Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Lá vem o Trem das CEBs...
                                 Formação e Informação para animadores
     Diocese de São José ...
2                                                                   CEBs - Informação e Formação para animadores

        ...
3                                                                  CEBs - Informação e Formação para animadores

        :...
4                                                               CEBs - Informação e Formação para animadores

            ...
5                                                                  CEBs - Informação e Formação para animadores

         ...
6                                                                   CEBs - Informação e Formação para animadores


       ...
7                                                                CEBs - Informação e Formação para animadores

           ...
8                                                                            CEBs - Informação e Formação para animadores
...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Informativo das CEBs Fevereiro 2010

1,392 views

Published on

Informativo das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Informativo das CEBs Fevereiro 2010

  1. 1. Lá vem o Trem das CEBs... Formação e Informação para animadores Diocese de São José dos Campos - SP Informativo das CEBs - Ano VI - Fevereiro de 2010 - Nº 53 “Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro” Mt 6,24c Ó Deus criador, do qual tudo nos Reconhecemos nossos pecados de vem, nós te louvamos pela beleza e per- omissão diante das injustiças que cau- feição de tudo que existe como dádiva sam exclusão social e miséria. Pedimos gratuita para a vida. por todas as pessoas que trabalham na Nesta Campanha da Fraternida- promoção do bem comum e na condu- de Ecumênica, acolhemos a graça da ção de uma economia a serviço da vida. unidade e da convivência fraterna, Guiados pelo teu Espírito, que- aprendendo a ser fiéis ao Evangelho. remos viver o serviço e a comunhão, Ilumina, ó Deus, nossas mentes para promovendo uma economia fraterna compreender que a boa nova que vem e solidária, para que a nossa sociedade de ti é amor, compromisso e partilha acolha a vinda do teu reino. entre todos nós, teus filhos e filhas. Por Cristo, nosso Senhor. Amém. sessor 02 Palavra do As Caminhada 03 Memória da idades contro de Comun 04 Dinamizando o En atal 06 Novena de N Popular 07 Religiosidade Irá Acontecer 08 Aconteceu •
  2. 2. 2 CEBs - Informação e Formação para animadores :: PALAVRA DO ASSESSOR CF e Tempo Quaresmal: mais um desafio! Irmãos e irmãs de caminhada, paz cinzas sobre a cabe- mensão da conversão ver somente na dimensão individual o e bem! ça, fazer caminhada social. De fato, amar a tempo de quaresma. Necessariamente, A Quaresma inicia-se com a Quar- penitencial, fazer je- Deus começa no amar devemos partir para uma convivência ta-feira de Cinzas, todos sabemos. Mas, jum, deixar de comer o irmão, converter- mais parecida possível com o ideal do corremos o risco de perder seu sentido carne ou beber algu- se para Deus exige Reino de Deus... Lembremos que não verdadeiro. Nada de exterioridade ou ma coisa... isso tudo converter-se para o dá pra servir a Deus e ao dinheiro ao superficialidade neste tempo e sem- pode ser vivido, mas próximo. mesmo tempo. Reflitamos e deixemo- pre. Quaresma é um convite de Deus que levem as pessoas Neste ano, o as- nos ser mudados em nossas atitudes e e da Igreja para uma revisão de vida... a serem mais frater- sunto é extremamente intenções pela graça de Deus e pelo vida esta em todas as suas dimensões: nas, mais irmãs. desafiador, tanto para tema da CF 2010, e façamos isso ecu- pessoal/individual, comunitária/social, Há muito tem- a Sociedade como menicamente! familiar/conjugal, humana, psicológica, po a CNBB tem nos para a própria Igreja: Ânimo e perseverança a todos neste moral, ecológica, ecumênica, eclesial, levado a refletir um o assunto é economia, início de ano! espiritual... tema em cada qua- para não falar dinhei- Pe. Ronildo Podemos ficar no “apenas” receber resma, e este na di- ro. Não dá para vi- (Assessor Diocesano das CEBs) Foto: Bernadete Mota :: IDENTIDADE DAS CEBs ORAÇÃO DOS CRISTÃOS LEIGOS E LEIGAS OS POBRES NÃO SÃO APENAS DESTINATÁRIOS DE NOSSA COMPAIXÃO Foto: Maria Matsutacke É verdade que é preciso promover, profundo grandes pessoas... Com seu nem o resultado de fenômenos natu- com urgência e eficiência, os direitos trabalho constroem os rais, tais como en- Foto: Divulgação dos pobres e organizar a sociedade alicerces da vida em so- chentes ou a seca, que de