Literatas                       Não conhecemos o preço da palavra. Envie esta revista a um amigo                          ...
2    BLA BLA BLA    Exero 01, 5555    Terça-feira, 20 de Setembro de 2011                                               ht...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA       3 Terça-feira, 20 de Setembro de 2011                                                ht...
4    BLA BLA BLA   Exero 01, 5555    Terça-feira, 20 de Setembro de 2011                                                  ...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA   5Terça-feira, 20 de Setembro de 2011                                             CRÓNICA / ...
6    BLA BLA BLA   Exero 01, 5555    Terça-feira, 20 de Setembro de 2011                                            https:...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA       7 Terça-feira, 20 de Setembro de 2011                                                  ...
8      BLA BLA BLA   Exero 01, 5555Terça-feira, 20 de Setembro de 2011                                      https://litera...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA   9  Terça-feira, 20 de Setembro de 2011                                          https://lit...
10   BLA BLA BLA   Exero 01, 5555 Terça-feira, 20 de Setembro de 2011                  https://literatas.blogs.sapo.mz    ...
Exero 01, 5555   BLA BLA BLA   11Terça-feira, 20 de Setembro de 2011                                   https://literatas.b...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Revista literatas edição 10

1,332 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,332
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revista literatas edição 10

  1. 1. Literatas Não conhecemos o preço da palavra. Envie esta revista a um amigo Literatas agora é no SAPOSai às Terças-feiras literatas.blogs.sapo.mz Encontre-nos no facebook Literatas Revista de Literatura Moçambicana e LusófonaDirector editorial: Eduardo Quive * Maputo * 20 de Setembro de 2011 * Ano 01 * Nº 10 * E-Mail: kuphaluxa@sapo.mzEscrever paradesvendarmistérios doalémFelipe Matusse e NatanielNgomane, escalam a vasta obradeste autor, este último indo maislonge, ao colocar ao lado de outrasduas ilustres figuras da LiteraturaMoçambicana – Aníbal Aleluia ePaulina Chiziane. Estas compa- Tocarrações, surgem mesmo a propósitodo novo lançamento de AldinoMuianga, da obra “Mitos –histórias de espiritualidade” –uma consagração deste escritor acomo um autor do além. Pág. 2“Pelas águasmestiças dahistória”Uma leitura de O Outro Pé daSereia de Mia Couto Pág. 3 Poesia Pág. 2LITERATURA MOÇAMBICANA Rui de Noronha Um homem, um poeta Pág. 4
  2. 2. 2 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 20 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 2Em primEiraEscrever para desvendar mistérios “Mitos - Histórias de Espiritualidade” de Aldino Muianga EDUARDO QUIvE - MAPUTO a causa da escrita de tratamento de texto e do uso da língua portuguesa como é de expressão.É o seu décimo primeiro livro, primeiro foram os contos CoNTuDo, A grande comparação do Aldino, é ao lado doem “Xitala-Mati” obra publicada em 1987, seguiram-se, PoR sEu turno, o académico Nataniel Ngomane considera Aníbal Aleluia.Magustana (novela-1992), “A Noiva de Kebera” (contos “Não NECEssARIAMENTE o Craveirinha,1994), “A Rosa Xintimana” (romance 2001), “o Domador porque os dois exploram antropologi-de Burros” (contos 2003), “Meledina ou a Estória duma camente o nosso mundo, trazem ao deProstituta” (romance 2004), “A Metamorfose” (contos 2005), cima, as nossas crenças, preocupações“Contos Rústicos” (contos 2007), “Contravenção, uma e inquietações. “Quando estou doenteHistória de Amor em Tempo de Guerra” (romance 2008), aonde vou? Vou ao médico ao hospitalCaderno de Memórias, Vol I” (contos 2010) e o recém lan- ou ao curandeiro? Alguém morre e tenhoçado livro de prosa “Mitos – histórias de espititualidas” a preocupações sociais, vou a campa deque debruçamos neste artigo. um familiar para poder sossegar o meuCoMo sE vê estamos a falar de Aldino Muianga, nascido espírito. Isso é explorado por esses doisa 1 de Maio de 1950, considerado um autor impossível autores.”de se prever o que vai lançar e quando o vai fazer. Mas há As IDEIAs de Nataniel Nogmane, que équem o tenta decifrar. Felipe Matusse e Nataniel Ngomane, professor de Literatura Moçambicana naescalam a vasta obra deste autor, este último indo mais Faculdade de Letras e Ciências sociais dalonge, ao colocar ao lado de outras duas ilustres figuras universidade Eduardo Mondlane, levam-da Literatura Moçambicana – Aníbal Aleluia e Paulina Chi- no a comparar ainda o autor, com Paulinaziane. Estas comparações, surgem mesmo a propósito Chiziane, por que esta também explora ado novo lançamento de Aldino Muianga, da obra “Mitos espititualidade.– histórias de espiritualidade” – uma consagração deste PARA ALÉM de não ser, Aldino Muianga,escritor como um autor do além. servindo-se do ser médico o primeiro a explorar os temas sobre aque o é por longos anos, para espreitar outras medicinas espiritualidade, o Aníbal já o tinha feito ecapazes de tratar outras doenças, que ascendem ao meio agora, a Paulina também desenvolve essesfísico humano – o espírito. E assim navega, Muianga desta temas. Estes são autores que exploramvez, em estórias curiosíssimas que se podem considerar esse lado com mais veemência.da tradição moçambicana, mas que em algum momento, MAs, NGoMANE avança outros nomesassociam-se ao obscurantismo, mesmo que para uma con- como Mia Couto, ungulani Ba Ka Khosa esiderável maioria, a valorize. suleimane Cassamo que entram nessas histórias. Tal como acontece com a LíliaALIás, MEsMo sem querer esquivar do assunto em trata- Momplé e Calane da silva.mento neste artigo, vale a pena recordar que a dias, quando “MAs o Aníbal, Aldino e Paulina, exploramse celebrava o dia da medicina tradicional, divulgaram-se de uma forma mais profunda e em obrasdados que indicam claramente a associação dos moçambi- singulares. É isso que me faz os colocarcanos á estes tratamentos, em cerca de 70 por cento. juntos. Há várias linhas que colocamVoLTANDo Ao assunto, Aldino Muianga, segundo estes o Aldino Muianga ao lado de outrosestudiosos, vem demonstrar que é de facto um perito na autores.”matéria, de acordo, com o meio em que nasceu e cresceu(bairro Indígina, actualmente chamado Munhuana) e do FEITAs EsTAs análises, Ngomane con-trabalho que faz. clui que estamos perante um autor de Aldino Muianga, como um escritor de grande dimensão, obrigatória leitura por que contribui para de uma imagem isto, porque tem um percurso e coerência na sua entrega de Moçambique não só como País, mas uma imagem das na arte de escrever, facto que é comprovado pela sua vasta crenças moçambicanas, hábitos, sonhos, preocupações, publicação literária. organização social, cultural e religiosa.Escrita que revela a nossa ENTRETANTo, NGoMANE, explica que há grandes autores “É CoMo se fosse um cartão postal, uma radiografia da que se tornaram grandes