Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Atividades planejamento unimed_0812_share

858 views

Published on

ferramentas de planejamento para organizações do terceiro setor

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Atividades planejamento unimed_0812_share

  1. 1. Planejamento estratégico de projetos e atividades sociais para 2012 http://www.slideshare.net/micfre12/
  2. 2. Serviços Criando Desenvolvimento institucional Técnica Jurídica Terceiro Setor Gestão Marketing e ComunicaçãoConsultoria Planejamento estratégico Responsabilidade Social Empresas Desenvolvimento SustentávelPalestras, Cursos e Assessoria paraOficinas implementação de PMRS
  3. 3. TEMAS DE HOJE
  4. 4. EXERCÍCIO DE BRAINSTORMIG – TEMPESTADE DE IDÉIAS rapina cativeiroágua AVES zôo cantam de comer
  5. 5. O CAMINHO A SEGUIR– Pode dizer-me que caminho devotomar?–Isto depende do lugar para ondevocê quer ir. (Respondeu com muitopropósito o gato)– Não tenho destino certo.– Neste caso qualquer caminho serve.(“Alice no País da Maravilhas” - Lewis Carrol)
  6. 6. O CAMINHO A SEGUIR"Se um homem não sabe aque porto se dirige, nenhumvento lhe será favorável !"Lucius Annaeus Seneca(4AC-65DC)– Como saber se o vento é bom se não se sabes para onde ir.( Luís de Camoes)
  7. 7. FeelingExercício:O taco e bolacustam R$ 1,10.O taco custa R$ 1 amais que a bola.Valor do taco?Valor da bola?
  8. 8. Não dependa daintuiçãoPara Daniel Kahneman,Nobel de Economia, é umgrande risco tomardecisões usando a áreapreguiçosa e irracional docérebro. A mente écomandada por 2sistemas (rápido e lento)
  9. 9. FERRAMENTAS DE GESTÃOPlanejamentoTempestade de idéiasTrevo - DiagnósticoBCG MatrixPainel de controle – avaliaçãoSWOT / FOFAOrçamentoANSOFFIndicadores
  10. 10. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Conceito e Características
  11. 11. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ConceitoPlanejamento estratégico é um processo de organizaçãode idéias e decisões, que influenciam o futuro e definema relação entre uma organização e o ambiente em queatua.
  12. 12. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Características
  13. 13. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CaracterísticasImplica em autoconhecimento Reconhecer os próprios limites epotenciais, com honestidade ehumildade
  14. 14. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO CaracterísticasDeve-se ter cuidado com o cmomento de começar A organização pode não ter maisrecursos ou crédito interno eexterno para implementar eexecutarPode ser realizado em retiros ouimersões
  15. 15. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Características Cuidado O planejamento não diz respeito a decisões futuras, mas às implicações futuras de decisões presentes (Peter Drucker)
  16. 16. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICOContribuições para a organização Amplia a consciência para o que acontece dentro e fora da organização Ferramenta para aprendizado sobre a organização, a sociedade e sobre nós mesmos Fortalece o trabalho em conjunto
  17. 17. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Contribuições para a OSC As relações entre aspessoas podem evoluirdurante o processo (oambiente interno está emjogo) Ajuda a criar uma culturainterna de se olhar aberta efrancamente para o passado,presente e futuro
  18. 18. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Requisitos e Condições Consciência de sua necessidade Decisão pela sua utilização Envolvimento efetivo da direção Clima propício Informações relevantes para oplanejamento Participação organizada
  19. 19. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Metodologia do Processo
  20. 20. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Temas FundamentaisDefinição de visão, missão e valoresAnálise da situação (ambiente interno e externo).Formulação de objetivos e metasFormulação de estratégiasImplementaçãoMonitoramento, avaliação e controle
  21. 21. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
  22. 22. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO MetodologiaDivisão em fases quefacilitam o processo Organização Orientação Direcionamento Elaboração do plano de ação Avaliação
  23. 23. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase da Organização
  24. 24. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase da Organização Chegar a um consenso do motivo da realização do planejamento Explicitar os resultados esperados Ter claro como vai ser o processo: ritmo, duração, custo, pessoas envolvidas, etc.
