Tecnologias que Educam

3,543 views

Published on

Resumo do livro Tecnologias que Educam
Ensinar e Aprender com as tecnologias da informação e comunicação
Autores: Fábio Câmara Araújo de Carvalho e Gregório Bittar Ivanoff

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,543
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
717
Actions
Shares
0
Downloads
79
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tecnologias que Educam

  1. 1. Tecnologias que EducamTecnologias que Educam Ensinar e Aprender com as tecnologias daEnsinar e Aprender com as tecnologias da informação e comunicaçãoinformação e comunicação Fábio Câmara Araújo de Carvalho Gregório Bittar Ivanoff
  2. 2. Apresentação  Agir do professor envolve construção de significados compartilhados  Desafio: ensina e aprender com TIC  Inspiraram-se nas mudanças corporativas  Integraram 03 práticas: uso de base de dados e informações, comunicação e interação, construção de conteúdos  É preciso estar aberto ao meio social e se antecipar  Ensinar e aprender com TIC deve submeter-se ao que é relevante na produção do conhecimento  Educação é um conceito em movimento – um processo. Analisar a educação obriga considerar isto.
  3. 3. Organização do livroOrganização do livro  Parte 1: diagnóstico do contexto, diretrizes para explorar o contexto, propõe ferramentas para localizar práticas de ensinar e aprender com TIC  Parte 2: Planos de Ensino  Parte 3: reflexões sobre as experiências Preocupação: lógica do “agir profissional”
  4. 4. Parte 1Parte 1 Práticas de ensinar e aprender nasPráticas de ensinar e aprender nas organizaçõesorganizações Educar e qualificar: necessidades fundamentais Baseia-se em documento publicado pelo Banco Mundial acerca dos 04 pilares que fundamentam a economia do conhecimento: - Regime de incentivos econômicos e institucionais - Infraestrutura de informação e comunicação - Sistema de inovação - Educação e Qualificação  
  5. 5. Indicadores de qualificação e educação do Banco Mundial  Taxa de alfabetização de adultos  Taxas de matrículas no ensino médio e superior  Integrar todas as dimensões integração com os 04 pilares cria círculo virtuoso são circunstâncias presentes no processo educativo
  6. 6. Novas práticas deNovas práticas de navegaçãonavegação  Faz paralelo com as práticas de navegação criadas pela  Escola de Sagres   Práticas de navegação são mais que rotinas: são  circunstâncias presentes e vitais para negociar com o mundo  Estamos navegando em infinitos espaços: ciberespaço,  Internet, ambiente virtual  É preciso criar estratégias, processos e recursos: base de  dados, informações, comunicação e interação, construção de  conteúdos.
  7. 7.  Ensinar e aprender com as TIC exige recursos apropriados.  Por isso criaram um navegador: - Utilização de base de dados e informação =  interação com as TIC = estratégias para ensinar  e aprender - Comunicação e interação = interação com as  TIC = estratégias para ensinar e aprender - Construção de Conteúdo = interação com as  TIC = estratégias para ensinar e aprender.
  8. 8. Navegando em práticas  essenciais -recursos: livros e bibliotecas = ao escrever um livro,  produzimos informação; ao depositar o TCC,  depositamos informação - acessar um livro: a ênfase está no processo de  aprender
  9. 9. Práticas de informação e o processo de ensinar Recursos: quadros, retroprojetores, imagens, computadores e datashow  
  10. 10.  Práticas de Comunicação e o processo dePráticas de Comunicação e o processo de aprenderaprender = Dinâmicas de grupo, importantes para integração de conhecimentos (regras, diretrizes, rotinas)  Práticas de Comunicação e o processo de ensinarPráticas de Comunicação e o processo de ensinar = laboratórios de informática, jogos e simuladores  Práticas de Comunicação e interaçãoPráticas de Comunicação e interação = correios eletrônicos, blogs, salas de bate-papo, fóruns, listas de discussão, videoconferências, etc.  Dá instruções técnicas sobre spams, organização da caixa de entrada de correios eletrônicos
  11. 11. • Práticas de Construção de ConteúdosPráticas de Construção de Conteúdos = explorar documentos, slides, planilhas eletrônicas, construção colaborativa e enciclopédias. prática relacionada ao processo de ensinar com informação e comunicação
  12. 12. Capítulo 2: Mudança organizacional e o agir de professores e alunos Conceito de “visão do conhecimento” (Von Krough): desafio para os gestores da economia do conhecimento = o que as organizações precisam saber sobre o futuro. Implicação: conhecimento como valor econômico.
