Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Capitães da Areia 3ª C - 2013

19,390 views

Published on

Seminário apresentado pelas alunas July Maira Vieira, Gabriela Vasconcelos Ozório, Sérgio Reginaldo Martins Jr., Larissa Raiane Saul e Francine Regina da E. E. Profa. Irene Dias Ribeiro, Ribeirão Preto, em 2013.

Published in: Education
  • ..............ACCESS that WEBSITE Over for All Ebooks ................ ......................................................................................................................... DOWNLOAD FULL PDF EBOOK here { https://urlzs.com/UABbn } ......................................................................................................................... Download Full EPUB Ebook here { https://urlzs.com/UABbn } .........................................................................................................................
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here

Capitães da Areia 3ª C - 2013

  1. 1. E.E. Prof.ª Irene Dias Ribeiro Disciplina: Língua Portuguesa Prof.ª Maria Inês S. Vitorino 2013 July Maira Vieira Gabriela Vasconcelos B. Ozório Sergio Reginaldo Martins Junior Larissa Raiane Saul Francine Regina
  2. 2. Capitães Da Areia
  3. 3. Biografia De Jorge Amado
  4. 4. Capitães da areia O romance não tem propriamente um enredo Aí que reside sua modernidade Rompe com a tradição do romance convencional montado por meio de quadros mais ou menos independentes Narração propriamente dita O autor intercala: Notícias de jornal Pequenas Reflexões poéticas A força da narrativa advém do enredo solto, maleável, que parece flutuar ao sabor das aventuras dos pequeninos
  5. 5. O livro é dividido em três partes. Antes delas, no entanto, via uma seqüência de pseudo-reportagens, explica-se que os Capitães da Areia é um grupo de menores abandonados e marginalizados, que aterrorizam Salvador. Os únicos que se relacionam com eles são Padre José Pedro e uma mãe-de-santo. O Reformatório é um antro de crueldades, e a polícia os caçam como os adultos antes do tempo.
  6. 6. Início da obra: CARTAS À REDAÇÃO CRIANÇAS LADRONAS As aventuras sinistras dos ―capitães da areia‖ — a cidade infestada por crianças que vivem do furto — urge uma providência do juiz de menores e do chefe de policia — ontem houve mais um assalto
  7. 7. Esse bando que vive da rapina se compõe, pelo que se sabe, de um número superior a 100 crianças das mais diversas idades, indo desde os 8 aos 16 anos. Crianças que, naturalmente devido ao desprezo dado à sua educação por pais pouco servidos de sentimentos cristãos, se entregaram no verdor dos anos a uma vida criminosa. São chamados de ―Capitães da Areia‖ porque o cais é o seu quartel-general. E tem por comandante um molecote dos seus 14 anos, que é o mais terrível de todos, não só ladrão, como já autor de um crime de ferimentos graves, praticado na tarde de ontem. Infelizmente a identidade deste chefe é desconhecida.
  8. 8. O que se faz necessário é uma urgente providência da polícia e do juizado de menores no sentido da extinção deste bando e para que recolham esses precoces criminosos, que já não deixam a cidade dormir em paz o seu sono tão merecido, aos institutos de reforma de crianças ou às prisões.
  9. 9. ―Já por várias vezes o nosso jornal (...) tem trazido notícias sobre a atividade criminosa dos ―Capitães da Areia. (...) Essas crianças que tão cedo se dedicaram à tenebrosa carreira do crime não têm moradia certa ou pelo menos a sua moradia ainda não foi localizada. (...) fazendo jus a uma imediata providência do juiz de menores e do Dr. Chefe de Polícia‖.
  10. 10. 1. Prólogo – “Cartas à Redação”:  Reportagem publicada no Jornal da Tarde tratando do assalto das crianças à casa de um rico comerciante, num dos bairros mais aristocráticos da capital;  Carta do secretário do chefe de polícia ao mesmo jornal, atribuindo a responsabilidade de coibir os furtos das crianças ao juiz de menores;  Carta do juiz de menores defendendo-se da acusação de negligência;  Carta da mãe de uma das crianças falando das condições miseráveis do reformatório;  Carta do padre José Pedro referendando as acusações da mãe feitas ao reformatório;  Carta do diretor do reformatório defendendo-se das acusações da mãe e do padre;  Reportagem elogiosa do mesmo jornal ao reformatório.
