Minas Invest Projetos Enunciacao E Objeto

1,153 views

Published on

briefings do projetos em curso da MinasInvest

Published in: Education, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,153
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
48
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Minas Invest Projetos Enunciacao E Objeto

  1. 1. Termos de Referência/pre-Projetos Plano de Ação
  2. 2. <ul><li>ALIANÇA PRO MINAS </li></ul><ul><li>CIA MINAS </li></ul><ul><li>PAINÉL DA INOVAÇÃO </li></ul><ul><li>REDE “MINAS É INOVAÇÃO” CEDA – CENTRO DE ECONOMIA DIGITAL </li></ul><ul><li>CENTRO DE REFERÊNCIA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA </li></ul><ul><li>FAIRTRADE </li></ul><ul><li>CENTRO DE INTELIGÊNCIA EM LOGÍSTICA </li></ul><ul><li>OBSERVATÓRIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL </li></ul><ul><li>CAIXA DE FERRAMENTA DE GESTÃO PARA PME´S </li></ul><ul><li>PORTAL DE GESTÃO AGRÍCOLA </li></ul><ul><li>PORTAL DE GESTÃO ADVOCATÍCIA </li></ul><ul><li>PROJETO BIOVALE: TURN-KEY NA CADEIA PRODUTIVA DO BIODIESEL </li></ul><ul><li>TEIAS – TEIA DE EMPREENDEDORES/EXECUTIVOS DE IMPACTO AMBIENTAL E SOCIAL </li></ul><ul><li>CARBONOSOCIAL ZERO </li></ul>PROJETOS EM CURSO
  3. 3. REDE “ALIANÇA PRO MINAS” CONVERGÊNCIA DE ACÕES NA NOVA ECONOMIA DA INOVACÃO
  4. 4. ATIVIDADES PRINCIPAIS <ul><li>Criar e gerenciar a Rede “Minas é Inovação” para sustentar respaldo público a longo-prazo para a inovação, construir colaborações dinâmicas dentro do ecosistema da inovação e assumir os papéis de divulgação e formulação de conceitos com vistas a informar permanentemente a mídia, o público e os formuladores de políticas acerca dos benefícios da inovação e estratégias para atingir esses benefícios. </li></ul><ul><li>2. Produzir um Painel da Inovação bienal avaliando o desempenho da inovação no Estado e no país na economia global. </li></ul><ul><li>3. Criar uma plataforma de comercialização da inovação – UILO (University/industry Liaision Office)e Central de Projetos </li></ul><ul><li>Estas iniciativas devem ser holisticamente arquitetadas e gerenciadas entre todos os agentes e coordenadas empresarialmente, com respaldo de outras organizações nacionais e internacionais. </li></ul><ul><li>A Rede deve ser lançada como uma iniciativa Público-privada, com o reconhecimento de que desenvolvimento é missão de todos. </li></ul>
  5. 5. FUNCÕES DA REDE <ul><li>Periodicamente, revisar as tendências da inovação global, o painel da inovação e priorizar os temas mais viáveis para se abordar os desafios estratégicos futuros. </li></ul><ul><li>Avaliar o progresso do conhecimento em relação a esses temas, apontar lacunas de pesquisa e contornar barreiras às políticas e estratégias da inovação. </li></ul><ul><li>Criar redes de formulação de conceitos no entorno das prioridades de pesquisa, capital humano, desenvolvimento de força de trabalho e mobilidade, financiamento à inovação, globalização do capital intelectual, coesão da inovação . </li></ul><ul><li>Identificar formas inovadoras de compartilhar descobertas, práticas e propostas e atuar como uma fonte de informações de inovação para a Administração Pública, jornalistas, educadores, público em geral e demais agentes. </li></ul><ul><li>Fortalecer o capital intelectual Estadual por meio do diálogo, trabalho em equipe e parcerias entre os participantes da Rede. </li></ul><ul><li>Aportar visão, liderança, apoio, incentivos, visibilidade e motivação para a próxima geração de inovadores de classe mundial . </li></ul><ul><li>Conectar o mercado com as inovações, fomentando a criação de “spin-offs” </li></ul>
  6. 6. CONVERGÊNCIA DE ACÕES <ul><li>A Rede “Minas é Inovação” se propõe a atuar como plataforma de infra-estrutura e gestão na implementação da finalidade do SIMI- Sistema Mineiro de Inovação, de “ promover convergência de ações governamentais, empresariais, acadêmicas de pesquisa e tecnologia para, de forma cooperada, desenvolver a inovação no Estado de Minas Gerais.” </li></ul>
  7. 7. AMBIENTE DA INOVACÃO FORMULADORES DE POLÍTICAS REDE “MINAS É INOVAÇÃO” – GOVERNO DE MINAS FORUM MINEIRO DA INOVACÃO ACÕES DE GOVERNO ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA SECTES/SIMI SEDE TI INSTITUTO PEABIRUS GOVERNANÇA SECTES GESTÃO MINASINVEST SETOR PRODUTIVO SOCIEDADE CIVIL CENTORS DE PESQUISA
