Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Planejamento da Captação de Recursos - FLAC 2013

2,095 views

Published on

Planejamento da Captação de Recursos - FLAC 2013

  1. 1. PLANEJAMENTO DACAPTAÇÃO DERECURSOSMichel Frellerhttp://www.slideshare.net/micfre12
  2. 2. O QUE É CAPTAÇÃO OU MOBILIZAÇÃODE RECURSOS???????????????
  3. 3. Atividade planejada e complexaenvolve: priorização de estratégias,marketing, comunicação, relaçõespúblicas, elaboração de projetos,prestação de contas, incentivos fiscais ,questões jurídicas e de natureza éticaObjetivo: geração de diferentesrecursos (financeiros, materiais ehumanos)Apoio à finalidade principal daorganização (meio para que a entidadecumpra sua missão)CAPTAÇÃO DE RECURSOSCaracterísticas da Atividade
  4. 4. – Pode dizer-me que caminho devo tomar?– Isto depende do lugar para onde vocêquer ir. (Respondeu com muito propósito ogato)– Não tenho destino certo.– Neste caso qualquer caminho serve.(“Alice no País da Maravilhas” - Lewis Carrol)O CAMINHO A SEGUIR
  5. 5. – Como saber se o vento é bom se não se sabes para onde ir.( Luís de Camoes)O CAMINHO A SEGUIR"Se um homem não sabe a queporto se dirige, nenhum ventolhe será favorável !"Lucius Annaeus Seneca (4AC-65DC)
  6. 6. Planejamento estratégico é um processo de organizaçãode idéias e decisões, que influenciam o futuro e definema relação entre uma organização e o ambiente em queatua.PLANEJAMENTO ESTRATÉGICOConceito
  7. 7. Modelo TrevoServiços SociedadePessoasRecursosDirecionamentoA arte e desafio do gestor émanter as relaçõesequilibradas e harmoniosasCapacidadeQualidadeMotivaçãoViabilidadeLegitimidadeGrupoGestor
  8. 8. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
  9. 9. Divisão em fases que facilitam oprocessoOrganizaçãoOrientaçãoDirecionamentoElaboração do plano de açãoAvaliaçãoPLANEJAMENTO ESTRATÉGICOMetodologia
  10. 10. Análise SWOT (Strengths,Weakness, Opportunities,Threats)DAFO (Debilidades, Ameaças,Forças e Oportunidades)FOFA (Pontos fortes,oportunidades, Pontos Fracos,Ameaças)PLANEJAMENTO ESTRATÉGICOFase do Direcionamento
  11. 11. SWOTAmbiente ExternoAmbiente InternoPositivoNegativoInvestirFORÇASExplorarOPORTUNIDADESMinimizarAMEAÇASSuperarFRAQUEZASPLANEJAMENTO ESTRATÉGICOFase do Direcionamento
  12. 12. Objetivo Específico:Escrever o seu sonho como uma visãode futuro SMART:EspecíficaMensurávelAtingívelRelevanteTemporal
  13. 13. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICOCase Statement – Estudo do casoQuem SomosO que já alcançamosO que fazemos hojeObjetivos e Metas atuaisQuanto temos e quanto queremos captarJustificativasContrapartidas
  14. 14. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
  15. 15. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICOESTRATÉGIA
  16. 16. FONTES DE FINANCIAMENTO /RECURSOS
  17. 17. IndivíduosPRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS /FINANCIAMENTOOrganizaçõesReligiosasIniciativaprivadaFundações FontesInstitucionaisEmpresasEmpresariais Familiares OngsCooperação InternacionalPela causaInstitutos corprativosComunitáriasGovernosFederal EstadualMunicipal InternacionalFundos
  18. 18. IndivíduosPRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS /FINANCIAMENTO / ESTRATÉGIASOrganizaçõesReligiosasIniciativaprivadaFundações FontesInstitucionaisEmpresasEmpresariais FamiliaresOngsCooperação InternacionaisPela causaInstitutos corprativosComunitáriasGovernosFederal EstadualMunicipal InternacionalFundosProjetos deGeração de RendaVenda EndowmentPrestação de serviçosMRC AlugueisEVENTOSPROJETOSPARCERIASMantenedores
  19. 19. EssencialDiversificação das fontes de recursos— Legitimidade social— Diminuição do risco— Sustentabilidade financeira delongo prazoFONTES DE RECURSOS
  20. 20. CaracterísticasProjeto Plano de Mobilização.X
  21. 21. Projeto“Projeto é umempreendimento planejadoque consiste num conjunto deatividades inter-relacionadase coordenadas, com o fim dealcançar objetivos específicosdentro dos limites de tempo ede orçamento dados”.Plano de MobilizaçãoElaborado a partir doplanejamento, é um “GUIA” paraas atividades de captação derecursos, tanto para questõesestratégicas, como para oferecersuporte à toda atividade decomunicação. Priorizando aimplementação de cadaestratégias e descrevendo asações necessáriasXCaracterísticas
