Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Oralismo bilinguismo e comunicação

148,759 views

Published on

Published in: Education

Oralismo bilinguismo e comunicação

  1. 1. LIBRAS Oralismo, Bilinguismo e Comunicação
  2. 2. AUDIÇÃO AASI – APARELHO DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL Leve 27-40 decibéis Moderada 41-55 decibéis Moderadamente Grave 56-70 decibéis Grave 71-90 decibéis Profunda 91 decibéis +
  3. 3. ALGUMAS CAUSAS <ul><li>Rubéola Materna, doenças infecto-contagiosas (como a toxoplasmose, a sífilis. </li></ul><ul><li>Meningite </li></ul><ul><li>Incompatibilidade Sangüínea </li></ul><ul><li>Otite Média (infecção no ouvido) </li></ul><ul><li>Anóxica (falta de oxigenação) </li></ul><ul><li>Desordens genéticas </li></ul><ul><li>Uso de drogas e álcool pela mãe </li></ul><ul><li>Desnutrição ou carência alimentar materna, </li></ul><ul><li>Hipertensão ou diabetes durante a gestação </li></ul><ul><li>Exposição à radiação. </li></ul>
  4. 4. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DOS SURDOS <ul><li>Oralismo </li></ul><ul><li>[...] O oralismo é uma abordagem que visa à </li></ul><ul><li>integração da criança surda na comunidade </li></ul><ul><li>ouvinte, enfatizando a língua oral do país. </li></ul><ul><li>(GOLDFELD, 1997). </li></ul>
  5. 5. COMUNICAÇÃO TOTAL <ul><li>A comunicação total, como o próprio nome indica, não exclui técnicas e recursos para estimulação auditiva, adaptação de aparelho de amplificação sonora individual, leitura labial, oralização, leitura e escrita. </li></ul><ul><li>Pelo contrário, prega uma completa liberdade na prática de quaisquer estratégias que permitam o resgate de comunicação, seja por meio da linguagem oral, de sinais, da datilologia, ou pela combinação desses modos(CICCONE, 1990). </li></ul>
  6. 6. COMUNICAÇÃO TOTAL <ul><li>Gestos – espontâneos, naturais </li></ul><ul><li>Mímica – imitação </li></ul><ul><li>Pantomima – representação teatral </li></ul>
  7. 7. BILINGÜISMO <ul><li>1ª Língua - Materna para o Surdo – Língua Brasileira de Sinais ( língua visual espacial) </li></ul><ul><li>2ª Língua – Língua Portuguesa. </li></ul>
  8. 8. FILOSOFIA DO BILINGÜISMO <ul><li>As línguas falada e de sinais poderiam conviver lado a lado, mas não simultaneamente. </li></ul><ul><li>No bilingüismo, o objetivo é levar o surdo a desenvolver habilidades em sua língua primária de sinais e secundária a escrita. </li></ul><ul><li>Tais habilidades incluem compreender e sinalizar fluentemente sua língua de sinais e ler e escrever fluentemente no idioma do país. (CAPOVILLA, 2000). </li></ul><ul><li>Escola Bilíngüe e Bicultural. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>“ De acordo com os pressupostos do bilingüismo, a língua de sinais e a língua falada não podem ser produzidas simultaneamente, e tem a intenção de levar o surdo, diferentemente da comunicação total e do oralismo que objetivavam ensinar a língua falada, a se apropriar, primeiramente, da língua de sinais e depois a aprender a língua majoritária do país, na modalidade escrita” (CAPOVILLA, 2002). </li></ul><ul><li>De acordo com Dias (2004), os dois movimentos, inclusão e bilingüismo, “têm por base o reconhecimento e a aceitação da diversidade social, ou seja, criar condições para que as pessoas, em suas diferenças, possam se desenvolver e usufruir de oportunidades semelhantes na vida social” (DIAS, 2004, p. 37). </li></ul>
  10. 10. DIREITOS <ul><li>Professores bilíngües, professores surdos e intérpretes de língua de sinais. </li></ul><ul><li>Educação para a diversidade. </li></ul><ul><li>Família. </li></ul>
  11. 11. FONOLOGIA DA LÍNGUA DE SINAIS <ul><li>As línguas de sinais são visual-espaciais (ou espaço-visual), pois a informação lingüística é recebida pelos olhos e produzida pelas mãos. </li></ul><ul><li>Os elementos mínimos constituintes da língua de sinais são processados simultaneamente e não linearmente como ocorre na língua oral. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Os articuladores primários das </li></ul><ul><li>línguas de sinais são as mãos, que se </li></ul><ul><li>movimentam no espaço em frente ao </li></ul><ul><li>corpo e articulam sinais em determinadas locações nesse espaço. </li></ul><ul><li>Entretanto, os movimentos do corpo e </li></ul><ul><li>da face também desempenhem </li></ul><ul><li>funções. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Um sinal pode ser articulado com uma ou duas mãos. </li></ul><ul><li>No caso de uma mão, a articulação ocorre pela mão dominante (direita para destros e a esquerda para canhotos). </li></ul><ul><li>Os principais parâmetros fonológicos da língua de sinais são: </li></ul><ul><li>- configuração de mão; </li></ul><ul><li>- ponto de articulação; </li></ul><ul><li>- movimento. </li></ul>
  14. 14. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS <ul><li>GOLDFELD, M. A criança surda : linguagem e cognição numa perspectiva sócio-interacionista. São Paulo: Plexus, 1997. </li></ul><ul><li>CICCONE, M. Comunicação Total . Rio de Janeiro: Cultura Médica, 1990. </li></ul><ul><li>CAPOVILLA, F.C.; RAPHAEL, W.D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngüe da Língua de Sinais Brasileira. Volume I: Sinais de A a L (Vol 1, pp. 1-834). São Paulo, SP: Edusp, Fapesp, Fundação Vitae, Feneis, Brasil Telecom, 2001a. </li></ul><ul><li>CAPOVILLA, F.C.; RAPHAEL, W.D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngüe da Língua de Sinais Brasileira. Volume II: Sinais de M a Z (Vol. 2, pp. 835-1620). São Paulo, SP: Edusp, Fapesp, Fundação Vitae, Feneis, Brasil Telecom, 2001b. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>CAPOVILLA, F.C. e CAPOVILLA, A.G.S. Educação da criança surda: o bilingüismo e o desafio da descontinuidade entre a língua de sinais e a escrita alfabética. Revista Brasileira de Educação Especial , Universidade Estadual Paulista. V.8, n.2, 2002. Marília: ABPEE/FFC – Unesp – Publicações, 2002. ISSN 1413-6538. </li></ul><ul><li>DIAS, T. R. Educação de surdo, inclusão e bilinguismo. In: MENDES, E. G; ALMEIDA, M. A. E WILLIAMS, L. C. DE A. Temas em educação especial : avanços recentes. São Carlos: EDUFSCar, 2004. </li></ul><ul><li>QUADROS, R. M; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira : estudos linguisticos. Porto Alegre: Artmed, 2004. </li></ul>

×