Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Curso de arranjo ian guest vol 1

10,260 views

Published on

Arquivos sobre musica.

Published in: Education
  • Você pode obter ajuda de ⇒ www.boaaluna.club ⇐ Sucesso e cumprimentos!
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • DOWNLOAD THE BOOK INTO AVAILABLE FORMAT (New Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THE can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THE is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBOOK .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, CookBOOK, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, EBOOK, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THE Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THE the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THE Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • DOWNLOAD THE BOOK INTO AVAILABLE FORMAT (New Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THE can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THE is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBOOK .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, CookBOOK, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, EBOOK, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THE Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THE the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THE Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • DOWNLOAD THIS BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THIS can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THIS is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THIS Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THIS the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THIS Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • DOWNLOAD THIS BOOKS INTO AVAILABLE FORMAT (2019 Update) ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... Download Full PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download Full doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download PDF EBOOK here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download EPUB Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... Download doc Ebook here { https://soo.gd/irt2 } ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... ................................................................................................................................... eBook is an electronic version of a traditional print book THIS can be read by using a personal computer or by using an eBook reader. (An eBook reader can be a software application for use on a computer such as Microsoft's free Reader application, or a book-sized computer THIS is used solely as a reading device such as Nuvomedia's Rocket eBook.) Users can purchase an eBook on diskette or CD, but the most popular method of getting an eBook is to purchase a downloadable file of the eBook (or other reading material) from a Web site (such as Barnes and Noble) to be read from the user's computer or reading device. Generally, an eBook can be downloaded in five minutes or less ......................................................................................................................... .............. Browse by Genre Available eBooks .............................................................................................................................. Art, Biography, Business, Chick Lit, Children's, Christian, Classics, Comics, Contemporary, Cookbooks, Manga, Memoir, Music, Mystery, Non Fiction, Paranormal, Philosophy, Poetry, Psychology, Religion, Romance, Science, Science Fiction, Self Help, Suspense, Spirituality, Sports, Thriller, Travel, Young Adult, Crime, Ebooks, Fantasy, Fiction, Graphic Novels, Historical Fiction, History, Horror, Humor And Comedy, ......................................................................................................................... ......................................................................................................................... .....BEST SELLER FOR EBOOK RECOMMEND............................................................. ......................................................................................................................... Blowout: Corrupted Democracy, Rogue State Russia, and the Richest, Most Destructive Industry on Earth,-- The Ride of a Lifetime: Lessons Learned from 15 Years as CEO of the Walt Disney Company,-- Call Sign Chaos: Learning to Lead,-- StrengthsFinder 2.0,-- Stillness Is the Key,-- She Said: Breaking the Sexual Harassment Story THIS Helped Ignite a Movement,-- Atomic Habits: An Easy & Proven Way to Build Good Habits & Break Bad Ones,-- Everything Is Figureoutable,-- What It Takes: Lessons in the Pursuit of Excellence,-- Rich Dad Poor Dad: What the Rich Teach Their Kids About Money THIS the Poor and Middle Class Do Not!,-- The Total Money Makeover: Classic Edition: A Proven Plan for Financial Fitness,-- Shut Up and Listen!: Hard Business Truths THIS Will Help You Succeed, ......................................................................................................................... .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Curso de arranjo ian guest vol 1

  1. 1. MÉTODO PRÁTICO incluindo revisão ° dos elementos da música Editado por Almir Chedíak Arranjo
  2. 2. jíggbnesÁeio/ oon¡ CAYMMI › r . pv É 4-. . ¡ INTRODUÇÃO a A ELEMENTOS DA MÚSICA 1 Escala geral I (llave IJ n oitavas', regiões, :lulas M A2 Sinais de alteração 17. 3 Tomescmilon¡ u 4 Escalas l Escala nnuior 19 ' l I! Ewald menor nzuural 20 v II Escada menor harluôuiea 21 à* - I líscalaInenurtlnclódicat 22 n¡ Modos : manuais 22 5 lnlervalos 23 6 Ciclo das quintas n Ocielo 27 II Relação entre : Ls tonalidades 29 7 Escala cronuilicz¡ E Escala crounálicannaior 32 V _ n Escalncromálíca menor 32 ' -8 Acordes n Deünições 34 n Tríades 34 a Téltades 36 u Acordes dc sexta . t7 m lnvemãt) dos acordes Ja c . _ _ ROTEIRO 1' PARTE - PRELIMINARES u (ls ¡mnlus naturais e : a : mmIdIu-z¡ da clan' ; m
  3. 3. . I MMM** s. .. . .._. ... __~. _--- - . ... __ . ._-. ... ._. -.. .._uun . 9 Natação musical n Comentário 42 o Melodia 42 u Ritmo 43 u Simlis de repetição «m B INSTRUMENTOS 1 Classificação pela emissão 5o 2 Quadro de extensão e transposição 52 3 Os instrumentos mais usados, extensão e transposição 57 C FORMA 1 Forma da música I Forma sinxples 62 II l-'orzna'lied' 62 I "Lied" com introdução 64 I Fornttlütnldó" 65 u Forma livre 65 2 Forma do arranjo os 3 Vocabulário de ¡núsica anotada a1. 2° PARTE - BASE. MAlS UMA E DUAS MELODIAS A SEÇÃO RÍTMlCO-HARMÔNICA (BASE) 1 A base 69 2 Contrabaixo a9 3 Guitarra¡ e teclados I Uso ! melódico 74 I Uso liarnnônico 75 n Algumas observações sobre notação e cilragelt¡ 76 4 Bateria e percussão I Bateria 7a I lllslrtllllvllltts de pCrrlISsÍÍU m 7"" _Í-'Í' F* -r "W-'vw-“w *' -n
  4. 4. É MELIODIA u Ativação rítmica da melodia 86 a Pulsação sincopada brasileira a6 n Pulsação sincopad: : centro-americana 89 u Pulsação swingada 90 n Pulsação funkeada 92 ' MELODlA A DOÍS 1 Contracanto n Linha do baixo 95 I Linha intermediária 96 I Contracanto passivo 97 2 Análise nnclódiea I Simbologia¡ 97 n Atenção melódico 99 u Séneharnzônicz¡ 10o u A relação nIclodía-harnronia 103 3 Exemplos e exercícios de contracanto e análise naelódica I Coillmcatnto ¡iaissivo 106 u Contmcanto ativo 110 4 Melodia em bloco a dois I Melodia em bloco 112 I Em bloco a dois 112 I Ao compor a segunda voz 112 I Pontos llarntôitícos e pontos de linha 112 l Movimento relativo das vozes 113 I Paralclismo 115 n A mistura do ¡iatralclismo com os : movimentos contrárít: ec ›l›líqtIr› 118 n [Exemplos 119 , ~ D PLANEJAMENTO E ELABORAÇÃO DO ARRANJO 1 Planejamento o Propósito 121 I Recursos 121 I Características 122 2 Elaboração 122
  5. 5. 3 Arranjo elaborado 124 4 Comentários I Alguns conselhos pnitieos à elaboração gráfica 128 II Observe. durante a elaboração do arranjo 129 _ APÊNDICE I ttesoluçãn dos exercicios 13.) u Bibliografia 150 I Agradceintentcis 150 Exemplos gravados lisle livro vem aemupzinlizttlti por uma gravação en¡ tllt. gratis. :uu-sn ao l" roltune e extensivo aos três volantes da ohra. Nele, quase todos os exemplos e exercícios que ¡iaissznn ser t'llll. ltll'l". lt'ltl. ' arritnios ou | l'l''lltl$ de : trrzttnn lorzun gravados ¡tt-los instrutor-atos indieatlcis nas respectivas p-. trtitttras. ;ts falsas sao ttunteratl-. ts de l a 77 e indicadas eum n símbolo . A ttuttterztçãu c- eontíntlzt, através dos três volantes.
  6. 6. 1° PARTE PRELIMINARES ; A §_-. . à' _La-J _; .'. '› . z . ..Lg . . l . p 4' l I . li l. ll l. l. l. l. l. l. l. l. l. l.
  7. 7. , esta. . tt l' clave de sol . _ . . tantliein elnintatla ; lave de violino clave de fã também chamada clave de baixo clave dc dó . _ , Iituilu-tn cltniuztda (“l'. t't. ' ilt- snpizttin na l littlizi 'clave de dó . _ _ , tambem tluimad-. i clave de conmilto naõ linha na 4' linha ARHANJD metano Fri/ nico) t . o ELEMENÍITÕSTÔ-ÁwllIÍÚSIÓ/ llklll --. ít . ._. ... _.. -_. _.. :.. ..__. -_. ._ . . . amwa-Dn-o -- o . a . -4 u E] Escuta geral I dave Determina a localimção das notas na pauta. As elavcs em uso zttualittente são as seguintes: clave de dó liunliéin cliaiiuiiltt clave de tenor . ts clave-s ¡ierniilent a representaçacn, niuna ¡iaiita de : ipenzis S linhas ton | lt'lll: I]: l". |lll'. t), de todas as notas em uso: umas 7-8 oitavas ou 85-97 notas. A nota do central (dó no meio do piano) ; mile ser representada por todas elas: 0 . e | |«* u ll -- o-----~ o) t_ e) . -.. .___ t3
  8. 8. clavcs qm' ÍIICÍIICIII as regiões cxlrcuuw l I I chuvas I tnsztdus na região ccnlra¡ " I l | ã ; i 1 1 I Oítzlvzls, regiões, nolas 1 4 . w ~ o . o ' Nas clavcs c 9' se cnconlrann lodzu : ts : lulas d: : gzunu nnuswanl, c saw : ts (lc uso comum pelo ztrrzuuudxzl' c pel: : mamrlu dus instruuncntos. As oitavas são : rumou-aulas para faicil localização dc lmlas '.15 : miau: dó ccnlrul ' """"""""" ' ' 9 s- í! .I __ _ . _ . . , . l'l'¡. '.lílll rvgiun I'm-gnu¡ I'vy_¡; u› rvpgum , _ aqzlnkl sugn-rngtlulz¡ : iubgntvc grau' Inmlm ' A escala que comprcclltic lmlas as notas cm usa clnuníI-sn: (xml/ u supcrzngucla¡ c subgruvc, conforme: rislo no quadro zlcinut, _uvm/ v (- dividida vu¡ rvgiõcs unúlin. aguda. gmvc,
  9. 9. I ARRANJOÇMÉTODOPRÁTICO) 0 lccladt¡ do ¡riano é a própria síntese dc um verdadeiro ¡iaincl do sislcnuzu : las Imlas ¡nusicztis (iivididzis em oitavas, que, por sua vez, são divididas em notas naturais o : tlloradzls - sistvmzt que si' I'm-flow. l'VÍ(Ít'li| ('l1l('ll| ('. na notação. 'Tonin mftsico . deve aprender a visualizar u lvclztxlo, ¡mis clv u ziiudarz¡ a calcular. iuslaiiiainvzci¡n-nlv. as aulas qm- intaum¡ us iulcrvaius. :Is cscztlas u os acortlvs: | ocal 'da clave *n- ›- ~- -~ u --- A . ..Ju-u . .., .' _' . . . ..›. .., . . . . _. c ' u-w-'u-y-w-h- . ~ »han-. swmmuwq . np- : :gi . _.,
  10. 10. ¡AN (HIIÉSI - _ ; ercício 2 'franscrcva as notas das linhas cumpielas ¡iara as' linhas vazias, guardando as : listãucisns em uilawis e _Ihém a clave, conionne a l' nula : las iinhas vazias: anna oitava '.11 ZIL'. .'. ... ... .., _._. . . ... . t. , e. .
  11. 11. E . .às gegãzzs . .. i -. ._. +. 2: ã 11 t J 17 --mü-! ~uI- §FF . . _, . n _m “N um. ulhülnüv. ¡›ito1¡¡o¡v¡vc_o. › í _ n . . . . _ . .ui M W : rz--sa= . . ... ... ... .. -+ . ... .. É u n I¡ . _ . 2: _m . m _ m W 0._ _. W _ 5 HM. s «v7 wunun. .. . ... ..Ht. H- Iii . _n. m d. . . , gl' . w . c e_ a a . Ttlll 13x. : -- . mil- . . m. . . D9 m Iii. null, ..- W M d . ..I . HHH HHHHHIII . v. m . .a , . . . , , . nn . M , m1 . iriam uuuwmu. .. uuuuulmnuunuuu t . t. m . u. e . .M m_ . III 4 _ n_ m qn w “to Ildlilllu ! Iv . N. h 4 C I _ W . l IJ. _ p Mnnuunu ü. . . Mun . .u . .n. w. W _. u". .n. . m_ . . . .I m . a . .A m _ w . ..u . . _ _ a m ; m . t . _ m» . ... . . . _. ,Ç m m . mam . m . ... ... ... ... ... .a a V -vw . ... :III: m_ . _ . , É. t . ., . .I ¡ . . s. n m a - , ii s. a _ , T (H _ . ..A . ., . . _ _ IÍt m. .. . . . s, É _ m. , . .VA . _ _M a. - _lili . --uniuwut . .n W . m MTM _. . _ _m ? lille . ... ... . -. _. , . u O W . hi. W . _. z v _l _ . J m. _ . . , . . .. HHHUMHIIJ M. . w m í 3 "ta. li n u . .. It w a. .. . H R . .IL _ M JI: . . a ¡Illlnàãi-. ut . lu R . b _ “ M_ ill: : v n ¡ A 1 . ¡ . ilip- m M . lui . m X S l . _ 0 .0 0 _ w . llll. 1.a. . M. . M m . Multi'. K. .a M . .Wi Wc. im mw . , r. É › iii_ . . u. . , m m ld . . Iii _B a É¡ . u . . S . na TtiiL. -, .. m a n. .I'd _ _ n W. .. n a m. HH_ _m_ mu. _ V . C W . .. ü m¡ m ti¡ , ,;; ;$; J;44;, ;;4;; ;,; ;;, ,;›J4¡; ;;;4;; ;aa.4J; ;;J
  12. 12. -102 . .. w IAN GUEBT Bemol: almlxs¡ a uma¡ mtltnml à prtãxlnan uma: sol sol bcmol Bcquadró: anula o cfcito do f ou B: " 0"“-"*'- ” - "í. ¡.'_____. ... ""-”'" sol sustcnido sol bcquadro lá homo# la¡ hcquztdro Dobrado sustcnido: clcvzl a numa¡ à próxima nom: (soa como si) Iásustclnitlo lzidnlvnttlusuzslvltidus p 'T' llnhntdo hcmul: :tlmixzl :1 Ilulanlaà próxílna anula'. lá bcmol lá dobrmk) bcmul Observações: l. O hcquaulru Izunbénu¡ : mula u cícilo dos dubmdos SIISÍUHÍÚO uu lwnwl 2. Sc uma uol: : com duhruclu suslmíclc¡ uu dubrzulu ln-nuol u-m svgcricl: : pela ¡nu-snm num rum : msn-nulo ou lwuml, rcspcrlivznuu-nnlv. dizem-usar o um «In In-qumlru: lhau= *t--i-í- -------= -:----_-----_-~~Ã- -_- « . . . _ _ ___, _ l [É] Tom e scmitom í ' _ A ' ^ . WHHÍONJ uu »teto-iamcaduslânclztcnllrt' : luas nulzuzvíznnluus": , y cs ã É. 9'; CÍ E
  13. 13. ,á A"? Ann/ NJO[MÉTOUOPHATICDJ _n , . g5¡ , . t . _ çrãâglogpsgãdcgçÀas distânciassão de lom ou scauitonu_ ~ “f '_ . Vir. t' '-' "-5 ' ' V Exercício 4 ¡Escrevn as distñncians zusccndcnícs uu tlcsccndcnnlcs pcdidans: I Escala umior Quando count-ça cu¡ rló, ,é fcílat somente dc Iwlils ¡Izuumis (us sclv graus são indicados por cima): dó Inaiur - estrutura expressa em _ › 1 1 ¡/ - 1 1 1 l tons e scmiwns k l /2 A cwlrumnt : winm sem¡ comstanic cm qualquer escala unznim' u, para unnscnrí-lu. usarcunns sinais dc : tllcnzaçmr: rc' maior í 9 5:5 cslrutu? --------> l l 1', ! ' 'um A' ' * - | r . i lál¡ maior
  14. 14. .-. ._. ~.---- _ . _L. _-~. Çugi. ›. nuudcluesr, A l' nota da escala maior ou menor se chama tônica. A 7' Itot-. t é a Sertxftvl, quzttttlo eia estiver tlistztnciztdzt por 1,12 tom da 8' nota (tônica). 'lxereíeltr 5 Iiscreva as escalas tuztioros de lá e mil» em (à) es¡ o rí-lu-ttt 9¡ o Exercício 6 ! Escreva a escala nraior cujas : rotas e graus são indicators: › . . , gv I Escala menor Ilatttral (Quando começa no b' grau de dó maior, é feita somente ele notas naturais: lán - tenor A / . ~ estrutura P¡ V¡ í t | _ IQ ¡ ¡ e, para ctmsenntr : t Inetitltat estrutura, cutnecetnns em tliíerenles tintas e atplittttimtus ztritleutes; sol ntenor . : agve-. aqn 309mm** .