  25. 25. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase da Organização Compor o grupo que vaiparticipar Definir papéis a seremassumidos durante oprocesso Definir um facilitador
  26. 26. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase da OrganizaçãoRiscos Escolha de um facilitadorinadequado ou a inexistência defacilitador Inexistência de um “pacto” arespeito do andamento dasreuniões Resistência a participar dasreuniões
  27. 27. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase da OrganizaçãoRiscos A não concordância com oesforço extra para a realizaçãodo planejamento O incômodo em expor ospontos de vista (segredo) Precipitação (pular a etapa)
  28. 28. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase da OrganizaçãoQuestões práticas Por que planejar? Como foi da última vez? Como vai ser o planejamento? Planejaremos por 1 ou 2anos? Quais resultados esperamos? Quem vai participar? Quem pode facilitar? Quanto pode custar? Quais serão as datas?
  29. 29. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase da Orientação
  30. 30. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase da OrientaçãoObjetivo principal: ampliar a visãode mundo Compreensão do cenário de maneira estruturada Leitura crítica, coerente, completa, inteira, sistematizada e compreensível da realidade
  31. 31. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase da OrientaçãoAtividades (ampliar a visão demundo) Convidar pessoas de fora paraexpor trabalhos, estudos, dar avisão sobre tendências, etc. Fazer visitas a outrasorganizações e realizar estudosde casos
  32. 32. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase da OrientaçãoAtividades (ampliar a visão demundo) Realizar estudos individuaisou em grupos e apresentar Especialistas da equipepodem fazer palestras sobre osassuntos que dominam Convidar pessoas antigas daentidade podem contar ahistória que viveram
  33. 33. Modelo Trevo(Antonio Luiz de Paula e Silva)
  34. 34. Modelo Trevo Um Gestor deprojetos sociais deve lidar com quatro“campos essenciais” e suas relações
  35. 35. Modelo Trevo Sociedade Público Alvo: quem são, como vivem, quais são seus problemas, qual o contexto social
  36. 36. Modelo Trevo ServiçosAções, Atividades,eventos,metodologia
  37. 37. Modelo Trevo Prédio, carros, dinheiro, equipamentos, material Recursos didático, infra-estrutura, etc.
  38. 38. Modelo Trevo —Talentos e capacidades —Voluntários e profissionais —Potenciais e conflitos Pessoas
  39. 39. Modelo Trevo —Talentos e capacidades —Voluntários e profissionais —Potenciais e conflitos Pessoas
  40. 40. Modelo Trevo — Função Primária — Define a direção, o rumo, o foco, o papel do proponente Direcionamento — Buscar equilíbrio entre as necessidades sociais e objetivosServiços Sociedade — Motivo das doações
  41. 41. Modelo TrevoÉ preciso ter equilíbrioentre:— Talentos e materiais Pessoas— conhecimentos e infra-estrutura CapacidadeNão adianta ter somenteboas intenções... Recursos
  42. 42. Modelo Trevo de — Capacitação lida Pessoas — Pessoas nos lugares ua adequadosQ — Processos bem desenhados — Sintonia da equipe Serviços
  43. 43. Modelo Trevo M— Engajamento ot iv— Comprometimento Pessoas açcom a causa ão Sociedade
  44. 44. Modelo TrevoServiços prestados— Eficiência— Qualidade— QuantidadeAdequação entre osrecursos que tem e osserviços que presta Serviços Vi ab Recursos ili da de
  45. 45. Modelo Trevo — Diversificar as Fontes de recursos — Transparência — Doação: reconhecimento social Sociedade e ad idRecursos m ti gi Le
  46. 46. Modelo Trevo A arte e desafio do gestor é Pessoas manter as relações equilibradas e harmoniosas Direcionamento GrupoServiços Gestor Sociedade Capacidade Qualidade Motivação Recursos Viabilidad e Legitimidade
  47. 47. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase da OrientaçãoQuestões práticas O que acontece “lá fora”? Quais resultados temos obtido? Qual a biografia daentidade? O que não sabemos? Quais são os “nós” mais críticos?Quais nossos stakeholders? O que outras entidades fazem? Quais as idéias de cada um? O que pode fazer maisdiferença? Quais os cenários possíveis? O que gostaríamos de fazer?
