Para que raio serve a história?

2,973 views

Published on

Questionamento sobre a importância da História

Published in: Education
  • Be the first to comment

Para que raio serve a história?

  1. 1. Sem consciência histórica sobre o nosso passado (e antepassados...) não perceberíamos quem somos.
  2. 2. Cada indivíduo sente a angústia da procura de uma identidade pessoal, aspecto único e irrepetível da sua liberdade, cada vez mais restringida por comportamentos e normas coletivos.
  3. 3. Interroga-se, então, sobre si próprio, na busca das raízes que o justifiquem e o liguem a algum processo integrador: – Quem sou? De onde venho?
  4. 4. Sociedades e nações atravessam uma crise de valores.
  5. 5. Este problema é hoje agravado com o fenómeno de aculturação provocada, quer pela globalização da sociedade, quer pela integração europeia.
  6. 6. A sociedade atual experimenta o vazio inerente à perda ou enfraquecimento de rituais – dos religiosos aos familiares – que integravam naturalmente o indivíduo na comunidade. Procissão S. Pedro - Valbom
  7. 7. Estes rituais funcionavam como uma identidade herdade que era necessário projetar através do tempo. Procissão Nª Srª de Fátima, R. Dr. Oliveira Salazar, anos 50
  8. 8. A história pode e deve ter uma importante contribuição para a educação em geral e, em particular, para a educação de uma sociedade democrática permitindo aos jovens: aprenderem acerca da sua herança histórica, bem como da de outras pessoas e nações. Quintã, final do séc XIX Quintã, início do séc XX Quintã, 2011
  9. 9. O recurso ao estudo do meio funciona como um trabalho capaz de projetar ou sublimar necessidades identitárias, nem sempre consciencializadas a nível racional. Procissão do Rosário , anos 80, S. Cosme S. Damião
  10. 10. O estudo dos factos históricos culturais e patrimoniais surge, hoje, como uma estratégia capaz de levar os alunos a desenvolverem atitudes de cidadania observáveis na defesa e preservação do que constitui parte integrante e significativa do percurso temporal da sociedade em que se inserem. Cinematógrafo, Escola Dramática de Valbom Casa de lavrador da família Ramos das Neves.S. Miguel
  11. 11. Estes bens patrimoniais devem ser encarados na sua vertente histórico- cultural, natural, física e biológica, como veículo de desenvolvimento cultural. S. Pedro da Cova, Rio Ferreira
  12. 12. Importante será despertar a sensibilidade A A A fruição destes bens permite aumentar a qualidade de vida das populações, pois estes constituem suportes da memória coletiva, quadro de referência e de valores. Lomba, arquitetura do Rabelo
  13. 13. Para algumas pessoas a História surge como fonte de identidade individual e pessoal, uma história que explica quem somos, de onde viemos, como família, comunidade, nação ou etnia. Outros ainda podem considerar o passado como uma forma de divertimento ou de preenchimento pessoal. Keith C. Barton
  14. 14. Segundo José Matoso, recordar o passado coletivo é uma forma de lutar contra a morte, guardar a memória do agir coletivo, é demonstrar que o grupo existe, ou seja, não é um mero agregado de indivíduos mas sim um núcleo coerente capaz de se distinguir dos outros. Cortejo etenográfico, S. Cosme
  15. 15. A história habitua-nos a descobrir a relatividade das coisas, das ideias, das crenças e das doutrinas, a detetar situações análogas, a procurar soluções parecidas ou evoluções paralelas. Leonardo da Vinci, Gioconda, 1503 Marcel Duchamp, A Gioconda com bigode e barba, 1919 Gil Wolman, A terra de Wolman, 1977
  16. 16. Coloca-nos em situação ideal para interpretar a sociedade de que fazemos parte e ser nela interveniente activo.
  17. 17. Entre os encarregados de Educação não se nota uma elevada consciência histórica, embora, concordem que a escola que ensina o passado facilita a compreensão do presente e a construção do futuro.
  18. 18. A História é… Uma fonte de aventura que fascina e estimula a minha imaginação.
  19. 19. um número de exemplos instrutivos que me podem ajudar hoje.
  20. 20. Outros alunos evidenciam a História como Um meio de entendermos o presente e compreendermos a actualidade.
