Successfully reported this slideshow.

Consciência fonológica e o sistema de escrita alfabética

643 views

Published on

Consciência fonológica e o sistema de escrita alfabética

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Consciência fonológica e o sistema de escrita alfabética

  1. 1. Consciência Fonológica e Apropriação do Sistema de Escrita Alfabética Jalma Prado amlajprado@yahoo.com.br
  2. 2. Algumas questões em torno da consciência fonológica Ao nos questionarmos sobre a consciência fonológica, algumas perguntas nos vêm à mente: O que é consciência fonológica? Consciência fonológica e fonêmica são as mesmas coisas? Será que os professores alfabetizadores têm clareza do que seja a consciência fonológica? Será que quando trabalham, por exemplo, com rimas, explorando parlendas, trava-língua e poemas, os professores têm ciência de que estão trabalhando com uma atividade que explora a consciência fonológica?
  3. 3. Algumas questões em torno da consciência fonológica • inúmeros estudos vêm mostrando que a consciência fonológica exerce um papel fundamental na apropriação do SEA, quando consideramos que os aprendizes desse sistema de escrita, em dado momento de sua aprendizagem, passam a refletir sobre os segmentos sonoros que constituem as palavras, sejam eles as sílabas, as rimas maiores que as sílabas, as unidades intra- silábicas ou os segmentos menores que as sílabas – os fonemas. • adotamos o conceito de consciência fonológica utilizado por Morais (201, p. 82) que é “um grande conjunto ou uma ‘grande constelação’ de habilidades de refletir sobre os segmentos sonoros das palavras”. A consciência fonológica é, então, a capacidade metalinguística que permite manipular e refletir sobre segmentos sonoros da linguagem oral.
  4. 4. Algumas questões em torno da consciência fonológica Quando as crianças manipulam os sons que constituem as palavras da língua, elas o fazem de duas maneiras: ora refletem conscientemente sobre os segmentos sonoros, ora não. Quando os aprendizes passam a analisar e a refletir sobre os segmentos sonoros das palavras, estão operando no nível explícito das habilidades metafonológicas. É nesse momento que as tarefas de consciência fonológica devem ser potencializadas na escola. Daí a necessidade de se sistematizar o ensino do sistema alfabético de escrita.
  5. 5. Algumas questões em torno da consciência fonológica • A consciência fonêmica pauta-se num tipo de reflexão metalinguística que implica na operação consciente sobre os segmentos sonoros menores que as sílabas, ou seja, sobre os fonemas, a partir de seu isolamento (MORAIS, s/d). • A consciência fonológica tem uma abrangência maior que a fonêmica, uma vez que, além de operar sobre os segmentos fonêmicos, permite operar sobre sílabas, rimas e unidades intra- silábicas.
  6. 6. Quais habilidades necessárias para que um aluno se alfabetize? • O professor pode promover atividades que desafiem os alunos a pensarem sobre o tamanho das palavras, considerando o número de sílabas que pronunciam, ou seja, qual tem mais sílabas – “pedaços”; tarefas que permitam as crianças identificarem palavras que comecem com a mesma sílaba (essas são resolvidas com mais facilidade pelos alunos), assim como palavras que compartilham o mesmo fonema inicial e não toda a sílaba; e atividades de identificação e de produção de palavras que rimem com outras (estando atentos às semelhanças sonoras entre os segmentos das palavras, aqueles que se repetem em palavras distintas, os aprendentes têm melhores condições de entenderem o funcionamento das letras). Tais atividades podem ser realizadas por meio da exploração de cantigas de roda, trava-língua, parlendas, quadrinhas e “jogos com palavras e situações lúdicas que permitem às crianças brincar com as palavras, explorando, mais uma vez, suas dimensões sonoras e gráficas” (MORAIS, 2012, p. 94).
  7. 7. Quais habilidades necessárias para que um aluno se alfabetize? • Atividades que possibilitam pensar nos segmentos sonoros das palavras, de diferentes maneiras e em diversas situações de interação, ajudarão o aprendiz a avançar em suas hipóteses de escrita, posto que cada uma delas mobiliza um tipo de conhecimento necessário para a compreensão do funcionamento do SEA. Como possibilidade de potencializar a reflexão dos aprendizes desse sistema de escrita, defendemos, então, assim como Morais (2012. P. 93), “que as crianças possam se beneficiar da presença da escrita das palavras, enquanto refletem sobre seus segmentos orais”.