  13. 13. Competências para a mudança organizacional, com base na teoria do agir organizacional aplicou-se a alunos e professores valor do conhecimento como premissa do projeto: atividade de formação: Na lógica do “agir” todos projetam e agem trabalha com o conceito de “conhecimento comum” (Grant): * Eficiência - é maximizada quando não se precisa ensinar algo a outro e uma interação que permite compartilhamento de conhecimentos complexos.
  14. 14. Tipos diferentes de conhecimentos desempenham papéis diferentes na integração de conhecimentos Linguagem comum é fundamental quando a integração se realiza por meio de regras e diretivas, pela resolução de problemas e tomada de decisões = coordenação de conhecimentos outras formas de comunicação simbólica: familiaridade, conhecimento e destreza no uso de programas computacionais
  15. 15. •Aspectos comuns de conhecimento especializado: considera um paradoxo – benefício da interação de conhecimentos está em articular os diferentes conhecimentos especializados. •Construção de significados compartilhados: a convivência entre alunos e professores e o compartilhamento de esquemas de cognição, uso de metáforas etc, atribuir sentidos a ensinamentos. •Reconhecimento de domínios individuais de conhecimento: compreensão compartilhada favorece o agir compartilhado – ex: jogo de futebol.
  16. 16. Mediadores de conflitos e ativistas do conhecimento: importante na integração de conhecimentos (bullying, conflito entre professores e alunos). Habilidade de resolver é tão necessária como a aprendizagem de qualquer componente curricular * Resolução de conflitos requer de qualquer organização: - cooperação - comunicação - respeito e aceitação da diferença - expressão positiva das emoções - resolução de conflitos
  17. 17. Teoria do Agir Profissional (Von Krogh): professores e alunos devem projetar e agir, promover e integrar novos ativistas do conhecimentos. Ativistas do conhecimento: responsáveis pela promoção da cultura, da linguagem, de valores e de espaços educativos.
  18. 18. para que a cultura do conhecimento se dissemine é importante que os objetivos do ativismo sejam claros: -deflagrar e concentrar a criação do conhecimento -reduzir custos e prazos necessários à criação do conhecimento -promover iniciativas de criação de conhecimento -melhorar as condições dos participantes -preparar os participantes para novas tarefas -incluir iniciativas de microcomunidades
  19. 19. Capítulo 3 – Navegando por programas educacionais, sistemas e organizações criar uma rota de navegação: declaração de intenção e projetos projetando programas educacionais: desempenho dos alunos, conteúdo e categoria em que se enquadra (curso, estudo de caso, etc)
  20. 20. Categorias de programas educacionais Núcleo Programas educacionais estruturados Programas educacionais Palestras Cursos Fóruns Jogos Eventos visitas
  21. 21. Núcleo Programas educacionais de intercâmbio Programas educacionais Banco de ideias Chat Encontros e-learning comunidades de prática e fóruns Grupos oficinas
  22. 22. Núcleo Programas educacionais de autodesenvolvimento Programas Educacionais Bibliotecas virtuais E-learning cursos Estudos de caso TV
  23. 23. Parte 2 Práticas de ensinar e aprender: casos e experimentos 1ª utilização de base de dados e informações 2ª comunicação e interação 3ª Construção de conteúdos
  24. 24. Capítulo 04 – Utilização de base de dados e informações E-mails (correios eletrônicos) Ferramentas de busca (Google, por exemplo) “Localizar” Imagens, mapas e vídeos (Flickr, Google Maps, Youtube) Armazenamento em “nuvem” (www.mandamais.com.br) Dicionários e tradutores virtuais (http://michaelis.uol.com.br /moderno/ingles/index.php ou www.academia.org.br ) Bibliotecas virtuais (Domínio Público, Scielo, Universia, www.bvirtual.com.br)
  25. 25. Capítulo 5 Comunicação e Interação Correio eletrônico Mensagens instantâneas (MSN, Facebook, Orkut, ICQ) Chats (bate-papo) Grupos e Comunidades virtuais Fóruns de discussão Reuniões e videoconferências Redes de relacionamento Blogs TV pela internet (http://tvonlinemega.tv/, UNIVESPTV)
  26. 26. Internet Surgiu em 1969 – militar World Wide Web – 1991 (Brasil popularizada em 1995) Antes da Internet: BBS (Bulletin Board System): comunicação, via telefone, a uma aplicação que permitia compartilhar notícias, dados, arquivos, jogos on line) – filme “Jogos de Guerra”
