ÍNDICE
Apresentação ................................................................... 02
•	 Orientações Praticas ..........
Apresentação
Apresentação do Livreto Novena de Natal 2013
Olá, queridos amigos e amigas das Comunidades Eclesiais de Base,...
minha luz e que todos, estrelas, pedras,  árvores, animais e seres humanos,
formamos a grande Casa de Deus,
Se vocês olhar...
ORIENTAÇÕS PRÁTICAS
• Recomenda-se que a Novena de Natal seja realizada em família, em casas e não
no salão paroquial, cap...
ORAÇÃO INICIAL - 1º ao 8º dia da Novena
Dirigente: Iniciemos nosso encontro recordando o sinal do batismo.
Todos: Em nome ...
1º

Dia Novena

de Natal

“A comunidade prepara o caminho”

1. PREPARANDO O AMBIENTE: Preparar a mesa com toalha colorida,...
Leitor(a) 3: Quando chegava a véspera, todas as tarefas já estavam
cumpridas. Papai e os titios iam à cidade para fazer as...
9. A PALAVRA SE FAZ ORAÇÃO (PRECES).
Dirigente: Irmãos e irmãs, Deus enviou João Batista para preparar os
caminhos de Jesu...
2º

Dia Novena

de Natal

“Igreja - Comunidade em estado permanente de missão”

1. PREPARANDO O AMBIENTE: A Bíblia em dest...
4. OLHANDO A REALIDADE.
Leitor(a) 1: No antigo Israel, o clã, isto é, a família ampliada, a comunidade
era a base da convi...
7. PARTILHA DA PALAVRA E DA REALIDADE.
a - Comente: Na vida de Comunidade não podemos caminhar sozinhos.
b - Como consegui...
3º

Dia Novena

de Natal

“Igreja: Comunidade Acolhedora”

1. PREPARANDO O AMBIENTE: Preparar a mesa com a Bíblia, vela da...
estado. Então fiz tudo o que meu amor poderia fazer. Cuidei dela, a pus na
cama, e então vi um lindo sorriso em seu rosto....
7. PARTILHA DAPALAVRA E DA REALIDADE.
a - O coração de Maria foi um lugar acolhedor para a ação de Deus . Por quê?
b - O q...
4º

Dia Novena

de Natal

“Igreja: Comunidade de Comunidades”

1. PREPARANDO O AMBIENTE: Preparar a mesa com a Bíblia, vel...
fé nas palavras de Jesus! Outros achavam que não. Seria uma ofensa ao
pobre e um abuso à Palavra de Deus.
Leitor(a) 3: No ...
Todos: Os cristãos tinham tudo em comum dividiam seus bens com
alegria.
• Que nossas comunidades  não percam  a referência...
5º

Dia Novena

de Natal

“Igreja: Casa da Iniciação à Vida Cristã”

1. PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em destaque, vela ac...
novo modo de fazer catequese, que propicie a Iniciação à vida Cristã.
4. OLHANDO A REALIDADE.
Dirigente: Vamos conhecer ho...
7. PARTILHA DA PALAVRA E DA REALIDADE.
a - O que o olhando a realidade e a Bíblia tem a nos falar sobre a Igreja
como luga...
6º

Dia Novena

de Natal

“Comunidade Testemunha”

1. PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em destaque, vela acesa, símbolos
de N...
dos dons, o serviço generoso, tanto dentro quanto fora, são um exemplo que
deveria ser seguido por todas as demais Comunid...
mesmos, é preciso mudar de direção.
Canto de acolhida à Palavra.
Ler pausadamente Mateus 2, 1-12
(Breve silêncio para que ...
7º

Dia Novena

de Natal

“Comunidade: Lugar de Animação
Bíblica da Vida e da Pastoral”

1. PREPARANDO O AMBIENTE: Toalha ...
do CPC – (Conselho Pastoral da Comunidade) o convite para participar da
Escola de Teologia Paroquial. Gleici ficou content...
• Senhor, que saibamos anunciar o Senhor que vem pela palavra, e pelas
atitudes.
Todos: Vem, Senhor Jesus.
• Senhor, vem c...
8º

Dia Novena

de Natal

“Comunidade Comunhão”

1. PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em destaque, vela acesa, presépio,
símbo...
Palavra de Deus.
5. HINO: Anunciação - cantado ou rezado.
Tu vens, tu vens/ Eu já escuto teus sinais.
1. Na bruma leve das...
10. ORAÇÃO FINAL
Dirigente: Que o Deus que nos ama e nos quer bem, nos ilumine com o
advento do seu Filho, cuja vinda espe...
9º

Dia Novena

de Natal

“Comunidade, lugar em que se celebra a vida”

1. PREPARANDO O AMBIENTE.
Celebramos o nascimento ...
do Senhor que reacende em nós o desejo de ajustar nossos projetos ao
projeto de Deus. Como está nossa vida com Deus? E com...
para conosco e, assim, sejamos no mundo, instrumentos de vida e de
paz para todos. Por nosso Senhor Jesus cristo, vosso Fi...
cas
si
ú

M

33
SUGESTÃO DE CANTOS PARA
CELEBRAÇÕES NOS SETORES

C) ATO PENITENCIAL
PERDÃO POR TER PÃO QUE AO
POBRE FALTOU / FUI EU QUE CO...
G) PALAVRA É MEL
É como mel a Palavra Divina
É como mel / que sai da boca
Transformando a terra em pleno céu.

trabalho e ...
3- Hosana, vamos todos alegres
cantar / Que veio a força do alto /
Em missão pode nos enviar.

A VIDA DE QUEM TOMBOU
É FOR...
violão soe todo arpejo / Construindo a paz o amor enfim

3- Quando o povo está reunido,
exigindo os direitos que tem, vai
...
va que cai, / Que torna o solo fecundo e faz nascer a semente;
É água viva da fonte, que faz florir o
deserto. / É uma luz...
ça de amar sem medida / Que ninguém vá dormir sem pedir ou dar o
perdão /  Que as crianças aprendam
no colo o sentido da v...
passa de ganhar a graça para a conversão
2- Chegou a hora de viver o Cristo e
acreditar que isto é se tornar maior/
Chegou...
dades, / Com medo estendera mão
a ele. / Seu nome é Jesus Cristo e é
todo homem / Que vive neste mundo e quer viver / P’ra...
ro recomeçar! / Ensina-me a ser
irmão/ Dos pobres e oprimidos /
Confesso meu egoísmo: / Eu penso
demais em mim, / Teu sim ...
MÚSICAS PARA NOITE DE NATAL
Ó VEM A NÓS, EMANUEL
Refrão: Daí glória a Deus, louvai, povo fiel,
Virá em breve, o Emanuel
1-...
A MÚSICA QUE EMBALA NOSSA MÍSTICA
A partir dessa edição, iremos refletir sobre os Cantos das
Comunidades, analisando a let...
Somos um povo em Romaria, o que recorda a caminhada do Povo
de Deus no deserto. Esse período, na história do povo da Bíbli...
O Espaço Litúrgico
No Advento o espaço litúrgico deve contemplar uma ornamentação sóbria.
Símbolos
Alguns símbolos nos aju...
ma. Representam a natureza divina e a natureza humaCristo. “A divindade de Deus resplandece justamente
sua natureza humana...
Formação Diocesana das CEBs  - 15/09/2013
“Justiça e Profecia a Serviço da Vida”
CEBs, Romeiras do Reino no Campo e na Cid...
Novena de Natal 2013 - CEBs diocese de São José dos Campos - SP
Novena de Natal 2013 - CEBs diocese de São José dos Campos - SP
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Novena de Natal 2013 - CEBs diocese de São José dos Campos - SP

33,714 views

Published on

Novena de Natal 2013 - CEBs diocese de São José dos Campos - SP

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
33,714
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4,507
Actions
Shares
0
Downloads
123
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Novena de Natal 2013 - CEBs diocese de São José dos Campos - SP

