Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA 
CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE 
DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E PATOLOGIA 
MONITORIA DE PATOLOG...
Resposta a uma lesão irreversível causada por injúria celular progressiva e grave, incluindo lesão de DNA. 
Apoptose 
•Fi...
Exemplos de estímulos nocivos: 
Privação de oxigênio (hipóxia)  Reduz fosforilação oxidativa. Causada por isquemia, ins...
Agentes infecciosos: vírus, bactérias, fungos, parasitos; 
Reações imunológicas: exacerbação da reação a agentes externo...
Ativados por diferentes estímulos nocivos; 
Componentes celulares mais afetados são DNA, mitocôndrias, proteínas e membr...
 

Condensação da cromatina; 
Fragmentação do núcleo; 
Retração celular; 
Liberação do conteúdo celular em corpos apoptót...
Aspecto da célula apoptótica: 
Retração celular; 
Citoplasma eosinofílico; 
Cromatina em grumos na periferia do núcleo....
 

Ocorre severo dano às membranas (célula e organelas): 
Enzimas lisossômicas extravasam e digerem a célula; 
Conteúdo ce...
Eosinofilia aumentada: perda do RNA citoplasmático e proteínas desnaturadas; 
Citoplasma vacuolizado: organelas digerida...
Aspecto da célula necrótica: 
Eosinofilia; 
Picnose; 
Cariorrexe; 
Cariólise. 
(Necrose coagulativa em hipófise, corad...
Principalmente em órgãos que têm circulação terminal (só 1 artéria)  Interrupção brusca do suprimento sanguíneo. Exemplo...
Aspecto microscópico: 
Núcleos desaparecem; 
Foco necrótico é digerido e fagocitado aos poucos; 
Arcabouço celular é ma...
Necrose coagulativa 
Zona hemorrágica 
Parênquima normal
Aspecto macroscópico: 
Área de infarto é pálida (ausência de circulação); 
Textura firme do tecido afetado; 
Bem delimi...
O tecido é liquefeito por causa de enzimas proteolíticas e hidrolíticas da célula, macrófagos e neutrófilos; 
Observada ...
Aspecto microscópico: 
Destruição e perda tecidual; 
Lesão irradiante. 
(Corte de cérebro corado em HE evidenciando necr...
Aspecto macroscópico: 
Órgão com consistência mole; 
Formação de cavidades císticas; 
Pode haver presença de pus. 
(Nec...
“Queijo branco”: aparência granulosa, friável e esbranquiçada; 
Decorrente de lesão tissular por processo inflamatório c...
Aspecto microscópico: 
Área acelular eosinofílica; 
Borda inflamatória nítida (granuloma); 
Lesão extensiva. 
(Corte de...
Aspecto macroscópico: 
Lesão em queijo branco; 
Áreas de cavitação (drenagem do centro necrótico pelos brônquios).
Não é um padrão específico de necrose tecidual; 
Área de necrose isquêmica sofre modificação por agentes externos como a...
Aspecto microscópico: 
Inflamação se estende abaixo da pele para envolver tecido conjuntivo, tecido adiposo e osso. 
(Necr...
Aspecto macroscópico: 
Necrose coagulativa por lesão anóxica; 
Componente liquefativo devido a infecção superposta. 
(Ga...
Também não é um padrão específico de necrose; 
Áreas focais de destruição do tecido adiposo; 
Causas: lesões traumática...
Aspecto microscópico: 
Adipócitos com contornos imprecisos; 
Perda do núcleo periférico; 
Citoplasma torna- se uma mass...
Aspecto macroscópico: 
Áreas brancas de depósito (saponificação da gordura). 
(Esteatonecrose no mesentério) ª
O tecido necrótico adquire uma aparência amorfa, homogênea e acidofílica (hialina), semelhante a fibrina, pela HE; 
Típi...
Aspecto microscópico: 
Parede vascular fortemente eosinófila; 
Material fibrinoide estende-se ao te- cido perivascular (...
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA 
CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE 
DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E PATOLOGIA 
MONITORIA DE PATOLOG...
Morte Celular - Patologia Geral
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Morte Celular - Patologia Geral

9,864 views

Published on

Aula apresentada em monitorias práticas da disciplina de Patologia Geral para cursos de graduação da UFPB em 2013/2014.