  15. 15. ,. '_. .., .-›t.1í. _ . ÍÀN GUESÍ A t' nota da escala maior ou ntenur se : :trama tônica. A 7' nota é a s('II. t'ft. r'/ , (matado ela L-stiter ilistzmciztdzt por l , z tom da 8' nota (lôniett). *lxercícitt 5 Escreva ¡| S('M°¡| I:I. ' tuaiort-s de lú e mio em &¡ es¡ t' t't'°1›t'lll 9¡ c Cxereício 6 ! Escreva a escala tmtiot' cujas : notas e graus são indicados: . , Ç t i 'o - Escala menor : natural (IUNMO COIYICÇR no O' grau de dó attaior, é feita sontente de ttotas ttatttrtis: 3;, estrutura ht lj¡ _ l I › IQ ¡ ¡ é › fl¡ e, para COIISCWHI' a Iltcslllíl estrutura, Ct›lttt. 't. '('tIt0$ em (ÍÍÍUFCIIIUS notas e ; tpliqtretuos acidentes: . sol menor estrutura ->¡ U¡ 1 f' ' A. ¡¡z e ¡ ¡ estrutura ->¡ › 'i2 t | ta#
  16. 16. ARRANJO (MÉYODO PRÁTICO) i c A Exercíeio? liscrevst as escalas ¡nenorvs tlesolii e fa¡ mangá esietiú em 9: _ . -_ ›_. .- _ in . ~ 5 ' . . Exercício &Iisçrcva a escala menor cujas notas e graus são indicados: ›. w run" . í. l . Observação: a escala tueuor ; teima estudada ú do tipo tmhuwl. Não é rtecess: 'trit› ilceorat' sua estrutura, bttstzt ¡tssoeiá-Izt com o seu relativo maior (a ser estudado tnais rtdiattte): ela tetn as tnesntzts sete notas que a escala maior, que começa em seu 3° grau: uourutat V. l ese-ala relativo m a. ; tsii» tiraria? ? “ “ estrutura M* l t l Q t t t I , z Tem-sc que saber, entretanto, que o 3' grau da escala ntenor tica l tom e meio : teima do 1° grau (no exemplo, sib do sol). U Escala utenor ltartnônica , v- ir- ir ir ir ir E Tem o 7° grau alterado ascendentemettte em relação à escala tnenor natural. »rar lámcnorltarmônico . k t' A À n W o ' t . _-' N 1 , Jl
  17. 17. I Escala tnenor tnelódica Ascendente, tem o 6° e o 7° graus alterados atseendeittetttente en¡ relatçãtt ã escala menor ttatural e desce sem essas alterações: u. ¡--~ @Sintlllfilfll('ltttr¡¡¡¡¡¡u. ¡“ . _'. u. J' u 0 . 55:5:°›': 'JL; __;9:; .§; :;. ':Íf: :.: .;'. .; . ".. ':h. '___: ›_____. _'_ ai_ t 112 t l I l 'Q l I 'Q t t N¡ Exercício 9 Escreva as escadas indicadas, datdos tuna de suas ttotas e o respectivo grau: menor ltarmônlco menor ttteiótlico ascendente menor ttatural mentir melódico ascendente ntenor ltarmônteo I Modos italurais Usando sempre as ttotas ttaturais (teclas hratteas no ¡riano), eneotttraretttos ttsttliats de diferentes estruturas' clt-. tttruiLs modos naturais. Eles são a base da nuísica moda¡ e da eontpreettsãir das eseztlzts de acordes. L-stttdztdzts mais* : uiiatttc jõnico (uutaior) dar-im¡ peommqmnnnamnnzinnJjj Í a n tl o hhhthQ-thhht -› . '
  18. 18. faaaansoiuelrooo PRÍt-'Ilcof 00m o uso de acidentes, podemos construir todos os ¡ttodtxs a partir tle tuna nota tlntla, cottserv-. ttttlo a eslrttittnt tipica de cada um. Inlxttlítlitt f ' tltírictt . I ¡_'_. m|_'4°“t Á 'ñlÍi-ã ' . - _- › etc. Verifique a identidade de estruturas, caraeterísticzts de cada tnodo. Deixamos o treino dos Inodos Itaturais ¡tara o Capítulo (t (Cieio das Quintas). intervalos A distância entre duas ttotns se eltatnzt intaum/ o. liis os intervalos que as sete tunas da L-: tcztltt ttmíor fazem com a sua l' nota (iônica): M = tunior ut = tnenot' J = justa 2 leia-se segunda, 3 leia-se terça, etc. Os intervalos podem ser classificados em duas categorias: a. os que podem ser maiores (M) ou menores (m): 2' 3' 6' 7' b. os que podem ser justos (J): 1' 4' S' 8' 'todos os intemtlos podem ser : nunentzulos (num) on tlituitttttos (dim). Na praiiiea. entretanto, são usados os seguiria intervalos, :tparecettdo entre parêntesis os de pouco uso, :nais comuns em sua rtotaç ão euarntôniett (sont igual, nom diferente): l] - 2m - 2M - Zautn - (Sdint) - 3m _- 3M - (étlirtt) - 4] - éann¡ › Sdim - S) - Saum - 6m : GM ' (Guam) - 7dím - 7m- 7M - 8]
  19. 19. v . íunan, › outra linha, exnrninnretttos a rol-ação das Abaixo, conslruiretttos cada intenatlo zrsceurletttr' a partir da ttota rlo v. uv _ _ _ . .utentes e sao clrnurztdos Hll't'i'. '(it'. ' dos notas resultantes com a irritar (ló oitava rtcintzr. l-Zstes intervalos scra- intervalos originais : tscertdetttes: l 'ertartnortia í enarnrorti-. t , “enrtrmonia enamttrriizt t FÍãJQJTfT u "T" 'l 8] -7M5 7m' 7dim 6M' 'fun 5_l_5rliru -lattru (rj ¡ltlítit-ÂM ? uu . latim 2M 2m -lj ü . l l l I_ l l l l i l | " IJ 'Im 2M Zanin 3m 3M 4] 'Ítllliit Sdinr 5,] S: uurt'_(rt__rtV _on _7tlitt1_7ltt_ 7M tt] rnren . dos complementares (descendentes) intervalos (ascendentes) Cllllhilmllil Cllãl l'lllUl l fil llllílfllltllllfal Vllilfllllllllll - Para se calcular a inversão de um intervalo, apresentam-se : rs três regras ¡rr-. itie-. tsz l. a inversão rle . l é . l (por exer-uplo, *lj - SJ) , a inversão de M t'- nr (por exemplo, 7M - 2m) l a inversão de num é (lim (por exetnplu, /iaunt - Sdim) 2'. intervalo + sua inversão = nove (por exemplo, a fr' com a 3” somam, rnatematicztnreitte, nove) 3. os conrirlementos de rlois intervalos enarmôuicos (som igual, nome diferente) são dois intervalos euarrnõniros (por exemplo. ridirn e 5M são conrpienrerttos de Satan e (un) _ r Regras ¡iráticzrs ¡rara calcular os intervalos mais trsatlos: - calcular, primeiro, o núnrero [por ex. : ré - lt¡ : Lscenrlertte é S', ¡iois são cinco rtotas envolvidas: ré m¡ fã sol lá). Sc é M, m, .I, non¡ ou rlirn é preocupação ¡rostrcriort A - 2m = l/ z tom - 2M a l ton¡ F - 3m = l 112 tom - 3M s 2 tons - cálculo de 4' ou 5': entre duas notas naturais, todas as 4' : Lscetrtlerttes são justas, exceto ft¡ n s¡ (tttllilcnltltlil) e todas : Ls S' ascendentes são justas, exceto si - fá (tlllttiltllltt). - a 6' e a 7' devem ser calculadas à base da inversão (por ex. : 6M ascendente rle lã = 3m rlesccntleittt! ou seia, rat). . .. ... ,.. ... ... _.. .-m-›~ «
  20. 20. :tdos: Annnuo tuerooo PRÁTICO) 031 t os intervalos* ou 'r indir: l-Lscmva íeio ll 'Exercício 10 identifique os interval Exerc
  21. 21. rt' r . .lili lttlltrlltí. lt-olrtirt lr! ln! ts : e tt» tv terre r . , o r r r rsvarrrrxrrvr Anrr/ truoiuerooo PRÁTICO) 4 _ _ 4 l. l f' ' __ o a @Ciclo das quintas , l '- J* As i2 noites, quando orgiuiizzrdzts ein série onrle as notas adiacentt-s são sep-. irnrlirs pelo intervalo de SJ, formam lllll e eliatnailo ciclo dns quintas: | . ..S- etc. , até novamente . ' tllcililçill' a nota dó
  22. 22. IAN QUEST E Comentários «e A I Alguns conselhos práticos à elaboração gráfica - - . . . . . . . - r ~ ; r'ir'»ara ~ lise papel pautado de boa qtlnlltltltlc, de tz Iinltastlt pauta, ptlo tnunts, nao passatltltt do tan¡ tlllltl «tinto (1) II¡ Ii | xerox). Só use um lado da folha. . ; - Use lápis Inacio. entre números 2B e 6B, ou lapiseint de ¡ionta B a 215. de 0,9IItt1I de espessura¡ e borracha¡ branca macia, tanto na partitura como nas partes, permitindo as cópias xerox em nuúquina Itoa. _ (Quant possuir nm computador, deve reservar o sen uso ¡nara o : tcalnnnettto e cópias do ilfnllljt). t) processo criattitv. ; artesanal e imprevisível, se : ipólzt nas ferrzttttenlzLs Iaipis-liorrttrltzt solare u papi-i, tño aplicáveis e vttltteravels içttztnlo a própria Inspiração. l-iste livro, por exemplo, foi eri-. ulo no Izipis e "passado a limpo" lilllpllütlltltl em eorreçttes infindáveis) no computador. - Ao fazer o arranjo, não pense en¡ tnmsposiçfua dos inslrntttenlos, tieixatntío essa tarefa para o tltoillcitlo da cópia das partes. - Ao fazer o arranjo, não use sinais de repetição Item ¡nesmo em trechos repetidos; escreva-os por extenso, pois poderá ocorrer algunla idéia nov. : em qualquer ponto do tlrntttjo. Só use sinais de reptclíçñt» onde ltonvt-r a certeza da identidade tflllfc dois trechos. - Não pré-desenhe : ts barras de compasso, pois a boa notação atria o tamanho : los eompzussos conforme gráfico. o seu conteúdo lí -- Ã nteilinla que znançzu' na ¡iariitnttt e : nas partes. use : ts letr-. Is (e Inúmeros) tle ensaio para líícil itlentiüraçàtn dos trechos. l Ao fazer : Ls partes. só use sinais de repeliçz' to tplatnlo estes iIC0l'l'1'l't'lli na patrtilttlzl. A tttotllztgent tlib I't' l¡ sinalizações e as lelras de eitsatio, devem ser itlôittiras entre a ¡vartilurzi e ; reações e voltas. :ts : Is ¡nariex l - It nolztçãt) da ¡iartitura deve ser a rurais simples, clara e sintética¡ possivel, :não tleixando de fornecer todos os tletalltes | 'l necessários para a cópia posterior das partes e ¡vam a rqgêtncia. l f - Só use o número mínimo itecessário de linhas (pautas), :nas ¡iermita bastante espaço ¡tam a cifragent, cottrençõtrs Í rítmícas e observações. Nas fonnaçfws ia¡ aprentlitltts, um "sistema de ll linlnts" (tinta pauta em e tnltm em 93 ) seu¡ suficiente, on uma pauta única para a melodia l-Inlret . . _ o zinto, (lente uma on (luas linhas vazias ; iara o resto das itotações, idéias imprtwistzts e ttma Ima separação visual. - AcosIume-se com a Inemorizitção das extensões reais de Cada instrttnteltlo e não as transposlzts', exceto nos saxofone: : onde a identidade das extensões escritas (transpostas) facilita¡ a tarefa. 12!
