Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
RESUMO
ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO NA ADMINISTRAÇÃO
PÚBLICA
AULA 0: ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO NA
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Para fi...
- Conforme a lei nº 4.320/64:
 Art. 2° A Lei do Orçamento conterá a discriminação da receita e
despesa de forma a evidenc...
Plano Plurianual – PPA:
- PPA estabelecerá, de forma regionalizada, as diretrizes, objetivos e
metas da administração públ...
- Importante!!!
 O PPA não coincide com o mandato do chefe do poder executivo.
Apesar de ser 4 anos.
 Todo tipo de inves...
- Universalidade: engloba todas as fases, todos os órgãos, Poderes e
entidades da administração direta e indireta no proce...
- Após a promulgação da LRF, a LDO passou a ter mais relevância.
- A LRF estabeleceu que a LDO deverá dispor sobre:
 Equi...
 ÊNFASE da LRF na LDO:
Lei Orçamentária Anual – LOA:
 A LOA tem por finalidade a concretização dos objetivos e metas
est...
governo, obedecidos aos princípios de unidade, universalidade e
anualidade.
Importante!
- A LOA é também doutrinariamente ...
 A LOA tem sua vigência limitada de 1 ano, e que coincide com o
ano civil.
 Portanto, as leis que aprovam os três instru...
índice de preços previsto na lei de diretrizes orçamentárias, ou
em legislação específica.
• Estabelece que é vedado consi...
AULA 1: ORÇAMENTO PÚBLICO: CONCEITOS E
PRINCÍPIOS, CICLO ORÇAMENTÁRIO E
ORÇAMENTOPROGRAMA
- Na Contabilidade Pública o reg...
• O Orçamento é dividido em (fiscal, de investimentos e da
seguridade social) que são partes integrantes do todo e
estão c...
o Conceitos:
 Contratação de qualquer operação de crédito:
é a contratação de empréstimos, interno ou
externo, geralmente...
o Recursos destinados à prestação de garantia às
operações de crédito por antecipação da receita – ARO
(Art. 165, § 8º CF)...
• A programação consiste que os projetos com duração superior
a um exercício financeiro só devem constar na LOA se
estiver...
• O orçamento-programa é um documento financeiro?
o O orçamento-programa não é apenas documento
financeiro, mas, principal...
brasileiro deve existir estreita conexão entre planejamento e
orçamentol.
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Resumo orcamento público

16,199 views

Published on

orcamento publico resumo

Published in: Government & Nonprofit
  • Be the first to comment

Resumo orcamento público

  1. 1. RESUMO ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA AULA 0: ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Para fins de concurso público, quando se refere a PLANEJAMENTO, geralmente está-se referindo ao PPA e quando se fala em ORÇAMENTO está- se referindo à Lei Orçamentária Anual – LOA. - Recursos = Receitas - Gastos = Despesas Públicas - Instrumentos de Planejamento da Administração Pública: PPA, LDO e LOA - Essas leis são de iniciativa do Poder Executivo, conforme CF/88, Art. 165 e seus incisos. - PPA estabelecerá, de forma regionalizada, as diretrizes, objetivos e metas da administração pública federal para:  as despesas de capital e outras delas decorrentes e  para as relativas aos programas de duração continuada. - LDO compreenderá as metas e prioridades da administração pública federal, incluindo:  as despesas de capital para o exercício financeiro subseqüente;  orientará a elaboração da lei orçamentária anual;  disporá sobre as alterações na legislação tributária; e  estabelecerá a política de aplicação das agências financeiras oficiais de fomento. - LOA compreenderá:  o orçamento fiscal referente aos Poderes da União, seus fundos, órgãos e entidades da administração direta e indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público;  o orçamento de investimento das empresas em que a União, direta ou indiretamente, detenha a maioria do capital social com direito a voto;  o orçamento da seguridade social, abrangendo todas as entidades e órgãos a ela vinculados, da administração direta ou indireta, bem como os fundos e fundações instituídos e mantidos pelo Poder Público.