  21. 21. Um meio de entender a minha vida como parte de mudanças históricas
  22. 22. Temos consciência do papel da História, no atual mundo globalizado, como veículo capaz, não de uniformizar, mas de levar a compreender os outros.
  23. 23. A História faculta, quando abre os seus horizontes às dimensões do mundo e da Humanidade, uma visão ampla e diversificada da sociedade.
  24. 24. O aluno que não gosta (de História) perde uma das possibilidades mais ricas e gratificantes de se entender como pessoa, de compreender a sociedade que é a sua no contexto multifacetado do mundo do seu tempo; de se posicionar com uma atitude crítica, curiosa e interessada face ao devir em que participa; perde alguma coisa essencial, não só à sua formação pessoal, mas também ao prazer de viver compreendendo. Maria do Céu Roldão, Gostar de História
  25. 25. BIBLIOGRAFIA • ABREU, Isaura, SEQUEIRA, Ana Pires, ESCOVAL, Ana, Ideias e Histórias, ME, IIE, Lisboa, 1990. • ALARCÃO, Jorge, Introdução ao Estudo da História e Património Local, Coimbra, cadernos de Arte e Arqueologia, 1979. • ARRISCADO, Paula, Como Cativar o aluno para o ensino da História, - folheto - Porto Ed. Porto 1998. • BARCA, Isabel, Bastos, Maria Cristina , Carvalho, Jorge Brandão, Formar opinião na aula de História, Cadernos Pedagógicos, APH, LX, 1998. • BARCA, Isabel (org.), Perspectivas em Educação Histórica – Actas das primeiras jornadas internacionais de educação histórica, Centro de Estudos em Educação e psicologia, Universidade do Minho, 2001. • BARTON, C. Keith, Conhecimento Histórico, A.P.H. Opinião – Um exclusivo Internet – http://www.aph.rcts.pt/opinião/opinião-0204.html
  26. 26. • CHAFFER, John, Taylor, Lawrence, A Historia e o Professor de História, Livros Horizonte, Llisboa 1984. • CILTHAM, Jeanette B. , Objectivos Educacionais para o Estudo da História - uma sugestão de esquema de trabalho, APH, Lisboa 1982 • Didáctica da História - textos Complementares - U.A., 1989 • DUARTE, Ana, Educação Patrimonial – Guia para Professores, Educadores e Monitores de Museus e Tempos Livres, TextoEd. , 1994 • FABREGAT, Clemente Herrero, Fabregat, Maria Herrero, Como preparar uma aula De História, Ed. Asa, Porto 1983. • FOULCAULT, Michel, L´archéologie du savoir, ed. Gallimard, Bibliothèques des Sciences Humaines, 1969 • JOÃO, Maria Isabel, O Ensino e a memória Histórica, A.P.H. Opinião – Um exclusivo Internet – http://www.aph.rcts.pt/opinião/opinião- 0204.html • JOHNSON, SPENCER, JOHNSON, CONSTANCE, O Professor Um Minuto, E. Presença, 1986.
  27. 27. • JORGE, José Reis, A problemática da indisciplina – diferentes abordagens e estratrégias de intervenção, in O Professor, III série, nº 76, Jan./ Junho, 2002. • LOBROT, Michel, Para que serve a Escola?, Terramar, Lisboa, 1995. • MANIQUE, António Pedro; PROENÇA, Maria Cândida, Didáctica da História – Património e História Local,Texto Ed. , 1994 • MATTOSO, José, A Função Social da História no Mundo de Hoje, Col Estudos/Reflexões 2, APH. Lx, 1999. • NOEL-LUC, Jean, L´énvironnement à l´ecole, Paris, P.U.F., 1973. • PAIS, José Machado, Consciência Histórica e Identidade, Celta Ed., Estudos sobre Juventude, Oeiras, 1999 • PERRENOUD, Philippe , Educar para a Democracia, ASA, 2002 • PROENÇA, Maria Cândida, O ensino da História e o meio, Didáctica da História, U.A., Lisboa, 1989, pp. 193 a 207. • ROCHA, Filipe, Educar em Valores, col Ciências da Educação e Desenvolvimento Humano, ed. Estante, Aveiro, 1996.
  28. 28. • ROLDÃO, Maria do Céu, Gostar de História – Um Desafio Pedagógico, Texto Ed. , 1993 • ROLDÃO, Maria do Céu, O ensino da História e as reformas curriculares no final do século XX, in O Estudo da História, Boletim nº 12-13-14-15 (II série) 1990-93, vol I, A: P: H:, Lisboa 1994, pp. 417 a 422. • TENGARRINHA, José, O Ensino da História em Portugal, A.P.H. Opinião – Um exclusivo Internet – http://www.aph .rcts.pt/opinião/opinião-0204.html • TELMO, Isabel Cotinelli, O Património e a Escola – Do passado ao futuro, TextoEd. , 1994 • Vários, A História e o seu Ensino, Livraria Almedina, Coimbra, 1976 • O Estudo da História, 2 vols, APH, Lisboa, 1994
  29. 29. Desenhos: • Susana Carromeu Fotos: • Maria de Fátima Gomes, coleção particular

×