apenas por um único livro, o caso de nossa sociedade. E a vivência que ele tem no âmbito da identidade Luís Bernardo Honwana, mas este caso específico de Aldino, medicina, como médico a receber doentes desde que se tem a ver com essa perseverança e entrega na escrita. formou a mais de 25 anos é uma experiência fundamental, “MAs TAMBÉM é grande autor porque ele consegue fazer porque a partir daí ele pode construir várias histórias que nos seus livros, aquilo que se quer que a literatura faça. Que reflectem de alguma maneira, o jeito de pensar dessesPARA FILIPE Matusse, a quem coube a apresentação é de alguma forma, mostrar muitos possíveis e aproveitar pacientes.”deste livro, Aldino Muianga é um autor no qual se revela esses muitos possíveis para criar imaginários reais. E ele E REFLECTIR isso nos textos é de acordo com o académi-a moçambicanidade e em “Mitos – histórias de espiritu- consegue. co, uma forma produzir um desenho de Moçambique ealidade” encontramos “uma nova proposta que aborda a os TEXTos de Aldino Muianga, particularmente aqueles em é importante que nós conheçamos esse desenho paranossa essência como seres humanos, por que nós somos que retrata os subúrbios de Lourenço Marques (Maputo), sabermos quem somos, para onde vamos e para ondeseres que biológicos, sociais, espirituais e psíquicos. Então o consegue criar o imaginário real desses cenários.” nós queremos ir.Aldino Muanga neste livro, foi captar a dimensão espiritual NATANIEL NGoMANE, compara Aldino Muianga com outros PoR CAusA disso, a Faculdade de Letras e Ciências soci-e escorrer a volta dela.” autores moçambicanos como José Craveirinha, Aníbal Ale- ais da universidade Eduardo Mondlane (FLCs-uEM), temMATussE VAI mais longe, ao considerar esta obra num luia e Paulina Chiziane. no curso de Literatura Moçambicana, uma lista de textos“manual” em que se pode achar respostas daquilo que sEGuNDo o académico, há um elemento comum a todos literários moçambicanos para e dentro destes, está inclusasempre quizemos saber como “porque é que existo, vale eles que é o compromisso que estes têm com o País, ao a obra “o Domador de Burros” de Aldino Muianga.a pena realmente viver?” e conclui “é um livro que nos trazerem por dentro dos seus textos as diversas realidades MAs A nossa fonte refere que a outros níveis mais acima,apazigua nos leva a um encontro nós próprios.” moçambicanas. nós começamos a introduzir mais livros deste autor paraMAs TAMBÉM, na óptica deste estudioso, Aldino Muianga “DA FoRMA como eles escrevem, embora cada um o faça que o estudante tenha um leque de escolhas e poderé uma referência maior da nossa literatura e como médico/ da sua maneira, colocando-os juntos, nós percebemos que trabalhar com um deles.escritor, constitui uma figura que desbravou o caminho que há, a partir desses autores, uma construção suficiente de “MAs Já vínhamos fazendo isto com vários autores, comomuitos outros médicos seguem. um imaginário da nação, de um imaginário cultural, e esse é o caso de ungulani Ba Ka Khosa, Paulina Chiziane e Mia“EXIsTE MAIs dois ou três médicos já com livros no país, imaginário acaba construindo nos leitores um imaginário da Couto, mas sentimos uma necessidade de ir introduzindomas ele foi o primeiro e todos estes o seguem. Quando ele coesão nacional, portanto, a ideia da nação e duma identi- mais escritores no leque de escolhas de estudantes. Fazen-publicou o seu primeiro livro em 1987, eu estava entrar na dade, isso por um lado.” do isso, damos uma grande oportunidade aos estudantesfaculdade e já o tinha como referência.” MAs QuANDo fala de Craveirinha, Ngomane diz ser devido de ter várias escolhas, mas ao mesmo temos, estamos a um padrão de escrita e de um escritor, por isso que coloca a valorizar institucionalmente os nossos autores. Todos tranquilamente o Craveirinha como padrão ao lado de escri- nós conhecemos Machado de Assis, Fernando Pessoa, tor como Aníbal Aleluia, no caso particular da profundidade mas próprios nossos autores não conhecemos. É papel da universidade contribuir na divulgação desses autores.”Um escritor comprometido com Concluiu
  3. 3. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 3 Terça-feira, 20 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 3Em primEira“Pelas águas mestiças da história” - Uma leitura de “O Outro Pé da Sereia”, de Mia Couto e a desigualdade com que é tratado o negro, sendo por isso que usa a expressão “Mestiçagem” no livro. PoDE-sE CoNCLuIR (impos- sível) que neste livro, mais do que ler, Luana, faz provo- cações a sociedade brasile- ira, e diga-se a africana também, para um olhar sobre as vivências, atitudes e acções do quotidiano no que diz respeito à questão das raças. “ACHo QuE raça ficou uma palavra maldita, não se fala hoje. Existem metáforas. Vou falar de étnico. Agora a moda é o étnico. Vão usar outras palavras no lugar de raça. Quando estava a EDUARDO QUIvE - MAPUTO do livro de um dos maiores escri- pesquisar esse romance de Mia Couto, a primeira coisa tores moçambicanos em “Pelas que me veio foi o que eu águas mestiças da história”. identifico ser um discursoDe tese De mestrADo em estuDos De NA oBRA, Luana Antunes Costa, da mestiçagem, que é um que prefere ser tratada de pro- entre cruzamento das cul-LiterAturA peLA universiDADe FeD- fessora do que escritora, justifica turas, dos povos, das lín- o seu encontro com o romance guas, o conhecimento queerAL FLuminense no BrAsiL, LuAnA se vai aprendendo com o que é feito outro nas trocas. Acredito que em “o outro Pé da sereia”Antunes CostA, AgorA DoutorAnDA por um é isso que está muito forte nesses encontros”. Considera moçambi- a autora.em estuDos CompArADos De LiterAtu- cano a rela- PoR ouTRo lado Allan da Rosa, também brasileiro, lançou tar acon- no evento que teve lugar na Associação dos EscritoresrAs De LínguA portuguesA, trAnsFor- tecimentos Moçambicanos, os livros “Zagaia”, “Vão” e “Da Cabula”. nacionais, DE REFERIR que os académicos Luana Antunes Costa emou o Livro Do ConsAgrADo esCritor pelas vivên- Allan da Rosa, se encontram em Maputo, para dentre cias da terra várias actividades, realizar um intercâmbio cultural nomoçAmBiCAno, miA Couto, “o outro brasile- âmbito do projecto “Brasilidades Africanas” realizado por ira sobre a estes e o Movimento Literário Kuphaluxa.pé DA seriA”, em um ponto De pArtiDA questão das Já à passada, estes vem realizando várias actividades raças. Aliás, com o Kuphaluxa, com destaque para o Workshop sobrepArA A questão DA mestiçAgem. no debate a as Literaturas Africanas no Brasil, a exibição de filmes professora que retratam a cultura afro no Estado Brasileiro, e aindaPELA NATuRALIDADE da autora brasileira, podia-se logo a levanta uma mesa de debate sobre a Literatura Moçambicana eprior se imaginar o termo mestiçagem no mundo em que através Brasileira na (AEMo), com um painel constituído pelosvive, sim, isso conta, mas conta principalmente a visão desta obra, académicos Luana Costa e Allan da Rosa – Brasil, Juvenaluniversal que Luana tem sobre as questões da raça, por isso