  48. 48. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do Direcionamento
  49. 49. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoObjetivos principais Definir/rever visão, missão, vocaçãoe valores Analisar o ambiente interno eexterno (FOFA) Mapear os stakeholders Formular objetivos e metas Criar estratégias
  50. 50. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoConceito de Visão Quadro concreto, descritível Elemento de futuro que busca-sealcançar a longo prazo Deve ser de possível avaliação
  51. 51. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoVantagens de uma VisãoClara Motiva, inspira e ajuda asuportar períodos semresultados Facilita a entrega com afincoe comprometimento aotrabalho O sucesso se baseia naseleção das pessoas certas
  52. 52. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoExemplos “Ser referência nacional em apoio à escolarização” (interna– como será a organização) “Ter em cada mesa de trabalho em casa e nos escritóriosum computador rodando um software Microsoft” (interna –extensão dos serviços) “Eliminar a pólio no mundo” (externa – os resultados daação da organização no mundo)
  53. 53. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoMissão Razão de ser e existir daentidade: papel no mundo O que a organização faz ecompromete-se a fazer no seutrabalho diário É preciso permitir que o públicocompreenda claramente a missãoda organização para que possaparticipar e investir
  54. 54. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do Direcionamento Composição básica da missão
  55. 55. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoDoutores da Alegria“Levar alegria a criançashospitalizadas, seus pais eprofissionais de saúde, por meioda arte do palhaço, nutrindo estaforma de expressão como meiode enriquecimento da experiênciahumana”.
  56. 56. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoInstituto de EstudosFilosóficos“Estimular o estudo, a pesquisae a reflexão filosófica, por meiode linguagens acessíveis edesafiadoras, facilitando a açãoconsciente e íntegra”.
  57. 57. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoVantagens de uma missãoclara Manter a ligação com opúblico Ajuda a organização a nãose distanciar das REAISnecessidades (finalidadeestatutária) Dá suporte quando é precisodizer não
  58. 58. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoValores Dizem respeito ao que as pessoas que compõem ainstituição acreditam, crêem e valorizam Sempre existem, mas nem sempre estão expressos É importante que os atributos de cada valor sejamdescritos  Ex: Fidelidade à missão: clareza de propósitos e coerência entre propósitos e ações.
  59. 59. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoHonestidadeJustiçaCompaixãoCompromissoRespeito ao próximoIntegridadeLealdadeSolidariedade Valores devem ser utilizados na prática; são bases para a tomada de decisão em dilemas 59
  60. 60. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do Direcionamento Origem: palavra vocare (chamamento,a que você foi chamado) Encontro entre ideais e necessidadessociais Aquilo que a organização é capaz defazer de melhor Conjunto de talentos, habilidades,capacidades, aptidões, “dons naturais”da equipe e da organização
  61. 61. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do Direcionamento Visão Missão Foco VocaçãoVisão de Mundo e Valores
  62. 62. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoAnálise SWOT (Strengths,Weakness, Opportunities,Threats) DAFO (Debilidades, Ameaças,Forças e Oportunidades) FOFA (Pontos fortes,oportunidades, Pontos Fracos,Ameaças)
  63. 63. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoAmbientes da análise FOFA O ambiente externo àorganização ou projeto(oportunidades e ameaças) O ambiente interno àorganização ou projeto (pontosfortes e pontos fracos)
  64. 64. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoFOFA - Ambiente externo(oportunidades e ameaças) Não está sob controle daorganização,mas deve serconstantemente monitorado Tem que ser entendido parapoder ser influenciado, ou paraque as consequências sejamminimizadas
  65. 65. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoFOFA - Ambiente externo(oportunidades e ameaças) Objetivo: aproveitar asoportunidades da maneira maiságil e eficiente e evitar asameaças enquanto for possível
  66. 66. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoAmbiente interno (pontos fortes efracos) Podem ser controlados pelosdirigentes da organização Análise que ajuda na priorizaçãodas atividades e investimentos