modo a lhes facilitar o ingresso na ciedade, em atividades sem dúvida desafiam Senhor Jesus Cristo, cidadania plena. Entretanto, é impor- diversas. Não precisam as capacidades huma- Tu, que caminhaste no chão deste mundo, testemunhando o Projeto de tante também valorizá-los mesmo em apenas ser socorridos, nas. Os seres huma- Deus para a humanidade, ensinando sua pobreza, como pessoas capazes de mas também devem nos organizam-se em homens e mulheres a viverem a radi- dar-nos lições de vida, gerando ao invés ser ouvidos, levados a sociedade para fazer calidade dos valores do Reino de Deus, do preconceito o respeito. A vida sofri- sério, valorizados em frente, juntos, às ne- chamando todos à decisão do segui- da de tantas famílias que lutam, não só suas capacidades e po- cessidades da vida. mento e a assumirem as exigências da para sobreviver, mas também para dar tencialidades. Com Na cooperação soli- Missão, Faze com que nós, cristãos lei- um futuro melhor a seus filhos e filhas, isso, todos ganhariam, dária podem aumen- gos e leigas, respondamos com a vida é fonte de edificantes exemplos para a também os que não são tar as possibilidades ao Teu chamado, na nossa vida pesso- vida vazia de muitos que ostentam si- hoje pobres, porque de desenvolvimento al, na família, na comunidade, no tra- seria melhor este úni- de sua personalidade, balho, na ação política e na sociedade. co mundo onde todos desenvolvendo suas Que hoje se revigorem em nós as motivações e a graça dos Sacramentos tem o direito de viver. potencialidades, não do Batismo e da Crisma, doados pelo Foi com este espírito apenas no campo ma- amor da Trindade Santa, tornando-nos que Dom Helder Câmara compôs o terial, mas também no nível intelectual, “protagonistas da evangelização”, tes- seguinte poema, baseando-se na pa- afetivo e espiritual. Todos querem, com temunhando presença na construção rábola evangélica do rico e do pobre razão, desfrutar de uma vida longa, de uma sociedade justa e solidária. Lázaro: saudável e criativa, como indivíduos e Que nossa disposição de conversão APELO A LÁZARO como membros da sociedade, pondo nos leve a amar os excluídos e a supe- Foto: Pe. Ronildo Pelo amor que tenho aos ricos - a em ação o potencial de dons que Deus rar a exclusão – particularmente a ex- quem não devo julgar, e que custa- a todos distribuiu. Isso é um direito clusão dos empobrecidos, dos menores ram o sangue de Cristo- eu te peço, universal e uma necessidade que impli- abandonados, dos doentes, da mulher, Lázaro, não fiques nas escadas e não ca o bem de toda a sociedade. do negro, dos povos indígenas, dos al- coólatras, dos encarcerados, dos dro- nais de prosperidade. Em vez de con- te deixes enxotar... gados, dos desempregados, dos idosos siderar “importantes” só os bem vesti- Irrompe banquete adentro, vai provo- Campanha da Fraternidade Ecumê- e dos moradores de rua – para assumir dos que esperam até certa reverência car náuseas nos saciados convivas. nica -2010 – ECONOMIA E VIDA com responsabilidade e discernimento pela sua posição social, seria preciso Vai levar-lhes a face desfigurada de “Vocês não podem servir a Deus e ao a exigência de novos ministério, res- aprender a admirar os pobres, aqueles Cristo de que tanto precisam sem saber Dinheiro” (Mt 6,24) pondendo criativamente aos desafios que lutam com muito menos recursos e sem crer. de nosso tempo, no novo milênio. e se tornam em um sentido bem mais A pobreza não é uma fatalidade (Texto Base: reprodução nº 46/47) Amém.
  3. 3. 3 CEBs - Informação e Formação para animadores :: FORMAÇÃO PARA ANIMADORES Fundamentação eclesiológica das reuniões das CEBs nas Comunidades a) A Igreja é o povo de Deus, que c) Na Diocese devem florescer as ce o relacionamento interpessoal na justa e solidária, “para que todos te- manifesta sua vida de comunhão e ser- paróquias e as comunidades cristãs, fé, o aprofundamento da Palavra de nham Vida e a tenham em abundância” viço evangelizador em diversos níveis como células vivas e pujantes da vida Deus, a participação na Eucaristia, a (Objetivo Geral da Ação Evangeli- e sob diversas formas (Documento de eclesial (Documento de Santo Domin- comunhão com os pastores e um maior zadora da Igreja no Brasil 2008-2010). Puebla 618). go 55). compromisso social (Documento de g) Tudo isso pode ser vivenciado no b) A Diocese, presidida pelo Bis- d) As paróquias devem se tornar, Aparecida 307-310). Nelas se acentua Grupo Bíblico em Família, que é uma po, é o primeiro espaço da comunhão mediante uma ação renovadora, espa- o compromisso com a família, com o das possíveis formas de pequenas co- e da missão (Documento de Aparecida ços de inicia- trabalho