  1. 1. ÍNDICE Apresentação ................................................................... 02 • Orientações Praticas .................................................... 04 Encontro nas Casas • 1º Encontro ................................................................. 06 • 2º Encontro ................................................................. 09 • 3º Encontro ................................................................. 12 • 4º Encontro ................................................................. 15 • 5º Encontro ................................................................. 18 • 6º Encontro ................................................................. 21 • 7º Encontro ................................................................. 24 • 8° Encontro ................................................................. 27 • 9° Encontro ................................................................. 30 • Músicas ....................................................................... 33 • Sugestão de canto para celebração nos setores .......... 34 • Cantos da Novena de Natal 2013 ................................ 37 • Músicas para Noite de Natal ....................................... 43 • A Música que embala nossa mística ............................ 44 • O espaço Litúrgico ...................................................... 46 1
  2. 2. Apresentação Apresentação do Livreto Novena de Natal 2013 Olá, queridos amigos e amigas das Comunidades Eclesiais de Base, povo de Deus, reunidos para celebrar a Vida! O Natal nos traz a certeza de que Deus quer estar plenamente conosco. Ele quer nos conduzir e quer que tenhamos atitudes semelhantes às suas. Que amemos sem medida e que cultivemos o Amor como manifestação direta dos sentimentos divinos, pela humanidade. Deus quer nascer todos os dias no coração da humanidade. Por isso, se revela como amor e, como Amor, ama sua criação, ama tanto que, neste Natal, quer fazer do coração dos homens a sua casa. Meus amigos, convido todos a olharmos para o Menino Deus, a abrir os olhos do coração e sentir com ele o coração da humanidade.Para todos os cristãos vale muito a figura do menino Jesus que está sobre as palhinhas sendo aquecido pelo bafo do boi e do jumento. Disseram-me que ele, misteriosamente através de um dos anjos que cantaram nos campos de Belém, enviou a todas as crianças do mundo um cartãozinho de Natal no qual dizia: Queridos irmãozinhos e irmãzinhas: Se vocês, olhando o presépio e me virem aí, sabendo pelo coração que sou o Deus-criança que não veio para julgar, mas para estar, alegre, com todos vocês, Se vocês conseguirem ver nos outros meninos e meninas, especialmente nos mais pobrezinhos, a minha presença neles, Se vocês conseguirem fazer renascer a criança escondida nos seus pais e nos adultos, para que surja nelas o amor a ternura, Se vocês, ao olharem para o presépio, perceberem que estou quase nuzinho e lembrarem-se de tantas crianças igualmente pobres e mal vestidas e sofrerem no fundo do coração por esta situação desumana e desejarem que ela mude de fato, Se vocês, ao verem a vaca, o boi, as ovelhas, os cabritos, os cães, os camelos e o elefante, pensarem que o universo inteiro recebe meu amor e 2
  3. 3. minha luz e que todos, estrelas, pedras, árvores, animais e seres humanos, formamos a grande Casa de Deus, Se vocês olharem para o alto e virem a estrela com sua cauda e recordarem que sempre há uma estrela sobre vocês, acompanhando-os, iluminando-os, mostrando-lhes os melhores caminhos, Então saibam que eu estou chegando de novo e renovando o Natal. Estarei sempre perto de vocês, caminhando com vocês, chorando com vocês e brincando com vocês até aquele dia que só Deus sabe quando estaremos todos juntos na Casa de nosso Pai e de nossa Mãe de bondade para vivermos bem felizes para sempre. Belém, 25 de dezembro do ano 1. Assinado: Menino Jesus Portanto, deixemos que o Menino cresça em nossa casa, em nossa família, em nosso trabalho; que Ele nos ensine, cada dia, a sermos cristãos e fazer a experiência do verdadeiro Amor, restaurando nossas relações, com o Deus - Pai e com o próximo, nosso irmão em Cristo, para que seja realmente presente em nossas vidas a importância de sermos filhos amados por Deus. Um abraço e minha bênção a todo o povo de Deus que faz parte das Comunidades Eclesiais de Base! Pe. Fabiano Kleber Cavalcante do Amaral Assessor Diocesano das Cebs 3
  4. 4. ORIENTAÇÕS PRÁTICAS • Recomenda-se que a Novena de Natal seja realizada em família, em casas e não no salão paroquial, capela ou igreja matriz. • É necessário que nas comunidades, sobretudo nas maiores, sejam formados vários grupos para a realização da novena (para essa divisão dos grupos, contamos com o apoio dos coordenadores de cada comunidade). • A Bíblia é indispensável, deve estar presente em todos os encontros, em lugar de destaque; motivar os participantes para levarem a Bíblia. • Preparar o símbolo da novena, que irá acompanhar todos os dias. Nesta novena é uma caixinha e papel recortado em formato de folhas para as pessoas escreverem as intenções. • Sugerimos que cada rua, cada setor, confeccione de acordo com sua criatividade, uma Coroa da Novena de Natal, contendo nove velas que serão acesas ao longo da novena; pode ser construída com ramos verdes e enfeites. • Lembremo-nos da vela que deverá ser acesa no momento da Oração Inicial, que poderá ser decorada de acordo com a criatividade dos participantes. • Algo importante a ser observado é a pontualidade. O encontro não deve ser realizado de modo muito rápido, nem muito demorado. • Estudar e preparar antes os encontros. • Escolher com antecedência os leitores e leitoras. • Marcar com antecedência a casa das famílias que serão visitadas durante a novena. • É importante ir ao encontro daquelas famílias que estão afastadas da comunidade ou que estão precisando de uma visita da comunidade. • Fazer a apresentação das pessoas que estão participando pela primeira vez, de modo carinhoso. •Os avisos devem ser breves; somente o essencial: a próxima casa, gesto concreto, a celebração de encerramento, etc. • Conversar e combinar no início da novena, como será a Celebração de Encerramento, de preferência envolvendo as diversas comunidades. • Combinar desde o inicio qual será o gesto concreto do grupo e o paroquial. • A novena que apresentamos é apenas um roteiro, que pode e deve ser enriquecido com a criatividade e a realidade da comunidade. • Deixar a imagem do Menino Jesus para a Festa do Natal. Do 1º ao 8º dia da novena estaremos vivendo a espera 4
  5. 5. ORAÇÃO INICIAL - 1º ao 8º dia da Novena Dirigente: Iniciemos nosso encontro recordando o sinal do batismo. Todos: Em nome do e do Filho e do Espírito Santo. Amém! Dirigente: A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam sempre conosco! Todos: Bendito seja Deus, porque ilumina as nossas vidas com a luz de Jesus Cristo, seu Filho, a quem esperamos com toda a ternura do coração. Amém! CANTO DE ABERTURA. - Vem, ó Deus da vida, vem nos ajudar! (bis) Vem, não demores mais, vem nos libertar!(bis) - Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito! (bis) Glória a Trindade Santa, glória ao Deus Bendito! (bis) - De pé, vigilantes, lâmpadas nas mãos! (bis) Ele já está bem perto, nossa Salvação! (bis) - Aleluia, irmãs, aleluia irmãos! (bis) Nosso Senhor vem vindo, a Deus louvação! (bis) Leitor(a) 1: Deus de amor e de ternura, Senhor da vida e da história, nós te louvamos e bendizemos, porque nos amaste desde toda a eternidade e nos chamaste para fazer parte do teu povo escolhido. Pelo batismo, nos convidaste a ser membros da Igreja, com a bonita missão de fazer acontecer o Reino de Justiça e de Paz. Agradecemos por teu Projeto de Salvação, revelado a nós em Jesus Cristo. Leitor(a) 2: Neste tempo do Natal, fortalecidos pela oração, queremos nos dedicar ao serviço, ao diálogo e ao anúncio, fermentando nossos ambientes com a Palavra e o testemunho, promovendo a vida e a dignidade, com a certeza de que estarás conosco, todos os dias e em todas as circunstâncias, com a força do Espírito Santo, e de que nunca nos faltará a proteção terna de Maria. Assim seja. CANTO: Nossa novena será abençoada, pois o Senhor vai derramar o seu amor. Derrama, ó Senhor, derrama ó Senhor. Derrama sobre nós o teu amor. 5
  6. 6. 1º Dia Novena de Natal “A comunidade prepara o caminho” 1. PREPARANDO O AMBIENTE: Preparar a mesa com toalha colorida, bíblia em destaque. Valorizar os símbolos da casa onde será realizado o encontro. Vela ornamentada que deverá acompanhar os encontros. Uma caixa ornamentada e papéis cortados para as intenções e pedidos. Caneta. 2. ORAÇÃO INICIAL (página 5). 3. MOTIVAÇÃO. Dirigente: Queridos irmãos e irmãs, é com muita alegria que estamos reunidos nesta casa para dar início à Novena de Natal. Vamos vivenciar com muito amor e ardor este tempo do “Advento”, tempo de espera da chegada de Jesus. Vamos reacender a chama da “Esperança” e como João Batista preparar os caminhos da nossa comunidade para acolher Jesus. Leitor(a) 1: Na época de Jesus a religião oficial insistia no espaço sagrado do “templo” e, nas coisas ligadas ao culto, Jesus recupera a dimensão caseira da fé. Leitor(a) 2: O ambiente da “casa” exerce um papel central na vida e na atividade de Jesus. Até a idade de 30 anos, Jesus viveu com seus pais em Nazaré. Ao completar a maioridade foi para Cafarnaum e lá formou uma nova comunidade. Leitor(a) 3: Andando à beira do mar da Galiléia, viu Simão, chamado Pedro, e seu irmão André e os chamou. Mais adiante avistou Tiago e João, filhos de Zebedeu,,e também os chamou. Eles deixaram imediatamente o que estavam fazendo e seguiram Jesus. 4. OLHANDO A REALIDADE. Leitor(a) 1: Quando éramos crianças, vivíamos contando os dias para a chegada do Natal. Isto porque o Natal era dia de festa, de muitos doces, mesa farta, muita alegria. Como toda criança, sonhávamos com esse dia. Éramos pobres e não podíamos fazer festa durante o ano, mas o dia do Natal era Sagrado. Leitor(a) 2: As pequenas economias durante o ano eram reservadas para este dia. No início de dezembro já começávamos a preparação para o Natal. Todos eram envolvidos na tarefa de preparar a chegada do Menino Jesus. 6
  7. 7. Leitor(a) 3: Quando chegava a véspera, todas as tarefas já estavam cumpridas. Papai e os titios iam à cidade para fazer as compras do Natal. Mamãe, vovó e titias ficavam em casa preparando as comidas e os doces. E as crianças? O que faziam na véspera? Cada uma ia procurar um sapato para colocar atrás da porta durante a noite, pois acreditávamos que enquanto dormíamos o menino Jesus passava e deixava um presente para cada um. Leitor(a) 4: Como, naquele tempo, quase sempre andávamos descalços, era natural que não houvesse sapato para todos. Aí era aquela correria para a casa dos vizinhos e pedir um sapato emprestado. No dia do Natal, quem acordasse primeiro, chamava os outros. E era aquela meninada correndo pela casa afora, em direção às portas. Cada um encontrava o seu presente. Como morávamos longe da igreja, vovó nos reunia diante do presépio para rezar o terço e agradecer ao Menino Jesus.Para nós, começava o dia mais feliz do ano. 5. HINO: Agora é tempo - cantado ou rezado. Agora é tempo de ser Igreja / caminhar juntos participar. 1- Somos povo escolhido e na fronte assinado / com o nome do Senhor que caminha ao nosso lado. 2- Somos povo em missão já é tempo de partir / È o Senhor quem nos envia em seu nome a servir. 3- Somos povo esperança vamos juntos planejar / Ser Igreja a serviço e a fé testemunhar. 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS. Dirigente: João Batista convida todos à mudança radical de vida, porque a nova história vai transformar pela raiz as relações entre os homens. Canto de acolhida à Palavra. Ler pausadamente: Lucas 3,1 - 14 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 7. PARTILHA DA PALAVRA E DA REALIDADE. a - O que entendemos por “preparar os caminhos do Senhor” e o que temos feito para que isso aconteça em nossa comunidade? b - Pedro, André, Tiago e João deixaram tudo e seguiram Jesus, o que ainda nos impede de seguir Jesus? c - Diante de uma sociedade marcada pelo consumismo, o que podemos fazer para resgatar o verdadeiro sentido do Natal? 8. GESTO CONCRETO. Dirigente: Reforçar o gesto adotado pela paróquia e convidar mais pessoas para o segundo dia da novena. 7