  67. 67. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do Direcionamento Pontos Fortes Pontos Fracos1. Relevância da causa escolhida2. Interdisciplinaridade no atendimento à dor 1. Alto custo estrutural3. EQUIPE: experiência, talento, 2. Falta de profissional específico com caráter e competência; atualização formação na gestão e aprimoramento contínuo4. Instalações apropriadas
  68. 68. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do Direcionamento Oportunidades Ameaças1. Perda de produtividade causada pela dor (empresas)2. Inexistência de pesquisas e dados 1. Alto custo do tratamento estatísticos significativos com 2. Crise econômica mundial relação à dor3. Público alvo numeroso4. Mitos sobre a causa da dor
  69. 69. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do Direcionamento Ambiente Interno P N o Investir e Superar s FORÇAS FRAQUEZAS g i SWOT a Explorar t OPORTUNIDADES Minimizar t AMEAÇAS i i v v o o Ambiente Externo
  70. 70. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoDicas Deixar as pessoas a vontade Flip chart ou telao – todos possam ver Nao procurar culpados Nao procurar soluçoes Nao argumentar, deixar falar Brain Storming – Tempestade de idéias
  71. 71. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do Direcionamento Usuários beneficiários Conselho Outros Diretoria Voluntários FuncionáriosGoverno STAKEHOLDERS Públicos de interesseComunidade Investidores Parceiros Entidades Mídia Congêneres
  72. 72. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoDefinição de objetivos O Objetivo expressa um resultado a serobtido Propicia foco, orientação Deve ser claro Exemplos: — Reduzir a mortalidade infantil — Ampliar o equipamento — Mobilizar mais recursos
  73. 73. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoDefinição de metas A meta deve ser mensurável, dentro de umprazo— Exemplos: — Reduzir em 50% a mortalidade infantil dentro de dois anos — Construir, até o final do semestre, mais duas salas de aula com 45 metros quadrados cada uma
  74. 74. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoObjetivos e metas Objetivos e metas devem estar alinhados com a visão emissão, considerando-se os valores Precisam ser congruentes entre si Na construção, leva-se em consideração as forças,fraquezas, oportunidades e ameaças identificadas naanálise FOFA Devem ser ordenados e hierarquizados (prioridades)
  75. 75. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoObjetivos e metas Podem ser organizados porperíodos (planos semestrais ouanuais, por exemplo) Objetivos de médio e longo devemser acompanhados de metasintermediárias (avaliação e correçãode curso) Podem ser distribuídos emprogramas e projetos
  76. 76. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoPrograma Não tem um horizonte detempo definido Caráter permanente mas nãoeterno Pode conter vários projetos
  77. 77. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoProjeto segundo a ONU “Projeto é um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades inter- relacionadas e coordenadas, com o fim de alcançarobjetivosespecíficos dentro dos limites detempo e de orçamento dados”.
  78. 78. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do Direcionamento ESTRATÉGIA
  79. 79. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do Direcionamento Criar estratégias é a arte de explorar condições e caminhos favoráveis com o fim de alcançar objetivos
  80. 80. PLANEJAMENTOBilhões depessoas A Vida é oacordaram que noshoje acontecesimplesmente enquantoporque não fazemosmorreram outrosontem planos
  81. 81. PRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS / FINANCIAMENTO e ESTRATËGIAS Projetos de Iniciativa Geração de Renda privada Organizações Venda Endowment ReligiosasEmpresas Indivíduos Prestação defund serviçosInstitutos corporativos MRC Alugueis Mantenedores EVENTOS Fontes Fundações Institucionais PARCERIAS Governos OngsPela causa Comunitárias Agências PROJETOSEmpresariais Familiares Internacionais
  82. 82. FONTES DE RECURSOSEssencial Diversificação das fontes derecursos — Legitimidade social — Diminuição do risco
  83. 83. FONTES DE RECURSOS
  84. 84. RELAÇÃO ESTRATÉGIAS E TÁTICAS POR FONTE Existem diversas maneiras de obter recursos dependendo da maturidade da organização, do tipo de serviço que oferece, da imagem que ela tem, dos funcionários e voluntários que trabalham nela, da experiência em captação de recursos, do tipo de campanha, entre muitas outras
  85. 85. RELAÇÃO ESTRATÉGIAS E TÁTICAS POR FONTE Doação de Material Entorno Emp. (MKT, Seed Money RH) Campanha Capital Eventos Grandes DoadoresCara a Cara Socialmente Responsáveis Mantenedores / Conselho Cyber Fundraising Voluntários Mkt Direto Telemarketin g Fundos internacionais
