Memorias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2011

11,518 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
11,518
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
85
Actions
Shares
0
Downloads
274
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Memorias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2011

  1. 1. E.E.PROF° IRENE DIAS RIBEIRO TAÍSSA FOCOSI NATALIA ALEXANDRE RIBEIRO LUIS ANTONIO FRANCISCO JR. 3ª A - 2011 MARIA INÊS VITORINO
  2. 2. Manoel Antônio de Almeida <ul><li>Filho do tenente Antônio de Almeida e de Josefina Maria de Almeida. Seu pai morreu quando Manuel Antônio tinha dez anos de idade. Concluiu a Faculdade de Medicina em 1855, mas nunca exerceu a profissão. Dificuldades financeiras o levaram ao jornalismo e às letras. </li></ul><ul><li>Foi redator do jornal Correio Mercantil, para o qual escrevia um suplemento,  A Pacotilha . Neste suplemento publicou nas paginas dos folhetins sua única obra em prosa de fôlego, a novela  Memórias de um Sargento de Milícias , de 1852 a 1853, em capítulos. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Pertenceu à primeira sociedade carnavalesca do Rio de Janeiro, o Congresso das Sumidades Carnavalescas, fundado em 1855. </li></ul><ul><li>Foi professor do Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro. </li></ul><ul><li>Em 1858, foi nomeado diretor da Tipografia Nacional. Lá, conheceu o jovem aprendiz de tipógrafo Machado de Assis. </li></ul><ul><li>Procurou iniciar a carreira na política. Quando ia fazer as primeiras consultas entre os eleitores, morreu no naufrágio do navio  Hermes , em 1861, na costa fluminense. </li></ul>
  4. 4. Enredo A obra conta as aventuras de Leonardo ou Leonardinho, filho ilegítimo dos portugueses Leonardo Pataca e Maria da Hortaliça. Como os pais não desejassem criá-lo, Leonardo fica por conta de seu padrinho (um barbeiro) e de sua madrinha (uma parteira), após a separação dos seus progenitores. Sempre metido em travessuras, desde cedo Leonardo mostra-se um grande malandro. Já moço, apaixona-se por Luisinha, mas põe o romance a perder quando se envolve com a mulata Vidinha. A primeira decide, então, casar-se com outro. Tempos depois, Leonardo é preso pelo Major Vidigal, enfrenta diversos problemas, mas acaba sargento de milícias. Quando da viuvez de Luisinha, reaproxima-se da moça. Os dois casam-se e Leonardo é reabilitado.
  5. 5. Personagens <ul><li>Leonardo ou Leonardinho  - o anti-herói ou herói picaresco do romance, vadio, malandro, que adora fazer estripulias e criar problemas. Mulherengo, quase perde seu amor, por ser inconsciente. É criado pelo padrinho, já que os pais se separam e não têm paciência para lhe suportar as traquinagens. Chega a ser preso, torna-se granadeiro e Sargento de Milícias. Casa-se e torna-se assentado.  </li></ul><ul><li>Leonardo-Pataca - Tendo conseguido chegar a meirinho, o que lhe garante uma vida de ócio, Leonardo-Pataca é apresentado como o infeliz que é perseguido sempre pela má sorte na vida pessoal, má sorte que, na verdade, é resultado da pouca inteligência e do excesso de sentimentalismo amoroso. Mas a velhice o acalma e, afinal, encontra a paz ao lado de Chiquinha. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>A comadre - Como parteira, a comadre faz uso da influência e das informações que obtém no exercício de sua profissão para organizar o mundo segundo interesses. Nem sempre é bem-sucedida, mas a sorte a favorece e consegue ver o afilhado bem casado e na posição de sargento de milícias. O compadre - De bom coração, apesar do famoso arranjei-me, o compadre, o compadre afeiçoa-se a Leonardo, no qual parece identificar-se, pois também fora um menino abandonado que tivera que enfrentar a vida sozinho. Não vive o suficiente para ver o final feliz do afilhado. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Vidigal - O terror dos malandros e vagabundos, 'o rei absoluto, o árbitro supremo' e o distribuidor dos castigos em uma sociedade em que a polícia ainda não estava organizada, o major é visto de forma simpática, principalmente porque termina sendo uma peça fundamental para que o destino de Leonardo, o herói central, se encerre de forma favorável. Vidinha - A 'mulatinha de 18 a 20 anos...de lábios grossos e úmidos' é o primeiro personagem da ficção brasileira que aparece o estereótipo da mulata sensual que enlouquece os homens com sua vida e sem compromissos. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Luisinha  - moça com a qual Leonardo se casa. Em princípio é desengonçada e estranha, depois melhora. Casa-se com José Manuel, por influência da tia, arranjando um marido que só deseja seus bens. É órfã. Fica viúva e une-se a Leonardo. </li></ul><ul><li>D. Maria  - doida por uma demanda judicial, ganha a guarda de Luisinha, quando ela perde os pais.  </li></ul><ul><li>José Manuel  - salafrário e calculista, casa-se com Luisinha por dinheiro e morre. </li></ul><ul><li>Major Vidigal  - militar que persegue Leonardo, até conseguir integrá-lo às forças milicianas. Calcado em uma figura real.  </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Maria da Hortaliça  - mãe do personagem, portuguesa, trai o Pataca e foge com outro para Portugal.  </li></ul><ul><li>Chiquinha  - casa-se com Leonardo Pataca. É filha da Comadre. </li></ul>
  10. 10. Tempo <ul><li>A história se passa no começo do século XIX, ocasião em que a família real portuguesa se refugiou no Brasil. Por isso, o romance tem início com a expressão “Era no tempo do rei”, referindo-se ao rei português dom João VI. Essa fórmula também faz referência – e isso é mais relevante para entender a estrutura do romance – aos inícios dos contos de fada: </li></ul><ul><li>“ Era uma vez...”  </li></ul>
  11. 11. Espaço <ul><li>O espaço físico apresentado na obra é o meio urbano brasileiro do século XIX. A história se passa no Rio de Janeiro , e descreve seus principais pontos, como igrejas, principais ruas, mas descreve também pontos bem à margem da sociedade, como acampamentos de ciganos e bares. Neste trecho, o autor descreve um acampamento cigano: </li></ul><ul><li>Moravam ordinariamente um pouco arredados das ruas populares, e viviam em plena liberdade. As mulheres trajavam com certo luxo relativo aos seus haveres: usavam muito de rendas e fitas; davam preferência a tudo quanto era encarnado, e nenhuma delas dispensava pelo menos um cordão de ouro ao pescoço; os homens não tinham outra distinção mais do que alguns traços fisionômicos particulares que os faziam conhecidos. </li></ul>
  12. 12. <ul><li>O autor retrata as classes média e baixa existentes na época, contrariando muitos românticos que retratavam a aristocracia. Quase em nenhuma parte, o livro retrata um ambiente aristocrático. </li></ul><ul><li>No trecho a seguir, sobre o batizado da irmã de Leonardo, pode-se observar como era retratado o meio social: </li></ul><ul><li>Estavam todos sentados, e o Teotônio em pé no meio da sala olhava para um, e apresentava uma cara de velho; virava-se repentinamente para outro, e apresentava uma cara de tolo a rir-se asnaticamente; e assim por muito tempo mostrando de cada vez um tipo novo. Finalmente, tendo já esgotado toda a sua arte, correu a um canto, colocou-se numa posição que pudesse ser visto por todos ao mesmo tempo, e apresentou a sua última careta. Todos desataram a rir estrondosamente apontando para o major. </li></ul>
  13. 13. Foco Narrativo <ul><li>A narrativa é feita em terceira pessoa (mas há passagens do livro em que o foco narrativo passa da terceira pessoa para a primeira pessoa) o que torna mais completa a caracterização das personagens e seu foco secundário vai variando. </li></ul><ul><li>O autor utiliza diálogos que retratam a linguagem dos personagens. Esse tipo de narrativa faz com que o texto fique mais interessante, pois ficam evidentes as ironias usadas pelo narrador. </li></ul><ul><li>No trecho que se segue, pode-se observar como o autor aproxima as falas de seus personagens das expressões usadas na época, em uma linguagem extremamente coloquial: </li></ul>