  8. 8. 9. A PALAVRA SE FAZ ORAÇÃO (PRECES). Dirigente: Irmãos e irmãs, Deus enviou João Batista para preparar os caminhos de Jesus. Hoje somos convidados a motivar as famílias que estão desanimadas a participar da Novena e se preparar para a chegada de Jesus dizendo: Todos: Vem, ó Senhor Jesus, libertar nosso coração. • Com Maria que te deu a luz e com José, seu esposo, nós te pedimos, renova a esperança nas famílias que se encontram desanimadas e desorientadas. • Com os anjos que anunciavam o teu nascimento e com os pastores que foram depressa procurar-te em Belém, nós te pedimos, abre nosso coração, para que sejamos capazes de nos reconciliar contigo e com os irmãos. • Com as crianças inocentes que foram martirizadas por Herodes, nos te pedimos a conversão para aqueles que promovem a morte. Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO FINAL Dirigente: Que o Deus que nos ama e nos quer bem, nos ilumine com o advento do seu Filho, cuja vinda esperamos, derrame suas bênçãos sobre nós, nossas famílias e que nos ajude a reconhecer seu Filho Jesus, no rosto de nossos irmãos e irmãs e todas as crianças, muitas delas sem uma família. Todos: Querido Menino Jesus, vinde dar vida em plenitude para cada um de nós. Dirigente: Favorecei, Senhor Jesus, os vossos filhos e filhas que pedem humildemente a vossa bênção. Sede, Senhor, um refúgio para os que aqui residem, companheiro dos que saem, hóspede com aqueles que entram. Todos: Que a paz de Cristo reine em nossos corações e que a Palavra de Cristo habite em nós, para que tudo o que fizermos em palavras e obras, o façamos em nome do Senhor. Amém! Abençoe-nos, Deus todo poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém. CANTO FINAL. 8
  9. 9. 2º Dia Novena de Natal “Igreja - Comunidade em estado permanente de missão” 1. PREPARANDO O AMBIENTE: A Bíblia em destaque, vela ornamentada com símbolos do Natal, a caixa e papéis cortados para as intenções. Valorizar os símbolos do Natal existentes na casa. 2. ORAÇÃO INICIAL (página 5). 3. MOTIVAÇÃO. Dirigente: Sejam todos e todas bem-vindos! É com muito carinho que acolhemos a todos e todas, principalmente os que estão vindo hoje pela primeira vez. Na alegria de estarmos unidos, vamos juntos, nos preparar para acolher o Menino Jesus que nascerá no meio de nossas famílias. Leitor(a) 1: No corre-corre do cotidiano nós nos esquecemos de parar e refletir sobre as coisas que estão à nossa volta. Deixamos de observar o colorido das flores, o cantar dos pássaros, o sorriso das crianças, as pessoas que nos rodeiam. O Advento é tempo propício para fazermos uma parada e refletirmos sobre os nossos projetos e sonhos. É neste espírito de retomada dos projetos, ou seja, das energias, das motivações que refletiremos: “ O que é Comunidade? O que é ser Igreja nas Bases?” Leitor(a) 2: A origem da palavra “Comunidade” vem do Latim, “múnus”, que quer dizer “dom”, presente; e de “cum”, que quer dizer “juntos”, “com”. Portanto, dons juntos. Ao olharmos para a palavra já percebemos o valor que ela possui. Leitor(a) 3: A primeira Comunidade com quem temos contato é a família, onde nos unimos pelos laços sanguíneos e afetivos. A família é o berço onde construímos nossos relacionamentos. Se possuirmos uma família bem estruturada, isso contribuirá significativamente para que possamos também ter uma vida estruturada. Por isso, devemos nos esforçar para oferecer às nossas crianças um ambiente favorável para seu desenvolvimento físico, psíquico e espiritual. Leitor(a) 4: Para os cristãos, a comunidade é o lugar da vivência comum de nossa fé; é o lugar do serviço; da partilha dos dons; da escuta da Palavra de Deus. O próprio Cristo nos recomenda a união, pois “onde dois ou mais estiverem reunidos no meu nome, eu estarei no meio deles” (Mt 18,20). 9
  10. 10. 4. OLHANDO A REALIDADE. Leitor(a) 1: No antigo Israel, o clã, isto é, a família ampliada, a comunidade era a base da convivência social. Garantia à posse da terra, a proteção, a defesa, os relacionamentos, as tradições que davam identidade a uma pessoa. Era a maneira concreta de o povo daquela época encarnar o amor a Deus e ao próximo. Defender o clã era o mesmo que defender a Aliança entre Deus e o povo. Leitor(a) 2: Na época de Jesus, devido à política dos romanos e ao sistema da religião oficial, a vida comunitária estava sendo desintegrada. Mais da metade do orçamento familiar ia para os impostos, taxas, tributos, dízimos. Tais políticas excedentes geravam doentes, famintos, marginalizados, viúvas, órfãos, pobres, situação que levava as famílias a se fecharem em si mesmas, sem exercer o dever comunitário. Leitor(a) 3: A própria família de Jesus queria impedir que Ele se preocupasse com os outros, queria levá-lo de volta para Nazaré. Jesus reage: “Quem é minha mãe e meus irmãos? É todo aquele que faz a vontade do Pai que está nos céus”(Mt 12,48-50). Jesus alarga a família, reconstrói o clã, a comunidade. Evita que as famílias se fechem sobre si mesmas e assim desintegrem a vida do clã, da Comunidade. Leitor(a) 4: Jesus, sua mãe e todos os discípulos participam da festa de casamento em Caná da Galileia. Aceita convites para almoçar e jantar nas casas do povo: de Simão o leproso, de Simão o fariseu, de Marta e Maria... Jesus envia os discípulos e discípulas para reconstruir o clã nas aldeias da Galileia, nas quatro bases da vida comunitária: hospitalidade, partilha, comunhão de mesa e acolhida aos excluídos. 5. HINO: Eu sou feliz é na Comunidade – cantado ou rezado. Eu sou feliz é na comunidade! Na comunidade eu sou feliz. 1. A nossa comunidade se reúne todo o dia / E a nossa comunidade se transforma em alegria. 2. Nós cantamos um bendito, depois um pelo sinal / Uma lê o Evangelho e todos vamos comentar. 3. Os pobres fizeram um plano; isto eles querem ganhar / Lutar pelos seus direitos para vida melhorar. 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS. Dirigente: O aspecto central da vida cristã é a unidade. Com efeito, a ação de Deus em Jesus Cristo unifica toda a realidade. Os cristãos devem ser exemplo vivo dessa unidade, que supera as divisões humanas. Canto de acolhida à Palavra. Ler pausadamente Efésios 4,1-6. (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente). 10
  11. 11. 7. PARTILHA DA PALAVRA E DA REALIDADE. a - Comente: Na vida de Comunidade não podemos caminhar sozinhos. b - Como conseguir a unidade na diversidade? c - Reler o versículo 3 e comentar. 8. GESTO CONCRETO. Dirigente: Convidar o vizinho mais próximo, que ainda não participa da Comunidade, a participar.(Recordar o gesto da novena). 9. A PALAVRA SE FAZ ORAÇÃO (Preces). Dirigente: Senhor, vós que enviastes os discípulos e discípulas para reconstruir o Clã nas aldeias da Galileia, ajudai-nos a renovar nossas comunidades, pelo acolhimento e respeito à diversidade de dons, vos clamamos: Todos: Vinde, Senhor, com vosso amor! • Para que sejamos acolhedores para todos, sem distinção, como foi Maria e José, e nos ensineis a exercitar a lição do perdão, para permanecermos em paz convosco e com todos, clamamos: • Para que nossas Comunidades amem muito a Deus e aos irmãos, principalmente os mais necessitados, os doentes, desempregados, sofredores e sejam amparados por Jesus e pela caridade fraterna, clamamos: • Para que Deus ilumine nossas famílias a fim de que sejam verdadeiras Comunidades centradas no amor e no respeito, clamamos: Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO FINAL Dirigente: Que o Deus que nos ama e nos quer bem, nos ilumine com o advento do seu Filho, cuja vinda esperamos, derrame suas bênçãos sobre nós, nossas famílias e que nos ajude a reconhecer seu Filho Jesus, no rosto de nossos irmãos e irmãs e todas as crianças, muitas delas sem uma família. Todos: Querido Menino Jesus, vinde dar vida em plenitude para cada um de nós. Dirigente: Favorecei, Senhor Jesus, os vossos filhos e filhas que pedem humildemente a vossa bênção. Sede, Senhor, um refúgio para os que aqui residem, companheiro dos que saem, hóspede com aqueles que entram. Todos: Que a paz de Cristo reine em nossos corações e que a Palavra de Cristo habite em nós, para que tudo o que fizermos em palavras e obras, o façamos em nome do Senhor. Amém! Abençoe-nos, Deus todo poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém. CANTO FINAL. 11
  12. 12. 3º Dia Novena de Natal “Igreja: Comunidade Acolhedora” 1. PREPARANDO O AMBIENTE: Preparar a mesa com a Bíblia, vela da novena, flores e fotos da comunidade acolhendo e símbolos natalinos. 2. ORAÇÃO INICIAL (página 5). 3. MOTIVAÇÃO. Dirigente: Todos fomos queridos e acolhidos no coração amoroso do Criador. Ele nos quis e por isso nos criou. Ele nos acolheu e por isso nos salvou. O primeiro ato da acolhida é de Deus, porque nos ama. O segundo ato de acolhida é do homem que se abre para a graça do ato do Criador e Salvador, de Deus em sua vida. Leitor(a) 1: A Virgem Maria era tão humilde, que o elogio do Anjo a deixou perturbada. Mas o mensageiro de Deus apressou-se a tranquilizá-la: “Não tenhas medo, pois achaste graça diante de Deus”(Lc 1,30). Leitor(a) 2: O filho que irás conceber será chamado Jesus. Ao anúncio do Anjo, Maria respondeu dizendo: “Eis aqui a escrava do Senhorfaça-se em mim, segundo a tua palavra”(Lc 1,38). Leitor(a) 3: Com o “sim”, Maria acolhe e autoriza o plano divino em sua vida que irá trazer ao mundo o grande presente de Deus, que é a sua Palavra encarnada. Leitor(a) 4: O povo deve se sentir bem na Igreja e no atendimento pastoral. O Papa João Paulo II já dizia sobre o acolhimento: A Igreja é a casa do Pai. O vínculo maior de união dos seus membros é o amor, o amor de Deus que se desdobra no amor ao próximo. Foi precisamente este amor fraternal que deu enorme capacidade evangelizadora às Comunidades primitivas da Igreja através de seu testemunho de vida em comum. 4. OLHANDO A REALIDADE. Dirigente: Madre Tereza partilha algumas de suas muitas experiências que teve ao cuidar com amor dos milhares de marginalizados da Índia. Leitor(a) 1: Uma noite, saímos às ruas e recolhemos quatro pessoas. Uma delas, no entanto, estava num estado terrível. Eu disse às irmãs que cuidassem das outras pessoas, que eu me encarregaria de cuidar da que estava no pior 12
  13. 13. estado. Então fiz tudo o que meu amor poderia fazer. Cuidei dela, a pus na cama, e então vi um lindo sorriso em seu rosto. Ela apenas pegou em minha mão e com um sorriso no rosto disse-me: Muito obrigado” e morreu. Leitor(a) 2: Não pude deixar, então, de examinar minha consciência diante dela. Foi então que perguntei: O que teria feito eu em seu lugar? E minha resposta foi muito mais simples : Eu teria tentado atrair um pouco de atenção a mim mesma. Eu teria dito: “ Eu estou faminta, estou morrendo, estou com frio” ou algo parecido. Mas, ela me deu muito mais, me deu seu amor incondicional, e faleceu com um grande sorriso no rosto. Leitor(a) 3: Houve outro caso, de um homem que recolhemos, com vermes por todo corpo, o qual após termos trazido ao Lar, nos disse: “ Tenho vivido como animal nas ruas, mas vou morrer como um anjo, tratado e cuidado. Após termos retirado todos os vermes de seu corpo, tudo o que nos disse com um grande sorriso foi: “Irmã, estou voltando para casa, para Deus” e morreu. Foi tão belo este momento, ver a grandeza daquele homem, que pôde falar aquilo sem culpar ninguém, sem comparar com nada, verdadeiramente um anjo. Esta grandeza das pessoas ricas de espírito mas pobre materialmente.” 5. HINO: Das alturas orvalhem os céus - cantado ou rezado. Das alturas orvalhem os céus, / E as nuvens que chovam justiça, Que a terra se abra ao amor / E germine o Deus Salvador (bis). 1. Foste amigo, antigamente, / Desta terra que amaste, Deste povo que escolheste; / Sua sorte melhoraste, Perdoaste seus pecados, / Tua ira acalmaste. 2. Escutemos suas palavras, / É de paz que vai falar; Paz ao povo, a seus fiéis, / A quem dele se achegar. Está perto a salvação / E a glória vai voltar. 3. Eis: amor, Fidelidade / Vão unidos se encontrar; Bem assim, Justiça e Paz / Vão beijar-se e se abraçar. Vai brotar Fidelidade / E Justiça se mostrar. 4. E virão os benefícios / Do Senhor a abençoar; E os frutos do amor / Desta terra vão brotar. A Justiça diante dele / E a Paz o seguirá. 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS. Dirigente: Pela oração alimentamos a vida de Deus em nós; através dela elevamos nossos corações a Deus para com um olhar divino nos aproximarmos dos irmãos e irmãs. Canto de acolhida à Palavra. Ler pausadamente: Lucas 1,26-38 (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente) 13
