Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

ProjecçãO Da Casa EcolóGica à Realidade

10,074 views

Published on

Published in: Business, Technology
  • ..............ACCESS that WEBSITE Over for All Ebooks ................ ......................................................................................................................... DOWNLOAD FULL PDF EBOOK here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Eu and àprocura da casa ideal amiga do ambiente, e gostei muito da vossa apresentação.

    Se realmente os preços forem esses gostaria de saber nde foram buscar informação dos tais preços para me pder informar.

    Obrigado ;)

    sara_chpaia@hotmail.com
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

ProjecçãO Da Casa EcolóGica à Realidade

  1. 1. PROJECÇÃO DA CASA ECOLÓGICA À REALIDADE
  2. 2. OBJECTIVO • O nosso objectivo neste estudo é projectar à realidade a nossa casa ecológica. • Isto é, tentaremos delinear qual seria o custo de uma casa semelhante à da nossa maqueta. • O nosso estudo baseia-se numa casa habitada por 4 pessoas.
  3. 3. CHUVA, VENTO E SOL EM PORTUGAL
  4. 4. O SOL • O Sol fornece anualmente, para a atmosfera terrestre, o correspondente a 10000 vezes o consumo mundial de energia num ano. • A radiação solar constitui uma inesgotável fonte energética, havendo um enorme potencial de utilização por meio de sistemas de captação e conversão em outra forma de energia (térmica, eléctrica, etc.). • Portugal é um dos países da Europa com maior disponibilidade de radiação solar. Que varia entre 2.200 e 3.000 horas.
  5. 5. INSOLAÇÃO
  6. 6. O VENTO • O vento é uma abundante fonte de energia renovável, limpa disponível em todos os lugares. Resultante da energia cinética do ar que se desloca por efeito das diferenças de pressão atmosférica entre regiões distintas • No início da década de 70, com a crise mundial do petróleo, houve um grande interesse em desenvolver equipamentos, para produção de electricidade, que ajudassem a diminuir a dependência dos combustíveis fosseis. • Em Portugal, o primeiro parque eólico foi criado em 1988, em Santa Maria (Açores). • A energia eólica é a que mais elevadas taxas de crescimento apresenta em Portugal, pelo facto de ser aquela que apresenta níveis de produção energética mais elevados.
  7. 7. VENTO
  8. 8. A CHUVA • A chuva é um fenómeno meteorológico que consiste na precipitação de água sobre a superfície da Terra. • Portugal Continental apresentam uma com uma pluviosidade mais ou menos regular distribuída ao longo do ano, embora com maior abundância nos meses de Inverno. • Os valores médios de precipitação anual em Portugal variam desde os 800 l/m2 e valores que superam largamente os 3000 l/m2 nas zonas mais elevadas. • No geral, admite-se que, em média, a precipitação atinja os1000 l/m2 por ano.
  9. 9. CHUVA
  10. 10. O QUE DEVEMOS FAZER? • Visto que Portugal é uma região com condições ideais para o investimento de energias renováveis, devemos aproveitá-las da melhor maneira, de modo a proporcionar uma qualidade de vida superior e, ao mesmo tempo, contribuir para a não degradação do ambiente, provocada pelo uso excessivo de energias não renováveis. • O Parlamento Europeu obriga a que todos os países, inclusive Portugal, diminuam a utilização de combustíveis fósseis, através do aumento de utilização de energias renováveis. Em Portugal, por exemplo, as energias renováveis têm de representar 39% do total de energia consumida até 2010. • Hoje em dia, qualquer pessoa tem ao seu dispor uma vasta gama de equipamentos altamente sofisticados, que possibilitam a captação de energia. • Cabe a cada um de nós procurá-la, estudá-la e então instalá-la de acordo com as necessidades da nossa habitação.
  11. 11. CASA ECOLÓGICA
  12. 12. ESTRUTURA DA CASA • A estrutura da nossa casa é toda feita em madeira o que permite um conforto e uma qualidade de vida proporcionado por vários benefícios que este tipo de estrutura apresenta: • A madeira é um isolante natural de tacto quente e seco. • A madeira estabiliza e regula o grau de humidade no interior da casa. • A madeira maciça das paredes é um óptimo isolante acústico criando um ambiente tranquilizante • Da ausência de estruturas metálicas resulta a manutenção do nosso campo magnético natural.
  13. 13. • A casa de madeira usa poucos produtos químicos, tais como pinturas, dissolventes, derivados de petróleo e tratamentos impermeabilizantes. Deste modo, apresenta uma menor propensão para causar alergias aos seus habitantes. • Durante o Inverno devido ao seu natural isolamento térmico, uma casa de madeira necessita de menos tempo para atingir a temperatura interior de conforto do que a tradicional casa de alvenaria. • No Verão, a correcta ventilação transversal e a equilibrada relação entre áreas envidraçadas e opacas (e o seu sombreamento) impede o seu sobreaquecimento. • Além destes benefícios as casas em madeiras ainda têm uma construção rápida, uma grande resistência sísmica e baixo custo de climatização, manutenção exterior e interior. • Uma casa dentro destes moldes com cerca de 160 m2 custa cerca de 120 000 €.
  14. 14. PISCINA BIOLÓGICA