o facto de que na sua terra reina um silêncio sobre o racismo Bucuane, Lucílio Manjate, Aurélio Furdela, sangari okapio atrevimento de intitular a sua obra em que faz uma leitura e Clemente Bata – MoçambiqueMoçambique e AngolaA MINIsTRA da Cultura de Angola, Rosa Cruz,visita Moçambique para avaliar o grau deimplementação das relações de cooperaçãoe intercâmbio artístico-cultural, assim comoestudar o que é possível empreender nospróximos dias.sEGuNDo uM comunicado do Ministérioda Cultura, a visita de Rosa Cruz será, igual-mente, uma oportunidade para apreciar oque está a ser desenvolvido no domínio dasartes e cultura entre os Países Africanos deLíngua oficial Portuguesa (PALoP), excepcio-nalmente nos projectos em curso em Angolae Moçambique, como a criação do ArquivoHistórico Comum dos PALoP e a criação doCentro de Gestão do Património dos PALoP+ a Guiné - Equatorial.o PRoGRAMA da delegação do Ministério daCultura de Angola inclui uma visita a Chilem-bene, na província de Gaza, para se inteirardo projecto de construção do monumentoem homenagem a samora Moisés Machel,que será inaugurado no próximo dia 29 desetembro
  4. 4. 4 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 20 de Setembro de 2011 LITERATURA MOÇAMBICANA 4Rui de NoronhaRui de Noronha agarrar-se aos modelos portugueses - com vínculos do século passado ou dos princípios do século XX. Daí queEscritor moçambicano, António Rui de Noronha, nascido “apenas” tenha conseguido murmurar as reivindicaçõesa 28 de outubro de 1909, em Lourenço Marques (hoje, do seu povo, em vez de as gritar e levar bem longe; daíMaputo), e falecido a 25 de Dezembro de 1943, na mesma que “apenas” tenha podido insinuar os valores africa-cidade, desde logo mostrou e deixou transparecer, na sua nos, o sofrimento do homem moçambicano, a injustiçavida e na sua escrita, um temperamento recolhido, uma criada pelo colonialismo, em vez de os denunciar clarapersonalidade introvertida e amargurada. Foi, sem dúvida, e explicitamente.um homem infeliz. Nunca chegou a concretizar, em vida,o grande sonho de publicar o seu livro de poemas, que Mesmo que assim tivesse que ser, Rui de Noronhase diz ter intitulado Lua Nova . seria, postumamente, manifesta a sua clara intenção e consciencialização daum grupo de amigos que viria a cumprir o seu desejo, necessidade de moçambicanizar os modelos estéticosao publicar, em 1943, sonetos , em parte composto de tradicionais portugueses: incorpora, em muitos poemas,sonetos publicados na imprensa local. discursividades (palavras e expressões) próprias de Moçambique. Em muitos dos seus textos encontramosMuitos dos seus poemas, porém, ainda se encontram uma espécie de simbiose entre a oratura (forma oralinéditos, ou então esquecidos na Imprensa, como é o de transmissão de conhecimentos) e a escrita , numaocaso de “o Brado Africano”, na década de 30. tentativa de exigir a reabilitação nacional. Neste sen- tido, poderá claramente dizer-se que a acção dos seusPoeta de transição, e vivendo numa época em que os poemas é sempre orientada para os caminhos do futuro:escritores moçambicanos ainda não tinham tido a opor- os caminhos que levarão à moçambicanidade .tunidade de acordar a sua consciência para as mensa-gens poéticas de conteúdo social, caracteristicamentemoçambicanas, por outro lado limitado como estava sintetizando o principal papel levado a cabo por este magnífico poeta, poder-se-á dizer que, na década de À LUZ DO POENTEpela repressão cultural em que utilizar a áfrica real como 30, a poesia moçambicana, pela voz de um dos seusfundamento/tema-chave era imediatamente alvo do exer- maiores poetas - Rui de Noronha - exprime, com elevadocício diário da Censura, a obra de Rui de Noronha ficarámarcada como o primeiro sinal expressivo, o precursor grau de firmeza, as oposições racial, económica e cul- tural que definem as relações colonizador versus colo- RUI DE NORONHAmesmo, de uma nova fase da poesia moçambicana, que nizado. Rui de Noronha teve essa consciência nacionalviria mais tarde a alcançar o verdadeiro ponto de ruptura e, em termos de criação literária, iniciou a expressão Há poucocom o passado. dessa situação. Certo é que essa expressão começou Estando olhando o mar, por ser algo tímida, embora sempre extremamente Tive um desejo loucoÉ fundamental, assim, chamar a atenção para a importân- fecundante, o que será facilmente compreensível se De nele me deitar.cia deste poeta que veio a anteceder, em cerca de mais de tivermos em conta a época de repressão vivida emdez anos, o arranque, definitivo e altivo, para a construção Moçambique, dominada por um fortíssimo e intransi- A água tão quieta,de uma poesia tipicamente moçambicana. gente sistema colonial. Mesmo assim, Rui de Noronha Tão limpa e cintilante, é universalmente apontado como o iniciador da mais Punha-me pena de não ser poetaRui de Noronha estava desacompanhado neste fulcral poderosa aposta na desalienação cultural e política, um só instante,início; estava completamente desamparado e retraído persistindo na construção de uma literatura autónoma, Para montar-lhe o dorso e ir o mundo forapor um sistema que impedia a existência de uma tradição verdadeiramente nacional Tangendo as leves ondas;literária moçambicana. Daí que o poeta se visse forçado a Cantando a luz da Aurora As pálidas giocondas,CHUvA MIUDINHA QUINHENTA MAIS E a grande desventura Dos que ela enfeitiçou E numa noite escura RUI DE NORONHA QUINHENTA, MAIS sepultou…Cai uma chuva gélida, miudinha, Dourando-a de revés,Que mal soa nos zincos dos telhados.Chuva que gela o corpo, gela a espinha, QUINHENTA... o sol descia lentamente, E havia no poente,E um dia inteiro deixa-nos gelados. De quando em vez hesitações de ouroE cai, cai sem cessar, pó de farinha RUI DE NORONHA Que punham um brando coroQue nos deixa na rua enfarinhados. De nostalgiaCai sem cessar, eterna ladaínha, Quinhenta mais quinhenta, mais quinhenta... Nas folhas mais erquidas do arvoredoNos nossos corações ajoelhados... (se eu fosse enriquecendo assim aos poucos)... Que oscilando a medo Mas perco, meus amigos e anojenta olhavam tristemente o fim do dia…um vento agreste as árvores perpassa, Ver mais um louco entre tantos loucos.Desenrolando um manto de desgraça E entãosobre a paisagem húmida, encolhida... Mais vinte e cinco linhas me apresenta, mesmo vestido Digno, firmado, estóico, ouvidos moucos. Vencido o coração,E a chuva continua triste e mansa, Procuração, dinheiro... e água benta... Vencido o meu sentido,E na minha alma à mesma semelhança, -água lhe dava eu de vontade aos socos... Eu fui entrando, pouco a pouco,Cai-me o Passado em chuva comovida... Lentamente… Abre-se a porta. É o seixas? -Não, é o Graça. E ali me pus nadando como um louco Papel azul, selado... oh! que desgraça! à luz do poente… Que mais lembrou agora este demónio? Mais um requerimento. soma e segue. Não haverá diabo que o carregue E leve-mo por graça a um manicómio?FiCHA téCniCA Propriedade do Movimento Literário Kuphaluxa Sede: Centro Cultural Brasil-Moçambique* AV. 25 de Setembro nº 1728, Maputo, Caixa Postal nº 1167 * Celulares: (+258) 82 27 17 645 e (+258) 84 57 78 117 * Fax: (+258) 21 02 05 84 * E-mail: kuphaluxa@sapo.mzDirector Editorial: Eduardo Quive (eduardoquive@gmail.com)Coordenador: Amosse Mucavele (amosse1987@yahoo.com.br)Editor - Canto da Poesia: Rafael Inguane (inguane.rafael@hotmail.com)Redacção: David Bamo, Nelson Lineu, Mauro Brito, Izidine Jaime, Japone Arijuane.Colaboradores: Maputo: Osório Chembene Júnior * Xai-Xai: Deusa D´África * Tete: Ruth Boane * Nampula: Jessemusse Cacinda * Lichinga: Mukurruza*Brasil: Itapema - Pedro Du Bois * Santa Catarina: Samuel da Costa * Nilton Pavin * Marcelo Soriano * Portugal: Victor Eustaquio e Joana Ruas.Design e páginação: Eduardo Quive