Published in: Health & Medicine

Morte Celular - Patologia Geral

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E PATOLOGIA MONITORIA DE PATOLOGIA GERAL
  2. 2. Resposta a uma lesão irreversível causada por injúria celular progressiva e grave, incluindo lesão de DNA. Apoptose •Fisiológico ou patológico •Sem perda da integridade da membrana Necrose •Patológico •Acentuado dano às membranas
  3. 3. Exemplos de estímulos nocivos: Privação de oxigênio (hipóxia)  Reduz fosforilação oxidativa. Causada por isquemia, insuficiência cardiorrespiratória, grave perda sanguínea, anemia ou intoxicação por CO; Agentes físicos: trauma, temperaturas extremas, radiação, choque elétrico; Agentes químicos e drogas: sal, glicose, ácidos, poluentes, inseticidas, venenos, álcool, fármacos;
  4. 4. Agentes infecciosos: vírus, bactérias, fungos, parasitos; Reações imunológicas: exacerbação da reação a agentes externos ou doenças autoimunes; Defeitos genéticos  Deficiência de proteínas funcionais  Erros inatos do metabolismo, acumulação de DNA danificado; Desequilíbrios nutricionais: desnutrição proteico- calórica, deficiência de vitaminas, hipernutrição (obesidade), excesso de colesterol.
  5. 5. Ativados por diferentes estímulos nocivos; Componentes celulares mais afetados são DNA, mitocôndrias, proteínas e membranas celulares. ª
  6. 6.  
  7. 7. Condensação da cromatina; Fragmentação do núcleo; Retração celular; Liberação do conteúdo celular em corpos apoptóticos, sem ruptura de membranas; Alteração na orientação dos lipídios da membrana plasmática; Rápida remoção dos restos celulares por fagocitose, sem inflamação adjacente.
  8. 8. Aspecto da célula apoptótica: Retração celular; Citoplasma eosinofílico; Cromatina em grumos na periferia do núcleo. (Corte de linfonodo corado em HE, mostrando apoptose em células de um linfoma não-Hodgkin imunoblástico)
  9. 9.  
  10. 10. Ocorre severo dano às membranas (célula e organelas): Enzimas lisossômicas extravasam e digerem a célula; Conteúdo celular escapa; Desencadeia resposta inflamatória; Mais degradação pelos leucócitos e suas enzimas. Aplicação: infarto do miocárdio  Detecção das enzimas cardíacas no sangue a partir de 2 horas.
  11. 11. Eosinofilia aumentada: perda do RNA citoplasmático e proteínas desnaturadas; Citoplasma vacuolizado: organelas digeridas; Figuras de mielina: massas fosfolipídicas derivadas das membranas celulares lesadas; Alterações nucleares: Picnose: retração nuclear ( basofilia); Cariorrexe: fragmentação após picnose; Cariólise: perda de DNA ( basofilia).
  12. 12. Aspecto da célula necrótica: Eosinofilia; Picnose; Cariorrexe; Cariólise. (Necrose coagulativa em hipófise, corada em HE)
  13. 13. Principalmente em órgãos que têm circulação terminal (só 1 artéria)  Interrupção brusca do suprimento sanguíneo. Exemplos: rim, baço; Não chegam células fagocitárias; Hipóxia  Acidose  Desnaturação das enzimas; Ocorre perda de água e coagulação proteica, sem proteólise; Mantém por alguns dias a estrutura da membrana celular das células que existiam (“necrose fantasma”).
  14. 14. Aspecto microscópico: Núcleos desaparecem; Foco necrótico é digerido e fagocitado aos poucos; Arcabouço celular é mantido. (Necrose coagulativa no córtex adrenal, corada em HE)
  15. 15. Necrose coagulativa Zona hemorrágica Parênquima normal
  16. 16. Aspecto macroscópico: Área de infarto é pálida (ausência de circulação); Textura firme do tecido afetado; Bem delimitada do tecido normal. (Necrose coagulativa no córtex renal)
