Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Lição 10- A ascensão econômica

1,426 views

Published on

Slide da Lição 10- A ascensão econômica
Lições Bíblicas Jovens 3º trimestre de 2015.
Tema: Novos Tempos, Novos Desafios- conhecendo os desafios do século XXI
Se gostou, comente, curta e compartilhe.
Se não gostou, comente. Receberemos as críticas e veremos o que pode ser melhorado/modificado.
http://maxsuelaquino.blogspot.com.br
https://www.facebook.com/maxsuel.aquino
https://twitter.com/emaxsuel

Published in: Education

Lição 10- A ascensão econômica

  1. 1. Lnçózs Biàucns DVB-I IS : E à ü 'a _ . : 41:: - . /': IÃJ”/ Í:/ ' ü L Í! - v ' _Í-: É " Axsséfmb1e1adç: LDeus em _ *ÍíFlorâniég-IÊN; A *. a okê; Q i A “Maxsuel Aq1_1_1no , * I l_ ___ A reja í undo Novo Ço ndo os esafios do Século XXI
  2. 2. ›' í( 7/7 o l ^ _ *JIT K” r k . -. , l / l ' / ' Recaptulndo V egLmd guns uando foi que, de-fato, Por que Jesus _ referiu-se aos escriba o formaqnegatlva? ,' / / á
  3. 3. Quem são os “desigrejados” ? , s Qual e a plot causa da rejeição da igreja Q t' peles _ “desigrejadosW
  4. 4. M» Quais sã? os sê? ? estágios da igeja Cite uma das características que *É _Q " a, igreja emergente _ mais valoriza - 4,. , ç.
  5. 5. Lição 10o- A ascensão econômica TEXTO DO DIA “E dissemlhes: Acautelai-mvos e guardaiwvos da avareza, porque a vida de qualquer não consiste m abundância do que possui. " (Lc 12.15)
  6. 6. ü étia e amoralicristãs são tãq a i senciaisquxatoa i' 74 ~ Tjustiçasocial. e g-J .
  7. 7. TEXTO BÍBLICO 1 Timóteo 6.7-1O 7 Porque nada trouxemos para este mundo e manifesto é que nada podemos levar dele. 8 Tendo, porém, sustento e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes.
  8. 8. TEXTO BÍBLICO 1 Timóteo 6.7-1O 9 Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. 10 Porque o amor do dinheiro é a raiz de toda espécie de males; e nessa cobiça alguns se idesviaram da fé e se traspassaram a si o_ mesmos com muitas dores.
  9. 9. No episódio hoje. . I- A justiça social e o profetismo H- A política econômica III- Oeperigo do casamento da Igrejacom o estado
  10. 10. Hoj e, ~refletiremos acerca das mudanças políticas que vêm alterando a . sf organização familiar É_ , , e social. e 'i . ç já. ,
  11. 11. É_ lnuodução 541601159; pente 9 populismo não está “dando com uma IU T Êifh* T É* mao pagçiitirar com de? ouuasf, faíeñdó com queiioatéçççi mesrn7o j_ , _ ã íílofalidãdé íejã; f* *r . Q extinta? _
  12. 12. Como anda a política social na sua cidade e no seu estado? POLTICAS socms Investimento em moradia N 'Educação pggblica; dfçjçqualidadeççgçtçn : l T” gratuita¡ : i Atendimento hospitalar e odontológico para toda a população renda Gs1ra«9ã0 die empn= ›g0s e Lazer e cultura Saneamento básicozs Transporte publico Illllli O