  15. 15. • Nas piscinas quot;biológicasquot; a depuração da água ocorre através da acção natural das plantas. • Desta forma é possível criar um verdadeiro ecossistema no jardim de casa. Enquanto uma parte da piscina pode ser utilizada para o banho ou prática de natação, a outra é reservada para as plantas aquáticas necessárias à purificação. • O sistema funciona em circuito privado. Uma bomba transporta a água da piscina de banho para a piscina de regeneração, onde as impurezas são filtradas pela acção natural das plantas aquáticas, dos microrganismos e da micro fauna. • A água purificada retorna depois na área consagrada ao banho, sem precisar receber outros aditivos químicos como o cloro. • Uma piscina biológica custa cerca de 30 000 €.
  16. 16. SISTEMA DE CAPTAÇÃO DA ÁGUA DA CHUVA
  17. 17. • Com um orçamento na ordem dos 2500€ uma família poderá instalar na sua habitação um sistema de captação de água proveniente da chuva. • Antes da instalação do sistema, é feito um estudo dos índices pluviométricos da região, da capacidade de captação do telhado e do número de pessoas na habitação para determinar se é viável a sua instalação. Por exemplo, se a área do telhado da habitação tiver 150m2, a água captada num ano será, aproximadamente, de 150 000 litros. • O sistema pode ser aplicado em paralelo com o sistema de água da rede pública. A água captada servirá para inúmeros fins, nomeadamente para reabastecer o autoclismo, fornecer água para a máquina de lavar roupa e louça, para regar jardins, encher piscinas, lavar o carro, entre outros usos. • Geralmente a água não é usada para banhos devido à poluição existente no ar que contamina a água de chuva nos primeiros minutos de precipitação, contudo também serve para este fim desde que a bomba de água esteja preparada para desinfectar a água.
  18. 18. APROVEITAR ENERGIA SOLAR I) Neste caso, a energia solar é transformada em energia eléctrica.
  19. 19. • I) Neste exemplo, os painéis solares geram uma corrente contínua de tensão variável até 17Vcc, que não é apropriada para carregar directamente as baterias. • É necessário quot;domesticarquot; essa corrente através de um controlador de carga para carregar as baterias. • Por sua vez, a corrente 12V das baterias não pode alimentar directamente o refrigerador : é preciso introduzir um inversor entre as baterias e o refrigerador para transformar a corrente contínua 12Vcc em corrente alternada 220Vca adequada para accionar o refrigerador. • Um sistema que permita alimentar uma casa, nas condições que temos apresentado, custa cerca de 3000€.
  20. 20. II) Aqui a energia solar captada pelos painéis solares é aproveitada para aquecer a casa.
  21. 21. • II) Um kit solar é composto basicamente por um colector solar para captação da energia e um depósito para armazenamento de água quente. • Os equipamentos solares poupam energia e simultaneamente protegem o meio ambiente. • O sistema de aquecimento solar deve ainda ser acompanhado de um sistema de apoio para aquecimento de água em dias com incidência solar insuficiente. • Um investimento desta tipologia ronda os 2000€ se for para aplicar a uma habitação onde resida 4 pessoas.
  22. 22. BENEFICIAR DA ENERGIA EÓLICA • Resultante da energia cinética do ar que se desloca por efeito das diferenças de pressão atmosférica entre regiões distintas. • A energia eólica é aquela que apresenta uma relação preço/eficiência superior às restantes tecnologias energéticas. • Em média uma habitação com quatro pessoas apresenta um consumo energético de 3500 kWh/ano o que significa 300 kWh/mês.
  23. 23. III) Esquema básico de fornecimento de energia através de um aerogerador.
  24. 24. • III) Quando exposto a vento suficiente (no mínimo 11km/h), um aerogerador produz corrente alternada (CA). • Depois de rectificar (CC) esta corrente pode ser usada para carregamento de baterias. • Quando a velocidade do vento atinge 24 nós (44,5Km/h), para o caso de um aerogerador de 400 Watts, consegue gerar o equivalente a 100 – 200 kWh/Mês. • O que a torna perfeita para pequenas aplicações. Quanto mais potente for o aerogerador maior será a sua produção de energia. • Este sistema custa 4000€.
  25. 25. CONSUMOS E CUSTOS
  26. 26. CONSUMO DE ENERGIA • O consumo de energia eléctrica no sector residencial tem-se acentuado, verificando-se um crescimento médio anual de cerca de 7%. • Foi neste contexto de consumos crescentes, que a Comissão Europeia definiu o sector residencial como um dos sectores fundamentais de intervenção a nível da promoção da eficiência energética.
  27. 27. • Os consumos eléctricos no sector residencial são caracterizados pelo seguinte gráfico:
  28. 28. ETIQUETA ENERGÉTICA • A etiquetagem energética de equipamentos domésticos foi criada pela Comissão Europeia para informar os consumidores sobre osN desempenhos energéticos dos electrodomésticos, em termos de consumo de electricidade e nalguns casos também de água.
  29. 29. COMPARAÇÃO DE CUSTOS • “Família I” corresponde a uma situação em que a opção de compra dos equipamentos não foi baseada nos critérios de eficiência energética. Em contrapartida, a “Família II”, que se preocupa com os problemas energéticos e ambientais, só adquiriu equipamentos classe A.

×