  14. 14. 7. PARTILHA DAPALAVRA E DA REALIDADE. a - O coração de Maria foi um lugar acolhedor para a ação de Deus . Por quê? b - O que a vida de Madre Tereza nos ensina ? c - O que devemos fazer para tornar nossas Comunidades mais acolhedoras? 8. GESTO CONCRETO. Dirigente: Convidar moradores novos a participar da comunidade. Acolher sempre com um sorriso, “um bom dia ou boa noite” porque acolher o outro é também acolher o próprio Cristo. (Trabalhar o gesto concretoparoquial). 9. A PALAVRA SE FAZ ORAÇÃO (Preces). Dirigente: Irmãos e irmãs, iluminados pela Palavra do Evangelho, imitemos os gestos de Maria que atendeu prontamente ao plano de Deus, colocandose à disposição para que o Projeto do Reino pudesse acontecer entre nós. Rezemos: Todos: Que a terra se abra ao amor e germine o Deus Salvador. • Senhor, motiva-nos para nos fazermos próximos daqueles que mais precisam. Rezemos: • Que nossas famílias superem todas as dificuldades para a boa convivência através do diálogo. Rezemos: • Que nossas comunidades estendam os braços, abram o coração e o sorriso para estabelecer novas formas de convivência fraterna. Rezemos: Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO FINAL Dirigente: Que o Deus que nos ama e nos quer bem, nos ilumine com o advento do seu Filho, cuja vinda esperamos, derrame suas bênçãos sobre nós, nossas famílias e que nos ajude a reconhecer seu Filho Jesus, no rosto de nossos irmãos e irmãs e todas as crianças, muitas delas sem uma família. Todos: Querido Menino Jesus, vinde dar vida em plenitude para cada um de nós. Dirigente: Favorecei, Senhor Jesus, os vossos filhos e filhas que pedem humildemente a vossa bênção. Sede, Senhor, um refúgio para os que aqui residem, companheiro dos que saem, hóspede com aqueles que entram. Todos: Que a paz de Cristo reine em nossos corações e que a Palavra de Cristo habite em nós, para que tudo o que fizermos em palavras e obras, o façamos em nome do Senhor. Amém! Abençoe-nos, Deus todo poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém. CANTO FINAL. 14
  15. 15. 4º Dia Novena de Natal “Igreja: Comunidade de Comunidades” 1. PREPARANDO O AMBIENTE: Preparar a mesa com a Bíblia, vela da novena, flores e cartolina com desenho de uma Igreja e suas comunidades ou uma maquete. 2. ORAÇÃO INICIAL (página 5). 3. MOTIVAÇÃO. Dirigente: Sabemos que, após a anunciação do anjo, Maria pôs-se apressadamente a caminho para a região montanhosa, uma periferia, dirigindo-se a uma cidade de Judá. Entrou na casa de Zacarias e saudou Isabel; ambos possuíam idade avançada. Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança estremeceu em seu ventre e Isabel ficou repleta do Espírito Santo. Também sabemos que Maria permaneceu com Isabel mais ou menos três meses auxiliando nos afazeres domésticos e depois voltou para casa. (Lc 1,39-45). Leitor(a) 1: A Igreja, em sua totalidade, indica caminhos de solidariedade, cidadania, justiça e defesa da vida. As pastorais sociais se destacam na atualidade pela sua dedicação e empenho em defesa da vida e da dignidade dos pequenos, além de anunciar a justiça do Reino. Todos: As pastorais sociais são um testemunho de partilha e serviço em meio a este mundo marcado pelo egoísmo e consumismo. 4. OLHANDO A REALIDADE Dirigente: A comunidade que nasce ao redor de Jesus é um ensaio do Reino. Toda nova experiência de Deus, quando verdadeira, traz mudanças profundas na convivência humana. Leitor(a) 1: Uma comunidade estava reunida fazendo a reflexão do Evangelho segundo Mateus 6,31-33 . Depois da leitura, um componente do grupo de nome Romero perguntou: Quero saber o seguinte: Imagine, um pobre chega à minha casa, está desempregado, a mulher dele está doente e não tem agasalho nem comida para os quatro filhos. Eu posso dizer para ele: “ Meu irmão, não se preocupe, Jesus falou que Deus vai cuidar disso. Deus vai arrumar comida e roupa para você e sua família?” Leitor(a) 2: A pergunta de Romero provocou muita discussão. Uns diziam: Sim, não só pode, mas deve dizer isso para o pobre, pois temos que ter 15
  16. 16. fé nas palavras de Jesus! Outros achavam que não. Seria uma ofensa ao pobre e um abuso à Palavra de Deus. Leitor(a) 3: No fim dona Marta disse: “Eu acho que a solução está naquela palavra final onde diz que devemos buscar não só o Reino. Mas o Reino e a sua justiça. Se a gente busca só o Reino sem a justiça, aí não podemos dizer aquilo ao pobre”. Romero perguntou: Então me explique em que consiste a justiça do Reino? O que Jesus quis dizer quando falou aquilo que cantamos tantas vezes? E pediu para todos cantarem: Todos: Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça / e tudo mais vos será acrescentado. Aleluia. Aleluia! 5. HINO: Os cristãos tinham tudo em comum – cantado ou rezado. Os cristãos tinham tudo em comum, dividiam seus bens com alegria. Deus espera que os dons de cada um se repartam com amor no dia a dia. 1- Deus criou este mundo para todos, quem tem mais é chamado a repartir com os outros o pão, a instrução, e o progresso: fazer o irmão sorrir. 2- Mas, acima de alguém que tem riquezas, está o homem que cresce em seu valor, e liberto, caminha para Deus, repartindo com todos o amor. 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS Dirigente: Preparemo-nos para ouvir a Palavra de Deus, palavras que vão ajudar a compreender melhor a nossa reflexão sobre esta Igreja que precisa ser “ servidora por excelência”. Canto de acolhida à Palavra. Ler pausadamente: João 13, 12-17. (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração e a mente). 7. PARTILHA DA PALAVRA E DA REALIDADE. a - Como podemos ligar Olhando a realidade e a Palavra de Deus em nossa vida?. b - Que serviços estamos sendo chamados a realizar em nossa comunidade? c - Desses serviços qual é a maior necessidade? 8. GESTO CONCRETO. Dirigente: O nosso compromisso: Visitar outras comunidades, casas de acolhida de idosos de crianças e outras instituições. Saber das suas dificuldades e ajudá-las na sua manutenção. 9. A PALAVRA SE FAZ ORAÇÃO (Preces). Dirigente: Irmãos e irmãs, na espera amorosa do Natal do Senhor, reunidos nesta novena invoquemos o Senhor da Vida, que nos liberte do apego a tantas coisas que nos impedem de servir ao próximo. Rezemos: 16
  17. 17. Todos: Os cristãos tinham tudo em comum dividiam seus bens com alegria. • Que nossas comunidades não percam a referência da prática da justiça e do amor ao próximo. Rezemos: • Que nossas famílias continuem perseverantes na fé e na partilha. Rezemos: • Que a nossa sociedade persevere na prática do bem comum, respeitando a dignidade do outro, para a construção de um mundo justo e fraterno. Rezemos: Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO FINAL Dirigente: Que o Deus que nos ama e nos quer bem, nos ilumine com o advento do seu Filho, cuja vinda esperamos, derrame suas bênçãos sobre nós, nossas famílias e que nos ajude a reconhecer seu Filho Jesus, no rosto de nossos irmãos e irmãs e todas as crianças, muitas delas sem uma família. Todos: Querido Menino Jesus, vinde dar vida em plenitude para cada um de nós. Dirigente: Favorecei, Senhor Jesus, os vossos filhos e filhas que pedem humildemente a vossa bênção. Sede, Senhor, um refúgio para os que aqui residem, companheiro dos que saem, hóspede com aqueles que entram. Todos: Que a paz de Cristo reine em nossos corações e que a Palavra de Cristo habite em nós, para que tudo o que fizermos em palavras e obras, o façamos em nome do Senhor. Amém! Abençoe-nos, Deus todo poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém. CANTO FINAL. Formação Diocesana das CEBs - 15/09/2013 “Justiça e Profecia a Serviço da Vida” 17
  18. 18. 5º Dia Novena de Natal “Igreja: Casa da Iniciação à Vida Cristã” 1. PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em destaque, vela acesa, símbolos de Natal, presépio, Catecismo da Igreja Católica, Documento de Aparecida, Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil 2011-2015 e I Sínodo Diocesano. 2. ORAÇÃO INICIAL (página 5). 3. MOTIVAÇÃO. Dirigente: Hoje, à luz das Diretrizes Gerais, refletiremos sobre a “Comunidade como Casa da Iniciação à Vida Cristã”. Nessa intenção, somos convidados a reinventar nossa catequese, para que o encontro com Jesus Cristo aconteça de forma autentica e cativante. Todos: Igreja - Casa da iniciação à Vida Cristã! Leitor(a) 1: A fé é um dom de Deus! “Não se começa a ser cristão por decisão ética ou uma grande ideia, mas pelo encontro com um acontecimento com uma Pessoa, que dá um novo horizonte á vida e, com isso, uma orientação decisiva” (DAp 12,243-244). Leitor(a) 2: Sabemos que, em nossos dias, os meios utilizados para anunciar Jesus Cristo têm que ser diferentes dos utilizados há 50 anos. Esta é a razão pela qual cresce o incentivo à iniciação à vida cristã, “grande desafio que questiona a fundo a maneira como estamos educando na fé e como estamos alimentando a experiência cristã” (DGAE 39-40). Leitor(a) 3: Trata-se, portanto, de “desenvolver” em nossas Comunidades um processo de iniciação à vida Cristã que conduza a um encontro pessoal, cada vez maior com Jesus Cristo. Leitor(a) 4: A Conferência de Aparecida, além de elevar a Iniciação à Vida Cristã à categoria de URGÊNCIA, lembra que ela deve acontecer não apenas uma única vez na vida de cada pessoa. A Iniciação Cristã não se esgota na preparação aos Sacramentos, mas se refere à adesão a Jesus Cristo. Esta adesão deve ser feita pela primeira vez, mas refeita, fortalecida e ratificada tantas vezes quantas o cotidiano exigir (DAp 288). Todos: Por isso, a Comunidade precisa investir todos os esforços, num 18
  19. 19. novo modo de fazer catequese, que propicie a Iniciação à vida Cristã. 4. OLHANDO A REALIDADE. Dirigente: Vamos conhecer hoje a história de Alicinha, uma descendente indígena, que foi doada ainda criança a uma família não participativa da Igreja. Leitor(a) 1: “Quando eu passava em frente a uma Igreja católica tinha vontade de entrar, mas minha mãe não deixava. Fui crescendo e mesmo ainda pequena, um dia decidi visitar uma Igreja católica. Lá, fui muito bem acolhida pelo padre e pelos fiéis que aguardavam a Celebração. Sentei-me no primeiro banco. Todos estavam felizes e tudo me falava de Deus: as músicas, as orações, a alegria das pessoas; pude sentir mesmo a presença de Deus”. Leitor(a) 2: “Aos 6 anos, eu pedi ao padre para me batizar. Entrei e frequentei a catequese para aprender mais sobre a Igreja Católica. Em casa, falei com minha mãe que eu iria ter padrinho e madrinha. Ela não entendeu. Eu disse: vou ser batizada pelo padre! Minha mãe ficou nervosa, mas insisti e ela aceitou. No dia do batismo meu padrinho não apareceu. Falei com o padre: o senhor pode ser meu padrinho? Ele aceitou na hora”. Leitor(a) 3: “Hoje tenho 43 anos e nunca me desliguei da Comunidade. Cresci muito com a ajuda da minha CEBs, das pessoas que lá conheci, embora eu seja muito tímida. Sou encantada com a Palavra de Deus e sou catequista, graças a Deus! Hoje ajudo as pessoas a também se encontrarem com Jesus e fazerem parte das CEBs”. (Testemunho do Pe. Luiz Faustino Arquidiocese de Mariana, que está fazendo uma experiência missionária na Amazônia). 5. HINO: Abre tua porta - cantado ou rezado. Por que não respondes? /Por que tu te escondes? /Impedes Jesus de renascer? 1. Abre tua porta que alguém está batendo, abre tua porta que alguém está nascendo, é Jesus que vem a ti. 2. Tira este manto que veste o velho homem, tira da vida ideais que te consomem, abre a porta prá Jesus. 3. Quando acolheres idosos e crianças, pra cobri-los de paz e esperança, é Jesus que vem a ti. 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS. Dirigente: Com alegria tirareis água nas fontes da Salvação. Canto de acolhida à Palavra. Ler pausadamente Isaías 12, 1-6 (Breve silêncio para que a palavra nos toque o coração) 19
  20. 20. 7. PARTILHA DA PALAVRA E DA REALIDADE. a - O que o olhando a realidade e a Bíblia tem a nos falar sobre a Igreja como lugar de Iniciação à Vida Cristã? b - Nossa Comunidade-Igreja está sendo verdadeiro lugar de encontro com Jesus Cristo e com os irmãos? c - O que falta para nossa Comunidade se tornar verdadeira Igreja, Casa de Iniciação à Vida Cristã? Conversar. 8. GESTO CONCRETO. Dirigente: Contatar com a coordenação de catequese paroquial para conhecer melhor a Iniciação à Vida Cristã e o Catecumenato. Combinar um gesto para este Natal. Convidar mais pessoas para a novena. 9. A PALAVRA SE FAZ ORAÇÃO. Dirigente: Hoje vamos aclamar a Jesus como: “Raiz de Jessé”. Todos: Vem, vem, ó Filho de Maria. • Na espera amorosa do Natal do Senhor, contemplamos e aclamamos o Cristo como Raiz de Jessé, como aquele que é a esperança de todos os povos, e pedimos que Ele realize em nós a sua justiça. • Do trono de Jessé sairá um ramo, um broto nascerá de suas raízes. A raiz de Jessé se erguerá como bandeira para os povos. (Is 11,1-10). Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO FINAL Dirigente: Que o Deus que nos ama e nos quer bem, nos ilumine com o advento do seu Filho, cuja vinda esperamos, derrame suas bênçãos sobre nós, nossas famílias e que nos ajude a reconhecer seu Filho Jesus, no rosto de nossos irmãos e irmãs e todas as crianças, muitas delas sem uma família. Todos: Querido Menino Jesus, vinde dar vida em plenitude para cada um de nós. Dirigente: Favorecei, Senhor Jesus, os vossos filhos e filhas que pedem humildemente a vossa bênção. Sede, Senhor, um refúgio para os que aqui residem, companheiro dos que saem, hóspede com aqueles que entram. Todos: Que a paz de Cristo reine em nossos corações e que a Palavra de Cristo habite em nós, para que tudo o que fizermos em palavras e obras, o façamos em nome do Senhor. Amém! Abençoe-nos, Deus todo poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém. CANTO FINAL. 20
