Mercantilismo

5,047 views

Published on

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
5,047
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
130
Actions
Shares
0
Downloads
76
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Mercantilismo

  1. 2. Indicadores de aprendizagem <ul><li>Define mercantilismo </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Identifica as diferentes concepções da doutrina mercantilista nos estados europeus </li></ul>
  2. 3. Competências <ul><li>Compreensão histórica: </li></ul><ul><li>Contextualização </li></ul><ul><li>Tratamento da Informação/utilização de fontes </li></ul>
  3. 4. “ Uma Nação é tanto mais poderosa e rica quanto mais elevado for o montante de dinheiro (ouro e prata) que conseguir acumular nos seus cofres.” Colbert
  4. 5. Em que consistiu a doutrina económica mercantilista?
  5. 6. As Ideias Mercantilistas A abundância de metais preciosos num Estado faz a diferença entre a sua grandeza e o seu poder. O bom estado das finanças e o aumento das receitas de Vossa Majestade dependem da quantidade de dinheiro que circula dentro do Reino. Três meios permitem aí chegar: atrair o dinheiro dos países onde ele existe; conservá-lo no Reino e garantir que ele não saia. Colbert, Mémoire sur le Commerce , 1664.
  6. 7. Comércio externo e balança comercial favorável O recurso comum, portanto, para aumentar a nossa riqueza e tesouro é pelo comércio externo, no qual devemos observar esta regra: vender mais aos estrangeiros, anualmente, do que consumimos de seus artigos (…) porque a parte do nosso stock que não nos for devolvida em mercadorias deverá necessariamente ser paga em dinheiro. E qualquer que seja a medida que tomemos para obter a entrada de dinheiro neste reino (Inglaterra), ele só permanecerá connosco se ganharmos na balança comercial. (…) Thomas Mun, A Riqueza da Inglaterra pelo Comércio Externo , 1622.
  7. 8. Que medidas foram tomadas para combater a crise comercial de finais do século XVII em Portugal?
  8. 9. A aplicação do mercantilismo em Portugal O único meio que há para (…) impedir que o dinheiro saia do reino é introduzir nele as artes (manufacturas). As grandes felicidades que se seguirão ao Reino (as) reduzirei a cinco pontos (…); 1.º - A introdução das artes evitará, em comum, o dano que fazem ao Reino o luxo e as modas; 2.º - Tirará a ociosidade do Reino; 3.º - Fará (o Reino) mais povoado de gente e frutos; (…) 5.º - As rendas reais aumentarão. Duarte Ribeiro de Macedo, Sobre a Introdução das Artes no Reino , 1675.
  9. 11. SÍNTESE A POLITICA MERCANTILISTA COMPANHIAS DE COMÉRCIO MONOPOLISTAS ACTOS DE NAVEGAÇÃO EXCLUSIVO COMERCIAL NACIONALIZAÇÃO DO COMÉRCIO CONCESSÃO DE MONOPÓLIOS DE COMÉRCIO ABUNDÂNCIA DE MATÉRIAS-PRIMAS SUBIDA DAS TAXAS ALFANDEGÁRIAS SOBRE AS IMPORTAÇÕES PRAGRMÁTICAS FOMENTO MANUFACTUREIRO PROTECCIONISMO E NACIONALISMO ECONÓMICO
  10. 12. Como se deu a falência das medidas mercantilistas em Portugal?
  11. 13. A Inglaterra opunha-se à França e perdia assim um mercado para as suas manufaturas O senhor Methwen, nosso embaixador em Lisboa, há-abrir-nos outras portas Sua Majestade Britânica aceita receber os vossos vinhos e vós comprareis as nossas manufaturas.
  12. 14. TRATADO DE METHUEN <ul><li>Este tratado levantava todas as proibições à entrada das mercadorias inglesas, e em compensação dava entrada aos nossos vinhos em Inglaterra. Esse tratado foi a nossa completa ruína, porque nos pôs completamente na dependência industrial da Inglaterra, dando vantagens excepcionais à cultura dos vinhos.   </li></ul>
  13. 15. <ul><li>Diz a esse respeito Coelho da Rocha: </li></ul><ul><li>« Logo no primeiro ano as exportações para Portugal subiram no valor de 1.300:000 libras (13 milhões de cruzados) e a saída dos vinhos portugueses, ainda que em menor proporção, foi contudo bastante para os elevar a tão alto preço, que os do Douro chegaram a sessenta mil réis a pipa. Todos se deram então à cultura deste género. </li></ul>
  14. 16. <ul><li>Em poucos anos a sua abundância e a sua adulteração excitada pela sofreguidão do ganho e talvez por cálculos premeditados dos negociantes ingleses, fê-lo descer de tal maneira que, desde 1750 a 1755, os melhores vinhos não passavam de dez mil réis, e ainda por este preço não tinham consumo.» </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  15. 17. Conclusão <ul><li>O mercantilismo doutrina económica dos séculos XVII e XVIII, defendia que a riqueza de um país dependia da quantidade de metais preciosos que possuísse Para isso propunha aumentar as exportações e diminuir as importações, a fim de conseguir uma balança comercial positiva. </li></ul><ul><li>Defendia, também o desenvolvimento das manufaturas e das companhias comerciais monopolistas. </li></ul>
  16. 18. <ul><li>Defendia, também, uma política populista, ou seja um estado devia ter muita população para garantir mão de obra barata. </li></ul><ul><li>As altas taxas alfandegárias as leis pragmáticas e sumptuárias faziam diminuir as importações. </li></ul>

×