  11. 11. Apresentação Centrando a ação na vida dos menores abandonados da cidade de Salvador, o escritor aproveita para mostrar as brutais diferenças de classe, e má distribuição de renda e os efeitos da marginalidade nas crianças e adolescentes discriminados por um sistema social perverso. Capitães da areia narra o cotidiano de pobres crianças que vivem num velho trapiche abandonado. Liderados por Pedro Bala, menino corajoso, filho de um grevista morto, entregam-se a pequenos furtos para sobreviver.
  12. 12. Jorge Leal Amado de Faria (nasceu em de agosto de 1912 — morreu em 6 de agosto de 2001) foi um dos mais famosos e traduzidos escritores brasileiros de todos os tempos. Ele é o autor mais adaptado da televisão brasileira, verdadeiros sucessos como Tieta do Agreste, Gabriela, Cravo e Canela e Teresa Batista Cansada de Guerra são criações suas, além de Dona Flor e Seus Dois Maridos e Tenda dos Milagres. A obra literária de Jorge Amado conheceu inúmeras adaptações para cinema , radio e
  13. 13. Televisão, além de ter sido tema de escolas de samba por todo o Brasil. Seus livros foram traduzidos em 55 países, em 49 idiomas,existindo também exemplares em braille e em fitas gravadas para cegos. Suas obras são umas das mais significativas da moderna ficção brasileira, com 49 livros, propondo uma literatura voltada para as raízes nacionais. Em 1945, foi eleito deputado federal pelo Partido Comunista Brasileiro (PCB), o que lhe rendeu fortes pressões políticas. Como deputado, foi o autor da emenda que garantiu a liberdade religiosa.
  14. 14. Viveu exilado na Argentina e no Uruguai (1941 a 1942), em Paris (1948 a 1950) e em Praga (1951 a 1952). Escritor profissional, viveu exclusivamente dos direitos autorais dos seus livros. Em 1959 publicou Gabriela, Cravo e Canela, que representou um momento de mudança na produção literária do autor que até então abordava temas sociais.Nesta segunda fase faz uma crônica de costumes, marcada por tipos populares, poderosos coronéis e mulheres sensuais. Além de Gabriela, Cravo e Canela, os romances Dona Flor e seus dois maridos e Teresa Batista cansada de guerra são representativos desta fase.
  15. 15. •O País do Carnaval, romance (1930) •Cacau, romance (1933) •Suor, romance (1934) •Jubiabá, romance (1935) •Mar morto, romance (1936) •Capitães da areia, romance (1937) •A estrada do mar, poesia (1938) •ABC de Castro Alves, biografia (1941) •O cavaleiro da esperança, biografia (1942) •Terras do Sem-Fim, romance (1943) •São Jorge dos Ilhéus, romance (1944) •Bahia de Todos os Santos, guia (1945), •Seara vermelha, romance (1946) •O amor do soldado, teatro (1947) Principais Obras
  16. 16. •O mundo da paz, viagens (1951) •Os subterrâneos da liberdade, romance (1954) •Gabriela, cravo e canela, romance (1958) •A morte e a morte de Quincas Berro d'Água, romance (1961) •Os velhos marinheiros ou o capitão de longo curso, romance (1961) •Os pastores da noite, romance (1964) •O Compadre de Ogum, romance (1964) •Dona Flor e Seus Dois Maridos, romance (1966) •Tenda dos milagres, romance (1969) •Teresa Batista cansada de guerra, romance (1972)
  17. 17. •O gato Malhado e a andorinha Sinhá, historieta infanto-juvenil (1976) •Tieta do Agreste, romance (1977) •Farda, fardão, camisola de dormir, romance (1979) •Do recente milagre dos pássaros, contos (1979) •O menino grapiúna, memórias (1982) •A bola e o goleiro, literatura infantil (1984) •Tocaia grande, romance (1984) •O sumiço da santa, romance (1988) •Navegação de cabotagem, memórias (1992) •A descoberta da América pelos turcos, romance (1994) •O milagre dos pássaros , fábula (1997)
  18. 18. Resumo da Obra Tendo como cenário as ruas e as areias das praias de Salvador, Capitães da Areia trata da vida de crianças sem família que viviam em um velho armazém abandonado no cais do porto. Os motivos que as uniram eram os mais variados: ficaram órfãs, foram abandonadas, ou fugiram dos abusos e maus tratos recebidos em casa.
