Aula 7 - Karl Polanyi

1,855 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,855
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
41
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 7 - Karl Polanyi

  1. 1. Karl Polanyi e a Sociologia Econômica Profs Carolina Andion & Maurício Serafim [ ESAG/UDESC ]
  2. 2. Textos <ul><li>POLANYI, K. The Economy as Instituted Process. In POLANYI, K; ARENSBERG, H & PEARSON, H. W. Trade and Markets in the early empires. Economies in history and theory. New York: Free Press, 1957. pp. 243-270. </li></ul><ul><li>POLANYI, K. A Grande Transformação: as origens da nossa época. Rio de Janeiro: Campus, 2000. (Capítulos 4 e 6) </li></ul>
  3. 3. Biografia <ul><li>Nasce em Viena em 1886 (filho de engenheiro e empresário húngaro e mãe Russa) </li></ul><ul><li>Estuda na Universidade de Budapeste e obtém doutorado em Direito em 1909 (se envolve com movimento estudantil de esquerda) </li></ul><ul><li>1910 – 1915 – Atua como advogado, mas desgosta-se da profissão </li></ul><ul><li>1915-1917 - Serve como oficial de cavalaria no Exército Austro Húngaro, durante a Primeira Guerra foi hospitalizado em 1919 </li></ul><ul><li>1924-1933 - Após casar-se, atua como jornalista e editor em jornal de negócios em Viena, especializando-se em negócios internacionais </li></ul>
  4. 4. Biografia <ul><li>1933 - Devido a emergência do facismo na Austria ele imigra para Londres </li></ul><ul><li>1935 - Participa do grupo de esquerda cristã e co-escreve Cristianismo e Revolução Social </li></ul><ul><li>1937 – Atua como tutor na Universidade de Oxford </li></ul><ul><li>1940-1943 - Torna-se residente scholar no Bennington College em Vermont e escreve a Grande Transformação </li></ul><ul><li>1947 - Torna-se professor na Columbia University onde lecionou até o fim da vida a disciplina História Econômica Geral </li></ul><ul><li>1957 - Escreve Trade and Markets in The Early Empires </li></ul><ul><li>1964 - Falece em Ontario, onde passou a morar desde 1950 </li></ul>
  5. 5. Reconceituando a economia <ul><li>Significado formal : o termo é tomado aqui no sentido de “economia de meios”. Maximização da satisfação (das necessidades) pelo exercício consciente da escolha entre meios raros – pressuposto da escassez. </li></ul><ul><li>Significado substantivo : deriva da interdependência do homem em relação ao seu ambiente social e natural. Essa relação fornece os meios para suprir suas necessidades (subsistência). A escolha então não pressupõe e não se dá apenas pela insuficiência de meios (escolha moral, por exemplo). </li></ul><ul><li>Somente o significado substantivo pode abarcar a idéia de economia em todas as sociedades. </li></ul>
  6. 6. Economia como processo instituído <ul><li>Processo instituído de interação entre o homem e seu ambiente que resulta em um contínuo suprimento de meios de satisfação material </li></ul><ul><li>Processo : movimento, mudança dos elementos materiais em termos de localização, de apropriação pelos agentes ou ambos (circulação/transações e gestão/disposição). </li></ul><ul><li>Instituído: Esse movimento não se limita a uma interação mecânica, está inserido num contexto institucional mais amplo que lhe atribui sentido. </li></ul>
  7. 7. Economia como processo instituído <ul><li>“ A institucionalização do processo econômico confere a este processo unidade e estabilidade; ela cria uma estrutura que tem uma função definida na sociedade; ela modifica o lugar do processo na sociedade, dando assim uma significação à sua história; ela concentra o interesse sobre os valores, os motivos e a política. Unidade e estabilidade, estrutura e função, história e política definem, de maneira operacional, o conteúdo do nosso pressuposto, segundo qual a economia humana é concebida como um processo instituído” (POLANYI, 1957, p. 249-50). </li></ul>
  8. 8. Economia como processo instituído <ul><li>Economia está imersa ( embedded ) e enredada em instituições econômicas e não-econômicas (como parentesco, política, religião). </li></ul><ul><li>O estudo do lugar ocupado pela economia na sociedade pressupõe compreender como o processo econômico é instituído em diferentes tempos e lugares (arranjos institucionais). </li></ul>
  9. 9. Múltiplas formas de integração/regulação econômicas <ul><li>A esfera doméstica diz respeito à produção para o uso, seja para a família, seja para o clã ou para a comunidade. As pessoas trabalham e produzem para responder às suas necessidades, por meio de grupos fechados. </li></ul><ul><li>A redistribuição corresponde a movimentos de apropriação em direção a um centro. O fato principal de sua organização é a partilha entre os indivíduos. A redistribuição supõe uma autoridade: o chefe, o templo ou o senhor estão no centro deste modelo. </li></ul><ul><li>A reciprocidade refere-se a movimentos entre grupos simetricamente ordenados, o que ocorre, por exemplo, com o dom e o contra-dom. A reciprocidade pressupõe relações sociais de proximidade. </li></ul><ul><li>A troca se apresenta nos movimentos de compra e venda freqüentes, como aqueles do mercado. A troca pressupõe um equilíbrio entre a oferta e a demanda e um sistema de preço (atos de barganha). </li></ul><ul><li>Formas de integração não determinam estágios de desenvolvimento. Várias formas subordinadas podem estar presentes e convivendo com uma dominante (pluralidade de lógicas econômicas) </li></ul>
  10. 10. Swedberg (2003) Produção Distribuição Consumo Redistribuição Reciprocidade
  11. 11. Swedberg (2003) Produção Troca mercantil Consumo Lucro
  12. 12. Crítica ao mercado auto-regulado <ul><li>Separação entre esfera econômica e política. Sociedade é subordinada às exigências do mercado </li></ul><ul><li>O trabalho (seres humanos), a terra (natureza) e a moeda foram transformadas em mercadorias fictícias , o que teve conseqüências destrutivas para a sociedade. </li></ul><ul><li>Incluí-los nos mecanismos de mercado significava subordinar seres humanos e natureza às leis do mercado. </li></ul><ul><li>Reações de autodefesa da sociedade: sindicalismo, legislação social, protecionismo agrícola, controle monetário. Estas medidas protegem a sociedade, mas atrapalham o funcionamento dos mercados: crise de 1929 e busca de superação do capitalismo liberal. </li></ul><ul><li>Polanyi descarta a absolutização de mercados e Estado. Entre mercado livre e planejamento estatal existe um vasto campo para regulação social – contramovimentos protetores (Vinha, 2003). </li></ul>

×