09 - mandriladoras

5,224 views

Published on

  • Be the first to comment

09 - mandriladoras

  1. 1.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MANDRILADORA SProfessora: Maria Adrina Paixão de Souza da Silva, Dra. 1 Eng.
  2. 2.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MANDRILADORASINTRODUÇÃO 2
  3. 3.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS INTRODUÇÃO MANDRILAMENTOÉ um processo mecânico de usinagem desuperfícies de revolução, com o auxílio de uma oumais ferramentas de corte. Nessa operação, aferramenta de corte é fixada a uma barra demandrilar em um certo ângulo, determinado pelaoperação a ser realizada. 3
  4. 4.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAISINTRODUÇÃO 4 mandril
  5. 5.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAISINTRODUÇÃO 5
  6. 6.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MANDRILADORAS TIPOS DEMANDRILAMENT O 6
  7. 7.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS TIPOS DE MANDRILAMENTODependendo do trabalho, o mandrilamento, tambémconhecido como mandrilagem ou broqueamento, pode ser:CilíndricoCônicoRadialEsférico.Pelo mandrilamento pode-se conseguir superfícies cilíndricasou cônicas, internas, em espaços normalmente difíceis deserem atingidos, com eixos perfeitamente paralelos entre si. 7
  8. 8.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA 2.1. FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS CILÍNDRICOProcesso em que a superfície usinada é cilíndrica e o seu eixode rotação coincide com o eixo em torno do qual a ferramentagira. 8
  9. 9.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA 2.1.FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAISCILÍNDRICO 9 mandrilamento cilíndrico
  10. 10.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA 2.2. FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS CÔNICOProcesso em que a superfície usinada é cônica e seu eixo derotação coincide com o eixo em torno do qual a ferramentagira. 10
  11. 11.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA 2.2.FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAISCÔNICO 11 mandrilamento cônico
  12. 12.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA 2.3. FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS RADIALProcesso em que a superfície usinada é plana e perpendicularao eixo em torno do qual gira a ferramenta. 12
  13. 13.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA 2.3.FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAISRADIAL 13 mandrilamento radial
  14. 14.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA 2.4. FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS ESFÉRICOProcesso em que a superfície usinada é esférica e o eixo derotação coincide com o eixo em torno do qual a ferramentagira. 14
  15. 15.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA 2. 4.FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAISESFÉRICO 15 mandrilamento esférico
  16. 16.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAISMANDRILADORASA MÁQUINA 16
  17. 17.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS A MÁQUINAAs mandriladoras são máquinas especiais que permitem aadaptação de diferentes tipos de ferramentas. Com oacoplamento de acessórios apropriados, a mandriladora, alémdo mandrilamento, pode ser utilizada para furar, fresar,rosquear etc., tornando-se, nesses casos, uma máquinauniversal.Dependendo da posição do eixo-árvore, as mandriladoraspodem ser horizontais ou verticais 17
  18. 18.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS A MÁQUINA mandriladora universal verticalmandriladora universal horizontal 18
  19. 19.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAISMANDRILADORASELEMENTOSBÁSICOS DE UMA 19
  20. 20.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS ELEMENTOS BÁSICOS DE UMA MANDRILADORAS(A) Base e barramento para o movimento do carro.(B) Coluna do cabeçote.(C) Cabeçote porta mandril e anexos cinemáticos.(D) Coluna da luneta.(E) Luneta. 20(F) Carro com a mesa giratória.