  5. 5. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 5Terça-feira, 20 de Setembro de 2011 CRÓNICA / CONTO 5 Quando Cronico FiLosoFonias rapsódicas - Ando MARCELO SORIANO - BRASIL m.m.soriano@gmail.com MAURO BRITO - MAPUTO Nota preliminar: Antes de prosseguir com este artigo, Antes de iniciar a minha lembro ao leitor que me dirijo à empírica dissertação, CPLP (Comunidade dos Países agradecer a mim mesmo por de Língua Portuguesa), portanto, ter a coragem de me ensaiar podemos encontrar gerúndios, futuros do pretérito, expressões numa escrita de opinião de etnocêntricas, familiares a certos leitores, porém, inusitadas a outros. leitura, não se trata de um Oxalá, que esta peculiaridade não seja pretexto para correções, mas ensaio literário, tampouco para integrações e enriquecimentos léxicos e culturais entre nós.de um ensaio sobre obra alguma. Marcelo Soriano. Santa Maria - RS - BR. 14/07/2011.o que trago nesta bandeja de palavras, são apenas opiniõese pensamentos sobre a leitura que desembrulhei na obra 1. [Breve DisCurso Aos vALentes]“Cronicando” do escritor moçambicano Mia Couto, que Alia-te ao teu deus pela valentia, não pela covardia.encontrei numa livraria das esquinas. olhando o título me Teu deus há de ser pai da vitória,sobressaltei de orgulho, como pode-se cronicar? Em que porque a derrota é órfã e não hámaneiras? Veremos. Recolhi a obra para as minhas mãos. deuses para ela. E, observe-se, nunca um covarde venceu.Tratava-se da segunda edição do “Cronicando”, em que o É entre os valentes que são eleitosescritor trás as situações que o País tem enfrentado. “ Não se os vitoriosos.pode perder posse de um tempo que é nosso”. Diz o autor. ********************No “Cronicando” desde “ A carta, o homem com um planetadentro & Gentipo, suas gentis poeiras”, andei errando por 2. [novA pAráBoLA Aos porCos]elas, de noite e de dia, serrado e semi-serrado com os olhos ealma, não podia deixar de lê-las um dia sequer, mesmo que oquisesse, era como uma espécie de antídoto, para o acordardo dia seguinte.As situações são reportadas em forma de palavra, comoque uma prenda para o leitor, mesmo que não assíduo, “(...)ela sofria doença do chão, mais e de mais se deixando noscaídos/ Me entregava o papel marrotado. Dobrado em milsujidades”Ao longo da leitura dos textos fui descobrindo que quandocronicava as mesmas crónicas, isto é quando as lia, andava maisalguns metros de sabedoria e redescoberta do país em quevivo e que me viu nascer; o tempo em que foram lavradas as O Pai lança cadáveres em nossa vara. E, onde seriam pérolas, agradecemos e chafurdamosredigidas (1982), ainda a poeria da guerra lavrava sofrimento sobre brilhantes e suculentas vísceras de carneiro.por onde passava, mas os mesmos ainda encaixam-se nas - Como o Pai é bondoso!realidades que vivemos hoje. Concordo quando o dizem ********************que os escritores quando exercem a escrita, no momento deconstrução, são também como futuristas na forma quandoescrevem pois chegam a prever acontecimentos de uma 3. [monóLogos póstumos Com quintAnA - pArte iX]terra, de um tempo, de uma geração. “ A amizade é um amor que nunca morre.”Muitas das situações aqui trazidas sequer tem um autor, Mário Quintanaalguém a quem lhe podem pendurar o cartão de culpa, nemtampouco mandatários ou cumpridores, os problemas assimnessa inocência, não há necessidades de haver culpados, paraque? se nem a justiça aqui faz-se presente, também não tem Eu a ele: Ai poesia, se me ouvisses! Meu velho poeta équem lhe apoie, tudo isto como se o ovo chegasse primeiro um anjinho a tocar lira... Tocar lira na cabeça dos tontos!que a galinha. “Cronicando” é uma visão e percepção das (Risos). Poeta! Poeta! Ouve só: - Aprendi a dizer “não”,realidades do país, talvez quem for a lê-lo poderá aperceber- já estou pronto para reaver amigos.se das suas fragilidades, e depois construir um novo pais queainda esta em construção, como diz o autor da obra talvez Ele a mim: A amizade é um dom. Para merecê-la, é muitodaqui há algumas décadas as crónicas nos ajudem a revisitar simples: basta que nos transformemos em bons amigos.um período da nossa história (3.) Fim
  6. 6. 6 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 20 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 6- discurso dirEctoDudas Aled: Um tocador entre letrasmas aprendi e jurei que essa EDUARDO QUIvE - MAPUTO música não ia sair de mim. FOTO: ROgéRIO MANHIQUE Aliás, a música “Mamana” levou-me para patamaresALFreDo eDuArDo CHipAnDe, nome verDADeiro DuDAs que nem imaginava chegar.ALeD, é um jovem que toCA e CAntA, e DesCoBrimos que Foi a partir dessa música queForA iguALmente, BAiLArino. ALiás, Bom BAiLArino. conheci o Centro de EstudosmAs A músiCA venCeu. AgorA toCA pArA suA própriA Brasileiros (actual Centrovoz. sentADo Com A suA guitArrA não Consegui se Cultural Brasil – Moçam-CALAr. CAntA e enCAntA. é ConHeCiDo nAs noites De bique) e o próprio CalanepoesiA em mAputo, mAs não é ArtistA que se enContre da silva, conheci, a Mingas,nA prAçA. toCA pArA poetAs. nA mAioriA DAs vezes Elvira Viegas, Pedro Miambo,em verDADeiros pALCos, mAs tAmBém, e não pouCAs e através deste, no seu pro-vezes, é músiCo DAs serenAtAs. é isso mesmo. DuDAs, jecto noites de abraço, con-pseuDónimo que vem De eDuArDo que tAmBém origi- heci muita gente.nou o DuDu, Assim CHAmADo em CAsA é um nome sem As pessoAs me diziamFunDAmento. umA vez CHAmArAm-LHe DuDAs CrAzy nas Noites de Abraço quepor CAusA DAs LouCurAs que FAz nA músiCA, Depois embora eu cante músicasAiu o CrAzy e FiCou ApenAs Com o DuDAs, mAs AgorA, brasileira, tenho uma boaé ABençoADo DuDAs ALeD – ALFreDo eDuArDo. nAsCeu voz e tinha que começar aem Fevereiro De 1990, isto é, estAmos perAnte um tAL- fazer os meus próprios tra-ento De 21 Anos De iDADe em pLeno prinCípio Do séCuLo balhos e comecei a interp-XXi. retar alguns temas moçam- bicanos.Depois De ter tido vários nomes, viu a necessidade de ficar nessA ALturA desenvolvicom Dudas, mas precisava de mais porque imaginava que mais uma vez a música daum dia iam aparecer outros Dudas por aí, por isso, adoptei Mingas intitulada “alirandzu”,as iniciais do meu verdadeiro nome e ficou assim, Dudas nesse caso por influência deAled (Alfredo Eduardo), este que hoje é considerado por uma outra pessoas, a irmãmuita gente como aquele que toca e