  2. 2. - Conforme a lei nº 4.320/64:  Art. 2° A Lei do Orçamento conterá a discriminação da receita e despesa de forma a evidenciar a política econômica financeira e o programa de trabalho do Governo, obedecidos os princípios de unidade universalidade e anualidade. - A responsabilidade pela elaboração e execução dos instrumentos supracitados é de todos os órgãos e Poderes públicos, ou seja, é competência exclusiva do Poder Executivo para apresentar ao Congresso Nacional a proposta dos instrumentos de planejamento. Entretanto, todos os entes, seus órgãos e Poderes elaboram sua proposta e encaminham ao Executivo, que as consolida e envio ao Poder Legislativo. - Há reserva legal para elaboração dessas leis, pois é vedadas a utilização de Medida Provisória para elaboração das mesmas, e concessão de créditos adicionais suplementares e especiais, salvo para créditos extraordinários, para atender despesas imprevisíveis e urgentes, como as decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública (CF, art. 167, § 3º). Também, não se pode tratar desses planos através de Lei Delegada (CF, art. 68, III). - Muito Importante! - Não há possibilidade de o Congresso Nacional rejeitar o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias, uma vez que a CF determina que a sessão legislativa não será interrompida sem a aprovação da LDO (art. 57, § 2º, da CF). - Muito Importante! - Pelo que tem-se levado em consideração pela Administração Pública, existem outros instrumentos de planejamento para a mesma, um exemplo claro disso é que a Adm Pública, considera, além do plano plurianual, as diretrizes orçamentárias e Orçamento, os planos e programas nacionais, regionais e setoriais.
  3. 3. Plano Plurianual – PPA: - PPA estabelecerá, de forma regionalizada, as diretrizes, objetivos e metas da administração pública federal para:  as despesas de capital e outras delas decorrentes e  para as relativas aos programas de duração continuada. - O PPA é conhecido como o planejameto de média prazo da administração pública com duração de 4 anos, sendo iniciado no segundo ano de cada mandato e terminando no primeiro ano de cada mandato do chefe do poder executivo.. - O prazo para entrega do projeto de lei para aprovação pelo Congresso Nacional será 4 meses (31 de agosto) antes do término da sessão legislativa ou seja, 31/08 do primeiro ano de mandato do chefe do poder executivo. Atenção: Muito cobrado em concurso - O Presidente da República poderá remeter mensagem ao Congresso Nacional, propondo modificações no Projeto de PPA, enquanto não iniciada a votação, na Comissão Mista, da parte cuja alteração é proposta. - Como o PPA é executado? - Através da Lei do PPA, deverá ser cumprido passo a passo, ano a ano, através da Lei Orçamentária Anual – LOA, ou seja, o PPA e a LOA devem estar coordenados e integrados entre si, haja vista que a CF estabelece em seu art. 166, § 1º, que nenhum investimento cuja execução ultrapasse um exercício financeiro poderá ser iniciado sem prévia inclusão no plano plurianual, ou sem lei que autorize a inclusão, sob pena de crime de responsabilidade. - Devolução do PPA - O Poder Legislativo deverá devolvê-lo ao chefe do Executivo, para sanção ou veto, até o encerramento da sessão legislativa. - O encaminhamento ao Legislativo, pelo Poder Executivo, dos projetos de lei referentes ao PPA, LDO e LOA, tem sempre como referência até o término do exercício financeiro. - Já a devolução dos projetos de lei, pelo Legislativo, os parâmetros são:  PPA e LOA – até o encerramento da sessão legislativa;  LDO – até o encerramento do primeiro período da sessão legislativa.