  21. 21. 6º Dia Novena de Natal “Comunidade Testemunha” 1. PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em destaque, vela acesa, símbolos de Natal, presépio, cartaz com o tema “Comunidade Testemunha”. 2. ORAÇÃO INICIAL (página 5). 3. MOTIVAÇÃO. Dirigente: Amados irmãos e irmãs, sejam todos bem-vindos e bem vindas ao sexto dia da Novena de Natal! Preparemos nosso coração para a chegada do Menino Deus, por isso, hoje refletiremos sobre Comunidade Testemunha. Os Reis Magos vão até Belém à procura de um menino e em seus cofres oferecem presentes. Então reflitamos qual é o presente que nós queremos oferecer a Jesus, qual é o testemunho que daremos à sociedade. Leitor(a) 1: Tendo Jesus nascido em Belém da Judéia, no tempo de rei Herodes, eis que vieram magos do Oriente a Jerusalém. Eles partiram para Belém e entrando na casa, viram o menino com Maria, sua mãe, e prostrando-se, o homenagearam. Em seguida, abriram seus cofres e ofereceram-lhe presentes: ouro, incenso e mirra. Os reis magos não pertenciam à religião judaica, porém, eles perceberam a ação de Deus na história humana e vieram render homenagens ao redentor de toda a Criação. Diante deste acontecimento, os reis já não podiam ser mais os mesmos, era preciso mudar de vida, pois agora eram testemunhas do nascimento do Salvador de toda a humanidade. Todos: É necessário darmos o nosso testemunho de autênticos seguidores de Jesus Cristo. Leitor(a) 2: Dar testemunho de Jesus tanto na Comunidade quanto fora dela não é tarefa fácil. Às vezes temos a sensação de que falar de Jesus fora da Comunidade é mais difícil, porém, falar e, principalmente, viver o testemunho cristão dentro da própria família e até mesmo dentro da própria Igreja, é tarefa que demanda muito esforço. Todos: É o próprio Cristo que nos dá forças para sermos autênticas testemunhas cristãs no mundo. Leitor(a) 3: São vários os meios e modos de que podemos dispor na vivência cristã. Um testemunho louvável dentro da Comunidade é a sua organização. As Comunidades que vivem a fraternidade, a disponibilidade 21
  22. 22. dos dons, o serviço generoso, tanto dentro quanto fora, são um exemplo que deveria ser seguido por todas as demais Comunidades. Uma Comunidade amadurecida sabe organizar os seus mais diferentes trabalhos, sabe descentralizar as funções. Todos: Queremos ser uma Igreja viva na comunhão e no testemunho. 4. OLHANDO A REALIDADE. Dirigente: Vamos ouvir um testemunho dado por uma viúva, de 86 anos, cega há cinco anos. Ela acompanha a sua Comunidade desde o início, participando dos Grupos de Reflexão. Leitor(a) 1: “Depois de Deus, vem a minha família e a minha Comunidade, da qual faço parte. Destaco a Comunidade como coisa muito importante, pois é através dela que me sinto acolhida, valorizada. Apesar de sermos membros variados, somos todos importantes, cada um fazendo a sua parte, a sua função. Deus se utiliza de nós, pessoas frágeis e pecadoras, para transmitir sua mensagem de paz, justiça e amor. Por isso, devemos dar testemunho de união, de comunhão, principalmente nos momentos de devoção a Maria, de reflexão da Palavra de Deus, de participação das Celebrações”. Leitor(a) 2: “Para minha Comunidade, sou uma inspiração de superação, de dedicação. Mas se sou assim, não é mérito meu, pois tudo é graça, é dom de Deus. Hoje, vivo com esta deficiência, mas ela não tem o poder de ofuscar minha vivência comunitária, minha alegria de viver. Desejo que minha Comunidade permaneça sempre unida; dando exemplo para as demais Comunidades de que é possível caminharmos juntos na construção do Reino de Deus. “Através da Comunidade, percebo a presença de Deus no meio de nós, seu povo tão amado.” 5. HINO: Natal é conversão - cantado ou rezado. Meu caro irmão, olha pra dentro do teu coração, vê se o Natal se tornou conversão e te ensinou a viver. 1. Chegou a hora de sonhar de novo, de tornar-se povo e se fazer irmão./ Chegou a hora que ligeiro passa de ganhar a graça para a conversão. 2. Chegou a hora de viver o Cristo e acreditar que isto é se tornar maior / Chegou a hora de pensar profundo e perceber que o mundo pode ser melhor. 3. Será difícil tantas mãos unidas, não fazer da vida um tempo sem igual. / Será difícil tanto amor e afeto não tornar concreto o gesto do Natal. 6.ACOLHENDO A PALAVRA. Dirigente: Uma das maiores provas de amor de Deus para com todos os seres humanos é justamente o fato de Ele ter enviado seu Filho muito amado para nos salvar de nossos pecados. Quando recordamos o nascimento de Jesus, somos chamados a mudar a nossa vida; não podemos continuar os 22
  23. 23. mesmos, é preciso mudar de direção. Canto de acolhida à Palavra. Ler pausadamente Mateus 2, 1-12 (Breve silêncio para que a palavra nos toque o coração). 7. PARTILHA DA PALAVRA E DA REALIDADE Dirigente: Os Reis Magos guiados apenas por um sinal procuraram Jesus e o acolheram como Rei Salvador. A partir dai se tornaram testemunhas daquele acontecimento. a - Como temos assumido o seguimento de Jesus Cristo em nossa Comunidade? b - Seguimos os mesmos passos dos Reis Magos? Conversar. 8. GESTO CONCRETO Dirigente: Vamos procurar em nossa Comunidade quais são os sinais de testemunho que temos dado para apresentarmos Jesus aos outros. Combinar um gesto para este Natal. Convidar mais pessoas para a novena. 9. A PALAVRA SE FAZ ORAÇÃO Dirigente: Hoje vamos invocar a Jesus como Chave de Davi. Todos: Vem, vem, ó Filho de Maria. • A chave na Bíblia é o símbolo do poder supremo de alguém em um cargo. Com a chave pode-se abrir ou fechar, ligar ou desligar. Com sua vinda, Cristo vem abrir para nós a porta do Reino dos Céus. • Na espera amorosa do Natal do Senhor, aclamamos e proclamamos a Jesus Chave de Davi, e suplicamos que Ele se apresse em resgatar definitivamente a humanidade que anseia pela realização do Reino de Deus entre nós. Preces espontâneas... Pai nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO FINAL Dirigente: Que o Deus que nos ama e nos quer bem, nos ilumine com o advento do seu Filho, cuja vinda esperamos, derrame suas bênçãos sobre nós, nossas famílias e que nos ajude a reconhecer seu Filho Jesus, no rosto de nossos irmãos e irmãs e todas as crianças, muitas delas sem uma família. Todos: Querido Menino Jesus, vinde dar vida em plenitude para cada um de nós. Dirigente: Favorecei, Senhor Jesus, os vossos filhos e filhas que pedem humildemente a vossa bênção. Sede, Senhor, um refúgio para os que aqui residem, companheiro dos que saem, hóspede com aqueles que entram. Todos: Que a paz de Cristo reine em nossos corações e que a Palavra de Cristo habite em nós, para que tudo o que fizermos em palavras e obras, o façamos em nome do Senhor. Amém! Abençoe-nos, Deus todo poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém. 23
  24. 24. 7º Dia Novena de Natal “Comunidade: Lugar de Animação Bíblica da Vida e da Pastoral” 1. PREPARANDO O AMBIENTE: Toalha de retalhos,Bíblia,flores, velas e símbolos natalinos. 2. ORAÇÃO INICIAL (página 5). 3. MOTIVAÇÃO. Dirigente: irmãos e irmãs, sejam bem-vindos para mais um encontro fraterno. Em preparação para o Natal, somos convidados a avaliar nossa caminhada de fé para juntos rendermos graças a Deus pela nossa vida e pela nossa fé. Ao refletirmos sobre nossa missão, não podemos nos esquecer daqueles que nos mostraram o caminho de Deus. Hoje veremos também o valor da palavra de Deus em nossa vida. Leitor(a) 1: Infelizmente, em meio a tantos ruídos, também podemos constatar que a Bíblia, algumas vezes, não é usada como luz para a vida; ao contrário, é instrumentalizada até mesmo para manipular. Cabe ao discípulo missionário não se abater diante de tamanha manipulação da Escritura. Se, por amor, Jesus Cristo se entregou para a nossa salvação, como se abater ao constatar que a Escritura aparece refém de quem busca apenas o beneficio próprio? Assim como ele venceu a morte e o pecado, o discípulo missionário é chamado a ultrapassar as teias da manipulação bíblica e fazer a palavra brilhar como fonte de justiça e paz (DGAE49). Leitor(a) 2: São vários os métodos de leitura da Bíblia. A Conferência de Aparecida destacou a Leitura Orante como caminho para o encontro com a Palavra de Deus. Nela o discípulo missionário acolhe a palavra como dom, mergulha na riqueza do texto sagrado e, sob o impulso do Espírito, assimila esta palavra na vida e na missão. 4. OLHANDO A REALIDADE. Dirigente: vamos ouvir a história da jovem Gleici. Leitor(a) 1: Gleici era uma jovem de 17 anos que, logo após receber o sacramento da crisma, resolveu se preparar para ser catequista. Dois anos se passaram e ela começou a dar catequese para um grupo de adolescentes. Leitor(a) 2: Conforme o tempo ia passando, Gleici sentia a necessidade de aprofundar mais os conhecimentos da caminhada. Certo dia, recebeu 24
  25. 25. do CPC – (Conselho Pastoral da Comunidade) o convite para participar da Escola de Teologia Paroquial. Gleici ficou contente e aceitou a proposta. Hoje ela ajuda na própria Escola de Teologia e fala para todos que foi através da escola que ela pode compreender como é importante a Bíblia para a comunidade e para as pastorais. Leitor(a) 3: A Bíblia conta as histórias de um povo sofredor, como o povo de sua comunidade. Aos poucos ela aponta como o povo da Bíblia foi superando os obstáculos na construção de uma sociedade mais fraterna. Esse povo é exemplo para nós. 5. HINO: Agora é tempo - cantado ou rezado. Refrão: Agora é tempo de ser Igreja / Caminhar juntos, participar. 1. Somos povo escolhido e na fronte assinalado / Com o nome do Senhor que caminha ao nosso lado. 2. Somos povo em missão já é tempo de partir / È o Senhor quem nos envia em seu nome a servir. 3. Somos povo a caminho construindo em mutirão / Nova terra, novo Reino de fraterna comunhão. 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS. Canto para acolher a palavra de Deus Envia tua palavra, palavra de salvação, que vem trazer esperança, aos pobres libertação. Ler pausadamente: Prólogo do Livro do Eclesiástico (texto antes do Capítulo 1). (Breve silêncio para que a palavra nos toque o coração). 7. PARTILHA DA PALAVRA E DA REALIDADE. a - Qual a importância da Bíblia na caminhada? Como fazer a Animação Bíblica nas Pastorais? b - Você está inserido na vida e na animação da comunidade em que vive? c - Em quais situações a Bíblia é usada como luz para a vida? d - Como Gleici, você tem uma história para contar? Vocêevoluiu no conhecimento da palavra, na teologia e no estudo dos documentos da igreja? 8. GESTO CONCRETO. Lembrar o gesto paroquial ou de acordo com as necessidades da comunidade. Sugestão: marcar um dia para fazer Leitura Orante com o grupo. 9. A PALAVRA SE FAZ ORAÇÃO (PRECES). Dirigente: Inclinados diante do mistério do nascimento do Salvador, peçamos uns pelos outros e pelo mundo inteiro, rezemos: 25
  26. 26. • Senhor, que saibamos anunciar o Senhor que vem pela palavra, e pelas atitudes. Todos: Vem, Senhor Jesus. • Senhor, vem consolar e animar com tua visita os que estão desanimados por causa do sofrimento. Rezemos: Preces espontâneas... Pai nosso... Ave Maria... 10. ORAÇÃO FINAL Dirigente: Que o Deus que nos ama e nos quer bem, nos ilumine com o advento do seu Filho, cuja vinda esperamos, derrame suas bênçãos sobre nós, nossas famílias e que nos ajude a reconhecer seu Filho Jesus, no rosto de nossos irmãos e irmãs e todas as crianças, muitas delas sem uma família. Todos: Querido Menino Jesus, vinde dar vida em plenitude para cada um de nós. Dirigente: Favorecei, Senhor Jesus, os vossos filhos e filhas que pedem humildemente a vossa bênção. Sede, Senhor, um refúgio para os que aqui residem, companheiro dos que saem, hóspede com aqueles que entram. Todos: Que a paz de Cristo reine em nossos corações e que a Palavra de Cristo habite em nós, para que tudo o que fizermos em palavras e obras, o façamos em nome do Senhor. Amém! Abençoe-nos, Deus todo poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém. CANTO FINAL. Formação Diocesana das CEBs 15/09/2013 “Justiça e Profecia a Serviço da Vida” 26
  27. 27. 8º Dia Novena de Natal “Comunidade Comunhão” 1. PREPARANDO O AMBIENTE: Bíblia em destaque, vela acesa, presépio, símbolos natalinos, caixa para intenções, fotos da comunidade reunida. 2. ORAÇÃO INICIAL (página 5). 3.MOTIVAÇÃO. Dirigente: Queridos irmãos e irmãs, o Senhor Jesus que vem a nós neste Natal nos convida ao amor e a comunhão com ele e com os irmãos. Nosso coração a cada dia se alegra mais com a proximidade de seu nascimento. Sejam todos bem-vindos. Leitor(a) 1: Jesus apresentou um novo rosto de Deus, marcado pela bondade, pelo acolhimento e pela ternura, que o caracterizam como Pai. Com isso, ele não apenas ensinava sobre Deus, mas testemunhava à intimidade com Ele e convidava o povo a fazer a mesma experiência. Leitor(a) 2: Apresentando a todos a novidade do Reino: Fraternidade, igualdade, partilha, relacionamento de amigos e não de servos, poder exercido como serviço, perdão e reconciliação, oração comum e alegria. Leitor(a) 3: A comunidade dos seguidores de Cristo vive da certeza de que um dia habitará na tenda Divina, na casa da Trindade. Portanto, a vida comunitária é caminho para a comunidade eterna. 4. OLHANDO A REALIDADE. Leitor(a) 1: O Sr. José, de 82 anos, é conhecido por todos da comunidade de nossa Senhora das Graças, que ele fundou, em 1985. No início, ele e sua esposa se reuniam com 9 filhos e vizinhos para rezarem o terço, e uma vez no mês o padre ia até a comunidade para celebrar a Eucaristia. Ele coordenou com muito amor, compromisso e dedicação, por mais de 20 anos essa Comunidade. Leitor(a) 2: Atualmente ele é tesoureiro do dízimo e conta emocionado como era bom aquele tempo em que ele podia participar de tudo na comunidade, nas celebrações eucarísticas, mas continua sendo um verdadeiro profeta, sabe refletir maravilhosamente o Evangelho e é um exemplo de fé e perseverança para todos; sua vida sempre foi pregar a 27