canta. do Pedro Miambo que cantaCom A adopção do Dudas Aled, o jovem, na altura adoles- muito bem essa música.cente, tornou-se um fugitivo e muito procurado. Fugitivo mesmo tenDo dificuldadeda dança que fora refugiar-se na música mesmo na entrada de falar changana, fui desen-da adolescência. volvendo mais músicas.DesDe Lá tem feito música para gente que tem bom ouvido, Interpretei a música “Kinaxi-e para além disso é estudante universitário, ou seja além de kuru” de Aly Faque, por causamúsica ele aprende sobre vários aspectos da sociedade, ele daquela tonalidade delediverte-se e busca conhecimentos, evolve-se em grupos que muito admiro. Aquelae em situações que lhe possam dar mais conhecimentos, música contribuiu muitoestou a falar do caso concreto do Movimento Literário para meu sucesso.Kuphaluxa, uma agremiação ligada à aspectos literáriosmoçambicanos, onde Dudas é membro, e junto dos saraus ConHeCi o Movimentoculturais e dos literatos vai caminhando pelos seus labir- Literário Kuphaluxa e me envolvi no Centro Cultural Brasil nesse período em que as pessoas começaram a acreditarintos. Labirintos sim. Caminho onde não se acham saídas, Moçambique, quando comecei a tocar e cantar no Insti- em mim incondicionalmente.porque o próprio coração tornou-se a chave. Dudas canta tuto Cultural Moçambique – Alemanha (ICMA), no Teatro FACto Curioso é que algumas pessoas achavam que eude corpo e alma. Avenida, até que senti o que considerei o momento mais tinha sucesso apenas para as mulheres, uma vez que estas alto da minha carreira pelo menos até agora, quando são mais sensíveis à música romântica, mas digo sincera- com o Pedro Miambo, fui actuar em Matalane, na casa do mente que eu fiz homens chorarem.Porquê fugiu da dança para se tornar músico? Malangatana antes do seu falecimento. meu primo casou mesmo recentemente, e o padrinho é Fomos Com a banda do sérgio simital. Foi brilhante, actuar o Primeiro-Ministro, cantei no seu casamento e a música- interessei-me pela música romântica depois dos meus 10 num lugar livre. Era um piquenique onde tinha de tudo, que interpretei, fez a esposa do PM chorar. Parece brinca-anos de idade. Lembro-me que ouvi muito as músicas do teatro, música e humor. Lembro-me até que não tínhamos deira, porque o casal em casamento não era este, mas elaLeonardo, eu era fã dele e ainda sou, principalmente pela um palco, e para uma das cenas de teatro tínhamos que chorou, porque consegui atingir um ponto no sentimentoforma que ele aborda as suas mensagens. ter uma cama, não tivemos outra alternativa se não levar das pessoas em que elas conseguem sentir o que canto.DAí ComeCei a imitar, fazendo barulho de um lado para a cama do mestre. Eu mesmo toquei sentado nessa cama. Com a música eu aconselho, acalmar, minimizar conflitosoutro. Lembro-me até que nessa altura a minha prima disse- Não tinha cadeira para sentar e tocar, a alternativa foi amorosos.me que não valia a pena apostar na música, mas sim tinha a cama do mestre, porque tinha que actuar, apesar da toquei por muito tempo em baixo do prédio o vivo. Duran-que continuar na dança. Levei isso na brincadeira, mas por situação. te muito tempo fiz isso. Lembro-me que voltava da escola,um lado considerei uma verdade, foi quando comecei a não pArA mim aquilo foi mais um desafio não só na carreira, deixava a pasta, pegava na minha guitarra e ia à rua paraabrir a minha boca onde havia gente, e comecei a cantar na mas para a minha vida, aprendi que sem condições que cantar. Quando isso acontecia a minha irmã dizia “já vaiscasa de banho ou noutro sítio escondido. pensamos serem indispensáveis, nós podemos fazer mais. fumar”, isso como uma maneira de dizer que tocando namAs DesenvoLvi assim mesmo, com as músicas de Leonardo, Acho que assim nós provamos que somos capazes, par- rua, alimento um vício. E tinha uma vizinha que semprecantei bastante e fui conhecendo quase todas as músicas ticularmente para mim, foi uma prova de que sei fazer. vinha para assistir.deste cantor se calhar, só não conheço aquelas que ele não Depois DessA actividade devo confessar que reduzi muitolançou. o trabalho.Aos meus 14 anos conheci um amigo que sabia tocar gui- Cantar para viver e viver paratarra, aí ganhei mais força, ele tocava e eu cantava. Lembro-me que cantava-mos mais uma música brasileira intitulada “Já fiz homens chorarem” antar“Palpite” agora também interpretada por Ana Carolina,quase que só cantávamos aquela música, e assim fomosdesenvolvendo, até que chegamos a altura em que meensinou a tocar guitarra.pAssADo ALgum tempo com 16/17 anos, tocava melhora guitarra e ía desenvolvendo alguns temas, e acabei por Quais são os momentos marcantes deste seu Então não canta para ter dinheiro?conhecer alguns artistas. Mas nessa altura tive uma namo- início de carreira?rada que foi catalisadora desse meu lado artístico. Por causa enquAnto eu achar que a música é minha alma não é meudela toquei muito a música romântica como qualquer apa- dinheiro, não vou olhar para o dinheiro, mas depois de terixonado, isso faz parte. Toquei muito a música romântica - tive o grande momento da minha vida musical em 2010, produzido e se achar que ela pode ser vendida, aí sim, maspor causa dela. embora parado em termos de frequentar os estúdios de não tenho objectivo de me tornar outra coisa só para podernA époCA em que era muito divulgada a música “Mamana” gravação, mas tive várias actividades. Toquei em muitos vender a minha música. Já tive proposta de um engenheiro(mãe) da cantora Mingas, me envolvi nela e toquei muito por eventos, como casamentos, conheci muita gente e foicausa da mãe que ia graduar. Conheci toda aquela músicado princípio ao fim, mesmo não sabendo o que significava,
  7. 7. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 7 Terça-feira, 20 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 7 a distância. Mas logo de seguida, a pessoa a fonte manda-mede som que era para ir fazer trabalhos na áfrica do sul, fazer mais uma loucura: cobrir o rosto. Era para a moça para - tenHo andado muito atento ao que as pessoas dizem. Elasdeu-me dois meses para pensar e não aceitei. qual ia fazer a serenata não ter que se apaixonar por mim. exigem duas coisas de mim: um álbum e actuações. Indepen-é que quando fazemos as coisas não pelo dinheiro, mas A situação estava mais louca. Acabei exigindo que ele me dentemente do lugar. É incrível que as pessoas não escolhempela grandeza do nosso trabalho, isso nos dignifica. Mais pagasse por aquele trabalho. Está a ver o que é ir a uma univer- lugar para me ver. Algumas até dizem que mesmo que estejavale continuar a fazer o meu estilo musical e os que gostam sidade, com flores, uma viola e ainda ter que tampar o rosto!? embaixo do prédio onde vivo a cantar que os chame, que virãode mim, estarão atentos. Não vale a pena mudar do que Mas ele implorou muito “Dudas, por favor, não faça essa moça ao meu encontro.gosto, e faço só para ir atrás do dinheiro. Eu disse há dias se apaixonar por ti”. o jeito era mesmo fechar a cara. Fi-lo com CuriosAmente