  8. 8. Consciência Fonológica ≠ Consciência Fonêmica Consciência Fonológica • Segmentação oral de palavras em sílabas • Contagem de sílabas de palavras • Segmentação oral dos fonemas de palavras • Contagem dos fonemas de palavras • Identificação da palavra maior • Produção de palavra maior que outra • Identificação de palavras com sílaba inicial igual • Produção de palavra com sílaba inicial igual • Identificação de palavras com fonema inicial igual • Produção de palavra com fonema inicial igual • Identificação de palavras que rimam com a mesma sílaba • Produção de palavras que rimam com a mesma sílaba Consciência Fonêmica • Atividade de identificação de palavras com o mesmo fonema inicial (IPFI) • Atividade de identificação de palavras com o mesmo fonema final (IPFF) • Atividade de produção de palavras que começam com o mesmo fonema (PPF) • Atividade de segmentação das palavras em fonemas (SOF) • Atividade de contagem de fonemas nas palavras (CF) • Atividade de adição de fonemas em palavras reais (AFPR) • Atividade de adição de fonemas em palavras inventadas (AFPI) • Atividade de produção de palavras a partir da escuta de fonemas (PPFA) • Atividade de subtração de fonema em palavras reais (SFPR) • Atividade de subtração de fonema em palavras inventadas (SFPI) • Atividade de síntese de fonemas nas palavras (SF)
  9. 9. ALGUNS RESULTADOS DE PESQUISA (MORAIS, 2012, S/D) .   PRE SIL SIL-ALF ALF Fev 52% 26% 11% 11% Jul 18% 23% 18% 41% Dez 7% 18% 9% 66% Tabela 1 . Distribuição das crianças conforme as hipóteses de escrita, ao longo do ano letivo
  10. 10. ALGUNS RESULTADOS DE PESQUISA (MORAIS, 2012, S/D)     PRÉ-SIL SIL SIL-ALF ALF     Separação oral de sílabas Fev 76 89 96 100   Jul 65 77 92 92   Dez 66 79 94 98     Contagem oral de sílabas Fev 67 91 86 96   Jul 75 75 82 92   Dez 75 75 88 96     Identificação da palavra maior Fev 32 78 95 95   Jul 40 83 96 97   Dez 33 71 100 95     Produção de palavra maior Fev 36 68 86 95   Jul 39 77 100 93   Dez 48 72 94 96 Evidências sobre o papel de habilidades ligadas à separação e contagem de sílabas e à identificação e produção de palavras maiores que outras Tabela 2: Médias percentuais de respostas corretas obtidas pelos subgrupos de alunos com diferentes níveis de escrita nas tarefas de separação oral de sílabas, contagem oral de sílabas, identificação de palavra maior e produção de palavra maior que outra, nas três ocasiões de coleta de dados.
  11. 11. ALGUNS RESULTADOS DE PESQUISA (MORAIS, 2012, S/D)     PRÉ-SIL SIL SIL-ALF ALF     Identificação de palavras com sílaba inicial igual Fev 31 69 75 82   Jul 36 80 86 98   Dez 25 83 100 95 Produção de palavras com sílaba inicial igual Fev 21 53 70 96   Jul 28 60 89 96   Dez 33 71 95 100     Identificação de palavras com fonema inicial igual Fev 20 39 50 60   Jul 21 35 61 75   Dez 8 29 62 82     Produção de palavras com fonema inicial igual Fev 4 6 14 46   Jul 32 65 71 88   Dez 25 46 81 87 Evidências sobre papel de habilidades ligadas à identificação e produção de palavras que começam com a mesma sílaba ou o mesmo fonema Tabela 3: Médias percentuais de respostas corretas obtidas pelos subgrupos de alunos com diferentes níveis de escrita nas tarefas de identificação de palavras com sílaba inicial igual, produção de palavras com sílaba inicial igual, identificação de palavras com fonema inicial igual e produção de palavras com fonema inicial igual, nas três ocasiões de coleta de dados.
  12. 12. ALGUNS RESULTADOS DE PESQUISA (MORAIS, 2012, S/D)     PRÉ-SIL SIL SIL-ALF ALF     Segmentação de palavras em fonemas Fev 17 20 21 25   Jul 14 20 25 44   Dez 8 21 25 42     Contagem dos fonemas de palavras Fev 18 22 36 39   Jul 18 20 25 49   Dez   8 21 44 64 Evidências de que as habilidades de segmentar palavras em fonemas e contar fonemas não são necessárias para se alfabetizar em português Tabela 4: Médias percentuais de respostas corretas obtidas pelos subgrupos de alunos com diferentes níveis de escrita nas tarefas de segmentação de palavras em fonemas e contagem dos fonemas de palavras, nas três ocasiões de coleta de dados.
  13. 13. ALGUNS RESULTADOS DE PESQUISA • Os dados coletados nos estudos de Morais evidenciaram a importância do papel de habilidades ligadas à separação e à contagem de sílabas e à identificação e à produção de palavras maiores que outras, bem como o de habilidades ligadas à identificação e à produção de palavras que começam com a mesma sílaba ou com o mesmo fonema; • houve a evidência também de que as habilidades de segmentar palavras em fonemas e de contar fonemas não são necessárias para se alfabetizar em português; • quanto menos avançada a criança na hipótese de escrita, menor será a capacidade de identificar palavras com sílaba e com fonema inicial igual, bem como identificar dentre duas palavras qual a maior ou ainda terá dificuldade de produzir uma palavra maior que a outra.
  14. 14. Sistema Alfabético de Escrita: questões pertinentes • Propriedades do sistema de escrita alfabético que o aprendiz tem que reconstruir (p.51); • Explicações da teoria da psicogênese da escrita sobre o processo de aprendizado da escrita (o que nota e como cria notações?) (p.54-67); • Que limites ou lacunas temos vivenciado, ao usar a teoria da psicogênese? (p. 77); • Quais habilidades de consciência fonológica são importantes ou necessárias para um aluno se alfabetizar? (p. 86-88); • Cuidados na realização dos ditados que avaliam o nível de compreensão do SEA pelos alunos (p. 166-167)

×