Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Biologia da conservação1

1,280 views

Published on

  • Be the first to comment

Biologia da conservação1

  1. 1. Biologia da conservação
  2. 2. • Entender efeitos das atividades humanas sobre a diversidade biológica• Desenvolver abordagens para prevenir extinções e reintegrar espécies aos ecossistemas DEFINIÇÃO DE BIODIVERSIDADE Genes Comunidades Espécies
  3. 3. Valoração da biodiversidadeU$ 33 bilhões por ano
  4. 4. Invasões biológicas e doenças
  5. 5. Expansão da população humana
  6. 6. 1965 Fragmentação florestal no Pontal do Paranapanema
  7. 7. Perda de espécies e destruição de habitat  Vertebrados  Florestas, cerrados,recifes de coral, áreas alagadiças Atividades humanas
  8. 8. RELAÇÃO ESPÉCIES-ÁREA Morcegos em cavernas Kodric-Brown & Brown 1993Brunet & Medellin 2001 Peixes em lagos no deserto
  9. 9. Fragmentação de habitats Processo em que o hábitat contínuo é transformado em manchas de menor área, e isolados entre si por uma matriz diferentes da original Wilcove et al. 1986. Dois componentes que atuam em escalas de tempo diferentes:1. Redução de hábitat2. Alteração da configuração de hábitat
  10. 10. Ilhas de tamanhos distintos
  11. 11. TEORIA DA BIOGEOGRAFIA DE ILHAS MACARTHUR & WILSON 1976
  12. 12. Paradigma das populações pequenasEstocasticidade ambiental CatastrófesEstocasticidade demográfica
  13. 13.  Depressão endogâmica Flexibilidade evolutiva Gargalos e efeito do fundador
  14. 14. EFEITO DE BORDAInfluência da matrizInvasão de espéciesExposição ao ventoExposição ao solAlteração de umidade Chopins-de-cabeça-marrom
  15. 15. Fragmentação, interações e extinção
  16. 16. Degradação de habitat  Resíduos e poluição  Invasões biológicas  Bioacumulação  Extinções locais e propagação do problema
  17. 17. Boiga irregularis Brachiaria spp. Linepithema humile30 bilhões de prejuízo Euglandina rosea Perca do NiloColumbia livia
  18. 18. Lythrium salicaria1800 como planta ornamental e medicinalEspalhada por todos os estados, exceto Florida3 milhões de sementes ao anoHidro e barocoriaReduz distribuição e populações de 44 nativas
  19. 19. Introdução acidental de Boiga irregularis em Guam Abundância de presas  Ausência de predador  Comportamento de forrageamento
  20. 20. Boiga irregularis Extinção local de espécies de aves Interrupção dos processos depolinização e dispersão de sementes
  21. 21. Fixação de nitrogênio Diminui quantidade de água no solo Tamarix spp. Myrica fayaConcentra sais na superfície e prejudica competidores Mesembryanthemum crystallinum
  22. 22. O exemplo da Brachiaria Efeito alelopático Sufoca plântulas e jovensCrescimento rápido e competição por luz e nutrientes do solo
  23. 23. Chaunus marinusAté 35000 ovosGirinos tóxicosPode comer qualqueroutro vertebrado terrestrecom até quase seu própriotamanho corporalSaposAvesCrocodilos e cobras
  24. 24.  Combustíveis fósseis DesmatamentoEfeito estufa Aquecimento global
  25. 25. Efeitos prováveis do aquecimento global
  26. 26. Eutrofização Explosão dos produtores primários via aumentoda produtividade aumento sequencial dos consumidores Redução do oxigênio e decomposição porbactérias Produtividade alta, diversidade baixa
  27. 27. Modificado de Hooper et al. 2005
  28. 28. Abordagens conservacionistas Espécies e populações Comunidades e ecossistemas Persistência Planejamento de áreas protegidas Ameaças Mitigação de efeitosMonitoramentos de longo prazo Manejo de reservas Manejo de populações Ecologia da restauração
  29. 29. Critérios e categorias de conservação
  30. 30. Vulnerabilidade diferencial das espécies Área de ocorrência limitada Poucas e pequenas populações Baixa densidade populacional Tamanho corporal e necessidade de habitats grandes Dispersores ineficientes Migrantes sazonais Pouca variabilidade genética Especialização em nichos específicos Sensibilidade a perturbações Caça e exploração
  31. 31. Genética, mortalidade, razão sexual e capacidade suporte
  32. 32. Reintrodução em OmãManejo em cativeiroCaça ilegal e novo declínioSpalton et al. 1999
  33. 33. Fragmentação e destruição de hábitat200 indivíduos para 1500 atualmenteAcréscimo para preservar variabilidade genéticaReintrodução em reservas próximas – REBIO União
  34. 34. Legaddina lakedownensis (roedor da Ilha Thevenard)Declínio devido a roedores exóticos e envenenamento1996 – Reintrodução na ilha de Serrurier (Australia) Ecologia da espécie – alimento, organização espacial Aprendizado e socialização em cativeiro Local da reintrodução Manutenção da variabilidade genética Doenças Monitoramento pós-reintrodução
  35. 35. Espécies
  36. 36. Análise de lacunas: tipos de vegetação edistribuição de animais
  37. 37. HotspotsRiqueza de espécies, endemismo e ameaças
  38. 38. Prioridades
  39. 39. Planejamento de reservas (SLOSS) Mesma área total Não interrompe o fluxo de Inclui maior diversidade de indivíduos ambientes Maior efeito de borda
  40. 40. Mitigando efeitos da fragmentação Corredores e conectividade Aves e pequenos mamíferos Doenças e predação
  41. 41. Técnicas de restauração Substituição - Plantação de Pinus ou Eucaliptus Previne erosão Controle de cheias Banco de sementes Transplante do banco e plantio de espécies nativas
  42. 42. Métodos atuais de restauração
  43. 43. Próximos desafios Diversidade genética Inserção de outras formas de vida Abrigos e poleiros para espécies dispersores e polinizadoras
  44. 44. Restauração e dispersão  Colonização Vento  Atividade dos dispersores  Ferramentas Maior número de sementes Zoocoria Funcionamento
  45. 45. POLEIROS ARTIFICIAIS
  46. 46. Engenheiros e funcionalidade do ecossistema Transposição da serrapilheira

×