  13. 13. Qual 2 seria o papel do governo em relação às políticas sociais? «six › . ç Ç'
  14. 14. Ce1sesieeJe de Senhor: entre devemos fazer í does _íJAL . 1.' . ir ' governos não têm políticas sociais i Justas? 0.6x › . ç já. .
  15. 15. I - A JUSTIÇA SOCIAL E o PROFETISMO
  16. 16. 1. O cuidado divino com a justiça social «iara › ç t 'A 2-' . J '
  17. 17. 1. O cuidado divino com a justiça social «iara › ç t 'A 2-' . J '
  18. 18. 1. O cuidado divino com a justiça social «iara › ç t 'A 2-' . J '
  19. 19. Êxodo 22:25-27 25 Se emprestares dinheiro ao meu povo, ao pobre que está contigo, não te haverás com ele como um usurário; não lhe irnporeis usura. 26 Se tomares em penhor a roupa do teu próximo, lho restituirás antes do pôr do sol, 27 Porque aquela é a sua cobertura, e o vestido da sua pele; em que se deitaria? Será pois que, quando clamar a mim, eu o ouvirei, porque sou misericordioso.
  20. 20. “E Pirangi §Tír; '.f_r'<fÍle›s el *r : illertrel »Em ~'~f›e§. §:ál ? Hmh Tião *¡~xr, i›z: ;_»': ;c* »i'm 3351114 *IêMIÊVLSK @ou umup», . . _ . A . _ . A *naomi *v rlrxagrase* : :ea Hsãnlgieze_ *íãtj* Ene* »ia me: saga 'rzçjru Tx» lili* e *Tongro 'mlêãtjfêr rsgànr” ? tê jüllrí *ir* _r 7 7 7 ; ” 77 77 TM o _ . *l e _ . v* LU. P** W ri u l* lí v' »fio ÍHPR.
  21. 21. . _, , m çmHL ) "à p, 1,_ . __l. "5“r ^ f? . “~ »ea T“, ..à¡ T vçiilêyqc¡ l, Kali' , r 3» " ' l' srwzyw
  22. 22. . Y_ 2, Justiça divina nao é paternalismo écvx › n¡ . ' . J -
  23. 23. . Y_ 2, Justiça divina nao é paternalismo écvx › ç 'i A' l? n
  24. 24. do teu povo, e da sobra comam os 1M* 3. O ministério profético e a justiça social 10 Também seis anos semearás tua terra, e recolherás os seus ñutos; ll Mas ao sétimo a dispensarás e deixarás descansar, para que possam comer os pobres ais do campo. Assim farás com a tua vinha e com o teuolival. j* Êxodo 23:l0,ll
  25. 25. 3. O ministério profético e a justiça social écvx › n¡ . ' . J -
  26. 26. ENE_ › n11 . L 2( o_ , _ , hit i I A __ _ 11 v_ u I , , , e. _ J A hn Br» s. Cera. .. J e. .ur, .Tuma, . rl, .r , r na. o, .r . Pl. I_ V, Ê H. . , Ik , Í a . g t . LPT nl, Í. , . ». › ll, , f. . . .TL a m1,, u¡ . ul_ . Tv . l . mal ri JA 1)( , t v 2.-. , . 4 Talk. . . Fx T VL. , l». V! ! . rt, Ur . .rh v FTA. : . fx . r l ; e r. R,
  27. 27. 3. O ministério profético e a justiça social
  28. 28. Bo É e ç r a . x r . n. a O ministerio profetico e a justiça social «o , -~›-+ ÕTPortanto, ó rei, aceita o meu conselho, e põe aos teus pecados, pratioando a justiça, e às tuas iniquidadeausando de rniseriçórdia cornos pobres,
  29. 29. .T . , . r , _ v . ..T o u. w i › . o , P! T TTTT . T e. . l. , . .. a . , nr TTTTTT. . hn, .l, r, l P. ._ , TT. .__ l __ . TTTT, .. FX u. . nlTL. .I d , , _TTT r , . TX J b. . , TTT. III . ,a . e. . TT. T T_ , . . .FT , , . c A
  30. 30. 3. O ministério profético e a justiça , social Cp: 'Qi