  28. 28. Palavra de Deus. 5. HINO: Anunciação - cantado ou rezado. Tu vens, tu vens/ Eu já escuto teus sinais. 1. Na bruma leve das paixões que vêm de dentro / Tu vens chegando pra brincar no meu quintal/ No teu cavalo, peito nu, cabelo ao vento / E o sol quarando nossas roupas no varal. 2. A voz do anjo sussurrou no meu ouvido / Eu não duvido, já escuto os teus sinais / Que tu virias numa manhã de Domingo / Eu te anuncio nos sinos das catedrais. 6. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS. Dirigente: Queremos hoje perceber a luz da palavra de Deus, se estamos vivendo a comunhão e o amor que Cristo pediu. Ele que é a videira verdadeira. Canto de Acolhida à Palavra. Ler pausadamente João 15,1-12. (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração). 7. PARTILHA DA PALAVRA E DA REALIDADE. a - O que o fato da vida e o fato da Bíblia tem a nos ensinar? b - O que falta para nossas comunidades se transformarem em verdadeiros lugares de comunhão com Deus e os irmãos? c - Buscamos viver em comunhão ou ainda estamos isolados e vivendo a nossa religião só dentro das Igrejas e distante do povo? d - Estamos abertos ao perdão, ao amor e a solidariedade ou essa é uma prática de tempos natalinos? 8. GESTO CONCRETO. Dirigente: Busquemos ir ao encontro dos irmãos e irmãs que estão afastados de nossa comunidade, procuremos sair mais dos espaços dos templos e ir ao encontro do outro, na casa, na família, ou onde estão aqueles que precisam de ajuda. 9.A PALAVRA SE FAZ ORAÇÃO (PRECES). • Senhor, que sejamos ousados na nossa missão de Evangelizar e que possamos ver no rosto sofrido do povo o rosto de Jesus que vem, rezemos. Todos: Vinde Senhor, vinde nascer entre os homens. • Senhor, que sejamos no meio do mundo em que vivemos semente de esperança e libertação das estruturas de morte que oprimem os pequenos, rezemos: • Senhor, que ao celebrar o Natal renovemos em nós a alegria, a solidariedade e a Esperança de um mundo mais digno para todos, rezemos Preces espontâneas... Pai nosso... Ave Maria 28
  29. 29. 10. ORAÇÃO FINAL Dirigente: Que o Deus que nos ama e nos quer bem, nos ilumine com o advento do seu Filho, cuja vinda esperamos, derrame suas bênçãos sobre nós, nossas famílias e que nos ajude a reconhecer seu Filho Jesus, no rosto de nossos irmãos e irmãs e todas as crianças, muitas delas sem uma família. Todos: Querido Menino Jesus, vinde dar vida em plenitude para cada um de nós. Dirigente: Favorecei, Senhor Jesus, os vossos filhos e filhas que pedem humildemente a vossa bênção. Sede, Senhor, um refúgio para os que aqui residem, companheiro dos que saem, hóspede com aqueles que entram. Todos: Que a paz de Cristo reine em nossos corações e que a Palavra de Cristo habite em nós, para que tudo o que fizermos em palavras e obras, o façamos em nome do Senhor. Amém! Abençoe-nos, Deus todo poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo. Amém. CANTO FINAL. Formação Diocesana das CEBs - 15/09/2013 “Justiça e Profecia a Serviço da Vida” 29
  30. 30. 9º Dia Novena de Natal “Comunidade, lugar em que se celebra a vida” 1. PREPARANDO O AMBIENTE. Celebramos o nascimento de Jesus. O local para esta celebração será escolhido de acordo com cada realidade local: em uma das casas da rua onde foi realizada a novena ou em uma das casas do setor, na capela da comunidade, na Igreja Matriz, em uma quadra etc. Sendo possível, após o encontro, realizar um momento de confraternização. O local deve ser bem preparado de modo que fique bem festivo, com velas, flores, a Bíblia em lugar de destaque, cada grupo trazer a vela que acompanhou a novena, a caixa de intenções e o cartaz em formato de pé com nomes de todos que participaram da novena. Poderá ser feito uma manjedoura bem simples (de capim ou de palha). 2. ACOLHIDA E ORAÇÃO INICIAL. Dirigente: Irmãos e irmãs, sejam bem-vindos a esta celebração. Vamos colocar os cartazes que trouxemos (pés) perto do presépio ou da manjedoura, e a vela, formando um caminho; lembrando, que através da novena nos aproximamos de Jesus. O nosso coração se alegra, pois concluímos nossa caminhada em preparação a mais um Natal. Bendito seja Deus, que, com a luz de Cristo, ilumina nossa vida, nossa casa, nosso bairro, nossa cidade e todas as realidades que nos cercam. Vamos acolher a Trindade Santa, cantar e celebrar com entusiasmo, pois hoje e sempre, Jesus está no meio de nós. Todos: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém! Leitor(a) 1: A aparição daquela estrela os encheu de profunda alegria. Assim como os Reis Magos, caminhamos rumo a Belém, guiados pela “Estrela do Oriente”, que é Luz para o nosso caminho. Em caminhada vamos, na alegria de ser Belém, lugar por onde muitas pessoas com certeza passarão e encontrarão: acolhida, novo alento e ânimo para a caminhada. Leitor(a) 2: Maria é a casa de Deus entre nós; através dela o Cristo se torna um de nós, criatura perfeita, palavra de Deus feito carne. A disponibilidade de Maria testemunha as maravilhas que Deus faz em favor dos oprimidos e nos convida a assumirmos o projeto que o Menino-Deus vem trazendo. 3. MOMENTO DE PERDÃO. Dirigente: De Belém nos vem o Salvador, nasceu a ternura, a verdade e o pão da vida. Natal, momento de experimentar a presença amorosa 30
  31. 31. do Senhor que reacende em nós o desejo de ajustar nossos projetos ao projeto de Deus. Como está nossa vida com Deus? E com os irmãos? Na comunidade, na família? (um momento de silêncio). Canto Penitencial. 4. MOMENTO DE LOUVOR. Leitor(a) 3: Para nós cristãos, relembrar o nascimento de Jesus significa muito mais do que presente e festa, mas um olhar profundo para dentro de nosso coração para agradecer por todas as bênçãos que diariamente recebemos em nossas vidas. E por isso com alegria cantemos, glorificando a Deus. Canto de Louvor. 5. ACOLHENDO A PALAVRA DE DEUS. Dirigente: Ao chegar a Belém, completaram-se os dias de Maria, e Jesus nasceu na simplicidade de uma gruta, Deus fez-se humano para nos tornar divinos. Canto de acolhida à Palavra. Ler pausadamente: Lucas 2, 1-20. (Breve silêncio para que a Palavra nos toque o coração). -Poderá ser encenado o Nascimento de Jesus. 6. MOMENTO DE PARTILHA (Breve reflexão feita por um convidado ou alguém da comunidade. Pode ser uma mensagem de Natal) 7. MOMENTO DE ORAÇÃO. Dirigente: Irmãos e irmãs, Jesus nasceu em Belém e hoje quer habitar em nosso coração. Confiantes de que Ele está no meio de nós, façamos nossas preces. Todos: Jesus, atendei-nos! • Senhor, concedei-nos sabedoria para compreendermos o verdadeiro sentido do Natal. Pela Igreja, que caminha em busca da civilização do amor. Rezemos • Por nossas comunidades, para que se empenhem na prática do bem, no acolhimento fraterno e nas obras de misericórdia, rezemos. • Para que sejamos fiéis ao ensinamento de Cristo, e nos tornemos luz no mundo, rezemos. Preces espontâneas... Pai Nosso... Ave Maria... 8. ORAÇÃO. Ò Deus que reacendes em nós cada ano a alegria da espera da Salvação, ajuda-nos a acolher como Maria este dom da vossa imensa misericórdia 31
  32. 32. para conosco e, assim, sejamos no mundo, instrumentos de vida e de paz para todos. Por nosso Senhor Jesus cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém! 9. BÊNÇÃO DAS CRIANÇAS. Dirigente: (convidar as crianças presentes para ficarem preto do presépio). Erguendo as mãos sobre as crianças, cantemos: Nossas crianças serão abençoadas porque o Senhor vai derramar o seu amor (2x) Todos: Senhor Jesus Cristo, abençoai estas crianças, e guardai-as sempre sob a vossa proteção, a fim de que cresçam em sabedoria, paz e harmonia, sejam fervorosas na fé e no amor e perseverem, corajosamente, na esperança do Reino que vive para sempre. Amém! 10. ORAÇÃO FINAL. Dirigente: O Deus da esperança, da alegria e da paz permaneça com todos nós, agora e sempre. Amém! Dirigente: Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo! Todos: Para sempre seja louvado! Dirigente: Feliz e Santo Natal a todos! 11. CANTO FINAL E CONFRATERNIZAÇÃO. Formação Diocesana das CEBs - 15/09/2013 “Justiça e Profecia a Serviço da Vida” 32
  33. 33. cas si ú M 33
  34. 34. SUGESTÃO DE CANTOS PARA CELEBRAÇÕES NOS SETORES C) ATO PENITENCIAL PERDÃO POR TER PÃO QUE AO POBRE FALTOU / FUI EU QUE COLHI O QUE ELE PLANTOU “Será que ganhei o que vou comer, O pão que custou o suor / Do pobre que vive a sofrer?” A) NOSSA IGREJA 1- A nossa Igreja é de compromisso, De comunhão e de participação. /: A nossa Igreja é comunidade Que vive a verdade, o amor e a união. 2- A nossa Igreja é comprometida Com os que sofrem dor e exclusão. /: Com os que vivem sem terra e sem emprego, / Com os que sofrem fome de amor, justiça e pão :/ 3- A nossa Igreja é comprometida Com a esperança e a vida do povão. /: Com os lavradores, os fracos e humilhados, / Os desamparados e deserdados da nação. 4- A nossa Igreja é dos operários, Dos bóias-frias, catadores de papelão. /: Identifica-se com os índios e os negros Que sofrem na pele a discriminação. 5- A nossa Igreja é o povo unido, Que caminha para a libertação. /: Que grita em favor dos excluídos, Dos que são perseguidos por causa do irmão:/ D) PERDÃO, SENHOR 1- Pelas vezes que eu não quis ajudar / Combater o mal da exploração:/ Perdão, Senhor, perdão:/ 2- Pelas vezes em que eu não quis ajudar / Combater o mal da violência / Perdão, Jesus, perdão:/ 3- Pelas vezes em que eu não quis ajudar / Combater o mal da discriminação / Perdão, Senhor, perdão:/ E) JESUS CRISTO, PIEDADE 1- O pecado arrancou a alegria do irmão / Senhor, Senhor, perdão / Hoje o índio é assassinado, o sertanejo / Não tem chão/ Senhor, perdão. JESUS CRISTO, PIEDADE O TEU POVO QUER JUSTIÇA PÃO E PAZ, FRATERNIDADE JESUS CRISTO, PIEDADE 2- Na cidade desumana continua a exploração.../ só o rico tem lugar e o pobre / não tem pão / Senhor, Senhor, perdão 3- O pecado social leva o povo à perdição... / Deus da vida e não da morte nos tira da / Escravidão / Senhor, Senhor, perdão. 4- A criança abandonada grita por justiça e pão.../ É Jesus que sofre hoje /nos pedindo conversão B) DE MÃOS DADAS 1- Somos gente da esperança que caminha rumo ao Pai / Somos povo da Aliança que já sabe onde vai. DE MÃOS DADAS A CAMINHO PORQUE JUNTOS SOMOS MAIS PRA CANTAR O NOVO HINO DE UNIDADE, AMOR E PAZ. 2- Para que o mundo creia na justiça e no amor / formaremos um só povo, / Num só Deus, um só Pastor. 3- Todo irmão é convidado para festa em comum / Celebrar a nova vida onde todos sejam um. F) TEU SOL NÃO SE APAGARA Teu sol não se apagará Tua lua não terá minguante Porque o Senhor será tua luz Ó povo, que Deus conduz. 34
  35. 35. G) PALAVRA É MEL É como mel a Palavra Divina É como mel / que sai da boca Transformando a terra em pleno céu. trabalho e a nossa / União. Bendito seja Jesus que conosco / Estará além do altar. L) FRUTO DO AMOR 1- Este pão que recebemos nas mãos Que trazemos são frutos do amor O vinho será transformado No sangue sagrado de nosso Senhor. VIVA A PARTILHA DA VIDA, NA LUTA ESQUECIDA DE QUEM PARTILHOU QUE TRAZ A ESPERANÇA E O FUTURO, DE UM SONHO SEGURO DE UM TRABALHADOR 2- Nós te ofertamos o trabalho O pouco salário recebe Senhor As dores e lidas da vida o pão que É partido, és Deus de amor. H) VAI FALAR VAI FALAR, VAI FALAR / NO EVANGELHO JESUS VAI FALAR:/ Oxalá nossa luz seja sempre o Cristo Jesus! JÁ FALOU, JÁ FALOU, NO EVANGELHO JESUS JÁ FALOU Oxalá o louvor seja dado ao Cristo Senhor! I) SEJA BEM-VINDA A PALAVRA SEJA BEM-VINDA, SEJA BEM-VINDA SEJA BEM-VINDA A PALAVRA DO SENHOR:/ Éa palavra que liberta o pobre sofredor / Mensagem que transforma o ódio em amor / É tocha que não se apaga / nos caminhos / Da escuridão / Ilumina a esperança / De um mundo mais irmão. M) SANTO DO AXÉ 1- Vamos canta r/ O Senhor é santo Vamos louvar / O Senhor é santo. OH, OH, O SENHOR É SANTO:/ 2- No céu e na terra / O Senhor é santo / Na força do axé / O Senhor é santo. 3- Bendito que vem / O Senhor é santo / Hosana, amem, / O Senhor é santo 4- Santo é o Senhor / O Senhor é santo / Santo é o Senhor / O Senhor é santo. J) NO NOSSO ALTAR 1- As mesmas mãos que plantaram a semente aqui estão / O mesmo pão que a mulher preparou aqui está / O vinho novo que a uva sangrou jorrará no nosso altar. A LIBERDADE HAVERÁ / A IGUALDADE HAVERÁ / E NESSA FESTA ONDE SOMOS IRMÃOS O DEUS DA VIDA SE FAZ COMUNHÃO:/ 2- Na flor do altar brilha o sonho da paz Mundial / Na luz acessa é a fé que palpita / hoje em nós / No livro aberto o amor se derrama total no nosso altar. 3- Benditos sejam os frutos da terra de / Deus, bendito seja o nosso N) SANTO LIBERTADOR SANTO, SANTO, SANTO NAS ALTURAS É O CRIADOR SANTO, SANTO, SANTO AQUI NA TERRA É O LIBERTADOR 1- é o libertador que vem com seu povo morar / Que vive também oprimido e anima a gente a lutar 2- Bendito e santo é Deus, Pai e Filho Amado / Mostra que é poderoso, o humilde ele faz exaltado 35
