EE.Prof° Irene Dias Ribeiro O Homem Duplicado José Saramago Natália Alexandre Ribeiro Taíssa Focosi 3° serie A - 2011 Mari...
José Saramago <ul><li>Filho e neto de camponeses, José Saramago nasceu na aldeia de Azinhaga, província do Ribatejo, no di...
<ul><li>No dia 18 de Junho de 2010, às 12h30m, José Saramago faleceu na sua casa em Lanzarote, acompanhado por sua família...
<ul><li>“ Não sou um ateu total, todos os dias tento encontrar um sinal de Deus, mas infelizmente não o encontro.”  </li><...
Resumo <ul><li>O Professor de História Tertuliano Máximo Afonso descobre, certo dia, que é um homem duplicado. Ao assistir...
<ul><li>O que está em jogo é a perda da identidade numa sociedade que cultiva o individualismo e, paradoxalmente, estabele...
Personagens <ul><li>As personagens de Saramago nos revelam que o homem tem necessidades além de sua sobrevivência. Tertuli...
Tempo <ul><li>A narrativa se passa no tempo atual das grandes metrópoles, mas que não é identificada, podendo ser qualquer...
Espaço <ul><li>A história se passa nas grandes metrópoles, pois os personagens ora esta na locadora, ora na escola, ora em...
Foco Narrativo <ul><li>É notável, no movimento ainda, o conflito entre história e literatura, pois os estudos post-moderno...
<ul><li>É dessa maneira que a metaficção historiográfica retoma temas históricos e brinca com suas verdades. Com isso, o P...
Estilo <ul><li>Em  O Homem Duplicado  (2002), o autor alia a forma ao conteúdo, trabalhando a linguagem com uma diferente ...
<ul><li>A pontuação utilizada, que não corresponde a forma tradicional, causa um embate com o leitor, principalmente porqu...
<ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><li>O professor de Matemática pensou, pensou, e disse enfim, Quem Porfia Mata Caça, Isso qu...
Verossimilhança <ul><li>Com a trajetória dos duplos, constatamos que nada deve ser excluído com base na idéia de originali...
Movimento Literário <ul><li>A Pós-Modernidade ocupa um cenário amplo de questões sociais e culturais e deixa para a Litera...
<ul><li>Seguindo  esse  questionamento,  póst-modernismo  no romance  português  contemporâneo,  propõe  utilizarmos  o  t...
Conclusão <ul><li>Com base nos dados apresentados, o romance de Saramago, se relaciona a tradição e á memória, tornando-se...
Dados Bibliográficos <ul><li>http://www.google.com.br/   </li></ul><ul><li>http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.ph...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O Homem Duplicado 3ª A - 2011