  14. 14. <ul><li>— Já… já… senhora intrometida com a vida alheia… já sabe o pai-nosso, e eu o faço rezar todas as noites um pelo seu defunto marido que está a esta hora dando coices no inferno!… </li></ul><ul><li>O livro é repleto de ironias, como no trecho a seguir: </li></ul><ul><li>Ser valentão foi em algum tempo ofício no Rio de Janeiro; havia homens que viviam disso: davam pancada por dinheiro, e iam a qualquer parte armar de propósito uma desordem, contanto que se lhes pagasse, fosse qual fosse o resultado. Entre os  honestos  cidadãos que nisto se ocupavam, havia, na época desta história, um certo Chico-Juca, afamadíssimo e temível. </li></ul>
  15. 15. Estilo <ul><li>Manuel Antônio de Almeida utiliza uma linguagem que se aproxima da jornalística, o que torna claros e objetivos os seus textos. Outro aspecto é a utilização de personagens comuns na época, como o barbeiro, a parteira, o major, tornando, assim, a história mais próxima do leitor. </li></ul><ul><li>Memórias de um sargento de milícias  foi escrito em forma de folhetim (os capítulos eram publicados em seqüência nos jornais da época, o que prendia o leitor, pois deixava um suspense em relação ao capítulo posterior). Essa característica é utilizada atualmente em novelas, como um resquício do folhetim, com a finalidade de colocar o telespectador em suspense. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Essa forma de provocar o suspense no leitor pode ser observada neste trecho, que é o final de um capítulo: </li></ul><ul><li>Um grito de espanto, acompanhado de uma gargalhada estrondosa dos granadeiros, interrompeu o major. Descoberta a cara do morto, reconheceu-se ser ele o nosso amigo Leonardo!.... </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Em alguns trechos, o narrador é onisciente, ou seja, ele sabe todos os pensamentos dos personagens. Exemplo são as passagens em que o narrador &quot;entra&quot; no pensamento do personagem: </li></ul><ul><li>Pois enganava-se redondamente quem tal julgasse: pensava em coisa muito mais agradável; pensava em Luizinha. Pensando nela não podia, é verdade, abster-se de ver surgir diante dos olhos o terrível José Manuel. </li></ul>
  18. 18. <ul><li>A obra é muito importante por ser de transição do Romantismo para o Realismo e por ser uma crônica de costumes. </li></ul><ul><li>Além disso, é usada metalinguagem (explicar sobre o próprio processo narrativo), técnica do leitor incluso (conversa com o leitor) e digressão (interromper a narrativa para que o narrador faça um comentário sobre assunto paralelo). </li></ul>
  19. 19. Verossimilhança <ul><li>Ao contrário de outras obras românticas, o autor mostra uma visão bem próxima à realidade. Os problemas sociais, as atitudes dos personagens e uma visão menos idealizada da realidade caracterizam a obra como precursora no Realismo. Personagens como Major Vidigal, por exemplo, realmente existiram. </li></ul>
  20. 20. <ul><li>No trecho que se segue, temos um exemplo da ironia e da crítica aos costumes da época, em que um padre tem relações amorosas com uma cigana: </li></ul><ul><li>No mesmo instante viu aparecer o granadeiro trazendo pelo braço o Rev. Mestre-de-cerimônias em ceroulas curtas e largas, de meias pretas, sapatos de fivela, e solidéu à cabeça. Apesar dos aparos em que se achavam, todos desataram a rir: só ele e a cigana choravam de envergonhados. </li></ul>