  8. 8. REDE “MINAS É INOVACÃO” CIA MINAS CIA DE INOVAÇÃO APLICADA EMPREENDENDO A INOVAÇÃO
  9. 9. <ul><li>Como parte integrante da Rede ‘MINAS É INOVAÇÃO”, o objetivo da CIA MINAS é facilitar a criação de novos empreendimentos comercializando os resultados da pesquisa universitária com vistas a gerar retorno econômico para as partes. </li></ul><ul><li>Ao aproximar empresas com as tecnologias e recursos da Universidade, cria-se parcerias entre pesquisadores e empreendedores nos mercados local e global. Estes vínculos geram novos investimentos e benefícios econômicos de longo-prazo para a universidade, seus parceiros corporativos e a comunidade. </li></ul><ul><li>Dotar o setor produtivo/mercado de fonte de interface e provisão de serviços capazes de atender as suas demandas tecnológicas. </li></ul>OBJETIVOS ESTRATÉGICOS Apoiar o potencial do Estado de Minas Gerais numa Parceria Público-Privada inovadora e atuar como catalizadora da inovação- buscando oportunidades para criar parcerias comerciais entre o setores Público, acadêmico e privado.
  10. 10.   <ul><li>META: </li></ul><ul><li>Articular a criação de parcerias (spin-offs) entre a universidade e o Mercado para comercializar os resultados da pesquisa das universidades e Centros de pesquisa do Estado de Minas Gerais, com vistas a trazer retorno econômico para os sócios do novo empreendimento. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>RESULTADO ESPERADO: </li></ul><ul><li>Gerar investimentos em novos negócios e benefícios para a universidade, seus parceiros industriais e a comunidade. </li></ul><ul><li>Gerar uma interface altamente eficaz, em que as demandas do mercado sejam atendidas pela produção da pesquisa universitária. </li></ul><ul><li>Aumentar significativamente o índice histórico (6%) de comercialização das patentes registradas pelas universidades </li></ul>META E RESULTADO
  11. 11. REDE “MINAS É INOVACÃO” PAINEL DA INOVAÇÃO
  12. 12. <ul><li>Criar e disponibilizar ferramentas permanentes capazes de abordar a necessidade de políticas e métricas de inovação eficazes que possam traduzir o dinamismo da economia global de rede baseada no conhecimento e trazer competitividade às empresas e bem-estar à sociedade. </li></ul><ul><li>Criar um Painel da Inovação com indicadores de medição da inovação em Minas Gerais no contexto da economia global, ajudando os tomadores de decisão com referenciais (benchmarks) e monitorando o desempenho da inovação, estabelecendo novos parêmetros para a gestão Pública e as estratégias empresariais. </li></ul>CRIANDO INDICADORES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS
  13. 13. <ul><li>Indicadores de conhecimento . Ainda contabilizamos equipamento, toneladas de aço, transações, número de PhDes, patentes: deveríamos contabilizar o conhecimento que está atrás de sua criação e os modos em que se desenvolve e se difunde. </li></ul><ul><li>Redes . As inovações contemporâneas envolvem uma gama de organizações e redes. É fundamental desenvolver indicadores compostos que contabilizem tanto os contratos comerciais como as alianças estratégicas, licenciamento da propriedade intelectual, colaboração e troca de conhecimento em todos os níveis. </li></ul><ul><li>Condições para a inovação . Demanda econômica, ambiente de políticas Públicas, infra-estrutura, atitudes sociais e fatores culturais são críticos para o êxito da inovação. Mas o que se espera é a criação de métricas sistêmicas de inovação capazes de depreender o contexto em que as organizações se formam e casar expectativas com capacitações para inovar. </li></ul>MÉTRICAS RELEVANTES O PAINEL DA INOVAÇÃO visa identificar as métricas mais relevantes da 4ª Geração de inovação:
  14. 14. <ul><li>Fomentar as ações da gestão Publica para uma agenda de inovação </li></ul><ul><li>consistente e a longo-prazo, </li></ul><ul><li>Criar padrões ( ‘Benchmark) de desempenho da economia com base nos padrões internacionais, </li></ul><ul><li>Aumentar a conscientização e compreensão Pública e privada dos benefícios da inovação, </li></ul><ul><li>Chamar a atenção do tomador de decisão às questões críticas, barreiras da inovação e formas alternativas de política, </li></ul><ul><li>Servir de apoio à tomada de decisão para alavancar o crescimento da economia, do emprego e da competitividade empresarial, </li></ul><ul><li>Sinalizar oportunidades e ameaças emergentes, </li></ul><ul><li>Criar parâmetros para bancos de dados mais calibrados e confiáveis para análise de investimento, depuração de intangíveis e gestão de risco, </li></ul><ul><li>Estabelecer critérios de avaliação para programas de inovação governamentais, </li></ul><ul><li>Melhorar a compreensão da inovação, que tem sido confinada no lado empírico em função da falta de métricas apropriadas para interligar insumos, processo e produto. </li></ul>RESULTADOS ESPERADOS
  15. 15. REDE “MINAS É INOVACÃO” UMA ALIANÇA NA INSERÇÃO DE MINAS NA NOVA ECONOMIA DA INOVAÇÃO
  16. 16. A REDE “ MINAS É INOVAÇÃO” respalda, organicamente, o potencial do Estado de Minas Gerais numa Parceria Público-Privada inovadora e atua como catalizadora da inovação no desenvolvimento sócio-econômico- buscando oportunidades para criar parcerias comerciais entre o setor Público , a iniciativa privada e os Centros de Conhecimento “ O SIMI – Sistema Mineiro de Inovação, tem por finalidade promover convergência de ações governamentais, empresariais, acadêmicas de pesquisa e tecnologia para, de forma cooperada, desenvolver a inovação no Estado de Minas Gerais.” “ O estado de Minas Gerais povoado de empresas inovadoras, com bem-estar e qualidade de vida para a sociedade .“ Visão da MinasInvest VISÃO
  17. 17. IDÉIA-FORÇA: FORTALECER E LIGAR A GESTÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO AOS ATOS ECONÔMICOS. A colaboração do conhecimento e dos negócios pode trazer benefícios estratégicos para Minas Gerais, interagindo com o Governo em seus objetivos econômicos de base mais ampla. O papel da REDE “ MINAS É INOVAÇÃO” é somar esforços operacionais com a capacidade instalada do Governo para direcionar e atrair os investimentos, negócios e conhecimento em inovação com vistas a acelerar as metas e objetivos econômicos do Governo Estadual, traduzidas no PMDI 2007/2011/23 através dos 5 Eixos Estratégicos, 11 Áreas de Resultado e os 50 Projetos Estruturadores, enquanto o SIMI “ pretende, pioneiramente, ser a mais promissora iniciativa para promover uma articulação dinâmica e permanente para a inovação.” O Governo, contando com o alavancagem operacional da Rede “MINAS É INOVAÇÃO”, agiliza medidas que aumentam o impacto econômico dos investimentos , ambiente de negócios e oxigenação de conhecimento adotando políticas que sustentam as metas econômicas mais amplas e de longa duração. IDÉIA-FORÇA
  18. 18. <ul><li>A Rede “ Minas é Inovação” tem por objetivo finalístico facilitar a criação de novos empreendimentos comercializando os resultados da pesquisa universitária com vistas a gerar retorno econômico para as partes. </li></ul><ul><li>Ao aproximar empresas com as tecnologias e recursos da Universidade, cria-se parcerias entre pesquisadores e empreendedores nos mercados local e global. Estes vínculos geram novos investimentos e benefícios econômicos de longo-prazo para a universidade, seus parceiros corporativos e a comunidade. </li></ul><ul><li>QUEREMOS que Minas seja um “hub”, um pólo de conhecimento na economia nacional, com reputação não apenas na descoberta científica e tecnológica, mas também na liderança de transformar conhecimento em produtos e serviços inovadores. </li></ul><ul><li>Embora o Governo atual tenha tido o mérito de estabelecer os fundamentos de uma nova economia através de um arrojado programa de choque de gestão capaz de equilibrar as políticas macro-econômicas e fiscais, outras medidas que afetam diretamente a inovação precisam ser adotadas, criando e implementando um programa de reforma micro-econômica e ambiente de negócios. </li></ul>O QUE QUEREMOS
  19. 19. CEDA CENTRO DE ECONOMIA DIGITAL APLICADA INSERINDO O BRASIL NA ERA DIGITAL