  22. 22. FontesDe onde vem os recursos para as organizações doTerceiro Setor
  23. 23. EstratégiasSegundo Mintzberg, trata-se da forma de pensar nofuturo, integrada no processo decisório, com base emum procedimento formalizado e articulador deresultados.A palavra vem do grego antigo stratègós (de stratos,"exército", e ago, "liderança" ou "comando" tendosignificado inicialmente "a arte do general") edesignava o comandante militar, à época dedemocracia ateniense. O idioma grego apresentadiversas variações, como strategicós, ou próprio dogeneral chefe; stratégema, ou estratagema, ardil deguerra; stratiá, ou expedição militar; stráutema, ouexército em campanha; stratégion, ou tenda dogeneral, dentre outras.• Conceito de estratégia - vida empresarial• À primeira vista tratar-se de um conceito estabilizado.• Inexiste qualquer uniformidade,
  24. 24. Estratégias
  25. 25. Aurelio - Significado de Ferramentas.f. Qualquer instrumento que se usa para arealização de um trabalho. &151; As ferramentas queoperam em uma máquina são chamadas máquinas-ferramenta. Pequenas ferramentas a motorassemelham-se tanto a ferramentas de mão como amáquinas-ferramenta. Os dois principais tipos deferramentas são as ferramentas para trabalho emmadeira e as ferramentas para trabalho em metal.Ferramentas
  26. 26. FerramentasSegundo Wikipedia: O termo ferramenta deriva do latim ferramenta,plural de ferramentum. É um utensílio, dispositivo, ou mecanismo físico ouintelectual utilizado por trabalhadores das mais diversas áreas pararealizar alguma tarefa.Inicialmente o termo era utilizado para designar objetos de ferro ou outromaterial (plástico, madeira ou outro) para fins doméstico ou industrial.Alguns tipos de utensílios podem servir como armas, tais como o martelo ea faca, e algumas armas, tais como explosivos, usadas como ferramentas.No reino animal também são usados dispositivos facilitadores de tarefas: alontra do mar abre moluscos se utilizando dos mais diversos objetos, osmacacos chegam a fabricar ferramentas rudimentares.Em função do disposto acima, uma ferramenta pode ser definida como: umdispositivo que forneça uma vantagem mecânica ou mental para facilitar arealização de tarefas diversas.
  27. 27. Ferramentas
  28. 28. Canais
  29. 29. Estratégias Ferramentas CanaisFontes
  30. 30. RELAÇÃO ESTRATÉGIAS E TÁTICAS POR FONTEEntornoSeed MoneySocialmente ResponsáveisCampanha CapitalGrandes DoadoresFundos internacionaisMantenedores / ConselhoEventosDoação de MaterialVoluntáriosCyber FundraisingEmp. (MKT, RH)Mkt DiretoCara a CaraTelemarketing
  31. 31. IndivíduosGovernosRELAÇÃO ESTRATÉGIAS E TÁTICAS POR FONTEOrganizaçõesReligiosasProjetos deGeração de RendaIniciativaprivadaFundaçõesFontesInstitucionaisEmpresasInstitutosempresariaisEmpresariaisFamiliaresOngsAgênciasInternacionaisVendaEndowment fundPrestação deserviçosPela causaMRCAlugueisAssociadosEntornoSeed MoneySocialmente ResponsáveisCampanha CapitalGrandes DoadoresFundos internacionaisMantenedores / ConselhoEventosDoação de MaterialVoluntáriosCyber FundraisingEmp. (MKT, RH)Mkt Direto
  32. 32. Compilação de todas as informações do planejamentoData início e término com metas bem definidaso caso fontes de financiamento argumentação emissão orçamento em detalhes justificativas para investirhistórico pontos fortes e fracos Investimento inicialcronograma objetivos e metas grupos de interesse (stakeholders)estratégias resultados esperados plano de comunicaçãocongêneres responsáveis definidos reciprocidade e benefíciosprioridades aspectos jurídicos passos para a implementaçãoPLANO ESTRATÉGICO DE MOBILIZAÇÃO DERECURSOS - conteúdoFundamental para o sucesso da atividade
  33. 33. Documento de suporte àcaptação (“GUIA”)Criado com base noplanejamento estratégicoMetas devem estar bemquantificadasPLANO ESTRATÉGICO DE MOBILIZAÇÃO DERECURSOSFundamental para o sucesso da atividade