  21. 21.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA 4.1. BASE E BARRAMENTO FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS PARA O MOVIMENTO DO CARROÉ essencial para garantir que asmedidas sejam impostas as peças.É composto de trilhos paralelos quesustenta o carro com a mesa giratória 21
  22. 22.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS 4.2. COLUNA DO CABEÇOTEÉ fixado na base da mandriladora eleva as guias para o corrimento docabeçote. 22
  23. 23.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA 4.3. CABEÇOTE PORTA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MANDRIL E ANEXOS CINEMÁTICOSÉ uma das partes essenciais da mandriladora e se compõe de:a caixa, o berço, a placa giratória com o mandril e oscomandos.A placa tem a finalidade de poder executar faceamentosperfeitamente normais ao eixo de rotação.O mandril central apresenta em sua extremidade um furocônico, no qual podem ser acopladas várias ferramentascomo brocas, alargadores e fresas. 23
  24. 24.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA4.3. CABEÇOTE PORTAFACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MANDRIL E ANEXOS CINEMÁTICOS 24 Placa porta-utensílios
  25. 25.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS 4.4. COLUNA DA LUNETAAlinha-se sobre as mesmas guias da base que serve para ocarro; possui duas guias verticais para a movimentação daluneta 25
  26. 26.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS 4.5. LUNETAÉ presa às guias verticais de sua base, onde pode deslocar-sequando acionada pelo fuso; o ajuste da altura pode ser feito àmão ou automaticamente, junto com o cabeçote. 26
  27. 27.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS 4.6. CARRO COM A MESA GIRATÓRIADesloca-se sobre o barramento da base; além do movimentolongitudinal, o carro também anda transversalmente sobre umtrenó secundário.Mesa giratória: Em máquinas como essas usinam-se grandescarcaças de caixas de engrenagens e estruturas de máquinas.Uma peça com forma prismática pode ser usinada em todasas suas quatro faces verticais porque a mandriladora tem umamesa giratória que possibilita a usinagem em todos os lados 27
  28. 28.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MANDRILADORAS OUTRAS OPERAÇÕESREALIZADAS PELA MANDRILADORA 28
  29. 29.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA 5.1. FRESAGEM FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS REALIZADA COM A MANDRILADORAOperação de fresagem frontal realizada por uma mandriladora 29
  30. 30.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA 5.2. ROSQUEAMENTO DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS REALIZADO COM A MANDRILADORAOperações de rosqueamento interno e externo realizados por umamandriladora 30
  31. 31.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA 5.3. ALGUMAS OPERAÇÕES DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS REALIZADAS PELA MANDRILADORACom máquinas de simples translação axial:a)Furação;b) Alargamento com broca de correção;c) Mandrilamento com uma só lâmina angular;d) Desbaste e acabamento com duas lâminas sucessivas;e) Mandrilamento com alargador; 31f) Mandrilamento com uma lâmina.
  32. 32.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA5.3. ALGUMAS OPERAÇÕES DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS REALIZADAS PELA MANDRILADORA 32
  33. 33.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA 5.3. ALGUMAS OPERAÇÕES DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS REALIZADAS PELA MANDRILADORACom máquinas de simples translação combinada:g) Faceamento e torneamento de ajuste;h) Perfis internos;I) Furo cilíndrico e faceamento;j) Torneamento de duas superfícies com diâmetros diferentes;k) Mandrilamento cônico;l) Mandrilamento esférico. 33
  34. 34.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA5.3. ALGUMAS OPERAÇÕES DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS REALIZADAS PELA MANDRILADORA 34
  35. 35.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MANDRILADORASFERRAMENTAS PARA MANDRILAR 35
  36. 36.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS FERRAMENTAS PARA MANDRILARConsiste em um suporte básico, um adaptador e uma unidade decorte na forma de cápsula ou unidade de mandrilamento de precisão.Uma cabeça para mandrilamento de precisão é montada em umabarra de mandrilamento que é ajustável radialmente e um alargadorconsiste em uma haste de ferramenta com uma cabeça de passo finocom lâminas soldadas.As ferramentas são ajustáveis radialmente dentro de uma faixaespecífica de diâmetros. 36
  37. 37.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS FERRAMENTAS PARA MANDRILARAs ferramentas para mandrilar são selecionadas em função dasdimensões (comprimento e diâmetro) e características das operaçõesa serem realizadas.Elas têm pequenas dimensões porque, geralmente, trabalham nointerior de furos previamente executados por brocas. São feitas deaço rápido ou carboneto metálico e montadas em uma barra demandrilar.A barra de mandrilar deve ser rígida, cilíndrica e sem defeito deretilineidade. Deve ser bem montada no eixo-árvore, evitando comisso possíveis desvios e vibrações durante o uso. 37