  86. 86. RELAÇÃO ESTRATÉGIAS E TÁTICAS POR FONTE Iniciativa Doação de Material Doação de Material Projetos de privada Geração de Renda Entorno Entorno Emp. (MKT, Emp. (MKT, Empresas RH) RH) Venda Indivíduos Seed Money Seed Money Endowment fund Institutos Campanha Capital Campanha Capital Prestação de empresariais serviçosOrganizações Grandes Doadores Grandes Doadores MRC Religiosas Alugueis Socialmente Responsáveis Socialmente Responsáveis Fontes AssociadosInstitucionais Eventos Eventos Cyber Fundraising Cyber Fundraising Fundações Ongs Governos Mantenedores / /Conselho Mantenedores Conselho Empresariais Agências Fundos internacionais Fundos internacionais Pela causa Internacionais Voluntários Voluntários Mkt Direto Mkt Direto Familiares
  87. 87. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoEstratégia: como criar na prática (exemplo) Objetivo: aumentar o montante de recursosfinanceiros mobilizados Meta: Aumentar em 30% o montante derecursos mobilizados nos próximos 02 anos Estratégia: diversificar as fontes de recursos epotencializar a mobilização já existente
  88. 88. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoEstratégia: como criar na prática (exemplo) – cont. Diretrizes estratégicas Diversificar as atividades de geração de renda (venda de produtos) inclusive ampliando-as para outros municípios Desenvolver uma ação sólida de marketing relacionado à causa
  89. 89. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do DirecionamentoEstratégia: como criar na prática (exemplo) – cont. Diretrizes estratégicas Realizar um grande evento por ano com objetivo de resultado mínimo de “X” reais por evento Ampliar o quadro de mantenedores em X% Conquistar mais 10 grandes doadores “pela causa” Aumentar o valor médio dos cursos e oficinas em 15%
  90. 90. Boston Matrix Estrela em ascensão Questionamento +CRESCIMENTO Vaca Leiteira Abacaxi - RETORNO -
  91. 91. BOSTON MATRIXA grande idéiaAo analisar esta matriz percebemos a contribuição de cada umadas suas ofertas, produtos, atividades ou serviços quecontribuem para o sucesso de sua organizaçãoEstá baseada em alguns princípios: Todas as atividades, serviços ou produtos tem um ciclo devida O ciclo de vida pode variar entre alguns dias até muitos anos Baseado no ciclo de vida você pode monitorar o impacto deuma atividade, serviço ou produto de uma maneira positiva ounegativa
  92. 92. BOSTON MATRIXUtilizaçãoPode ser utilizada para: Analisar quanto de bom ou ruim você está atuando Oferecer uma visão gráfica para descrever suaestratégia Estabelecer a contribuição relativa de várias ações eatividades Analisar seu portfólio e decidir que ação tomarOrigem: The Boston Matrix foi originalmente desenvolvidapelo Boston Consultancy Group e adaptado para oTerceiro Setor por =mc Management Consuslting - London
  93. 93. BOSTON MATRIXPara utilizar você deve: Decidir a abrangência que quer trabalhar –serviços por departamento, atividade demobilização de recursos, produtos oucampanhas Listar o que será plotado na matriz Medições de “retorno” Colocar cada item no lugar apropriado damatiz Fazer o tamanho do círculo de acordo como tamanho da contribuição Mostrar a atual direção de cada círculoatravés de setas Lembrar que esta é uma foto e anotar a quedata se refere
  94. 94. BOSTON MATRIXAdaptações da Boston Matrix para o Terceiro Setor: Um eixo tratamos como retorno em vez de participação do mercado. Retorno pode ser fundos levantados até uma campanha de esclarecimento sobre HIV – Seja claro com o o que você quer como resultado para medir o retorno No caso dos cachorros, no modelo tradicional nós os eliminamos e no TS, por questões sociais ou políticas, você os mantém, mesmo que o retorno não seja o que você espera
  95. 95. Boston Matrix Estrela em ascensão Criança problema 5+ 1 7Crescimento 2 6 Vaca Leiteira Cachorro Morto 10- 3 8 4 9 + RETORNO -
  96. 96. BOSTON MATRIX1. Distribuição de camisinhas entre as mulheres2. Distribuição de camisinhas entre homens3. Campanha com mantenedores no grupo de risco4. Campanha de poster em clínicas prénatal5. Documentário na TV6. Anúncios em jornais7. Programa educacional em escolas8. Avisos em garrafas de bebidas alcóolicas9. Panfletos em cafés10. Apoio de pop stars em campanhas
  97. 97. BOSTON MATRIXAnalise seu portfólio com cuidado para aproveitar ao máximo o Boston Matrix :1. As suas ofertas estão indo na direção certa?2. As suas vacas leiteiras caminham para cachorros?3. Está cuidando das vacas leiteiras?4. Tem muitos ou poucas crianças problemas?5. Tem sido duro com suas crianças problemas?6. Tem suficiente crianças problemas (tem tido novas idéias)?7. Apóia as estrelas em crescimento adequadamente8. Toma as ações necessárias para se livrar dos seus cãos?