  20. 20. MISSÃO <ul><li>A missão do Centro de Economia Digital Aplicada é ser uma fonte de liderança em inovação, criação de conhecimento, disseminação e utilização, em teoria e prática de gestão para empreendimentos digitais. </li></ul><ul><li>Para atingir esse objetivo, é preciso estabelecer um programa de pesquisa em larga escala, em parceria com centros de excelência internacionais, com vistas a investigar as tendências e técnicas mais recentes no negócio digital. </li></ul>
  21. 21. O MODELO DE PESQUISA <ul><li>A meta principal da pesquisa é estimular essas estruturas experimentais naturais para modelar e medir mais consistentemente como essas novas tecnologias impacta a organização das empresas, o fluxo do trabalho e da produtividade e o desempenho de seus empregados. </li></ul><ul><li>&quot;Negócio digital&quot; é parte integrante da corporação moderna da atualidade.A tecnologia é invasiva. O Centro se propõe a focar apenas nos aspectos de domínio digital que detenha o conhecimento em seu quadro e em parcerias e alianças estratégicas com centros especializados de comprovada competência. As áreas iniciais de foco a serem exploradas e desenvolvidas pelos Grupos de Interesse (GI) serão quatro: </li></ul><ul><li>Produtos e Serviços em TI </li></ul><ul><li>Mercado futuro da Comunicação </li></ul><ul><li>Estratégia de Marketing Digital </li></ul><ul><li>Produtividade Digital </li></ul>
  22. 22. Centro de Referência de Produção mais Limpa e Pólo de Resíduos Industriais
  23. 23. <ul><li>Empreendimento de um pólo constituído por diferentes empresas de tratamento de resíduos industriais (processadores), cuja gestão será financiada, controlada e administrada por empresas geradoras dos resíduos, sob a supervisão técnica e administrativa de um centro de referência especializado em resíduos. </li></ul><ul><li>Este pólo terá como principal objetivo a definição da melhor rota de tratamento, considerando as tecnologias mais adequadas e que representem um menor custo (econômico, financeiro e ambiental) de tratamento e destinação final. </li></ul>OBJETIVOS
  24. 24. <ul><li>Pólo : otimização técnica e econômica ao estabelecer um compartilhamento entre os geradores para a viabilização de soluções; </li></ul><ul><li>Centro de referência tecnológica: institucionalizar uma responsabilidade compartilhada e organizada das questões técnicas; </li></ul><ul><li>Logística : otimização da cadeia de suprimento ao centralizar várias tecnologias em um pólo, reduzindo assim um dos maiores custos (transporte); </li></ul><ul><li>Triagem: otimização deste item ao estabelecer segregação e destinação técnica qualificada para o tratamento e destinação final, garantindo não só a melhor solução, mas permitindo tecnicamente o exercício da reciclagem; </li></ul><ul><li>Tecnologias: acessibilidade a tecnologias atuais, ao estabelecer um centro de referência em resíduos para o Pólo. </li></ul>OBJETIVOS
  25. 25. Comércio Justo e Solidário “ Fairtrade”
  26. 26. <ul><li>A MinasInvest tem dentre seus objetivos estatuários: </li></ul><ul><li>“ A promoção de empreendimentos sócio-econômicos, gerando investimentos para o desenvolvimento sustentável de Minas Gerais ...visando: </li></ul><ul><li>“ ...como resultado final, a obtenção de Índice de Desenvolvimento Humano situado entre os melhores em nível mundial.” </li></ul><ul><li>“ ... Experimentação de sistemas alternativos de produção e comércio, em ações de desenvolvimento sócio-econômico, </li></ul><ul><li>“ ... Destacadamente o comércio justo e solidário (fairtrade) </li></ul>Fairtrade: um objetivo
  27. 27. <ul><li>Prestação de serviços visando a preparação e a capacitação dos pequenos e médios produtores/ proprietários rurais pobres da região semi-árida dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri em Minas Gerais, para a comercialização de sua produção em mercados alternativos nacional e internacional; </li></ul><ul><li>Prestação de serviços visando a organização do comércio de forma associativa, a otimização dos custos, bem como reduzir a participação dos intervenientes do comércio convencional, pelo desenvolvimento de canais diretos de comercialização e distribuição; </li></ul><ul><li>Assessorar os pequenos e médios produtores/proprietários rurais pobres, com o objetivo de estabelecer um mercado seguro, bem como fornecer apoio sob a forma de treinamento, pesquisa de mercado e práticas comerciais; </li></ul><ul><li>Desenvolver metodologias alternativas de comércio visando proporcionar aos produtores rurais um rendimento justo pelo seu trabalho e pela sua produção; </li></ul><ul><li>Preparar a implementação dos requisitos necessários à certificação dos produtos voltados ao Comércio Solidário e Justo, através do selo FLO (FairTrade Labelling Organization); </li></ul><ul><li>Dar suporte técnico para a formação e o fortalecimento de aglomerações produtivas locais, promovendo a sua internacionalização; </li></ul>Objetivos