e a co- munidades eclesiais. No Grupo Bíblico Foto: Bernadete Mota 169). Em todas as suas comunidades e ção cristã, da munidade local. em Família é possível fazer experiência estruturas, ela é chamada a ser “comu- educação e ce- As pequenas de Deus, vivência fraterna, formação nidade missionária” (Documento de lebração da fé, comunidades bíblico-teológica e ação missionária Aparecida 168). A Diocese é um ter- abertas à diver- são a esperança (Documento de Aparecida 226). O ritório geográfico onde vivem pessoas sidade de caris- da Igreja (Evan- Grupo Bíblico em Família ajuda seus e comunidades com determinadas ca- mas, serviços e gelii Nuntiandi membros a serem discípulos missioná- racterísticas histórico-culturais, que se ministérios. A 58). rios através do encontro com Cristo, da constituem como uma porção da Igreja paróquia, “co- f) A missão conversão, do discipulado, da comu- de Cristo, unida no mesmo Espírito, munidade de da Igreja e dos nhão e da missão (Documento de Apa- alimentada pelo mesmo Evangelho e a comunidades”, grupos Bíblicos recida 278). No processo de formação mesma Eucaristia e presidida pelo mes- deve ser o lu- em Família é: de verdadeiros discípulos missionários mo Bispo. Ela é uma Igreja Particular, gar privilegiado “Evangelizar, a de Jesus Cristo, o Grupo Bíblico em Fa- que se constitui e vive na comunhão da no qual a maioria dos fiéis tem uma partir do encontro com Jesus Cristo, mília pode ser um espaço de iniciação à Igreja Universal, presidida pelo Papa. experiência concreta de Cristo e da co- como discípulos missionários, à luz da vida cristã, como também de formação Na ação evangelizadora, tudo deve ser munhão eclesial. As paróquias são cha- evangélica opção preferencial pelos po- permanente (Documento de Apareci- feito em unidade com o Bispo e com as madas a ser “casas e escolas de comu- bres, promovendo a dignidade da pes- da 286-300). opções, prioridades e decisões da Igre- nhão” (Documento de Aparecida 170). soa, renovando a comunidade, partici- ja diocesana. e) Nas pequenas comunidades cres- pando da construção de uma sociedade Fonte: Arquidiocese de Florianópolis :: MEMÓRIA DA CAMINHADA 75 Anos de História e Caminhada No dia 2 de fevereiro, a Paróquia de foi criada pelo então bispo de Taubaté, Quando se tornou paróquia ganhou Sant’Ana comemorou 75 anos de exis- Dom Epaminondas Nunes de Ávila e uma extensa área rural, com dezenas tência. A missa em Ação de Graças foi Silva, que atendeu a reivindicação de de capelas. às 19h30, na Matriz, presidida pelo pá- uma comissão de moradores, preocu- Desde sua fundação, 10 párocos já roco Padre Antonio pados com a grande passaram pela Igreja de Sant’Ana. Sen- Silva França. extensão da paró- do padre Antônio Silva França, o 11º. quia Matriz de São Uma das figuras mais notáveis que pas- Foto: Maria Matsutacke Endereço: Praça José, a qual perten- sou pela paróquia foi Monsenhor Luiz Monsenhor Luiz G. cia, com suas cape- Gonzaga Alves Cavalheiro, que em par- A. Cavalheiro, 39 - las em áreas rurais. ceria com governos e iniciativa privada Santana - São José A história da Pa- (entre elas, destaca-se a colaboração dos Campos róquia de Sant’Ana de Olivo Gomes, então proprietário da se funde em vários Tecelagem Parahyba S.A.) pensava não Histórico: pontos com a histó- só no bem estar espiritual de seu povo, Data da Instalação: ria do bairro onde mas sim no contexto de sociedade como um todo. A vida paroquial cresceu ao 2/2/1935 Foto: Bernadete Mota está instalada, na mesmo tempo e proporção em que a Foto: Bernadete Mota Data de fundação: 17/01/1935 região norte da cidade, um bairro que sociedade crescia e se transformava. Os Primeiro pároco: Pe. Osvaldo Gemmi já foi muito forte econômica e politica- destaques deste período de desenvolvi- Chester mente. Um dos bairros centenários de mento são a construção da nova Igreja Construção da Nova Igreja: 1945 São José dos Campos, Santana serviu Matriz, depois a construção da Escola Dia da padroeira: 26 de julho como ponto de partida para o desen- Paroquial e da viabilização da constru- Abrangência : Santana, Vila Cristina, volvimento da cidade, com localização ção do Hospital PIO XII, administrado Vila Rossi, Vila César, Vila do Carmo privilegiada, próximo aos caminhos que hoje pelas Pequenas Missionárias de e Vila Machado. levam à Minas Gerais, o que o tornou Maria Imaculada. Desmembrada da paróquia Ma- importante parada de tropeiros e cen- triz São José, a paróquia de Sant’Ana tro de comércio desde os primórdios. Fonte: Site da Paróquia de Sant’Ana