  23. 23. IAN GUESY 0 cielo das (guintzts ¡tertuite calcular o ttúntero de : tcidetttes (armadura) de todas as tonalidades (escalas) tuaiores. dó ntnior não tem tteitletttes, sol nmior tem l ll. ré tttttitnr tem 2 ll, ele. .' ° partirmos para o lado esquerdo. isto é. 5.¡ tleseentletttes, fi¡ Ittttlor tem ll›, s¡ l; tuatior tem ! la ele. É ¡tereeltitltt no l| lliltll'll que os : teitletttes ereseettt att'- 1.! ll e lâln_ mas ltltltctt é ¡treeiso ttsar tottaliilatles emu tttais de (i : teítlt-tttes. pois : teima de itll ltave : i utu tout enartttftttiett cont ltentóís em número tnenor que sttstenidtts e itCÍtmt de til; Itaverti um tout enatrntfntictt com sttstettitltns em tu'uttert› tttenor que betttóis, já que-ns notas' dos lados exit-rito e interno do círculo são enartttôtticas e, portanto, as tonalidades tatnltént o são. Assim, as tonalidades Iuaiores a serem usadas (tons ¡rrtitietts) estão dentro de tnu relãttgttlt) it's" l) no quadro. lim rclttçãtt ao ciclo das tptittttts. cala-tu ttinda as seguintes ohsertttções: a. o lado externo do círculo tn” crescente de ll) segu - : t tlireçãtt ltorziria e o lado interno tu" rreseetttt- de ld. a anti lttnziria l). asouta dos tteidetttes de dois tons enarntôttictts é i2 (por exemplo. mil: rttaior l5lvl "fun réll maior tgp¡ . -. tz) e. ¡iar-. t definir a ttrtttatlunt do tont tnaior. tleietttos tleettrttr tlois [HITS de seqiietteltt de notas. :indios tirados do eirltt das (tllílllãlst l. tptattttts : tcidetttes lui? e se _. 'Í*. .'. ,.5 tb * s¡ iliíll tlúu sil: ísttila' Still; tlúl¡ . ré t l-'› ut¡ . .-íuánua . -.h . . i dó sol 'ré Iú- nt¡ ía. - 1.. -.. ., . si
  24. 24. p i1 1+ 'y I Relação entre : ns tonalidades Tons relativos, um maior e outro nnenor, lêm n ¡Ilcsnna armadura; o menor relativo parte Llo 6° gnu¡ do In-. úor, ou seia. tem a lônlca 3m abaixo (ex. : dó nxnlor com ln¡ menor). Ton: vizinho: dir-cms, ambos maiores ou ambos tnenores, são vizinhos no cielo dns quintas, ou seia, têm nm : temente de diferença enlrc s¡ (cx. : dó maior com fá Inuior ou com sol maior; lá menor com ré menor ou com ml rumor). Tons vizinhos indiretos, um nlaior e outro menor. são os relalivos dos vizinhos diretos, ou seja, têm um acidente de diferença entre si (cx. : dó maior com ré menor ou com mi menor; lá menor com fá maior ou so¡ maior). Ton: bontônímor, um maior e outro menor, com a mesma iônica, que apresentam, portanto. a diferença dc 3 acidentes flex. : dó tnoior com dó menor; lá maior com lá nlenor). ' -' | e1np| o: vizinho ¡lírclo 59v vizinho dirclo su à homônimo 10m - base relativos l 4 vizinho indireto a vizinho indireto ' 4 r s¡ Humor e 3' S' relalivo 'I 1 xcrcício 13 Faça a armadura dos lons pedidos: ' lá maior sl menor sil» maior sol] menor n35 maior sol menor É g " ' ' m m '~ 'í' m ' ' ' ÉQT! mí m @9mI : E “ ré; menor solo maior fã menor [á] maior mlk menor dó menor : : I | -:_l I I | v 3 iam! ! : m: ' l IÂ Í_| l | 1 ? l Iiíi
  25. 25. amour-s Exercício 14 liscrevzt os tons que correspondeu¡ its : trntatlttrzis: maior ttienot' ttmior' menor ilâiidii" Wet: . .._ Exercício 15 Assinale o irrelo n. fám e lá BM são: b. siM e sol um são: c. solM e s¡ im¡ são: (i. róM e ITIM são: viainitos diretos / 'vizinhosindiretos / relativos / ltontóttirnos l nenittittt vizinhos diretos l vizinhos indiretos / relaIiiosY iioitiõttiutmf/ ttettiitmt iizíttitos diretos l rizinitos indiretos / reiaiiros l ltnntôrtintos / nenitutn vizinhos diretos / vizinhos indiretos / b relations / Itomuinitttox l ut-Iiitttm e. milan¡ e míbM são: vizinhos tlirelos / rizinitos indiretos l reialims / lnmtiittituus / i'. m¡ iam e ré LM são: gJám e rém são: h. siM e réiini são: nvitlitrttt vizinltosdiretos l vizinhos indiretos / relatiiros I iiontôttimos / itenhittn VÍZÍIIÍIUS tliretos / iizinliosindiretos / relativos I itotnñnintos / itenliuin vizinhos tlirelos / vizinhos indiretos l rdatitos / Itotttfmitnos / neniitittt Exercicio 16 Faça o quadro dos tons relativo. hontônimo. vizinhos diretos indiretos do tom de do : inzulro já ¡i| )l'(3$clil: i(|0: i2¡ Inenor, :i exemplo vizinho direto _ i _ __ rr/ .iniiu direto i: * r [j hóiiiônitiio i relativos tom - base  . viagens [j -1 lia »tenor l Y L Y _vizinho indireto rizinito indireto reiaiiro Os modos naturais e a armadura da clave Os modos naturais, ;a : tpreseittatlos no (Iapiittio 4. são cltaniznios : titulos rt-I-. ttiros quando têm : I tnestnzt : irmatltira (Ie clave (as ntestnas sete notas). ¡issint como lá menor é relativo tic' rló tnniur. os sete nnulos itaim-ais que se st-_tgitt-ttt tantliénr são relativos entre si: tlójônieo (z maior). re tlorieu. m¡ irigio, iii lnlio. .wi HIÍMIÍIIÍÍ¡ natural) e si lóerio. 'Iiidos lônt a característica de nau ¡iossuir armador : t tie dare. A cada Ion¡ tnztior correspmttieitt o tttodos relativos. Para fácil Inetnorização, :tssoeízitnos cada : ruido ¡Iaitmtl co m um grau tia tsscala Ill: lÍIil'C
  26. 26. ,n a maior 1° iõuleo (maior) l' ll if: lt l: l: i: lt. ll i1_ ll ll ll lt il i1 h ARRANJO tMErooo PRÁTICO) . i $312** «mao : :amam s: m r danço lá ml sl i A_ l A_ H -' m . , 3° nítmnmm : mm n. !EMEB '1- iidio IEEE numero¡ 's' m . rg- _9L3'. -1i. i , serasa _ella o _ea se 6' eóllo (menor) m' tá dó sola reg n ni sn iá ao ré_ 7- ' s¡ Íáii dói( so! , re¡ lá¡ mil¡ sil] sli: Íá dó' »sol Exemplo: - qual é o relatiivo frígio de m¡ maior? R: é sola frlgio (que lica no 3" grau de m¡ maior; logo: tera¡ 4g) - qual é o relativo lídio de fã lóerioi R: é dói: lídio (que lica no 4° grau de soli; maior, relativo de fá lócrio; logo: ieni GL c. Qual é a armadura de si Írígio? ° M u , ¡- i d. Qual é o dórico relativo de dó eólio? . , A _ e. Qual é o lidio de 4g? f. Qtnintos : tcideoles tle diferença In¡ entre. .. um frígio e seu iiotttônitno Iócrio? um mixolídio e seu homônimo eólio? um lídio e seu homônimo dórico?
  27. 27. IAN ñliffol Escala cromática II Escala cromática nt-. tior Exemplo: dó nota tnodulztnte para o vizinho direto ill¡ titaior) truta motiuiante par. : o , vizinho sensíve t o vizinho tlireio (sol Iitziior) homônimo Írígio etupãróstimo sensível t o etupréstintti sensível o vizinho relativo do do indireto (lá utenor) liomõttituo Iiomõnimo (mi menor) mr. tueuori (dó mentor) u Escala cromática tnenor Exemplo: dó empréstimo entprésiimo ) › t -' r , | q' . q". “nfslu " rt o menor ¡omotumo ltomounuo iztnim _p p_ ¡ñgm tule nt n' o . . r. tome. (do Írígto) * 'i r l _ ) A cscttlat cromática menor (lt-Mendeute c» igual Et : tsceutleuitn As : rotas brancas são tiizttôniczts e as pretas. crotnãiicas (Inda nora CTtiiliÍIliCil rem de um itmt vizinho. relativo ou ltotuôttinto (settsivel = :t nota que é : tiraitlct ; tela Iõttiett. uma 2m lseutitootl ; iliztixo tlesta). l-Ztnprego: :t tuaioriat das ¡iztssztgt-us rrontítliras i" ; tscetitiettle ou tlesccutleult- por gran ronittnio iron¡ resoluçzit: direta ou indireta), portanto é mn Íriiglllcilll) tia escala cronnitic: : (do tom : naior ou menor do tnonteitto). Qtnonlo letulmttlo esse atsitecio, os erros enarntônicos da notação meltidictt, tão freqiiesues, ¡mtlem facilmente ser evitados, Outra regra básica da notação cromática é o Liso de duas notas rhjiwu/ es' na lxirdziiliirit por semitont: certo rrnulo tio cerlu n". . lana u. , lliu. an; “rx”.
  28. 28. . . u. . v4¡ Ú. . r. ... .r. ..lz. ... n.. ua f. Ifusu e . Purixlr 12mm Jobim c' C him Buarque c u ARRANJO ¡METooo Pnlnnco) b. Escreva a escala cromática em fa¡ : tremor: c. Escolha a correta entre as duas notas cnurntôlticats dadas cm cada¡ retângulo: d. Desta vez. em música nncnor: n. l _, . w u. .. .P m. u'. D lâxercíclo 18 n. Escreva a escala cronrática cm m¡ maior, uccndenlc e descendente ' Retrato em branco e preto
  29. 29. N GUESY 0-' "lnartlzttlttraconlt ' rcsultlçãtn¡tttlirctzl @$55.13 Definições llurmortírr é o : team¡umhmntettttn (In melodia¡ Ícitn ¡Inr 1mm progressão de atrurtlcs. zltfordt' é o sem¡ fvilu (lc três ms Iuztis nulus, tuczulzts simultuncztttnrtttv. su-pztrzntlns ¡mr It-rças. riu (lv regra. Triatlo é u acorde de três notas, scpztluulzm* ¡mr terças. 'Iêlrat/ e é o acorde de quadro umas', scpztratclans pm' terças, › Cj/ iw é o símbolo do atcordc, feita dc uma Ian-u tnatiúsculu L' cwn/ ›lwuenlu. !ts lctnts ¡nuiúscttlzts são : ls primeiras sete letras du alfabeto, representando as notas lá s¡ (ló ré m¡ fa¡ so] respectiratnvntc: la¡ = A s¡ = l! dó = C ré = l) m¡ -. = E fr¡ = F so¡ = G. lt Ielm dat cifra dcsígnzl tl numjhmkuuwt/ «I do ; reuniu ou . seja, :t num rurais grave. a¡ pau-tir da qual o acorde é construído Inmm sucessão du terças supurpuslats. Se essa : mtu for ztltvtwttlat, o sinal tlil : alteração ilpztrcct' : u: lado tlíreitt: da Ictm: s¡ bemol = BL, sol sttstcnritlr) = (Ill etc. ' t) comp/ entorno reprcsctlln, :ttrznós (lc númc1'ns, letras l' símholns. :I vstruttnrat du tzlrztctvrístictns lummtlus entre : l : mtu lumlzuttt-Ittatl o ruth¡ uma das umas. mão define em que : tltttrzt raul: : tmt-. t tlcrc . scr lncmlzt. acorde. iudicznttlt) ns intcmtlos . - cifra¡ clvlittv. ainda. :I ¡tm-¡zvziu : lu : Iconha Itu: : 'fríudcs a mnlumetnuiúsctrlzgsctt¡complemento, tx-prcseulzt lrím/ v ; union cuizt estruturar" gjsíaãàfliíÍãíiíáíilíã SM tm o " ( l W w , f_ 'a É! u¡ gp. .. , ,,. ”,¡¡_%. v- 'É
  30. 30. ARHANJO (MÉTODO PRAttco) b. Uma letra tnaiúsculzt, com m rniirúseulo ao lado, representar a triênio tavam'. cuja estrutura i: intervalos soma os -l- 'cifra 9-! ?