  19. 19. Aproximadamente quarenta meninos de todas as cores, entre nove e dezesseis anos, dormiam nas ruínas do velho trapiche. Tinham como líder Pedro Bala, rapaz de quinze anos, loiro, com uma cicatriz no rosto. Generoso e valente, há dez anos vagabundeava pelas ruas de Salvador, conhecendo cada palmo da cidade. Durante o dia, maltrapilhos, sujos e esfomeados, mostravam-se para a sociedade, perambulando pelas ruas, fumando pontas de cigarro, mendigando comida ou praticando pequenos furtos para poder comer. Esse contato precoce com a dura realidade da vida adulta fazia com que se tornassem agressivos e desbocados.
  20. 20. Além desses pequenos expedientes, os Capitães da Areia praticavam roubos maiores, o que os tornou conhecidos, temidos e procurados pela polícia, que estava em busca do esconderijo e do chefe dos capitães. Esses meninos se pegos, seriam enviados para o Reformatório de Menores, visto pela sociedade como um estabelecimento modelar para a criança em processo de regeneração, com trabalho, comida ótima e direito a lazer. No entanto, esta não era a opinião dos menores infratores. Sabendo que lá estariam sujeitos a todos os tipos de castigo, preferiam as agruras das ruas e da areia à essa falsa instituição.
  21. 21. Um dia, Salvador foi assolada pela epidemia de varíola. Como os pobres não tinham acesso à vacina, muitos morriam, isolados no lazareto. Almiro, o primeiro capitão a ser infectado, ali morreu. Já Boa-Vida teve outra sorte; saiu de lá, andando. Dora e o irmão, Zequinha, perderam os pais durante a epidemia. Ao saber que eram filhos de bexiguentos, o povo fechava-lhes a porta na cara. Não tendo onde ficar, os dois acabaram no trapiche, levados por João Grande e o Professor.
  22. 22. A confusão, causada pela presença de Dora no armazém, foi contornada por Pedro. Os meninos aceitaram-na no grupo e, depois de algum tempo, vestida como um deles, participava de todas as atividades e roubos do bando. Pedro Bala considerava Dora mais que uma irmã; era sua noiva. Ele que não sabia o que era amor, viu-se apaixonado; o que sentia era diferente dos encontros amorosos com as negrinhas ou prostitutas no areal.
  23. 23. Quando roubavam um palacete de um ricaço na ladeira de São Bento, foram presos. Parte do grupo conseguiu fugir da delegacia, graças à intervenção de Bala que acabou sendo levado para o Reformatório. Ali sofreu muito, mas conseguiu fugir. Em liberdade, preparou-se para libertar Dora. Um mês no Reformatório feminino foi o suficiente para acabar com a alegria e saúde da menina que, ardendo em febre, se encontrava na enfermaria.
  24. 24. Após renderem a irmã, Pedro, Professor e Volta- Seca fugiram, levando Dora consigo. Infelizmente, não resistindo, ela morreu na manhã seguinte. Don'aninha embrulhou-a em uma toalha de renda branca e Querido-de-Deus levou-a em seu saveiro, jogando-a em alto mar. Pedro Bala, inconsolável e muito triste, chorou com todos a ausência de Dora. Alguns anos se passaram e o destino de cada um do grupo foi tomando rumo. Graças ao apoio de um poeta, o Professor foi para o Rio, e já estava expondo seus quadros. Pirulito, que já não roubava mais, entrara para uma ordem religiosa. Sem-Pernas morreu, quando fugia da polícia.
  25. 25. Volta-Seca estava fazendo o que sempre tinha sonhado; aliou-se ao bando de seu padrinho, Lampião, tornando-se um terrível matador de polícia. Gato, perfeito gigolô e vigarista, estava em Ilhéus, trapaceando coronéis. Boa-Vida, tocador de violão e armador de bagunças, pouco aparecia no trapiche. João Grande embarcou como marinheiro, num navio de carga do Lloyd. Após o auxílio na greve dos condutores de bonde, o bando Capitães da Areia de Pedro Bala, tornou-se uma "brigada de choque", intervindo em comício, greves e em lutas de classes.