  4. 4. - Importante!!!  O PPA não coincide com o mandato do chefe do poder executivo. Apesar de ser 4 anos.  Todo tipo de investimento que ultrapasse um exercício financeiro, ou seja, mais de um ano, deverá estar incluído no Plano Plurinual ou em Lei especial que o autorize. - Resumindo  A Lei do Plano Plurianual deverá estabelecer, de forma regionalizada: (DOM) • As Diretrizes o são orientações ou princípios que nortearão a captação, gestão e gastos de recursos durante um determinado período, com vistas a alcançar os objetivos de Governo nos 4 anos de legislatura. • Os Objetivos o consistem na discriminação dos resultados que se pretende alcançar com a execução das ações governamentais que permitirão a superação das dificuldades diagnosticadas. • As Metas da Administração Pública o são a tradução quantitativa dos objetivos.  Para as despesas de capital e outras delas decorrentes; e  Para as relativas aos programas de duração continuada. - Princípios do processo de planejamento orçamentário: - Atenção! Esses princípios são meramente doutrinários! - Racionalidade: tendo em vista que os recursos são escassos e as necessidades humanas ilimitadas, esse princípio propõe-se a tornar mais eficiente o número de alternativas apresentadas ao orçamento, com vistas a obter compatibilidade e racionalidade com os recursos disponíveis. - Previsão: estabelece a necessidade de diagnosticar e antever as ações num certo lapso de tempo, em função dos objetivos a serem atingidos ou almejados, recursos disponíveis e o efetivo controle dos gastos.
  5. 5. - Universalidade: engloba todas as fases, todos os órgãos, Poderes e entidades da administração direta e indireta no processo de planejamento, ou seja, estabelece o comprometimento com planejamento e responsabilidade na gestão fiscal. - Unidade: os planos, coordenados e integrados entre si, devem ser uno, ou seja, apenas um para cada ente da federação. - Continuidade: o planejamento deve ser contínuo racional e flexível. Em função da escassez de recursos, em determinado momento pode haver necessidade de minimizar ou maximizar as ações. - Aderência: visto que o planejamento deve estar ligado a todos os órgãos, Poderes e entidades da administração direta e indireta, esses órgãos devem estar comprometidos com os objetivos do serviço público e a missão da entidade, sempre direcionada a melhorar a qualidade na prestação dos serviços à sociedade. Lei de Diretrizes Orçamentárias – LDO: - O Presidente da República deve enviar o projeto anual de LDO até oito meses e meio antes do encerramento do exercício financeiro. O Congresso Nacional deverá devolvê-lo para sanção até o encerramento do primeiro período da sessão legislativa, que não será interrompida sem a aprovação do projeto. - Da mesma forma que o PPA, o Presidente da República poderá enviar mensagem ao Congresso Nacional para propor modificações no projeto de lei da LDO, enquanto não iniciada a votação na CMPOF, da parte cuja alteração é proposta. - A LDO Compreende as metas e prioridades (MP) da administração pública federal, incluindo:  as despesas de capital para o exercício financeiro subseqüente;  Orienta a elaboração da lei orçamentária anual;  disporá sobre as alterações na legislação tributária; e  estabelecerá sobre a política de aplicação das agências financeiras oficiais de fomento. - Outras matérias que podem ser tratadas na LDO:  estrutura e organização dos orçamentos;  disposições relativas à dívida pública federal;  disposições relativas às despesas da União com pessoal e encargos sociais;  disposições sobre a fiscalização pelo Poder Legislativo e sobre as obras e serviços com indícios de irregularidades graves; etc.