  31. 31. 'Iétrades 3M somaÊs sétima maior _ z- l: _'l : B: L: 0" sétima ou . ré/ ima nfonninantle : Menor com sétima : :tenor com sétima e 5" rlinninrnrtcn ou run-io : Iiminntrto ou E (ÍÍIIIÍUHIO rm sétima rlimiuatu ir». souradnrs: tríade nnaior' +. Elm relativos à fnonnlartnvnrlai: 5M' Sj 7rrr sotnradnns: tríade urenor + 3m relativos à fttnnnlarrrrernlal: 3m S] somados: tríade nlinriunrt-. r + 3M relatirtrs En fuunlanrnennt-. nlz . tor Sdinu un somados: tríade nlinnniintrta + 5m ou 5m + 3m + 3m relatirnns : 't ftmtlattrerttal: :int Sdint dittn Observe: ifra ¡gira! à tríade dioninnnntat, pois a tríade dínuinnrtat é. na ¡rraitic de ¡tttttqtríssittttt ttso. sétima um: 5" r/ ¡Ittítutlrl sétima com 5" nrnnnnrentnrnlzr 16mm] manos) ou Ennanntg] 7 . _ V ' »tenor com . rétiimn nnnuror | Gn¡(7M)I. tttt ÍlG-'UNDI _ou 'Gruttntrjhl tavam] l* souianltrs: tríade nnaion' ronn 5*' dim 3M rrlatirnnsafnnnnrlarnrenntal:5M ãditn u¡ snitttzttltrs: tríade ; nunuenrtanlar 4 _tdinnr relatiros a ftnnnnlnuntartznl: 5M Snnunnr nn sonrzrdos: tríade auureutzttírt + 5m l't'l: ltit'tr. ' à funrdaturtttal: 5M Saturn 'M sotttatlnrs: tríade ttlettot' + 5M relativos à Ílltttltllttclllal: 3m SJ 7M relativos it E fondantietttrd
  32. 32. Salma! ! ) 9 na» a Í¡ 7 7 n» m . ... . B M M ) 5 7 6 6 ú . IU l. .. 7 C IEA. p) › l mM mm 1:. +3 . ..h rh ) ) na . pru m u. mm mm . .IC . an. ih -Íls M" Mn I ln IU m . .h c. . IN : mn ! LM E A . mm . mm Pal WW , u) . ..a . .Pr . I S l . mm. rw S . ..um mtv. 7 l nal. :tt n n mm mta. . l OC wo. II C ST r A l 5 u ( . l h 7 dv. .r ARRANJO (Merooo wanted) b. Escreva os acordes represeotzndos pelas cifras AMM rt m1 r runas) I Acordes de sexta des de 4 sons. Escreva as cifras corretas por cima dos acordes: b. Escreva os acordes representados ¡relas cifras: = _ Além das tríttdcs e das tetradcs, lui acordes dc sexta. Eles são tríades nraiores e nnenores com 6M zrcrescentznda, portanto menor com seu: : i M °" Exercício 21 a. r acor l sexta ' at, o _ A . , , , o t, Í t, _, est, ,, t, . a. , s _frÍftea_Ífz É _ía V; nfs. ..,
  33. 33. AM - Inversão rlosncordcs Quando a nom fundmnenui! deixa de ser a nom nuns grave do acorde. trzuzvse de : lcoralc lnverlitlo. Na cifra, coloca-sc cm destaque a nom nota¡ mais grave. que passará a ser o bmim do ancorale. n. A tríade tem duas invcrsfws: ¡xosição íundatníenlal' J' inversão (baixo na 3*) b. A túmulo tem três invasões: n. 71v¡ v _. _., ._. ... ... ... -_. .._-. -., ... ln _- v. - ' 9351 fundzuncntal v --›- l' inversão 2' inversão S* inversão (baixo n: : 7') 2' ÍIWCIZSÉ-IO (baixo Iii¡ 5') Í Observe : i ausônlciz¡ do 7 em I)/ C, pois o lmixo dó jzié n 7' do : Icon-de e ITI/ C seria redundante c. 0 : Icordc de sem ! em duas inversões, :l exemplo da tríade: - : F6 . _ F6M fuxidaumcnmtal ' inversão Observe: A 3' inversão do acorde de sexla l'l. '$| l1l: lt'll1 túmulo n: : posição fnnclannruizrl, portanto son como lélltulc Ffr/ I) 1)_ m7 mõ/ l) DIIIWH) . ... .., ... 17:17:13 2; Inversões de acordes de sexta coincidcun com nun-z inversões deflútoznnkv luarmônico: Bvmó/ D_ G§m7(Í›5)ID G (ill) m/ D Z' inversão | ›'s'íí g#ÊÊ¡ Hi ¡Ímgenl é escolhida ctmforme o conleviu
  34. 34. nitzvnbuásut . " - Hraqgqaigtc. .x _agua _____ ____ _ ARRANJO (MÉTODO PRÀÍICO) Exercício 22 Dada a nota mais aguda do acorde. complete-o escolhendo o acorde onde. .. a. .. .a nota dada é z fundamentar] c. .. .at nota dudu é S' m7(lv5) mas) L_ exemplos . .J d. .. .a nota dada é 7' vos) vmos) ms) v m7(¡v_$) , dim m(7M) m7 1 í Exercício 23 Escreva os tipos dc acordes pedidos, dada a not: : : nais aguda do acorde e o gnu que ela representa | mamm n. 7' maior : sia ins¡ 3
  35. 35. iaocuest' b. menor com 7' exemplo c. 7' (dominante) exemplo . ma. H n c m u 3 . .› m m r m n! d. e. ¡nenor com 7' e S' diminuiu l'. ¡nenor com 7' maior h. 7' com S' aumentada
  36. 36. o fundamental, sem repetir os acidentes das ARRANJO (metano PRÁTICO) menor com 6' 'I Exercício 24 Escreva 'os acordes indicados pelas cifras, na posiçã G7 A 1117015) iai-rm E7 C705) Ebm-los) E 7M(is› cl'
  37. 37. AN BUS! ? É] Natação musical I Comentírio A ntúsiea, arte interpretativa, decorre no plano fem/ mw! , Sua ¡iot-. tçfm. entretanto, ocupa o plano rar/ Metal. O prlttteiro diálogo - o grafico ›- é realizado entre o compositor (ou seu representante_ o : trrttujatlorl e o intérprete. 0 segundo diálogo - o : arrow - acontece entre o intérprete e o público. O arraniztdtzr, verdadeiro engenheiro da música, concebe as tarefas e a equipe as reatliza com os seus técnicos: os instvtnnentistats. A notação lllltsicttl, além de refletir essas tarefas, deve fazê-Io de modo claro, transparente e organizado, razão pela qual a escrita extrapola o âmbito tnusiczil, passando a scr um desafio psicológico. A programação visual dali decorrente deve se servir de imagens habituais e simples, de modo a permitir ao intérprete uma leitura dcsccantrztídzi, via reflexos. com a atenção liberada para os aspectos musicais e a interpretação. Em outras ¡ialavrasz a música, por mais critttiva que seja, deve ser anotada por intagens das mais costume¡ no' e comuns, onde todas as silttttções nnisicztls seitun retlttzitltts a nuevos crlichâs visuais. A seguir, vei-entes alguns detalhes na notação illCltltlltJtl e rítmica que ¡iodent tlvstlllàtl' o ttrninitttltir, mesmo que ele tenha a prática da leitura. It ¡ir-. itiezt da notação age sobre otttros reflexos que só ¡ltltltlll ser tleseuvnlvitlos com o luibito de escrever, criando a desejada flilílliídtlde com o papel. Melodia a. As ltastcs das notas na parte inferior da ¡latlllil tlpotlltlln para cima e vice-versa. lim grupos de colclietes, obedecem à maioria das notas: lim notação de duas nzelodiais na mesma pauta, a direção da Iiaste define as tlnas vozes : MW b. As ligaduias entre duas Ilultui iguais são de piolougstntenlo e são colocadas ao lado ttposto de ¡ielo menos uma das (luas ltastes. i errado c. Duas notas ttdjacentcs, em ttcorde, (levem ser escritas tlltlgtllltiltllctllt' ma sobre outra e em ambos os lados da itaste, mesmo em linhas supietttetttatres:
  38. 38. AnnANJo (MÉTODO PRÁTICO) d. Acidentes: a armadura da clave é anotada antes da fração do compasso e é repetida em cada pauta. agregada à clave. Quando se omite a armadura, deve-se também omitir a clave ou vice-versa, nas pautas subseqüentes à 1' pauta. 0 7' acidente local só é válido no compasso e ua oitava uutle é etltpregittltr uu quando traustultitlu por uma llgtttlttrtt de Íprolottgautaettto. 0 uso de acidente Irma! , inclusive i1, ó uIn-igntciritl quando eliminar tlúvitlas un servir de lembrete. Iuesmo -que seja redundante em relação à armadura da clave. Não eouvútu ttsatr parêntesis : testes casos. nuns o simples acidente = local. : g_ I-f1Êmí _çuaíà já¡ íiv. xnnío aínàr_ Y i . Inn-u ¡gwuum-¡ríã-'iyã É 5 Í' “ errado certo). não-aconselhado ' e. Cifra: deve ser, preferivelmente, anotada acima da nrelodia, no espaço entre duas pautas e, mesmo se lor anotada em_ V¡ pauta, deve dispensar armadura e clave. A fração e a barra de compasso só devem scr : tnotadas na cifragem quando esta não é acompanhada de melodia. e [Exercício 25 Você consegue achar treze erros? l l í (licltôs rítmicns são m' situações rítnticats reduzidas à unixittta síauplicitlzttle ¡rara lãteilitzar' u Icittua. Não tltilimuz¡ ligadunt. As mais comuns são: I. pulsação binária n -c- só nota: mister-z_ H -nr- com f ¡tattsats H «ur- só nota mistur ylbys com pausa
  39. 39. IANGUESÍ ññIJTlJTJlTIÊhÚ- uma-m 4s447Í7HT7iLW7|iT7h #Mia lejme (â) (â) pausa, ll. pulsação temárla ' a nono. n n J. na nu n nn ; ng ñññ| Fi7 117771577 ¡HTMDTW Independentemente do tipo de compasso, os clícltês ocupam t - 'Z - 5 ou 4 tempos c. onde ! N10 São Sctutrildos POr bar de compasso, é conveniente pensar numa "barra lnmgiitúrizt”. A barra intagittzirizt tlivide o compasso qtuuernário em d corupassos binários e até nte-stato separa um lctnpo de outro, t-speci-. tltttcttle eu¡ cotupttsstts cotuposttts. destaenthrattteirto do ritmo em clichês visuais : titular a Iocalizztt' as Iiarrzts intagiitarizts e, cout isso, ;tjud-. t a dividi compasso em unidades fáceis, para que : t leitura rítmica seja por rejharo, em vez de um somatório de tralorcs. OCOITC em: Preste atenção como alterar ou contbittar os clichês: à** a. clichê não tem lígadura; É b. as barras imaginárias ou verdadeiras são atntvessadas por Iigttduras, quando houver conthlnação de clichês; g c. notas podem ser substituídas por pausas do murilo valor, dentro das lórutulas dos clichês (ver exemplos acima); d. não se deve pontuar pausa, exceto em Compassos compostos como unidade de tempo, nem ser usada como liguÊ ' central de um clichê de slncope, pois pattsa é "contagem", e tempo de espera, bastante facilitada quando desmentiu-a a em pulsações: g A 3 3 77 37 l ” errado certo g « ' e J . ,m ' ' J . , 'I z certo certo a e. toda vez que um grupo de : mtas ('Ít)| l pausas. ocupando um tc-iupo, um compasso on tnctznlc de um compasso, ;uma ser orgauizznlo em clichê, ;t oportunidanle tlevc ser ilpl'tll'cll. 'ltlal par. : facilitar' a leitura: l'. (tualquer clichê pode ser reduzido ou atumentado, com os va ' Inres proporcionais, para se ¡Ithlplãlrutl um campus determinado (os três Compassos abaixo, têm a ntesma cxecttçittr): mnnpnnsnnnnnn
  40. 40. ARHANJO metano PaArlco) : n É ) ou rcdtlzindo- cj u] a n binzulus, scpauunado-os tmn Imrm imaginzíriat (barra trac _ , í l Exercício 26 a. Organize os grupos de valores cm clichês J b. Tente melhorar: Exercício 27 ldcnlíÍiquc os clichês com s ãsua forma primitiva, scm o uso de Iigudnnrzm ou pnuszns: clichê ¡mrinnilivo
  41. 41. !i1 ! AN GUESÍ eeeeateqeaqqqqqqee Ex crcício 28 'lrzmsfonne os ¡zúntcros em mtas, compondo com elas counpanssus simbologia: l a: 4h cxclnplo: 44. l. . m . I. e! Ilull¡ exercício: 2)! ! B. 112222 ao. . -uu-m-»_ __ _
  42. 42. lu ta: re lo xx* Mi '* v4.5 ~ la l a» p, a. s; u l. l. . L L “iv Hlwtsl» xr x x xo s» so xo l l. u torre AnnANJo (MÉTODO PRÁTICO) Exercício 29 Trlulsíorme os números em notas, compondo com elas commnssos 9/8 V ; a i , _ simbologia: l a b . III= 'f exemplo: : M1314 Amil”, exercício: epmsentação espacial do ritmo '-. 0 espaço horizontal ocupado por uma nom ou pausa, dcvc ser proporcional à sua duração: b. Notas longas. como scmibrovc ou míuinnn. nlovcm scr : tnotznnlas no início do espaço para elas dcstinnulo (no mouncnlo o aunque): certo errado Pausas longas, como scmibrcve ou mínima, devem scr annolzldans no meio do espaço para elas destinado (pois não têm ¡ ' | l - ' l O _ ! CCTIO ' que): errado . Cifra dcvc ser : tnolada no início do espaço para ela destinado, [cito tuna : tola longa: É e
  43. 43. um aussi" I Sinais de repetição d¡ Hope-uma de ! rec/ mz Cada loira : tbztixo rcprcst-nt-a um lWClttl «lu nnisic-. t. do Iznuu-. utlntt qualquvr, |t: tI". | «sinta-lover a orsicn¡ a da execução dos mcsulos. a notação: cxoctlção: ABB All/ ACD d: : ABCBDE à ã ã a l: A B A A ll (I ll d ABAC
  44. 44. AIIRANJD tutrono PRÁTICO) Q g execução: m" t. t t . e d. c. e $ 36 310% s/ rcpetlt ABCBDEBF l t Í ao% drcpcÓ ao% s/ rep e+ r t' parte 2' parte t' parto 3' parte t' parto Fíí *ígsfixà/ -s execuçãmABcDBCEFnCD BCGIIIIIJBK _ uíWFã-«JVX/ na/ Wfíz afã; u/ VX #Wi i I'm ? vez I've: 2'vez l'vez I've: Í Esta última é uma lot-ma "rondó', típica ao choro e à valsa. tradicionais no Brasil, lcita em três partes. . ... - execução: cxocttçãtt:
  45. 45. IANDUESI V f. |I notação. execução: . ' 3 5' INSTRUMENTOS : :rf e p: ç¡- í. ; ¡_ -e . e Classificação Dela em¡s§'ãí›_"""'°*”“"*"'“"' 'à ». : s. : M embocztdttra livre -› u coluna de ar soprando (- tllYítlitlil c f('ll". lltt(l¡l ao pass : tr por um ¡triiício amplo, apito P a coluna dear sopratlo é comlttzitlzi por um tulm eltapztdo e rc tratada por uma membmf lnstruruettlos “|13| de cohma de n» bocal -P- a coluna de ar soprando é captada por mn bocal tnetzilico em Íortna ntinúscula de taça ar vibrante Clttttttpttltltit, em ligeiro contato com os labios vibrantes e e cottdttzitla por um tubo fino palitcttt -› os lábios e o ar vibrantes põem uma ou duas ¡tatihetas em vibração, lnlllslltllíllzl por um 5¡ fino corda Íricciottadzt -h- é posta em vibração ¡n-i-. t fricção de crina : ispera (tubes-ta de resina), esticad Iinstrumctttosl/ um arco em nwvimento I'll PAQIÍO - ' ' '"' " 'H ge a cord: 'aguia-pu' couro -I a supcrlícic Instrumentos a paquera dememhruta ›ntudeira ›' ' ' ' . um, vibrante do couro csliczulo é ¡iosta em vibração : ttntvés da percussão com a mão letra l i @É É? g r L É,
