primeiro Reinado: situação interna . Prioridade na Unificação Nacional . Disputa entre D.Pedro I e elite reinol contra elite colonial - D.Pedro e elite reinol desejavam Monarquia Absolutista - Elite colonial desejava Monarquia Constitucional e descentralização de poder . Constituição de 1824 - D.Pedro dissolve assembléia constituinte de 1823 e outorga Constituição de 1824 com concentração do poder Imperial (Poder Moderador) . Confederação do Equador - movimento revolucionário no nordeste brasileiro, com foco em Pernambuco, em reação à Constituição autoritária de 1824 - caráter separatista e republicano - revolução desejava formar república nos moldes da constituição da Colômbia Aula 03 – Império
  6. 6. 1.2 Primeiro Reinado: Política externa .Prioridade no reconhecimento da Independência . Intransigência de Portugal em reconhecer Independência brasileira - Princípio da legitimidade dinástica: entre os reinos participantes da Santa Aliança a independência não poderia ser reconhecida sem o aval da coroa portuguesa . Mediação e influência da Inglaterra - atuação de George Canning (secretário - Foreign Office britânico) - atuação nos processos de reconhecimento do novos países latino-americanos para obter vantagens políticas e comerciais para o Reino Britânico - Reconhecimento das independências do México, Colômbia e Argentina (Buenos Aires) força Portugal a também reconhecer independência Brasileira . Guerra da Cisplatina (1825 a 1828) - conflito contra o processo de independência da Província Cisplatina do Brasil - Província Cisplatina teve apoio das Províncias Unidas do Rio da Prata (atual Argentina) - após 500 dias de luta e sem chegar a um vencedor, através de mediação da Inglaterra foi assinado o Tratado de Montevidéu dando origem ao atual Uruguai, independente do Império Brasileiro Aula 03 – Império
  7. 7. Aula 03 – Império
  8. 8. 2 Período Regencial . Período marcado por grave crise político institucional . Disputa pelo poder por 3 grupos: - Restauradores: defendiam volta de D.Pedro I ao poder - Conservadores: Monarquistas moderados interessados na manutenção do poder centralizado - Liberais: reformistas progressivos desejavam governo descentralizado . 2 períodos distintos: - Avanço Liberal de 1831 a 1837 - Regresso Conservador de 1837 a 1840 . Revoltas - Cabanagem (Grão-Pará – 1835/1840) revolta popular contra condições de miséria - Balaiada (Maranhão – 1838/1841) revolta popular contra exploração dos grandes proprietários rurais - Sabinada (Bahia – 1837/1838) revolta militares e das classes médias e ricas contra governo regencial - Farrapos (RS – 1835/1845) revoltosos (farroupilhas) lutam por liberdade e reformas econômicas . Golpe da Maioridade - Os políticos e grande parte da população entendiam que as crises poderiam ser resolvidas com a figura de um Imperador forte e com poderes para controlar a situação - O Senado, com apoio do partido Liberal, em 1840 antecipou a maioridade de D.Pedro II (13 anos) e declarou o fim da Regência Aula 03 – Império
  9. 9. Aula 03 – Império
  10. 10. Aula 03 – Império
  11. 11. 3.1 Economia: histórias do Império e do Café se misturam . Brasil integrou-se ao mercado mundial mantendo estrutura de exportador de matérias primas e produtos agrícolas . Declínio Açúcar e crescimento Café – a partir 1840 cultura cafeeira já era o produto mais importante da economia . Barões do Café: Em troca serviços prestados à corte, comerciantes tropeiros, proprietários rurais e altos funcionários estatais foram recompensados com terras no Vale do Paraíba . Oeste Paulista pólo econômico: Produção cafeeira torna região pólo econômico mais importante do país propiciando transformações que conduziriam o país para o capitalismo industrial . Surto ferroviário e Urbanização: necessário para escoamento da produção de café do interior para o litoral de Santos – ferrovias ligadas ao processo de urbanização . Barões do café e a criação dos Bancos: barões migram para cidades, deixando as fazendas nas mãos de administradores e passam a se dedicar mais ao comércio do café e das finanças . Origem dos primeiros bancos e das casas comissárias (intermediárias no comércio de café para outros fazendeiros) . Café se torna financiador da industrialização . Capital Inglês ingressa no mercado nacional – empréstimos p/ construção de ferrovias, infra-estrutura da cidades Aula 03 – Império
  12. 12. Aula 03 – Império