  28. 28. Centro de Inteligência em Logística Aplicada e “Supply Chain Management”
  29. 29. <ul><li>Criar a nova geração do conhecimento em logística no Brasil, aplicada às demandas reais de mercado por meio de práticas empresariais/acadêmicas. </li></ul><ul><li>Gerar indicadores de custos logísticos e de desempenho nas cadeias de suprimento. </li></ul><ul><li>Antecipar tendências </li></ul><ul><li>Para atingir seus objetivos, o Centro de Inteligência em Logística Aplicada e gestão da cadeia de suprimento se orienta em quatro programas: </li></ul><ul><li>Pesquisa aplicada em gestão da logística e da cadeia de suprimento </li></ul><ul><li>Estudos, construção de metodologias e planos de geração do conhecimento </li></ul><ul><li>Empresas Líderes em Logística </li></ul><ul><li>Executivos em Logística </li></ul>OBJETIVOS
  30. 30. <ul><li>Inteligência da cadeia de suprimento : formulando análises do Mercado de logística, fluxos e parâmetros econômicos a partir da América do Sul nos diversos segmentos no que se refere a uma efetiva gestão avançada da cadeia de suprimentos. </li></ul><ul><li>Arquitetura e Planejamento da Cadeia de Suprimento: desenvolvendo tecnologias (conceitos, metodologias e algorítmos) capazes de otimizar a cadeia (modos,rotas e processos ) nas operações e horizonte de médio e longo-prazo. </li></ul><ul><li>Otimização da Cadeia de Suprimento : aprofundando as capacitações na rede global da cadeia, envolvendo os respectivos modais de transporte por meio de simulação intensiva da rede em bases regionais e internacionais: logística portuária e marítima, consolidação das plataformas (hubs) de logística , armazenagem e flexibilização dos centros regionais de distribuição etc </li></ul><ul><li>Tecnologia da Cadeia de Suprimento : envolvendo pesquisa investigativa e desenvolvimento de inovação tecnológica em parceria com outras organizações especializadas, particularmente em logística de E-commerce - desenvolvendo tecnologias capazes de apoiar os processos de infra-estrutura física relacionadas ao comércio eletrônico e Internet. </li></ul>conteúdo programático
  31. 31. <ul><li>LÍDERES EM LOGÍSTICA : parceiros corporativos altamente especializados </li></ul><ul><li>em logística que contribuem para a consecução dos objetivos do Centro de </li></ul><ul><li>conteúdo programático e funding . </li></ul><ul><li>Os membros avaliam periodicamente os conteúdos dos programas e a agenda de pesquisa e trabalham com os consultores, corpo docente e pesquisadores. </li></ul><ul><li>Participam da criação de padrões de excelência na pesquisa e no treinamento, contribuindo financeiramente para o fundo de desenvolvimento do Centro. Os recursos são destinados a: </li></ul><ul><li>Pesquisa contextual : novos conhecimentos, ferramentas e ganhos relacionados ao interesse direto do parceiro corporativo </li></ul><ul><li>Pesquisa colaborativa : motivada pela pesquisa contextual, mas orientada à criação de novos conhecimentos e ferramentas de interesse a longo-prazo do mercado. </li></ul><ul><li>Capacitação de executivos : disponibilizada aos seus profissionais </li></ul>conteúdo programático
  32. 32. Observatório do Desenvolvimento Sustentável
  33. 33. OBJETIVOS GERAIS <ul><li>Dotar Minas Gerais de um portal para investidores (Bolsa Eletrônica de projetos) </li></ul><ul><li>Criar um Observatório inovador para os tomadores de decisão, gerando cenários de longo prazo para a economia mineira. </li></ul><ul><li>Sistematizar e aprimorar as bases de dados sócio-econômicos de Minas Gerais </li></ul>