já tenho vários fã-clubes. Tive um no Jardimao meu companheiro, que temos que o artista tem que o próprio cachecol que trazia. dos Namorados e outros.ter em mente que ele é quem faz o mercado e não deve CHeguei Ao encontro da miúda então. Toda rodeada de Há pessoAs que tem o meu trabalho porque enquanto toco ese submeter aos destinos do mercado. Eles devem moldar mais mulheres. o corredor estava já cheio. De rosto coberto, canto elas gravam. Mas sempre preferem-me por perto.o mercado. entreguei-lhe as rosas e fiz um pequeno discurso. De seguida mAs o meu projecto imediato é gravar o disco com as minhasse A ideia é fazer com que as pessoas adiram ao seu estilo entrei naquilo que sei fazer melhor, tocar e cantar. Todos que músicas. Mas devo dizer que agora faço mais espectáculosmusical, não precisa fazer greve, nem “bifes”, a partir de um estavam no corredor começam a cantar comigo. Quase toda porque as pessoas preferem assim. Querem-me sempre come outro, vai buscando o seu mercado. universidade parou naquele instante. A moça chorou. Então elas. uma das pessoas que mais me exige o disco é o escritornão eXiste a segunda chance para marcar a primeira saiu um dos docentes quase no fim e mandou parar porque Calane da silva que muito admira o meu trabalho.impressão. A priori quando a pessoa canta um estilo musi- estava perturbar a aula dele. Terminei assim. mAs estou a entrar num projecto com um jovem chamadocal, fica uma marca, e é essa que vale. A pessoa pode fazer mAs ALi já estava difícil de sair, todas miúdas queriam o meu Elcídio que se calhar vou divulgar dentro de alguns meses. Aromântica, mudar para hause, pandza ou qualquer outro contacto. Dei o número a moça que ajudou-me a encontrar a ideia é fazer uma série de actuações no verão. Muitos even-estilo musical, mas que não saia aquela beleza do seu pessoa para qual tinha que fazer a serenata, e ela distribuiu a tos.trabalho, o sentimento. Tem que ter sempre um tom da sua toda universidade. Antes De conhecer a Mingas, para ir actuar em lugares comoidentidade. Isto é, mudou o estilo em termos de ritmo, mas pus-me A sair. Na rua tirei o cachecol já a espera do carro que Matola, tinha que ir de chapa e para fazer isso com o meunão mudou a abordagem dos assuntos na música. me levaria para casa e por coincidência, uma estudante vê o material era complicado. Mas a Mingas aconselhou-me aé por isso que aderi a oportunidade que o Movimento meu rosto. Mas foi mesmo uma coisa explosiva. Depois dali passar a exigir condições mínimas, baseando-se na históriaLiterário Kuphaluxa deu, por exemplo, porque eles não passei a vida a ser incomodado por causa do contacto que da sua própria carreira, e até disse-me que as pessoas que mequiseram impor as suas regras naquilo que eu faço, muito disponibilizei. Mas também fui muito contactado para fazer solicitarem não vão recuar por isso.pelo contrário, nem se quer mexeram no meu cardápio. mais serenatas. e pAssei a fazer isso. De facto não mudou muito. Mas mesmoIsso acontece até agora e estou ainda no movimento. o Até umA mulher já me contactou para reconciliar-se com o assim, não me lembro de ter deixado de cantar só porque asPedro Miambo me conheceu com eles, e também não me namorado. Contactou-me para ir cantar no Indy Village e o pessoas não tem como me pagar. Apenas exijo respeito peloquis mudar e conheci outras pessoas que me assumem namorado aceitou-a de volta e foram jantar juntos. que faço. Há pessoas que até me pagam depois do evento, ecom aquilo que canto. portAnto, já cantei para reconciliar muitos amores desav- o faço com alegria desde que seja respeitado.não vou aceitar a proposta de quem vem para me mudar indos. quAnto à músicas, tenho muitas gravadas. Agora estou napor causa das exigências do mercado. Prefiro morrer na Depois DessA mais serenatas vieram, já com um companheiro MLG o estúdio do Dodge e Yoyo. Não estou exactamenteminha casta do que num mar à deriva. meu na música. Já fomos fazer umas no Jardim dos Namorados. com eles, mas apadrinham-me e respeitam aquilo que faço. Nesse tempo cantávamos mais em serenatas do que para o o que me preocupa agora é que se tem feito muitas músicasVejo que andas em muitos palcos. Afinal és grande público. descartáveis e eu não quero entrar nisso. Quero fazer músicaartista de onde? que tem que marcar a vida de alguém. Fazia serenatas para o encontro de amores venHo grAvAnDo alguns temas, até que fiz uma que esta a - Até 2010, ano em começo a registar grandes momentos doutros e os fazer sucesso nos Estadosda minha vida musical, já ia definindo o meu público-alvo. seus…? unidos da América e naFacto curioso é que via poucos adolescentes nos meus áfrica do sul, uma vezespectáculos, dificilmente apareciam jovens dos 19 à 22 - essA é a parte com- que é em inglês, o títuloanos, mas os de 25 para mais adiante até os adultos, eram plicada. Tenho dito é “Are will never know”.tantos. Foi quando descobri que o meu público, indepen- que isto não é uma FiCo FeLiz quando recebodentemente de onde vou cantar, são pessoas entre os 25 a brincadeira. Existe mensagens telefónicas,30 anos e até aos 60 anos atinjo com a minha música. uma personalidade por e-mail ou mesmo que adopto e outra pelo facebook, de pes- que sou eu mesmo. soas comentando sobre Aquela pessoa o efeito das minhasCantar para unir amores que canta é outra. músicas na vida delas. Quem se relacio- Algumas dizem-me que nar comigo porque colocam a minha música ficou apaixonado quando estão com aDisse que já fez serenatas! Como foi isso? com o Dudas cantor, namorada, uns quando pode se decepcio- tem problemas conju-- grAçAs a Deus toda serenata que fiz deu certo. A primeira nar. Não misturo gais e etc.serenata fora para o Nelo, aquilo foi complicado. Conto-lhe já as coisas. sou mais mAs AgorA pretendo ir acomo foi. diferente que o Associação dos MúsicoseLe Disse-me numa chamada muito breve, Dudas liga-me pre- Dudas cantor. No Moçambicanos, ondeciso de ti. Ele já sabia que canto muito bem. Então disse que queria meu dia-a-dia não posso gravar sem difi-que eu cantasse uma música para alguém. Fiquei espantado mas sou tão romântico, culdades e em condiçõespedi que me desse as dicas de como tinha que ser isso. mas gosto muito que sempre almejei porDisse-me pArA comprar flores e que eu havia de cantar uma de palavras e boas que são adequadas aomúsica. Ele propôs-me que cantasse a música da Pérola “Doida”, e brincadeiras. estilo de música quenão aprovei a ideia, achei até que isso ia irritar a moça, para além CuriosAmente A faço. som e voz ao vivo.de que seria difícil para mim, por essa cantora não se encaixar minha namorada Pretendo fazer um álbummuito na minha tonalidade, porque tinha que o fazer em dois dias. não me conheceu acústico.Tinha que ser uma música que conhecesse e de fácil integração na música, só desco-na tonalidade da minha voz. briu depois que souA moçA trabalhava na TIM (Televisão Independente de Moçam- músico.bique). Era recepcionista. Ele disse-me: chega, canta e deixa as A ConHeCi enquanto era DJ numa