2º Crise e Queda da Monarquia: A Agonia do Regime Monárquico

1,316 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,316
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
286
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

2º Crise e Queda da Monarquia: A Agonia do Regime Monárquico

  1. 1. Crise e Queda da Monarquia: A Agonia do Regime Monárquico<br />
  2. 2. O Ultimato e a Impopularidade da Monarquia<br />Existia então um grande descontentamento do operariado e da burguesia.<br />A falta de popularidade da Monarquia acentuou-se ainda mais com o Ultimato Inglês de 1890.<br />Grande parte do País culpava o Rei e os seus colaboradores por terem cedido às ameaças Britânicas.<br />
  3. 3. Estouraram manifestações de repúdio contra os Ingleses e contra a Monarquia.<br />Ao mesmo tempo tentava-se levantar o orgulho nacional que estava gravemente ferido.<br />Foi nessa altura que foi composta a marcha patriótica, A PORTUGUESA, que mais tarde viria a ser adoptada como HINO NACIONAL.<br />
  4. 4. 1890 Versão Original<br />Letra: Henrique Lopes de MendonçaMúsica: Alfredo Keil<br />IHerois do mar, nobre povo,Nação valente, imortal,Levantai hoje de novoO esplendor de Portugal!Entre as brumas da memoria,Oh patria sente-se a voz<br /> Dos teus egrégios avós,Que há-de guiar-te à vitória!Às armas, às armas!Sobre a terra, sobre o mar,Às armas, às armas!Pela patria lutar!Contra os Bretões marchar, marchar!<br />Data: 1890 (com alterações de 1957)Letra: Henrique Lopes de MendonçaMúsica: Alfredo Keil<br />IHeróis do mar, nobre povo,Nação valente, imortal,Levantai hoje de novoO esplendor de Portugal!Entre as brumas da memória,Ó Pátria sente-se a vozDos teus egrégios avós,Que há-de guiar-te à vitória!Às armas, às armas!Sobre a terra, sobre o mar,Às armas, às armas!Pela Pátria lutarContra os canhões marchar, marchar!<br />
  5. 5. IIDesfralda a invicta bandeira,À luz viva do teu céo!Brade a Europa á terra inteira:Portugal não pereceu!Beija o teu sólo jucundoO Oceano, a rugir de amor;E o teu braço vencedorDeu mundos novos ao mundo!Às armas, às armas!Sobre a terra, sobre o mar,Às armas, às armas!Pela patria lutar!Contra os Bretões marchar!<br />IIDesfralda a invicta Bandeira,À luz viva do teu céu!Brade a Europa à terra inteira:Portugal não pereceuBeija o solo teu jucundoO oceano, a rugir d'amor,E o teu braço vencedorDeu mundos novos ao Mundo!Às armas, às armas!Sobre a terra, sobre o mar,Às armas, às armas!Pela Pátria lutarContra os canhões marchar, marchar!<br />
  6. 6. IIISaudai o sol que despontaSobre um ridente porvir;Seja o eco de uma afrontaO sinal do resurgir.Raios dessa aurora forteSão como beijos de mãe,Que nos guardam, nos sustêm,Contra as injurias da sorte.Às armas, às armas!Sobre a terra, sobre o mar,Às armas, às armas!Pela patria lutar!Contra os Bretões marchar!!<br />IIISaudai o Sol que despontaSobre um ridente porvir;Seja o eco de uma afrontaO sinal do ressurgir.Raios dessa aurora forteSão como beijos de mãe,Que nos guardam, nos sustêm,Contra as injúrias da sorte.Às armas, às armas!Sobre a terra, sobre o mar,Ás armas, às armas!Pela Pátria lutarContra os canhões marchar, marchar!<br />
  7. 7.
  8. 8. A Ofensiva Republicana<br />O Partido Republicano aproveitou este descontentamento proveniente do Ultimato Inglês.<br />A 31 de Janeiro de 1891, rebentava no Porto a primeira revolta republicana.<br />Apesar de não ter vingado, foi a primeira ameaça directa ao regime Monárquico.<br />
  9. 9. A causa Republicana era cada vez mais popular.<br />Tinham o apoio dos principais jornais de Lisboa e Porto, que faziam uma verdadeira campanha de descrédito da Monarquia.<br />Contavam ainda com a colaboração de algumas organizações perigosas, a Maçonaria e a Carbonária.<br />
  10. 10. Maçonaria – Organização semi-secreta, com rituais próprios, defensora da fraternidade e da liberdade. Tinha principalmente elementos da Burguesia.<br />Carbonária – Organização secreta, defendiam a queda da Monarquia, considerando todos os meios, até os mais violentos.<br />
  11. 11. Regicídio e o Fim da Monarquia<br />Em 1907 o rei D.Carlos tentou uma solução à força para acabar com estas ondas de descontentamento.<br />Dissolveu o Parlamento e entregou a chefia do Governo a João Franco, que passou a governar em Ditadura.<br />
  12. 12. Foi estabelecida a Censura à imprensa e alguns presos políticos foram condenados a penas de degredo, para as colónias.<br />Em 1908 o regime atingiu o máximo de violência, com o Regicídio.<br />
  13. 13.
  14. 14. Em Fevereiro de 1908, o Rei D.Carlos e o Príncipe Herdeiro( Luís Filipe Duque de Bragança), quando voltavam de Vila Viçosa, foram mortos.<br />O atentado deu-se por extremistas Republicanos, no Terreiro do Paço, em Lisboa.<br />
  15. 15. Luis<br />Filipe<br />Dona<br />Amélia de<br />Õrleães<br />
  16. 16.
  17. 17. Os extremistas eram Manuel Buiça e Alfredo Costa, pertencentes talvez à Carbonária.<br />
  18. 18.
  19. 19. Após o Regicídio, subiu ao trono o filho mais novo de D. Carlos, D. Manuel II, que tinha apenas 19 anos.<br />A principal decisão foi demitir João Franco, considerando-o o principal culpado da situação.<br />
  20. 20. Chegada<br />Parlamento<br />Para tentar acalmar a agitação que se vivia resolveu restabelecer todas as instituições democráticas que existiam.<br />A Monarquia cada vez mais isolada, tinha os seus dias contados.<br />

×