  26. 26. Assim como Pirulito, Bala havia encontrado sua vocação. Passando a chefia do bando para Barandão, seguiu para Aracaju, onde iria organizar outra brigada. Anos depois, Pedro Bala, conhecido organizador de greves e perigoso inimigo da ordem estabelecida, é perseguido pela polícia de cinco estados. Os Capitães da Areia são heróicos, "Robin Hood"s que tiram dos ricos e guardam para si (os pobres). O Comunismo é mostrado como algo bom. No geral, as preocupações sociais dominam, mas os problemas existenciais dos garotos os transforma em personagens únicos e corajosos.
  27. 27. Os Capitães da Areia A primeira parte em si, conta algumas histórias quase independentes sobre alguns dos principais Capitães da Areia. O grupo chegava a quase cem, morando num trapiche abandonado, mas tinha líderes.
  28. 28. Personagens Pedro Bala é o temido líder dos Capitães da Areia. Desde cedo foi chamado assim, desde os seus cinco anos, quando começou a vagabundear nas ruas da Bahia. Hoje tem 15 anos e conhece todas as ruas e becos da cidade. Bala é considerado um herói por seu bando, traz nos olhos e na voz a autoridade de chefe. Muitas vezes ele tem que tomar decisões difíceis, se arrisca no que for preciso para lutar pelos meninos. Vai descobrir o amor ao lado de Dora.
  29. 29. Tomamos conhecimento de sua origem por meio de um expediente muito comum, o retorno ao passado. Ficamos então sabendo o porquê de Pedro ter-se engajado no grupo dos Capitães da Areia (a morte do pai a bala, o desconhecimento da mãe), o modo como ele chega à liderança, após derrotar o mulato Raimundo numa luta.
  30. 30. Gato – é o galã dos Capitães da Areia. Bem-vestido, domina a arte da jogatina, trapaceando, com seu baralho marcado, todos os que se aventuram numa partida contra ele. Além dos furtos e do jogo, Gato consegue dinheiro como cafetão de uma prostituta chamada Dalva.
  31. 31. BOA-VIDA – o apelido traduz seu caráter indolente e sossegado. Contenta-se com pequenos furtos, o suficiente para contribuir para o bem-estar do grupo, e com algumas mulheres que não interessam mais ao Gato.
  32. 32. Professor é quem toma conta do Trapiche quando Pedro Bala se ausenta. O braço direito de Bala é também o ―intelectual‖ do bando: coleciona uma pequena biblioteca de livros e revistas roubadas que lê com grande dificuldade. Ele se tornou uma espécie de irmão mais velho para todos, aquele que conta histórias incríveis, aventuras mirabolantes, enriquecidas por sua imaginação.
  33. 33. JOÃO GRANDE – é respeitado pelo grupo em virtude de sua coragem e da grande estatura. Ajuda e protege os novatos do bando contra atos tiranos praticados pelos mais velhos. VOLTA SECA – admirador do cangaceiro Lampião, a quem chama de padrinho, sonha um dia participar de seu bando.
  34. 34. DORA – seus pais morreram, vítimas da varíola, quando tinha apenas 13 anos. É encontrada com seu irmão mais novo, Zé Fuinha, pelo Professor e por João Grande. Ao chegar ao trapiche abandonado, onde os garotos dormem, Dora quase é violentada, mas, tendo sido protegida por João Grande, o grupo a aceita, primeiro como a mãe de que todos careciam, depois como a valente mulher de Pedro Bala.
  35. 35. Sem-Pernas – deficiente físico, possui uma perna coxa. Preso e humilhado por policiais bêbados, que o obrigaram a correr em volta de uma mesa na delegacia até cair extenuado, Sem-Pernas conserva as marcas psicológicas desse episódio, que provocou nele um ódio irrefreável contra tudo e todos, incluindo os próprios integrantes
  36. 36. O ROUBO “Porque naquelas casas, se o acolhiam, se lhe davam comida e dormida, era como cumprindo uma obrigação fastidiosa. Os donos da casa evitavam se aproximar dele, e o deixavam na sua sujeira, nunca tinham uma palavra boa para ele. (...) Mas desta vez estava sendo diferente. Desta vez não o deixaram na cozinha com seus molambos, não o puseram a dormir no quintal. Deram-lhe roupa, um quarto, comida na sala de jantar. (...) Então os lábios de Sem-Pernas se descerraram e ele soluçou, chorou muito encostado ao peito de sua mãe. E enquanto a abraçava e se deixava beijar, soluçava porque a ia abandonar e, mais que isso, a ia roubar. E ela talvez nunca soubesse que o Sem-Pernas sentia que ia furtar a si próprio também.”