  38. 38.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 6.1. INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS ESCAREADORES E REBAIXADORESUsados nos trabalhos de alojamento de furos previamenteexecutados por brocas comuns. 38 Escareadores
  39. 39.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 6.1. INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS ESCAREADORES E REBAIXADORESUsados nos trabalhos de alojamento de furos previamenteexecutados por brocas comuns. 39 Rebaixador
  40. 40.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 6.2. INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS ALARGADORES CÔNICOSUsados para alargar superfícies cônicas internas; esses alargadorespodem ser de desbaste ou acabamento 40 Alargadores cônicos
  41. 41.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ 6.3. INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS ALARGADORES FIXOSUsados para calibrar furos. 41 Alargador fixo
  42. 42.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS 6.4. LÂMINAS DE CORTE DUPLOUsada para fazer rebaixos internos de furos 42 Lâminas de corte duplo
  43. 43.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA 6.4. HASTES COM DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS PASTILHAS SOLDADAS DE CORTE SIMPLESUsada para desbastar 43 Hastes com pastilhas soldadas
  44. 44.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS 6.4. BROCAS HELICOIDAIS DE CORREÇÃOUsadas para corrigir deformações, como ovalização, conicidade eretilineidade, e na operação de pré-alargamento de furos com até100mm 44 Broca helicoidal de correção
  45. 45.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MANDRILADORAS SELEÇÃO DE FERRAMENTAS PARA OMANDRILAMENTO 45
  46. 46.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA SELEÇÃO DE FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS FERRAMENTAS PARA O MANDRILAMENTOAs ferramentas de mandrilar são de extrema importância aprodutividade de um processo.Uma vez que o mandrilamento é um processo freqüentementeempregado na usinagem final de peças, que já adquiriram umelevado valor através de horas de usinagem prévia, a produção derefugos neste estágio é altamente indesejável.Portanto é muito importante o que deve ser considerado ao seescolher o tipo de ferramenta para uma operação de mandrilamento.Deve-se ter em mente os seguintes aspectos: 46
  47. 47.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA SELEÇÃO DE FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS FERRAMENTAS PARA O MANDRILAMENTO1. Definir o tipo de operação: Identificar o tipo de operação e as características relacionadas com o furo a ser usinado, limitações, material e máquina.2. Selecione um sistema de mandrilamento: Encontrar um sistema que atenda aos requisitos da operação – desbaste ou acabamento e também as condições.3. Definição do diâmetro de mandrilamento e os requisitos de furo: Selecionar uma ferramenta que abranja a faixa de diâmetro, acabamento superficial e tolerâncias da operação. 47
  48. 48.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA SELEÇÃO DE FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS FERRAMENTAS PARA O MANDRILAMENTO4. Escolha o ângulo de posição: Com base no ângulo de posição selecionado, escolha o tipo de unidade de corte apropriado. Isso também indicara o tipo de pastilha mais apropriado.5. Seleção do adaptador: Escolha com base principalmente, no tamanho do acoplamento e na profundidade de mandrilamento.6. Seleção das pastilhas para a ferramenta: Determinação com base nas recomendações de estilo e tamanho; e no tipo de material da peça e nas condições de usinagem. 48
  49. 49.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MANDRILADORAS TIPOS DE OPERAÇÕES DEFERRAMENTA NOMANDRILAMENTO 49
  50. 50.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS TIPOS DE OPERAÇÕES DE FERRAMENTA NO MANDRILAMENTOCortes de aresta única: É aplicado em operações de acabamento epara desbaste e acabamento em materiais em que o controle de cavacosé exigente. Uma ferramenta de mandrilamento com aresta única tambémpode ser uma solução quando a potencia da maquina for um fatorlimitante.Cortes multi-aresta: Envolve duas ou três arestas. É empregado paraoperações de acabamento em que a taxa de remoção de metal é aprincipal prioridade. Pode-se manter altos níveis de produtividade comduas ou três pastilhas, ajustadas na mesma altura axial, cada umausinando no avanço por dente recomendado, resultando em um altoavanço por rotação em todo o furo. 50
  51. 51.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS TIPOS DE OPERAÇÕES DE FERRAMENTA NO MANDRILAMENTOMandrilamento escalonado: É executado no desbaste por umaferramenta de mandrilamento que possua pastilhas ajustadas a diferentesalturas e diâmetros axiais. Isso melhora o controle de cavacos emmateriais exigentes com diferentes profundidades de corte de até 1.0 ou1.5 vez o comprimento da aresta de corte.Alargamento: É uma operação de acabamento leve, executada comuma ferramenta multi-aresta que permite furos de alta precisão.Acabamento superficial muito bom e tolerâncias dimensionais muitoestreitas são obtidas com altas taxas de penetração. 51
  52. 52.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAISMANDRILADORAS SISTEMA MODULAR 52