  46. 46. ARHANJO (MÉTODO vnártcot Quadro declassiücação pela cntissão . ._. ... ... ... .__. .o. __. .a lustnttntttttos llaula, llautitn, flauta em sol, ílauta baixo, pffaro, quernt --. ,.-. ... _.. ... .-. ... ___. _.. .. _.. ... ..__. -. . . . .m _. .á. ~.-__~__. ' llauta de Pã, sampoña Íiatna doce soprauino, soprano, cotttralto, tenor, baixo- órgão de tubos trompete, trontbone, tmmhotte lntiso tubo cônico a clarittete, requinta, clarone, saxolones soprano, contntlto, tenor, baritorto trompa, ilugelltorn, bttgle, tuba oboé, co 'lltglllgltlgclt', cotttmiztgote_ . ... ... ._. , . _ une-w. . . rabalxo violino, viola, violoncelo, cont _. ... ... _-. _.. ... ... . -. .., ... ... _.. .._- , . violão, gnitatrrtt, çav-. uptittlto, ltnrptt, ltzttttlttllttt. lntttltt, ritmo, ttlaútln' . _. - . -. .una-a . ..w _ com dedo 'n-ní-_ípa-n com martelo 'm' @ bateria, caixa, grande caixa, bombo, surdo, tonlon, tantbor, tamborim, tímpano, pattdeiro, bongô, repique de ntão, conga (tnmbadora, atabaque), _: timitttles, Cuica, taltla siloiotre, tnarintba, clara, coco, reco-reco, tnataca, caxixi, ttloxé, wood block vibralone, cclesta, carrilltão, sino, gottgo, glockensplel, agogô, gama, lutlitnlta cow-bell
  47. 47. r 2.7 r›a. ~.: .¡uc. à=. _›. .›_. ..var tAN quest E Quadro de extensão e' transposição Os_ instrumentos ntztis ttsados de SOIII dellnido da¡ cnrtntestnt tuoclcrn-. t, em ordem d: : ¡tan-tittttzt, classificados em Íãllllíliils dou naipes, com as respectivas extensões de som real. tratnsptasições. extensões : montadas e claros: instrumento trmnsposição ' Itolnçño clavcs ilautimcmadó f¡ ' t *: :.': _'_ -. . í”. ._. __________: _-¡_; . .-. . . -_. ... ... ... _.. -.. ... ... . . .._. ... v . ... _ -. ... .. , É (I › tlnuta flauta baixo requinte em mile clztrinete em sib elarone em siI› * de som para notação 5 2 . .u-u_
  48. 48. ' t »se . ;. v '~ -. aan-Anon merooo muitoo¡ : instrumento » som transposição notação claves trombone baixo vñrr-ív-x** #'›1*. -'. -" ~ " 'lt llugclltortt emsib liugle alto emmlL ” ltugle barítono «l : em sil '[0 trombone é fabricado em sib mas' anotado sem transposição (e prelerível evitar a expressão "trombone em sib" pan nao gerar duvida) "W '-luuuuununulà-üibt_nvv›unn__pq. gu_. ._. ._,
  49. 49. _ , _ __ 7 um' '. ;'7;~: *'- . - › v ppm». ' _ _r _ _ , z . p. , _umempv›'~d, .. _n_ _d , -. .uhunww -›---~ *r*- IAN GUEST' instrumento 50m lrmlsposiçã” v sax soprano 2M À _em sil; sax alto ----- em ntib 6M Â 1*_ sax tenor 9M ¡ mai, - ' «-- sax barltono em mil: flauta doce sopranino em lá* Haut: : doce soprano em dó ilauta doce alto em fa* ilaulzt doce tenor em dó , llautzt doce baixo em lá* * Observe que as llatttas doce em fa¡ são fabricadas etn m, mas anuladas sem transposição (exceto 8')
  50. 50. ARRANJO (MÉTODO PRÁTICO) tmtttçíici transposição-
  51. 51. Instrumento voz soprano vo¡ meio-soprano S013¡ m. É : ,_. , vo¡ barítono voz baixo cavaquinho bamiolinl banjo tenor vitrlãa n' *si* IAN llUüSl trnrtsposição 3* in loco lloltlçãt)
  52. 52. ARRANJO (utrooo PaArtco) , Étmmento . ..; .= : r ; r . _ . . som transposição notação claves . t __. :: ai t QL/ !r ' t_ _ gap» f e t* F h ^' “_ hÁ, :4:&u. Êstwi"' J e_ v_ ¡, ,;I^, t[' corúa$5°“°s _ : I Os instrumentos mais usados, extensão e rrãñêíilsàtgízgó . .tstecrtlcas orquestrztis podem ser aplicadas ituma grande variedade de instrnrnettlos e combinatções, mas ttós iremos, de e inicto, 'usar alguns instrumentos comuns c acessíveis. It seguir, vemos suas extensões extremas e práticas, transposições e " 7 claros: " 't' c , W. .., . . , _› . . extensão extrema N extensão prima _instrumento som de dó 3 (dó intervalo da extensão extensão , cluves i ' central) anotado transposição pelo som escrito _l para o instrumento _Q8""1 : 9.' I-. E82'- clarincte si# ? Mi
  53. 53. IAN QUEST instrumento som de dó 3 (dó intervalo (to extensão exlünsãü central) attotudo transposnçtto pelo sum escrita para o instrumento claronc si# 95H' ZMÂ 8¡ trombeta O sax soprano sib 5:0¡ : tlto mil: . mx tenor sit; sax barítono guitarra e violão contrabaixo
  54. 54. i? »I'l- _ AHRANJO (Merooornkrlúo) ' l 'r ã à (Exercí cio 30 Iiscwva o som dado para o ínstrtunezitca indicado: i M 3. › t ' ' ' saxaoprano | «m» som Locrita g_ sao( bttritono Exercício 31 Onde soam : ts : totais escritas pontos instrumentos indicados? a' saxbarítono b clarinetc | ¡_ trompete rF|
  55. 55. ,. - l / ullíílb t , l L . &gw » V_ me. -ww é *w-swwswazxxm a
  56. 56. Exercício 34 Entre os instrumentos : nais usados ztprendidos, inclusive os dc cordas, (mais poderimtt tocar os trecho abaixo, sem distorção de oitavas? Tire . shadow of your . oníle (Webster e Mandei tt" t
  57. 57. mliortna dn musica = › o . . II t-'orttta simples A canção pode ter uma única ttiirm-. tção, indivisivel conto idéia, onde o [or/ u c- Ítlclllíllctltitl como ¡ieríotltr e [Huse ao nltJSlllt) tempo. É como na literatura, onde o ¡nanigrztftt - a Íntse. e nt(- : t or-. tçño, ¡rodetn coincidir. A lllllsicál da forma simples é repetida várias W515; gentltnetttc com letras tlifererttes. .tt forma simples pode ser representada pela Ietr-. t A e sua repetição A A A ou | ]: A : tt Escmplosm canoa virou. 0 lntrr/ ttinltr¡ Iigeirüthcr. Curueirinltu. curlteirúo. Parabéns pru você. Eu entre¡ na mrlu * “ lota-solo que Itaia uma 'respiração' no meio, :l tuúsir-. t : tinda é "intlittsitelz t J crrmn irrigar¡ um¡ . r tim-u_ Nr-. szru mu. Ciromlinltzt. Lim' da com preta, Marcha. .cuidado [Exercício 35 Cite outras músicas de Íornta simples I Fortran "Lied" A lorma “Und” (= citação. em alentão) catnteterivxt : t tnaioria das ezttrçoes folclóricas e populares da l-Iuropzt Ocidental e também os temas (exposições) das sonatzts e sittfottitts (los períodos clássico e romfttttieo. Inspirada na simetria (característica do equilíbrio do cizrssícisttto), compreende duas partes de tamanho igual, com o final . rux/ ¡enrtto da ¡irimeirzt e cortclusiuo da segunda parte, algo como [Wrgltllltl e resposta. (Inda ¡ntrte tambéttt é subdividido em duas metades, sendo a pritneira ligeiramente mais suspensivo no final ou ttttase entendada na segunda: períutltr (ltlhlltl 'I. ied“l fV-M frase membro de frase tnetnbro de frase ntemlrru de frase tltclllllrtl de Írtttic t----_--o t---m- o ; ... -. . . . o . .. .._ . . o * i l' 7 1 lionl limit iittzd [um] suspensivo semieonrlttsirtt snspvrtsiro ¡-. .¡¡. -|¡¡_. ,-¡¡-. .
  58. 58. Ext-triplo defunto¡ "Hal": v¡, ¡¡g¡¡, -¡, ¡¡, a¡ ! Hart/ vírus : lu Rrwluc e Joana lícrtístu Rumos , l l' membro de frase I'ma! suspensivo (pergunta) ñnul semi- conclusivo (resposta) lina] suspensivo (pergunta) único ¡ttotivo 2' membro de f rue linul conclusivo (resposta) Na simbologia da análise de forum, cada letm representa um membro de fmse. usaremos as letras A B C D etc. para dsignar o conlcúdo musical. Por exetnplo, A ll represent: : dois ¡ntemlnrtus de frase, sendo l! ele melodia diferente de A. _A A representaram repetição ldêrtlicz¡ do printeiro membro, A A', a repetição Cmll algum tnodilicatção, geralmente no final. Por cima da letra coloczunos o número de connpassos do trecho. ¡rara! eleito dc comparação dos tamanhos dos membros de frase. Membros de frase de tamanho igual: Exemplos: a 3 s a 4 Esse seu olhar (lbmjobâttt) Ít B A B' g 1 a - lala de uma¡ 'eolns que eu nio Ipem¡ acretllllar. | 5 I l I l 4 Este leu ollhnr | quando encontra o lmeu I _ 'IM t s 4 ' ' - . Doce é aofuhar. à penlsur que volee l J B q_ _ t 5 1 I gosta del mim como' co de volcé. | ; las a lluliio Iàuaodo se UHF: : l ' u v 5 6 1 - l A «lot no eorafçio de quem Solwllloll sonhou delmnls. _' V I l 4 Ma! se eu puidcsse enteníder | o que | . JB. rllzemros teus Iblbos 1.- I 63
  59. 59. IAN GUESÍ 4 4 4 4 Gente huntiide (Garoto) A B 'A' C (veriftqtte você tnesttio) Entretanto_ grande parte das czutções na fornta 'Lied' ¡tpresetttzt ¡Irlrrgtttrhhule de Iumunbo entre setts tuetttbros de frase: _ f» (t 8 _ap-"m, 4:, ,mma . uru ¡Jàtrvuutpttttttti . l . a ri l _ 1 ' samira da ntinha 'terra deixa a gente | mole. atuando w lranta todo anuncio¡ v i i ' ' . . lmle. quando seleanta Indo mondo] hole. Samira da tutnlta lterra : lenta a gente: 4 . s . mole. quando coreano¡ todo mundo] bote, quando se : canta todo mundo¡ 6 . 1 z s t hole. Qtíem não gosta de I samba [bom sujeito nãole, [e ruim da cat-Í o n 1 irseça | ou doente do [Eu nasci com o | samba' t t t s o 1 com o suruba nte crilel Ie tio danado tloisautba Inuura me sepalret I 8 8 108 (Farofa de Luton-ora (Tom e Vinícius) A A B A' (verifique ocõ ntesttto) lift ainda a fomta "Lied" com a ¡tttenção da simetria, mas o final ligeiramente estendido para enfatizar a cottclusãu: 8 8 8 i2 Corcovado A li A C Exercício 36 littaiisc, com letras e tuinteros de Compassos, as tntisiezts altaiw telaeionuulaut. elassifí nas três categorias aprendidas. A ntaneirat utais przíticat para identificar as ttuatro partes é partir do lodo ("período"), desutentbrattdo-o em duas "frase-s', e estas em dois 'membros de frases". WÍIW'. Amuzrmux, The . thin/ ato of your . rudle. /i honda, Dttrttjhttrdu, .Suruba de pequenina, 0 barquinho, Srtudmle da Baixio. Yellmv . rubntttrittr. Po¡ l*'r'rturi. rt'o. Dom de iludir: Apelo Exercício 37 Cite e analise otttrtts tnúsiczts na forma "Lied". lincontraretuos, eventualmente, a forma "Lied" dividida em três ; saimos : tpettax: 8 10 13 i0 i0 IS Avarondcttfo A B A Eric' cura A h B v "Lied" com introdução É feita de uma trrinteirat tome gendtnente introdutória e uma segunda pane que é l l'l'It'¡ltl ou a tuu1e tnais evidente d: música. Esta úitinta é em forma “Lied”. e a primeira tem a forma simples irepetidz sempre conduzindo ao refrão. Usetuos as' 1 : tras X Y 7. para a : tuzilise da Ínlrtuitlçñt) e introdução cattçzit) ii tv mplos: Dindi X X A A B A lãxereicittllti Attalise 'Jh-lã-oirthi 'linnomutnuz tiraria 'tttgm lcuhucx. Exercício 39 Cite e analise out ts tnusiczts . a fonna . ietl" com introdução. Sliiit/ (Itft ii Y X' Z; B A' Catulo-as'. a seguir, uma nulo . tri, Cctsíiilírt ou não) ou livre. ou ainda "Lied" N li C l) 'para o refrão
  60. 60. É* l Annamotusrooornhttco) 1_ ' ! .. I Fonna“rondó" . h d# Os cltoros e valstts bntsilciros tradicionais são estruturados em forma "rondt'1", cont n estrutura A B A C A com algumas ""' partes repetidas: Odeon A A B B lt C C A WCG-Itú) rlofubâ A A l¡ B A C C A Noilcnt' cariocas A A' l! B' ü B' A A' -___ Exercício 40 CIte e analise outras ntúsicats n: : forum¡ 'rontló', 4* U Forma livre , ,.. I As partes da ntúsica podem vir em extensão variada e sem a repetição de idéias, como em Va¡ pass-ar (A B C D E F -ctc. ) e na : maioria dos sambas-enredo, ou com a repetição irregtaiar: Águas de murçn (A B em conthinatçõcs livres). Pode não haver separação em patrtcs. resnlltmtlt¡ num lhlxn simples e ÍIIÍnlt'l'l'tIp| II clz¡ Inelndin lemhrztntln : a form: : fprelúdío", de catniter introdutório, sent connprontissos com simetria¡ ou Izuuantltu. l-Zseumlcts; t) que . vz-ni. Samba «lu . LÁ A 1 l ' ¡Jergtuum Samba dc ru. ” ' ' ; Exercício 41 Dê exemplos de Inúsiezts em format livre. ,- l, l 4' - *e É] Forma do arranjo l ' ! An ¡tlslneiur nm atrmnjn, verifica-se : t jénwru eu rlnrrtçút) da ¡núsica : t ser ; trrzttliatlaL (Í<>llÍtIl'| ltl' : n tlnmçãt) que sepretetttlt' ' - datr ; to ztrtsttfo, ttwtl-se : t ¡ttúsiczt uma¡ ver. , times vezes, três vezes, uma vez e Iueízt, etc. As Illolllat 'nuns : nais comuns zu n¡ J, . j_ f iztprcscntztdas'. indiczun o ralcíocínio para adaptar : t forma d: t Inúsiczt à forum¡ do : Irrnnjtn pretendido. A p-. tlnvnt "cltortts", f; usada por : trrnniztdores e instrumentistas, significa : l extensão da ntúsicat tocada uma única vez, do ínicio ao Em. Assim sendo, :ts : montagens mais comuns para arranjos são: * [chorus t ; T À lchurusc 1/2 . ;1Ê1üj&4 1 As tntísictts sintples, e : Ls de forum "lied" sem e com intrudttçãun, vistas na¡ tmitkult* : tnterimg ñezmt ¡lSSÍIII oqgzutiattlzts. _ dentro da forma do arranjo: o-w _. ... _-. y.. .. -.. _. - . ... ..___. __. -_; _.. ... .-. . . ... ._. _.. ._. .¡ forma da ¡ttúsicn _, _ _ . - _ , _ , .¡_¡, __y-, .. '-^-"*_*k'~" *w--e--yvr- v--,0~--v~«~d-------- -«----- sim les '-"~ r": ¡jtsísent intrudugao . _ _ Iied com inwdtrãu . Mv* '› . F . .ABCD 2 chorus --n__. ... . . ... _.-. . . . ABCD ABCD xqancn x"Ancn 3 chorus ABCDABCDAHCD xuaucn xuanenxnancn - 1 chorus e 3/2 'nscoco xuauco ABCD 65 t*
  61. 61. o A forma "unido" é a Íonna do próprio arranjo. sendo 'a música tocada na extensão de sua própria estrntttra uma só r rt. : | A A B B A C A ou sentelltattte. Itiétn dessas formas lnísieats. podem-se : tcresçentar ao : tfrttlljll os viclittcltltth". - introdução (se não houver) F' : titles do 1° chorus - interlúdio ("intennezzoü p a separar um clients do otttro - littal Citada") ›- : tpós o otimo eltorus EVocaÍdÍã-rio-dvc- 'Brasil-a' ; i ootad a MELODIA Clt-'ltADm versão condensado da tnúsiea, :tnotztdzt em sua forum tnais simples, incluindo a melodia ein e cifras ' MELODIA IMPRIBSA: versão pulilieztdzt da mtisira, vendida uo comercio P/ tiifffllltit OI¡ GItADI-Z: olira ou versão orqnestral. :noitada em toda : t esteuszio e tletallvrs. para regírtria. com pauta individual para carla instrttnxettto ou seção pequena de instrumentos SISTEMA DE ONZE LINHAS: du-. Ls pautas em e 9: , ou seja, duas vezes cittco linhas : nais a linha ¡tuxiliztr "central" do dó central ou dó 3 ' a sistema É . . demite - - . V _ _ v Iinitsts â C dó central 'g si” ü - “ ' '- à (dó -- drift sit” nã! ? « ü 'a$tk-Õ: ¡'-| Í~¡.4'1Yt. . ' - u' ' ^' P' 'L "' " t F a' V É 'l E ItEDUÇÃO DO ARRANJO OU PIANO DO itltlbtNjoz a : ac-o da orqnestração escrita em om ou dois sistemas de onze linhas. Ê fateílitatlt) para tocar ao piano; freqiietttetnentr- um est : Ígío no feitio do arranio; :não t'- Itansgntrstca para os instrnutr-ntns a instrutor-nto em separado. estraula da | I:II'IIÍIII'; I : In . trrztniai e ttztttsposta a transposição ieita para instrutor-nto transpnsitot' em sil: l'Mt'I'I-2: a : rotação relativa ã execução de cad t'¡R'l'l-I l-JM SIL; qualquer tntisica com