festa no Clube Então já tem em vista o lançamento de um ál-flores. Fiquei mais pasmado ainda, até pensei que estivesse a Matchedje. Descobri que ela não era de festas porque bum…gozar com migo. Mas ele pediu-me muito à rasca. Queria con- aquele evento era de finalistas da Escola secundáriaquistar a moça. Mas depois achei interessante essa paixão dele Francisco Manyanga, onde ela estudava. Então ela levou - tenHo sim. Teria lançado no ano passado, mas por causa dee decidi o fazer. meu contacto como DJ e depois descobriu que canto. muitas correrias, acabei não conseguindo. Mas já tenho todasentão LHe propus uma música do Tucan-Tucan que toquei outrA CoisA é que tenho mais amigas do que amigos, as músicas gravadas, falta a masterização e depois entregomuito. Ele aceitou. Então chegou o dia do desafio. e sempre lhe pedi para que respeitasse isso porque as o álbum acústico. Isso não é um processo fácil, mas esperoCHeguei à televisão com as minhas flores e com a guitarra não. mulheres estão mais para o sentimento, e elas revelam-se concluir brevemente.Não falei com o segurança e me pus logo a entrar. Era preciso muito no estilo de música que faço. Enquanto os homensmuita coragem. Cheguei ali, a encontrei e dei as flores. Aquilo era não. Essa é a natureza. Ela entende e deixo claro. Ainda já LHe ouvi várias vezes a interpretar, músicas do James Blund,recepção duma televisão e com muita gente a olhar para mim. bem que ela é compreensiva e entende que é o meu Mingas, para além de tocar e cantar e muito bem as suasTodos atentos. Comecei a tocar e a cantar. A moça começou a tirar trabalho, e não precisa estar na minha cintura a controlar, próprias inspirações. serão esses cantores as suas influênciaslágrimas e depois fiz um discurso e fui-me embora. Consegui unir pois ela confia em mim. musicais?os dois. Aquilo foi uma grande experiência para mim. nA minHA vida sentimental, não tenho sido muito român-Depois De um tempo, o mesmo fulano, pediu-me que fizesse tico. Para mim, o romantismo é algo mais do além, e - nA verdade toda música que não seja agressiva, que nãomais uma serenata, desta vez foi para uma miúda que também busco esse lado na minha música para aliviar muitos fazem-nos crescer, me influência.a queria. Teria que o fazer no dia do aniversário dela. A miúda problemas que o mundo real vive. em gerAL, tenho sido influenciado por toda a música de quali-estudava na universidade A Politécnica. mAs esCuto muito a música romântica porque realmente dade em termos de mensagem. A propósito, gosto muito doACeitei o desafio e escolhi a música “só um dia” do músico gosto e sempre me encontro. Tenho os meus problemas, Doppaz, acho que é um dos melhores músicos dos jovens,brasileiro Fábio Júnior. Chegou o dia, fui a universidade. Enquanto os meus olhos e enfim. Lá eu relaxo e me sinto aconsel- se não o melhor, a colocar as músicas e as mensagens bemsubo as escadas fui espertando a atenção das mulheres: bem hado. trabalhadas. Ele atinge as faixas etárias que muitos artistas nãoaprumado, num style com flores nas mãos e uma guitarra! As conseguem alcançar. o estilo dele se iguala ao meumeninas começaram a gritar: para quem vão as flores. A fonte Penso que como artista, o Dudas é grande.tinha me dado o nome da miúda e pedi uma aguda nas meninas Mas tem projectos para a sua carreira?e, por coincidência, estavam na hora do intervalo e fui indicado
  8. 8. 8 BLA BLA BLA Exero 01, 5555Terça-feira, 20 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 8no rEcanto dE apoLo...Sangrar (e) sugar Insinuados astros Obséquio AMéLIA MATAvELE - MAPUTO PEDRO DU BOIS - BRASIL MUkURRUZA - LICHINgA Deixaram – me muito mais indecisa obsequio o soneto: I Quando os três decididos me vieram disputar Insinuados astros de mim querendo desfrutar digo em versos, Estas mentes despidas; Cada vez mais decididos o muro erguido em tijolos diversos Estas mentes desmentidas; Me deixam sem fôlego mas com vontade Vontade de me deixar levar e não me conter de verdade guarda espaços inatingíveis, empilha Estas mentes lúcidas; Comecei pelo mar frutos ao relento. Recubro o soneto em ventos Estas mentes fundidas. sua robustez assustadora sua imensa grandeza sedutora, será ele? soprados na expressão do verbo. Realizo Descartei o, de certo modo é tenebroso em sons o tormento do mar sobre as pedras. II Pensei no sol Este que me aquece os cabelos sobre as pedras ergo o muro: tijolo são(me) encantos Me levanta e me acorda, pode até ser ele resultante do cozimento do barro; início Mas não são contos E a lua? Que exibe o seu bailado mensal cristalizado separa mundos: declamo Nem poesias, prosas ou sonetos, Ilumina e apaixona corações, será? obsequioso o soneto. silencio Mas um tempo com (100) metros. Como escolher? Tenho que fazer justiça paredes e portas em adjetivos. Como? será o sol? Que vem quando quer e depois de doze III horas desaparece? Talvez mendigue cada instante ou se é a lua? Que depois de doze horas desaparece? Da hora destas grades mentes Que um dia brotara. Terra mãe ARSéNIO IMPISSA - LICHINgA IV vejo-te Não e soque pensam Este é grito dos homens negros. HUMBERTO RODRIgUES - LICHINgA Mas sim o que dizem, Não são gritos dos prumos De pe em pe ate amim os que bem te conheceram Das paredes crivadas. sobre os postes eu fico maluco E ainda mais hoje te constroem. Tenho teu nome Niassa Nos dias em que nós Vou chorando mesmo ainda por pouco De ti fala o mundo… não existíamos… Talvés seja melhor assim! Que por ti passa AMéLIA MATAvELE - MAPUTO Vejo-te e revejo-te na rua do cachoro E sente-se apaixonado. Nos em que nós não existíamos Emploirando sobre o túmulo do cadaver vivo Não estas esquecido Minha terra já estava aqui Vieram brancos, amarelos Por insuportabilidade chamo o socorro Estas no fundo do meu coração Cor-de-rosa Mas meu avô preto Que até nem apetece-me viver de novo. Pelo teu povo estas abençoado, Já existia aqui! Espera a felicidade Naqueles tempos não andava-se de chapa Vejo-te nas varandas do changanane Que brevemente com emoção Não tinham as exploradoras tecnologias Que hoje chegam aos nossos cabelos os pilares do bairro popular Ira ouvir-se o sino da tua realidade Eram vivos e saudáveis Até nos aredores da escola Eduardo Mondlane Viviam sem sofrer os quinze meticais do chapa Eram escravos de alguém Mas sim, eram felizes. Que de mim e obvio e não chorar? O alvor da ânsia Não como nós Vai e corra por mundo vagabundo EDUARDO TOCOLOUA - LICHINgA Escravos da tecnologia Que nos explora sem motivo Escoraça alem do mundo perdido Era Kankhomba no limiar da soberania, somos esmagados por raios de tristeza Do teu jogo estilo e não é profundo E ares de insatisfação Forjada na vizinha Tanzania, Ah! Nos dias em que nós não existíamos Não atinge e nem perfura amargem Até o mar estava aliviado uma juventude sacrificada. Agora até ele diz ao sol, a lua e as estrelas Do coração alem de antes ferido. Por outra meio assombrada, “ Quem me dera se regressássemos ao tempo emque eles não existiam”! só com Homens como Kankhomba Faz-se herói que nunca tomba.