  36. 36. 3- Hosana, vamos todos alegres cantar / Que veio a força do alto / Em missão pode nos enviar. A VIDA DE QUEM TOMBOU É FORÇA VIVA DE PAZ 5- Água trazida da fonte / Matando a sede que mata / Água da chuva no chão / Traz vida e traz pão pra gente e pra mata ÁGUA DA VIDA JESUS É FORÇA VIVA DE PAZ 6- Ceia Sagrada Aliança / Ato supremo do amor / Ceia encontro e esperança / De Jesus com a gente/ Transformando a dor / A CEIA DO MEU SENHOR É FORÇA VIVA DE PAZ :/ 7- Louvor que nasce da história / Do dia a dia do povo / Louvor ao Deus verdadeiro/ Fiel justiceiro do mundo novo O NOME DO MEU SENHOR E FORÇA VIVA DE PAZ O) A FILA 1- Vamos entrando na fila / Pra receber o Senhor / Ele quis ser alimento / E se entregou por amor. ISTO É MEU CORPO, COMEI ISTO É MEU SANGUE, BEBEI COMEMORANDO O QUE FIZ A MESMA COISA FAZEI 2- A fila dos que tem fome / Dá volta no Mundo inteiro / Fome de pão de justiça / Fome de amor verdadeiro 3- A fila dos explorados / Não tem tamanho é imensa / Trabalho duro ou mal pago / Causando morte ou doença. 4- A fila dos humilhados / Percorre nossa cidade / Gente que nós expulsamos / Da terra e até da amizade Q) EU QUERO ACREDITAR 1- Eu quero acreditar na vida / Ver o sol em cada amanhecer / Ter no rosto um sorriso amigo / Acreditar que o sonho é pra valer Eu quero ter meu peito aberto / Caminhar e não olhar pra trás / Caminheiro, quero amor por perto / Quero o mundo construindo paz CANTA COMIGO, CANTE ESTA CANÇÃO / POIS CANTANDO SONHAREMOS JUNTOS / PRA FAZER UM MUNDO MAIS IRMÃO CANTA COMIGO, CANTE ESTA CANÇÃO / POIS CANTANDO SONHAREMOS JUNTOS/ PRAFAZER UM MUNDO MAIS IRMÃO 2- Eu quero acreditar no amor / Ver a noite se afastar de mim / Em cada rua plan-tar uma flor / E fazer da terra um jardim. Venha junto sonhar o desejo / De que a vida não tenha mais fim / No P) FORÇA DE PAZ 1- O povo sofrido da terra / Na mesa da refeição / O pão partido na mesa / Se torna certeza e se faz comunhão O CORPO DO MEU SENHOR É FORÇA VIVA DE PAZ 2- Vinho de festa e alegria / É vida no coração / Vinho bebido na luta Se torna conduta de libertação O SANGUE DO MEU SENHOR É FORÇA VIVA DE PAZ 3- Palavra vinda do reino / Na boca de cada irmão / Palavra que fortalece Anima e esclarece a nossa união PALAVRA DO MEU SENHOR É FORÇA VIVA DE PAZ 4- Flores dos jardins dos campos / Sorriso exposto no altar / Flores molhadas no pranto de quem deu a vida pra vida Mudar / 36
  37. 37. violão soe todo arpejo / Construindo a paz o amor enfim 3- Quando o povo está reunido, exigindo os direitos que tem, vai formando a comunidade na grande irmandade na busca do bem. 4- Quando o povo está refletindo os problemas da sociedade, o Espírito Santo ilumina e a todos ensina a vencer a maldade. 5- Quando o povo sai pelas ruas Protestando e reivindicando / Vai Chamando a atenção do individuo que não dá ouvido ao que esta se passando. R) PRESENÇA DE DEUS EU SINTO A PRESENÇA DE DEUS, É NA LUTA, NA LUTA, NA LUTA 1- Jesus Cristo, irmão, companheiro, seu exemplo deixou para nós. Vamos todos olhar para a frente e ajudar muita gente sem vez e sem voz. 2- Quando o povo encara de frente as pessoas que estão no poder. É o Espírito Santo que age e vai dando coragem pra luta vencer. Cantos Novena de Natal 2013 1. Ó LUZ DO SENHOR Ó Luz do Senhor que vem sobre a terra, Inunda meu ser, permanece em nós. 3. VAMOS, COMPANHEIROS Vamos, Companheiros / Marcar mais um ponto / Ficar mais unidos / E fortalecidos com esse encontro 1- CEBs é vida e fraternidade / Jovem e velho / Adulto e criança / Na grande irmandade 2- CEBs é Igreja / não é movimento / E assim sendo / Ela vai praticando / Os seus ensinamentos 3- CEBs é Igreja / No seu dia a dia/ Sempre presente / No meio dos pobres da periferia 2. Em nome do Pai 1- Em nome do Pai / Em nome do Filho / Em nome do Espírito Santo / Estamos aqui. 2- Em nome do Pai / Em nome do Filho / Em nome do Espírito Santo / Estamos aqui. 3- Para louvar e agradecer, bendizer e adorar,/ estamos aqui, Senhor, a teu dispor. / Para louvar e agradecer, bendizer e adorar,/ te aclamar, Deus trino de amor. 4- Em nome do Pai / Em nome do Filho / Em nome do Espírito Santo / Estamos aqui. 5- Em nome do Pai / Em nome do Filho / Em nome do Espírito Santo / Estamos aqui. 6- Para louvar e agradecer, bendizer e adorar, estamos aqui, Senhor, a teu dispor. / Para louvar e agradecer, bendizer e adorar, te aclamar, Deus trino de amor. 4. A PALAVRA QUE É LUZ E nós vamos ouvir / A Palavra que é Luz / E que vem nos unir 1. A palavra de Deus / Vem chegando no meio do povo 2. A palavra que traz boa nova / E renova a esperança 3. A palavra vai ser partilhada / Partilhada em comunidade 5. VAMOS OUVIR 1- Vamos ouvir a Palavra de Deus Que vem chegando, chegando 37
  38. 38. va que cai, / Que torna o solo fecundo e faz nascer a semente; É água viva da fonte, que faz florir o deserto. / É uma luz no horizonte, é novo caminho aberto. 2- Ela nos vem no silêncio, no coração de quem crê, / No coração dos humildes, que vivem por teu poder. / Aos fracos ela dá força, aos pobres sabedoria, / E se tornou nossa carne; nasceu da Virgem Maria. É ela a Palavra de Jesus Em toda Igreja vai se espalhando 2- Com as palavras do Evangelho Os oprimidos vão se libertando Ouvindo o que diz Jesus Cristo Toda gente vai caminhando. 6. ESCUTA Escuta, oh Israel, Javé teu Deus falar Escuta, oh Israel, Javé teu Deus vai falar Fala, Senhor Javé, Israel quer te escutar Fala, Senhor Javé, Israel quer te escutar. 11. Ó VEM, SENHOR Ó vem, Senhor, não tardes mais, / Vem saciar nossa sede de paz! 1- Ó vem, como chega a brisa do vento / trazendo aos pobres justiça e bom tempo! 2- Ó vem, como chega a chuva no chão / trazendo fartura de vida e de pão! 3- Ó vem, como chega a luz que faltou / só tua palavra nos salva, Senhor! 4- Ó vem, como chega a carta querida / bendito carteiro do reino da vida! 5- Ó vem, como chega o filho esperado / caminha conosco, Jesus bem-amado! 6- Ó vem, como chega o libertador das mãos do inimigo, nos salva, Senhor! 7. EU VIM PARA ESCUTAR Tua Palavra, Tua Palavra, Tua Palavra de amor 1- Eu vim para escutar 2- Eu gosto de escutar. 3- Eu quero entender. 4- O mundo inda vai viver 8. O MEU ESPÍRITO CONDUZ O meu Espírito conduz Quem ouve a voz do Filho meu, Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia! Quem der testemunho de mim Diante dos homens, dos tronos Não tema o que possa dizer Que meu Espírito mesmo dirá. 9. A PALAVRA CHEGANDO A palavra de Deus vai chegando, vai 1- É Jesus que hoje vem nos falar. 2- É a palavra de deus aos pequenos. 3- É a palavra de libertação. 4- Como o sol a brilhar no horizonte. 5- É semente fecunda na terra. 12. ANUNCIAÇÃO Tu vens, tu vens, Eu já escuto teus sinais 1- Na bruma leve das paixões que vêm de dentro / Tu vens chegando pra brincar no meu quintal / No teu cavalo, peito nu, cabelo ao vento / E o sol quarando nossas roupas no varal. 10. ENVIA TUA PALAVRA Envia tua Palavra, Palavra de Salvação. / Que vem trazer esperança, aos pobres libertação. 1- Tua Palavra de vida é como a chu38
  39. 39. ça de amar sem medida / Que ninguém vá dormir sem pedir ou dar o perdão / Que as crianças aprendam no colo o sentido da vida / Que a família celebre a partilha do abraço e do pão / Que marido e mulher não se traiam nem traiam seus filhos / Que o ciúme não mate a certeza do amor entre os dois / Que no firmamento a estrela que tem maior brilho / Seja a firme esperança de um céu aqui mesmo e depois. Tu vens, tu vens, Eu já escuto teus sinais 2- A voz do anjo sussurrou no meu ouvido / Eu não duvido, já escuto os teus sinais / Que tu virias numa manhã de Domingo /. Eu te anuncio nos sinos das catedrais. 13. SEJA FELIZ, MEU IRMÃO Seja feliz, meu irmão / Leve a alegria / E a paz no coração 1- Felicidade é ter em nossa vida Aquela paz que só o Cristo. 2- Felicidade é ver nos oprimidos O próprio Cristo um outro, nosso irmão 3- Felicidade é transmitir a paz É ser presença do nosso Deus amor. 15. LADAINHA DOS EMBOBRECIDOS Ave, cheia de graça! Ave, cheia de amor! Salve, ó Mãe de Jesus / A ti nosso canto, e nosso louvor 14. HINO À FAMÍLIA 1- Que nenhuma família comece em qualquer de repente / Que nenhuma família termine por falta de amor/ Que o casal seja um para o outro de corpo e de mente / E que nada no mundo separe um casal sonhador / Que nenhuma família se abrigue embaixo da ponte / Que ninguém interfira no lar e na vida dos dois / Que ninguém os obrigue a viver sem nenhum horizonte / Que eles vivam do ontem, no hoje e em função de um depois. 2- Que a família comece termine sabendo onde vai / Que o homem carregue nos braços a graça de um pai / Que a mulher seja um céu de ternura, aconchego e calor / E que os filhos conheçam a força que brota do amor./ Abençoa, Senhor, as famílias, amem / Abençoa a minha também! 3- Que marido e mulher tenham for- 1- Mãe do Redentor... Rogai Mãe do Salvador... Rogai Do Libertador... Rogai por nós! Mãe dos oprimidos... Rogai Mãe dos perseguidos... Rogai Dos desvalidos... Rogai por nós! 2- Mãe dos bóias-frias... Rogai Causa da alegria... Rogai Mãe das mães... Rogai por nós! Mãe dos humilhados... Rogai Dos martirizados... Rogai Marginalizados... Rogai por nós! 3- Mãe dos despejados... Rogai Dos abandonados... Rogai Dos desempregados... Rogai por nós Mãe dos pecadores ... Rogai Dos agricultores ... Rogai Santos e doutores... Rogai por nós 4- Mãe do céu clemente... Rogai Mãe dos doentes ... Rogai Do menor carente... Rogai por nós! Mãe dos operários... Rogai Dos presidiários... Rogai Dos sem-salário... Rogai por nós! 39
  40. 40. passa de ganhar a graça para a conversão 2- Chegou a hora de viver o Cristo e acreditar que isto é se tornar maior/ Chegou a hora de pensar profundo e perceber que o mundo pode ser melhor 3- Será difícil tantas mãos unidas não fazer da vida um tempo igual. Será difícil tanto amor e afeto não tornar concreto o gesto do Natal. 5- Mãe dos profetas... Rogai Dos injustiçados... Rogai Mãe da juventude... Rogai por nós Mãe de toda Igreja.... Rogai Dos índios e dos negros... Rogai Mãe de todos nós... Rogai por nós! 6- Mãe das crianças... Rogai Arca da Aliança... Rogai De nossa esperança... Rogai por nós! Mãe das vitórias... Rogai Rainha da Glória... Rogai Mãe de nossa história... Rogai por nós! 17. POVO NOVO Lutar e crer, vencer a dor. Louvar o criador: Justiça e Paz hão de reinar. E viva o amor. 1- Quando o Espírito de Deus soprou, / O mundo inteiro se iluminou / A esperança na terra brotou / e um povo novo deu-se as mãos e caminhou 2- Nosso poder está na união. O mundo novo vem de Deus e dos irmãos. Vamos lutando contra a divisão. E preparando a festa da libertação. 18. MISSÃO DE TODOS NÓS O Deus que me criou / Me quis, me consagrou / Para anunciar o seu amor 1- Eu sou como a chuva em terra seca / Pra saciar, fazer brotar / Eu vivo pra amar e pra servir É missão de todos nós / Deus chama / Eu quero ouvir a tua voz 2- Eu sou como flor por sobre o muro / Eu tenho mel, sabor do céu / Eu vivo pra amar e pra servir 3- Eu sou como estrela em noite escura / Eu levo a luz, sigo a Jesus / Eu vivo pra amar e pra servir 4- Eu sou como abelha na colmeia/ Eu vou voar, vou trabalhar / Eu vivo pra amar e pra servir:/ 5- Eu sou, sou profeta da verdade/ Canto a justiça e a liberdade / Eu vivo pra amar e pra servir. 18. ABRE TUA PORTA Por que não respondes? Por que tu te escondes? Impedes Jesus de renascer! (2x) 1- Abre tua porta que alguém está batendo, abre tua porta que alguém está nascendo, é Jesus que vem a ti. 2- Tira este manto que veste o velho homem, tira da vida ideais que te consomem, abre a porta pra Jesus. 3- Quando acolheres idosos e crianças, pra cobri-los de paz e de esperança, é Jesus que vem a ti. 16. NATAL É CONVERSÃO Meu caro irmão, olha pra dentro do teu coração, vê se o Natal se tornou conversão e te ensinou a viver 1- Chegou a hora de sonhar de novo,de tornar-se povo e se fazer irmão. Chegou a hora que ligeiro 19. NESTA RUA (melodia: Se esta rua fosse minha) 40