  27. 27. Netqueta -Assunto: breve e objetivo - evite mensagens longas - evitar caixa alta - formalidade - evitar anexos grandes - cuidado no compartilhamento de mensagens e documentos comprometedores - português correto – sem abreviações
  28. 28. Mensagens instantâneas: MSN, Google Talk, Skipe, ICQ (1997), Chats, mIRC (1996/20000) Comunidades virtuais. Geocities (1996 - conceito adaptado do Yahoo). Yahoo! Grupos, Googles Grupos Reuniões e vídeoconferências: Skype, Windows Live Messenger Fóruns de Discussão Redes de relacionamento: Linkedin, MySpace. Maiores acessos: Canadá e Brasil. Orkut – Facebook Blogs
  29. 29. Teleconferências CuSeeMe
  30. 30. Capítulo 06 – Construção de conteúdos criar documentos eletrônicos: Word, OpenOffice Writer, GoogleDocs Planilhas eletrônicas: OpenOffice Calc, Excel Apresentações e slides Enciclopédias virtuais Conteúdos em hipertexto – formato digital e interconectado (forma e estrutura): páginas na Web
  31. 31. construção coletiva de conteúdos: Twiki – software de gestão de conteúdos em hipertexto, integrando páginas da web e vários documentos. enciclopédias virtuais: Wikipédia (2000)
  32. 32. Parte 3 – O processo de ação na prática Compartilhar conhecimentos, estratégias e ferramentas de ensino significa considerar os diferentes contextos (cultura, valores e linguagens) para ensinar e aprender. preocupação dos autores: traçar redes de conexões entre os fatores contextuais (estrutura) e ações/interações (processo) – Strauss e Corbin
  33. 33. os diferentes contextos se estabelecem a partir dos valores da educação, da informação e da comunicação. estes campos se estabelecem entre professores, alunos e agentes educativos no centro de processos de ação e decisão. organização é uma riqueza (Toro) que converte indivíduos em atores sociais e faz convergir interesses saberes, capacidades, atitudes e modos de ver não são transmitidos, mas compartilhados
  34. 34. Capítulo 07 – Explorando o ambiente educacional: desafios e oportunidades buscar a melhor forma de alinhar motivação dos alunos e agentes educacionais com os objetivos da aprendizagem. tecnologias cada vez mais disponíveis, alunos se apropriam delas e criam oportunidades ao professor – este é o desafio. um novo currículo por competências e habilidades. destaca que o processo de ensinar e aprender não se limita ao espaço da sala de aula. Desafio: transdisciplinaridade e as tecnologias da internet: ensinar e aprender deve considerar o desejo de ligar as partes ao todo – a base da web é transdisciplinar
  35. 35. Dimensões do ambiente educacional Não se limita à sala de aula: pode ser virtual, social, mental. * dimensão virtual: telefonia, TV, correspondência, rádio, Internet. * dimensão mental: quando processamos ideias fazemos relações e combinações: meditar, refletir. * dimensão física: estudo do meio, por exemplo * dimensão social: interações sociais
  36. 36. Construção de conteúdo Imagem de livro aberto = várias janelas abertas no computador e a busca da congruência entre elas. Estude a Netqueta: Twittequeta: saiba regras de boas maneiras na nova febre na Internet
  37. 37. Capítulo 08 – Aula Aberta ferramentas eletrônicas e baseadas na Internet permite compartilhamento são usadas por seus aspectos sociais e econômicos. quanto mais jovem a geração mais intensivo é o uso (diversão, aprendizagem formal/informal) – perfil multitarefa
  38. 38. programas educacionais com TIC: usa planos de ensino aula a aula – cabe ao professor avaliar e certificar o desempenho dos alunos e se uma dada tecnologia poderá ser usada na avaliação. produtividade no uso de tecnologias: produtividade é uma correlação entre resultado e os recursos utilizados para este fim (uso de e-mail para atender alunos, por exemplo)
  39. 39. Casos reais em programas educacionais integrando processos de ensinar e aprender nos diferentes quadrantes do navegador * Master Business Information System (MBIS) da PUCSP – programa lato sensu que integra áreas de negócios e tecnologia, criado em 1999. Possui cinco módulos: gestão, tecnologia, tecnologia e processo decisório, palestras, conferências e pesquisas e orientação à monografia.