  62. 62. _t tÍtitigVjtjtiiiHifiE tt rw t t t t tr t¡ t; t ikljiiiiíifiitiiiliii1!*liãifniçinitíjiaüTi e No». 'rmasrazmmzmnmmnuggm m. ; __ _ ã v waa1n-n- 25 PARTE A BASE, MAIS UMA E DUAS MEL ODIAS
  63. 63. , _f_ A' Í ' i2: i _ i A base ou centro do som do conjunto ou da orquistm é o que os músicos chamam de "levada" rítmica, onde se mesclam r 'ps instrumentos de percussão (inclusive a bateria , ' ' ll guitarras, vibrafone. contrabaixo, ele), Por outro, __. : ponto depende do bom gosto na mistura dos eiem - papclido carinhoso de "cozinha", local ttotório d ica. Essa combinação sonora a tal cntos tímbrlcos, rítmicos e Itarmõnicos que os nttisicos lhe conferiram os ingredientes bem tlosados. _ç e . __$ V_ ___n___ , i f. l t I I: lContrabatxo - , ' f @acústico e o elétrico ¡iossuent quatro cordas, soando oitava : tbaixo da notação: _ _ «à Ã É Alguns instrumentos têm uma S' _ L 7 i - . . _ e . a . A corda dó abaixo da corda mi: .. - -- notaçao _ _ W , r . .som . ç ' A l l . .o f , z , i j( l Í», i _Outros instrumentos têm uma 6' corda, mais aguda, de dó E 'z ' [Em cada corda pode-se tocar tuna oitava sem diücttldade ou até duas oitawts com sacrifício; portanto, a extensão pode 2-_ j ; negar a: _ 'fé' z (ttotação) í, _.75 , í e as notas mais executadas são: _à a '. *" i _ . (notziçao) rí/ , _ e 9 f, i J¡ É . . . , . , _ 0 contrabaixo executa o som nous grave da orquestra. encarregado, dentro da seçao numco-liarntõttica, de tocar os : à ' I n n a n l v r baixos dos acordes c notas de ¡iassagcni que soam bem com os mesmos. Au ter as cifras, o hiuxista usa o seu livre criterio, '"' inato só na escolha dessa notas, mas também na Iiguração rítmica, integrando-se na pulsação da música. Quando Itá R* melodia definida ou convenção, a notação é feita em clave de fa. Para ilustrar a execução das cifras, re. iliLtntos a seguir a progressão C7M E la? A l›7M D l›7 : f# Casados. A clareza harmônica, em todas Ji cm alguns ritmos as situações, é garantida, atacando cada cifra em sua nota/ andamento! e e esquecendo de se tratar de um canto "contrabaixo" - soando na região baixa). 69
  64. 64. ¡AN UQJESI Maua¡ rumos ¡êm a sua na gxecuçao_ notas- s-fto stctt-seetttattlzts_ e valores ttlterados. sem tnutlar a ¡tulsação fórmula básica: llílslmí swing ( "two feel') swing com 'twtlking lmss" 1M l~'l›7 Alñltl - baixo que Ctuttittlta *n21* r-r-*r-t °r"¡*fr'r'*" I›. «ls; i.. |l. 115"" valsa - wtlsa jazz com "ttztlkittg lmss" samba C7M t-: ln . tio-nu ow . à I, , . › t teãliñgtidtiúit"eis *Wattrgrtgeátt l-. ttíao lento (bolero, samba-canção etc. ) 'E ele »E 'ü à _É to às S. ü t* (loiros riltuos : não têm uma lúrtttttltt (lcllllltlil, tuas têm uma pulsação: ' ll. , ~ ? T : :à- . .n , . . .. ,gw u . _" ' _ I * si¡ , a ea u. ccntro-atttericaitci (salsa)
  65. 65. ¡tnanuo (metano PRAYICQ¡ _ C7M elo Iuando o baixo da progressão harmônica for linear (o que c' freqüente), as ttotas intertuetlizirizts do baixo, entre um e utro : ttuque do acorde novo, podetn passear livremente, ttsattdo saltos: Dm A/ Cll C m6 I! barão/ Mila! é uma nota sustentada ou tetretitlzt com vários ¡tcordes e enriquece o som das progressões mais comuns, 'iatttlo intervalos dissonantcs com as notas do acorde. Quase sentpre obedece a um ¡aadrão ritmíco estabelecido, ' iltlliltlü "estatuto", indicado abaixo da cifra:
  66. 66. . 4, 'r : Wi ÍÀNGUESÍ C _ , o -l . --. -. . ..-. ... ... .. jyélklqihçfiqn' ; vis--Jrfoztii-làgr- ' . .t. ... ..i_¡. ... _.. .', ... . -¡- xercício 43 l-Iscrevtt os baixos para : t tnúsiczt Someday my priori' tri! ! num', tle Allclatttlett. cout "tvalkitng bass" › t" e 2° finais e "valsa iuzz" nos primeiros oito Compassos. -llltllltlhlltlltfülltllllltlllll¡NIBRRRRRRRRRRRMRM 'l 'l
  67. 67. tipo "latino" l) e samba tipo "bossa nova" na 7 3 erson Recon/ zone, com um ostinato do _ii JZJ J . M . _ __ _ a. ARRANJO (metano PRÀYICO) F_J__. Jzi J l>= 'J' ? às Exercicio 44 Escreva os baixos para : t ntúsica de Joe lleud 'na primeira parte (fórmula rítmica algo como: j] 'I m . J _ "segundaparte (J, ,5.. __. .t___ . s, É
  68. 68. ANGUFBÍ fxcrçíciq) 45 I-'screv-. t os ltaisos, em ¡iulsztção rock ou lttnlt. para : t lltllsltill Sunny. de lioblty lleblt: Em G 7 C 7 Fll n17 ll 7 [-2 m G 7 C7 llm7 B 7 ? i - hd I¡ 7 l-j m A 7 E m C7 ! lêxercicít) 46 [Escreva os baixos. em trois-ação situilttr : to tutti-rien'. de N¡ Guitarra e teclados Além do cotttrztltztixo, os instrumentos da seção Itarmôníca sào: - guitarra e violões de 6 - 7 - lt) - i2 cordas. cav-. tqttittlto, lliltltlulilll. Ii-. tttio - plano : tetistico e elétrico, orgão. síntetizittlorcs -acessórios conto vibraione. xiloíotte. ntarintbat, cela-sta. carrilltão convenlettte consultar o quadro de extensão e transposição (ptígs. S2-S7l quanto às eoortltrttatl: ts (las : rotações respectivas. Inc-lúdico I-'sses instrumentos sã¡ | I."l(l . ' en '- rz' - . . d l ll' m l t" ll" ll'. ll'lll(Ill| t.'t) Uso tnelódico Pcidetn tocar : t littlta ntelódiczt, individualmente ou cotnbittatlos entre si, ou ainda com outros instrumentos. - Oombittztções entre si no tntíssotto, na oitava e em bloco: _ gnltarra/ contrahttiso, guitarra/ manto, ¡tiano/ contrahttisci, viltratlotte/ gttitarra e grande variedade de dobr-. uttettttts com instrumentos (teclados) eletrônicos.
  69. 69. . ai. . ' n nã) u) o q ooo nzA 1' ic 0:) - ç f, i-Cotnhtnnção com outros Inslnunentos: _ e: : 0 som da maioria dos instrumentos da seção Ilatmtôitiett tem por ttntnrem o : lltlqtlc ! instante acentuado em cada nota¡ e : t : ç ; citminuição de densidade no prolongauneitto da itotu. Coin Olilrtis insirtunenttos (por exemplo, sopros ou violinos). 'acontece o contrário: menos ataque e mais sustentação do som : nas notas prolong-. ulns. Por isso, estes combinou¡ bem com aqueles, cm uníssono ou oitavas: ; gpiano/ Bauta, guitarra/ sax soprano. xilofoituoboé e vibratl¡nte/ Irontpete são alguns exemplos. Uso harmônico . i ” IA exemplo do cottlmlnztiso, a escrita [iara guitarra, leclzulos e outros instruuieutos Iiurniônicos ¡iocle ser feita¡ através de l v I l '- A o 1 n I A n n loiras, com mdtcaçato de genero, estilo. clntlzt, pulsnçao, ele. , ¡iassnntlo n integrar : I parte lmrmoiueo-rítmica¡ do arranjo, ; numa fusão dc harmonia e ritmo. i [Em casos onde a seção ltztrmôiticzi fica a cargo de contr-. Ihnixo/ gilitztrra/ piatno, por exemplo, pode lower uma : rotação k "IÍIJÍM para os três instrumentos, desde que nenhuma apresente informações diferentes das deimiís: piano Éuitarra aixo 3 Nesse caso, é : lindu ¡iossível cztrztcterizztr o estilo de : neom¡izmliaunento de um ou outro Íl| $ll'l| lIl('t| ¡0, coioczltttlt) ¡inlnvizts Í como "harmonia centro , "arpcios", "notas soltas no agudo". ele. _Quando cada instrumento requer informações específicos, :ts partes det' -m ser : tnomdns em ¡iuutins tlistintzis: IE. : ma¡ : Go: - ' com gui ? E ~ Iii l i iliill A parte de piano, quando anais elaborada, pode ser : motadzi em dous [Iíttllits (é úlii incluir : is cifras para melhor z ' orieiilziçãci)
  70. 70. |AN GUEBY em oitavas (atenção: o contrabaixo e a guitarra/ violão são escritos uma (iitava acima do seu Contrabaixo com guitarra, som) : t v D gult baixo . . -. .__ 13- . ... ;__. . .g . .e . .«= _«: _"-r- I Algumas observações sobre itotação e cifragtrttt l. lts convenções rítmicas devem ser anotatlas junto s. eiíragcatt (não eonitctuliuttlc» com o lialançui natural tlu acompanhantento, próprio a cada gênero, cujas anteeipações e trt-tantos mia (| t''t'l| | : :paira-cer por escrito): [nano . -. .__; : . .›. ._J-*"; :›. l:>~l; :›. ]; ZZ_ 7°¡- gutt - °----'-- f------- - - ' It-. uxo 76
  71. 71. ' ARRANJOUAÉTODOPRÀTICO] _. .. u _ o, 2. As convençocs ntnucas, para nao serem coafondidtns com notas de : tlltlrtt defimdzi, nao usam cabeças redondas de ; _ N . ~ notas, atas podem ser anotados assim: ._ V p , y 7 A › _, -_, »a , l “ . seutibrevcott ¡uínitna f? ” . v_ __. ... plefwível 'ê 7 Í . x _ &üü-_h-J_ __" A. , , :-- _ ; _ _ _ V - on. ' sctmmma ou colclieia, etc. . <s v . . . ,., _ . m. .v _ _ _ ___^ z a preferíwcl a -"' . l 'l . .A-F _ - 3. Linhas ínclimtdats junto às cifras defioetn o teamo que elas ocopaio dentro de om compasso, caso haja mais de tona Í _ cifra: - r| . _¡ , c m / // / / ¡ a' I › t - m: | s. s. a. .___ 4' In' l | ,. . ; 4-* f" ' Caso os : icordes tenham a ¡oesma dotação. as tinhas inelinznlzis não são necessita-tais. ; l _l J, /l / / 1/ / x t¡ : É Y m ~ › - ll fa» " ' -"' desnecessário ' H N 2.2. ; i ¡ ¡ u n . b _V , 4.011so de barras tocltnadzts pinto as cifras nao tlere ser coufttadidc) com convenções rítmiczts: LL __s_-, _ comparar z - H r n ' _ A l_ '- sua Ê [ “levada” rfunica normal "l cumprir (sustentar) os valores : Inotados - i 5. Notaçõcs opcionais das convenções, no contrabaixo: t" preferível dispensar a eifragent , _ . comparar ' ' ' com: l U/ iacíí #multi ínínnvn
  72. 72. ANGUEST . . - . . . . - “ '- ~ 'z - ' n' l-ttlro da ltatidzt ou "inunda" próprizt para cada 6. lt guitarra, o ptttlltl oo ootro tnstttttnutto hat ¡itotttco totatn os ttotdtsa t l ~ dl “rum” a céluh rümím _ _ _ , ,_, _. _r_ - . . . .Ju ¡~-~-'~rl n' I ¡ gênero ou clitua, Ctlllftlnllc tothcttçtto no Imcto. I. ¡vttssttel tleflntr nos ¡ttttttutos compasso n 1 . _ desejada, escrevendo "simile" ou "segue" logo ttpós (para indicar a conttttottçtttt da ideia), ¡ittsstttttltt entao . to uso exclusivo de cifras: bossa nova violão v* guitarra É 5 l : É simile piano i7iFNâlí-7_LÊFQÍÍ: : 777m7 violão É] Bateria e ptsrcttssño No presente estudo, um dos critérios é cottcetttrztr as atenções sobre os aspectos cottsttgrzttlos pela ; mítica e dispensar os dados complementares, evitando a Iingttztgettt enciclopédico que tanto tem Ulllllíllltlt) o Cllslllt) tnosical. No tnomettto de tratar dos elementos percussivos - exlremzottttnte variados e ctnuplesos que incloent não só os inslrttmetttos industriais e artesanais, como tamhént suas réplicas e sofisticação: : eletrônicas -, liearcttttos restritos a pouco tnais que otna simples enumeração dos instrumentos ntais ttsados dessa eategorizt, :tlóttt da cttrztcterizztçñtt da ltnteria, entre eles o : nais complexo c em ¡tregado em formatções mai ores. , O límpatto, xilttfttne, tnarinthzt. vihrafotte, celesto. pltlllt), sinos tolutlztres e tttttros lnstrotnentrts percotitlos e de : tltttra tlefittitlzt, são entpregatltts ntelótliea e perrossiraittetttt' ¡telos eompusitntrt-s nutIt-tttporñttt-tts. ltiscotimos o seu ttso tttelótlico em outras partes (leste livro e tlisttenstttttos os comentarios do set¡ um permission, ;telas r : viu-s ; teima citadas. Bateria E um jogo de tambores e [tratos de tamanhos e (Ilttllltltttlcs variados, atciooadtts, :ttrztvés de ltaqttet-as ¡tetlais, por uma única pessoa.
  73. 73. ¡taautao ¡uerooo paguem . _ : tcessóritts da ltateritt "Í i pratos de Cotllrtllcttlpo lmm suhpcmst” › tomons (chlmhatLltitltat) l Caixa , _______J. _______ prato de ¡trato de (sum) _ butttlttt de haqmu¡ palm “d” : tcotnjtattjjtígtttento efettp) o l. . A3' “Pcdal A "NA-f 'contratempo (u t (kual (hit hat foot) ¡ ' tambores _pratos (cymltztls) « cativa é nm tambor raso com a pele etn ambos os lados e uma esteira de aço em nm dos lados, com dispositivo [tara j Êvibratr ou ttão. Os tonlons são tambores de : unanhos diferentes, jtrodttzindt) sons de alturas variadas, O bombo de ¡mia! 'f ié um tantbor grande. acionado por pedal. com o som grave. Os / nrttos de CUMIrrt/ Pllt/ lo são um par de pratos ¡ttotttatltts ! horizontalmente sobre um pedestal, comandados em sont : tberto ou fechado por ttnt ¡tedal e ¡tercutitlos por ltaqttettts. Os pratos suspensos são de tamanhos e rtútnero variados, Itltttllzttlos sobre ¡tt-destais e suportes. As expressões "alterto" e "fechado" indicam se a iiltntçãtt L'- ¡iertttitidat : to | .'ttl'| )l) do instrtttnettttt ou é impedida por ; lttclo de um objeto encostado nele. ! A bateria. por s¡ só, tem a complexidade sonora de uma orquestra inteira de percussão e sustenta o ritmo de orquestras de todos os tamanhos, podendo ser cnntpletttettttttla por instruntettttts de percussão. I'm' conter tnúltijtlos ? acessórios e tnúltiplas possibilidades de esccttção, as : tttibttições e xiotztções Cttsllllltttlll ttão passar de esboços de idéias, *deixando a definição a critério do ltatcrisltt. « : Antes de a tresetttar unta escrita desse t¡ o. veamos uma nota -ãtt (letal/ uniu. »tra t tte se tenha ideia da execn -ãoz t¡ ¡ k latln funk ' : crasltvm _. tllíllltil. ) "d" q"" ¡bttsi drtnn "marc Í ! ,, › I ' 'high hat foot i›(i)l: .-, .. . . . A¡ n m) ! Observe uma ligeira alteração na altura dos simtís gráficos estaltelecitltts. Na polirrittttia (sittntltattteitlzttle de ritmos), o ›_ íintportztnte é a relatividade das : tltttrtts gráficas e não o local exato da notação.
