meninXs - TCC de Design Estratégico

598 views

Published on

Tema: Combate ao ensino da homofobia às crianças.

Objetivo: Aumentar o repertório infantil sobre papéis de gênero e transformar estas crianças em adultos mais resolvidos com suas funções dentro da sociedade. Incentivar uma discussão sobre o corpo, o sexo e o outro para desenvolver um futuro mais acolhedor e menos violento com o diferente.

Contexto trabalhado: A influência dos desenhos animados e filmes infantis na construção interna de papel de gênero na criança.

Problemática verificada: As crianças repetem inconscientemente os papéis sociais representados nas mídias e os entendem, ao longo do seu crescimento, como uma parte intrínsica do seu "eu" e não uma determinação externa.

Solução proposta: Um desenho animado infantil que dialogue diretamente com as crianças, com personagens plurais em situações comuns na sociedade, mas excluídas ou minimizadas nas representações midiáticas.

Nome dos autores: Mateus Oazem Maia

Published in: Education
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
598
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
11
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

meninXs - TCC de Design Estratégico

  1. 1. Imaginárioinfantilmasculino
  2. 2. Imaginárioinfantilfeminino
  3. 3. HORAS POR DIA Escola Dormir Televisão Outros
  4. 4. Quando assistimos TV fazemos pouca ou nenhuma análise do conteúdo Ignorância é perpetuada pelas representações midiáticas Essa é a oportunidade para nosso desenho, entrar nos lares com um conteúdo socialmente educativo de forma lúdica
  5. 5. É POSSÍVEL HOJE FAZER UMA SÉRIE INFANTIL NACIONAL oportunidades Lei de Incentivo 2 horas e 20 minutos da programação semanal de um canal devem ser de conteúdo nacional.
  6. 6. É POSSÍVEL HOJE FAZER UMA SÉRIE INFANTIL NACIONAL oportunidades Internet Só com o YouTube mantém financeiramente uma produtora de desenhos, vários projetos paralelos e ganha alguns milhões de reais.
  7. 7. É POSSÍVEL HOJE FAZER UMA SÉRIE INFANTIL NACIONAL oportunidades Não Violência a violência presente em desenhos como “Scooby Doo” e “Bugs Bunny” piora o sono de crianças de 3 até 5 anos.
  8. 8. É POSSÍVEL HOJE FAZER UMA SÉRIE INFANTIL NACIONAL como chegar lá? - produtoras ou
  9. 9. É POSSÍVEL HOJE FAZER UMA SÉRIE INFANTIL NACIONAL como chegar lá? - produtoras O grupo realiza trabalhos relacionados à formação e educação, tais como percursos educativos, instalações em museus, sites, jogos, aplicativos digitais e projetos de tecnologia voltada à informação e aprendizado
  10. 10. É POSSÍVEL HOJE FAZER UMA SÉRIE INFANTIL NACIONAL como chegar lá? - patrocínio ou
  11. 11. É POSSÍVEL HOJE FAZER UMA SÉRIE INFANTIL NACIONAL como chegar lá? – produtora/distribuidora
  12. 12. É POSSÍVEL HOJE FAZER UMA SÉRIE INFANTIL NACIONAL como chegar lá? – transmissão
  13. 13. É POSSÍVEL HOJE FAZER UMA SÉRIE INFANTIL NACIONAL como chegar lá? – clientes CRIANÇAS (consumidor) PAIS (mediador) DISTRIBUIDORA (principal) PRODUTORA (parceira)
  14. 14. É POSSÍVEL HOJE FAZER UMA SÉRIE INFANTIL NACIONAL como chegar lá? – apoio educacional
  15. 15. É POSSÍVEL HOJE FAZER UMA SÉRIE INFANTIL NACIONAL como chegar lá? – custos O episódio de “Escola pra Cachorro”, série das produtoras Mixer e Cité- Amerique, custa, em média, R$ 220 mil, valor próximo ao de “Princesas do Mar”, série brasileira sucesso em mais de 40 países, que é US$ 135 mil. Primeira Temporada (13 Episódios) ~3 milhões de reais
  16. 16. É POSSÍVEL HOJE FAZER UMA SÉRIE INFANTIL NACIONAL como chegar lá? – custos achorro”, e Cité- R$ 220 incesas do so em $ 135 mil. Primeira Temporada (13 Episódios) ~3 milhões de reais Bíblia da Série Argumento da série e da primeira temporada com 13 episódios, por R$ 30.000,00. Mais salário de R$ 5.337,37, durante um ano
  17. 17. É POSSÍVEL HOJE FAZER UMA SÉRIE INFANTIL NACIONAL como chegar lá? – análise
  18. 18. A SÉRIE diferenciais Papo de garotas Mais de duas personagens femininas, com nomes próprios, que conversem entre si sobre algo que não seja um homem. Troca I Alguma personagem feminina, mesmo que secundária, representando alguma ação caracterizada como “masculina”. Troca II Alguma personagem masculina, mesmo que secundária, representando alguma ação caracterizada como “feminina”. Sem violência Não resolução de conflitos através da violência.
  19. 19. personagens
  20. 20. A SÉRIE personagens CARLA
  21. 21. A SÉRIE personagens ARIEL
  22. 22. A SÉRIE personagens FELIPE
  23. 23. A SÉRIE primeiro episódio
  24. 24. A SÉRIE objetivo heteronormatividade homonormatividadeliberdade

×