  31. 31. vegjrsqnuervixr 1;( l ^ Â “k ; Y YTÍ, V hr j KW §| tkl_h, ¡kpi. ili. iit, fo, T _ f¡ h í ñ gdllw j L - y à q] 'tj mr¡ @É ' .
  32. 32. . V Imporítaate! 0.6x › ç_
  33. 33. n - A POLÍTICA ECONÔMICA
  34. 34. . governo e a justiça social
  35. 35. . V . governo e a justiça social
  36. 36. . governo e a justiça social 0.6x › n¡ . ' . J -
  37. 37. . 3_ 2.0 governo e as classes populares
  38. 38. 'r . i '; "" ' e 250 govemo a asfclassespopulares
  39. 39. [3, O perigo dio populismo O que é populismo? É quando um líderi estabelece não laços racionais, mas emocionais com as pessoas. 0.6x › . o c'
  40. 40. ç H1 Tatrzenqpíi» T . e “rota, v5? “i'°vli'fll* lê¡ JJ = “í I* ¡Íleiij si: s; ç,T; TLe›fi; _f_xTrjlTr~ s; m? “f“Íij9:Êf: T.L[fí'f_I; T“ (U1 Elos: : Ir I; _j:9;; : nr T *Jill : o: if» TÍleLTJic Iüigrexrízlzi. , T . .. (-9 ' ' line
  41. 41. .o já. ,
  42. 42. . V Imporítaiite! 0.6x › . o já. ,
  43. 43. @C93 R160 eAsnNTo DAIGJA QQMTGTSTADO_ _ É-v-_VY __ . : , ~"_ r - - ' u" e' , . r _ç _ -_
  44. 44. 0.6x › _ . o Ç'
  45. 45. 1.0 artifício romano para *obter o apoio dos líderes religiosos
  46. 46. 1.0 artifício romano para *obter o apoio dos líderes religiosos
  47. 47. . V ç ' , a D, j' f" 2, , A era Constantino
  48. 48. O cuidado da / Igrej atual
  49. 49. O cuidado da / Igrej atual
  50. 50. .TT, .__ m. M. . . TK T. ,T _ ÍTI. . e. . L» l , TT. _ , M_ T v, ve m», T» c, E_ o V. . T ›r. .T _T_ T, T HT» 4 TAi. n, r. TT . l T. rTT an” TTl NTI». .T »TT , _, . VI L_ T. ,. TT . .TTT. ,, É TT. , T a T T Mw ve. u. . . r T T TTT! .fTJ, Tal¡ _rT y ! TT 2.( . .fly ; Vl T ri T TT u! !k T J¡ ›T T TIK. T TTT. , Jr. . . Tfkr TTTTT . TTÀ, TT». T . .r a_ Í o. _l_ _T x1, _T _ w . TTT T : uv l. T T _ r. TTT. .T : avi MK, . T T. . à o Ti . Tv N_ t TTT TTT . ll. , ç_ TWTT _ T, .. Jah . , 1 . TT _ T T TK , ,TTT_, h l . TTT T c. . à) m? , , TT . o. . T . r ln.
  51. 51. . 3_ Imporítaiite!
  52. 52. u' ' T Conclusao W Não háduvida de que a função do governo é proporcionar melhores condições para a população ter assegurada Ka sua qualidade de vida. ^ 0.6x › Ci: 'Qi
  53. 53. . V ' T Conclus u' ão 0.6x › , q . o c'
  54. 54. Tina na rzvTsão* 1. Cite um dos principais cuidados divinos. 2; Õ assistencialismõ resolve o problema da W pobreza? , T e <ÍP= .(2.
  55. 55. L F rn/ Tsão* 3. Em sua opinião, qual seria o papel do governo em relação aos pobres: alimenta- los ou pioporcionar-lhes uabalho? -=Explique. T e <ð= .(2.
  56. 56. 4, Como deve ser a nossa relação com os políticos? _T5, De acordo com a _ lição, qual deve ser a s o V T função do governo? ' 'i - <ð= s: _z T' P*
  57. 57. i9'. T u' A o T ore l p§or; T
  58. 58. i T -Tw , Ç , , T¡ íkiu¡ -itfãr l_ ht! yu l LJ rá] TT , Tlñs (T TIEmsp @aãlâãlííãâgmã©onnoãíãoil, tloâüm, httirllatitudedeaprendiz blogspot com br/

×