  34. 34. É necessário um plano deação factívelEstratégias eleitas devemobedecer a uma escala deprioridades –www.makeitrational.comBase para peças decomunicação de apoio àcaptação (contrapartidas claras)PLANO ESTRATÉGICO DE MOBILIZAÇÃO DERECURSOSFundamental para o sucesso da atividade
  35. 35. Valores Valores Valores1 - Geração de renda (liquido) 500.000 1 - Geração de renda (liquido)1.050.000 1 - Geração de ren2.000.0002 - Grandes doadores 200.000 2 - Grandes doadores440.000 2 - Grandes doado600.0003 - Mantenedores 100.000 3 - Mantenedores250.000 3 - Mantenedores250.0004 - Campanha capital 200.000 4 - Campanha capital500.000 4 - Campanha cap600.0005 - Médios investidores - 5 - Médios investidores90.000 5 - Médios investid90.0006 - Outros materiais e serviços - 6 - Outros materiais e serviços40.000 6 - Outros materia40.0007 - Eventos - 7 - Eventos90.000 7 - Eventos200.0008 - Fundação - 8 - Fundação40.000 8 - Fundação90.0009 - Governo - - 9 - Governo90.00010 - MRC - - 10 - CRM40.000Total Geral 1.000.000 2.500.000 4.000.0002009 2010 2011Previsao de valores e metasFONTES e ESTRATÉGIAS DEFINANCIAMENTOMETAS PARA PRÓXIMOS 36 MESES
  36. 36. 2012
  37. 37. Coordenação geral dacampanhaAcompanhamento dopainel de controle eelaboração derelatóriosAcompanhamento dosresultados utilizandoindicadoresMONITORAMENTO
  38. 38. PAINEL DE CONTROLE
  39. 39. Planejamento EstratégicoValoresVisãoMissãoAnáliseInternaIndicadoresObjetivosEstratégiasMetasAnáliseExternaExecuçãoAtividadesProgramasPlanejamentoOrganizacionalProcessosEstruturasPlanos deAçãoControlePlanejamentoOrganizacionalProcessosEstruturasPlanos deAçãoControleAcompa-nhamento eAvaliaçãoExecuçãoAtividadesProgramasCaptaçãorecursosBOSTONTREVOAcompa-nhamento eAvaliação
  40. 40. OBRIGADOwww.criando.net11 – 982-083-79011 – 2307-4495michel@criando.nethttp://www.slideshare.net/micfre12
  41. 41. CRUZ, Célia e ESTRAVIZ, Marcelo. Captação de Diferentes Recursospara Organizações Sem Fins Lucrativos. Editora Global.NORIEGA, Maria Elena e MURRAY, Milton. Apoio Financeiro: ComoConseguir. Editora TextoNovo.KELLEY, Daniel Q. Dinheiro para sua Causa. Editora TextoNovo, 1994.CICONTE, Barbara K. e JACOB, Jeanne Gerda. Fund Raising Basics: AComplete Guide. Aspen Publication, 1997.AZEVEDO, Tasso Rezende. Buscando recursos para seus projetos.TextoNovo1998.PAULA E SILVA, Antonio Luiz de Utilizando o planejamento estratégicocomo ferramenta de aprendizagem – Editora Global e Instituto Fonte,2001DRUCKER, Peter. Administração de organizações sem fins lucrativos:principios e práticas – Editora Pioneira.HUDSON, Mike. Administrando organizações do terceiro setor: odesafio de administrar sem receita – Makron Books.LANDIM, Leilah; BERES, Neide. As organizações sem fins lucrativos noBrasil: ocupação, despesas e recursos – Nau EditoraBibliografia
  42. 42. PEREIRA, Custódio. Captação de recursos, Fund Raising – Ed.Mackenzie.EDLES, L. Peter. Fundraising - Hands-on Tactics for NonProfit Groups.McGraw-Hill, Inc.NANUS, Burt. Liderança para o Terceiro Setor: Estratégias de sucessopara organizações sem fins lucrativos, São Paulo, 2000CESNIK, Fábio de Sá. Guia do Incentivo à CulturaBARBOSA, Maria Nazaré Lins e OLIVEIRA, Carolina Felippe. Manualde ONGs, Guia Prático de Orientação Jurídica, 2001WEIL, Pierre TOMPAKOW, Roland – O corpo fala – ed vozesFUNDAÇÃO ABRINQ, Incentivos Fiscais Em Benefício de criança eAdolescente. www.fundabrinq.org.brCONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SÃO PAULO,Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente www.crcsp.org.brGUIA DO FUNDO PRÓ-INFÂNCIA DE PORTO ALEGREBibliografia
  43. 43. FERRAREZI, Elisabete. OSCIP passo a passo – AED – Agência deEducação para o desenvolvimento.SENAC (SP) / FUNDAÇÃO ABRINQ, Guia de Gestão: para quemdirige entidades sociaisFreund, Tomas A Relação Entre Voluntários e Profissionais NumaOrganização do Terceiro Setor: Existe Um Duplo Comando?,Revista Integração/ FGV,São Paulo, 2006,http://integracao.fgvsp.br/ano9/10/index.htmBibliografia

×