  34. 34. <ul><li>DADOS : estimulam as escolhas a serem feitas e permite que </li></ul><ul><li>dados prioritários em termos de desenvolvimento sustentável sejam identificados. </li></ul><ul><li>ANÁLISE : Indicadores permitem que tendências passadas sejam mensuradas, mudanças possíveis sejam planejadas e fenômenos não sustentáveis sejam melhor avaliados; </li></ul><ul><li>APURAÇÃO : Indicadores ajudam a fixar metas focadas em resultados e progresso de mensuração em relação aos alvos já fixados e a ajustar a distância para atingir as metas (Indicadores de desempenho); </li></ul><ul><li>RELATAÇÃO : Indicadores geram informações gerenciais mais objetivas e consistentes e, portanto, constituem um veículo de comunicação privilegiado. </li></ul><ul><li>BOLSA ELETRÔNICA DE PROJETOS E OPORTUNIDADES </li></ul><ul><li>Ferramenta que disponibiliza e compatibiliza , por meio eletrônico, a oferta de recursos, projetos e oportunidades com a demanda . </li></ul>Insumos e produtos
  35. 35. Caixa de Ferramenta de Gestão para PME´s
  36. 36. <ul><li>OBJETIVOS GERAIS: alavancar o crescimento e inserção internacional das pequenas e médias empresas brasileiras disponibilizando, por meio da Internet, um conjunto robusto de ferramentas de gestão . </li></ul><ul><li>OBJETIVOS ESPECÍFICOS: </li></ul><ul><li>Acesso a ferramentas de gestão; </li></ul><ul><li>Identificação de oportunidades de negócios; </li></ul><ul><li>Disseminação do conhecimento de gestão empresarial; </li></ul><ul><li>Facilitação de redes e promoção de sua ação; </li></ul><ul><li>Criação de processos de aprendizagem interativos; </li></ul><ul><li>Aumento da participação no mercado nacional e internacional </li></ul>OBJETIVOS Rede de compartilhamento de competências (Parceria): Governo, IFC/Banco Mundial, Organizações de Apoio a PME´s, Empresas de TI, Business School, MinasInvest
  37. 37. Portal de Gestão Agrícola
  38. 38. <ul><li>Criar uma plataforma de gestão agrícola que promova a cultura de planejamento e aprendizado contínuo, aumentando a competitividade das fazendas-empresas brasileiras e posicionando o país como centro de conhecimento e modelo de qualidade no setor </li></ul><ul><ul><li>Aplicar práticas de gestão agrícola e implantar certificações de qualidade </li></ul></ul><ul><ul><li>Difundir conhecimento e melhores práticas agrícolas através de uma plataforma de automação alinhada e orientada a processos </li></ul></ul>OBJETIVOS Rede de compartilhamento de competências : Invit Information Services, Investidores, MinasInvest
  39. 39. ENCÁDIA: Portal de Gestão Advocatícia
  40. 40. <ul><li>Criar um serviço completo de gestão advocatícia que integre o fluxo de negócios e de conhecimento entre empresas e escritórios e destes entre si, maximizando o potencial de negócios e melhorando o desempenho geral da indústria </li></ul>OBJETIVOS GERAIS
  41. 41. <ul><li>Criar um novo e revolucionário modelo de serviços de TI </li></ul><ul><li>ao mercado de advocacia </li></ul><ul><li>Criar um negócio com alto potencial de expansão internacional </li></ul><ul><li>Integrar as mais modernas tecnologias para gestão do conhecimento, colaboração e gestão de processos de negócio </li></ul><ul><li>Integrar serviços administrativos e técnicos, automação e recursos tecnológicos numa única proposta de valor </li></ul><ul><li>Criar uma comunidade digital que sirva de canal integrado aos vários serviços e produtos orientados à advocacia </li></ul><ul><li>Catalisar a maturidade administrativa e conceitual da indústria advocatícia </li></ul><ul><li>Promover a inclusão digital de pequenos e médios escritórios de advocacia </li></ul><ul><li>Apoiar as formas de Assistência Jurídica pro b ono e as escolas de Direito na formação do advogado </li></ul>OBJETIVOS ESPECÍFICOS