  6. 6. - Após a promulgação da LRF, a LDO passou a ter mais relevância. - A LRF estabeleceu que a LDO deverá dispor sobre:  Equilíbrio entre receitas e despesas: • Critérios e forma de limitação de empenho, a ser verificado no final de cada bimestre quando se verificar que a realização da receita poderá comprometer os resultados nominal e primário estabelecidos no anexo de metas fiscais e para reduzir a dívida ao limite estabelecido pelo Senado Federal • LRF estabelece que Integrará o projeto de LDO o Anexo de Metas Fiscais, em que serão estabelecidas metas anuais, em valores correntes e constantes, relativas a receitas, despesas, resultados nominal e primário e montante da dívida pública, para o exercício a que se referirem e para os dois seguintes.  Avaliação da situação financeira e atuarial: • a) dos regimes geral de previdência social e próprio dos servidores públicos e do Fundo de Amparo ao Trabalhador; • b) dos demais fundos públicos e programas estatais de natureza atuarial; • LRF determina que a LDO conterá Anexo de Riscos Fiscais, onde serão avaliados os passivos contingentes e outros riscos capazes de afetar as contas públicas, informando as providências a serem tomadas, caso se concretizem. Atenção! Bastante cobrado em concurso!  A LDO deverá conter o anexo de Metas Fiscais e o de Riscos Fiscais.  No Anexo de Metas Fiscais serão estabelecidas metas anuais, em valores correntes e constantes, relativas a receitas, despesas, resultados nominal e primário e montante da dívida pública, para o exercício a que se referirem e para os dois seguintes, ou seja, para 3 exercícios.  No Anexo de Riscos Fiscais serão avaliados os passivos contingentes e outros riscos capazes de afetar as contas públicas, informando as providências a serem tomadas, caso se concretizem.
  7. 7.  ÊNFASE da LRF na LDO: Lei Orçamentária Anual – LOA:  A LOA tem por finalidade a concretização dos objetivos e metas estabelecidos no Plano Plurianual. É o orçamento propriamente dito.  É o cumprimento ano a ano das etapas do PPA, em consonância com a LDO e a LRF.  É o ato pelo qual o Poder Executivo prevê a arrecadação de receitas e fixa a realização de despesas para o período de um ano e o Poder Legislativo lhe autoriza, através de LEI, a execução das despesas destinadas ao funcionamento da “máquina administrativa”.  Todos os Poderes e demais órgãos (Unidades Orçamentárias) elaboram as suas propostas orçamentárias e encaminham para o Poder Executivo, que faz a consolidação de todas as propostas e encaminha um projeto de Lei de Orçamento ao Congresso Nacional. Atenção! Muito importante!  É competência é privativa do Presidente da República encaminhar a proposta orçamentária ao Congresso Nacional. Cuidado!  Somente o Congresso Nacional tem competência (Exclusiva) para dispor sobre orçamento público no Brasil. - Qual é o conteúdo da LOA?  A LOA conterá a discriminação da receita e despesa de forma a evidenciar a política econômica e financeira e o programa de
  8. 8. governo, obedecidos aos princípios de unidade, universalidade e anualidade. Importante! - A LOA é também doutrinariamente reconhecida como o planejamento operacional da administração pública. Atenção! Cai muito em concurso público. - O Congresso Nacional pode, na própria LOA, autorizar: Muita atenção! Existem três tipos de créditos adicionais  Suplementar;  Especial; e  Extraordinário. - Na LOA só pode ser autorizada a abertura de crédito adicional suplementar. A CF veda a autorização para a abertura de créditos especial e extraordinário na própria LOA.  Essas autorizações são exceções ao Princípio da Exclusividade. - CF estabelece que a Lei Orçamentária Anual compreenderá: - Encaminhamento e vigência da LOA:  O Encaminhamento do projeto da LOA, ao Legislativo, será da competência exclusiva do Chefe do Poder Executivo. Deverá ser encaminhado até quatro meses antes do encerramento do exercício financeiro e devolvido para sanção até o encerramento da sessão legislativa.