  4. 4. 4 CEBs - Informação e Formação para animadores :: NOTÍCIAS DA CNBB Foto: Divulgação Episcopado salvadorenho solicitará ao Vaticano Beatificação de Dom Oscar Romero “Nós como Igreja temos o desejo Segundo dom José Luis, houve con- Romero, foi o quarto ar- de que dom Romero seja beatifica- senso entre os bispos para que fosse cebispo metropolitano do o quanto antes”. A afirmação é do escrita uma carta à Congregação das de San Salvador, entre arcebispo de San Salvador, dom José Causas dos Santos e já foi formada os anos de 1977 e 1980. Luis Escobar Alas, em coletiva de im- uma comissão para esse fim. “Espera- Em Roma, ele estu- prensa. Ele também confirmou que mos que a assinatura de todos os nossos dou na Pontifícia Univer- os bispos salvadorenhos pretendem bispos ajude no processo de beatifica- sidade Gregoriana. Ele enviar uma carta ao Vaticano pedin- ção, que se encontra numa fase que nós foi ordenado sacerdote do pela beatificação de dom Oscar não conhecemos, pois se trata de um em 4 de abril de 1942. Em 25 de abril Guerra Civil daquele país caribenho. Arnulfo Romero, arcebispo de San procedimento reservado”, enfatizou. de 1970 foi nomeado bispo auxiliar “A missão da Igreja é identificar-se Salvador assassinado em 24 de março O episcopado de San Salvador já de San Salvador, e em 15 de outubro com os pobres. Assim a Igreja encon- de 1980, enquanto celebrava missa. aprovou todos os eventos [culturais e de 1974, bispo de Santiago de Maria. tra sua Salvação”, disse, dom Romero, religiosos] que lembrarão o Dom Romero assumiu a arquidio- em sua homilia do dia 11 de novembro 30º aniversário do assassina- cese de San Salvador em 3 de fevereiro de 1977. Ele foi assassinado em 24 de to de dom Romero, que será de 1977 e foi escolhido arcebispo por março de 1980 por um atirador de eli- lembrado também em todas seu conservadorismo. Durante seu tra- te do exército salvadorenho, treinado as Igrejas da América Latina balho ele foi contra qualquer tipo de nas Escolas das Américas, enquanto a fim de atualizar a sua he- violência, posição que o fez ser compa- celebrava missa. Quando se espalhou rança espiritual e pastoral. rado ao líder indiano Mahatma Gandhi pelo mundo a notícia de seu assas- Quem foi dom Romero e ao americano Martin Luther King. sinato, houve comoção e protestos, Nascido em 15 de agosto Em suas homilias dominicais ele pas- além de pressões internacionais por de 1917, na Ciudad Barrios, sou a denunciar as violências contra os reformas em El Salvador. O papa João distrito de San Miguel, em direitos humanos e chegou a manifes- Paulo II o declarou servo de Deus. Foto: Pe. Ronildo El Salvador, Óscar Arnul- tar publicamente solidariedade pelas fo Romero Galdámez, mais vítimas da violência política que asso- Fonte: CNBB conhecido como monsenhor lava o país da época, no contexto da :: DINAMIZANDO O ENCONTRO DE COMUNIDADES Campanha Missionária 2010 já tem Estratégia de Comunicação “Missão e Partilha”. Este é o tema meios da imprensa católica já é o início de missionários atuando em diversas Campanha e incentivar os cristãos para da Campanha Missionária, de outubro do processo de articulação e divulgação partes do mundo. o compromisso concreto com a Missão. de 2010. Com o objetivo de intensificar da Campanha”, avaliou. O diretor da Verbo Filmes, padre “O DVD oferecerá vários horizontes de a sua divulgação, representantes dos Anualmente a Pom, para animar o Cireneu Kuhn, destacou que o objeti- experiências missionárias que podem principais meios de comunicação mis- mês das Missões, elaboram e enviam vo da novena é popularizar o tema da servir de referência para um projeto sionários, organismos ligados ao Con- a todas as dioceses do de vida a serviço do Reino”, explicou Foto: Divulgação selho Missionário Nacional (Comina) e Brasil, subsídios como Cireneu, que coordenará a produção. assessoria de imprensa da CNBB, reu- a mensagem do papa, Segundo o padre Paulo de Coppi, niram-se no dia 15 de Dezembro (2009) santinhos com a Oração diretor do jornal Missão Jovem, “os na sede das Pontifícias Obras Missioná- Missionária, folhetos in- Conselhos Missionários em todas as rias (Pom), em Brasília. formativos, textos e refle- instâncias têm um papel importante Para o diretor do organismo, pa- xões para as celebrações. na animação das comunidades”. A dre Daniel Lagni, que promoveu e Para o ano de 2010, além Coleta feita no Brasil, no Dia Mun- coordenou os trabalhos, a reunião foi da divulgação da Cam- dial das Missões, por meio do enve- “altamente positiva e serviu para apro- panha nos principais ve- lope enviado pela Pom a cada comu- fundar o processo de divulgação da ículos de comunicação, nidade é destinada ao Fundo Mundial Campanha Missionária no Brasil, como uma das propostas apro- de Solidariedade Missionária para fi- instrumento de formação, animação e vadas foi a produção de nanciar projetos de evangelização em cooperação”. Em sua opinião, “o fato um DVD contendo uma diversas frentes. de reunir um grupo que representa os Novena e testemunhos Fonte: Site da Revista Missões