  37. 37. Pirulito tinha o chamado de Deus em sua vida. Padre José Pedro, um pobre sacerdote era amigo dos capitães, ensinava-os e foi ele que contribuiu para o fim das relações homossexuais no trapiche. Foi ele também o responsável pela religião de Pirulito, que através dos ensinamentos dos padres buscava uma vida mais correta chegando até a abandonar o roubo. Ator do filme de Cecília Amado
  38. 38. PADRE JOSÉ PEDRO – padre de origem humilde, só conseguiu entrar para o seminário por ter sido apadrinhado pelo dono do estabelecimento onde era operário. Discriminado por não possuir a cultura nem a erudição dos colegas, demonstra uma crença religiosa sincera. Por isso, assume a missão de levar conforto espiritual às crianças abandonadas da cidade, das quais os Capitães da Areia são o grande expoente. Foto internet
  39. 39. QUERIDO-DE-DEUS – grande capoeirista da Bahia, respeita o grupo liderado por Pedro Bala e é respeitado por ele. Ensina sua arte para alguns deles e exerce grande influência sobre os garotos. Dalva – É uma prostituta de uns trinta e cinco anos, com corpo forte e rosto cheio de sensualidade. Gato a deseja imediatamente, tornando-a sua amante.
  40. 40. Tempo da Obra. A obra apresenta tempo cronológico demarcado pelos dias, meses, anos e horas conforme exemplificam os fragmentos: "É aqui também que mora o chefe dos Capitães da Areia, Pedro Bala. Desde cedo foi chamado assim, desde seus 5 anos. Hoje tem 15 anos. Há dez anos que vagabundeia nas ruas da Bahia."
  41. 41. O tempo psicológico correspondente às lembranças e recordações constantes na narrativa. A fala de Zé Fuinha (...) "Quando terminaram, o preto bateu as mãos uma na outra, falou: - Teu irmão disse que a mãe de você morreu de bexiga... - Papai também... - Lá também morreu um... - Teu pai? - Não. Foi Almiro um do grupo."
  42. 42. O Trapiche Abandonado
  43. 43. Espaço A narrativa se desenrola no Trapiche (hoje Solar do Unhão e o Museu de Arte Moderna); no Terreiro de Jesus (na época era lugar de destaque comercial de Salvador); onde os meninos circulavam na esperança de conseguirem dinheiro e comida devido ao trânsito de pessoas que trabalhavam lá e passavam por lá; no Corredor da Vitória área nobre de Salvador, local visado pelo pelo grupo porque lá habitavam as pessoas da alta sociedade baiana, como o comendador mencionado no início da narrativa.
  44. 44. “Sob a lua, num velho trapiche abandonado, as crianças dormem. Antigamente, aqui era o mar. Nas grandes e negras pedras dos alicerces do trapiche as ondas ora se rebentavam fragorosas, ora vinham se bater mansamente. A água passava por baixo da ponte sob a qual muitas crianças repousam agora, iluminadas por uma réstia amarela de lua.”
  45. 45. Foco Narrativo A obra Capitães da Areia é narrada na terceira pessoa, sendo o autor, Jorge Amado, o narrador apenas o expectador. Ele se comporta, durante todo o desenvolvimento do tema, de maneira indiferente, criando e narrando os acontecimentos sem se envolver diretamente com eles.
  46. 46. Estilo Jorge Amado é sem dúvida o escritor brasileiro mais "festejado" do século XX. Seus romances ja foram traduzidos para mais de quarenta idiomas; várias obras suas foram adaptadas para a televisão, sendo exibidas em vários países. É o melhor best-seller brasileiro de todos os tempos. E isto não se dá pela sua qualidade literária. É importante salientar que Jorge Amado seguiu a tendência da época, não burilando a linguagem como Graciliano Ramos ou fazendo experimentalões na linguagem e técnica narrativa. A que se deve então essa enorme popularidade?