  40. 40. Sistemas de Gestão de Aprendizagem ou Learning Manegement Systems (LMS) Aula Aberta – www.aulaaberta.com.br Moodle – www.moodle.org WebAula – www.webaula.com.br Soluções HP: www.hp.com/education TelEduc: www.teleduc.org.br
  41. 41. http://www.zunal.com/webquest.php?w=69623
  42. 42. TelEduc Estrutura do Ambiente Dinâmica do Curso Agenda Avaliações Atividades Material de Apoio Leituras Perguntas frequentes Enquetes Parada obrigatória Mural Fóruns de Discussão Bate-papo Correio Grupos Perfil Diário de Bordo Portfólio Acessos Busca
  43. 43. TelEduc – recursos para formadores Intermap Administração Suporte Atividades Autenticação de Acesso * TelEduc é um software livre. Pode-se redistribuí-lo ou modificá-lo sob os termos da GNU – General Public License versão 2, como publicada pela Free Software Foundation
  44. 44. Capítulo 09 – Inspirando novos conhecimentos Estratégias: garantir que a alocação de recursos e capacidades seja efetiva Ensinar e aprender transformam recursos e capacidades: para promover pensamento e ação para identificar a situação, estabelecer objetivos, identificar desafios, oportunidades e planejar ações Para elaborar mapas mentais, testamos e vamos aprimorando
  45. 45. Caminhos para obter resultados com a Web 2.0 (empresa de consultoria MCKinsey) transformação da cultura de baixo para cima precisa de ajuda a partir do topo. os melhores usos vêm de usuários que avançam se recebem apoio. o que já está em trabalho é o que é utilizado. além dos recursos, recorrer à autodeterminação e às necessidades dos participantes. a solução adequada vem dos participantes adequados. equilibrar ações de cima para baixo com a autogestão de risco
  46. 46. Modelo de Jantsch e Bianchetti
  47. 47. Perspectivas para representar e comunicar estratégias (dinâmica de atividades encadeadas de professores em suas organizações) perspectiva de avaliações perspectiva de processos e experiências perspectiva de aprendizagem e crescimento processos e experiências não são lineares, não seguem estratégias previamente estabelecidas – considerar que cooperação, competição e conflito sempre estão presentes e em conjunto (Ogburn e Nimkoff) programas educacionais são guias
  48. 48. ensinar e aprender a partir da sala de aula onde ocorrem as duas principais ações do professor: aulas e avaliações. – O registro no diário de classe relaciona-se a um programa educacional pré-estabelecido em um currículo. – Vários fatores estão envolvidos (didática, TICs...) – O que acontece na sala de aula impacta outros ambientes – Salas de aula variam como estratégias de ensino e os caminhos para atingir os objetivos pedagógicos – Programa Educação: Currículo, PUCSP, 2003, introduziu duas disciplinas à distância: baixo índice de desistência, autonomia discente, horizontalização da relação professor-aluno, interapredizagem, melhoria na qualidade das interações e das produções.
  49. 49. conhecimento não é cumulativo – é dinâmico desaprender é tão importante quanto aprender – novos percursos trazidos pelas TIC (Zygmunt Bauman) professor deve: conhecer o ambiente tecnológico atual e futuro, conhecer as tecnologias e suas finalidades, adaptar sconceitos e conteúdos às TICs, ensinar e aprender com as TICs, conviver e desenvolver identidades com os alunos, liderar para ensinar e aprender com as TICs

×