  13. 13. 3.2 Sociedade e Cultura . Criação das primeiras faculdades – Direito (SP) e Olinda (1827) . Direito e elite: A formação jurídica desempenhava papel fundamental na criação da elite dominante . Romantismo e Racismo: escritores engajados em criar imagem idealizada de nação brasileira europeizada (passado indígena e expurgo do elemento negro e mestiço) . Escritores eram também políticos: Gonçalves Dias, José de Alencar, Joaquim Manuel de Macedo, Gonçalves de Magalhães . José de Alencar racista: escritor era grande crítico do abolicionismo . Com extinção do tráfico (1850) e Lei do Ventre Livre (1851) não era mais possível ignorar negro como membro da comunidade nacional . Sílvio Romero e Nina Rodrigues introduzem mestiçagem como elemento de formação do povo brasileiro (ótica de novas correntes científicas européias sobre inferioridade das raças não brancas) . Para Sílvio Romero o elemento branco seria “vencedor” e em 3 séculos a população estaria “branqueada” – defensor da emigração européia como fator “branqueador” . Consciência abolicionista no final do século XIX traz para o plano político a necessidade de integrar o negro à população – sob pena de inviabilizar a nação Aula 03 – Império
  14. 14. 3.3 Relações com a Inglaterra . No primeiro momento todos os esforços para reconhecimento internacional da Independência . Em troca do reconhecimento, Brasil assina tratados comerciais e faz concessões, aprofundando mecanismos de dependência . Somente após 1844 o governo adota política externa para interesses internos: 1) Controle de política comercial e autonomia alfandegária 2) Extinção do tráfico e estímulo à imigração 3) Sustentação dos limites territoriais / fronteiras 4) Prioridade para os interesses na região Platina . Expiração do tratado de tarifas privilegiadas para produtos britânicos (1844) e instituição de nova tarifa (Alves Branco) privilegiando produtos nacionais . Tensões com Inglaterra devido ao tráfico de escravos: Ingleses caçam, prendem e julgam traficantes e chegam a fundar navios brasileiros em território nacional . Clímax dos problemas em 1850 faz com que o tráfico seja definitivamente extinto Aula 03 – Império
  15. 15. 3.4 Abolicionismo e Imigração européia . Pressões inglesas para o fim do tráfico e da escravidão . Fim do tráfico (Lei Euzébio de Queiroz 1850) . Economia cafeeira busca mecanização e novas técnicas para substituição dos escravos . Declínio do Vale do Paraíba – falta de capital para modernização . Expansão do Oeste Paulista – Barões do Café . Substituição gradativa de escravos por imigrantes italianos . Discussões entre elite e fazendeiros: - elite desejava atrair imigrantes como fator de “branqueamento” da sociedade – concedendo terras aos imigrantes - fazendeiros desejavam somente substituir mão de obra escrava e eram claramente contrários à concessão de terras aos imigrantes Aula 03 – Império
  16. 16. Aula 03 – Império
  17. 17. 3.5 Região do Prata . Brasil e Argentina “herdam” conflito entre Portugal e Espanha sobre o domínio da região do rio da Prata . Entre 1821 e 1828 a região chamada Cisplatina (atual Uruguai) esteve anexada como província brasileira . Com independência do Uruguai o Brasil preferiu manter neutralidade na época . Após a regularização das questões internas (revoltas e unificação do Estado) e das questões externas (relações com Inglaterra e o tráfico de escravos), Brasil resolve dar atenção à região sul e fixar seus interesses de expansão e controle sobre a região . Política intervencionista: guerra contra Rosas e Oribe vencida pelo Brasil (1852) . Guerra do Paraguai (1864 a 1870) – Argentina e Uruguai aliados . Vitória na guerra do Paraguai consolida Brasil como potência regional Aula 03 – Império
  18. 18. 3.6 Guerra do Paraguai Fatores e objetivos da Guerra do Paraguai: 1) Impedir formação de um Estado nacional forte e unificado nas fronteiras do sul 2) Garantir posição hegemônica na América do Sul 3) Garantir livre navegação e livre acesso ao Mato Grosso 4) Proteger interesses comerciais e bancários na região 5) Interesses da classe escravista em relação aos concorrentes na região 6) Expansão das fronteiras Aula 03 – Império
  19. 19. 4 Crise no sistema Monárquico . Cenário após Guerra do Paraguai: a) Fortalecimento do Exército b) Aprofundamento das contradições do regime monárquico c) Insatisfações dos Barões do Café em SP d) Crise econômica devido guerra prolongada . Exército vitorioso negligenciado e em segundo plano na política nacional – recursos insuficientes, salários baixos . Exército como forma de concessão de favores (cargos, serviços) . Monarquia centralizada não era representativa, ineficiente, corrupta e clientelista . Barões do café sem representatividade, sem autonomia e sem apoio do Governo Central . Barões do café e Governo de SP arcaram com todos os custos de substituição da mão de obra escrava por imigrantes . Devido à política clientelista no início do Império, as províncias do RJ, BA, PE e MG possuíam mais representatividade apesar do predomínio econômico de SP . Criação e fortalecimento do Partido Republicano Paulista (PRP) em 1872 . Proclamação da República em 1889 liderada pelo exército e pela elite paulista Aula 03 – Império
  20. 20. missaodiplomatica.blogspot.com.br

×