  98. 98. ANSOFF MATRIX
  99. 99. ANSOFF MATRIX Tecnologias/Programas Ansoff 1 Ansoff 2 EXISTENTESFONTES Ansoff 3 Ansoff 4 NOVOS EXISTENTES NOVOS SERVIÇOS
  100. 100. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase do Plano de Ação
  101. 101. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase de elaboração do plano de ação Estimar custos e valores comprecisão (orçamento) Estabelecer prazos(cronograma) Nomear claramenteresponsáveis Criar simulações Colocar o plano de ação nopapel
  102. 102. ATIVIDADE E AÇÃOAtividade Tarefa única e específicaAção Sinônimo de obra, procedimento, um conjunto deatividades Podem ser considerados sinônimos
  103. 103. ATIVIDADE E AÇÃOAção Capacitar educadores sobre otema planejamentoAtividade Definir foco do curso Contratar professores Reservar sala
  104. 104. Objetivo geral :Objetivo específico 1 meta 1 ação 1 atividades ação 2 atividades ação 3 atividades meta 2 ação 1 atividades ação 2 atividades ação 3 atividades
  105. 105. Previsao de valores e metas FONTES e ESTRATÉGIAS DE METAS PARA PRÓXIMOS 36 MESES FINANCIAMENTO 2009 2010 2011 Valores Valores Valores1 - Geração de renda (liquido) 500.000 1 - Geração de renda (liquido) de renda ( 1.050.000 1 - Geração 2.000.0002 - Grandes doadores 200.000 2 - Grandes doadoresGrandes doadores 440.000 2- 600.0003 - Mantenedores 100.000 3 - Mantenedores 3 - Mantenedores 250.000 250.0004 - Campanha capital 200.000 4 - Campanha capital Campanha capital 500.000 4- 600.0005 - Médios investidores - 5 - Médios investidores 90.000 5 - Médios investidore 90.0006 - Outros materiais e serviços - 6 - Outros materiais - Outros materiais e 40.000 6 e serviços 40.0007 - Eventos - 7 - Eventos 90.000 7 - Eventos 200.0008 - Fundação - 8 - Fundação 40.000 8 - Fundação 90.0009 - Governo - - 9 - Governo 90.00010 - MRC - - 10 - CRM40.000Total Geral 1.000.000 2.500.000 4.000.000
  106. 106. 2012
  107. 107. CRONOGRAMA INICIAL SAY Dez Jan Fev Ação 1 8 15 5 12 19 26 2 9 16A GERALa Definição dos valores a captarb Criar escala de valores / cotas, benefícios e as contrapartidas aosc Criar os termos de doação e recibosd Definir papéis nos contatos pessoais com doadores importantese Estudo e definir compra do banco de dados e sua estruturaf Treinar envolvidos nas estratégiasg Criar identidade visualh Elaborar material de apresentação para parceiros e grandres doadoresi Estudo de local para locaçãoj Consolidar PMRSk Definir comunicação institucionall Reuniões de acompanhamentoM Construir siteN Estabelecer parcerias prioritáriasO Contatar os parceiros iniciais / ABF / ONGs / advogados
  108. 108. ACOMPANHAMENTO CRONOGRAMA - 05 Agosto 09 Previsto Ações cliente Real Ações TerceirosOK Ações encerradas Criando e clienteRepro Ações reprogramadas Maio Junho Julho Resp/Status 6 9 16 23 1 8 15 22 29 6 13 20 27 A GERAL a Estudar e definir compra do banco de dados e sua estrutura Agosto 27 24 b Realizar reuniões de acompanhamento OK c Elaborar plano de voluntariado Outubro Elaborar projeto FUMCAD (financiamento de despesas d OK operacionais) Contratar assessoria em criação de indicadores, avaliação e e 2010 monitoramento f Avaliar resultados 2010 B ESTRATÉGIAS 1 CAPTAÇÃO POR MEIO DE PROJETOS DE GERAÇÃO DE RENDA a Definir profissionais, parceiros e fornecedores e treiná-los Outubro b Definir estratégia de comunicação Julho c Criar material promocional Agosto
  109. 109. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase da Avaliação
  110. 110. MONITORAMENTO Coordenação geral da campanha Acompanhamento do painel de controle e elaboração de relatórios Acompanhamento dos resultados utilizando indicadores