  74. 74. ANGUE t_¡ 0 mesmo trecho, em sua fomta esltoçada on rt~stttttitlzt (incluindo inforntztções sobre a ¡tattticijvztçãtt dos detnztis tttúsictts d. : ltattda como referência): latin ltntlt tunasannannnnnaooooojííãooaoot bottgôs x¡ Elítãltl/ a/_ne lÍl H x 0 _m5 htllllt'lllll_' R-«xl H 'i »a "t : v . :rum ' (7) u: - (a) _X ° . 3'_ '[- g , ". - : - m' 9_ a f P pela; . t3 t : t t; Nil. ? 80
  75. 75. ARHANJO [MÉTODO IHIÁFICO) 0 baterista, em sua parte escrita, deve ser inlortnadtt do gênero da tutisira. do tipo do ritmo, do peso da batida e qualquer gdctallte de dinâmica e velocidade, além dos sintples desenhos rltnticos e da indicação do contpitsso. Deve também ¡encontmr relerêttcias em relação aos instrumentos solistas eu ttaipes, com as divisões tnarcitntes, ¡iara que ele possa t sublinhar os ataques e precos/ mr os espaços do silêncio. Alguns tlesscs tnotncnttts são as Clltltllíttlm¡ eomrcnções, cout l . participação definltla e otttros são do critério do ltaterislzt. littlittt. a parte da ltateria t'- ttnjzt espécie de rednçãt) da ¡tartitttrtt ; orquestraL onde o baterista percebe o seu espaço. " , Quando se trata de ttuta simples "| evat| '.t" rílttticzt, t'tll°: I('| t'I'Í. ' ica de um t't'l'lu gõttero, í' suficiente tnttn ttolttção -extnentatnettte situples, tlestttczttttltt tlois ou tptatrtt cotnjtztsstts de "-. ttttoslr. t" e convenções ocasionais: samba médio faixa O2 mu¡ alinha tmdulada simboliza a cotttittttidade da ltatitlzt, da "Iewttlaf x repetir o clichê _ Os sünbolos | repetir o compasso 2 1 7%! repetir tlois compttsstts são destinados à repetição de células rítnticas tletertttittztdtts e irão devem ser ttsatlos no setttitlt) da comínnidatde da hand: -A linha ottdttlada, contínua por tnuitos compassos, deve ser uculllptllllnltln pela : mineração discreta dos compassos. junt . àbarm, a contar desde o início do desenho (ver acima). O simbolo t-5--t é patustt por oito Compassos e não 'tocar oit Compassos". Evitemos o símbolo JM ou otttros de interpretação duvidosa. Se a parte da bateria for simples (como a t3 f último exemplo), ¡toderzl tamltént ser ttsada pelos jtercttssionistas, desde que : tão ltaia instruções específicas. : Exercício 47 ltedttztt a parte de lltllcrltt, :tnotada na ¡tãgitttt attlerior, a uma ttotttçãtt sitnplificatla, setnelltzttttt' a est último exemplo.
  76. 76. A : notação para bateria e percussão paree arrimiattlttr; deve transmitir ao exccutanle meusageit¡ clama Os gêneros populares aprcsentatnl pelo IIICIIOS quatro tipt tteeutuações, veloelLI-. ules e climas. Eis : tlguns exemplos de básica, ¡nódulos a repelir ml injhtilttvn): e ser, entre ttulas. a que rurais exige cri-atividade gr turno! !! * -"_ -. A : Ílictl e até psicológica do e | IfUlZl'$: l, apesar de ¡rouco (let-atirada. rs de ¡'›tr. ¡.vctçríc› básica. trazendo, eatda um. :ttupla variedttde (le tlesenlttns rí ! unicos eslmçzttltns para a bateria (em cada ¡tulszição 2. Pulsação sineopztrlat ccntro-atnerlcana (cubana, no exemplo): = =- 50H11" mrnmmntrmen nnntnnnn n
  77. 77. ~' '-': .'*.5~Í. , .g- _ _ _ 1d' '“^ __. .._. _--. . . ... . . . , .rg-fm, - ' uduq-«a ARHANJO ¡METODO PnATIco) c. wllíltvliãillct) 2 (salsa) li I Instrumentos de percussão O quadro da ¡tzigitta seguinte inclui seleção dos instrumentos de percussão ¡uais usados nos ritutos populares e folclóricos ocidentais (da Atuérica latina. em particular), com algumas de suas caratcterísticzts quanto n conÍL-cção, ruanuseio e som. sr:
  78. 78. _ sss, .ia, u,u. .aguaZÉ_. ..ráí í . a . _ . . , a t_ t: .. t. _, sit. , t: í . lãaã lI: :macm . mcámco. âmago _züxmzw/ qo : mf/ amp »eoãx . xico w como: _ um - . _ _ . _ . .mwoãmac . e t W_Ú. l ) h. m te. t. l. l . t t u t d_ L ul. m . M M W u. .. 4 . .u . .t. l H n. to u" | fl eItIrt-elttnptt set o rcssonante x ' sustentado . 38 . ..Banco nen_ a. z._te. _:. m_. ...3. . .aan E. . mamã. z Ê 233559,. .. .e _a3_ gw? n_. =__n. =.. ... m amàmnmwír. =. c_t_. ..__. ... _s- . . . »a8 . F. gana. near_ ? mas nã. . azõmr , . . a . . . ._ _ : a É. . . a ncanwz . ..e EÃum-. .o pasa. . l . _ . N. a4 _, m c 32.. ... ao. . 652.. ..? .P. :meu . .nur 5.a. .. L. .. . ..É tools¡ -. vtllt nã» - - 342.. ... .? . vc. ..? c: 3a. ... _. .., . "t _. . . Eira. . . ..uma na. : . ..ánwu . r. : n: na : B E. . . . X u . :a E: n. _nenem 5 225.. . Ênaunem. uma: : as. nã. ? _r . .. . _ X M . mansão 9 9.7.5. 2.5:, ... 253.. ... . a. .. X3523 c. .. 3.9.# l llllnlll tl. . .X . . . ._ . .X . _n___= a8 mamão. . 296.. .:: veãnsremmcíwunnr= avc . L . . . ax. _ , .. «_. _.. ..n_ ? lamas secam. . . ..à arma. ? mary. .. , . 'lillxl . . ll| v . llIlllltlIlr. lllÍlo| l¡l . .. .. .ut X. _ . .$62.35 r nas? 88 . 353.. .: e: m5: . É vo_ MN ours¡ _ . _ nua. ? D532.? me . ..W385 vnÊo : o 581o. .. _as É. .. _ _ u . w X _ _ mai. .. &aâs . r. : :Emas : :a _ão_ : da E. .. m. . . w 53 mnnaã_ . _ _ ? macro Rocas». vação_ . .ou . nas e. . ? Dó _ . _xmxrmuãmmta al. t- - tl . Íll-i. --_ . _ X _ _ _. .. ES não. vânãunctmnanaanns. .. .a 9.8:. .. L_ , X._. _.. _un_. oB= §aanone. §=Ê3âñàaiao= . . ..R . aços . e. . . .x § __.5.. =§= ._§_. . ÊÊGEÊA= PÊÊK4EÊF= M_EEÊ ! XM «X . xa . mx . x . wâcâoãzvoquzao É l Envmacnmnsuñcuagesãã . usa. .. . _ ; x . ..E no31_ T . .x x - _aáãnêaotwwMw I- i , , _ . l . .. . . . ma* . e, . . , _wt__»%. ._. __m. ._. . . . _ , . . . an. . , . . ..tar a4 ”
  79. 79. AnnANJo (Mstooo PnArtco) A notação para os instrumentos de percussão deve indicar o desenho rítmico : rser exe-cotado- Mesmo os instrumentos que produzem sont seco (ver quadro da ¡iaigina : uueriorJ podem executar sons prolongados, p( meio de rufo (rule) ou trêmolo, por meio de golpes leves e r-. ipldos com as duas ltaquetzts. vitretats ou mãos ou, aiud Iazcndo as varetas ou liaqttetas resvalarent ntpidatuettte sohr - a superfície perentida. gntlitt: Não confunda esse símbolo com a : lotação alireviatla ¡tara : rotas repetidas onde a duração de cada ttota e tleliuidzt. lissa ttotaçãtt e perigosa por ser' poueo tlifttuditlzt 0 uso simultâneo de instrumentos de percussão é anotado em vários pentagramas: agogõ surdo clave
  80. 80. an _Q0681 MELODIA : l I Ativação rítmica da tneittdizt i 'D ntattuscrito ou o impresso da ntúsica, a ¡iartir do quzd se lar. o arrauitt, irão ¡t-. tsszt de um esboço em forma de ttteludta Íviilmda. Outra fonte poderá ser uma gratttçãt) ott a simples tuetuórizt. li evidente que a ltarntttrtiar deve ser cttidrtditstttttettte irc-visada e elaborada, ntas é também itrdispcrtsãtel repensar a (Iii-irão ríttnicu da tueltrditt e : rdaptai-Iat ou : teotttodzi-la ao - itttto que a ttcolltpttttlttl. A tnelodia, assim, Õ suhtttetidzi a uma trrotlilieztçãts, t-specíttlrttettte qlltllldtl for tocada por dois ou ais instrumentos em tmissotto, oitava ou en¡ Itloetr (= vozes tliieretttes em tlirisão igual). Não se trata de variação ou mprovlsação ntelúdicat. pois a : ttivação rítmica respeita a corrrttosiçãtt trrigittal, eouservattdtt a : rltunt e a ttttattlidrtde de Z tias notas, attenas tleslcieatttltrvas ritmieatuettte. 0 atrranjatltrr, rputtttltt escreve a tttelotlitt ltlllll: l tleterttrirtatia divisão tescolltt-rttltt o compasso, :r tttdtrica, os talortssl. tnagittzt o som total do armario executando, governado pelo rituto ttpropriado. lisse ritmo, por sua rev. , tem : r sua [lll/ .trtçüo sia: articulada ¡iela célula nrenor, que será o valor ritmico ntais com usado lt: t partitura. Cada um dos gôtteros unicos se caracteriza por uma pulsação básica, tlelinittdtt-se, então, o tipo de rontpasstt a ser ttsado no arranjo (blIltÍfÍt), ll. 'l'l1tÍt'lt) ntt t¡tt: tter'tt: 'tr'io; sittrples ou composto). A seguir, veremos os tptattt) tipos de ¡tulsztçõcs lrzisiczts tttais ttsatltts, ¡teotrtpattlratlos tlt' exetttplos. Cada tipo : tlitttetrta um ttútuertt enorme de gõtteros ou ritmos tlattçaireis; gêneros estes que itletttilieattt ¡tela ¡tulsação ltíts' *a tuas se tlÍVcfSÍÍÍCnItI ¡tela realização percussiva, [tela "levada" rítmica e pela ttctattttação. A classiiiettção a seguir é ntera tentativa de uma ttrigatti-¡rtçãtt tarática; uma isãct luas ~ada ttr-. tis na experiôtteia que ua : tuzilist- - tII't'¡. 't': ttttlt)-. '(' a controvõtsizu; no eottlrttttttt com otttras (tpittiões: l. sineopztdat brztsíleit". saint e suas vara-dat “unção 2. sitteirttztdtr centro-americana¡ salsa, nltttlt. trterertgtrt'. boleto Itít-elrfecltai, ltegttitte basica , _ _ stvrttgztdtt till¡ áwltlg, Irlttes, re v gate, troogie. lie-hop, gtiut ¡Littttltetttla -v rock, tlisco, luttk, pop Pulsação sittcopada brasileira liepresentatla ¡telo Szllllltil, seu europa. - , ¡ cout N tmidzttles de temp¡ tttlsaçai e -àvA
  81. 81. l ARnANJowEtooo PRÁTICO) Identificar, no samba, sua pulsação básica, a semicolcltcia, é só imaginatr um tamboritn ou pandeiro com suas notas ' curtas e iguais, inccssantcs (embora corn nccntuações “variadasL ou o rcquebrar das cadeiras dc uma sambista ou o. ' arrastar do pé de um passista: Amciodia terá, naturalmente', valores múltiplos deh . v _~_› _ _ : _'u4_'"' . › ~ ~ Exemplo: transformar o ritmo esboçado (sintplificado) do refrão do Foi um rio que puazrutr um : ninho vida (Paulinho da Viola) em ritmo sincopado, ¡Jróprio ao samba: : :unha Esta é a divisão orais natural, “inerente” à tnúsica e é como todos cantam AIIICS de mudar a divisão, o esmdsunc dos sabor resgatar a ¡núsica tal qual ela é, seja qual for o seu gôtrero. No caso do samba, scu compasso dcvc ser binário é atendendo à padronização da notação c conseqüente facilidade da leitura. Os norte-atucricanos, menos familiarizado ; Á com o visual cm articulação dc m , preferem a articulação dc | I | | e cottscqücnte ttotação em 2/2 ou 4/4. C 5 É trecho acima seria por eles anotado: ;l E ¡ A rf me. a : Jul . _, _ _ . ; l
  82. 82. IANVQQEST 1. ; ›. <_: .~- A n que irão afetaria sua Interpretação. 0 bvrnsiletirn prefere n Ieilum em pldsaçãt¡ de . O chorinho e o samambaia' canção, entre outros gêneros brasileiros, lanlbénl seguem! esse esquema em 2h, e 'l/ g, respectivnlnente. Exercício 48 Escreva, em llsil ão since nda, a¡ l' arte do samba F im zmmreia (Noel ltosa), ctfn nota 'ão esbo 'nda P l I s lêxe reíeio 49 Escreva vários sambas que você tenha¡ na memória¡ nn : nurse-rena: de gramlçãt) - alàz-. nfáa. i: =.L-: .à; ..-; .