  9. 9.  A LOA tem sua vigência limitada de 1 ano, e que coincide com o ano civil.  Portanto, as leis que aprovam os três instrumentos de planejamento da administração pública - PPA, LDO e LOA possuem vigência temporária: • LOA - 1 Ano; • LDO - 1 Ano; • PPA - 4 Anos. - A LOA e as implicações da LRF:  Com a promulgação da LRF, a LOA passou a ter mais relevância:  O projeto de lei orçamentária anual, elaborado de forma compatível com o plano plurianual, com a lei de diretrizes orçamentárias, e com as normas desta Lei Complementar (LRF): • Conterá, em anexo, demonstrativo da compatibilidade da programação dos orçamentos com os objetivos e metas constantes do documento de que trata o § 1º do art.4º; • Será acompanhado do documento a que se refere o § 6º do art. 165 da CF (demonstrativo regionalizado do efeito, sobre as receitas e despesas, decorrente de isenções, anistias, remissões, subsídios e benefícios de natureza financeira, tributária e creditícia), bem como das medidas de compensação a renúncias de receita e ao aumento de despesas obrigatórias de caráter continuado; • Atenção o A reserva de contingência deverá estar contida na LOA e a sua forma de utilização e o montante serão estabelecidos na LDO; o O montante a ser utilizado deverá ser estabelecido com base na receita corrente líquida. o A reserva de contingência será destinada ao atendimento de passivos contingentes e outros riscos e eventos fiscais imprevistos, a exemplo do pagamento de decisões judiciais. • A LOA deverá conter todas as despesas relativas à divida pública, mobiliária ou contratual, e as receitas que as atenderão. • A LOA e em crédito adicional, o refinanciamento da dívida pública constará separadamente. • Estabelece que a atualização monetária do principal da dívida mobiliária refinanciada não poderá superar a variação do
  10. 10. índice de preços previsto na lei de diretrizes orçamentárias, ou em legislação específica. • Estabelece que é vedado consignar na lei orçamentária crédito com finalidade imprecisa ou com dotação ilimitada. • A LOA não consignará dotação para investimento com duração superior ao exercício financeiro que não esteja previsto no plano plurianual ou em lei que autorize a sua inclusão, conforme disposto no § 1º do art.167 da Constituição. • Estabelece que integrarão as despesas da União, e serão incluídas na lei orçamentária, as do Banco Central do Brasil relativas a pessoal e encargos sociais, custeio administrativo, inclusive os destinados a benefícios e assistência aos servidores, e a investimentos. • Estabelece que o resultado do Banco Central do Brasil, apurado após a constituição ou reversão de reservas, constitui receita do Tesouro Nacional, será transferido até o décimo dia útil do subseqüente à aprovação dos balanços semestrais. - Concluindo:  O PPA, a LDO e a LOA constituem os instrumentos de planejamento que dão suporte a elaboração e execução orçamentária brasileira, representando uma verdadeira “pirâmide orçamentária”, estando na base da pirâmide o PPA, no meio a LDO e no topo a LOA, conforme demonstrado abaixo: - Forma e prazos de envio e retorno dos projetos de lei de orçamento entre o Poder Executivo e o Legislativo:
  11. 11. AULA 1: ORÇAMENTO PÚBLICO: CONCEITOS E PRINCÍPIOS, CICLO ORÇAMENTÁRIO E ORÇAMENTOPROGRAMA - Na Contabilidade Pública o regime contábil é o regime misto, sendo regime de caixa para Receitas e regime de competência para as Despesas. - “As receitas consideram-se realizadas”: “Quando da extinção, parcial ou total, de um passivo, qualquer que seja o motivo, sem o desaparecimento concomitante de um ativo de igual valor”. - “Consideram-se incorridas as despesas”: “Pela diminuição ou extinção do valor econômico de um ativo”. - Princípios:  Legalidade • Somente por meio de normas legais podem ser criadas obrigações aos indivíduos. Exemplo das leis PPA, LDO e LOA. - Princípios orçamentários da unidade, universalidade e anualidade:  A Lei de Orçamento conterá a discriminação da receita e despesa, de forma a evidenciar a política econômico-financeira e o programa de trabalho do Governo, obedecidos os princípios da, unidade, universalidade e anualidade (art. 2º da Lei nº 4.320/64).  Princípio da Unidade • Estabelece que todas as receitas e despesas devem estar contidas numa só lei orçamentária.