  41. 41. dades, / Com medo estendera mão a ele. / Seu nome é Jesus Cristo e é todo homem / Que vive neste mundo e quer viver / P’ra Ele não existem mais fronteiras 1- Nesta rua, nesta rua este ano / nós iremos, nós iremos celebrar / a chegada, a chegada do Menino / que virá, que virá nos libertar. 2- Se você, se você acreditar / no poder do Menino que virá / vai chamar todo povo desta rua / pra melhor, pra melhor se organizar 21. NATAL É VIDA QUE NASCE Natal é vida que nasce, natal é Cristo que vem,/ nós somos o seu presépio e a nossa casa é Belém. 1- Deus se tornou nossa grande esperança,/ e como criança no mundo nasceu./ Por isso vamos abrir nossas portas./ A Cristo o que importa é conosco viver. 2- Ele assumiu nossa vida terrena, / ao céu nos acena com gesto de amor / Veio a todos salvar igualmente, / queria somente ser nosso pastor. 20. ENTRE NÓS ESTA Entre nós está e não o conhecemos Entre nós está e nós o desprezamos! Desprezamos! (bis) 1- Seu nome é Jesus Cristo e passa fome / E grita pela boca dos famintos. / E agente quando o vê, passa adiante... / Às vezes p’ra chegar depressa à Igreja! / Seu nome é Jesus Cristo está sem casa / E dorme pelas beiras das calçadas. / E a gente quando o vê, apressa o passo / E diz que ele dormiu embriagado!... 2- Seu nome é Jesus Cristo e é analfabeto, / E vive mendigando um subemprego. / E a gente quando o vê diz: “é um à toa”! / Melhor que trabalhasse e não pedisse... / Seu nome é Jesus Cristo e está banido/ Das rodas sociais e das igrejas / Porque dele fizeram um rei potente / Enquanto Ele vive como um pobre... 3- Seu nome é Jesus Cristo e está doente / E vive atrás das grades da cadeia. / E nós tão raramente vamos vê-Lo... / sabemos que ele é um marginal! / Seu nome é Jesus Cristo e anda sedento / Por um mundo de amor e de justiça, / Mas, logo que contesta pela paz, / A “ordem” o obriga a ser da guerra. 4- Seu nome é Jesus Cristo e é difamado / E vive nos imundos meretrícios. / Mas muitos o expulsa das ci- 22. SENHOR, VEM SALVAR O TEU POVO 1- Senhor, vem salvar teu povo das trevas da escuridão. / Só Tu és nossa esperança, és nossa libertação. Vem Senhor! Vem nos salvar, com teu povo vem caminhar! 2- Contigo o deserto é fértil, a terra se abre em flor; / Da rocha brota água viva, da terra nasce esplendor. 3- Tu marchas à nossa frente, és força, caminho e luz. / Vem logo salvar teu povo, não tardes, Senhor Jesus. 23. ESTOU PENSANDO EM DEUS Estou pensando em Deus Estou pensando no amor 1- Os homens fogem do amor / E depois que se esvaziam / No vazio se angustiam / E duvidam de você Você chega perto deles / Mesmo assim ninguém tem fé 2- Eu me angustio quando vejo / 41
  42. 42. ro recomeçar! / Ensina-me a ser irmão/ Dos pobres e oprimidos / Confesso meu egoísmo: / Eu penso demais em mim, / Teu sim para mim é não, / E se dizes que não eu insisto que sim. Converte o meu coração Aos pobres a quem tanto amas A ser também pobre me chamas Converte meu coração. 2- Converte o meu coração: eu quero reaprender! / Ensina-me a ser irmão / daqueles que não têm nada. / Confesso meu egoísmo: / É muito mais fácil dar / Do que se comprometer / E de novo aprender e, de fato, mudar. Que depois de dois mil anos / Entre tantos desenganos / Poucos vivem sua fé / Muitos falam de esperança/ Mas esquecem de você 3- Tudo podia ser melhor / Se meu povo procurasse / Nos caminhos onde andasse / Pensar mais no seu Senhor / Mas você fica esquecido / E por isso falta o amor 4- Tudo seria bem melhor / Se o Natal não fosse um dia / E se as mães fossem Maria / E se os pais fossem José / E se os filhos parecessem / Com Jesus de Nazaré 24. SE EU NÃO PARTILHAR 1- Se eu não partilhar / Em todos os momentos / Meus dons e meus talentos / E os bens que Tu me dás / Jamais entenderei / A Tua eucaristia / Milagre que extasia / E traz tão grande paz 2- Preciso compreender, Senhor, / Que neste pão repartido / Que neste vinho bebido / Toda a verdade se encerra / Sobre a justiça na terra / Sobre o amor e a bondade / E sobre a fraternidade / Que tu vieste ensinar / Que tu vieste ensinar 3- Se eu não der de mim / Podendo me doar / Serei então culpado / Do vinho e do pão / Se acaso eu partilhar / Da Santa Eucaristia / A paz que ela irradia / Em mim não brilhará 4- No dia em que eu me for / A fim de Te encontrar / Eu quero estar tranquilo / Do pão que eu dividi / E Tu que és meu Senhor / Irás multiplicar / Meus dons e tudo aquilo / Que em vida eu reparti 26. UTOPIA Vai ser tão bonito se ouvir a canção, cantada de novo. No olhar da gente a certeza de irmãos: Reinado do povo. 1- Quando o dia da paz renascer Quando o sol da esperança brilhar Eu vou cantar / Quando o povo nas ruas sorrir e a roseira de novo florir, eu vou cantar! 2- Quando as cercas caírem no chão Quando as mesas se encherem de pão/ Eu vou cantar / Quando os muros que cercam os jardins / destruídos, então os jasmins vão perfumar! 3- Quando as armas da destruição, Destruídas em cada nação, eu vou sonhar! / E o decreto que encerra a opressão / Assinado só no coração, vai triunfar! 4- Quando a voz da verdade se ouvir e a / Mentira não mais existir, será, enfim, / Tempo novo de eterna justiça/ Sem mais ódio, sem sangue ou cobiça: vai ser assim 25. CONVERTE MEU CORAÇÃO 1- Converte meu coração: eu que42
  43. 43. MÚSICAS PARA NOITE DE NATAL Ó VEM A NÓS, EMANUEL Refrão: Daí glória a Deus, louvai, povo fiel, Virá em breve, o Emanuel 1- Ó vem! Ó vem Emanuel! / És esperança de Israel! / Promessa de Libertação, / vem nos trazer a salvação! 2- Ó vem aqui nos animar / as nossas vidas despertar / dispersas as sombras do temor / vem pra teu povo, ó Salvador. 3- Ó vem, Rebento de Jessé, / e aos filhos teus renova a fé, / que possamos o mal dominar / e sobre a morte triunfar! 4- Vem, esperança das nações, / habita em nossos corações / toda discórdia se desfaz / tu és, Senhor, o rei da paz! NOITE FELIZ 1- Noite feliz, noite feliz/ Ó Senhor, Deus de amor, pobrezinho nasceu em Belém, eis na lapa Jesus, nosso bem /Dorme em paz, ó Jesus 2- Noite feliz, noite feliz/ Ó Jesus, Deus da luz: Quão afável é teu coração, que quiseste nascer nosso irmão, / e a nós todos salvar/ 3- Noite feliz, noite feliz/ Eis que no ar vêm cantar aos pastores os anjos dos céus, anunciando a chegada de Deus,/ de Jesus Salvador / SINO DE BELEM 1- Hoje a noite é bela / vamos a capela / sob a luz da vela / felizes a cantar./ Ao soar o sino / sino pequenino / vai um Deus Menino / nos abençoar. Bate o sino pequenino / sino de Belém / já nasceu o Deus Menino / para o nosso bem. Paz na terra pede o sino / alegre a cantar / abençoa Deus Menino esse nosso lar. 2- Vamos minha gente / vamos a Belém / vamos ver Maria e Jesus também. Já deu meia noite / já chegou o Natal/jjá tocou o sino lá na Catedral. VINDE CRISTÃOS 1- Vinde Cristãos, vinde à porfia / Hinos cantemos de louvor / Hinos de Paz e de alegria, / Hinos de anjos do Senhor Glóóóóóóóóóóóóóóóória, a Deus nas alturas Glóóóóóóóóóóóóóóóória, a Deus nas alturas 2- Vinde juntar-vos aos pastores / Vinde com eles a Belém / Vinde correndo pressurosos, / o Salvador que enfim nos vem 3- Foi nesta noite Venturosa / do nascimento do Senhor / Que anjos de voz harmoniosa / deram a Deus o seu louvor 43
  44. 44. A MÚSICA QUE EMBALA NOSSA MÍSTICA A partir dessa edição, iremos refletir sobre os Cantos das Comunidades, analisando a letra de uma música, seu sentido, espírito e ação. Uma Igreja a partir das bases expressa seus cantos nas situações do dia-a-dia, iluminados à luz da Palavra de Deus e alimenta o Espírito, trazendo ânimo e força para a Caminhada rumo ao Reino. Para começar, a música é “Bendito dos Romeiros”, de autoria do Zé Vicente. Para ouvir a melodia, acesse: www.youtube.com/ watch?v=mOaZOgePmd8. Bendita e louvada seja esta santa romaria. Bendito o povo que marcha, bendito o povo que marcha, tendo Cristo como guia Sou, sou teu, Senhor, sou povo novo, retirante e lutador, Deus dos peregrinos, dos pequeninos, Jesus Cristo redentor. No Egito, antigamente, no meio da escravidão, Deus libertou o seu povo. Hoje ele passa de novo gritando a libertação. Para a terra prometida o povo de Deus marchou, Moisés andava na frente. Hoje Moisés é a gente quando enfrenta a opressão. Quem é fraco, Deus dá força! Quem tem medo sofre mais. Quem se une ao companheiro vence todo cativeiro, é feliz e tem a paz. 44
  45. 45. Somos um povo em Romaria, o que recorda a caminhada do Povo de Deus no deserto. Esse período, na história do povo da Bíblia, foi de grande aprendizagem: como se organizar como sociedade para não voltar a ser escravo, conquistar uma nova terra, garantir a liberdade e viver plenamente com fartura para todos. A escravidão ainda ocorre em nossos dias: nas situações de morte, de opressão, de miséria, desemprego, injustiça. Deus ouve o clamor de seu Povo, toma posição, está do lado dos pobres, dos oprimidos. Para garantir essa liberdade, precisamos de Profetas, novos Moisés para apontar a direção: Para onde vamos seguir? Como nos organizar, para que nossas lutas sejam eficientes e eficazes? Discernimento e Coragem são dons do Espírito. São frutos da ação de Deus em nosso meio. Saber o que fazer e como fazer, para avançar na Caminhada, conquistando liberdade e dignidade cada vez mais; acreditar no Povo e na Força que tem. Unir-se na organização popular para lutar por uma outra sociedade. E quem nos guia: Jesus Cristo, seu Evangelho, seus gestos, suas palavras, suas atitudes. Bem-aventurados aqueles que se colocam nessa Marcha, rumo ao Reino Definitivo! Mauro Kano Equipe de Formação Diocesana das CEBs * artigo publicado no Informativo La Vem Trem das CEBs – ANO IX- Nº 87 Zé Vicente Mauro Kano 45
  46. 46. O Espaço Litúrgico No Advento o espaço litúrgico deve contemplar uma ornamentação sóbria. Símbolos Alguns símbolos nos ajudam nesta espera alegre e vigilante: Coroa do Advento Com suas velas que se acendem progressivamente a cada domingo, expressa a nossa prontidão e abertura ao Salvador que vem. Conforme Pe. Gregório Lutz (Revista de Liturgia, novembro-dezembro de 1999), a coroa do Advento surgiu no final do século 19, entre as comunidades evangélicas do norte da Alemanha. Passou a ser feita com ramos de uma espécie de pinheiro que permanece verde mesmo nos invernos mais rigorosos. Junto aos ramos verdes, quatro velas e uma fita, originalmente, vermelha. O verde dos ramos lembra a vida que Cristo é e garante a todos, as bênçãos do seu nascimento; a luz das velas expressa a sua luz e a necessidade de seus seguidores serem luz para o mundo. Acender uma vela a cada domingo indica que a luz vai ficando mais intensa até celebrarmos o Natal, a festa da luz por excelência. Por isso mesmo, o restante da decoração natalina não pode estar pronta e completa, especialmente o presépio, antes do dia de Natal, pois a coroa perderia a razão de ser. A forma circular da coroa pode lembrar o amor eterno de Deus, sem princípio e sem fim. Lembra também a Aliança que Deus estabelece com a humanidade em Jesus Cristo. A vela Também utilizada em arranjos de Natal, sendo um recurso de iluminação natural que cria aconchego e familiaridade. Sua luz é suave, não agride os olhos. Segundo Anselm Grun (Natal, celebrar um novo começo, festa entre os tempos, Edições Loyola, p. 44) “A vela não apenas ilumina, também aquece. A luz da vela nasce da combustão da cera. Isso é imagem do amor de Deus que se consome.” A vela tem cera e cha46
  47. 47. ma. Representam a natureza divina e a natureza humaCristo. “A divindade de Deus resplandece justamente sua natureza humana. A vela é, portanto, um misrio também de nossa própria encarnação. Em nosso corpo, a luz de Deus brilha neste mundo. Desde o nascimento de Jesus, resplandece, na noite de nosso mundo, a luz de Deus em cada semblante humano.” (idem, p.49) na de e m té- Em nossas casas também utilizamos alguns símbolos: A árvore de Natal Simboliza, segundo a tradição da Igreja católica, a vida. De acordo com o Pe. Gustavo Haas, assessor de liturgia da CNBB, a árvore deve começar a ser montada quando se inicia o Tempo do Advento. Va l e lembrar ainda que não deve ser montada de uma vez. O ideal é acrescentar enfeites aos poucos, durante as quatro semanas do Advento que é, para os católicos, tempo de preparação. A preparação da árvore deve ser intensificada na semana que antecede o Natal. “ Até 16 de dezembro, tudo ainda é muito sóbrio. Só a partir do dia 17 que as leituras começam a falar do nascimento de Jesus, e se inicia um momento de maior expectativa. Esse é o momento de intensificar a decoração da árvore”, afirma Pe. Gustavo. O presépio “Aos poucos, pode-se começar montar a gruta, colocar os animais e os pastores, mas Maria, José e o menino Jesus devem fazer parte do presépio apenas mais próximo do NATAL”. A orientação para quem pretende seguir a tradição católica é não sofisticar os presépios com luzes e enfeites. É muito importante envolver as crianças na montagem dos presépios, para que elas percebam o real sentido do Natal. 47
  48. 48. Formação Diocesana das CEBs - 15/09/2013 “Justiça e Profecia a Serviço da Vida” CEBs, Romeiras do Reino no Campo e na Cidade Subsídio Palavra de Deus no Meio do Povo LIVRETO Nº 4 – Ano XXIII - 2013 Ilustração da capa Luiz Henrique Alves Pinto Revisão Teológica Pe. Fabiano Kleber Cavalcante do Amaral Revisão Redacional Diác. José Aparecido de Oliveira (Cido) Impressão Katú Editora Gráfica Diagramação Fabrício Gustavo Flausino Tiragem 40.000 exemplares. 48

×