  47. 47. Um dos fatores que contribui para isso foi o seu enfoque da realidade. É um autor sem rodeios, que consegue ser incisivo quando o momento exige, mas que também é poético, suave, sempre mantendo a sobriedade. Suas descrições nunca ficam nelas mesmas, ele vai além, interagindo o espaço descrito com as personagens, ou ás vezes, divagando sobre isso. Assim valoriza-se a plasticidade da imagem em detrimento a sua objetividade.
  48. 48. Verossimilhança No século XX, tornou-se capítulo obrigatório nos livros didáticos de literatura o chamado ―ROMANCE DE 30‖, movimento literário em que ―o engajamento, qualquer que fosse o valor tomado como absoluto pelo intelectual participante, foi a tônica dos romancistas‖ (BOSI, 1994, p. 390). Neste contexto podemos lembrar Jorge Amado, que com Capitães de Areia elabora uma síntese das utopias comunistas de sua geração com a organização política de um grupo de meninos em situação de rua.
  49. 49. Em ―Capitães...‖ Jorge Amado exemplifica como e porquê os trombadinhas existem, resistem, insistem, persistem e subsistem - criando a verossimilhança. Pedro Bala é o chefe de um grupo de jovens arruaceiros que roubam para sobreviver (é só a gente abrir os jornais todos os dias para encontrar vários deles por lá).
  50. 50. Nunca ninguém havia mencionado em literatura um bando de jovens que engenhosamente desafia as autoridades, roubando a classe privilegiada e dividindo o produto do roubo entre os seus camaradas subnutridos - lembrando Robin Hood (o herói mítico inglês, fora-da lei que roubava dos ricos para dar aos pobres, no tempo do Rei Ricardo Coração de Leão), mas ele não pode ser comparado à vida dos meninos de rua em Salvador – até os dias de hoje, em pleno século XXI.
  51. 51. Movimento LiterárioA literatura brasileira em romances e contos procura representar uma classe social desfavorecida, marginalizada, originada pela injusta distribuição de renda do país. As personagens desfavorecidas apareceram em O Cortiço, de Aluízio Azevedo, mas também em Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis (personagens desfavorecidas, como D. Plácida e Prudêncio) e em ―Pai contra mãe‖ - também de Machado de Assis..
  52. 52. No século XX, tornou-se capítulo obrigatório nos livros didáticos de literatura o chamado ―ROMANCE DE 30‖, movimento literário em que ―o engajamento, qualquer que fosse o valor tomado como absoluto pelo intelectual participante, foi a tônica dos romancistas‖ (BOSI, 1994, p. 390). Neste contexto podemos lembrar Jorge Amado, que com Capitães de Areia elabora uma síntese das utopias comunistas de sua geração com a organização política de um grupo de meninos em situação de rua.
  53. 53. Em ―Capitães...‖ Jorge Amado exemplifica como e porquê os trombadinhas existem, resistem, insistem, persistem e subsistem - criando a verossimilhança. Pedro Bala é o chefe de um grupo de jovens arruaceiros que roubam para sobreviver (é só a gente abrir os jornais todos os dias para encontrar vários deles por lá). Nunca ninguém havia mencionado em literatura um bando de jovens que engenhosamente desafia as autoridades, roubando a classe privilegiada e dividindo o produto do roubo entre os seus camaradas subnutridos - lembrando Robin Hood (o herói mítico inglês, fora-da lei que roubava dos ricos para dar aos pobres, no tempo do Rei Ricardo Coração de Leão), mas ele não pode ser comparado à vida dos meninos de rua em Salvador – até os dias de hoje, em pleno século XXI.
  54. 54. Conclusões A elaboração da obra Capitães de Areia resultou da vivência intensa do autor nas ruas, becos e ladeiras da cidade, onde mostra a desigualdade social e a discriminação entre as raças, numa sociedade que se negava a reconhecer que somente os ricos tinham privilégios.
  55. 55. A triste conclusão é que continuam a fazer parte da história da pátria, meninos novos dominados e excluídos, apesar de frequentarem cada vez mais espaços públicos, não tem a oportunidade de ter uma educação de qualidade, uma família ou quaisquer encaminhamentos futuros. Vale a pena à leitura, pois é um livro que relata a realidade que passávamos e que continuamos a passar, atuando assim na nossa consciência social, política e econômica.

×