  12. 12. • O Orçamento é dividido em (fiscal, de investimentos e da seguridade social) que são partes integrantes do todo e estão contidos numa só lei orçamentária, ou seja, não são orçamentos distintos. • Importante o Modernamente o princípio da unidade vem sendo denominado de princípio da totalidade.  Princípio da Universalidade • estabelece que todas as receitas e despesas, de qualquer natureza, procedência ou destino, inclusive a dos fundos, dos empréstimos e dos subsídios, devem estar contidas na lei orçamentária anual, ou seja, nenhuma receita ou despesa pode fugir ao controle do Legislativo. • Importante o todas as receitas e despesas constarão da lei de orçamento pelos seus totais, vedadas quaisquer deduções (Princípio do Orçamento Bruto).  Princípio do Orçamento Bruto • Importante o As receitas e despesas constarão no orçamento pelos seus totais, vedadas quaisquer deduções, é doutrinariamente reconhecido pela doutrina como o princípio do orçamento bruto.  Princípio de Anualidade ou Periodicidade • estabelece que o orçamento deve ter vigência limitada no tempo, um ano.  Princípio da Exclusividade • estabelece que a lei orçamentária anual não poderá conter dispositivos estranhos: o à fixação das despesas e previsão das receitas o ressalvada  Autorização para a abertura de créditos suplementares;  Contratação de operações de crédito;  Contratação de operações de crédito por antecipação da receita orçamentária – ARO. o Importante  Somente para Créditos Suplementares
  13. 13. o Conceitos:  Contratação de qualquer operação de crédito: é a contratação de empréstimos, interno ou externo, geralmente de longo prazo, é a chamada dívida fundada ou consolidada;  Contratação de operações de crédito por antecipação da receita orçamentária – ARO: é uma espécie de adiantamento de receitas que pode ser prevista na lei orçamentária, realiza-se geralmente quando o governo não possui dinheiro em caixa suficiente para pagamento de determinadas despesas.  Princípio da Publicidade • todos os atos e fatos públicos, em princípio devem ser acessíveis à sociedade, ressalvados aqueles que comprometem a segurança nacional. • Esse princípio prevê que o projeto da lei orçamentária venha acompanhado de demonstrativo regionalizado do efeito, sobre as receitas e despesas, decorrentes de isenções, anistias, remissões, subsídios e benefícios de natureza financeira, tributária e creditícia - e no § 3º do art. 165 determina a publicação bimestral do relatório resumido da execução orçamentária.  Princípio Não-afetação ou Não-vinculação da Receita • a receita orçamentária não pode ser vinculada a órgãos ou fundos, ressalvados os casos permitidos pela própria Constituição Federal. • Receitas de impostos que podem ser vinculadas, previstas pela Constituição Federal: o Fundo de participação dos municípios - FPM; o Fundo de participação dos estados - FPE; o Recursos destinados para as ações e serviços públicos de saúde; o Recursos destinados para a manutenção e desenvolvimento do ensino fundamental – FUNDEF; o Recursos destinados às atividades da administração tributária, (Arts. 198, § 2º, 212, 37, XXII, da CF – EC 42/03);
  14. 14. o Recursos destinados à prestação de garantia às operações de crédito por antecipação da receita – ARO (Art. 165, § 8º CF); o Recursos destinados à prestação de contragarantia à União e para pagamento de débitos para com esta (Art. 167, § 4º, CF); o Recursos destinados a programa de apoio à inclusão e promoção social, extensivos somente a Estados e o Distrito Federal – até cinco décimos por cento de sua receita tributária líquida (Art. 204, parágrafo único – EC 42/03); o Recursos destinados ao fundo estadual de fomento à cultura, para o financiamento de programas e projetos culturais, extensivos somente a Estados e o Distrito Federal – até cinco décimos por cento de sua receita tributária líquida (Art. 216, § 6º, CF – EC 42/03).  Princípio do Equilíbrio • orçamento deverá manter o equilíbrio, do ponto de vista financeiro, entre os valores de receita e de despesa. As despesas deverão acompanhar a evolução das receitas. • Este princípio está devidamente consagrado na LRF para dar mais relevância a LDO, onde determina que a mesma disporá sobre o equilíbrio entre as receitas e as despesas  Princípio da Especificação ou Especialização • Esse princípio impõe a classificação e designação dos itens que devem constar na LOA. • Na Lei de Orçamento a discriminação da despesa farse- á no mínimo por elementos. • Entende-se por elementos o desdobramento da despesa com pessoal, material, serviços, obras e outros meios de que se serve a administração pública para consecução dos seus fins. • Resumindo: • Exceções ao princípio da especificação:  Princípio da Programação ou Planejamento
