Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Arte Portuguesa Contemporânea

7,857 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Arte Portuguesa Contemporânea

  1. 1. Arte Portuguesa Contemporânea
  2. 2. Até ao 25 de Abril de 1974, Portugal manteve-se isolado, com o peso da Guerra Colonial e com a censura e a polícia política que tudo controlavam. Apesar desta situação, surgiram algumas rupturas e valores emergentes, como consequência de um mercado de arte mais Especulativo, de contactos com escolas e artistas estrangeiros e de uma produção mais diversificada e personalizada. A partir da instauração da democracia, as artes tornaram-se um outro veículo de crítica e de construção, desde as artes plásticas ao cinema, à literatura, à dança, à música … com obras vanguardistas. Surgem, por todo o país, galerias e locais de exposição, mais publicações, mais artistas e amantes das artes.
  3. 3. Assim, o que caracteriza a contemporaneidade portuguesa é: uma maior pluralidade expressiva, um espírito de experimentação aliado a uma onda de criatividade facilitada pelas inovações tecnológicas, uma projecção internacional de autores e obras, e mais atenção à salvaguarda do património, uma adesão e extrapolação às correntes modernas, uma preocupação quanto ao desenvolvimento urbano e suburbano, um maior número de arquitecturas de autor, o uso de temáticas versando o corpo e o comportamento, a utilização dos multimédia, a prioridade às questões ambientais, numa produção onde o artista é um poliapto, trabalhando os mais variados materiais, formas, técnicas e áreas, abordando, cada vez mais, questões humanitárias, políticas e do quotidiano, num paralelo com o que se faz no estrangeiro.
  4. 4. Na arquitectura, surgiram os ateliers de Nuno Teotónio Pereira, Nuno Portas e de Conceição Silva, que formaram uma plêiade de novos e relevantes arquitectos, em Lisboa; No Porto, Viana de Lima, Arménio Losa, Cassiano Barbosa, Agostinho Ricca Gonçalves e Outros foram e são os criadores de obras modernistas. A partir de 1974, aparecem os Programas de apoio às cooperativas de habitação e recuperação de zonas degradadas, Como o processo SAAL, no qual particiam Siza, F. Távora, S. Fwrnandez, P. Ramalho, M. Vicente, g. Byrne e Cabral Mello. A partir dos anos 80 iniciou-se uma produção pós – Moderna, com o conjunto das Amoreiras. Até à actualidade persiste uma moda Internacional, entre o neo-racionalismo e as influências da Nova Modernidade, na procura da qualidade de vida e na integração urbanística, concretizadas por arquitectos Relevantes como Alcino Soutinho, Souto de Moura, Vítor Figueiredo e outros e pelo Projecto Polis.

×