  9. 9. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 9 Terça-feira, 20 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 9 canto da poEsia - FacEbook Imaginação ISIDRO JACOB vALIAMANUEL LUO NHONEL LELéS OLIvEIRA umas brotam do ventre maternoo que tenho por fora, permanece inalterado Adornando a pureza dos céussorriso estampado no rosto, calor no corpo inteiro, alegria de ver e viver, Corto a margem da realidade Dos horizontes do mar celesteParece festa, parece fogo, parece... parece felicidade! E abençoadas pelo alvoroço de tempestade Viajo no horizonteDentro de mim há um abismo. E outras, imputavam a idadeNão pode ser visto, nem tocado Estrangulo barreiras Do dia em que o tempo nasceusua profundidade é incalculável, Lambidas pela sabedoria Divinaos que tentam desvendar apenas se enchem de dúvidas Invado espaços Com temperança e impavidez felinaDúvidas? Crio sem acção Mas ela gingava dum olharsim! Muitas dúvidas. Que me embebedava a almaCoisa inexplicável... salto parado Me extraviava pelo seu caminhar Ao meu coração oferecia desassossego e calmao que me move é a paixão Encontro sem chegarÉ ela que me faz querer viver os seus lábios...Que me faz voar e querer alcançar o céu Constavam com o fulgor do solVoar bem alto... e cair, voltar ao chão No indagar do horizonte Me prostituo em pensamentos Para o imaginário outorgava-me a sorteo que queima dentro de mim é o desejo incontido de ter (e não ter) Cogito, imagino, medito Não, ela não gozava de perfeiçãoE se me busco em mim mesma, encontro o vazioA loucura, Férteis pensamentos germinam Mas traia-me aos temposo medo Que moram na memoria Na cachola do juízo Infestados pela malícia do prazerMas se por um segundo eu me encontro, mesmo que por um segundo E vividos pelas carícias do lazerEu quero, eu surto, eu vejo, eu sinto...Que você nunca passou Tempos que nos falseava com o veneno Pariu a imaginação: Do desejo de amor Essa coisa de amar Beldades e bestas Tempos em que o tempo Chegara ao seu destino IZIDINE JAIME Bichos e animais Maravilhas e desastresO sol aposentou-se...Amanheceu nos olhos do mundo Céus e terra Para todos os poetasMas no calor das mantasA noite ainda vive no quarto Paraíso e infernos Noites e dias...Meu corpo me sente distanteJá não dá para enganar o silêncioEu me amo naquela mulherMas essa coisa de amar é estranha Hoje imagino: SANCHO PIRESPerder-se num abraço distante onde vou Em nome da vossa uniãoLá onde o rio senta para beber o vento Hoje venho recitar este poema com paixão Quem serei Dissolver a última lágrima que me resta e sucumbeEngano um pouco a solidão Para imolar a melancolia que em vós a décadas se imagino: circundaAbraço-a docemente no calor da camaDe vez em quando, finjo que a amo Transgrido leis Abraçai-vos, pois lutais por uma intrínseca causaSozinho no quarto onde não estou Não daí pausa a vossa inspiração... Que a física condena Só e só se o tempo vos arrancar a respiraçãoPasseio por outras aragens Pois sois vós a lareira que aquece a vossa nação ocupo espaços ao mesmo tempoNas paisagens da mente Andai de mãos dadas rumo a transcomunicaçãoPor onde o meu pensamento namora a Estrela Dou largas asas E ensinai os sensíveis o enigma da vossaJá não sei onde isso vai conotação Que jamais abrir-se-ãoMas é tão bom ir nessa viajem inconsciente Poetas, verdadeiros transportes e medianeiros... o corpo pesa, mas a mente... Entre o mundo físico e o metafísicoEstou seguro com esse medo Sois vós que colocastes ao crivode perder o que não é meu, talvez! Leva-me onde quero... A inércia da dor deste mundo paralítico Que demoveste da matéria o espírito ofuscadoSei que na vida existe aquela coisa triste Acreditando que a vida reside em fluidosde ter as coisas para saber perde-las benefíciosMas não me importam as tristezas da vida Por todos vós poetas que restringistes aCada segundo com ela é mais um sorriso lindo voracidade Naufragastes no limiar da mendicidadeEssa coisa de amar despe a alma Vindem e adentrai ao mundo da pura sinceridadeO tempo não sabe disso E do crucial valor da vossa existencialidade.vem com o entardecer da noitee nos condena a infinita vontade de sermos um (nós).Olha-nos alegremente por não vivermos juntose nos cala o contacto sagrado dos lábiosAquela coisa estranha (doce) de uma boca estar na outraacabando tudo numa saudadeque o pensamento não sabe cumprir. Textos do Grupo - Canto da Poesia do FacebooK. Recolha de Raffa Inguane.
  10. 10. 10 BLA BLA BLA Exero 01, 5555 Terça-feira, 20 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 10EspEciaL JoGos aFricanos maputo - 2011 Bailado de Abertura oficial dos Jogos Africanos Maputo 2011, no Estádio Nacional do Zimpeto. FOTOS: Rogério Manhique - Jornal Escorpião - Maputo mkennyrogers@yahoo.com.br
  11. 11. Exero 01, 5555 BLA BLA BLA 11Terça-feira, 20 de Setembro de 2011 https://literatas.blogs.sapo.mz 11EspEciaL JoGos aFricanos maputo - 2011A Orquestra que acompanha o bailado “África Mítica”Cerca de 800 artistas jovens e estudantes viveram três meses de ensaios árduos, para trazer ao grande dia da abertura oficial dos Jogos Africanos- Maputo 2011, um espectáculo que transcende os limites territoriais moçambicanos. O resultado desses meses de aprendizagem para uns, eaplicação para outros, verificou-se pela grandeza do espectáculo proporcionado por estes no Estádio Nacional do Zimpeto perante o mundo inteiro,particularmente para Maputo.Trata-se de um conjunto de coreografias que caracterizam as vivências moçambicanas, a história e a diversidade cultural, tanto nacional, como de todoo continente. Aliás, as múltiplas culturas características na África, deram voto ao nome do bailado – “África Mítica”.De facto provou-se pela qualidade do evento, difícil de explicar, que a África é mítica.Nunca antes visto, a convergência do Ngalanga, dança da etnia chopi que transmite alegria, acompanhada por Timbila, outro instrumento de grandevalor descoberto e muito bem conhecido pelos chopes, proclamado Património Oral e Imaterial da Humanidade pela UNESCO. No Ngalanga, pôde se vera criativa construção do mapa de Moçambique pelos bailarinos.Entre os tipos de danças, desfilaram ainda, as danças Makwayi típica da província de Maputo, gaza, Sofala e Manica, e Mutxongoyo originária deManica, e por fim o momento de apoteose, ilustrando a dança do hino dos Jogos Africanos.Foram chamados estes tipos diferentes de dança, para ilustrar os cruciais momentos da vida dos moçambicanos, desde o despertar, onde as pessoas seentregam às diferentes actividades, tendo sido através desta coreografia, demonstrada a vida das comunidades.De seguida, retratou-se a fase da ocupação colonial, para depois, o nacionalismo e luta pela independência nacional, demonstrando através do ritmo eda dança, a resistência dos moçambicanos à opressão, a importância da unidade nacional, enaltecendo o papel fundamental de Eduardo Mondlane.Por fim, o bailado ilustrou a celebração da independência nacional, através da dança Makwayi e Mutxongoyo, unindo as províncias, o que representaigualmente a solidariedade entre outros valores que resultam dos jogos africanos. REVIsTA LITERATAs - REGIsTANDo os MoMENTos CuLTuRAIs Dos X JoGos AFRICANos - MAPuTo 2011 Coordenação e Texto: Eduardo Quive FoToGRAFIAs: Rogério Manhique - contacto: +258 84 48 95 352 / Email: mknnyrogers@yahoo.com.br

×