  15. 15. • A programação consiste que os projetos com duração superior a um exercício financeiro só devem constar na LOA se estiverem previstos no PPA. É a chamada interligação entre planejamento e orçamento.  Princípio da Clareza • O orçamento deve ser expresso de forma clara, ordenada e completa. - Orçamento público no Brasil  Histórico do Orçamento Público  O orçamento público no Brasil antes de 1964: • Antes da Lei nº 4.320/64, o orçamento utilizado pelo Governo Federal era o orçamento clássico ou tradicional: o Esse tipo de orçamento se caracterizava por ser um documento formal de previsão de receita e de autorização de despesas. As despesas eram classificadas segundo o objeto de gasto e distribuídas pelas diversas unidades orçamentárias ou órgãos, para o período de um ano.  Orçamento de Desempenho ou de Realizações: • a ênfase era as coisas que o governo fazia, ou seja, o foco era basicamente nos resultados, com desvinculação entre orçamento e planejamento.  O orçamento público no Brasil após 1964 (Orçamento- Programa): • Orçamento-Programa o Esse tipo de orçamento caracteriza-se pelo fato da elaboração orçamentária ser feita em função daquilo que se pretende realizar no futuro, ou seja, permite identificar os programas de trabalho do governo, seus projetos e atividades e ainda estabelece os objetivos, as metas, os custos, e os resultados alcançados. o Conceito: O Orçamento-programa é um plano de trabalho expresso por um conjunto de ações a realizar e pela identificação dos recursos necessários à sua execução. • A característica marcante do orçamento-programa o É a de está intimamente ligado ao sistema de planejamento e aos objetivos que o Governo pretende alcançar, durante um período determinado de tempo.
  16. 16. • O orçamento-programa é um documento financeiro? o O orçamento-programa não é apenas documento financeiro, mas, principalmente, um instrumento de operacionalização das ações do governo, onde são viabilizados os seus projetos, atividades e operações especiais em consonância com os planos e as diretrizes estabelecidas. • Vantagens do orçamento-programa o a) melhor planejamento dos trabalhos; o b) maior precisão na elaboração do orçamento; o c) melhor determinação das responsabilidades aos gestores; o d) redução de custos dos programas de trabalho; o e) maior compreensão do conteúdo da proposta orçamentária por parte do Executivo, Legislativo, Judiciário, Ministério Público e da sociedade; o f) facilidade para identificação de duplicação de funções; o g) melhor controle da execução do programa; o h) melhor identificação dos gastos; o i) apresentação dos objetivos e dos recursos da instituição e do inter-relacionamento entre custos e programas; o j) ênfase no que a instituição realiza e não no que ela gasta. • Importante! o Teoricamente o orçamento-programa estabelece os objetivos como critério para alocação de recursos. Na prática é um pouco diferente, posto que na cultura orçamentária brasileira, o compromisso com a tradição (pressões políticas, ações imediatistas, negociações, etc) tem consumido a maior parte dos recursos.  Exercício Financeiro: É o espaço de tempo compreendido entre 1º de janeiro a 31 de dezembro de cada ano, no qual se promove a execução orçamentária e demais fatos relacionados com as variações qualitativas e quantitativas que afetam os elementos patrimoniais do setor público. - Planejamento no orçamento-programa:  Para atender o que determinam as normas atuais e as mais avançadas técnicas orçamentárias, no atual modelo orçamentário
  17. 17. brasileiro deve existir estreita conexão entre planejamento e orçamentol.

×