  5. 5. 5 CEBs - Informação e Formação para animadores :: ESPAÇO DO ANIMADOR Compromisso com a Vida e com a Comunidade Põe a semente na terra, não será em vão… Início de um novo ano, desejo de de criar o trabalho de capacitação para mudança, recomeçar aquele trabalho os milhares de voluntários da Pastoral. Não te preocupe a colheita, plantas para o irmão... que está meio parado, novas esperan- Mas, logo que iniciou o trabalho, a ças etc... Assim começa nosso janeiro, fundadora da Pastoral da Criança per- depois chega fevereiro, o ritmo ainda cebeu um entrave para o repasse da permanece, chega o próximo mês e o orientação sobre a alimentação correta ritmo vai diminuindo, por que será? das crianças: “a maioria das mães nas Queremos acreditar que na maio- áreas carentes eram analfabetas. E ve- rificamos que os índices de mortalidade infantil são inversamente pro- porcionais ao nível de escolaridade. Pois as mães sem acesso à edu- cação também não tem autonomia para alimen- tar seus filhos de manei- ra correta”, revelou. A Foto: Bernadete Mota solução encontrada pela Pastoral foi a promoção de cursos de Educação de Jovens e Adultos. De todas as ações im- ria das vezes fazemos propostas a nós plementadas pela entidade, Dra. Zilda mesmos sem o devido planejamento e o sempre destacou o estímulo à solidarie- tempo vai passando, o calendário aper- dade como a mais importante delas. “A tando, e nós deixamos de corresponder solidariedade é identificada em estudos muitas vezes àquilo que esperávamos. nas universidades como a coisa mais Para muitos, isto é inquietante, e o de- importante do mundo atual”. Em sua sejo de fazer acontecer é grande; para última visita a Minas Gerais, ela ainda outros à medida que o tempo passa, o refletiu: “ No momento em que o pla- calendário os desculpa e vão tocando o neta está se destruindo por causa do barco. egoísmo de alguns, a solidariedade faz A missão nossa de cada dia é exi- falta até para os ricos, que não vivem gente, dado que a colheita é grande, mais em paz. O governo precisa fazer mas os trabalhadores comprometidos mais por aqueles que mais precisam. são poucos ( Lc.10,2). O compromis- Tem que acabar com o desequilíbrio so de batizados, a missão da Igreja, o social, da existência de poucos ricos e Doc. de Aparecida com suas propostas muitos pobres”. esperam de nós respostas, nada que (Narração sobre Dra. Zilda Arns fonte: seja impossível, apenas perseverança e Jornal Estado de Minas) objetivos concretos que possam ser ple- Dra. Zilda faleceu vitima de um namente realizados, como organizar a terremoto na cidade de Porto Príncipe- nossa agenda com o que é prioritário, capital do Haiti durante uma palestra não centralizar tudo para si, partilhar em uma igreja local que desabou. Por com os outros dividindo tarefas e res- todo o seu trabalho incansável a serviço ponsabilidades. do próximo, esta grande mulher, mãe Podemos citar como exemplo: o al- de cinco filhos, médica pediátrica, sani- cance que a Pastoral da Criança atin- tarista e missionária foi uma pessoa de giu a partir de uma proposta da Dra. “ COMPROMISSO” Zilda Arns, conforme sua narração Também nós, neste início de ano, “Sentei na cozinha com meus filhos e podemos repensar nossas atitudes de disse: hoje à noite, vou montar um pro- solidariedade e assumir o nosso com- jeto que se a Igreja levá-lo adiante, vai promisso de cristãos batizados na luta salvar milhões de crianças. Mas, como por uma sociedade mais justa. levar as ações a todas as comunidades? Me lembrei que a Bíblia fala da multi- Contribuição: Luiz Marinho plicação dos peixes e dos pães”, recor- (Equipe de Comunicação) dou ela, explicando como teve a idéia
  6. 6. 6 CEBs - Informação e Formação para animadores Notícias da Novena de Natal 2009 nas Regiões Pastorais da Diocese Região Pastoral II A Novena de Natal em nossos se- melhorar para crescermos em Cristo”. tos de profunda entrega, tores foi bem participativa com muito Nossa comunidade é composta de envolvendo a todos. entusiasmo e dinamismo no ouvir a Pa- doze pessoas, no momento estamos Nosso encerramento lavra de Deus. Foi possível envolver as com dois impossibilitados de frequen- da novena de Natal e con- crianças com teatro, músicas e sorteios, tar as reuniões das famílias nas segun- fraternização foi na Comu- para alegrar ainda mais os nossos en- das feiras. nidade Missionária do Pe. contros