Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Desertificação 9º4

2,325 views

Published on

Desertificação 9º4

  1. 1. Escola Básica de José Padre Rota Ares Disciplinar: GeografiaPedro Henrique Correia Teles 9º4 nº20 Marcelo Picariello 9º4 nº26 Março de 2011 1
  2. 2. I. Introdução---------------------------3II. O que é?------------------------------4III. A Desertificação no Mundo-----5IV. A Desertificação em Portugal---6V. Conclusão----------------------------7VI. Bibliografia --------------------------8 2
  3. 3. O que se pretende retratar com este trabalho é adesertificação que atinge o mundo, e que tem vindoa agravar, sendo que ahumanidade com os seusavanços tecnológicosaceleram a degradaçãodo meio ambiente portodo o mundo.Este trabalho tem comoobjetivo, o de demonstrar que o ser humano já fez suficientes estragos ao ambiente e que a cada dia que passa caminhamos para um mundo cada vez mais pobre. 3
  4. 4. A desertificação é o processo de destruição dopotencial produtivo da terra pelo meio da pressãoexercida das atividades humanas sobre osecossistemas frágeis,cuja sua capacidade deregeneração é baixa.A ONU classifica dedesertificação como osdanos nas áreas deocorrência localizadasnas regiões de clima semiárido, árido e subúmidoseco. Esse processo provoca três tipos de impactos:ambientais, sociais e económicos. 4
  5. 5. Os Problemas da desertificação passaram adespertar o interesse da comunidade científica hácerca de 80 anos, contudo somente nos últimos dezanos passaram a ser destacados como um sério problema ambiental, devido ao seu impacto social e econômico, uma vez que o processo ocorre de forma mais acentuada em áreas correspondentes aos paísessubdesenvolvidos. Além disso, a perda de solo fértiltem vindo a aumentar significativamente,agravando ainda mais as situações económicas dospaíses. 5
  6. 6. AS CAUSAS-Sobre-uso ou uso inapropriado da terra(monoculturas comerciais como a cana-de-açúcar)-Desmatamento-Utilização de técnicas agropecuárias impróprias-Exploração descontrolada de ecossistemas frágeis-Queimadas-Mineração-Uso excessivo de Adubos e químicos-Poluição-Secas AS CONSEQUÊNCIAS Sociais:- Abandono das terras por parte das populaçõesmais pobres (levando as migrações)Económicas:- Queda na produção e produtividade agrícolasRecursos naturais e clima:- Perda de biodiversidade (flora e fauna)- Perda de solos por erosão- Aumento dos períodos de secas por incapacidadede retenção de água dos solos 6
  7. 7. O risco de desertificação atinge 33% da superfícieterrestre. Em África, são mais de 200 milhões depessoas que são atingidas pela seca na regiãosubsaariana.As adaptações a estas mudançasprovocam ainda mais pressõessobre o uso do solo,aumentando a degradação pelouso inadequado.Em Agosto de 2010, a ONU lançou a Década daONU sobre os Desertos e o Combate àDesertificação, a fim de fortalecer o combate econscientizar a sociedade. 7
  8. 8. Portugal é um dos países europeus com maior riscode desertificação. Nas regiões acima do rio Tejo, orisco de desertificação e quase inexistente masabaixo do mesmo esse risco torna-se evidente. Alentejo e Algarve sofrem uma grande pressão hidrográfica devido à falta de pluviosidade. No Alentejo, para combater essa falta de pluviosidade, foiconstruída a barragem do Alqueva de modo a criaro maior lago artificial da Europa. 8
  9. 9. Parques Aquáticos Campos de Golfe O que permitiu a irrigação dos campos agrícolas envolventes, sem a necessidade de utilizar fontes de água primitivas (poços,etc…). No Algarve, devido aos campos de golfe e outrasinfraestruturas turísticas como as piscinas e parques aquáticos, o governo implementou algumas políticas de modo a restringir o uso de água para estas atividades. 9 Oliveira Trigo
  10. 10. Podemos concluir que a terra fica cada vez mais fragilizada devido á ação do homem, e é preciso serconsciente quanto há a gestão de recursos naturais comoa água para evitar a desertificação, entre outras. Todos os países devem demonstrar compaixão em ajudar outros que possam ou passam por dificuldades, pois a água é património comum da humanidade devendo todos estar dispostos a intervir na qualidade desse mesmo património mundial. 10

×