  111. 111. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase de avaliaçãoAo avaliar o processo Utilizar indicadores elaborados para avaliardesempenho Indicadores de desempenho são ferramentas para avaliar a performance da organização; podem ser qualitativos e quantitativos Ter informações precisas e atuais (o desempenhoorganizacional deve ser constantemente monitorado)
  112. 112. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase de avaliaçãoAo avaliar o processo Adotar uma postura aberta,olhando primeiro para si edepois para os outros Examinar causas econseqüências para que sejapossível corrigir desvios Formular perguntas quedêem foco à aprendizagem
  113. 113. Objetivo geral :Objetivos específicos Metas Indicadores Meios de verificação 117
  114. 114. CICLO PERAPlanejeExecuteReflitaAprenda
  115. 115. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase de avaliaçãoErros típicos nessa fase Olhar somente o que está bom ousomente o que está ruim Confundir avaliação com crítica Desviar de assuntos delicados Criar um ambiente em que o erroé punido
  116. 116. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Fase de avaliaçãoQuestões práticas O que foi exatamente realizado? O que estavaprevisto? Se algo deixou de acontecer, por quê? Se algo foi superado, quais os passos dados? O que precisa ser corrigido? O que modificar noplano? Quais as alternativas? Como fica o novo? O que pode ser diferente agora? Como deveria ter sidoo envolvimento das pessoas?
  117. 117. PAINEL DE CONTROLE
  118. 118. TREVO BOSTON Análise Objetivos Interna O TS W O TS W Valores Metas Visão Estratégias Análise AN Externa SO Missão Indicadores FF Planejamento Estratégico Captação ão o aç ent recursos al i Av a m rç Estruturas EstruturaO Atividades Atividade s lip da en e s Processos Processo oc lro en t Acompa- Acompa- s nhamento nhament Programas Programa eo e Planos de Ação s Avaliação Avaliação Planejamento Execução Organizacional Controle
  119. 119. TERCEIRO ATODo Papel Para a Realidade COMEÇAR !
  120. 120. Dizia Walt Disney que “podemos sonhar,projetar , criar e construiro lugar mais maravilhoso do mundo. Masprecisaremos de pessoas para tornar o sonho realidade” BONS SONHOS E EXCELENTES FRUTOS!!!!!!
  121. 121. Bibliografia CRUZ, Célia e ESTRAVIZ, Marcelo. Captação deDiferentes Recursos para Organizações Sem FinsLucrativos. Editora Global. NORIEGA, Maria Elena e MURRAY, Milton. ApoioFinanceiro: Como Conseguir. Editora TextoNovo. KELLEY, Daniel Q. Dinheiro para sua Causa. EditoraTextoNovo, 1994. CICONTE, Barbara K. e JACOB, Jeanne Gerda. FundRaising Basics: A Complete Guide. Aspen Publication,1997. AZEVEDO, Tasso Rezende. Buscando recursos para seusprojetos. TextoNovo1998. EDLES, L. Peter. Fundraising - Hands-on Tactics forNonProfit Groups. McGraw-Hill, Inc.
  122. 122. Bibliografia DRUCKER, Peter. Administração de organizações sem finslucrativos: principios e práticas – Editora Pioneira. HUDSON, Mike. Administrando organizações do terceirosetor: o desafio de administrar sem receita – Makron Books. LANDIM, leilah; BERES, Neide. As organizações sem finslucrativos no Brasil: ocupação, despesas e recursos – NauEditora PAULA E SILVA, Antonio Luiz de Utilizando o planejamentoestratégico como ferramenta de aprendizagem –Editora Global e Instituto Fonte, 2001 BRUCE, Andy & LANGDON, Ken. Você sabe gerenciarprojetos – Editora SENAC SP, 2008 BARBOSA, Maria Nazaré Lins e OLIVEIRA, Carolina Felippe.Manual de ONGs, Guia Prático de Orientação Jurídica, 2001
  123. 123. ARIGAT0 MERCI GRACIE THANKS 감사합니다 GRACIAS DANKE HVALA go raibhmaith agat TODA OBRIGADOhttp://www.slideshare.net/micfre12/ www.criando.net 11 –9- 8208-3790 11-2307-4495 michel@criando.net

×