como pede nos subsídios. Vivemos realmente como irmãos Dijalma, foi uma benção! No encerramento, nono dia da no- em Cristo e nos preocupamos uns com Tivemos uma excelente participa- vena, aconteceu uma belíssima confra- os outros, verdadeiro testemunho em ção da comunidade. ternização onde todos puderam trocar nossa rua. Sou imensamente agradecida a todos presentes simbólicos e muita alegria. Decidimos realizar os encontros nas e todas que colaboraram para nosso Marisa Fonseca - Coordenadora RP II casas de nossa rua, onde tinham pes- gesto concreto, entregamos duas ces- Fotos: Madalena Mota Paróquia Nossa Senhora de Fátima . soas doentes impossibilitadas de sair. tas básicas à família indicada por nossa As famílias que nos acolheram ficaram Coordenadora Paroquial! Testemunho de um trabalho em felizes em poder receber os livretos e as Deus abençoe a todos e todas! missão do Reino Capelinhas Missionárias. Madalena das Graças Mota “Natal momento de grande refle- Nestes encontros, desde a oração Animadora da Rua Avaristo Borges, xão, avaliar e rever em que podemos inicial até a despedida, foram momen- Setor I - Paróquia de Sant’Ana Região Pastoral III Região Pastoral VI Eugenio de Melo Com a Novena de Natal, intensi- A Novena de Natal teve uma boa ficamos a preparação para a festa da participação com 19 grupos, tendo entrada do Verbo de Deus em nossa como gesto concreto arrecadação de historia, interpelados a fortalecer a alimentos para distribuição de cestas, esperança, assumir a historia de uma visitas e confraternização. maneira diferente, lutar para por fim a Juquita Coordenador - RP III uma cultura de morte e proclamar com Paróquia Nossa Senhora da Conceição atos e palavras que a vida é mais forte. A cada dia da novena, nas ruas, Foto: Maria Matsutacke nas comunidades da região aumen- Fotos: Divulgação tava a certeza de que a luz brilha nas trevas e que Deus nos ama a tal ponto que se faz gente como nós. O dom crescendo em cada um e nos tornando capazes de ir ao encontro das outras pessoas, de esparramar no mundo a solidariedade, a esperan- ça, a justiça, a paz, e assim, os gestos Região Pastoral V concretos aconteceram naturalmen- te. Gestos que seguiram a tradição de cada comunidade, arrecadação de Conforme informação das paró- muita motivação para a partilha. cestas básicas, de alimentos próprios quias; Nossa Senhora do Perpetuo Obs: Paróquia Coração de Jesus ar- da época, prendas para crianças, etc. Socorro, São Bento e Paróquia Cora- recadou 340 cestas de 25kg, totali- Inovando, as CEBs da Paróquia Nos- Região Pastoral IV ção de Jesus, a Novena de Natal foi zando 8.500kg destinando parte para sa Senhora de Guadalupe trabalha- muito proveitosa , com a participa- a Sociedade. São Vicente de Paulo e O coordenador Camilo informou ram, além dos já tradicionais gestos ção das famílias reunidas nas casas, outra parte destinada às vitimas das que a Novena foi bem participativa, concretos, a ecologia, conscientizan- celebrações e confraternizações nos enchentes em São Luis do Paraitin- as comunidades paroquiais conduzi- do para utilização de sacolas ecoló- setores e nas missas de encerra- ga e as crianças do Bosque e Inter- ram cada uma a seu jeito, reunindo- gicas, não descartáveis, no momento mento com grande participação . lagos foram presenteadas com 1.200 se nas casas, celebrando e confra- da compra de pão e leite, e a arre- Gesto concreto arrecadação de brinquedos e roupas, provenientes ternizando e como gesto concreto, a cadação de valores em prol da cons- cestas básicas, brinquedos e parti- da Campanha da árvore de Natal. arrecadação de alimentos. trução do Centro Pastoral Paroquial. cipação em visitas, e acima de tudo
  7. 7. 7 CEBs - Informação e Formação para animadores :: CEBs E RELIGIOSIDADE POPULAR Mão na Massa No meio do povo encontramos dente, para encontrar forças em sua Na América Latina, a religiosida- diversas práticas religiosas que se luta, para pedir ajuda nos problemas de popular são a expressão de grande Carne com denominam “religiosidade popu- que sozinho não consegue resolver. parte da população, experiências das lar”: fazer e pagar promessas, roma- Por que esta religiosidade se chama massas. As CEBs devem estar a serviço Banana rias, devoções a determinados santos popular? Porque suas expressões nasce- dos demais irmãos, especialmente dos ram espontaneamente no meio do povo. mais pobres e esquecidos, para acolher Cada prática religiosa no meio todos os seus valores e ao mesmo tem- do povo tem sua própria origem his- po propor-lhes questionamento crítico tórica. Muitas dessas práticas vie- ram do catolicismo europeu com os colonizadores que aqui