Ciência, crença e pseudociência

807 views

Published on

Aula na disciplina "Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia", do Curso de Ciências Biológicas da PUC Minas.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
807
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
148
Actions
Shares
0
Downloads
16
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ciência, crença e pseudociência

  1. 1. CIÊNCIA, CRENÇA E PSEUDOCIÊNCIA Oficina de Ciências I - Aula 3 Prof. Simão Pedro P. Marinho
  2. 2. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho
  3. 3. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho
  4. 4. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho Qualquer forma de conhecimento que não segue (...) regras, não é ciência; é outra coisa.
  5. 5. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho Pseudociência é tudo o que usa jargões científicos ou usa da credibilidade da ciência para validar posições, mas que não seguem as regras da ciência
  6. 6. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho ... existem aspectos do fazer científico que nos ajudam a fazer uma avaliação mais eficiente: Publicações científicas Revisão dos pares Flexibilidade Humildade
  7. 7. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho
  8. 8. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho
  9. 9. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho É simplesmente jargão científico usado para fazer parecer ciência uma coisa que nada tem de científico. Mas, para nos convencer mesmo que a coisa é mesmo séria, até nem falta um gráfico com os resultados de um “teste”.
  10. 10. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho E quando há provas, demonstrações de que um determinado método de diagnóstico é valido, elas são publicadas em revistas científicas.
  11. 11. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho O habitual da pseudociência: argumentos de autoridade.
  12. 12. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho A ciência não assenta em figuras de autoridade. Assenta em provas.
  13. 13. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho Do ponto de vista científico, para demonstrar a validade de um tratamento ou de um método de diagnóstico, é necessário realizar experiências em condições controladas e que elas sejam confirmadas por grupos independentes.
  14. 14. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho
  15. 15. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho CRENÇA NA CIÊNCIA
  16. 16. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho
  17. 17. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho A demarcação entre ciência e pseudociência não é um mero problema de filosofia de salão: é de vital relevância social e política.
  18. 18. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho Muitos filósofos tentaram solucionar o problema da demarcação nos seguintes termos: uma afirmação constitui conhecimento se um número suficiente de pessoas acreditar nele com suficiente firmeza.
  19. 19. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho .... não é o grau de adesão às crenças que as transforma em conhecimento. De facto, o traço distintivo do comportamento científico é um certo cepticismo mesmo em relação às teorias mais acalentadas.
  20. 20. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho ... uma afirmação pode ser pseudocientífica mesmo que seja eminentemente "plausível" e todos acreditem nele, e pode ser de grande valor científico mesmo que seja inverossímil e ninguém acredite nele.
  21. 21. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho A crença, a adesão e a compreensão são estados da mente humana. Mas o valor científico e objectivo de uma teoria é independente da mente humana que a concebe ou compreende.
  22. 22. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho RACIOCÍNIO "EXPERIMENTAL”
  23. 23. relatos de observações cuidadosas e testemunhos prestados sob juramento, até mesmo de experiências.
  24. 24. FEITIÇARIA COMO PARADIGMA DO RACIOCÍNIO EXPERIMENTAL JOSEPH GLANVILL
  25. 25. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho No raciocínio científico, as teorias são confrontadas com os factos e uma das condições centrais do raciocínio científico é que as teorias devem ser sustentadas pelos factos.
  26. 26. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho ... o conhecimento mais relevante no século XVII, quando nasceu a ciência, dizia respeito a Deus, ao Diabo, ao céu e ao inferno. Se alguém interpretasse mal as conjecturas sobre assuntos de teologia, a consequência do erro era a condenação eterna.
  27. 27. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho O conhecimento teológico não pode ser falível: tem de estar para lá da dúvida.
  28. 28. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho O conhecimento teológico não pode ser falível: tem de estar para lá da dúvida.
  29. 29. FALÍVEIS E IGNORANTES SOBRE QUESTÕES DE NATUREZA TEOLÓGICA
  30. 30. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho Só pode haver conhecimento sobre a Natureza, mas esta nova forma de conhecimento tinha de ser ajuizada pelos padrões adoptados directamente da teologia: tinha de ser comprovada sem margem para a dúvida.
  31. 31. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho A ciência tinha de alcançar a certeza plena que havia escapado à teologia. A um cientista digno desse nome não era permitido adivinhar: tinha de comprovar cada afirmação recorrendo aos factos. Era este o critério de honestidade científica.
  32. 32. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho As teorias que não fossem comprovadas pelos factos eram consideradas pseudociência pecaminosa, heresia na comunidade científica.
  33. 33. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho LÓGICA INDUTIVA
  34. 34. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho o traço distintivo da honestidade científica seria jamais enunciar algo que não fosse pelo menos altamente provável.
  35. 35. FALSEABILIDADE KARL POPPER
  36. 36. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho Os cientistas não são muito influenciáveis. Não abandonam uma teoria apenas porque os factos a contradizem. Normalmente, inventam qualquer hipótese auxiliar para explicar o que chamam de mera anomalia ou, se não conseguem explicar a anomalia, ignoram-na e dirigem a sua atenção para outros problemas.
  37. 37. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho Anomalias, casos rebeldes, não refutação
  38. 38. INGENUIDADE DA FALSEABILIDADE PROPOSTA POR POPPER THOMAS KUHN
  39. 39. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho Mas se Kuhn tem razão, então não há demarcação explícita entre ciência e pseudociência, não há distinção entre progresso científico e decadência intelectual, não há um padrão objectivo de honestidade.
  40. 40. IMRE LAKATOS PROGRAMA DE INVESTIGAÇÃO
  41. 41. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho Mas todos os programas de investigação que admiro têm uma característica em comum. Todos prevêem factos novos, factos que os programas anteriores ou rivais não tinham sequer idealizado ou tinham até contradito.
  42. 42. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho Assim, num programa de investigação progressivo, a teoria conduz à descoberta de factos novos (até então desconhecidos). Nos programas degenerativos, contudo, as teorias são arquitectadas meramente para enquadrar factos conhecidos.
  43. 43. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho A metodologia dos programas de investigação científica, em contraste com Popper, não oferece uma racionalidade imediata. É preciso tratar com brandura os programas em embrião: os programas podem levar décadas até darem os primeiros passos e se tornarem empiricamente progressivos.
  44. 44. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho ... os programas de investigação progressivos substituem os degenerativos.
  45. 45. Oficina de Ciências I: métodos de investigação em Biologia Professor Simão Pedro P. Marinho

×