  53. 53.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA SISTEMA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MODULARAs paradas de máquina para troca de ferramentas representamtempo ocioso que reflete nos custos de produção.Um novo conceito em ferramentas de mandrilamento é utilizado naindústria, em que um sistema modular de ferramental permite reduziro tempo gasto nas trocas de ferramentas, mantendo a exatidão notrabalho.O sistema modular possibilita dispor de um conjunto de ferramentascom partes modulares intercambiáveis. 53
  54. 54.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA SISTEMA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MODULARO único componente específico de máquina em todo esse arranjo é oadaptador de fuso.Para operar com esse sistema, reúnem-se blocos elementares dedispositivos, como extensões, reduções, diferentes cabeçotes demandrilar e acessórios.Quando um sistema modular é bem desenvolvido, ele possibilitasolução mais rápida para praticamente todos os problemas demandrilamento. 54
  55. 55.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA Adaptadores SISTEMA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS básicos de fusos MODULARAdaptadores intermediários Barras Barras adaptadoras adaptad orasΦ 15-250 mm Φ 25-250 mm 55 Φ 250-550 mm
  56. 56.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MANEIRAS DE CONTROLAR VIBRAÇÕES NO MANDRILAMENTOOutro aspecto muito importante durante o mandrilamento é ocontrole de vibrações que pode ser obtido com sucesso seguindo osseguintes tópicos:Uso do maior diâmetro de ferramenta;Uso do menor balanço de ferramenta;Uso de hastes/reduções cônicas;Uso de ferramentas anti-vibratórias; 56
  57. 57.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MANEIRAS DE CONTROLAR VIBRAÇÕES NO MANDRILAMENTOOutro aspecto muito importante durante o mandrilamento é ocontrole de vibrações que pode ser obtido com sucesso seguindo osseguintes tópicos:Verificação do fuso da máquina, o batimento, o desgaste, a força defixação etc;Verificar se todas as unidades no conjunto da ferramenta estãomontadas corretamente e com o torque certo;Redução da velocidade;Redução ou o aumento do avanço; 57
  58. 58.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MANEIRAS DE CONTROLAR VIBRAÇÕES NO MANDRILAMENTOOutro aspecto muito importante durante o mandrilamento é ocontrole de vibrações que pode ser obtido com sucesso seguindo osseguintes tópicos:Aumento da profundidade de corte (acabamento);Raio de ponta menor;Pastilhas com aresta de corte mais viva;Uso do ângulo de posição de 90° (desbaste);Verificação da fixação da peça. 58
  59. 59.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS MANDRILADORASCONSIDERAÇÕES FINAIS 59
  60. 60.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS CONSIDERAÇÕES FINAISA mandriladora é muito usada em indústrias de grande porte, onde amesa da máquina pode chegar aos 6 metros de comprimentos emnão raros casos podendo ser até maior do que isso.Este fato não impede que para produções de peças menores seu usonão seja solicitado, ao contrário, a mandriladora é muito exploradapara trabalhos em superfícies cilíndricas e quando se desejatrabalhos com furos, sendo estes dos mais variados portes.A mandriladora é uma máquina muito versátil capaz de realizarserviços de desbaste que são inviáveis ou até mesmo impossíveis dese usinar por outro tipo de máquina operatriz. 60
  61. 61.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS Bibliografias• ABREU FILHO, Carlos. Tornearia Mecânica – Notas de Aula, Belém, 2007.• AGOSTINHO, Oswaldo Luis. VILELLa, Ronaldo Castro (In Memoriam), BUTTON, Sérgio Tonini. Processos de Fabricação e Planejamento de Processos. Universidade Estadual de Campinas - Faculdade de Engenharia Mecânica - Departamento de Engenharia de Fabricação - Departamento de Engenharia de Materiais. Campinas, SP. 2004• BRAGA, Paulo Sérgio Teles, CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção – Mecânica - Processos de Fabricação, SENAI/CST, Vitória, ES. 1999.• COSTA, Éder Silva & SANTOS, Denis Júnio. Processos 61 de Usinagem. CEFET-MG. Divinópolis, MG. março de 2006
  62. 62.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS Bibliografias• DINIZ, A. E., Tecnologia da Usinagem dos Materiais. 3 ed. São Paulo: Artliber Editora, 2003.• FERRARESI, Dino. Fundamentos da Usinagem dos Metais. Editora Edgard Blücher LTDA. São Paulo, SP, 1977• INMETRO. SISTEMA Internacional de Unidades – SI (tradução da 7ª edição do original francês “Le Système International d’Unités”, elaborada pelo Bureau International des Poids et Mesures - BIPM). 8ª edição Rio de Janeiro, 2003. 116 p.• INMETRO. Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de Metrologia – VIM – Portaria Inmetro 029 de 1995. 3ª edição, Rio de Janeiro, 2003. 75p. 62• reimpressão.
  63. 63.   SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA DA UFPA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DISCIPLINA: USINAGEM DOS METAIS Bibliografias• PALMA, Flávio. Máquinas e Ferramentas. Apostila, SENAI-SC, Blumenau, 2005.• SECCO, Adriano Ruiz; VIEIRA, Edmur & GORDO, Nívia. Módulos Instrumentais – Metrologia. Telecurso 2000. São Paulo, SP, 2007• VAN VLACK, L. H., Princípios da Ciência e Tecnologia dos Materiais. Tradução Edson Carneiro. Rio de Janeiro: Elsevier, 1970 – 4ª reimpressão. 63

×