chegaram. Foi o próprio povo (e isso é méri- Foto: Bernadete Mota to) que, a seu jeito, foi transmitindo de pai para filho a religiosidade, ou pelo menos certas tradições católicas. Foto: Bernadete Mota As práticas religiosas do povo, mes- (as), procissões, festa do Divino, fo- mo as mais simples, manifestam um lia de Reis, acender velas, a hora da sentimento profundo e sincero que me- ave-maria, etc. São alguns dos mui- rece todo o nosso respeito, elas tem de INGREDIENTES: tos costumes religiosos bem enrai- positivo a consciência de um Deus que 2 bananas zados no coração do povo, em geral. está perto, que muito tem a ver com de suas práticas, costumes... e, além 1 xíc. (chá) de água Religiosidade é um sentimento nossa vida e nossos problemas. No fun- disso, apresentar quadros pastorais 1 tablete de caldo de carne profundo que existe em cada pessoa, do (embora muitas vezes de maneira es- que possam integrar nas comunidades 1 xíc. (chá) de talos de brócolis fazendo com que sinta a necessida- tranha para nós), elas manifestam uma vivas os diferentes grupos populares. 4 col. (sopa) de azeite de de entrar em contato com Deus. confiança filial em Deus que é entendi- 2 col. (sopa) de cebola A realidade diária não satisfaz o ser do como Pai de infinita bondade e que Edvaldo C. Costa 1 dente de alho humano e este, de muitas formas, se torna acessível através de um tipo de Paróquia Imaculada Conceição - 200 g de carne moída procura se comunicar com o transcen- oração muito sincera, espontânea e viva. Jacareí sal a gosto 1 xíc. (chá) de tomate maduro picado :: VOCÊ SABIA? 1 col. (sopa) de salsa MODO DE PREPARO: Quais os efeitos que a oferta do Dízimo produz na pessoa e na comunidade? Descasque as bananas, corte em rodelas de aproximadamente 1 cm O Dízimo é como a semente. Lan- O Dízimo é um compromisso com nosso dinheiro, mas quer nos educar à e afervente na água com o caldo de çado em terreno fértil, germina, brota Deus, com a Igreja e com os pobres. O generosidade e à partilha. O Dízimo le- carne. e cresce, e com o tempo produz frutos dizimista é alguém que aprendeu a re- va-nos a imitar Deus na generosidade: Retire-as do caldo com uma escu- bons e abundantes. Com a evangeliza- partir. Seu Dízimo é uma partilha dos educa-nos para a vida de comunidade madeira e reserve-as. Ainda na água ção paroquial do Dízimo, observa-se bens de Deus, do que se tem e não do e torna-nos irmãos e irmãs de todos. do caldo, afervente os talos de bróco- que cresce, no coração do dizimista e que sobra. Por isso, o Dízimo deve vir, O Dízimo é um gesto de amor, lou- lis até ficarem macios. Reserve. Dou- na comunidade participativa, o espírito como diz a Bíblia, das nossas primícias, vor e gratidão a Deus. É um ato de fé re no azeite a cebola e o alho, junte a de fraternidade e de amor ao próximo. isto é, de nossos “primeiros frutos”. em Deus e confiança na comunidade. carne moída e deixe refogar. Tempe- Traços e gestos de caridade, generosi- Deus não precisa de nossas coisas e do “Quem semeia com largueza também re com o sal, acrescente os tomates dade e partilha se evidenciam a cada colherá com largueza” (2Cor 9,6). “Dai picados, os talos de brócolis com o dia. Percebe-se ainda que as pessoas, e vos será dado. Uma medida boa, soca- caldo de carne e a salsa. Coloque em ao fazerem a experiência do Dízimo, da, sacudida e transbordante será colo- um refratário e cubra com as rodelas vivenciam, em suas casas e em diferen- cada na dobra da vossa veste” (Lc 6,38). de bananas. Leve ao forno para aque- tes ambientes, o fato de que nada lhes Se você já fez a experiência do Dí- cer as bananas. falta, principalmente o necessário para zimo: Parabéns! Persevere sempre... Se sua sobrevivência. Essas pessoas, dian- ainda não é dizimista: Não tenha medo. Tempo de preparo: 30min te da sua caminhada cristã e graças ao Faça a experiência e verá a promessa de Rendimento: 4 porções trabalho necessário de evangelização Deus se cumprir na sua vida (Malaquias Valor calórico da porção: 250, 20 Kcal do Dízimo, se tornam dizimistas, por- 3,10-12). Procure em sua Paróquia a que entenderam a Palavra de Deus. Equipe de Pastoral do Dízimo. Deus o Dica: A banana é rica em po- Perceberam o sentido e objetivo do Dí- aguarda, com muito amor! Quem vai tássio, que auxilia no controle zimo. Descobriram que o Dízimo é um sair ganhando, ao final de tudo, é você! ato de louvor. É um agradecimento a da pressão arterial. Deus, por tudo o que temos e somos. Cartilha daFonte: cartilhade Arquidiocese da Pois Deus é nosso Pai e a Igreja é nos- Florianópolis Fonte: Cozinha Brasil/ SESI Arquidiocese de Florianópolis sa mãe e nós somos seus filhos e filhas.