  83. 83. AHHANJOUAÉTODO PnAncm, I Pulsação sincopatla CCIIIPO-: Illlcriczlllil Músicze¡ em ritmo típico cenIro-nmericannao coslumzun ler n pulsação Inisic: : de j f I em counpnsso 3/2 ou em 4/4 u quando mais Iene-Ls. No ritmo da salsa, por exemplo, o piano e as tunnbzndoms podem tocar um desenho nnelódico-rílmico . que deünírá a divisão do próprio solo da melodia¡ (ou vice-versa): 5 Mommg ("lume Fischer Inedimn-slowl: ¡IiI1 ' 4 * g m Hügltzítanfltaca Cm7(l›5) 1-'70-13) 155m1 Eb? Cn¡7(l›5) F7(Í›IJ) l¡| ›n:7 ubv Islam : ele: :alma AL? ubm 01-7 . 2° _FIM A A. A _ A ' 5,32? _égàf
  84. 84. IANOUEST ________________ __ l - -- “M” »vía-Fi r s 1 É I Pulsação . swingada | ã n l Oiazl. otlswing norIe-atnerieailonommlmerlix Iunotompaaso l/ (l : unem hl/ .Mhilll. . / ui l . sua pulug to lusa. I l “n40 que em uma grupo de n a primeira é ligeiramente mais longa que a . segurada. mmslonnamlo a pulsação: l . i m' L. 23 E* a: ;ir às vezes anotada A Irei-ação em quiálieras, colcheins pouluad-. ts ou em Compassos coniposlos, :llÉIll de inexala, resulla em visual complicado, ¡rrineipitlmenle quando clichês (lift-rentes são usados ou eombinznlos. I'm' exemplo: _ax-nrmwiuuljam-nei» ! full green. Im' ! hmm e Ben Ilumer 'à z a. em quiálleras t-'l-i r~l~n r5-u-3-n r-l-i r--Ln ! '51 í Para simplíñcair, convencionou-se íntemalcionalmeilte a nolaçfn: por 'eulrlieias smngaalzis", onde J J representou¡ aproximadamente . lvlx e pan¡ isso é sullcienlc- : molar (D = J 'oh i on a | l¡ll'. |'l". ¡ SWING no início do ircxlio. A execução L . _I l . Ç swingada ¡iretaleee nlesmo quando o clichê” é preeerliilci ou seguido por lieadurzi ou lransformzulc¡ em I' ou a ou , h 'F | . ¡ A noiaçãt) coiwelicionail do Ireelno ; teima torna-si' hicil de ler. uma w¡ . xvlllilnlir ; i plllaziç: iiiilzl. x , U ilemguzris: Í | opcional , . ~ É l: : saque (D= ul, Jl) (ll/ xml. ) ' ; a i a , v" t. .J
  85. 85. ' « '. z _n _g à * Annaniometoooímlnco) Exercício 50 Leia a l' ¡nirle de Lia/ leila' of bird/ und. em sua nom eolclieias e, em seguida, sivêngzulo. Note a difweiiçzi: ção convencional, ¡irimelro ¡nelo vnilor real das " . . ~ ' g _ . _ | . .w Lullaby ofblrtlfand (M'UI'_S, 'l' . Slwaring e George David Weiss É» E - à H _ Íí of* 'Ft_ A música sivingadar, especialmente a "balada" (mímica lenta), pode vir : Inolzulzi um sun forma mais simples, eshoçadai. ' dísgiensanilo a ¡Iiividzide de colclieizu: : ' _nê- N . , ç Autumn leaves Juve/ JI¡ K arma, Jacques Prever¡ e Johnny #letter f_ ? i_ › _#4 L_- b' , . . #- l lui y di, i i. l ll i ir H lã7l"la' if lri
  86. 86. l! , i1. sem repelir : ne l-'IM I Pulsação limkeaila t l l '. o; En' v 1 . - 0 luuk, em compasso de 4/4, tem a pulsação lnísica de ñ em cada tempo. a exemplo do szunbzl. Dilerenlc da ¡uelodia sincopzida, a melodia do funk pode mio "parlicipar" na aliridiule de semícwilcheias, ileixzinilr) isso ao cargo da ' . N -. J! llllt: i'I: |lSSã0~ll: |I'll10llÍü, em ¡iarlicillzir quando houver ¡rarle vocal. Vejamos Le! i! In- (john Lennon e Paul lilcüairlrlczr) en¡ _' oia forma simples, onde a figura 'ñ mrzuneuii- se umnili-sla na melodia:
  87. 87. o. c r. Á m n o B. . sw 0 mf D . Sm o m. " T 0.5 É a n mm M GW m. um m mm P0 R 0d A du. . um s . mw _u um 1.1 om k. n . m. 0 n u . m. . .lc . n a D¡ 1 . m _ S. Iixercício 52 Funkeie a melodia se vuinle, :morada ai ui em seu ritmo : nais sin¡ ›| es: ls l . Io/ m Lennon e Paul McCarmey
  88. 88. :: xr-tw rs «nos de outras ¡aulsatçõcs b-. isiczis : :Imbé-na pmlcm ser Iransíoriiiziclus cm funk. rcsulizuultn em grande : uividztd rrcussiva. Funkear um 53:11h: ¡ lornz¡ su: : Iingiszlgcizi : amis ¡nivc'¡1:| cic›n: il, :i vxvinplo : Ip: _lnrgc Bcniur, Sérgio Mendes o nda uma infinidade ilc ziulorcs/ :urrzuniaulurcs t-slraulgcirirs inspiradas n: : ! unida lirusiicir-. n, mas ccmscivzuicln o "suiatqlte guarda do Brasil e Nu Baia¡ do SiqmIc/ ¡ru se Clmlpüflilül 'bom nal ! tirada ilu funk. Vcj-. uuus, como cxciuplc unha de um cantava! , di: cínico Buarque. Seu 'cslribiiho final topa-lido várias vezes, em samba: Hu¡ HH' Í J l-_In . mnpainllado. vidculcsizcilic, di: clima pcrctlssivi¡ fuukcnciu. IsZx-ercício 53 Partindo do esboço (IL-sia auesmn músis: : escreva-a: -m szunba b. em funk
  89. 89. a» ue m xxsrx-rririvwiin i¡ mr' -'f-J' v: ir v: i» iv I i i i; i_ i t_ x: i. x a; a. ll MELODIA A DOIS AéÉQOAí'W%VK'Wu-Ç. Í~›ÀJ; V o: É w / A ulContracnnto ' ' ' n Linha do baixo 0 conirucanlo ou contraponto é uma melodia que son bem (combina) mu¡ um (amu dado. A Inúsirn lummuxitiuh¡ inclui. quzttldn : I lulrinuniu fm' bem conduzida no íuslrumculo, vários cuntrzicztlulos. l-iutrc cics, o ¡nztis cviilcnlc é : t ! mim du ÓHÍIO da Iulrmonizl. A própria palavra "coilmlbaixo" é : I : ihrxrviação ilc "conlracziunu baixo". A linha¡ do baixo é tão "forle", tão mclodíosu, que sugere, representa ou até subsliiui a lntrnwniat. Na inspiração do compositor', n linlm do baixo pode surgir primeiro, e a Ilarmolniil é Ícilz¡ em função dessa linha: Insensatez 'Ibm Jobim Viola vuluurudtt C7Mv aãíãã""
  90. 90. ANGUES aguas' 1M' Iltílfçí) hm' Juh"" 3 _É_ : - Exercicio S4 Faça o contratante, destinado à linha do b: : 2o, (Ia rnnsir line seu olhar (Tom Jobim) c faça harmonia, a partir dessa linha: iuha inlcrtnctliítriat Além da linha do baixo, otttras linhas estão presentes na harmonia burn comlttziilzr. Quanto maior a tlcstrczzi, :nais o músico Const-guto COIICÍÍÍHI' uma Iiarmotriz¡ vcrsaiti l com linhas Imnitats. Para tnuitos compositores, cssas linhas nlclcidiczts intcrmcdizirias cntru a mciodíat princiml c a linha do haiw snrgrstn : tnlcs ila harmonia o sc tornam fontes inspiradoras para cia. 96
  91. 91. Pixinguinha _E_ Ftis) _F6 Fats) r Fats) F6 1:1 Am Anata) Amõ Amos) p-. ..i t* I Cotttracztttto passivo 0 cotttraeatttta acima da uma linearitlzttie a ltartnottia. Iile tem o ritmo tl uma linha rneltitliczt que, :tlém tle funcionar "Imrizontttlntettte". usa no portanto funeionttntlt) "verticalmente". Um contracantu, (tllittillt) patesivo, tem cttracterlstictt tlnpla com titnçât¡ ttoriztttttatl e vertical, em tnovitnento rítmica Sctllcllltllllc ao rittno harmõnictt (ritmo «Ia tnutlztttçat tlos zicurtles) e atpresetttatttltn ua tuelodizt nm movitnento linear, apesar das interrupções esportitlicas. Para que o contracanto ¡TASSÍWJ funcione com tt ltannottía (ou para que a ltartnonitt funcione com o conlracantt) passivo), cada ttota deste tleve soar bem com o acorde que a ttcotnpatthtt. A função trtelódictt é exiuninatdat através da (uni/ iso tnelcízlíca. A a própria llarnuntia: uma nota para catia : tcortltx É tas que ('lll'Ít]tlt. 't. 't't¡l ltastttntt: o sont tle catlzt twulílt', E Análise Inelódictt É o estudo da relação ntelotli: t-ltartnortia. 't Sintbologitl Catia ttota tle uma trtelotlitt forma um intervalo com o baixo do tuiuteros tle l a 7, tomando por base os sete intervalos fora¡ llltlittr, no exemplo): acorde que a ttcotttpztttltzt. Os símbolos tio intervalo são o: talos entre as notas da arco/ a rrrztior e a sua tônica (tlt 7M
  92. 92. ANGUEST Quando a ntelodia fomta com a nota fundatnentttl do ttcorde um intervalo ttlteratltl em relação aos intervalos da anterior, escreve-se ll ou l› antes do ttútnero: Observe que o ttúntero representante do intervalo, :tssittstlzttlo com alteração, irão sua necessariatuentt' un ¡ttelõdica ttltetztdzt, 'ou vice-versa: ' ' cifra--wuw Dm p El l fill tunlliscmltf- l n é V' n l tnelodia - ! '- pttis a simbologia tem a fruição estruturar! e não tomo'. llsaIn-se, ainda, na ttnailise tuelótliczt, os Itúmeros 9 l equivalentes a 2 4 6, respectivamente, em caso de tunas tle tensão, conforme verentos mais adiante. Esses nú também terão» ll ou la na frente, quando a 9' ou a 13' não foretn_ tnaiortss ou a ll* não for justa: cifra ----r-› | i : tnálise win- tnelotlia II- I. Exercício 55 tàsensvtt a : tnálise das notas em fruição : las cifras rt-spe cifra -- B 7 Gltõ (3 m7 7 DH p m6 Gp : tnálisc -› tnclotlia
  93. 93. u, l _ . . u_ , ,_ _ _ l' p rrnnruuo tuàrooq vahrcor - Aferição rnclódíca . h __ 'f' n - - . n nota ruelotlrca, para soar bem com o acorde, ;rode su. notado acorde nota de tensão - nota de aproximação -ll a. s-. tndo a simbologia apresentada, vemos em cada estrutura típica de acorde de quatro Stlllfi, as notas melódicas de boa smroritladc: ' , _.. .. u ~ , ter _. _.. ._. ... --. . _. ._. ... ._. ... .. NOTA Mratonrca _ ~ de trcortle . ... ,_. _.. ..___. ._. _._. .. a A 7rrr/ ó 3 (ps m. . rn m7 5 l ll " n, 73116 s tt . louro i H9 It los dim II tos 7". *f* 7 “um rt r r (lr) 13 74 . , _, ;tw oro rlrt - Y 7 . 7 à ' __ 'H “Tt : .' lr: '.'r1'*: .-l 1. 1.a; - ¡axâiiltl q. .. Abras (la (rjmariruação são otrtras notas que, tliatñniezr ou crornaticarncutt', se resolvem nas Irotas "de boa strnoridtttle"; tC-nr a duração comparatiwrmenrc curta, ocupando lugar rnetriczuuetrte fraco no conurzrsstr. A ami/ iso da função mciódica não serve para tltttltllll' ou sintetizar melodias e contracarnos, carbon: tlemonsrre m; uenraticztrnetrte o ¡rorquê da boa stnrorttlattle na relaIçÍtI) rnelotlia-lrtrrmonia ntrisica, ctrmtr todas as arvtcs. é ¡rrotluto de inspiração, nutu processo esscttcizllrutarte Irurnaaro l' intuitno; o sistcru-. r dt- : llI¡lll. 'I. ' trt-a : quest-otario seru- ; tpenas ¡rara veriñcaçãtr ou constatação e, twentuarltnente, um lanrpejtr trata indicar strltrções possíveis, caso surja atlgunr impasse no [rrocesstr criativo. lim leur/ ro: caso uma nota tnelrltlitat suslcntatl-. t, critIt-Irtt' ou imposta não seia noI-. r rlc : tcortlt- ou tensão. fica caracterizatlo erro na lrarnrouilaçílo ou, ainda, uso tlc lirrgtragcrtr lrarurñrrica fora do lnltztllsttltt (por t-s. : litrguzlgtan tnodal). 7o- ¡- . L-u ç» . C _a_ ___. .. _L_ L
  94. 94. thNGUEB Série ltarntônica As notas do contracanto, assim como as do próprio canto, formam intervalos ricos ou Izrandos, dissonantc: consonantcs com n linha do baixo da harmonia. Para tncihor contprccndor essa riquczzi lntcrvatlar, coohcçzttnos a s Irarmõtliczi. Qualquer sont de altura dcñntitla, .st-ia Olllílítit) por um instrnturrtto ou por iouto natural. õ rosuittttlo tlu vibra- rogtrlatr. lãssa vibração õ cottiptastzt ¡n-Io som : :orador ta propria¡ nota rnnitini-. ti v : intros sons tlvíininlzrs tll' intrnsiti Incnur c Ircqtiêucia : nais aguda, cluzuttatlos . runs Ímrllltirlttvts'. ti sua¡ gvmdur. run¡ m. lt'. |lt't'| Í'tI$ hztrrnzinirans I't*sti| l'. lti forma a série hartnõnica, uma sério tic ttotzts quo gnardzun ('I| II'L' s¡ uma rt-iitçiixu intt-rr-. tlztr t': tr: tctvt'ística c innttziv-l, ttrigen¡ ¡muito! ou cósmica. que calda corpo rihrattttc, :tléut do »vibrar rm toda a sua extensão, tatnbént ñhra em metade, em sua terça parte, em sua quarta e quinta par s. ctc. . [iriltiltlilltitt sons cada rt-z : nais arguidos. l-Itn priori¡ (manto menor a fração do como vibrante, tanto menor sera a intensidade de seu som. ou suja, a intcositlztdc dos s: Iiztnttôiticos diminui, ao : tvançar na série. Etttrctzntto. dcpottdcntio da quaiidadc acústica¡ de carla fonte sonora (do c: instrumento), os harmônicos estão [JFBSCIIICS cm iutcnsidsttlus variadas, o que | )ft)(| li7. o timbre característico (lv ca instrumento. It série ltarnrõtticzt é lisicztmcrttc inlinitzt, c suas printcitzts l(› ttotas surgctn, :to suhdivitlir tuna corda vibra¡ (experiência tic Pitítgorzts) um 2 - 3 - 'Í - S - (a - 7 - H. t-Ir: ¡iarlt-s iguais. Sc' : tiioarntos uma corda om rlú. ttotarrutos qnt sua illtlãitk! tatnhónt vihrarzi t'tll rlti oitava : tt'l'ttl; l. a ¡In-tzttlr tlt-stc- tamlnan o : assino por tliautv: dói Assim, cada seção da corda vibrante tuntbén¡ vihrará em duas tnctatlcs. produzindo sons 8' acima 10 a. .

×