1,203 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

O Homem Duplicado 3ª A - 2011

  1. 1. EE.Prof° Irene Dias Ribeiro O Homem Duplicado José Saramago Natália Alexandre Ribeiro Taíssa Focosi 3° serie A - 2011 Maria Inês Vitoriano de Souza
  2. 2. José Saramago <ul><li>Filho e neto de camponeses, José Saramago nasceu na aldeia de Azinhaga, província do Ribatejo, no dia 16 de Novembro de 1922, se bem que o registro oficial mencione como data de nascimento o dia 18. Os seus pais emigraram para Lisboa quando ele não havia ainda completado dois anos. A maior parte da sua vida decorreu, portanto, na capital, embora ateu, aos primeiros anos da idade adulta fossem numerosas, e por vezes prolongadas, as suas estadas na aldeia natal. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>No dia 18 de Junho de 2010, às 12h30m, José Saramago faleceu na sua casa em Lanzarote, acompanhado por sua família e amigos mais próximos. Seu corpo foi cremado no Cemitério do Alto de São João, em Lisboa, onde foi recebido por uma imensa multidão que se despediu de José Saramago levantando livros, como ele levantou do chão uma obra que tanto nos tem enriquecido. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>“ Não sou um ateu total, todos os dias tento encontrar um sinal de Deus, mas infelizmente não o encontro.” </li></ul><ul><li>José Saramago (1922 – 2010) </li></ul>
  5. 5. Resumo <ul><li>O Professor de História Tertuliano Máximo Afonso descobre, certo dia, que é um homem duplicado. Ao assistir a um vídeo, ele se reconhece em outro corpo, idêntico ao dele próprio: um dos atores do filme é seu sósia. Os desdobramentos dessa história são imprevisíveis. Mas o romance de José Saramago, esclareça-se logo, não tem nada a ver com clonagem ou outras experiências de laboratório. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>O que está em jogo é a perda da identidade numa sociedade que cultiva o individualismo e, paradoxalmente, estabelece padrões estreitos de conduta e de experiência. Em o Homem duplicado, José Saramago constrói uma ficção extraordinária, apoiada numa questão extremamente atual e inquietante: a perda do eu no mundo globalizado. </li></ul>
  7. 7. Personagens <ul><li>As personagens de Saramago nos revelam que o homem tem necessidades além de sua sobrevivência. Tertuliano e Antonio Claro, sendo envolvidos pelo sistema, foram transformados em objetos e perderam suas próprias identidades, caminhando para a depressão e despersonalização. Assim o uso alegórico do duplo nos mostra que o homem deve ser incitado em suas vivências para não se tornar passivo diante da vida. </li></ul>
  8. 8. Tempo <ul><li>A narrativa se passa no tempo atual das grandes metrópoles, mas que não é identificada, podendo ser qualquer lugar em que temos uma sociedade mecanizada onde o homem se tornou parte das máquinas. </li></ul>
  9. 9. Espaço <ul><li>A história se passa nas grandes metrópoles, pois os personagens ora esta na locadora, ora na escola, ora em casa. </li></ul>
  10. 10. Foco Narrativo <ul><li>É notável, no movimento ainda, o conflito entre história e literatura, pois os estudos post-modernos problematizam a narrativa histórica, questionando se essa mantém um distanciamento com o texto literário, fato que não acontece realmente. </li></ul><ul><li>A resposta pós-moderna ao moderno consiste em reconhecer que o passado, como não pode ser realmente destruído porque sua destruição conduz ao silêncio [a descoberta do modernismo] precisa ser reavaliado: mas com irônia, e não com inocência. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>É dessa maneira que a metaficção historiográfica retoma temas históricos e brinca com suas verdades. Com isso, o Post-Modernismo reescreve a história deslegitimando as grandes narrativas, principalmente através da parodia, e reescrevendo a história pela metaficção, alem da História oficial a partir de documentos não considerados e do ponto de vista dos esquecidos da classe social mais baixa. Essa retomada histórica pela literatura vinda do Neo-Realismo, conduz a ideia de uma obra aberta, com várias possibilidades interpretativas, induzindo a uma série de leituras possíveis. </li></ul>
  12. 12. Estilo <ul><li>Em O Homem Duplicado (2002), o autor alia a forma ao conteúdo, trabalhando a linguagem com uma diferente maneira de pontuação, fazendo intertextualidades interna e externa á obra, alem de retomar a discussão entre historia individual e historia ficcional e a problematização da Historia portuguesa. O texto reúne os principais conceitos do post-modernismo: a parodia, o uso de vários níveis da linguagem, a intertextualidade, a metalinguagem e metaficção historiográfica, tornando a arte contraditória e duplicada. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>A pontuação utilizada, que não corresponde a forma tradicional, causa um embate com o leitor, principalmente porque é feita, em sua maioria, por vírgula, quase não apresentando ponto final, mesmo que haja o surgimento de uma letra maiúscula que pode aparecer no meio da frase sem apresentar nenhum problema. O único impasse criado será para o leitor desatento que espera encontrar um texto nos moldes tradicionais. </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><li>O professor de Matemática pensou, pensou, e disse enfim, Quem Porfia Mata Caça, Isso que é, Um filme, foi o que me pediu, Parece mais um ditado popular, É um ditado popular, Todo ele, ou só o título, Espere para ver, De que gênero, O ditado, Não, o filme, Comédia, Tem a certeza de que não é um dramalhão dos antigos, de faca e alguidar, ou desses modernos, com tiros e explosões, É uma comédia levezinha, divertida, Vou tomar nota, como foi que disse que se chamava, Quem Porfia Mata Caça, Muito bem, já o tenho, Não é nenhuma obra-prima do cinema, mas poderá entretê-lo durante hora e meia. </li></ul>
  15. 15. Verossimilhança <ul><li>Com a trajetória dos duplos, constatamos que nada deve ser excluído com base na idéia de originalidade, focando assim, nas diferenças, que são muito mais produtivas do que a igualdade, pois a partir delas é que surge o novo, mesmo sendo releitura do velho. </li></ul>
  16. 16. Movimento Literário <ul><li>A Pós-Modernidade ocupa um cenário amplo de questões sociais e culturais e deixa para a Literatura o período específico do Pós-Modernismo que se relaciona com o Modernismo literário. Entretanto, devemos atentar para o fato de que se esse movimento pós- moderno faz realmente uma ruptura com os anteriores ou mantém uma relação de continuidade, tanto com pontos positivos quanto negativos. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Seguindo esse questionamento, póst-modernismo no romance português contemporâneo, propõe utilizarmos o termo 'Post', dando a idéia de manutenção de relação com o passado, pois, segundo ela, o termo “Pós” expressaria uma ruptura total com escolas literárias anteriores, o que parece não ocorrer evidentemente nas obras literárias contemporâneas. Portanto, com esse Póst-Modernismo, temos uma colcha de retalhos que estabelece a ligação entre o passado e o presente, fazendo surgir um movimento literário que não cria algo novo, mas o faz de uma nova maneira. </li></ul>
  18. 18. Conclusão <ul><li>Com base nos dados apresentados, o romance de Saramago, se relaciona a tradição e á memória, tornando-se uma construção genérica, que não nos permite a identificação exata de tempo e lugar, mas que promove uma abertura para pensarmos a essência do homem, suas contradições e tentativas de interpretações. </li></ul>
  19. 19. Dados Bibliográficos <ul><li>http://www.google.com.br/ </li></ul><ul><li>http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=11546 </li></ul><ul><li>http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=669262 </li></ul>

×