  8. 8. 8 CEBs - Informação e Formação para animadores :: ACONTECEU Formação sobre o Ofício Divino das Comunidades na Região Pastoral VI No dia 31 de janeiro, na Comunida- alimentar foi trabalhada, sendo servi- continuamos na inspiração das Pri- de São Francisco, em Jacareí, as comu- do muitas frutas e chás, fruto da par- meiras Comunidades Cristãs, parti- nidades da Região Pastoral VI viveram tilha dos(as) participantes; a questão lhando nossos bens e nossa luta, ali- um rico momento de aprendizado, cons- ecológica se fez presente em uma breve mentando nossa espiritualidade na truindo e se familiarizando com a prati- apresentação de conscientização eco- espiritualidade de Jesus Libertador. ca do Oficio Divino das Comunidades. lógica e no sorteio de sacolas ecológi- Rezamos o Oficio da Manhã, Oficio do cas; imagens foram sorteadas, trazen- CEBs – RP VI Meio Dia e o Oficio da Tarde com Cele- do presente a religiosidade popular. bração da Palavra. O encontro foi asses- Dois gestos concretos aconteceram sorado por Éder M. Aono, de Sorocaba. no decorrer da formação, uma coleta para Passaram pelo encontro durante nossos irmãos e irmãs do Haiti e carta o dia: Pe. Ronildo, assessor diocesa- assinada pelos(as) presentes para pres- no das CEBs, Pe. Afonso, coordena- sionar os(as) deputados(as) federais para Fotos: Maria Matsutacke dor da RP VI, Hamilton, coordenador que o PLP 518/09, originário do Projeto diocesano das CEBs; Zezé, coordena- de Lei de Iniciativa Popular sobre a Vida dora do Subsidio das CEBs; Marinho, Pregressa dos Candidatos, seja coloca- coordenador da Comunicação CEBs. do em pauta e aprovada urgentemente. No intervalo da manhã, a questão Nossa alegria é imensa, porque :: ACONTECEU :: ACONTECEU Ordenação Dia 24/01, aconteceu uma tarde de formação para os(as) animadores(as) da Nota de pesar das do Padre Comunidade Nossa Senhora do Perpé- Comunidades tuo Socorro, Rio Comprido, com o Tema Eclesiais de Base Alexsandro Liderança Eficaz, assessorada por Valter de Souza. O coordenador diocesano das Com a Igre- Fotos: Bernadete Mota CEBs, José Hamilton Tavarez esteve pre- ja Santa Maria sente, o que muito alegrou os participan- lotada, Padre tes. Alexsandro de Comunidade N. Sra. do Perpétuo So- Ramos Brito foi corro – Paróquia N. Sra. de Guadalupe ordenado sacer- Fotos: Maria Matsutacke dote da Diocese de São José , pela imposição das mãos de Dom Moacir Silva, na manhã de sábado, 19 de :: IRÁ ACONTECER dezembro. Clero, seminaristas, re- A coordenação diocesana das ligiosas, seus parentes e centenas de amigos acompanharam, com Formação Diocesana VEM AÍ! CEBs lamenta o falecimento do Diá- cono Geraldo Bueno da Silva, ocorri- muita emoção, este momento deci- sivo para o neo sacerdote. A Diocese das CEBs do no dia 29 de janeiro. Que Nossa Senhora do Bonsu- de São José dos Campos ficou ain- cesso, leve conforto aos familiares, da mais alegre com a integração de Tema: Centralidade da Palavra parentes, amigos e às comunidades Padre Alecão a seu clero! Parabéns, Dia: 21 de Março 2010 A Romaria Estadual onde ele participava com muita ale- Padre Alecão! “Tamo junto”, como Local: Sociedade São Vicente das CEBs a Aparecida gria no trabalho missionário. foi colocado na faixa esticada pelos jovens da Pastoral da Juventude. de Paulo Dia: 25 de abril Assista no You Tube a Homena- Também na Igreja de Santa Maria, Rua: Ana Gonçalves da Passagens com os gem das CEBs ao Diácono Geraldo em Jacareí, Padre Alexsandro cele- Cunha, nº 351 coordenadores(as) paroquiais Bueno: brou sua primeira missa. Jardim Paulista das CEBs. Uma vida dedicada a Deus! http://www.youtube.com/ Fonte: Jornal Expressão São José dos Campos - SP PARTICIPE! watch?v=bkwOMpBEcxs Expediente: Publicação Mensal das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) da Diocese de São José dos Campos – Diretor: Dom Moacir Silva – Diretor Técnico: Pe.Ronildo Aparecido da Rosa - Jornalista Responsável: Ana Lúcia Zombardi - Mtb 28496 – Equipe de Comunicação: Coordenador: Luis Mario Marinho - Integrantes: Celso Corrêa, Maria Aparecida Matsutacke, Rosana de Paula Rosa e Luzinete Pereira - Colaboradora: Madalena das Graças Mota - Diagramação: Maria Bernadete de Paula Mota Oliveira - Correção: Sandra Memari Trava - Revisão: Pe. Ronildo - Arte Final, Editoração e Impressão: Katú Editora Gráfica - Tiragem: 6.200 Exemplares Sugestões, críticas, artigos, envie para Bernadete. Fale com a Redação... Av. Ouro Fino, 1.840 - Bosque dos Eucalíptos CEP 12.233-401 - S. J. Campos - SP Esperamos seu contato! E-mail do informativo: tremdascebs@diocesesjc.org.br

×