  42. 42. <ul><li>Serviços de automação cobrindo todo o ciclo dos serviços advocatícios, com desdobramentos em gestão da terceirização (para o segmento corporativo/departamentos jurídicos) e em funções administrativas e comerciais (para o segmento de escritórios) </li></ul><ul><li>Gestão de conteúdo (arquivologia e biblioteca) e gestão de conhecimento dentro de escritórios e departamentos e entre a comunidade </li></ul><ul><li>Mobilidade e exposição à Internet de forma a estender o escritório e maximizar a interação do profissional e do escritório com a solução de gestão, com seu cliente e com a comunidade </li></ul><ul><li>Capacitação e assessoria (técnica, administrativa e conceitual) presenciais e automatizadas, ampliando o alcance e a efetividade da solução e a maturidade dos escritórios e departamentos jurídicos </li></ul><ul><li>Agregação de conteúdo jurídico digital, serviços de apoio a atividade-fim (terceirização de processos de negócio) e serviços de conveniência ao advogado e ao escritório </li></ul><ul><li>Integração de recursos de infra-estrutura (hardware, software e telecomunicações) num único pacote comercial de gestão </li></ul>CONTEÚDO DO PROJETO
  43. 43. PROJETO VEREDAS PARA O GRANDE SERTÃO desenvolvimento tecnológico, gestão agrícola e industrial na cadeia produtiva do biodiesel Uma alternativa para investimentos socialmente responsáveis
  44. 44. DESCRIÇÃO SUMÁRIA METAS resíduos agrícola indústria pesquisa <ul><li>A multiplicação das mudas por cultura de tecidos garante a produção de mudas uniformes. </li></ul><ul><li>A inoculação das mudas com fungos “micorrízicos arbusculares”, assegura o afloramento em até 7 meses. Além da aceleração do crescimento, essa técnica in vitro de produção de mudas de pinhão manso micorrizado conduz à uma produtividade e biomassa mais elevadas, da ordem de 30%. </li></ul><ul><li>A associação de mudas com fungos “micorrízicos arbusculares” (FMAs) contribui para o desenvolvimento vegetal, refletindo não apenas no aumento da biomassa e na morfogênese radicular, mas também no controle biológico às pragas e doenças. </li></ul>
  45. 45. DESCRIÇÃO SUMÁRIA METAS resíduos agrícola indústria pesquisa <ul><li>Utilização de torta do pinhão-manso para produção de composto, cogumelos e ração animal. </li></ul><ul><li>Estudar os processos de compostagem da torta de pinhão manso e avaliar o potencial da utilização de fungos de podridão-branca na destoxificação de resíduos de torta de pinhão manso para posterior utilização como ração animal ou produção de cogumelos comestíveis. </li></ul><ul><li>A bioconversão transformaria o resíduo, hoje considerado tóxico e somente aplicado diretamente no solo e, potencialmente poluentes, em produtos com alto valor agregado. </li></ul><ul><li>Utilização de glicerina para produção de produtos de interesse industrial </li></ul>
  46. 46. DESCRIÇÃO SUMÁRIA METAS resíduos Agrícola indústria pesquisa <ul><li>Formação e organização de Cooperativas de agricultores de Pinhão-manso – CAPIM </li></ul><ul><li>Implantação de 60.000 hectares de lavoura de pinhão- manso em 66 municípios do Norte de Minas e Vales do Jequitinhonha e Muruci </li></ul><ul><li>Implantação de 90.000 hectares de lavoura de pinhão-manso em 22 municípios no Vale do Piranga, MG </li></ul><ul><li>Produção de 44.000 toneladas/ao ano de óleo vegetal de pinhão-manso para a produção de biodisel </li></ul>
  47. 47. METAS resíduos agrícola indústria pesquisa <ul><li>Instalação de unidades descentralizadas de extração de óleo vegetal e sub-produtos mediante processos mecânicos. </li></ul><ul><li>Comercialização do óleo bruto para indústrias de produção de biodiesel e/ou investimentos em planta de transesterificação. </li></ul><ul><li>Logística reversa e aproveitamento de óleo reciclado para produção de biodiesel </li></ul>
  48. 48. Teia de Empreendedores/Executivos com Impacto Ambiental e Social
  49. 49. OBJETIVOS O Projeto TEIAS - Transformando o Empreendimento em Impacto Ambiental e Social visa capacitar executivos e empreendedores para uma sociedade global sustentável. O Projeto TEIAS - Teia de Empreendedores & Executivos com Impacto Ambiental e Social visa organizar, coordenar, inspirar e divulgar as capacitações de uma rede inovadora e impactante de MBAs, estudantes graduados, profissionais e empreendedores socialmente responsáveis. <ul><li>TEIAS: </li></ul><ul><li>compartilhamento </li></ul><ul><li>TEIAS: </li></ul><ul><li>capacitação </li></ul>O Programa TEIAS desdobra-se em dois projetos :