  17. 17. O tecido é liquefeito por causa de enzimas proteolíticas e hidrolíticas da célula, macrófagos e neutrófilos; Observada em infecções bacterianas e fúngicas (possuem enzimas próprias e estimulam o acúmulo de leucócitos). Ex.: abscesso; Ocorre também após hipóxia de tecidos frágeis e com menor composição proteica (menos potencial coagulativo). Ex.: tecido nervoso (rico em água e lipídios), pulmão, intestino.
  18. 18. Aspecto microscópico: Destruição e perda tecidual; Lesão irradiante. (Corte de cérebro corado em HE evidenciando necrose liquefativa, com perda de neurônios e células da neuroglia)
  19. 19. Aspecto macroscópico: Órgão com consistência mole; Formação de cavidades císticas; Pode haver presença de pus. (Necrose liquefativa no córtex cerebral, com formação de cavidade)
  20. 20. “Queijo branco”: aparência granulosa, friável e esbranquiçada; Decorrente de lesão tissular por processo inflamatório crônico (granulomatoso); Principalmente nos pulmões, em consequência de tuberculose (agressão típica do bacilo de Koch); Também aparece na histoplasmose, criptococose e paracoccidioidomicose (granulomas fúngicos).
  21. 21. Aspecto microscópico: Área acelular eosinofílica; Borda inflamatória nítida (granuloma); Lesão extensiva. (Corte de linfonodo na tuberculose evidenciando necrose caseosa)
  22. 22. Aspecto macroscópico: Lesão em queijo branco; Áreas de cavitação (drenagem do centro necrótico pelos brônquios).
  23. 23. Não é um padrão específico de necrose tecidual; Área de necrose isquêmica sofre modificação por agentes externos como ar ou bactéria; Gangrena seca: a área necrótica perde água para o ambiente. Ex.: cordão umbilical após o nascimento; Gangrena úmida: contaminação por bactérias saprófitas, que digerem o tecido, amolecendo-o; Gangrena gasosa: bactérias contaminantes pertencem ao gênero Clostridium, produzindo gases.
  24. 24. Aspecto microscópico: Inflamação se estende abaixo da pele para envolver tecido conjuntivo, tecido adiposo e osso. (Necrose gangrenosa envolvendo tecidos de dedão)
  25. 25. Aspecto macroscópico: Necrose coagulativa por lesão anóxica; Componente liquefativo devido a infecção superposta. (Gangrena úmida em paciente com DM)
  26. 26. Também não é um padrão específico de necrose; Áreas focais de destruição do tecido adiposo; Causas: lesões traumáticas, isquêmicas ou químicas; Mais comum na pele (hipoderme), mama, retroperitônio e omento; Típica da pancreatite aguda – liberação de lipases pancreáticas; Ácidos graxos liberados combinam-se com cálcio, formando sabões, que aparecem como áreas brancas (“cera de vela”).
  27. 27. Aspecto microscópico: Adipócitos com contornos imprecisos; Perda do núcleo periférico; Citoplasma torna- se uma massa amorfa rosa (conteúdo lipídico foi lipolisado). (Esteatonecrose adja- cente ao pâncreas)
  28. 28. Aspecto macroscópico: Áreas brancas de depósito (saponificação da gordura). (Esteatonecrose no mesentério) ª
  29. 29. O tecido necrótico adquire uma aparência amorfa, homogênea e acidofílica (hialina), semelhante a fibrina, pela HE; Típica das reações imunes que envolvem os vasos sanguíneos (vasculites autoimunes) – complexos antígeno-anticorpo se depositam na parede das artérias; Também ocorre na hipertensão arterial – pressão muito elevada pode causar necrose do endotélio e da túnica média de pequenas artérias.
  30. 30. Aspecto microscópico: Parede vascular fortemente eosinófila; Material fibrinoide estende-se ao te- cido perivascular (“chama de vela”) (Necrose fibrinoide em artéria do miométrio na poliarterite nodosa)
  31. 31. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA E PATOLOGIA MONITORIA DE PATOLOGIA GERAL

×