  21. 21. Movimento Literário <ul><li>A obra  Memórias de um sargento de milícias  é uma obra romântica, que, conseqüentemente, apresenta algumas características típicas do movimento. A obra, porém, é um romance urbano, que desenvolveu temas ligados à vida social. A história, porém, apresenta os exageros sentimentais comuns à maioria das obras românticas. </li></ul><ul><li>Fazendo o uso da ironia, o autor deixa perceber que sua intenção era divertir o leitor com os problemas sociais de sua época. </li></ul><ul><li>O livro abandona a linguagem metafórica e a mulher e o amor não são idealizados, como em outras obras pertencentes ao Romantismo. Em algumas partes o autor chega mesmo a ironizar o Romantismo. </li></ul>
  22. 22. <ul><li>Por exemplo: </li></ul><ul><li>tratava-se de uma cigana; o Leonardo a vira pouco tempo depois da fuga da Maria, e das cinzas ainda quentes de um amor mal pago nascera outro que também não foi a este respeito melhor aquinhoado; mas o homem era romântico, como se diz hoje, e babão, como se dizia naquele tempo. </li></ul>
  23. 23. <ul><li>O final feliz de Luisinha e Leonardo, porém, é uma característica tipicamente romântica. Pode-se ver como amor transforma a vida de Luisinha: </li></ul><ul><li>Desde o dia em que Leonardo fizera a sua declaração amorosa, uma mudança notável se começou a operar em Luisinha, a cada hora se tornava mais sensível a diferença tanto do seu físico como do seu moral. Seus contornos começavam a arredondar-se; seus braços, até ali finos e sempre caídos, engrossavam-se e tornavam-se mais ágeis; suas faces magras e pálidas, enchiam-se e tomavam essa cor que só sabe ter o rosto da mulher em certa época da vida; a cabeça, que trazia habitualmente baixa, erguia-se agora graciosamente; os olhos, até aqui amortecidos, começavam a despedir lampejos brilhantes; falava, movia-se, agitava-se. A ordem de suas idéias alterava-se também; o seu mundo interior, até então acanhado, estreito, escuro, despovoado, começava a alargar os horizontes, a iluminar-se, a povoar-se de milhões de imagens, ora amenas, ora melancólicas, sempre porém belas. </li></ul>
  24. 24. Conclusão <ul><li>Nota-se que, apesar de romântico, ao longo da trama vários aspectos do movimento são criticados, e diversas vezes satirizados. O livro foge à diversas características do estilo romântico, o relacionamento amoroso não é idealizado, Leonardo não se mostra corajoso e íntegro, como nos padrões do herói romântico. Mostra-se vagabundo, irresponsável, um anti-herói. Ele não é um vilão, mas não representa um modelo de comportamento; é uma pessoa comum. O final da história, fugindo do estilo romântico já conhecido com tragédias, Leonardo e Luizinha se casam e vivem felizes para sempre. </li></ul>
  25. 25. <ul><li>Manuel Antônio de Almeida faz referências à mitologia grega, cita personagens reais, como o major Vidigal. Ele apresenta pequenas histórias no mesmo contexto, histórias &quot;perpendiculares&quot; à trama principal. Enfim, ele faz de tudo para prender a atenção do leitor para o próximo capítulo, criando assim um estilo próprio, um romantismo irônico, e crítico à sociedade vigente na época. </li></ul>
  26. 26. <ul><li>Apesar de o livro ter sido escrito no século XIX, época do Romantismo, ele não pode ser classificado como uma obra do Romantismo, e sim como uma obra excêntrica. Os fatos que comprovam que tal obra é excêntrica são a ausência de maniqueísmo e personagens idealizados. Outro fator é a existência de metalinguagem, valor herdado de Machado de Assis, que viveu no Realismo. Por tais motivos, fica inviável classificá-la como uma obra do Romantismo, apesar de ser escrita na época em que tal movimento literário perdia forças e dava espaço ao realismo. </li></ul>
  27. 27. Dados Bibliográficos <ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/Mem%C3%B3rias_de_um_Sargento_de_Mil%C3%ADcias </li></ul><ul><li>http://vestibular.uol.com.br/ultnot/livrosresumos/ult2755u14.jhtm </li></ul><ul><li>http://www.algosobre.com.br/resumos-literarios/memorias-de-um-sargento-de-milicias.html </li></ul><ul><li>http://www.youtube.com/watch?v=CjrgTuZ8o8g&feature=related </li></ul>

×