  50. 50. CONCEITOS <ul><ul><li>TEIAS consiste em uma teia de líderes, empreendedores e executivos de negócio, comprometidos a usar o poder e as ferramentas empresariais para melhorar as condições sociais e ambientais. </li></ul></ul><ul><ul><li>TEIAS acredita que negócios combinam com lucro, mudanças sociais positivas, equidade, ética e respeito aos ecosistemas em que estão inseridos em sua transformação. </li></ul></ul><ul><ul><li>PARTICIPANTES DA TEIAS : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Líderes em RSC (Responsabilidade Social Corporativa) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Empreendedores sociais </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Especialistas em meio ambiente e energia renovável </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Diretores e executivos de organizações sem fins lucrativos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Agentes e fomentadores de desenvolvimento </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Investidores socialmente responsáveis </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Executivos em administração de negócios </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Teias locais de negócios e conhecimento </li></ul></ul></ul>
  51. 51. ESTRATÉGIA DA TEIAS MISSÃO Estreitar a relação negócio-e-sociedade, criando e fortalecendo uma teia de líderes empreendedores e executivos que usam o poder e as ferramentas empresariais, com equidade e pragmatismo, para provocar impacto social, ambiental e econômico. TEORIA DA MUDANÇA INSPIRA E DIVULGA IDÉIAS E PROJETOS ACIONA UMA TEIA DE COMPETÊN-CIAS EQUIPA E FORMA REDES PARA O IMPACTO MEMBROS TEIAS
  52. 52. CarbonoZero Social
  53. 53. CarbonoZero Social <ul><li>Programa inovador que torna viável e fácil para pessoas , empresas e comunidades medirem e compensarem suas emissões de carbono com ação conjunta de impacto social – simplesmente plantando arvores perenes produtivas. </li></ul><ul><li>Independente do tamanho ou orçamento, qualquer empresa ou indivíduo pode ter uma ação efetiva e responsável no alívio ao aquecimento global e à exclusão social. </li></ul><ul><li>O programa visa assessorar as organizações e empresas a mensurar e a reduzir o CO2 de suas operações, e então compensar emissões inevitáveis.  Quando as emissões são reduzidas a zero na forma de compensação, a organização, produto ou serviço é elegível a estampar o selo de qualidade CarbonoZero Social, marca registrada reconhecida e validada por entidades de renome do setor ambiental e social.  </li></ul>
  54. 54. <ul><li>O principal objetivo do Projeto é congregar capacitações e interesses de vários agentes integrantes da cadeia de mecanismos de desenvolvimento limpo aportando recursos com vistas a contribuir ao desaquecimento global. </li></ul><ul><li>PARCEIROS: </li></ul><ul><li>ONG Vale da Cidadania </li></ul><ul><li>BioVale Energia </li></ul><ul><li>YKS </li></ul><ul><li>Ambiente </li></ul><ul><li>EPAMIG </li></ul><ul><li>EMATER </li></ul><ul><li>Visão Mundial </li></ul><ul><li>Deloitte </li></ul>CLUSTER DO MDL “ Por que é que todos não se reúnem, para sofrer e vencer juntos, de uma vez?”(G. Rosa) INOVAÇÃO DESEMPENHO O AMBIENTE DE NEGÓCIOS COLABORAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO COMPOSIÇÃO ECONÔMICA PRODUTIVIDADE ESTRATÉGIA AGLOMERAÇÃO PRODUTIVA (CLUSTER)
  55. 55. Programa Corporativo CarbonoZero Social <ul><li>O Programa CarbonoZero Social pode ajudar as empresas a desenvolver um eficaz programa de custo benefício adotando algumas oportunidades de compensações corporativas como: </li></ul><ul><li>Emissões da sede corporativa </li></ul><ul><li>Produção industrial/cadeia de suprimento </li></ul><ul><li>Campanhas de marketing relacionadas à causa </li></ul><ul><li>Participação dos clientes </li></ul><ul><li>Eventos, conferências </li></ul><ul><li>Viagens e locomoção do pessoal </li></ul><ul><li>Mensuracão e Cálculos </li></ul><ul><li>O rastro estimado de emissão de carbono é a soma do dióxido de carbono que é produzido pelas atividades de consumo de energia e transporte em geral. O número total de libras é convertido em toneladas. Na média, cada árvore plantada como parte do fundo do programa CarbonoZero Social captura aproximadamente 1.33 toneladas de CO2 equivalente a um período de 100 anos. Cada investimento de R$ …. por tonelada de CO2 é destinado à aquisição de mudas, plantio e gerenciamento do projeto. </li></ul>

×